of 49/49
ATUALIDADES - REVISÃO Neopopulismo na América Guerra Civil na Síria Rio 92 Rio + 20 Novo código florestal

Atualidades revisão

  • View
    603

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Atualidades revisão

  • 1. ATUALIDADES - REVISO Neopopulismo na Amrica Guerra Civil na Sria Rio 92 Rio + 20 Novo cdigo florestal

2. NEOPOPULISMO NA AMRICAOs rumos poltimos da Amrica Latina no sc XXI 3. GUERRA CIVIL NA SRIA As motivaes para o conflito 4. RIO 92 A Conferncia das Naes Unidas sobre oMeio Ambiente e o Desenvolvimento, conhecida tambm como ECO-92, Rio-92, realizada entre 3 e 14 de junho de 1992no Rio de Janeiro, reuniu mais de cemchefes de Estado que buscavam meios deconciliar o desenvolvimento socioeconmicocom a conservao e proteo dosecossistemas da Terra 5. O PAPEL DOS PASES DESENVOLVIDOS A Conferncia do Rio consagrou o conceitode desenvolvimento sustentvel e contribuiupara a mais ampla conscientizao de queos danos ao meio ambiente erammajoritariamente de responsabilidade dospases desenvolvidos. Reconheceu-se, aomesmo tempo, a necessidade de os pasesem desenvolvimento receberem apoiofinanceiro e tecnolgico para avanarem nadireo do desenvolvimento sustentvel. 6. Duas importantes convenes foramaprovadas durante a ECO-92: uma sobrebiodiversidade e outra sobre mudanasclimticas. Outro resultado defundamental importncia foi a assinaturada Agenda 21, um plano de aes commetas para a melhoria das condiesambientais do planeta. 7. AGENDA 21 A Agenda 21 consiste em um acordo estabelecidoentre 179 pases para a elaborao de estratgiasque objetivem o alcance do desenvolvimentosustentvel.Esse documento est estruturado em quatro sees:- Dimenses sociais e econmicas;- Conservao e gesto dos recursos para odesenvolvimento;- Fortalecimento do papel dos principais grupossociais;- Meios de implementao. 8. PROTOCOLO DE KYOTOConstitui-se no protocolo de um tratado internacional comcompromissos mais rgidos para a reduo da emissodos gases que agravam o efeito estufa, considerados, deacordo com a maioria das investigaes cientficas, comocausa antropognicas do aquecimento global. 9. OBJETIVO Prope um calendrio pelo qual os pases-membros (principalmente os desenvolvidos)tm a obrigao de reduzir a emisso degases do efeito estufa em, pelo menos, 5,2%em relao aos nveis de 1990 no perodoentre 2008 e 2012, tambm chamado deprimeiro perodo de compromisso (paramuitos pases, como os membros da UE,isso corresponde a 15% abaixo dasemisses esperadas para 2008). 10. QUESTIONAMENTOS Se o Protocolo de Kyoto for implementadocom sucesso, estima-se que a temperaturaglobal reduza entre 1,4C e 5,8 C at2100, entretanto, isto depender muito dasnegociaes ps perodo 2008/2012, pois hcomunidades cientficas que afirmamcategoricamente que a meta de reduo de5,2% em relao aos nveis de 1990 insuficiente para a mitigao do aquecimentoglobal. 11. O PROTOCOLO E OS ESTADOS UNIDOS 12. Os Estados Unidos negaram-se a ratificar oProtocolo de Quioto, de acordo com aalegao do ex-presidente George W. Bushde que os compromissos acarretados por talprotocolo interfeririam negativamente naeconomia norte-americana. Mesmo o governo dos Estados Unidos noassinando o Protocolo de Quioto, algunsmunicpios, Estados (Califrnia) e donos deindstrias do nordeste dos Estados Unidos jcomearam a pesquisar maneiras parareduzir a emisso de gases promotores doefeito estufa tentando, por sua vez, nodiminuir sua margem de lucro com essaatitude. 13. UMA DAS CONSEQUNCIAS DO PROTOCOLO DEKYOTO 14. Os crditos de carbono so certificaesdadas a empresas e indstrias queconseguem reduzir a emisso de gasespoluentes na atmosfera. um tipo demoeda trocada por diversos setores daeconomia atravs da adoo de medidasalternativas como reflorestamento, trocade energias fsseis por energiasrenovveis, controle de poluio, projetosde produo sustentvel entre outros. 15. QUESTIONAMENTOS AOS CRDITOS DECARBONO 16. A partir da Conferncia de Joanesburgoesta proposta tornou-se inconsistente emrelao aos objetivos do Tratado, qualseja, a reduo da emisso de gases queagravam o efeito estufa. Deste modo, apoltica deve ser deixar de poluir, e nopoluir onde h florestas, pois o saldodesta forma continuaria negativo para como planeta. 17. CONFERNCIA DA ONU- RIO + 20 18. MUITA DISCUSSO E POUCAS DEFINIES Rio+20 aprova texto sem definir objetivos desustentabilidade Conferncia adotou documento que prevdefinio futura de metas.Texto cita erradicao da pobreza comomaior desafio do mundo atual. Por atender restries de pases com visesmuito diferentes, o texto da Rio+20 foi muitocriticado por avanar pouco. 19. PARA REFLETIR 20. QUADRO COMPARATIVONEGOCIADO APROVADO CBDR sigla em inglspara ResponsabilidadesComuns MasDiferenciadas, princpioque norteia as negociaesde desenvolvimentosustentvel. O princpiooficializa que se esperados pases ricos maiorempenho financeiro paraimplementao de aes. Havia rumores de que ospases ricos queriam tiraresse princpio do texto,mas ele permaneceu. 21. NEGOCIADO APROVADO Fortalecimento do Pnuma cogitava-se transformar oPrograma das NaesUnidas para o MeioAmbiente em umainstituio com status deagncia da ONU como aFAO. Oceanos Era uma dasreas em que se esperavamais avano nasnegociaes, porque asguas internacionaiscarecem deregulamentao entre os O texto prevfortalecimento doPnuma, mas noespecifica exatamentecomo. A negociao avanou eo texto adota um novoinstrumento internacionalsob a Conveno daONU sobre os Direitos doMar (Unclos), para usosustentvel dabiodiversidade econservao em alto mar. 22. NEGOCIADO APROVADO ODS Os Objetivos deDesenvolvimentoSustentvel, metas a seremperseguidas pelos pasespara avanarambiental, poltica esocialmente, eram uma dasgrandes cartadas para aRio+20. Meios de Implementao questo-chave para ospases com menosrecursos, significa naprtica o dinheiro paraaes de desenvolvimentosustentvel. Os pasespobres propuseram acriao de um fundo deUS$ 30 bilhes/ano a serfinanciado pelos ricos. Os objetivos no foramdefinidos. Inicia-se apenasum processo pararascunhar quais devem seras metas at 2013. Elasento devem ser definidaspara entrarem em vigor em2015, quando terminam osObjetivos do Milnio. Avanou pouco. O fundo deUS$ 30 bilhes no virourealidade. A criseinfluenciou aRio+20, admitiu oembaixador brasileiro AndrCorra do Lago. 23. VISES ANTAGNICASPases ricosPressionam por leisambientais rigorosasPases pobresdestroem paraalcanar odesenvolvimento 24. CRTICAS AO TEXTO FINAL No especifica quais so os objetivos dedesenvolvimento sustentvel que omundo deve perseguir, nem quanto deve serinvestido para alcan-los, e muito menosquem coloca a mo no bolso para financiaraes de sustentabilidade. Para as Ongs; simplesmente lana uma frgile genrica agenda de futuras negociaes eno assegura resultados concretos. Os negociadores da Unio Europeiaclassificaram a redao de pouco ambiciosae disseram que faltam aes concretas 25. OPINIO DAS ONGSA sociedade civil no ratifica o texto da Rio+20.Por tudo isso, registramos nossa profundadecepo com os chefes de Estado, pois foi sobsuas ordens e orientaes que trabalharam osnegociadores, e esclarecemos que a sociedadecivil no compactua nem subscreve esse 26. E O TEXTO FINAL.... 27. Prof. Luiz Fernando [email protected] 28. O QUE O CDIGO?O Cdigo Florestal a legislao que estipula regras para apreservao ambiental em propriedades rurais, ou seja, regulamenta a formacom que a terra pode ser explorada, estabelecendo onde a vegetao nativatem de ser mantida e onde pode haver diferentes tipos de produo rural.O cdigo florestal que est em vigor atualmente de 1965, commodificaes. Por isso, houve a proposta de elaborar nova lei, mais adequada realidade atual do Brasil. 29. ANDAMENTO DO TEXTO DILMASANCIONADILMAVETA 30. RESERVA LEGAL COMO : uma parcela de cada propriedade que deve ser preservadacom a vegetao nativa. Atualmente, de 20%, exceto na AmazniaLegal, onde chega a 80% em reas de floresta, e nas zonas de cerradona Amaznia Legal de 35%. 31. RESERVA LEGAL COMO :Novo Cdigo: Proprietrio at 4 mdulos fiscais no precisamrecompor a mata nativa j degradada.Porm ambientalistas acreditam que os grandes proprietriospodem dividir suas terras e colocar em nome de familiares assim noprecisam recompor a mata nativa.Uma das propostas recompor a mata nativa em outro local,porm no mesmo bioma, se desmatou a Mata Atlntica deve compensarem uma rea de Mata Atlntica. 32. REA DE PRESERVAO PERMANENTE (APP) COMO :Locais frgeis, como beiras de rios, topos de morros eencostas, no podem ser desmatados para evitareroso, deslizamentos, destruio de nascentes, entre outros. 33. REA DE PRESERVAO PERMANENTE (APP):As matas ciliares so importantes para evitar eroso(assoreamento) e proteger as nascentes dos rios.Cdigo Antigo: Deve-se deixar 30 metros de mata ciliar.Novo Cdigo: Para rios de at 5 metros diminui-se para 15metros de faixa de mata de galeria que deve ser conservada.Ruralistas alegam que deixar 30 metros afeta o pequenoprodutor pois vai perder rea para produo, gerando a perda deprodutividade.Cdigo Antigo: Proibido o cultivo em encostas de morros.Novo Cdigo: Permitir o cultivo em encostas de morros. 34. ANISTIA:A presidente Dilma Rousseff suspendeu at junho as multasaplicadas a quem desmatou at 2008. O projeto do Novo CdigoFlorestal estabelece que, aps sano e posterior definio das regraspara APPs, os produtores assinem termo para a recomposio. Caso noreponham a vegetao num determinado prazo, devero pagar multa.As multas ficam suspensas a partir do momento da sano do Cdigo. 35. ANISTIA:Cerca de 90% das reas de produo no pas estoirregulares, ou seja, com APPs degradadas.Os ambientalistas criticam pois os produtores conheciam as leisque so de 1965, eles tambm dizem que se voc der uma anistiaagora os proprietrios vo ficar esperando uma prxima anistia, noobedecendo as leis.Segundo ambientalistas voc acaba prejudicando aqueleprodutor que obedece a lei e acaba auxiliando aquele que lucrou com odesmatamento. 36. POR QUE O PROJETO POLMICO?RURALISTASDefende que a lei atual engessa aproduo e o texto precisa aceitar queh reas que, mesmo protegidas pelaantiga lei, j esto consolidadas comoprodutivas.AMBIENTALISTAS E CIENTISTASSustentam que o projeto anistia odesmatamento e abre espao paramais derrubadas desnecessrias, jque haveria suficiente terraagricultvel no pas. Pedem maistempo para a discusso. 37. CLIQUE NA IMAGEM PARA VER O VDEO ILUSTRANDO AS APPS E ARESERVA LEGAL 38. 39. 40. 41. 42. 43. 44. 45. Aldo Rebelo - Redator do Novo Cdigo Florestal BrasileiroJ que grande nmerode fazendeiros no oobedece". 46. A natureza o nico livro que oferece umcontedo valioso em todas as suas folhas.Johann Goethe 47. E-Mail:[email protected]:http://www.linguagemgeografica.blogspot.com/