Click here to load reader

Boletim Marista Social

  • View
    228

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição 24 Boletim Marista Social

Text of Boletim Marista Social

  • O Centro Marista Circuito da Criana,

    Centro Marista Circuito Jovem

    (CMCJ) - Ceilndia, o Instituto

    Marista e Assistncia Social

    (IMAS), Instituto Marista de Soli-

    dariedade (IMS), a equipe da Ge-

    rncia Social e a superintendente

    scio-educacional Dilma Alves se

    reuniram, em Braslia, no dia 30

    de setembro de 2010 para home-

    nagear o Ir. Vicente Falqueto que

    embarcou para Genebra, na Sua, com

    o objetivo de cumprir uma nova mis-

    so: atuar na Fundao Marista de Soli-

    dariedade Internacional (FMSI). O desa-

    fio que tem pela frente, nos prximos

    trs anos, trabalhar no monitoramen-

    to das polticas empreendidas pelos pa-

    ses na Defesa e Promoo dos Direitos

    das crianas e dos adolescentes, bem

    como no assessoramento, sensibilizao

    e interlocues entre a Fundao e de-

    mais naes sobre essa temtica. Na

    ocasio no faltou emoo: os colabora-

    dores discursaram sobre as valorosas

    N e s t a e d i o :

    Projeto Independncia 2

    Entrevista: Ir. Davi Nardi 3

    Notcias CMCJ Lagoa

    Seca 4

    Casa da Acolhida Marista

    de Uberaba 5

    CDCA-DF 6

    CFES-Sudeste/Desfile

    Beneficente 7

    Centro Marista Itamarac-

    /Dia da Criana 8/9

    Galeria Social 10

    Braslia/DF, 22 de outubro 2010 Volume 2, edio 24

    EXPEDIENTE

    Gerente Social

    Claudia Laureth

    Analistas Sociais

    Bianca Oliveira

    Juliano Oliveira

    Sandra Constncio

    Valria Palheiros

    Coordenadora

    Administrativa Social

    Milda Moraes

    Assistente Administrativa

    Vanessa Fonseca

    Projeto grfico

    Jeferson Sarmento

    Jornalista Responsvel

    Fernanda Carmo IMAS

    Colabore com nosso Boletim.

    Envie notcias para:

    [email protected]/

    [email protected]

    Ir. Vicente Falqueto homenageado pelas Unidades

    Socias Maristas

    contribuies do Ir Falqueto na rea

    Social. O belo poema Bons Amigos, de

    Machado de Assis, foi dedicado ao irmo

    e amigo Vicente assim como a cano

    de Roberto Carlos Eu quero apenas

    que enaltece fortemente a importncia

    da amizade. Emocionado com as diver-

    sas demonstraes de carinho, o Ir. Fal-

    queto disse que pretende levar para

    outros povos a essncia do Brasil. No

    queremos somente teorias mas tambm

    prticas efetivas que beneficiem crian-

    as e adolescentes em todo o mundo.

    No final, o

    Frei Almir, da

    Parquia Nossa

    Senhora do

    Perptuo So-

    corro, realizou

    uma bela ora-

    o de envio

    ao Ir. Vicente

    Falqueto. Que

    a Boa Me

    continue a

    abeno-lo!

  • Pgina 2 V o l u m e 2 , e d i o 2 4

    Projeto Independncia: Sou Diferente e Posso Participar

    O Aprendizado Marista Padre Lancsio cumprindo seu objetivo social em nossa cidade, desenvolveu junto comunidade escolar e sociedade em geral o proje-to Independncia: Sou Diferente e Posso Partici-par, em comemorao ao Dia Nacional da Pessoa

    com Deficincia.

    A luta em defesa dessas pessoas, remonta ao incio dos Irmos Maristas com So Marcelino Champagnat, quando ele mesmo j se preocupava com alunos sur-

    dos nas escolas que fundou.

    O projeto foi desenvolvido a partir da necessidade de lutar pela conscientizao das potencialidades e habilidades que esse pblico tem, afinal so pessoas que na sociedade, tm direitos e deveres iguais a qualquer cidado e urge fazer valer as leis que em

    nosso Pas resguarda a essas pessoas.

    Refletir sobre a acessibilidade refletir cada ser humano exercendo a cidadania em diversas fases da sua vida. Basta pensar numa mulher grvida ou nu-

    ma pessoa idosa.

    Foram feitos relatos, visitas, entrevistas, experin-cias e pesquisas em nossa cidade, discutindo com educadores, educandos, comrcio local e rgos p-blicos, apresentado na prpria Unidade Escolar e para a socie-dade em geral na Cmara Muni-cipal de Silvnia, no dia 21 de

    setembro de 2010.

    Na culminncia aconteceram algumas apresentaes de dan-a, msica, poesia e teatro, alm de relatos de convidados ilustres, pois, recebemos atle-tas campees paraolmpicos, dentre eles: Jos Carlos Purifi-cao de Alecrim, Tito Alves de Sena, Euzbio da Silva Neto e o silvaniense Genivaldo Duarte da Silva. Eles emocionaram o p-blico presente quando demons-traram orgulho, d e t e r m i n a o , realizao pessoal e alegria pelo que fazem. Contribui-o mpar no cum-primento do obje-

    tivo do projeto.

    A apresentao na Cmara no ficou para trs. Tivemos a presena do Sr. Wanilson Jos da Silva, arquiteto e urbanista, membro da Comisso de Acessibilidade do CREA-GO. e do Sr. Maximiliano Braga Godoy, Tcnico em Acessibilidade em Edifi-caes do Conselho Estadual dos Direitos do Defi-ciente - CEDD-GO. Ambos, em concordncia com os interesses expostos no projeto, reafirmaram com sbias palavras dirigidas aos vereadores e

    pblico presente.

    Pode-se concluir, portan-to, que repensar a inclu-so social requer urgente-mente uma mudana de cultura e comportamento de cada um para que Silv-nia se efetive, de fato, numa cidade que acolhe a

    todos.

  • Pgina 3 V o l u m e 2 , e d i o 2 4

    A Gerncia Social conversou com o Diretor do Aprendi-

    zado Marista Padre Lancsio, Ir. Davi Nardi sobre o pa-

    pel do deficiente fsico na sociedade atual. Confira!

    GS Quais os benefcios que os deficientes fsicos tm

    recebido nos ltimos tempos?

    Ir. DN As pessoas com deficincia ou aquelas que so-frem qualquer outro tipo de discriminao tiverem a oportu-nidade de participar de forma plena do exerccio da cidadani-a, eles podero mostrar suas potencialidades e habilidades e com isso o quanto e como con-tribuir com a gerao de rique-zas da sua regio, de seu pas, deixando de serem meros re-ceptores de benefcios destina-

    dos a eles.

    GS- Como foi para a equipe do-Aprendizado Marista Padre Lan-csio participar do projeto Independncia: Sou Diferente

    e Posso Participar?

    IR.DN- As instituies escolares so formadoras de opinio, portanto, se houver desen-volvimento de projetos como foi o Projeto Indepen-dncia: Sou diferente e Posso Participar, pode ser um dos caminhos para colocar o preconceito social mar-gem e efetivar a presena dos deficientes na socieda-de, tendo como enfoque, a princpio, a acessibilidade. A lei promulgada em 2004 que vem assegurar todos os direitos e deveres dessas pessoas. Acreditamos que esse foi um dos maiores benefcios que os indivduos

    com essas caractersticas receberam. Resta cumprir.

    GS- Como driblar o preconceito social firmar a pre-

    sena do deficiente fsico na sociedade?

    Ir. DN- Envolver a comunidade de forma geral, o Poder Pblico, colocando em pauta debates, reflexes sobre a necessidade de mudana de paradigmas o que se pode viabilizar aes na eliminao de barreiras que impede esse pblico de participar da vida em socieda-

    de.

    GS- De modo geral, quais a contribuies Maristas

    para a efetivao da incluso social?

    IR.DN No s Maristas, mas todas as instituies es-colares precisam travar uma luta mais incisiva na incluso escolar e social, visto que um caso de ur-gncia, pois nossa caminhada tem sido muito lenta. Os deficientes continuam segregados ou simplesmen-

    te integrados; bar-reiras fsicas conti-nuam sendo cons-trudas e as atitu-dinais impregnadas ainda em um ego- s m o s e m f im.Res tam-nos com certeza a ati-tude de Jesus, que ao se deparar com os que estavam margem da socie-dade, acolhia e integrava-os na sua caminhada. Basta ver sua rela-o com as crian-as, com os po-bres, com os defi-

    cientes, etc... em diversos textos sagrados.

    Entrevista- Ir. Davi Nardi ressalta o valor do deficiente na sociedade

    Qualidade do ensino para o A-prendizado Marista, significa muito mais que contedo e preparo para a vida ba-seado em princpios ticos, morais e re-ligiosos. Premiamos por estimular nos nossos educandos e educadores, atitu-des que conduzam para um processo de transformao para uma sociedade mais humana e justa, de respeito diversida-

    de e s diferenas.

    Ir. Davi Nardi

  • Pgina 4 V o l u m e 2 , e d i o 2 4

    Notcias CMCJ Lagoa Seca

    Na tarde do dia 07 de outubro se fez pre-sente no Centro Marista Circuito Jovem o Conselho Tutelar nas pessoas de Marcelo Lopes (presidente do conselho) e Mrio C-sar (conselheiro). Eles realizaram uma palestra para que os educandos do CMCJ pudessem conhecer um pouco mais desse rgo que tem como de-ver zelar pelo cumprimento dos Direitos das crianas e adolescentes, como determina o Estatuto da Criana e do Adolescente (ECA Art. 131). Na ocasio as crianas e os adolescentes do CMCJ receberam um informativo com uma linguagem acessvel para que divulguem nas escolas, em casa, com os amigos, etc. A equipe tcni-ca do Marista Circuito Jovem agradeceu a visita e firmou mais uma par-ceria benfica para o projeto.

    No ms de setembro comemoramos o Dia Nacional do Idoso, mais precisamente no dia 27, em virtude desta data, foi realiza-do um trabalho com os educandos do Centro Marista Circuito Jovem (CMCJ) Lagoa Seca acerca da realidade do idoso. Os edu-candos foram levados a refletir e socializar temticas como: O Idoso na Constituio, vida saudvel na terceira idade, Direitos dos idosos, sade na melhor idade, etc.Ao final das discusses foram produzidos cartazes com expresso de afeto para com as pessoas mais velhas e apresentao de slides deixando a mensa-gem de que cuidar do idoso cuidar de ns mesmos, pois, pode ser que um dia sejamos idosos tambm. Os resultados foram muito bons e de imenso aprendizado para todos.Para comple-mentar o que se foi prod

Search related