Cartilha sobre crimes eleitorais

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Cartilha sobre crimes eleitorais

  • PRINCIPAIS CRIMES ELEITORAIS

  • 2016 Tribunal Regional Eleitoral do TocantinsQualquer parte desta publicao pode ser reproduzida, desde que citada a fonte.Disponvel tambm em: http//www.tre-to.jus.br

    ENDEREO PARA CORRESPONDNCIATribunal Regional Eleitoral do TocantinsCoordenadoria de Gesto da Informao Seo de Editorao e Publicaes202 Norte, Av. Teotnio Segurado, Conj 01, Lotes 1 e 2, Plano Diretor Norte - PALMAS TO CEP: 77.006-214 - CAIXA POSTAL 181 / Tel.: (63) 3233-9666http//www.tre-to.jus.brE-mail: sedip@tre-to.jus.br

    PRODUO INTELECTUALLariza Paranagu de Faria Gripp

    REVISORLeonardo Celestino Costa de Oliveira

    CAPA/EDITORAO/DIAGRAMAO:Adriano Ferreira de Mendona

    ILUSTRAOfreepik.com

    Tiragem: 3.000 exemplares

    Brasil. Tribunal Regional Eleitoral do TocantinsPrincipais crimes eleitorais : eleies 2016 _ Palmas :

    Tribunal Regional Eleitoral, 2016. 32 p.

    1.Crimes Eleitorais. 2.Direito eleitoral. 3. Eleies Legislao. I. Ttulo. II. Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins.

    CDU 342.8

  • COMPOSIO ATUAL DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO TOCANTINS

    Desembargadora NGELA PRUDENTEPresidente

    Desembargadora JACQUELINE ADORNOVice-Presidente/ Corregedora

    Juiz AGENOR ALEXANDRE DA SILVAJuiz Membro

    Juiza DENISE DIAS DUTRA DRUMONDJuiz Membro

    Juiz RUBEM RIBEIRO DE CARVALHOJuiz Membro

    Juiz HENRIQUE PEREIRA DOS SANTOSJuiz Membro

    Juiz HLIO EDUARDO DA SILVAJuiz Membro

    Procurador Regional EleitoralGEORGE NEVES LODDER

    SECRETARIA DO TRIBUNAL

    FLAVIO LEALI RIBEIRODiretor Geral

    REGINA BEZERRA DOS REISSecretria Judiciria e de Gesto da Informao

    TEODOMIRO FERNANDES AMORIMSecretrio de Administrao e Oramento

    CRISTIANE REGINA BOECHAT TOSESecretria de Gesto de Pessoas

    JADER BATISTA GONALVESSecretrio de Tecnologia da Informao

  • 1 - Abandono do servio eleitoral ................................................................. 8

    2 - Boca de urna e divulgao de propaganda no dia da eleio ....... 10

    3 - Concentrao de eleitores ...................................................................... 12

    4 - Corrupo eleitoral ................................................................................... 14

    5 - Calnia, difamao e injria na propaganda eleitoral ....................... 16

    6 - Desobedincia ............................................................................................ 21

    7 - Falsidade ideolgica ................................................................................. 23

    8 - Desordem .................................................................................................... 25

    9 - Impedimento ou embarao ao exerccio do voto ............................. 26

    10 - Fornecimento de alimentao e transporte de eleitores ............. 27

    Crimes eleitorais - perguntas e respostas do TSE .................................. 28

    Observaes ..................................................................................................... 31

    Sumrio

  • Crimes Eleitorais Eleies 20168

    Art. 344. Recusar ou abandonar o servio eleitoral sem justa causa. Pena: deteno de at dois meses ou o pagamento de 90 a 120 dias-multa (Lei n 4.737/65).

    Quem pratica esse crime o mesrio ou qualquer outro eleitor, convocado para prestar servio Justia Eleitoral (junta apuradora, colaboradores, motoristas, dentre outros), que se recusa ou abandona o servio.

    Observao: O crime do art. 344 no se confunde com a conduta do art. 124 do cdigo eleitoral (mesrio que devidamente convocado no comparece no dia da eleio) que possui carter de sano administrativa, para o qual se aplica multa de 50% (cinquenta por cento) a 1 (um) salrio mnimo. Na conduta do abandono do servio art. 344, pressupe incio do servio prestado Justia Eleitoral, situao que afasta a aplicao do art. 124 que se refere ao no comparecimento.

    JurisprudnciaO no comparecimento de mesrio no dia da votao no configura o crime estabelecido no art. 344 do CE, pois

    ABANDONO DO SERVIO ELEITORAL

    1

  • Crimes Eleitorais Eleies 2016 9

    prevista punio administrativa no art. 124 do referido diploma, o qual no contm ressalva quanto possibilidade de cumulao com sano de natureza penal. (HC n. 638, Acrdo de 28/4/2009, Relator Ministro Marcelo Henrique Ribeiro de Oliveira)

    RHC-21/SP - Relator: Ministro Eduardo Andrade Ribeiro de

    Oliveira - Ausncia de comparecimento para compor mesa receptora de votos. No configurao do crime previsto no art. 344 do Cdigo Eleitoral, uma vez que prevista sano administrativa, no artigo 124 do mesmo cdigo, sem ressalva da incidncia da norma de natureza penal. Entendimento relativo ao crime de desobedincia que tambm se aplica no caso, j que constitui modalidade especial daquele. Deciso por unanimidade, o Tribunal deu provimento ao recurso. DJ - Dirio de Justia, Data 11/12/1998, Pgina 69 RJTSE - Revista de Jurisprudncia do TSE, Volume 11, Tomo 2, Pgina 1.

    (grifo nosso).

    assente neste nosso Tribunal Superior Eleitoral que o no comparecimento de mesrio no dia da votao no constitui crime previsto no art. 344 do Cdigo Eleitoral, mas to-somente infrao administrativa (artigo 124 do referido diploma). REsp n 28.349/RJ (DJ de 9.4.2008), Ministro Carlos Ayres Britto.

  • Crimes Eleitorais Eleies 201610

    Art. 39, 5, incisos I, II e III[...] 5 Constituem crimes, no dia da eleio, punveis com deteno, de seis meses a um ano, com a alternativa de prestao de servios comunidade pelo mesmo perodo, e multa no valor de cinco mil a quinze mil UFIR:

    I o uso de alto-falantes e amplificadores de som ou a promoo de comcio ou carreata;II - a arregimentao de eleitor ou a propaganda de boca de urna; (Lei n 9.504/97).III a divulgao de qualquer espcie de propaganda de partidos polticos ou de seus candidatos.Pena deteno de seis meses a um ano, com a alternativa de prestao de servios comunidade pelo mesmo perodo, e multa.

    A expresso boca de urna foi introduzida na Lei das Eleies quando da minirreforma eleitoral (Lei 11.300/06) e deve ser entendida como qualquer manifestao tendente a influenciar a vontade do eleitor no dia do pleito.

    BOCA DE URNA E DIVULGAO DE PROPAGANDA NO DIA DA ELEIO

    2

  • Crimes Eleitorais Eleies 2016 11

    O dia da eleio reservado reflexo do eleitor e qualquer abordagem que lhe venha a fazer o candidato, ou algum em seu favor, buscando convenc-lo ao voto, crime eleitoral. E no importa em que lugar o agente esteja quando da prtica da conduta tpica, se prximo ou distante do local de votao.

    O eleitor pode manifestar-se de forma individual e silenciosa.

    Aos fiscais permitido apenas o uso de crachs dos quais constem o nome e a sigla do partido ou coligao a que sirvam, vedada a padronizao do vesturio (art. 39-A, 3 da Lei n. 9.504/97, includo pela Lei n. 12.034/09).

    Observao: O crime do art. 39, 5, da Lei 9.504/97, enquadra-se dentre os de menor potencial ofensivo, de modo que, na hiptese de flagrante, o infrator deve ser encaminhado Unidade Policial para a lavratura de TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrncia), quando ser instado a assumir o compromisso de comparecer ao Juzo Eleitoral, no se impondo a priso em flagrante. Embora a lei preveja o encaminhamento imediato ao Juzo, as demais atribuies afetas a juzes e servidores da Justia Eleitoral, no dia do pleito, recomendam que o infrator seja concitado a comparecer para a audincia preliminar prevista na Lei 9.099/95, em outra data, tal como admite a Lei dos Juizados Especiais (art. 70).

    No havendo priso, no h necessidade de que o eleitor seja apresentado previamente ao juiz eleitoral, nem tampouco h razoabilidade em mant-lo detido at o final da eleio.

    A previso legal que impe a apresentao imediata ao Juiz de pessoas detidas em flagrante delito, no dia da eleio, busca cercar o eleitor de maiores garantias de que uma eventual priso ilegal seja imediatamente relaxada, permitindo-se o exerccio do direito ao voto. No caso dos crimes de menor potencial ofensivo, a apresentao do autor do fato ao juiz revela-se despicienda, pois tais crimes no admitem priso em flagrante.

  • Crimes Eleitorais Eleies 201612

    Art. 302. Promover, no dia da eleio, com o fim de impedir, embaraar ou fraudar o exerccio do voto a concentrao de eleitores, sob qualquer forma, inclusive o fornecimento gratuito de alimento e transporte coletivo.Pena Recluso de 4 (quatro) a 6 (seis) anos e pagamento de 200 a 300 dias-multa.

    A reunio de eleitores em um determinado local com o escopo de impedir, embaraar ou fraudar o exerccio do voto, constitui-se numa das mais graves formas de interferncia no processo eleitoral.Da decorre a rigorosa sano penal prevista no Cdigo Eleitoral, qual seja, recluso de 4 (quatro) a 6 (seis) anos.

    Observao: Segundo a jurisprudncia do Tribunal Superior Eleitoral O dispositivo acima teve a sua parte final revogada pelo art. 11, inciso III da Lei n. 6.091/74 (que a lei que trata do transporte e alimentao de eleitores no dia da eleio).

    JurisprudnciaCRIME. CONDENAO. FORO POR PRERROGATIVA DE FUNO. PRORROGAO. NO-CONFIGURAO. AUTORIA E MATERIALIDADE. DOSIMETRIA DE PENA.

    CONCENTRAO DE ELEITORES

    3

  • Crimes Eleitorais Eleies 2016 13

    ANLISE. CORRESPONDNCIA. PROVA DOS AUTOS. EXAME. INADMISSIBILIDADE. REEXAME DE PROVA. VEDAO. PRINCPIO DA LIVRE CONVICO DO JUIZ. PRELIMINAR. NULIDADE. REJEIO. FUNDAMENTAO. CONCENTRAO DE ELEITORES. ART. 302 DO CDIGO ELEITORAL. REVOGAO. PARTE FINAL DO DISPOSITIVO. DIVERGNCIA JURISPRUDENCIAL. NO-CARACTERIZAO. DEFENSOR DATIVO. PRAZO EM DOBRO. NO-APLICAO. (...)5. O dispositivo que tipifica a concentrao ilegal de eleitores (art. 302 do Cdigo Eleitoral) teve somente revogada a sua parte final pelo disposto no art. 11, inciso