Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha

Embed Size (px)

DESCRIPTION

natureza humana de cristo

Text of Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha

  • 1. A Doutrina de Cristo Como Jesus pode ser plenamente Deus e plenamente homem, e ainda assim uma pessoa?

2. As Duas Naturezas de Cristo Divina Humana 3. A Humanidade de Cristo O nascimento virginal. Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Que estando Maria, sua me, desposada com Jos, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Esprito Santo. Ento Jos, seu marido, como era justo, e a no queria infamar, intentou deix-la secretamente. E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: Jos, filho de Davi, no temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela est gerado do Esprito Santo; Mateus 1:18-20 E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferir a cabea, e tu lhe ferirs o calcanhar. Gnesis 3:15 4. Jesus possua um corpo humano. E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome; Mateus 4:2 Vede as minhas mos e os meus ps, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, pois um esprito no tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho. Lucas 24:39 5. Jesus possua uma mente humana. E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graa para com Deus e os homens. Lucas 2:52 Mas daquele dia e hora ningum sabe, nem os anjos que esto no cu, nem o Filho, seno o Pai. Marcos 13:32 Isaas 11:2 6. As pessoas prximas de Jesus consideravam-no apenas humano. E aconteceu que Jesus, concluindo estas parbolas, se retirou dali. E, chegando sua ptria, ensinava-os na sinagoga deles, de sorte que se maravilhavam, e diziam: De onde veio a este a sabedoria, e estas maravilhas? No este o filho do carpinteiro? e no se chama sua me Maria, e seus irmos Tiago, e Jos, e Simo, e Judas? E no esto entre ns todas as suas irms? De onde lhe veio, pois, tudo isto? Mateus 13:53-56 Porque nem mesmo seus irmos criam nele. Joo 7:5 7. Foi o mesmo corpo que Jose de Arimateia pediu para sepultar: Este foi ter com Pilatos e pediu-lhe o corpo de Jesus. Ento Pilatos mandou que o corpo lhe fosse dado. E Jose, tomando o corpo, envolveu-o num fino e limpo lenol (Mt 27.58,59). Quando as mulheres chegaram ao jardim onde Ele fora sepultado, entrando [no sepulcro], no acharam o corpo do Senhor (Lc 24.3). Livro Teologia Sistemtica Pentecostal, pg. 121 8. O trabalho da sua alma ele vera, e ficara satisfeito... (Is 53.11,12). Neste texto, vemos que no somente o corpo de Cristo, mas a sua alma e toda a extenso do seu Ser foram entregues pelos pecados da humanidade. Durante a sua vida terrena, o Senhor Jesus tinha uma alma que e o centro das emoes humanas ligando ao seu corpo tanto a parte psquica como a somtica. Por isso, Ele sentiu pavor e angustia (Mc 14.33), indignao (Mc 10.14), compaixo (Mt 9.36) e agonia (Lc 22.44), alm de chorar (Jo 11.35) e se perturbar (Jo 12.27). Livro Teologia Sistemtica Pentecostal, pg. 122 9. O espirito de Cristo Ha na Biblia a expressao Espirito de Cristo, que nao se refere ao espirito humano do Senhor diz respeito a um dos nomes do Espirito Santo. Contudo, ao se fazer Homem, Jesus passou a ter, evidentemente, um espirito, como lemos em Lucas 23.46: E, clamando Jesus com grande voz, disse: Pai, nas tuas maos entrego o meu espirito. 10. A dupla natureza de Cristo Isto e, Jesus, ao andar na Terra, era verdadeiro Deus e verdadeiro Homem. O conceito de que Ele era 50% homem e 50% Deus no tem fundamento bblico. Filho do homem e Filho de Deus so a mesma pessoa. Jesus na eternidade estava com Deus e era Deus (Jo I.I). Ao humanizar-se, no deixou de ser divino, pois atributos exclusivos da deidade foram manifestos por Ele entre os homens. Ao abrir mo, voluntariamente, de sua gloria junto ao Pai, limitou-se, esvaziou-se, aniquilou-se a si mesmo, a fim de sofrer pela humanidade (Fp 2.6-8). No ventre de Maria, pois, uniram-se duas naturezas: a divina e a humana. Por amor de nos, para nos salvar, Deus se fez Homem. 11. Por que era necessrio que Jesus fosse plenamente humano? Possibilitar uma obedincia representativa. Ser um sacrifcio substitutivo. (Rm 6.23) Ser o nico mediador entre Deus e os homens. Cumprir o propsito original do homem de dominar a criao. Ser nosso exemplo e padro na vida. 12. Cristo humanizou-se para aniquilar o que tinha o imprio da morte, o Diabo. O autor de Hebreus mostra isso de maneira sublime e sem igual: E, visto que os filhos participam da carne e do sangue, tambm ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o imprio da morte, isto e, o diabo (Hb 2.14). Esse triunfo de Cristo sobre o Inimigo e seu imprio anulou a cdula que era contra nos (Jo 5.24; Ap 2.11). Por isso, o apostolo Paulo, inspirado por Deus, afirmou: Havendo [Cristo] riscado a cedula que era contra nos nas suas ordenanas, a qual de alguma maneira nos era contraria, e a tirou do meio de nos, cravando-a na cruz. E, despojando os principados e potestades, os expos publicamente e deles triunfou em si mesmo (Cl 2.14,15). Livro Teologia Sistemtica Pentecostal. 13. Ensinamentos falsos sobre a dupla natureza de Cristo Gnsticos. E provvel que o gnosticismo tenha surgido como um segmento cristo, no Egito, entre o fim do sculo I e o inicio do sculo II. Muitos escritos do gnosticismo do segundo sculo foram encontrados, incluindo o chamado Evangelho Segundo Tome. 14. Os gnsticos formularam trs conceitos diferentes: 1) Negavam a realidade do corpo humano de Cristo. Ensinavam que Cristo apareceu na pessoa de Jesus, mas que este nunca foi realmente um ser humano. Tal Cristologia e conhecida por docetismo (gr. dokeo, aparecer ou parecer). Para eles, Jesus apenas se parecia com o homem. Toda a sua existncia na terra teria sido uma farsa; Ele teria fingido ser carne e sangue, visando ao bem dos discpulos. 2) Afirmavam que Cristo tinha um corpo real, mas negavam que fosse material. 3) Ensinavam uma Cristologia dualista, pela qual Cristo teria entrado em Jesus no batismo e o abandonado pouco antes de sua morte. Cristo teria, por exemplo, usado as cordas vocais de Jesus para ensinar os discpulos, porem nunca foi realmente um ser humano. Afirmava, portanto, que Jesus e Cristo eram duas pessoas distintas.