EPISTEMOLOGIA COMPARATIVA: UMA PERCEPÇÃO SOBRE

  • View
    219

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of EPISTEMOLOGIA COMPARATIVA: UMA PERCEPÇÃO SOBRE

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARAN

    ADERLAN SILVERIO

    EPISTEMOLOGIA COMPARATIVA: UMA PERCEPO SOBRE KUHNE FLECK PARA ALM D'A ESTRUTURA

    CURITIBA

    2016

  • ADERLAN SILVERIO

    EPISTEMOLOGIA COMPARATIVA: UMA PERCEPO SOBRE KUHNE FLECK PARA ALM D'A ESTRUTURA

    Dissertao apresentada como requisito parcial obteno do grau de Mestre em Educao emCincias e em Matemtica, no Curso de Ps-graduao em Educao em Cincias e emMatemtica, Setor de Cincias Exatas, daUniversidade Federal do Paran.

    Orientadora: Prof. Dra. Joanez A. Aires

    CURITIBA

    2016

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARAN

    Reitor

    Prof. Dr. Zaki Akel Sobrinho

    Vice-reitor

    Prof. Dr. Rogrio Andrade Mulinari

    SETOR DE CINCIAS EXATAS

    PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM EDUCAO EM CINCIAS E EM MATEMTICA

    Coordenador da Ps-Graduao em Educao em Cincias e em Matemtica

    Prof. Dr. Emerson Rolkouski

    .

    Orientadora

    Prof. Dra. Joanez A. Aires

    DISSERTAO DE MESTRADO EM EDUCAO EM CINCIAS E EM MATEMTICA

    Silverio, Aderlan Epistemologia comparativa: uma percepo sobre Khun e Fleck para alm da estrutura / Aderlan Silverio. Curitiba, 2016. 140 f. : il. Dissertao (mestrado) Universidade Federal do Paran, Setores de Tecnologia e de Cincias Exatas, Programa de Ps- Graduao em Educao em Cincias e em Matemtica. Orientadora: Joanez A. Aires Bibliografia: p. 134-140

    1. Epistemologia. 2. Cincia Aspectos sociais. 3. Filosofia e cincia. I. Aires, Joanez A. II. Ttulo. CDD 303.483

  • Agradecer seria muito fcil, impossvel ser retribuirproporcionalmenteatodasetodosquecontriburamparaaconclusodestajornada.Poristoeem homenagemaelesdedico este trabalho humanidade, que nos une, naesperanadequeumdiaprevaleasobreoegosmo,quenossepara.

  • O princpio unificador que encontramos organizao emtodos os nveis. A viso mecanicista do mundo, ao tomar comorealidade ltima o jogo das partculas fsicas encontrouexpresso em uma civilizao que glorifica a tecnologia fsica,condizente, a final de contas, com as catstrofes do nossotempo [...]

    Bertalanffy

    Peoumagraaquetemonomeserconcedida:denojulgarem,pela leitura de um momento, um trabalho de vinte anos; deaprovaremoucondenaremumlivrointeiro,enoalgumasfrases.Sequiseremprocuraroobjetivodoautor,spodembemdescobrilonoobjetivodaobra.

    [] No tirei meus princpios de meus preconceitos, e sim danaturezadascoisas.

    Aqui, muitasverdades s se mostrarodepoisquese tiver vistoacadeiaqueasligaaoutras[...]

    MONTESQUIEU

  • RESUMO

    Esta dissertao tem como propsito evidenciar que uma leitura de Kuhn limitada ao textoA estrutura das revolues cientficas (A estrutura) no d conta das consequnciasepistemolgicas do problema da incomensurabilidade entre conceitos cientficos, bem comodas demais categorias apresentadas em A Estrutura e, principalmente, no faz perceber asreflexes deste autor nos 20 anos seguintes publicao, perodo em que retoma muitasdas suas discusses, se aproximando muito mais de Fleck. Tal objetivo foi alcanado pormeio da elaborao de uma anlise comparativa entre as Epistemologias apresentadas nasprincipais obras de Fleck e Kuhn, considerando-se o contexto histrico e social no qualforam desenvolvidas. Observou-se que muitos conceitos, como paradigma, por exemploforam apresentados em 1962 de maneira extremamente tosca [crude], para utilizar aexpresso do prprio autor, e precisaram ser reelaborados aps as pesadas crticas docoletivo de pensamento dos epistemlogos dos anos 1960 teoria de Kuhn. Tais crticas ereestruturaes tericas, entretanto, produziram pouco relevo no ambiente acadmico, oque pode contribuir, por omisso ou reforo, para reproduzir uma compreenso equivocadaacerca da Histria, Filosofia e Sociologia da Cincia, que j permeia a rea de Educao emCincias, uma vez que A estrutura um dos textos mais referenciados para estudosepistemolgicos em cursos de graduao e ps-graduao. Outrossim, uma abordagemanterior, exposta por Fleck entre 1927 e 1935 j apontava solues para o problema daincomensurabilidade, ao evidenciar o poder coercitivo dos coletivos de pensamento sobre oque pode ou no ser considerado um fato cientfico, estratgia que encaminhou o foco dadiscusso epistemolgica para a Sociologia da Cincia. Esta pesquisa se insere, enquantofilosofia comparativa, entre as perspectivas de Kuhn e Fleck, no contexto da Educao emCincias, uma vez que ao iniciar os aprendizes em uma comunidade cientfica, osprofessores de Cincias se deparam imediatamente com problemas epistemolgicos comoa relao de incomensurabilidade entre conceitos cientficos distintos e a transio entreestilos e coletivos de pensamento diversos. Estes so alguns dos temas de interesse daEducao em Cincias, que podem ser abordados pela Histria, Filosofia e Sociologia daCincia quando forem alm d'A estrutura. Constatou-se que uma leitura aprofundada dosproblemas levantados por Fleck e Kuhn pode contribuir para que certas compreensesequivocadas acerca da Cincia sejam enfrentadas por meio da Epistemologia comparativa.

    Palavras-chave: Epistemologia comparativa, Educao em Cincias, Histria,Filosofia e Sociologia da Cincia, Cincia aspectos sociais, Filosofia daCincia, Filosofia comparativa

  • ABSTRACT

    This paper aims to show that a Kuhn reading limited to the text "The Structure ofScientific Revolutions" (The structure) does not account for the epistemologicalconsequences of the problem of incommensurability between scientific concepts, aswell as other categories presented in the structure and, especially, do not perceivethe reflections of the author in the following 20 years the publication, during whichtakes up many of their discussions, approaching much Fleck. This goal was achievedthrough the development of a comparative analysis between the Epistemologiespresented the main works of Fleck and Kuhn, considering the historical and socialcontext in which they were developed. It was observed that many concepts, as aparadigm, for example were presented in 1962 in an extremely crude, to use theexpression of the author's own, and had to be reworked after heavy criticism of thecollective thought Epistemologists 1960s to Kuhn's theory . Such critical andtheoretical restructuring, however, produced little relief in the academic environment,which can contribute, by omission or reinforcement, to play a mistaken understandingof the history, philosophy and sociology of science, which already pervades the areaof Science Education, since the structure is one of the most referenced texts forepistemological studies in undergraduate and graduate. Furthermore, an anteriorapproach, exposed by Fleck between 1927 and 1935 already pointed solutions to theproblem of incommensurability, to highlight the coercive power of collective thinkingabout what may or may not be considered a scientific fact, a strategy that guided thefocus of discussion epistemological for the Sociology of Science. This research ispart, as a philosophy compared between the prospects of Kuhn and Fleck, in thecontext of Science Education, since the start learners in a scientific community,Science teachers are immediately faced with epistemological problems likerelationship incommensurability between different scientific concepts and thetransition between styles and collectives of different thought. These are some of thetopics of interest Science Education, which can be addressed by the History,Philosophy and Sociology of Science when they are apart of The structure. It wasfound that a thorough reading of the problems raised by Fleck and Kuhn cancontribute to certain misunderstandings about science are addressed throughcomparative Epistemology.

    Keywords: comparative Epistemology, Science Education, History, Philosophyand Sociology of Science, Science social aspects, Philosophy of Science,comparative Philosophy

  • SUMRIORESUMO...............................................................................................................................8

    ABSTRACT...........................................................................................................................9

    LISTA DE ABREVIAES, SIGLAS E REDUES......................................................11

    PROLEGMENOS............................................................................................................12

    A ESCOLHA DO PROBLEMA E OBJETIVO DA DISSERTAO..............................................19CONTRIBUIES ESPERADAS............................................................................................21A ESCOLHA DOS OBJETOS.................................................................................................21MTODO: A OPO POR UM ESTUDO TERICO FUNCIONALISTA...................................23

    1. A EPISTEMOLOGIA COMPARATIVA DE FLECK.................................................26

    1.1. GNESE E DESENVOLVIMENTO DAS IDEIAS DE FLECK....................................301.1.1 Acoplamentos e Harmonia das Iluses...................................................................401.1.2 Coero de Estilo e Trfego de Pensamentos..........................................................421.2 A INCOME