G. SIMMEL (1858-1918 Síntese de Sociologia do Durkheim Síntese de Sociologia do Durkheim Introdução: contextos, obras e influências Introdução: contextos,

  • View
    105

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of G. SIMMEL (1858-1918 Síntese de Sociologia do Durkheim Síntese de Sociologia do Durkheim...

  • Slide 1
  • G. SIMMEL (1858-1918 Sntese de Sociologia do Durkheim Sntese de Sociologia do Durkheim Introduo: contextos, obras e influncias Introduo: contextos, obras e influncias Fundamentos e conceitos Fundamentos e conceitos Ncleo: formas sociais e contedos da vida Ncleo: formas sociais e contedos da vida
  • Slide 2
  • AS FORMAS DE SOLIDARIEDADE Natureza da Sociedade Individuao Relao do Indivduo com a sociedade Tipos de Solidariedade Crenas e sentimentos comuns. FracoDiretaMecnica Sistema de funes especializadas unificadas pelas relaes sociais Forte Indireta. Intermediada pelos grupos especializados Orgnica
  • Slide 3
  • Durkheim O legado de Durkheim est em ver a sociedade como ordem moral. Neste sentido os conceitos fundamentais de sua sociologia so: O legado de Durkheim est em ver a sociedade como ordem moral. Neste sentido os conceitos fundamentais de sua sociologia so: Coeso, Integrao e Regulao. Coeso, Integrao e Regulao. Representaes Coletivas. Representaes Coletivas. Socializao. Socializao. Morfologia Social. Morfologia Social.
  • Slide 4
  • Durkheim A sociedade para Durkheim , antes de tudo, um conjunto de idias e por meio de sua conscincia que os homens se ligam. A sociedade para Durkheim , antes de tudo, um conjunto de idias e por meio de sua conscincia que os homens se ligam.
  • Slide 5
  • INTEGRAO SOCIAL ORDEM MORAL: crenas, sentimentos e representaes coletivas. MORFOLOGIA SOCIAL
  • Slide 6
  • ORDEM MORAL E INTEGRAO SOCIAL Coeso social ao coercitiva moral da sociedade sobre os indivduos. A SOCIEDADE NO INDIVDUO X O INDIVDUO NA SOCIEDADE.
  • Slide 7
  • ORDEM MORAL E INTEGRAO SOCIAL N o final da sua obra: Forma Elementares de Religio. A ordem moral passa a ser pensada como contendo duas dimenses: (i) a do dever, das obrigaes;. (ii) ao da realizao de bem.
  • Slide 8
  • ORDEM MORAL E INTEGRAO SOCIAL
  • Slide 9
  • U ma sociedade no pode criar-se nem recriar-se e sem, no mesmo instante, criar o ideal. Para ela, esta criao no um tipo de ato subrogatrio, pelo qual se completaria, uma vez formada; o ato pelo qual ela se faz e se refaz periodicamente. U ma sociedade no pode criar-se nem recriar-se e sem, no mesmo instante, criar o ideal. Para ela, esta criao no um tipo de ato subrogatrio, pelo qual se completaria, uma vez formada; o ato pelo qual ela se faz e se refaz periodicamente.
  • Slide 10
  • Durkheim Coeso Social e o Indivduo Coeso Social e o Indivduo Durkheim sustenta a esperana de que a vida coletiva se organizar em potentes bases morais, uma vez que o ser humano descubra que a humanidade foi abandonada sobre a terra s suas nicas foras e no pode seno contar consigo mesma para dirigir os seus destinos. Durkheim sustenta a esperana de que a vida coletiva se organizar em potentes bases morais, uma vez que o ser humano descubra que a humanidade foi abandonada sobre a terra s suas nicas foras e no pode seno contar consigo mesma para dirigir os seus destinos.
  • Slide 11
  • FIM
  • Slide 12
  • Simmel: Introduo Contexto Intelectual Contexto Intelectual Historicismo Alemo. Historicismo Alemo. Oposio ao Racionalismo Iluminista. Oposio ao Racionalismo Iluminista. Concepo irracionalista e relativista. Concepo irracionalista e relativista.
  • Slide 13
  • Simmel: Introduo Contexto Intelectual Utopias Tcnicas do Maquinismo X Utopias Filosficas do Humanismo
  • Slide 14
  • Simmel: Introduo Contexto Histrico. Contexto Histrico. 1869- Derrubada dos muros da cidade medieval. 1869- Derrubada dos muros da cidade medieval. 1871-1888 Acelerada Industrializao e Urbanizao 1871-1888 Acelerada Industrializao e Urbanizao Migrao. Migrao.
  • Slide 15
  • Simmel: Introduo Contexto Histrico. Contexto Histrico. Modernizao da cidade Transportes Pblicos Modernizao da cidade Transportes Pblicos Densidade Domiciliar e Territorial. Densidade Domiciliar e Territorial. Agitao Poltica. Agitao Poltica. Relaxamento da moralidade. Relaxamento da moralidade. Prostituio. Prostituio. Simmel vive em Berlim de 1868-1914. Simmel vive em Berlim de 1868-1914.
  • Slide 16
  • Simmel: Introduo Alemo- 1858/1919. Contemporneo de M. Weber Filsofo, embora tenha escrito alguns trabalhos sobre a sociologia Obras Importantes Sobre a Diferenciao Social Filosofia do Dinheiro A vida mental na metrpole- Conferncia feita em 1903. Digresses sobre o Estrangeiro. Pequeno texto escrito em 1908, tambm tendo com fundamento a Filosofia do Dinheiro Os Pobres. Texto considerado inaugurador da Sociologia da Pobreza. Escrito em 1908
  • Slide 17
  • SIMMEL MAXWEBER GEORG LUKCS HENRY LEFBVRE ESCOLA DE CHICAGO KARL MARX MARX N. ELIAS
  • Slide 18
  • O QUE A SOCIEDADE? FLUIDEZ DA VIDA + - - + FORMALIZAO DISSOCIAO ASSOCIAO
  • Slide 19
  • Simmel: fundamentos a faculdade do homem de se dividir em partes e sentir que alguma delas como constituidora do seu verdadeiro eu, que entra em conflito com outras partes e luta pela determinao de sua atividade - esta faculdade coloca freqentemente o homem, mesmo que tenha conscincia de ser um ser social, em relao de oposio aos impulsos exteriores e seu carter social; o conflito entre a sociedade e o indivduo se desenrola no indivduo como um combate entre as partes do ser. a faculdade do homem de se dividir em partes e sentir que alguma delas como constituidora do seu verdadeiro eu, que entra em conflito com outras partes e luta pela determinao de sua atividade - esta faculdade coloca freqentemente o homem, mesmo que tenha conscincia de ser um ser social, em relao de oposio aos impulsos exteriores e seu carter social; o conflito entre a sociedade e o indivduo se desenrola no indivduo como um combate entre as partes do ser.
  • Slide 20
  • Simmel: Introduo Indivduo SobreSocializado Indivduo SubSocializado X O Qu o que faz o SOCIAL?
  • Slide 21
  • Simmel: fundamentos A Ao Racional? A Ao Racional? A Imposio Normativa? A Imposio Normativa?
  • Slide 22
  • Simmel: fundamentos A ao racional se esgota na realizao dos contedos psquicos e a normativa no cumprimento da regra. C omo se estabelece a rotinizao da ao espontnea? Como possvel a sociedade? (1908)Como possvel a sociedade? (1908)
  • Slide 23
  • Simmel: fundamentos FLUXO DAS EXPERINCIAS HUMANAS X FORMAS FIXAS
  • Slide 24
  • Simmel: conceito SOCIALIZAO Os processos pelos quais os seres humanos so induzidos a adotarem os padres de comportamento, normas, regras e valores do mundo social. SOCIAO Os formas pelas quais os fluxos da experincia vivida ganham forma e persistem para alm dos contedos ntimos originais. Vergesellschaftung
  • Slide 25
  • Simmel Contedos Formas Sociais Autonomizao das Formas Sociais
  • Slide 26
  • Simmel Formas Sociais e Contedos Os contedos so aqueles aspectos da vida que se determinam a si mesmos e enquanto tal no tm nenhuma estrutura e nem a possibilidade de ser apreendidos em sua fugacidade.
  • Slide 27
  • Simmel Formas Sociais Contedos Formas Fragmentrias e Preliminares PROTOCULTURA Interesses Pragmticos e Exigncias Adaptativas
  • Slide 28
  • Simmel Formas Sociais e Contedos A ssim a proto-msica aparece quando a gente sente a necessidade fora do comum de expressar emoes fortes, tais como a fria, alegria ou sentimentos do tipo mstico-religioso. Frustrados pelas limitaes da mera linguagem, os sujeitos comeam a remodelar os sons verbais, adicionando-os de ritmo e melodia.A ssim a proto-msica aparece quando a gente sente a necessidade fora do comum de expressar emoes fortes, tais como a fria, alegria ou sentimentos do tipo mstico-religioso. Frustrados pelas limitaes da mera linguagem, os sujeitos comeam a remodelar os sons verbais, adicionando-os de ritmo e melodia.
  • Slide 29
  • Simmel Formas Sociais e Contedos A Proto-Cincia surge para resolver os problemas relacionados com o domnio do meio-ambiente. Ao nvel da Proto-Cultura, dispe-se apenas de um conjunto de objetos formados para responder, na exata medida, s necessidades das atividades prticas: somente a cultura suficiente, entretanto nada mais do isto.A Proto-Cincia surge para resolver os problemas relacionados com o domnio do meio-ambiente. Ao nvel da Proto-Cultura, dispe-se apenas de um conjunto de objetos formados para responder, na exata medida, s necessidades das atividades prticas: somente a cultura suficiente, entretanto nada mais do isto. T o logo desejam criados os elementos da Proto- Cultura assumem existncia prpria. T o logo desejam criados os elementos da Proto- Cultura assumem existncia prpria.
  • Slide 30
  • Simmel Formas Sociais e Contedos Proto-Cultura Proto-Cultura Formas Objetivas Mundos Reais Mundos Reais
  • Slide 31
  • Simmel Questo Central Vida Social Tenso permanente entre FORMA e CONTEDO. Mecanismos e processos de recriam a sociedade. Sociedade indivduos em relaes de sociao atravs de formas permanentes ou passageiras. A sociedade a soma destas formas sociais. O indivduo vive no cruzamento de mltiplas relaes de sociao.
  • Slide 32
  • Simmel: o indivduo e a modernidade Cultura Objetiva X Cultura Subjetiva. Cultura Objetiva X Cultura Subjetiva. Expanso da Cultura Objetiva e Alienao. Expanso da Cultura Objetiva e Alienao. Libertao do Indivduo e Risco da sua Fragmentao. Separao entre Vida