of 78/78

Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial

  • View
    227

  • Download
    4

Embed Size (px)

Text of Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial

  • Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial

    Nota Explicativa

    Os Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial so uma ferramenta que tem auxiliado

    fortemente as empresas no sentido de permitir que incorporem em sua gesto os conceitos e

    compromissos que assumem em favor do desenvolvimento sustentvel.

    Com a evoluo da discusso e o slido aumento do comprometimento das empresas com o tema,

    tornou-se necessrio criar um processo de reviso da ferramenta que vise sinergia com outras

    iniciativas, e que conte com a participao formal de grupos de stakeholders variados, a fim de ampliar

    os parmetros j existentes da ferramenta quanto sua aplicabilidade e comparabilidade.

    O projeto de reviso dos Indicadores Ethos tem como objetivo construir, por meio da criao de um espao

    multistakeholder de troca e aprendizagem, a nova gerao dessa ferramenta de gesto, garantindo a sua

    institucionalizao no plano nacional e internacional e fortalecendo seu carter educacional, por meio

    da consolidao de sua estrutura temtica e metodolgica, de modo a potencializar sua utilizao como

    valiosa ferramenta de gesto para o diagnstico e planejamento das prticas de RSE; seu alinhamento

    com as principais tendncias e iniciativas nacionais e internacionais na gesto da responsabilidade

    social empresarial; sua integrao com as principais ferramentas de gesto, metodologias e iniciativas

    em RSE e sustentabilidade desenvolvidas pelo Instituto Ethos e organizaes parceiras; e, tambm,

    pela incorporao do aprendizado resultante da experincia do Programa Latino-Americano de

    RSE Plarse.

    O desenvolvimento do projeto ter as seguintes diretrizes:

    1. Estabelecer uma institucionalizao transparente e permanente de gesto dos Indicadores Ethos,

    por meio de um mecanismo estruturado de governana e funcionamento multistakeholder;

    2. Alinhar os Indicadores Ethos s principais tendncias e iniciativas nacionais e internacionais

    na gesto da responsabilidade social empresarial, incorporando os conhecimentos adquiridos

    por outros projetos do Instituto Ethos e Uniethos (por exemplo, Cadastro Positivo, em parceria

  • com a CGU, Pacto Empresarial pela Integridade e Combate Corrupo, Pactos Conexes

    Sustentveis, Facilitao dos Indicadores Ethos, Programa Tear, etc);

    3. Integr-los com as principais ferramentas de gesto, metodologias e iniciativas em RSE e

    sustentabilidade desenvolvidas por outras organizaes, dando especial nfase Norma

    ISO 26000, a ser lanada em dezembro de 2010;

    4. Aplicar a linguagem da Global Reporting Initiative, de modo a concretizar essa integrao;

    5. Atualiz-los s mais recentes discusses em responsabilidade social (por exemplo, mu-

    danas climticas, gesto da cadeia de valor, produtos e servios sustentveis, desenvol-

    vimento territorial sustentvel, etc), no sentido de sugerir prticas de gesto que tratem

    dessas questes.

    O processo de reviso tem incio em 2010; ele foi construdo como meio de permitir um maior grau

    de participao dos diversos stakeholders da ferramenta (usurios, empresas associadas, entidades

    de responsabilidade social, organizaes especialistas em temas cobertos pelo questionrio, parceiros

    setoriais, internacionais, etc) e buscar, em termos de contedo, potencializar os efeitos e os resultados

    da abordagem de stakeholders para a gesto empresarial, na qual a ferramenta j foi estruturada.

    A verso 2013 dos Indicadores Ethos mantm o contedo das verses anteriores e est disponvel para

    preenchimento no sistema online em www.indicadoresrse.org. Participe.

  • Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial

    Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial uma publicao do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, distribuda gratuitamente a seus associados.

    RealizaoInstituto Ethos de Empresas e Responsabilidade SocialRua Dr. Fernandes Coelho, 85, 10. andar 05423-040 So Paulo, SPTel.: (11) 3897-2400; Fax: (11) 3897-2424E-mail: [email protected] nosso site: www.ethos.org.br

    Pesquisa e Desenvolvimento (verso original)Instituto Ethos: Valdemar de Oliveira Neto e Vivian SmithConsultores: Jos Edson Bacellar Jr. e Paulo Knrich, Fundao Dom Cabral e Pact

    CoordenaoAna Lucia de Melo Custodio e Renato Moya

    EdioBenjamin S. Gonalves

    Colaboradores do Instituto EthosGlucia Trreo, Paulo Itacarambi (direo editorial) e Tarcila Reis

    Colaboradores Convidados (verso 2007)Ana Cristina Madeira Nascimento, Ana Paula Caporal, Beatriz Dias, Cid Alledi, Diana Fernandes, Dilma Pimentel, Ivana Lcia B. Carvalho Rizvi, Juliana Calomeni, LaysCastro, Lvia Frossard, Lucienne Gatti, Luiz Melo, Marcelo Pastor, Mrcia Belotti, Mrcia Coltro, Maria Eugnia Guimares, Maria Sulema M. B. Pioli, MaurcioWerneck, Mnica Patrcio, Rogrio Bury R. Negro, Srgio Kuroda, Silas Silva e Tanya Rothgiesser.

    Captao de RecursosLuciana Aguiar e Maria Cristina Bumachar

    Projeto e Produo GrficaWaldemar Zaidler (Planeta Terra Design)

    Dados Internacionais de Catalogao na Publicao (CIP)(Cmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

    Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial 2007. / [coordenao da verso 2007 de Ana Lucia de Melo Custodio e Renato Moya]. So Paulo: Instituto Ethos, 2007.

    Vrios colaboradores.Vrios patrocinadores.

    1. Administrao de Empresas 2. Empresas Aspectos Sociais 3. Empresas Responsabilidade social I. Custodio, AnaLucia de Melo. II. Moya, Renato.

    07-4084 CDD-658.408

    ndices para catlogo sistemtico:1. Responsabilidade social das empresas: Administrao 658.408

    So Paulo, julho de 2013

    permitida a reproduo do contedo deste manual desde que citada a fonte e com autorizao prvia do Instituto Ethos.

    Esclarecimentos sobre as atividades do Instituto Ethos

    1. O trabalho de orientao s empresas voluntrio, sem nenhuma cobrana ou remunerao.2. No fazemos consultoria e no credenciamos nem autorizamos profissionais a oferecer qualquer tipo de servio em nosso nome.3. No somos entidade certificadora de responsabilidade social nem fornecemos selo com essa funo.4. No permitimos que nenhuma entidade ou empresa (associada ou no) utilize a logomarca do Instituto Ethos sem nosso consentimento prvio e expressa

    autorizao por escrito.

    Para esclarecer dvidas ou nos consultar sobre as atividades do Instituto Ethos, contate-nos, por favor, pelo servio Fale conosco, do site www.ethos.org.br.

  • 3

    Aresponsabilidade social empresarial (RSE)implica prticas de dilogo e engajamentoda empresa com todos os pblicos ligadosa ela, a partir de um relacionamento tico etransparente. Por mais que a implementao des-sas prticas ainda seja um desafio para as empre-sas, muitas delas tm alcanado resultados signi-ficativos nesse sentido.

    So diversos os exemplos de como tais prticastm sido incorporadas nos processos de gestoempresarial. Entre eles esto as iniciativas dasgrandes empresas em estimular suas cadeias defornecedores e clientes a tambm considerar osprincpios da RSE em sua gesto. A adoo dessasprticas possibilita o controle dos riscos e oportu-nidades de negcio e permite que no s aempresa mas tambm sua cadeia de valor possamutilizar estratgias e ferramentas rumo gestosocialmente responsvel.

    Com relao s ferramentas de gesto empresa-rial, uma demanda recorrente das empresas temsido pelo estabelecimento de comparabilidadeentre o que elas vm diagnosticando, implemen-tando e relatando de um perodo para outro. Como aprimoramento dos investimentos e da execu-o das aes com critrios socioambientais, cadavez mais necessrio acompanhar os resultadospara medir at que ponto os esforos da empresaesto atendendo seu objetivo de contribuir com odesenvolvimento sustentvel1.

    com base nesse contexto que apresentamos osIndicadores Ethos de Responsabilidade SocialEmpresarial, os quais representam o esforo doInstituto Ethos em oferecer s empresas uma fer-

    ramenta que as auxilie no processo de aprofun-damento de seu comprometimento com a respon-sabilidade social e com o desenvolvimento sus-tentvel. Estruturados em forma de questionrio,os Indicadores Ethos so um excelente instru-mento de conscientizao, aprendizado e monito-ramento da responsabilidade social empresarial.

    Sua disposio em quadros contguos foi estrutu-rada de forma a auxiliar as empresas tambm noplanejamento de aes, pois eles representamuma escala evolutiva de parmetros que as orga-nizaes podem utilizar como referncia ou inspi-rao para desenvolver suas polticas e aes.

    Aps preencher o questionrio dos Indicadores, asempresas podem enviar suas respostas para o Ins-tituto Ethos, por meio do sistema dos IndicadoresEthos2. Os dados sero processados, transforma-dos em pontuao e notas e apresentados noRelatrio de Diagnstico, permitindo a cadaempresa compar-los, por meio de tabelas e gr-ficos, com o grupo de benchmarking (as dezempresas com as melhores notas) e com a mdiado grupo de empresas que responderam ao ques-tionrio no mesmo perodo.

    Apresentao

    As informaes cadastrais da empresa,suas respostas ao questionrio e seu relatrio de diagnstico so tratados commxima confidencialidade3 pelo InstitutoEthos e s sero disponibilizados para terceiros mediante autorizao expressada prpria empresa.

  • 4

    A presente verso dos Indicadores foi desenvolvi-da preservando a comparabilidade de informa-es. O contedo das perguntas foi mantido emrelao verso anterior, havendo somente ade-quaes de linguagem para facilitar seu entendi-mento. Espera-se com isso que as empresas pos-sam comparar seu desempenho de um ano para ooutro, observando seus avanos, desafios e opor-tunidades de evoluo.

    A grande inovao de 2007 foi a adaptao dosoftware de preenchimento dos IndicadoresEthos para um sistema on-line. Os objetivosdessa adaptao foram os de facilitar a aplica-o da ferramenta pelas empresas, otimizar suamanuteno e disponibilizar um sistema pormeio do qual as empresas possam incentivarboas prticas de gesto socioambiental entreseus fornecedores e clientes. Outra vantagem

    dessa adaptao ser a de proporcionar que asempresas utilizem suas respostas ao questio-nrio para o estabelecimento de metas e pla-nejamento de aes.

    No trabalho de desenvolvimento dos Indicadores,o Instituto Ethos procurou aprimorar os processosde gesto sugeridos s empresas que respondemao questionrio e se prepara para, em breve, iniciar um amplo processo participativo de revisoda ferramenta que priorize, cada vez mais, parmetros de legitimidade, aplicabilidade e comparabilidade.

    O Ethos agradece a colaborao de todos que participaram das reunies temticas sobre o con-tedo dos Indicadores e informa que os resultadosdessas reunies sero contemplados nos prximospassos de desenvolvimento da ferramenta.

    Uso dos Indicadores Ethos na Gesto de RSE das Cadeias de Valor

    O sistema dos Indicadores Ethos permite que as organizaes que quiserem acompanhar a ges-to da responsabilidade social de seus fornecedores e clientes possam ter acesso s informaesenviadas por eles, desde que obtenham seu consentimento.Por seu lado, os fornecedores e clientes, ao preencher o questionrio dos Indicadores Ethos,podem autorizar, via sistema, que as empresas com as quais eles mantm contrato de forneci-mento tenham acesso a seus dados cadastrais, respostas aos Indicadores Ethos e Relatrio deDiagnstico.Essa iniciativa visa estimular e facilitar os processos de gesto socialmente responsvel nascadeias de valor das empresas j comprometidas com o tema e que esperam ampliar os resulta-dos de suas aes por meio de seus fornecedores e clientes.O sistema permite apontar prioridades, estabelecer metas e iniciativas conjuntas, facilitar oacompanhamento das aes por meio de avaliaes peridicas e possibilitar que a empresa esua cadeia de valor evoluam juntas a caminho da sustentabilidade.Se sua empresa tem interesse em desenvolver essa iniciativa, com o apoio do Instituto Ethos, ouquer mais informaes sobre ela, entre em contato conosco pelo e-mail [email protected]

  • 5

    Organizao do Questionrio

    O questionrio dos Indicadores Ethos est organi-zado em sete temas:

    Valores, Transparncia e GovernanaPblico InternoMeio AmbienteFornecedoresConsumidores e ClientesComunidadeGoverno e Sociedade

    Cada tema dividido em um conjunto de indica-dores cuja finalidade explorar em diferentesperspectivas como a empresa pode melhorar seudesempenho naquele aspecto.

    Estrutura dos Indicadores

    Cada indicador formado por uma questo de pro-fundidade, questes binrias e questes quantitativas.

    Questo de Profundidade (ou Indicador de Profundidade) Esse tipo de indicador permiteavaliar o estgio atual da gesto da empresa emrelao a determinada prtica. representado porquatro quadros contguos que apresentam est-gios dessa prtica cujo nvel de desempenho evo-lui do primeiro at o quarto estgio, permitindo empresa situar-se facilmente na escala. Essesquatro estgios tm a seguinte interpretao:

    Apenas um dos quatro estgios pode ser esco-lhido, devendo-se optar por aquele que mais seaproxima da realidade da empresa. Nessa ava-liao, preciso considerar que a escolha de um estgio pressupe o cumprimento do nvelanterior.

    Na hiptese de nenhum dos quadros corresponder realidade da empresa, deve-se assinalar um dosseguintes motivos:

    No havamos tratado antes desse assunto; No vemos aplicao disso em nossa empresa.

    Assinalando a segunda opo, a empresa deveapresentar uma justificativa no espao reservadopara comentrios. Se a empresa optar por umadessas alternativas, as questes adicionais corres-pondentes sero automaticamente consideradascomo no aplicveis.

    Questes Binrias (ou Indicadores Binrios) O segundo tipo de indicadores composto dequestes binrias (sim ou no), que qualificam aresposta escolhida no indicador de profundidade.As questes binrias contm elementos de valida-o e aprofundamento do estgio de responsabi-lidade social identificado pela empresa e ajudama entender quais prticas devem ser incorporadas gesto dos negcios.

    Representa um estgio bsico deaes da empresa, no qual ela ain-da se encontra em nvel reativo sexigncias legais.

    Representa um estgio interme-dirio de aes, no qual a empre-sa mantm uma postura defensivasobre os temas, mas j comea aencaminhar mudanas e avanosem relao conformidade desuas prticas.

    Representa um estgio avanadode aes, no qual j so reconhe-cidos os benefcios de ir alm daconformidade legal, preparando-se para novas presses regula-mentadoras no mercado, da socie-dade, etc. A responsabilidadesocial e o desenvolvimento sus-tentvel so tidos como estratgi-cos para o negcio.

    Representa um estgio proativo,no qual a empresa atingiupadres considerados de exceln-cia em suas prticas, envolvendofornecedores, consumidores, clien-tes, a comunidade e tambminfluenciando polticas pblicas deinteresse da sociedade.

  • ESTRUTURA DO QUESTIONRIO

    6

    Esses indicadores devem ser obrigatoriamentepreenchidos, exceto nos casos em que o assuntodo indicador de profundidade correspondente nofoi tratado antes pela empresa ou no aplicvel sua realidade.

    Questes Quantitativas (ou Indicadores Quantitativos) O terceiro tipo de indicadores prope o levanta-mento sistemtico de determinados dados, quepodem ser avaliados segundo sries anuais e cruzados com outros. Nem todos os indicadoresapresentam dados quantitativos. No entanto, os que existem devem ser levantados precisamen-te, pois sero teis, principalmente no monitora-mento interno da empresa.

    A estrutura do questionrio permite que a empresaplaneje o modo de fortalecer seu compromisso coma responsabilidade social. A disposio em escalados indicadores de profundidade fornece parme-tros para os passos subseqentes e, juntamentecom os indicadores binrios e quantitativos, apontadiretrizes para o estabelecimento de metas de apri-moramento dentro do universo de cada tema.

    Tema

    Subtema

    Indicador

    Enunciado

    Indicadores deProfundidade

    Estgios

    Indicadores Binrios

    IndicadoresQuantitativos

    A ausncia de dados quantitativos noinfluencia o desempenho final da empresaem seu Relatrio de Diagnstico. Entretanto,ressaltamos que o monitoramento dessesnmeros contribuir muito para a consistn-cia do planejamento das melhorias propostaspor meio dos Indicadores Ethos.

  • 7

    Glossrio de Conceitos e Definies

    Est disponvel, no final da publicao (e no sistema dos Indicadores Ethos, em www.ethos.org.br), um glossrio de conceitos edefinies com o objetivo de esclarecer os termosmais relevantes para a compreenso das questesapresentadas em cada indicador, facilitandoassim o preenchimento do questionrio.

    Indicadores Ethos-Sebrae de RSEpara Micro e Pequenas Empresas

    Visando incentivar e contribuir para que a RSEseja incorporada pelo universo das micro epequenas empresas, o Instituto Ethos e o ServioBrasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empre-sas (Sebrae) desenvolveram em 2003 duas publi-caes: 1) Ferramenta de Auto-Avaliao e Plane-jamento Indicadores Ethos-Sebrae de RSE paraMicro e Pequenas Empresas e 2) ResponsabilidadeSocial Empresarial para Micro e Pequenas Empre-sas Passo a Passo.

    Em 2006, o contedo da primeira ferramenta foirevisto, dando origem publicao IndicadoresEthos-Sebrae de RSE para Micro e PequenasEmpresas 4, que desde ento est disponvel parapreenchimento no sistema dos Indicadores Ethos,em www.ethos.org.br. Por meio desse sistema, asmicro e pequenas empresas podem enviar seusdados para o Instituto Ethos e receber seu relat-rio personalizado, num processo semelhante aodos Indicadores Ethos.

    Indicadores Ethos Setoriais

    Com o objetivo de fornecer s empresas a possibilidade de um autodiagnstico maispreciso e aprofundado, o Instituto Ethos vemdesenvolvendo desde 1999 indicadores especfi-cos para abranger dilemas e peculiaridades decada setor empresarial. Esses questionrios socomplementares aos Indicadores Ethos de RSEgerais e possibilitam empresa avaliar as oportunidades e desafios tpicos de seu setor de atuao. Para maior legitimidade e engaja-mento das empresas nesse trabalho, o InstitutoEthos procura realiz-lo em parceria com

    entidades que representam nacionalmente asempresas do setor.

    Os setores j contemplados com indicadores pr-prios so: o de distribuio de energia eltrica,desde 1999; o de panificao e o de restaurantese bares, desde 2002; o financeiro, o de mineraoe o de papel e celulose, desde 2003; o de trans-porte de passageiros terrestres, o de petrleo egs, o da construo civil e o do varejo, desde20055.

    Os sete questionrios desenvolvidos a partir de 2003 esto disponveis para preenchimentopor meio do sistema dos Indicadores Ethos. Se sua empresa fizer parte de um dos setorescontemplados, as questes pertinentes a eleestaro disponveis para preenchimento emseu questionrio como indicadores binrios.Para isso, basta preencher normalmente ocadastro do sistema que, ao informar seusetor de atuao, o questionrio setorial j ser incorporado.

    Empresas e entidades empresariais dos demaissetores que tenham interesse em desenvolverindicadores prprios devem entrar em contatocom o Instituto Ethos, pelo e-mail [email protected]

    ndice de Desenvolvimento InfantilEmpresarial (IDI-E)

    Os especialistas so unnimes em afirmar que os primeiros anos de vida da criana so funda-mentais e no apenas para ela, mas para todaa sociedade. preciso, portanto, proteg-la desdesua formao e desenvolvimento, garantindo aela cuidado e afeto, bem como o direito de brincar e a participao dos pais e da famlia emsua vida.

    Sensveis a essa questo, o Instituto Ethos e oFundo das Naes Unidas para a Infncia (Uni-cef) criaram o ndice de Desenvolvimento InfantilEmpresarial (IDI-E), que pretende levar para asempresas formas concretas de colaborar para odesenvolvimento dos filhos de seus empregados,contribuindo assim para que sejam alcanados os

  • 8

    Objetivos de Desenvolvimento do Milnio (ODM).O contedo do IDI-E e seu monitoramento iroorientar as empresas na criao de polticas eprogramas dirigidos ao desenvolvimento infantil,aferir os resultados na vida das crianas e identi-ficar boas prticas e lies que sejam teis paratodas as organizaes.

    Ao responder integralmente as questes quantitativas referentes ao ltimo ano do Indicador 10 Compromisso com o Desenvolvimento Infantil sua empresa levantar as informaes necessrias para o cl-culo do ndice. O IDI-E da sua empresa ser infor-mado juntamente com o relatrio de desempenhodos Indicadores Ethos e ser considerado de acordo com trs diferentes contextos: o dos empregados em regime CLT de contratao, o dos empregados terceirizados e o dos empregados autnomos ou comissionados.

    Para entender melhor seu desempenho em relaoa essa questo, sugerimos que o IDI-E de suaempresa seja comparado com o ndice de Desen-volvimento Infantil (IDI) do municpio em que elaest localizada. Sugerimos tambm a consulta spublicaes do Unicef sobre a situao da infnciabrasileira em www.unicef.org.br.

    Instrues para Preenchimento dosIndicadores

    A mobilizao de profissionais da empresa pararesponder os Indicadores Ethos de RSE deve serencarada como o incio de um processo de auto-diagnstico que, combinado com a misso eestratgia geral da empresa, permitir identifi-car aspectos da gesto que necessitam deacompanhamento detalhado, de novas metas ede profissionais focados. Tais metas devem serpreferencialmente includas no planejamentoseguinte.

    Um aspecto que deve ser enfatizado nesse pro-cesso a importncia do dilogo com represen-tantes dos pblicos com os quais a empresa serelaciona suas partes interessadas (stakehol-ders) para avaliar os impactos de suas aes,buscar solues e definir metas.

    Para essa fase de preenchimento, recomendam-seas seguintes premissas:

    Cada unidade de negcios deve responder aseu prprio questionrio.

    aconselhvel que a empresa indique umcoordenador que centralize e sistematize asinformaes e facilite o dilogo interno.

    Devido abrangncia dos temas, o processode preenchimento deve envolver a participa-o de vrias reas e nveis da empresa.Quanto mais pessoas estiverem envolvidas noprocesso de preenchimento e quanto maisdiversificados forem os nveis hierrquicos eos departamentos aos quais elas pertenam,maior ser a representatividade das respostase mais profunda a reflexo interna, garantin-do um melhor autodiagnstico.

    muito importante que a direo daempresa acompanhe o processo e conheaos resultados.

    A operacionalizao do preenchimento poderseguir as indicaes do quadro na pgina ao lado.

    Cada empresa desenvolve seu prprio modo depreenchimento e muitas optam por contratar pro-fissionais externos para auxili-las nesse trabalho.A forma como o Instituto Ethos procura ajudar asempresas por meio de programas de capacitaopara profissionais da prpria empresa.

  • 9

    Definio do(s) facilitador(es) interno(s) e

    externo(s) do processo6.

    2. Capacitao do(s) facilitador(es)

    interno(s) e externo(s) sobre osIndicadores Ethos7.

    Estabelecimentode comits inter-

    nos por tema,destaque de lide-ranas formais einformais, defini-o da agenda de

    trabalho etc.

    Reunies de dis-cusso por tema e

    preenchimentodos indicadores.

    Reunio final de consolidao dos

    temas e identificaode fatores crticos

    de sucesso.

    Envio dos dados aoInstituto Ethos eautorizao de

    acesso, por meio dosistema dos Indica-

    dores Ethos.

    Obteno do respectivo Relatriode Diagnstico, tam-

    bm pelo sistemados Indicadores

    Ethos.

    Avaliao e apresen-tao do relatrio

    para os envolvidos,identificando os pontos fortes e

    fracos e definindo as prioridades.

    Evento de conscien-tizao geral, duran-te o qual a empresapode esclarecer asprincipais partes

    interessadas sobre arazo para o preen-chimento dos Indica-dores Ethos e enga-j-las no processo.

    Sugesto de processo de apl icao dos Indicadores Ethos de RSE

    5

    Implementao dasaes estabelecidascomo prioridades.

    11

    1

    6

    2 3 4

    7 8 9 Planejamento e defi-nio das metas comrelao s informa-

    es levantadas.

    10

    Avaliao das aesimplementadas, ela-borao de balanosocial e reincio do

    processo.

    12

    Programa do UniEthos para Implementao dos Indicadores Ethos

    O UniEthos - Educao para a ResponsabilidadeSocial e o Desenvolvimento Sustentvel umainstituio sem fins lucrativos, fundada por ini-ciativa do Instituto Ethos e voltada para pesquisa,produo de conhecimento, instrumentalizao ecapacitao para o meio empresarial e acadmiconos temas da responsabilidade social empresariale do desenvolvimento sustentvel.

    Uma das solues educacionais desenvolvidaspelo UniEthos o Programa de Facilitao paraImplementao dos Indicadores Ethos. Seu objeti-vo capacitar os empregados da empresa para aimplementao dos Indicadores Ethos por meioda facilitao do processo de preenchimento daferramenta. Foi a partir desse programa que sedesenvolveu o processo de preenchimento apre-sentado no quadro anterior.

    Para mais informaes sobre este e outros pro-gramas do UniEthos, acesse www.uniethos.org.br.

    Relatrios Consolidados

    Os relatrios consolidados de verses anteriores,com notas gerais por tema, porte, regio etc.,esto disponveis para consulta no sistema dosIndicadores Ethos, em www.ethos.org.br.

    Correlaes com Ferramentas e Iniciativas Relevantes

    Mostrar a correlao dos Indicadores Ethos cominiciativas relevantes, como o Pacto Global, osObjetivos de Desenvolvimento do Milnio, asDiretrizes para Relatrios de Sustentabilidade daGlobal Reporting Initiative (GRI) e a normaSA8000, tem o principal objetivo de facilitar aos gestores a utilizao integrada das sinergiasexistentes.

    Para exemplificar, podemos citar o trabalhoinfantil, tema que, por sua magnitude, est presente em quase todas as iniciativas desse tipo.Esse tema se insere em vrias questes dos Indicadores Ethos. Ao refletir e responder a elas,

  • 10

    criando processos ou polticas internas sobre otema, a empresa estar dando passos importantespara o atendimento do requisito 1 da normaSA8000 e da diretriz HR6 das Diretrizes paraRelatrios de Sustentabilidade da GRI.

    As correlaes so reveladas empresa, de acor-do com suas respostas, no momento em que ela

    recebe o Relatrio de Diagnstico, e so objetode estudo constante da equipe dos IndicadoresEthos. Esperamos que esses estudos possam indicar caminhos seguros para a empresa trilharem direo a uma gesto que contribua de fatopara o desenvolvimento sustentvel, gerenciandoeficazmente os riscos inerentes ao negcio, bemcomo as oportunidades que surgirem.

    A SA8000 a primeira norma voltada para a melhoria das condies de trabalho. Abrange os principais direitos dos

    trabalhadores sade e segurana, liberdade de associao, limite de horas de trabalho, compensao e garantias

    contra trabalho infantil, trabalho forado e discriminao e certifica seu cumprimento por meio de auditorias inde-

    pendentes. A norma segue o padro ISO, o que facilita sua implantao por empresas que j conhecem esse sistema.

    Atende aos requisitos 1, 2, 5, 6 e 9 danorma SA 8000

    Atende aos requisitos 1, 2, 5, 6 e 9 danorma SA 8000 Atende aos requisitos 1, 2, 5, 6 e 9 danorma SA 8000 Atende aos requisitos 1, 2, 5, 6 e 9 danorma SA 8000 Atende aos requisitos 1, 2, 5, 6 e 9 danorma SA 8000 Atende aos requisitos 1, 2, 5, 6 e 9 danorma SA 8000 Atende aos requisitos 1, 2, 5, 6 e 9 danorma SA 8000 Atende aos requisitos 1, 2, 5, 6 e 9 danorma SA 8000 Atende aos requisitos 1, 2, 5, 6 e 9 danorma SA 8000 Atende aos requisitos 1, 2, 5, 6 e 9 danorma SA 8000

    1. Com relao adoo eabrangncia de valores e princpios ticos:

    1.1

    1.2

    1.3

    1.4

    1.5

    1.18

    1.21

    1.22

    1.23

    Os valores e princpios da organizaoexistem em documento formal, queconta com processo de difuso siste-mtico, com foco no pblico interno,sob responsabilidade de pessoa ourea responsvel.

    Sim

    Sim

    Sim

    Sim

    Sim

    Sim

    Sim

    Sim

    Sim

    O exemplo indica aparte do Relatrio deDiagnstico em queesto as correlaesdos IndicadoresEthos com osrequisitos da normaSA8000.

    Comparativo Norma SA8000

    Contate-nosPara obter informaes especficas sobre os Indicadores Ethos de RSE, entre em contato com o Instituto Ethos peloe-mail [email protected]

  • 11

    1 De acordo com o Relatrio Brundtland (www.brundtland-net.com/brundtlandreport.htm), desenvolvimento sustentvel aquele que satisfaz as necessidades do presente sem compro-meter a capacidade das geraes futuras de suprir suas prpriasnecessidades. Esse conceito alerta para o cuidado com a explo-rao irracional dos recursos naturais, com os direitos humanos,com o resgate da cidadania e com o acesso ao consumo debens e servios.

    2 O sistema dos Indicadores Ethos de RSE est disponvel emwww.ethos.org.br.

    3 O Instituto Ethos no utiliza os dados recebidos das empresaspara nenhum tipo de premiao ou confeco de ranking.

    4 As publicaes Ferramenta de Auto-Avaliao e Planejamento Indicadores Ethos-Sebrae de RSE para Micro e PequenasEmpresas 2003, Responsabilidade Social Empresarial paraMicro e Pequenas Empresas - Passo a Passo e IndicadoresEthos-Sebrae de RSE para Micro e Pequenas Empresas estodisponveis em www.ethos.org.br.

    5 Os questionrios referentes aos Indicadores Ethos Setoriaisesto disponveis em www.ethos.org.br.

    6 Entende-se como facilitador interno como a pessoa da empresaque no momento esteja mais relacionada com o tema e tenhauma viso integrada das reas e facilidade para coletar e sistema-tizar dados e interpret-los para uso na gesto estratgica daempresa. O Instituto Ethos aconselha que o processo envolvaparticipantes externos apenas para legitimar a reflexo propiciadapelos Indicadores Ethos de RSE. Sugerimos como participantesexternos os principais stakeholders da empresa, que devem serenvolvidos principalmente nos temas em que so mais impacta-dos.

    7 O Instituto Ethos realiza periodicamente oficinas de capacita-o nos Indicadores Ethos para seus associados. Para maisinformaes, escreva para [email protected]

    NOTAS

  • NDICE DO QUESTIONRIO

    Valores, Transparncia e Governana

    AUTO-REGULAO DA CONDUTACompromissos ticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16

    Enraizamento na Cultura Organizacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17

    Governana Corporativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17

    RELAES TRANSPARENTES COM A SOCIEDADERelaes com a Concorrncia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18

    Dilogo e Engajamento das Partes Interessadas (Stakeholders) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19

    Balano Social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .20

    Pblico Interno

    DILOGO E PARTICIPAORelaes com Sindicatos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .24

    Gesto Participativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .24

    RESPEITO AO INDIVDUOCompromisso com o Futuro das Crianas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .25

    Compromisso com o Desenvolvimento Infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .26

    Valorizao da Diversidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28

    Compromisso com a No-Discriminao e Promoo da Eqidade Racial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .30

    Compromisso com a Promoo da Eqidade de Gnero . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31

    Relaes com Trabalhadores Terceirizados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33

    TRABALHO DECENTEPoltica de Remunerao, Benefcios e Carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .34

    Cuidados com Sade, Segurana e Condies de Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .35

    Compromisso com o Desenvolvimento Profissional e a Empregabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .36

    Comportamento nas Demisses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .37

    Preparao para a Aposentadoria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .38

    Meio Ambiente

    RESPONSABILIDADE COM AS GERAES FUTURASCompromisso com a Melhoria da Qualidade Ambiental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .42

    Educao e Conscientizao Ambiental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .42

  • GERENCIAMENTO DO IMPACTO AMBIENTALGerenciamento do Impacto no Meio Ambiente e do Ciclo de Vida de Produtos e Servios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .43

    Sustentabilidade da Economia Florestal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .44

    Minimizao de Entradas e Sadas de Materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .44

    Fornecedores

    SELEO, AVALIAO E PARCERIA COM FORNECEDORESCritrios de Seleo e Avaliao de Fornecedores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .48

    Trabalho Infantil na Cadeia Produtiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .49

    Trabalho Forado (ou Anlogo ao Escravo) na Cadeia Produtiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .49

    Apoio ao Desenvolvimento de Fornecedores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .50

    Consumidores e Clientes

    DIMENSO SOCIAL DO CONSUMOPoltica de Comunicao Comercial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .54

    Excelncia do Atendimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .55

    Conhecimento e Gerenciamento dos Danos Potenciais de Produtos e Servios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .56

    Comunidade

    RELAES COM A COMUNIDADE LOCALGerenciamento do Impacto da Empresa na Comunidade de Entorno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .60

    Relaes com Organizaes Locais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .61

    AO SOCIALFinanciamento da Ao Social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .61

    Envolvimento com a Ao Social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .62

    Governo e Sociedade

    TRANSPARNCIA POLTICAContribuies para Campanhas Polticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .66

    Construo da Cidadania pelas Empresas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .66

    Prticas Anticorrupo e Antipropina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .67

    LIDERANA SOCIALLiderana e Influncia Social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .67

    Participao em Projetos Sociais Governamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .68

    Anotaes sobre os Indicadores Ethos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .69Glossrio de RSE para as Ferramentas de Gesto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .70

  • 15

    Valores, Transparncia e GovernanaAUTO-REGULAO DA CONDUTAIndicador 1 Compromissos ticos Indicador 2 Enraizamento na Cultura OrganizacionalIndicador 3 Governana Corporativa

    RELAES TRANSPARENTES COM A SOCIEDADEIndicador 4 Relaes com a Concorrncia Indicador 5 Dilogo e Engajamento ds Partes Interessadas (Stakeholders)Indicador 6 Balano Social

  • 16

    Valores, Transparncia e GovernanaAUTO-REGULAO DA CONDUTA8

    Indicador 1 Compromissos ticos Com relao adoo e abrangncia de valores e princpios ticos:

    Os valores da organizao estoformalizados em uma carta deprincpios, mas pouco incorpora-dos aos processos de trabalho es atitudes/comportamento daspessoas.

    Os valores e princpios da orga-nizao existem em documentoformal, que conta com processode difuso sistemtico, com focono pblico interno, sob respon-sabilidade de pessoa ou rearesponsvel.

    A organizao possui um cdigode conduta (em portugus eadaptado ao contexto local, nocaso de multinacionais) e man-tm um programa de orientaoe treinamento para os emprega-dos de todos os nveis hierrqui-cos a fim de garantir que seusvalores e princpios estejamincorporados aos processos detrabalho e s atitudes/comporta-mento das pessoas. Tais aesesto formalmente a cargo deuma pessoa ou rea responsvel.

    Alm disso, o cdigo de condutada organizao prev a partici-pao das principais partes inte-ressadas em sua reviso e sub-metido a controle e auditoriaperidicos. A responsabilidadedessas aes est formalmentea cargo de uma equipe multidis-ciplinar.

    INFORMAES ADICIONAIS A empresa: SIM NO1.1. expe publicamente seus compromissos ticos por meio de material institucional, pela internet ou de outra maneira adequada

    s suas partes interessadas.O cdigo de conduta e/ou a declarao de valores da organizao1.2. contemplam as seguintes partes interessadas: empregados, fornecedores, meio ambiente, consumidores/clientes, comunidade,

    governo e acionistas minoritrios.1.3. probem expressamente a utilizao de prticas ilegais (como suborno, corrupo, extorso, propina e caixa dois) para obten-

    o de vantagens comerciais.1.4. so explcitos quanto ao compromisso de tica na gesto das informaes privilegiadas ou de carter privado obtidas durante

    os processos da empresa em sua interao com seus diversos pblicos (clientes, empregados, fornecedores etc.).1.5. so explcitos quanto ao compromisso de transparncia e veracidade das informaes prestadas a todas as partes interessadas.O cdigo de conduta e/ou a declarao de valores da organizao cobrem assuntos como:1.6. cumprimento das leis e pagamento de tributos;1.7. concusso, pagamentos ou recebimentos questionveis;1.8. regras explcitas no relacionamento com agentes pblicos;1.9. conflito de interesses;1.10. doaes;1.11. corrupo ativa e passiva;1.12. improbidade administrativa;1.13. fraude em concorrncia pblica;1.14. limites das atividades e contribuies polticas;1.15. relaes com a comunidade;1.16. nepotismo;1.17. preveno e tratamento de fraudes.

  • 17

    Valores, Transparncia e GovernanaAUTO-REGULAO DA CONDUTA

    Alm de atuar de acordo com alegislao em vigor, a empresadispe de um conselho de admi-nistrao, conselho consultivoou estrutura similar e suasdemonstraes financeiras soauditadas por auditoria externaindependente.

    Seu conselho de administrao,conselho consultivo ou estruturasimilar tem compromissos, pol-ticas explcitas e mecanismosformais que garantem a integri-dade dos relatrios financeiros,priorizando a transparncia nasprestaes de contas e outrasinformaes.

    Alm disso, a empresa tem pol-ticas explcitas para promovertratamento adequado ao direitode voto e tratamento justo eeqitativo aos scios, com resul-tados monitorados e avaliadosperiodicamente.

    Alm do exposto nos estgiosanteriores, a alta administrao(conselho e diretores) incorporacritrios de ordem socioambien-tal na definio e gesto donegcio e tem como normaouvir, avaliar e considerar aspreocupaes, crticas e suges-tes das partes interessadas emassuntos que as envolvam.

    Os valores e princpios sotransmitidos ao pblico internoesporadicamente ou em mo-mentos especficos (como nacontratao de empregados ouem processos de auditoria).

    H processos sistemticos dedifuso dos valores e princpiospara o pblico interno.

    Alm disso, a adoo dessesvalores e princpios auditada everificada periodicamente9 e osempregados so estimulados acontribuir com o monitoramentodo processo.

    Alm disso, todos os parceirosexternos so estimulados areplicar esse processo na cadeiaprodutiva.

    Indicador 2 Enraizamento na Cultura OrganizacionalCom relao eficcia na disseminao dos valores e princpios ticos da empresa:

    A empresa: SIM NO1.18. possui comit, conselho ou responsvel(is) formal(is) por questes ticas reconhecido(s) internamente.1.19. possui comit, conselho ou responsvel(is) formal(is) por questes ticas reconhecido(s) externamente.1.20. estimula a coerncia entre os valores e princpios ticos da organizao e a atitude individual de seus empregados.1.21. vincula expressamente a atuao das assessorias jurdica e contbil ao cdigo de conduta/declarao de princpios.1.22. alm de atender toda a legislao em vigor para seu exerccio e estar em dia com todos os tributos, tem procedimentos para

    que todos os seus empregados conheam as leis a que esto submetidos, tanto as que se referem s atividades profissionaisquanto as que os beneficiam, para que possam cumpri-las integralmente.

    INFORMAES ADICIONAISSIM NO

    2.1. Questes ticas so abordadas em pesquisas de clima organizacional, por avaliao 360 graus ou ferramentas similares.2.2. Os empregados da empresa demonstram familiaridade no seu dia-a-dia com os temas e pressupostos contemplados no cdigo

    de conduta, aplicando-os espontaneamente.2.3. A estrutura organizacional desenvolveu procedimentos para lidar com denncias e resoluo de conflitos relacionados ao des-

    respeito ao seu cdigo de conduta ou sua declarao de valores.

    Indicador 3 Governana Corporativa10Com relao estrutura organizacional e prticas de governana corporativa:

  • 18

    Valores, Transparncia e GovernanaAUTO-REGULAO DA CONDUTA

    Indicador 4 Relaes com a ConcorrnciaQuanto s polticas de relacionamento com a concorrncia ou com organizaes de mesmo propsito, a empresa:

    Segue as prticas de preo econcorrncia comuns ao merca-do, cumpre a legislao e buscaum posicionamento leal.

    Possui regras explcitas e decla-radas contra a concorrncia des-leal, discutindo periodicamente(ou quando necessrio) com opblico interno sobre sua postu-ra perante os concorrentes.

    Assume compromisso pblicode combate concorrnciadesleal, discute sua postura comfornecedores e clientes, alertan-do-os para a questo, e partici-pa de discusses sobre o assun-to em associaes de classe.

    Exerce posio de liderana emseu segmento nas discussesrelacionadas busca de padresde concorrncia cada vez maiselevados, considerando o com-bate formao de trustes ecartis, prticas desleais decomrcio, fraudes em licitaes eespionagem empresarial.

    Valores, Transparncia e GovernanaRELAES TRANSPARENTES COM A SOCIEDADE

    INFORMAES ADICIONAISA alta direo da empresa: SIM NO3.1. conta com mecanismos ou sistemas formais para avaliao peridica dos seus integrantes.3.2. possui estrutura que contempla um conselho de administrao ou consultivo e uma auditoria externa independente, visando:

    assegurar o controle da propriedade sobre a gesto; prevenir/coibir abusos de poder de seus integrantes, fraudes por uso deinformao privilegiada em benefcio prprio ou atuao em conflito de interesses; e desencorajar o suborno e outras prticasde corrupo, a criao de contabilidades paralelas ou de contas secretas e a elaborao de documentos que no reflitamverdadeiramente as transaes que reportam.

    3.3. para nomear membros do conselho de administrao ou consultivo, leva em considerao habilidades, conhecimentos, espe-cializao e independncia para orientar o direcionamento estratgico da organizao, incluindo questes relativas a oportuni-dades e riscos ambientais e sociais, e monitorar a atuao dos gestores (diretoria).

    3.4. utiliza estudos, pesquisas e o apoio de especialistas para melhor fundamentar a resoluo de dilemas ticos, socioambientais erelativos a direitos humanos.

    3.5. inclui o respeito aos direitos humanos como critrio formal em suas decises de investimento e aquisio11.3.6. orienta suas operaes em concordncia com a declarao da Organizao Internacional do Trabalho (OIT) sobre os princpios

    e direitos fundamentais no trabalho12.3.7. orienta suas operaes em concordncia com as diretrizes para empresas multinacionais da Organizao para Cooperao e

    Desenvolvimento Econmico (OCDE)13.3.8. orienta suas operaes em concordncia com os Princpios do Pacto Global 14 ou em apoio aos Objetivos de Desenvolvimento

    do Milnio (ODM)15.3.9. A viso da empresa e sua estratgia contemplam contribuies da organizao no que se refere ao desenvolvimento sustentvel.

    2011 2012 20133.10. Total de membros do conselho de administrao (ou estrutura similar)3.11. Percentual do conselho de administrao (ou estrutura similar) formado por conselheiros

    independentes, sem cargo executivo 3.12. Percentual de mulheres no conselho de administrao (ou estrutura similar)3.13. Percentual de negros (pretos e pardos) no conselho de administrao (ou estrutura similar)

  • 19

    Valores, Transparncia e GovernanaRELAES TRANSPARENTES COM A SOCIEDADE

    INFORMAES ADICIONAISSIM NO

    4.1. Os princpios em relao concorrncia leal constam no cdigo de conduta e/ou na declarao de valores da empresa.A empresa:4.2. expe publicamente, e com freqncia, seus princpios em relao concorrncia (por exemplo, por meio de seu website, de

    material institucional, do relatrio anual etc.).4.3. possui poltica de no utilizao da demonstrao dos defeitos ou deficincias dos produtos ou servios dos concorrentes para

    promover seus produtos ou servios.4.4. A poltica sobre concorrncia desleal abrange a cadeia produtiva da empresa.A poltica sobre concorrncia desleal aborda os seguintes itens:4.5. Pirataria;4.6. Sonegao fiscal;4.7. Contrabando;4.8. Adulterao de produtos ou marcas;4.9. Falsificao de produtos.A empresa:4.10. nos ltimos trs anos foi denunciada por prtica de concorrncia desleal pelo Conselho Administrativo de Defesa Econmica

    (Cade).4.11. nos ltimos trs anos foi denunciada por rgos como Anvisa, Ipem, Idec, Inmetro, Procon etc. ou outras organizaes gover-

    namentais ou da sociedade civil por irregularidades em seus processos, servios ou produtos.

    Est consciente da importnciado dilogo e do engajamentodas partes interessadas para osucesso do negcio, conhece osdilemas especficos e atributosde algumas delas (empregados,clientes e consumidores, acionis-tas ou investidores) e estabele-ceu canais de dilogo para amanuteno dessas relaes.

    Conhece os dilemas especficose atributos da maioria de suaspartes interessadas por meio deum mapeamento peridico etem estabelecido mecanismosde dilogo e envolvimento daspartes interessadas para reme-diar impactos socioambientaisocasionados por suas ativida-des, por meio de equipes prepa-radas para os planos de contin-gncia necessrios.

    Alm de priorizar o constanteenvolvimento e dilogo comsuas partes interessadas, possuiestratgia de gesto da informa-o e conhecimento para inter-nalizar as externalidades socio-ambientais negativas ocasio-nadas por suas atividades comobase para redefinio de polti-cas e processos de gesto ouproduo.

    Por meio de ferramentas e pol-ticas especficas, dialoga eenvolve as partes interessadasde forma estruturada em refle-xes prvias sobre suas ativida-des, processos e aes de formaa prever, minimizar ou eliminaras externalidades socioambien-tais negativas ocasionadas pelaorganizao. Alm disso, o pro-cesso de dilogo e engajamento auditado por terceiros.

    Indicador 5 Dilogo e Engajamento das Partes Interessadas(Stakeholders16) Considerando seus impactos sobre distintos grupos da sociedade, a empresa:

    INFORMAES ADICIONAISA empresa: SIM NO5.1. est aberta a crticas de grupos ou partes interessadas sobre a natureza de seus processos, produtos ou servios.5.2. tem poltica e/ou procedimentos de relacionamento para responder prontamente a qualquer sugesto, apelo, esforo ou

    demanda de suas partes interessadas.

  • 20

    Indicador 6 Balano Social18

    Elabora sem regularidade defini-da um balano social com infor-maes sobre suas aes sociaise ambientais.

    Elabora anualmente um balanosocial, descrevendo suas aessociais e ambientais e incorpo-rando aspectos quantitativos.

    Produz, com amplo envolvimen-to interno, um balano socialfacilmente acessvel, que abordaaspectos sociais, ambientais eeconmicos de suas atividades,contendo exclusivamente resul-tados favorveis.

    Elabora balano social com envol-vimento de partes interessadasexternas, integrando as dimen-ses social, ambiental e econmi-ca de suas atividades e incluindoresultados desfavorveis e os res-pectivos desafios, com metas parao prximo perodo.

    Com relao elaborao de relatrio sobre os aspectos econmicos, sociais e ambientais de suas atividades, a empresa:

    INFORMAES ADICIONAISSIM NO

    6.1. As informaes sobre a situao econmico-financeira das atividades da empresa so auditadas por terceiros.6.2. As informaes sobre aspectos sociais e ambientais das atividades da empresa so auditadas por terceiros.6.3. No processo de elaborao do balano social, a empresa envolve pelo menos quatro das seguintes partes interessadas: comu-

    nidade, pblico interno, consumidores e clientes, fornecedores, governo e sociedade em geral (por meio, por exemplo, de con-tatos com organizaes de defesa do meio ambiente, sindicatos, entidades voltadas para a sade pblica ou defesa dos direi-tos humanos etc.).

    6.4. A empresa incorpora no balano social crticas, sugestes e depoimentos de partes interessadas.6.5. O processo de divulgao do balano social contempla pelo menos quatro das seguintes partes interessadas: pblico interno,

    comunidade, consumidores e clientes, fornecedores, governo e sociedade em geral.6.6. A empresa expe na internet dados sobre aspectos econmico-financeiros, sociais e ambientais de suas atividades.6.7. A empresa contempla em seu balano social dados e indicadores de monitorao da distribuio de riqueza a Demonstrao

    do Valor Adicionado (DVA), por exemplo.6.8. Os dados coletados e utilizados para o balano social so empregados no planejamento estratgico da empresa.Ao produzir o balano social a empresa leva em considerao os princpios19 de:6.9. Incluso;6.10. Relevncia e Materialidade;6.11. Abrangncia;6.12. Equilbrio;

    Valores, Transparncia e GovernanaRELAES TRANSPARENTES COM A SOCIEDADE

    SIM NO5.3. O processo de dilogo e engajamento das partes interessadas conta com indicadores de desempenho para monitoramento

    das relaes.5.4. A empresa tem poltica para que os indicadores/dados/informaes advindos do processo de dilogo e engajamento das par-

    tes interessadas sejam, comparveis, confiveis, relevantes e compreensveis por suas partes interessadas.5.5. Esses indicadores/dados/informaes so utilizados no processo de planejamento geral da empresa.5.6. Esses indicadores/dados/informaes so inseridos no balano social da empresa.5.7. A empresa aplica metodologias de dilogo estruturado com as partes interessadas, como a norma AA100017 ou similar.

  • SIM NO6.13. Comparabilidade;6.14. Exatido;6.15. Periodicidade;6.16. Clareza;6.17. Confiabilidade

    2011 2012 20136.18. Quantas partes interessadas (pblico interno, fornecedores, comunidade, governo e

    sociedade etc.) esto envolvidas na elaborao do balano social?6.19. Quantas partes interessadas esto contempladas no demonstrativo de distribuio de riqueza?

    21

    Valores, Transparncia e GovernanaRELAES TRANSPARENTES COM A SOCIEDADE

    NOTAS8 Sobre esse tema, veja a publicao do Instituto Ethos Formulao e

    Implantao de Cdigo de tica em Empresas Reflexes e Sugestes,disponvel em www.ethos.org.br, o site de Joaquim Manhes Moreira(www.manhaesmoreira.com.br) e seu livro tica Empresarial no Brasil(Editora Pioneira, 1998). Conhea tambm o Centro de Estudos de ticanas Organizaes (Cene), da Fundao Getlio Vargas (www.-fgvsp.br/cene).

    9 Essa auditoria deve ser feita, interna ou externamente, por um consultorou profissional especializado.

    10 De acordo com o Relatrio Oficial sobre Governana Corporativa naAmrica Latina, da Organizao para a Cooperao e DesenvolvimentoEconmico (OCDE), os debates sobre governana corporativa na Amri-ca Latina e em todo o mundo concentram-se nas sociedades de capitalaberto e nas empresas que, embora de capital fechado, tm potencialpara a abertura de seu capital a curto prazo. (...) No entanto, (...) a boagovernana corporativa constitui motivo relevante de preocupao tam-bm para as sociedades de capital fechado, pois a maior parte delas ain-da depende de autofinanciamento, de operaes de private equity e dosistema bancrio para levantar os recursos necessrios para sua expansoe crescimento. As sociedades de capital fechado (em geral, empresasfamiliares ou de propriedade de seus prprios fundadores) devem adotarprticas coerentes de contabilidade e auditoria, bem como controlesadequados e administrao e planejamento estratgico, se quiserem pre-servar sua competitividade. Para mais informaes sobre governanacorporativa, veja o Cdigo das Melhores Prticas de Governana Corpo-rativa, do Instituto Brasileiro de Governana Corporativa (IBGC), emwww.ibgc.org.br.

    11 Um exemplo de questes s quais a empresa deve estar atenta a deno adquirir nem investir em fbricas que empreguem trabalho infantilou submetam seus empregados a condies imprprias de sade e segu-

    rana, ou em empresas vistas pela comunidade como violadoras de direi-tos sobre a terra ou do conhecimento tradicional de populaes locais.Outro exemplo a participao em negcios com representantes dogoverno envolvidos em corrupo, situao em que a empresa pode servista como conivente com crimes contra o patrimnio pblico e com dis-tribuio de renda fraudulenta. Situaes como essas geram riscos quepodem levar a litgio, extorso, perda de produo, seguros mais caros,dificuldade de acesso ao capital e de recrutamento e reteno de talen-tos, alm, claro, de danos reputao. Veja a Declarao Universal dosDireitos Humanos em www.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_-inter_universal.htm.

    12 Os princpios e direitos fundamentais no trabalho, de acordo com adeclarao da OIT, so relacionados liberdade sindical e ao reconheci-mento do direito de negociao coletiva, eliminao de todas as for-mas de trabalho forado ou obrigatrio, abolio efetiva do trabalhoinfantil e eliminao de qualquer discriminao relacionada a empregoe ocupao. Mais informaes em www.oit.org/public/portugue/region/-ampro/brasilia/normas_princip_dir.htm.

    13 As diretrizes da OCDE para multinacionais fornecem princpios e padresvoluntrios para a conduta responsvel de empresas em reas como tra-balho e relaes industriais, direitos humanos, meio ambiente, transpa-rncia, concorrncia, impostos e cincia e tecnologia. Mais informaesem www.mre.gov.br/portugues/politica_externa/organismos/ocde/diretri-zes_02.asp.

    14 O Pacto Global (Global Compact) uma iniciativa desenvolvida pelaOrganizao das Naes Unidas (ONU) com o objetivo de mobilizar acomunidade empresarial internacional para a promoo de valores fun-damentais nas reas de direitos humanos, trabalho e meio ambiente.Essa iniciativa conta com a participao das agncias das Naes Unidas,empresas, sindicatos, organizaes no-governamentais e demais parcei-

  • 22

    ros necessrios para a construo de um mercado global mais inclusivo eigualitrio. Mais informaes em www.unglobalcompact.org.

    15 Os ODM foram estabelecidos na Declarao do Milnio das Naes Uni-das, documento aprovado na Cpula do Milnio, que se realizou de 6 a8 de setembro de 2000, em Nova York, nos EUA. Trata-se de um compro-misso global para enfrentar os mais significativos desafios nos camposeconmico e social colocados na forma de objetivos a serem cumpridosat o ano de 2015. Mais informaes em www.pnud.org.br/milenio/ enas publicaes O Compromisso das Empresas com as Metas do Milnio eO Compromisso das Empresas com as Metas do Milnio Volume II Avanos e Desafios, ambas disponveis em www.ethos.org.br, no itemPublicaes Ethos.

    16Stakeholder o termo em ingls amplamente utilizado para designarcada parte interessada, ou seja, qualquer indivduo ou grupo que possaafetar o negcio, por meio de suas opinies ou aes, ou ser por ele afe-tado: pblico interno, fornecedores, consumidores, comunidade, gover-no, acionistas etc. H uma tendncia cada vez maior para se considerar

    stakeholder quem se julgue como tal, e em cada situao a empresadeve procurar fazer um mapeamento dos stakeholders envolvidos.

    17 A AA1000 (Accountability 1000) uma norma internacional para a ges-to da contabilidade, auditoria e relato da responsabilidade corporativa.Por meio do dilogo e do engajamento em vrios passos do processo, aorganizao que utiliza essa norma obtm a credibilidade perante suaspartes interessadas. Mais informaes em www.accountability21.net.

    18 Sobre o tema, veja o Guia para Elaborao de Balano Social e Relatriode Sustentabilidade, disponvel em www.ethos.org.br, item PublicaesEthos, entrada Guias.

    19 Para mais informaes sobre os princpios para elaborao de balanosocial, veja o Guia para Elaborao do Balano Social e Relatrio de Sustentabilidade e as Diretrizes para Relatrios de Sustentabilidade, daGlobal Reporting Initiative (GRI), ambos disponveis em www.ethos.org.br, item Publicaes Ethos, entrada Guias.

    Valores, Transparncia e Governana

  • 23

    Pblico InternoDILOGO E PARTICIPAOIndicador 7 Relaes com SindicatosIndicador 8 Gesto Participativa

    RESPEITO AO INDIVDUOIndicador 9 Compromisso com o Futuro das CrianasIndicador 10 Compromisso com o Desenvolvimento Infantil Indicador 11 Valorizao da DiversidadeIndicador 12 Compromisso com No-Discriminao e Promoo da

    Eqidade RacialIndicador 13 Compromisso com a Promoo da Eqidade de GneroIndicador 14 Relaes com Trabalhadores Terceirizados

    TRABALHO DECENTE Indicador 15 Poltica de Remunerao, Benefcios e CarreiraIndicador 16 Cuidados com Sade, Segurana e Condies de Trabalho Indicador 17 Compromisso com o Desenvolvimento Profissional

    e a EmpregabilidadeIndicador 18 Comportamento nas DemissesIndicador 19 Preparao para Aposentadoria

  • INFORMAES ADICIONAIS A empresa: SIM NO7.1. fornece informaes que afetem os empregados em tempo hbil para que o sindicato e os empregados se posicionem.7.2. possui acordo coletivo com o sindicato da categoria principal.7.3. possui comisso de fbrica ou de abrangncia empresarial garantida por acordo coletivo.7.4. caso atue em diferentes regies, negocia com o conjunto de sindicatos dessas regies um patamar mnimo de benefcios comuns.7.5. disponibiliza informaes bsicas sobre direitos e deveres da categoria, tais como dissdio, contribuies sindicais etc.

    24

    Pblico InternoDILOGO E PARTICIPAO

    Indicador 7 Relaes com Sindicatos Quanto participao de empregados em sindicatos e ao relacionamento com seus representantes20, a empresa:

    No exerce presso sobre osempregados envolvidos em ati-vidades sindicais.

    No exerce presso e ofereceliberdade para a atuao dossindicatos no local de trabalho.

    Alm de permitir a atuao dossindicatos no local de trabalho,fornece informaes sobre ascondies de trabalho e se re-ne periodicamente com os sindi-catos para ouvir sugestes enegociar reivindicaes.

    Alm disso, possui canal decomunicao consolidado comos sindicatos, mantendo-os in-formados e fornecendo-lhes da-dos financeiros e relativos aobjetivos estratgicos que afe-tem os empregados para subsi-diar as discusses.

    Indicador 8 Gesto Participativa Quanto ao envolvimento dos empregados na gesto, a empresa:

    Disponibiliza informaes sobrea empresa (histrico, misso,viso, polticas, organograma,mercados, principais parceiros,clientes etc.) e treina os empre-gados (no momento da admis-so, em programas de integra-o, em treinamento sobrenovos produtos e servios, emseminrios e palestras sobrenovas polticas e estratgiasetc.) para que possam com-preend-las e analis-las.

    Alm disso, disponibiliza para osempregados informaes eco-nmico-financeiras.

    Alm do exposto nos dois est-gios anteriores, tem um proces-so estruturado de discusso eanlise das informaes econ-mico-financeiras com seus em-pregados, a fim de prepar-lospara contriburem com os comi-ts de gesto ou nas decisesestratgicas, apresentando in-formaes importantes para agesto de riscos e oportunida-des.

    Representantes dos empregadosparticipam ativamente dos co-mits de gesto ou das decisesestratgicas e tm comunicaoregular com os membros dagovernana.

  • 25

    Pblico InternoDILOGO E PARTICIPAO

    INFORMAES ADICIONAIS SIM NO

    8.1. Todos os integrantes de comisses de empregados Comisso Interna de Preveno de Acidentes (Cipa), Comisso de ConciliaoPrvia (CCP), comisso de participao nos lucros e resultados etc. so eleitos pelos empregados, sem interferncia da empresa.

    8.2. A empresa possui polticas e mecanismos formais para ouvir, avaliar e acompanhar posturas, preocupaes, sugestes e crti-cas dos empregados, com o objetivo de agregar novos aprendizados e conhecimentos.

    8.3. A empresa possui programa de incentivo e reconhecimento das sugestes dos empregados para melhoria dos processos internos.

    Indicador 9 Compromisso com o Futuro das Crianas21

    No tratamento da questo do combate ao trabalho infantil, a empresa:

    Alm de respeitar a legislaobrasileira, que probe o trabalhoa pessoas com menos de 16anos (exceto na condio deaprendiz, entre os 14 e 18 anos),discute internamente a impor-tncia da educao e as conse-qncias do trabalho infantil.

    Alm de respeitar a legislaoque probe o trabalho infantil ediscutir a questo internamente,possui projetos que contribuempara o desenvolvimento dosfilhos de seus empregados (inclu-sive dos terceirizados), estimu-lando suas competncias tcni-cas e psicossociais (cidadania, es-portes, artes etc.).

    Alm do descrito no estgioanterior, desenvolve ou apiaprojetos para as crianas e ado-lescentes da comunidade.

    Coordena seus projetos comoutros realizados na comunida-de, atua junto ao poder pblicoem benefcio da criana e doadolescente e estimula que aspolticas e programas da empre-sa relacionados ao tema sejamreplicados em toda a cadeia pro-dutiva.

    Pblico InternoRESPEITO AO INDIVDUO

    INFORMAES ADICIONAIS A empresa: SIM NO9.1. discute com outras empresas ou apresenta propostas prticas para o combate ao trabalho infantil em seu setor (ou de manei-

    ra geral).9.2. tem programa especfico para contratao de aprendizes22.9.3. considerando seu papel social em relao aos aprendizes, oferece a eles boas condies de trabalho, aprendizado e desenvol-

    vimento profissional e pessoal com o devido acompanhamento, avaliao e orientao.9.4. ao encerrar o perodo referente ao programa de aprendizagem, procura empregar os beneficiados na prpria empresa; quando

    isso no possvel, busca colocao para eles em empresas ou organizaes parceiras.

    2011 2012 20139.5. Total de menores aprendizes na empresa9.6. Total de jovens contratados aps o trmino do perodo de aprendizagem9.7. Total de autuaes que a empresa recebeu do Ministrio do Trabalho com

    relao ao uso de mo-de-obra infantil

  • 26

    Pblico InternoRESPEITO AO INDIVDUO

    INFORMAES ADICIONAIS A empresa: SIM NO10.1. oferece programa especfico para a sade da mulher gestante.10.2. oferece programa de orientao aos empregados sobre como se d o desenvolvimento integral da criana por meio do fortale-

    cimento das competncias familiares25 (cuidados com o nascimento, alimentao saudvel, preveno de doenas, proteo integridade da criana e estmulo ao seu desenvolvimento cognitivo e emocional).

    10.3. faz acompanhamento peridico da cobertura vacinal, crescimento e desenvolvimento dos filhos dos empregados, solicitando everificando a Caderneta de Sade da Criana do Ministrio da Sade.

    10.4. promove campanhas de imunizao dos empregados e seus dependentes com vacinas no oferecidas pela rede pblica desade (a antigripal, por exemplo).

    10.5. faz acompanhamento da incluso dos filhos dos empregados na escola, por meio de solicitao de comprovantes de matrcula(particularmente das crianas com deficincia).

    10.6. possui poltica especfica para os empregados que sejam pais ou responsveis por crianas com deficincia, garantindo-lhes apossibilidade de acompanhar o desenvolvimento dos filhos de forma adequada.

    10.7. contribui com os fundos geridos pelos conselhos dos direitos da criana e do adolescente, destinando para esse fim 1% doImposto de Renda devido.

    10.8. estimula os empregados a destinar at 6% do Imposto de Renda devido para contribuir com os fundos geridos pelos conse-lhos dos direitos da criana e do adolescente.

    10.9. estimula os fornecedores e empresas parceiras a destinar 1% do Imposto de Renda devido para contribuir com os fundos geri-dos pelos conselhos dos direitos da criana e do adolescente.

    A empresa oferece para os empregados (mulheres e homens) de todos os nveis hierrquicos os seguintes benefcios:10.10. Plano de sade familiar;10.11. Creche no local de trabalho ou por rede conveniada, conforme determina a lei;10.12. Flexibilidade de horrio para empregados com filhos menores de 6 anos;10.13. Auxlio para educao dos filhos.

    Indicador 10 Compromisso com o Desenvolvimento InfantilConsiderando sua contribuio para o desenvolvimento infantil no pas e o compromisso com os direitos das crianas, a empresa:

    Obedece a legislao em vigorrelativa proteo maternida-de23, paternidade, amamentaoe creche, proibindo formalmen-te qualquer tipo de discrimina-o mulher gestante e aempregados (mulheres e ho-mens, incluindo terceirizados)com filhos menores de 6 anosde idade em processos admis-sionais, em promoes ou namobilidade interna.

    Possui polticas ou iniciativasinternas para facilitar a consultapr-natal e o acompanhamentoda infncia dos filhos de seusempregados (mulheres e homens,incluindo terceirizados) e ofereceorientao mdica, nutricional epsicolgica especfica para acom-panhamento desses perodos, afim de assegurar que as compe-tncias para o desenvolvimentointegral dessas crianas (sobrevi-vncia, desenvolvimento, partici-pao e proteo24) sejam alcan-adas.

    Por compreender que o sucessodessas polticas e/ou iniciativasest relacionado formaoeducacional dos pais e suacondio de vida, integra esseaspecto s aes destinadas aodesenvolvimento pessoal e pro-fissional de seus empregados.Alm disso, desenvolve campa-nhas de orientao voltadaspara a comunidade e estende adiscusso do tema a seus forne-cedores.

    Entende que a proteo maternidade e infncia umdireito e uma contribuio fun-damental para o desenvolvi-mento das presentes e futurasgeraes e se envolve na elabo-rao, aperfeioamento, execu-o, controle ou avaliao depolticas pblicas voltadas paraa promoo dos direitos dainfncia.

  • 27

    Pblico InternoRESPEITO AO INDIVDUO

    A empresa: SIM NO10.14. oferece aos trabalhadores terceirizados os mesmos benefcios de seus empregados registrados.10.15. oferece aos trabalhadores comissionados os mesmos benefcios de seus empregados registrados.10.16. possui polticas de acompanhamento do ps-parto, particularmente para identificao da depresso ps-parto.10.17. facilita a utilizao da flexibilidade de horrio para amamentao, conforme a legislao em vigor.

    2011 2012 201310.18. Percentual de filhos dos empregados matriculados em creche (0 a 3 anos)10.19. Percentual de filhos com deficincia dos empregados matriculados em creche (0 a 3 anos)10.20. Percentual de filhos com deficincia dos empregados matriculados em pr-escola (4 e 5 anos)10.21. Percentual de filhos dos empregados com vacinao em dia para a idade, conforme o

    calendrio bsico estabelecido pelo Ministrio da SadeDos empregados em regime CLT de contratao26

    10.22. Total de empregados homens pais ou responsveis por crianas de 0 a 5 anos de idade 10.23. Total de empregadas responsveis (mes ou no) por crianas de 0 a 5 anos de idade10.24. Total de empregadas cujo ltimo filho recebeu amamentao exclusiva at os 4 meses de idade10.25. Total de empregadas que tiveram horrio flexvel para amamentar o filho at 6 meses de idade10.26. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de mulheres empregadas*10.27. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de mulheres empregadas com menos

    de quatro anos de escolaridade* 10.28. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de empregados homens* 10.29. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de empregados homens com menos de

    quatro anos de escolaridade* 10.30. Total de dependentes menores de 1 ano de idade* 10.31. Total de dependentes menores de 1 ano de idade vacinados com a tetravalente* 10.32. Total de gestantes empregadas (ou dependentes de empregados)* 10.33. Total de gestantes empregadas (ou dependentes de empregados) em

    acompanhamento pr-natal* 10.34. Total de dependentes de 4 e 5 anos de idade* 10.35. Total de dependentes de 4 e 5 anos de idade matriculados em pr-escola* Dos empregados terceirizados 10.36. Total de empregados homens pais ou responsveis por crianas de 0 a 5 anos de idade 10.37. Total de empregadas responsveis (mes ou no) por crianas de 0 a 5 anos de idade 10.38. Total de empregadas cujo ltimo filho recebeu amamentao exclusiva at os

    4 meses de idade 10.39. Total de empregadas que tiveram horrio flexvel para amamentar o filho

    at 6 meses de idade 10.40. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de mulheres empregadas* 10.41. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de mulheres empregadas com menos de

    quatro anos de escolaridade* 10.42. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de empregados homens* 10.43. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de empregados homens com menos de

    quatro anos de escolaridade* 10.44. Total de dependentes menores de 1 ano de idade* 10.45. Total de dependentes menores de 1 ano de idade vacinados com a tetravalente* 10.46. Total de gestantes empregadas (ou dependentes de empregados)* 10.47. Total de gestantes empregadas (ou dependentes de empregados) em acompanhamento pr-natal* 10.48. Total de dependentes de 4 e 5 anos de idade* 10.49. Total de dependentes de 4 e 5 anos de idade matriculados em pr-escola*

  • 28

    2011 2012 2013Dos empregados autnomos ou comissionados 10.50. Total de empregados homens pais ou responsveis por crianas de 0 a 5 anos de idade 10.51. Total de empregadas responsveis (mes ou no) por crianas de 0 a 5 anos de idade 10.52. Total de empregadas cujo ltimo filho recebeu amamentao exclusiva at os

    4 meses de idade 10.53. Total de empregadas que tiveram horrio flexvel para amamentar o filho at

    6 meses de idade10.54. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de mulheres empregadas* 10.55. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de mulheres empregadas com menos de

    quatro anos de escolaridade* 10.56. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de empregados homens* 10.57. Total de dependentes de 0 a 5 anos filhos de empregados homens com menos de

    quatro anos de escolaridade* 10.58. Total de dependentes menores de 1 ano de idade* 10.59. Total de dependentes menores de 1 ano de idade vacinados com a tetravalente* 10.60. Total de gestantes empregadas (ou dependentes de empregados)* 10.61. Total de gestantes empregadas (ou dependentes de empregados)

    em acompanhamento pr-natal* 10.62. Total de dependentes de 4 e 5 anos de idade* 10.63. Total de dependentes de 4 e 5 anos de idade matriculados em pr-escola*

    * As respostas aos itens do Indicador 10 assinalados com asterisco vo compor o ndice de Desenvolvimento Infantil Empresarial (IDI-E). Se responder a todoseles, a empresa ter acesso por meio do Relatrio de Diagnstico dos Indicadores Ethos ao seu desempenho em relao contribuio para o desenvolvi-mento infantil. Essa informao pode balizar o processo de elaborao, desenvolvimento e monitoramento pela empresa de programas sobre o tema. Maisinformaes a respeito do IDI-E podem ser encontradas na introduo desta publicao, bem como no relatrio Situao da Infncia Brasileira 2006 Crianasde at 6 Anos, o Direito Sobrevivncia e ao Desenvolvimento e no livro O Municpio e a Criana de at 6 Anos Direitos Cumpridos, Respeitados e Protegi-dos, ambos da Unicef.

    Segue rigorosamente a legisla-o relacionada a preconceito ediscriminao negativa28 e sedeclara contra comportamentosdiscriminatrios que no pro-movam igualdade de oportuni-dades no ambiente interno e narelao com seus clientes, for-necedores e comunidade deentorno.

    Alm disso, promove a diversi-dade por meio de normas escri-tas que probem prticas discri-minatrias negativas, regulandoos processos de seleo, admis-so e promoo, bem como amobilidade interna, e orientan-do sobre o encaminhamento depossveis denncias.

    Alm de possuir normas escritase canais para possveis denn-cias contra prticas discrimina-trias negativas, realiza treina-mentos e seminrios de cons-cientizao especficos sobre otema e utiliza indicadores paraidentificar reas problemticas eestabelecer estratgias de recru-tamento e promoo.

    Estende essas aes a toda acadeia produtiva e participa defruns de valorizao de seg-mentos em desvantagem, comonegros (pretos e pardos), mulhe-res, pessoas com deficincia epessoas acima de 45 anos deidade, entre outros segmentos esituaes.

    Pblico InternoRESPEITO AO INDIVDUO

    Indicador 11 Valorizao da Diversidade27

    Reconhecendo a obrigao tica das empresas de combater todas as formas de discriminao negativa e de valorizar as oportunidadesoferecidas pela riqueza da diversidade de nossa sociedade, a empresa:

  • 29

    INFORMAES ADICIONAIS SIM NO

    11.1. A poltica de valorizao da diversidade e no-discriminao consta no cdigo de conduta e/ou na declarao de valores daempresa.

    Essa poltica contempla explicitamente:11.2. a questo tnico-racial;11.3. a questo de gnero;11.4. a questo de idade;11.5. a questo religiosa;11.6. a questo da orientao sexual;11.7. a questo da origem geogrfica;11.8. a questo da classe social;11.9. a questo da deficincia;11.10. a questo da aparncia fsica.11.11. Nos processos e ferramentas de gesto de pessoas, a empresa insere quesitos para monitorar a diversidade de seu quadro e

    possveis desigualdades em relao aos segmentos em desvantagem, entre outras situaes.11.12. Da poltica de valorizao da diversidade e no-discriminao derivam procedimentos formais para processos de seleo,

    admisso, promoo e mobilidade interna e demisso.11.13. Nessa poltica esto claramente previstos os mecanismos e canais formais para denncia, encaminhamento, anlise e apura-

    o de fatos que envolvam possveis casos de discriminao.11.14. A empresa possui programa especfico de contratao de pessoas com deficincia e atende rigorosamente a legislao de

    cotas de vagas para esse pblico.11.15. Da poltica de valorizao da diversidade e no-discriminao derivam procedimentos especficos para melhorar a qualificao

    e promover pessoas com deficincia.11.16. A empresa promoveu ou est promovendo as adaptaes necessrias para favorecer a acessibilidade, de acordo com a legisla-

    o em vigor.11.17. Da poltica de valorizao da diversidade e no-discriminao derivam polticas para a contratao de pessoas com idade

    superior a 45 anos.11.18. Da poltica de valorizao da diversidade e no-discriminao derivam procedimentos especficos que abordam a questo da

    faixa etria dos empregados.11.19. A empresa procura evitar a demisso de indivduos com idade superior a 45 anos.11.20. A empresa oferece oportunidade de trabalho para ex-detentos.11.21. Da poltica de valorizao da diversidade e no-discriminao derivam polticas especficas para empregados indgenas.

    2011 2012 201311.22. Percentual de pessoas com deficincia na empresa 11.23. Percentual de pessoas com deficincia em cargos executivos 11.24. Percentual de pessoas com deficincia em cargos de coordenao e chefia 11.25. Salrio mdio mensal de pessoas com deficincia 11.26. Salrio mdio mensal de pessoas com deficincia em cargos executivos 11.27. Salrio mdio mensal de pessoas com deficincia em cargos de coordenao e chefia 11.28. Percentual de pessoas com idade superior a 45 anos

    Pblico InternoRESPEITO AO INDIVDUO

  • 30

    Pblico InternoRESPEITO AO INDIVDUO

    Indicador 12 Compromisso com a No-Discriminao e Promoo da Eqidade Racial29

    Considerando a formao da sociedade brasileira e as persistentes desvantagens que caracterizam a situao da populao negra (pre-tos e pardos) no pas, a empresa:

    Segue rigorosamente a legisla-o em vigor que probe a discri-minao racial no mundo do tra-balho e assume internamenteuma postura contrria a qual-quer tipo de preconceito emrelao a todas as partes inte-ressadas. Exige em contrato quea legislao seja cumprida rigo-rosamente tambm pelos em-pregados terceirizados.

    Realiza censo interno peridicopara avaliar necessidades, situa-es ou reas crticas em rela-o eqidade racial. Essasinformaes so utilizadas parasubsidiar o planejamento deaes afirmativas, reforar ascampanhas de conscientizao,rever processos e polticas etc.

    Possui compromisso pblico depromover a eqidade racial,materializada por meio de polti-cas formais de gesto de pes-soas que priorizam a eqidade epela promoo de aes afirma-tivas para garantir oportunida-des iguais para negros nos pro-cessos de admisso, promoo emobilidade interna.

    Alm de manter programas dedesenvolvimento profissional,coaching e/ou mentoring volta-dos para empregados negros,estimula a promoo da igual-dade racial em toda sua cadeiaprodutiva e investe em progra-mas para a comunidade quetenham o mesmo objetivo, con-tribuindo na conscientizao dasociedade sobre o tema.

    INFORMAES ADICIONAIS SIM NO

    12.1. A poltica de promoo da eqidade e no-discriminao racial formal e consta no cdigo de conduta e/ou na declarao devalores da empresa.

    12.2. Da poltica de promoo da eqidade e no-discriminao racial derivam procedimentos especficos para melhorar a qualifica-o e o desenvolvimento na carreira de empregados negros.

    12.3. A poltica de promoo da eqidade e no-discriminao racial explicita no que se refere a salrios e benefcios, previdnciaprivada e acesso a treinamentos e bolsas de estudos.

    12.4. A empresa realiza campanhas internas de conscientizao (seminrios, fruns ou encontros especficos) para melhorar a com-preenso de seus empregados sobre a importncia da eqidade e no-discriminao racial.

    12.5. A empresa tem metas para promover a eqidade racial nos processos de admisso, promoo e treinamento, em todos osnveis hierrquicos e em todas as reas.

    12.6. A poltica de promoo da eqidade e no-discriminao racial garante a participao de negros nos processos decisrios e nagesto, em todos os nveis hierrquicos e em todas as reas da empresa.

    12.7. A promoo da eqidade e no-discriminao racial uma das dimenses da poltica de comunicao estratgica da empresa.12.8. A poltica de comunicao comercial tem como premissa no utilizar imagens ou situaes que atentem contra a

    dignidade dos negros.

    2011 2012 201312.9. Percentual de negros (homens e mulheres) em relao ao total de empregados 12.10. Percentual de mulheres negras em relao ao total de mulheres na empresa 12.11. Percentual de mulheres negras em cargos executivos em relao ao total de cargos

    executivos disponveis 12.12. Percentual de mulheres negras em cargos de coordenao e chefia em relao ao

    total de cargos de coordenao e chefia disponveis

  • 31

    Pblico InternoRESPEITO AO INDIVDUO

    2011 2012 201312.13. Percentual de homens negros em relao ao total de homens na empresa 12.14. Percentual de homens negros em cargos executivos em relao ao total de

    cargos executivos disponveis 12.15. Percentual de homens negros em cargos de coordenao e chefia em relao ao

    total de cargos de coordenao e chefia disponveis 12.16. Salrio mdio mensal de mulheres brancas em reais 12.17. Salrio mdio mensal de mulheres negras em reais 12.18. Salrio mdio mensal de homens brancos em reais 12.19. Salrio mdio mensal de homens negros em reais 12.20. Salrio mdio mensal de mulheres brancas em cargos executivos em reais 12.21. Salrio mdio mensal de mulheres negras em cargos executivos em reais 12.22. Salrio mdio mensal de homens brancos em cargos executivos em reais 12.23. Salrio mdio mensal de homens negros em cargos executivos em reais 12.24. Salrio mdio mensal de mulheres brancas em cargos de coordenao e chefia em reais 12.25. Salrio mdio mensal de mulheres negras em cargos de coordenao e chefia em reais 12.26. Salrio mdio mensal de homens brancos em cargos de coordenao e chefia em reais 12.27. Salrio mdio mensal de homens negros em cargos de coordenao e chefia em reais

    Indicador 13 Compromisso com a Promoo da Eqidade deGnero30

    Com o objetivo de cooperar para combater o preconceito, ampliar as chances das mulheres no mercado de trabalho e sua capacitaopara funes especializadas, a empresa:

    Segue rigorosamente a Consti-tuio Brasileira que probe adiscriminao de gnero nomundo do trabalho e assumeinternamente uma postura con-trria a qualquer tipo de precon-ceito em relao a todas as par-tes interessadas. Exige em con-trato que a legislao seja cum-prida tambm pelos emprega-dos terceirizados.

    Realiza censo interno peridicopara avaliar necessidades, situa-es ou reas crticas em rela-o eqidade de gnero. Essasinformaes so utilizadas parasubsidiar o planejamento deaes afirmativas, campanhasde conscientizao etc.

    Possui compromisso pblico depromover a eqidade de gnero,materializada por meio de polti-cas formais de gesto de pes-soas que garantam oportunida-des iguais para mulheres ehomens nos processos deadmisso, promoo e mobilida-de interna. Realiza aes afirma-tivas para garantir oportunida-des iguais de crescimento paraas mulheres e os homens quetrabalham na empresa.

    Alm de manter programas dedesenvolvimento profissional,coaching e/ou mentoringespecfico para as mulheres, afim de estimular a formao delideranas femininas na empre-sa, envida esforos para que aatitude de promover a eqidadede gnero seja replicada emtoda a sua cadeia produtiva einveste em programas da comu-nidade que tenham por objetivoa valorizao da mulher.

  • 32

    Pblico InternoRESPEITO AO INDIVDUO

    INFORMAES ADICIONAIS SIM NO

    13.1. A poltica de promoo da eqidade de gnero formal e consta no cdigo de conduta e/ou na declarao de valores daempresa.

    13.2. Da poltica de promoo da eqidade de gnero derivam procedimentos especficos para melhorar a qualificao das mulherese promov-las.

    13.3. A poltica de promoo da eqidade de gnero probe expressamente a contratao, demisso ou promoo de mulheresbaseada em seu estado civil ou condio reprodutiva.

    13.4. A poltica de promoo da eqidade de gnero explicita igualdade de condies para homens e mulheres no que se refere asalrios e benefcios, previdncia privada e acesso a treinamentos e bolsas de estudos.

    13.5. A empresa realiza campanhas internas de conscientizao (seminrios, fruns ou encontros especficos) para melhorar a com-preenso de seus empregados sobre a importncia da valorizao da mulher.

    13.6. O plano de sade da empresa tem adaptaes especficas objetivando a manuteno e cuidados com a sade da mulher.13.7. A empresa tem metas de contratao, treinamento e mobilidade interna (horizontal e vertical) visando a promoo da eqida-

    de de gnero em todos os nveis hierrquicos e em todas as reas.13.8. A poltica de promoo da eqidade garante a participao feminina nos processos decisrios e na gesto, em todos os nveis

    hierrquicos e em todas as reas da empresa.13.9. A empresa promove, quando necessrio, a adequao s condies fsicas das mulheres de espaos de trabalho e de equipamentos.13.10. A poltica de promoo da eqidade de gnero probe expressamente atividades que possam intimidar ou constranger as

    mulheres no ambiente de trabalho.13.11. A promoo da eqidade de gnero uma das dimenses da poltica de comunicao estratgica da empresa.13.12. A poltica de comunicao comercial tem como premissa no utilizar a figura feminina de maneira estereotipada ou que aten-

    te contra a dignidade das mulheres.13.13. A poltica de promoo da eqidade de gnero probe expressamente a discriminao contra mulheres com problemas de sa-

    de, inclusive as soropositivas.13.14. A empresa tem procedimentos que garantem a proteo das mulheres contra a violncia e o assdio psicolgico, moral, fsico

    e sexual no local de trabalho e na locomoo entre casa e empresa.13.15. A empresa promove campanhas de sensibilizao dos homens sobre a importncia da diviso das tarefas domsticas e sobre

    a paternidade responsvel.

    2011 2012 201313.16. Percentual de mulheres em relao ao total de empregados 13.17. Percentual de mulheres em cargo executivo em relao ao total de cargos

    executivos disponveis 13.18. Percentual de mulheres em cargos de coordenao e chefia em relao ao total

    de cargos disponveis nesse nvel hierrquico 13.19. Salrio mdio mensal de mulheres em cargos executivos em reais 13.20. Salrio mdio mensal de homens em cargos executivos em reais 13.21. Salrio mdio mensal de mulheres em cargos de coordenao e chefia em reais 13.22. Salrio mdio mensal de homens em cargos de coordenao e chefia em reais

  • 33

    Pblico InternoRESPEITO AO INDIVDUO

    Indicador 14 Relaes com Trabalhadores Terceirizados Em suas relaes com trabalhadores terceirizados e/ou com os fornecedores desses servios, a empresa:

    Mantm relao contratualdentro dos parmetros legaisde co-responsabilidade pelocumprimento das obrigaestrabalhistas e previdencirias.

    Monitora periodicamente ocumprimento dos requisitos es-tab