VI CONGRESSO INTERNACIONAL CONSTITUCIONALISMO E .Por fim, a Rede para o Constitucionalismo Democrático

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of VI CONGRESSO INTERNACIONAL CONSTITUCIONALISMO E .Por fim, a Rede para o Constitucionalismo...

  • VI CONGRESSO INTERNACIONAL CONSTITUCIONALISMO E

    DEMOCRACIA: O NOVO CONSTITUCIONALISMO LATINO-

    AMERICANO

    ABERTURAS, TRANSIES E DEMOCRACIA

  • A147

    Aberturas, transies e democracia [Recurso eletrnico on-line] organizao Rede para o

    Constitucionalismo Democrtico Latino-Americano Brasil;

    Coordenadores: Jos Ribas Vieira, Ceclia Caballero Lois e Marcela Braga Nery Rio de

    Janeiro: UFRJ, 2017.

    Inclui bibliografia

    ISBN: 978-85-5505-507-2

    Modo de acesso: www.conpedi.org.br em publicaes

    Tema: Constitucionalismo Democrtico e Direitos: Desafios, Enfrentamentos e

    Perspectivas

    1. Direito Estudo e ensino (Graduao e Ps-graduao) Brasil Congressos

    internacionais. 2. Constitucionalismo. 3. Democracia. 4. Transio. 5. Amrica Latina. 6.

    Novo Constitucionalismo Latino-americano. I. Congresso Internacional Constitucionalismo e

    Democracia: O Novo Constitucionalismo Latino-americano (6:2016 : Rio de Janeiro, RJ).

    CDU: 34

    _____________________________________________________________________________

  • VI CONGRESSO INTERNACIONAL CONSTITUCIONALISMO E DEMOCRACIA: O NOVO CONSTITUCIONALISMO LATINO-

    AMERICANO

    ABERTURAS, TRANSIES E DEMOCRACIA

    Apresentao

    O VI Congresso Internacional Constitucionalismo e Democracia: O Novo

    Constitucionalismo Latino-americano, com o tema Constitucionalismo Democrtico e

    Direitos: Desafios, Enfrentamentos e Perspectivas, realizado entre os dias 23 e 25 de

    novembro de 2016, na Faculdade Nacional de Direito (FND/UFRJ), na cidade do Rio de

    Janeiro, promove, em parceria com o CONPEDI Conselho Nacional de Pesquisa e Ps-

    Graduao em Direito, a publicao dos Anais do Evento, dedicando um livro a cada Grupo

    de Trabalho.

    Neste livro, encontram-se captulos que expem resultados das investigaes de

    pesquisadores de todo o Brasil e da Amrica Latina, com artigos selecionados por meio de

    avaliao cega por pares, objetivando a melhor qualidade e a imparcialidade na seleo e

    divulgao do conhecimento da rea.

    Esta publicao oferece ao leitor valorosas contribuies tericas e empricas sobre os mais

    diversos aspectos da realidade latino-americana, com a diferencial reflexo crtica de

    professores, mestres, doutores e acadmicos de todo o continente, sobre ABERTURAS,

    TRANSIES E DEMOCRACIA.

    Assim, a presente obra divulga a produo cientfica, promove o dilogo latino-americano e

    socializa o conhecimento, com criteriosa qualidade, oferecendo sociedade nacional e

    internacional, o papel crtico do pensamento jurdico, presente nos centros de excelncia na

    pesquisa jurdica, aqui representados.

    Por fim, a Rede para o Constitucionalismo Democrtico Latino-Americano e o Programa de

    Ps-Graduao em Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGD/UFRJ)

    expressam seu sincero agradecimento ao CONPEDI pela honrosa parceira na realizao e

    divulgao do evento, culminando na esmerada publicao da presente obra, que, agora,

    apresentamos aos leitores.

    Palavras-chave: Democracia. Transio. Amrica Latina. Novo Constitucionalismo Latino-

    americano.

  • Rio de Janeiro, 07 de setembro de 2017.

    Organizadores:

    Prof. Dr. Jos Ribas Vieira UFRJ

    Profa. Dra. Ceclia Caballero Lois UFRJ

    Marcela Braga Nery UFRJ

  • 1 Graduado em Direito - UFG. Especialista em Direito Pblico - Uni-Anhanguera. Mestrando em Direito Agrrio - UFG. Pesquisador e bolsista da FAPEG.

    2 Graduada em Direito - UFG. Mestranda em Direito Agrrio - UFG. Pesquisadora e bolsista da FAPEG.

    1

    2

    A CRIMINALIZAO COMO FORMA DE INVISIBILIZAO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS: A PRISO DOS INTEGRANTES DO MST EM GOIS

    NO ANO DE 2016

    LA CRIMINALIZACIN COMO FORMA DE INVIZIBILIZACIN DE LOS MOVIMIENTOS SOCIALES: LA DETENCIN DE LOS MIEMBROS DEL MST EN

    GOIS EN EL AO DE 2016

    Thiago Henrique Costa Silva 1Maria Clara Capel de Atades 2

    Resumo

    O artigo tem como objetivo apresentar elementos para a anlise das aes estatais diante das

    atividades dos movimentos sociais, em especial as do MST, que teve o seu pice com a

    priso de alguns de seus integrantes em abril e maio de 2016, fundamentada na aplicao do

    conceito de organizao criminosa. Ao denunciar a realidade em que vivem, atravs das

    manifestaes e ocupaes estratgicas de terra, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

    Terra reivindica seus direitos e questiona o modelo fundirio (im)posto, constituindo um

    verdadeiro grito democrtico, que proclama a participao popular na implementao de

    polticas por meio do ativismo pblico. Por sua vez, o controle social crescente, em especial

    na sua vertente formal, baseado na criminalizao e na judicializao dos conflitos

    envolvendo os movimentos sociais, aliado propagao direcionada de informaes pela

    mdia, uma forma de invisibilizao das vozes e bandeiras desses sujeitos, que passam a ser

    percebidos somente por aquilo que divulgam e institucionalizam em seus nomes, mas no por

    suas lutas e ideologias. Dessa forma, o direito participao poltica e liberdade cede

    espao ao direito penal do inimigo, e a democracia ento fragilizada, demonstrando a

    inabilidade do Estado em compor os interesses plurais da sociedade a partir da estrutura

    existente e a necessidade em se repensar os mtodos para as solues dos conflitos.

    Palavras-chave: Mst, Criminalizao, Invisibilizao, Controle social, Democracia, Ativismo pblico

    Abstract/Resumen/Rsum

    Este trabajo tiene como objetivo proporcionar elementos para el anlisis de las acciones del

    Estado en las actividades de los movimientos sociales, en particular las del MST, que tuvo su

    punto culminante con la detencin de algunos de sus miembros en abril y mayo de 2016,

    basada en la aplicacin del concepto de organizacin criminal. En su denuncia de la realidad

    en que viven, a travs de manifestaciones y ocupaciones estratgicas de la tierra, el

    movimiento de los trabajadores rurales sin tierra reivindica sus derechos y cuestiona el

    1

    2

    303

  • modelo de la tierra (im) puesto, haciendo un verdadero grito democrtico que proclama la

    participacin popular en la implementacin de polticas pblicas a travs del activismo

    pblico. A su vez, el aumento del control social, especialmente en su aspecto formal, basado

    en la criminalizacin y judicializacin de los conflictos relacionados con los movimientos

    sociales, junto a la informacin dirigida por los medios de comunicacin, es una forma de

    invisibilidad de las voces y las banderas de estos sujetos, que pasan a ser percibidos slo por

    lo que revelan e institucionalizan en sus nombres, pero no por sus luchas e ideologas. Por lo

    tanto, el derecho a la participacin poltica y la libertad pierde su lugar para el derecho penal

    del enemigo, y la democracia, por eso, se debilita, lo que muestra la incapacidad del Estado

    para componer los intereses plurales de la sociedad a partir de la estructura existente y la

    necesidad de repensarse los mtodos para las soluciones de los conflictos.

    Keywords/Palabras-claves/Mots-cls: Mst, Criminalizacin, Invisibilizacin, Control social, Democracia, Activismo pblico

    304

  • INTRODUO

    O artigo tem como objetivo demonstrar como, a partir do controle social de povos

    marginalizados e da consequente criminalizao de sua organizao em movimentos

    sociais, os conflitos de terra so sufocados em nome de uma ordem vigente e hegemnica.

    evidenciado, assim, como os movimentos sociais evoluram de maneira legtima e se

    adaptaram a diferentes contextos histricos por meio de estratgias racionais de

    emancipao de seu povo e reivindicao de seus direitos.

    Como metodologia para abordar o tema, escolheu-se a reviso bibliogrfica e

    documental, a partir dos referenciais tericos-metodolgicos da criminologia crtica,

    abordando, inicialmente, os aspectos histricos dos movimentos sociais, seguidos dos

    fundamentos tericos do ativismo pblico e do controle social, contrapondo a

    legitimidade das aes do MST e a viso criminalizadora do poder pblico. Assim, a

    partir desse dilogo, partir-se- anlise crtica das legislaes que envolvem o tema e as

    documentos oriundos do processo que culminou na priso de lderes do MST no primeiro

    semestre de 2016.

    Em um primeiro momento, evidencia-se a importncia dos movimentos sociais

    como fatores de transformao social. Isso ocorre a partir de resistncias e de sujeitos

    que, em suas exigncias e reivindicaes, constituem-se em novas fontes para o direito e

    possibilitam um aprofundamento da experincia democrtica em nossa sociedade.

    realizada, posteriormente, uma anlise histrica dos movimentos sociais que se formaram

    durante a era dos cercamentos e das multides inglesas no sculo XVIII. Demonstra-se,

    desse modo, como as aes contrrias consolidao da propriedade absoluta na

    Inglaterra representaram estratgias sociais dos pequenos proprietrios. As mesmas

    estratgias sociais so visualizadas na realidade brasileira das Ligas Camponesas e em

    suas aes contrrias dominao no campo.

    verificado como desde o princpio o controle dos movimentos sociais se dava

    por meio de uma imagem construda pela mdia e pelas instituies estatais. Essa imagem

    foi a de um movimento subversivo e incendirio, violador da ordem instituda. O MS