Click here to load reader

Revista gerencial • volume 3 • novembro 2017

  • View
    4

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Revista gerencial • volume 3 • novembro 2017

  1. 1. [email protected] E F L E X E S S O B R E T E M A S L I G A D O S G E S T O N E P M A R A N H A O / M A V O L U M E 4 N O V E M B R O D E 2 0 1 7 A SOLUO PARA O DESCARTE IRREGULAR DE RESDUOS? ECOPONTO
  2. 2. CONTEDO 03 EDITORIAL Descarte ou desleixo a base da abordagem da editora partindo da assertiva que no Brasil o costume jogar fora onde "eu quiser", no onde "eu puder". 08 ECO E PONTO OU...? Que a situao difcil fato! Mas, o que est em curso para mitigar a o descarte irregular dos resduos slidos? Um caso em observao: Ecopontos em So Lus, Ma. . 04 TATEANDO NO ESCURO A falta de dinheiro motivo citado quando se trata de implantar planos e aes socioambientais. fato que o dinheiro esta curto mas ser que no fata algo mais? Vamos refletir juntos? 10 FALA GILSON! Entrevistamos Gilson Jos Chaves Santos que um dos coordenadores do Ecoponto Renascena. Leia a matria na ntegra porque est demais. 02
  3. 3. A palavra DESCARTE, por extenso significa "ato ou efeito de se jogar fora alguma coisa que no tem mais serventia ou no se deseja mais". O que no se deseja mais ou no tem mais serventia pode simplesmente ser "jogado fora"? Fora onde? Fora em qualquer lugar, prtica corrente? No Brasil o costume jogar fora onde "eu quiser", no onde "eu puder", como determinam as leis e regulamentos, e, diga-se antes, a legislao atual bastante rigorosa sobre o assunto. J a palavra DESLEIXO tem como significado "falta de cuidado, de ateno, de apuro,falta de esforo, de nimo, de atividade". Se comearmos pela falta de cuidado fato que esta pode ser facilmente identificada quando se trata do descarte de resduos no Brasil, evidenciando a falta de apuro entendido como esmero, cuidado, requinte com o que para o uso por todos como rios, crregos, mares, espaos, reservas, enfim, o que prprio para o convvio em sociedade. E por falar em sociedade preciso despertar o nimo de agir pensando no coletivo e abandonar o "jeitinho" como maneira hbil, esperta, astuciosa de conseguir algo, sempre entendido como "se dar bem" mesmo que o outro seja prejudicado, "farinha pouca..." e tantas outras expresses que reforam o individualismo crueldade, o mal costume, o passar por cima do outro, valer-se da esperteza para conseguir vantagens s vezes indevidas. reflexo. EDITORIAL ROSA GRAA LIMA BARRETO DOMINGUES Descarte ou desleixo? 03
  4. 4. Tateando no escuro DESCARTE OU DESLEIXO? A gesto de resduos slidos no Brasil tateia no escuro buscando sada vivel e sustentvel. Os "Planos Estaduais de Resduos Slidos destinados a organizar e dar as diretrizes gerais de gesto para os municpios integrantes de cada Unidade Federativa" (portal MMA) ainda no so realidade em todos os estados. Enquanto escrevo esta matria apenas Acre, Maranho, Par, Paran, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e So Paulo constam no portal do Ministrio do meio Ambiente como detentores de planos estaduais deresduos, ou seja, mais da metade dos estados sequertm planos e, referenciamos aqui a ausncia de planos de estados NO SE DEVE FALAR SOBRE O QUE NO SE ENTENDE, PONTO! importantes para a causa da preservao ambiental como Minas Gerais (com trs cidades entre as quinze mais poludas do Brasil, sendo Belo Horizonte que est em terceiro lugar entre as dez cidades que mais poluem, Betim e Ibirit; Bahia; Cear; Amazonas; Rondnia; Tocantins; Mato Grosso do Sul; Mato Grosso; Gois e Esprito Santo. E o Brasil tambm no est "bem na fita" posicionado na 44 posio entre os pases mais poluentes do mundo. No portal do Ministrio do Meio Ambiente consta ainda a informao que o "contedo mnimo dos Planos Estaduais de Resduos Slidos est previsto no art. 17, incisos I a XII, da Lei n 12.305/2010. Vale ressaltar, que a PNRS, por meio de seu art. 16, combinado com o art. 55, estabeleceu que a elaborao de Plano Estadual de Resduos Slidos, at 02 de agosto de 2012, condiopara os Estados terem acesso a recursos da 04
  5. 5. 05 [email protected] PRIMEIRO FOI NECESSRIO CIVILIZAR O HOMEM EM RELAO AO PRPRIO HOMEM. AGORA NECESSRIO CIVILIZAR O HOMEM EM RELAO NATUREZA E AOS ANIMAIS. VICTOR HUGO, ESCRITOR DESTAQUE
  6. 6. Unio, ou por ela controlados, destinados a empreendimentos e servios relacionados gesto de resduos slidos, ou para serem beneficiados por incentivos ou financiamentos de entidades federais de crdito ou fomento para tal finalidade". Como? Quer dizer que, mesmo sendo requisito para acesso a recursos federais o assunto no interessa aos estados a ponto de ocorrer a elaborao do plano de resduos? H algo alm disso e o que ser? Bem, na revista anterior o Secretrio do Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranho, Marcelo Coelho explicou parcialmente a razo porque os municpios no implantam o plano de gesto de resduos ao afirmar: ..."o poder econmico desses municpios, os recursos que eles dispem pra investir nessa politica pblica zero... e as polticas sociais do prprio municpio que a gente sabe que existem pessoas carentes, famlias passando fome, desemprego grande, ento, quando o dinheiro chega para o gestor ele vai pensar: T faltando dinheiro? DESCARTE OU DESLEIXO? - O que mais grave agora? "No adianta voc fazer Lei e jogar de cima para baixo, pro municpio, onde o prefeito no est conseguindo pagar o combustvel de ambulncia." Marcelo Coelho, Secretrio do Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranho 06 [email protected]
  7. 7. 01 [email protected] DO PONTO DE VISTA DO PLANETA, NO EXISTE JOGAR LIXO FORA: PORQUE NO EXISTE FORA. AUTOR DESCONHECIDO PENSAR 0207
  8. 8. Eco e ponto ou...? DESCARTE OU DESLEIXO? Numa tarde do ms setembro do corrente recebemos de um divulgador, no trnsito, o flyer de comunicao da inaugurao de um Ecoponto o que nos despertou imediata curiosidade. Guardamos o flyer e aps duas entrevistas com autoridades ligadas responsabilidade socioambiental, uma posicionada em nvel estratgico outra em nvel ttico chegou a hora de conhecermos o que tem a nos dizer aqueles que executam, literalmente, a poltica de resduos slidos. Escolhemos o Ecoponto Renascena e para l nos dirigimos. Fomos recebidos Que a situao difcil fato! Mas, o que est em curso para mitigar a o descarte irregular dos resduos slidos? Um caso em observao: Ecopontos em So Lus, Ma. por um jovem muito simptico, sorriso no rosto e falante que foi logo nos estendendo a mo e dizendo: - Meu nome Gilson Jos Chaves Santos, nome completo, finalizou. Uma simpatia incrvel, inquieto e visivelmente com pressa, Gilson foi perguntando, de pronto, o que eu precisava.Respondi que precisava conversar com o responsvel pelo local. - Sou eu, alis, eu e meu amigo ali, disse apontando para um rapaz com a mesma farda que estava atendendo uma jovem que chegara naquele momento para entregar material para descarte. Me apresentei, falei de que se tratava a minha presena e perguntei se ele podia me conceder uma entrevista sobre o funcionamento do Ecoponto. - Claro, disse ele, me conduzindo para o pequeno cmodo da administrao. 08 [email protected]
  9. 9. 01 [email protected] A PRIMEIRA LEI DA ECOLOGIA QUE TUDO EST LIGADO A TODO O RESTO. BARRY COMMONER, BILOGO PENSAR 0209
  10. 10. ENTREVISTAMOS GILSON JOS CHAVES SANTOS, COORDENADOR DO ECOPONTO RENASCENA. NEP-MA: Gilson, o que um ECOPONTO? GILSON SANTOS: Bem, Ecoponto um localautorizado a receber resduos que noso recolhidos pela coleta convencional como por exemplo os resduos da construo civil, vidro, madeira, papelo e plstico, alm de material de construo civil e restos de poda e de capina, alguns reciclveis. NEP-MA: Qual o seu trabalho no Ecoponto? Voc o coordenador? isso? GILSON SANTOS: Sim, trabalhamos numa forma de apoio, somos dois e alternamos o horrio, eu entro s 7:00 e saio s 15:20 eo meu parceiro entra s 11:00 e sai s 18:00, de segunda a sbado. No funcionamos domingos e feriados. NEP-MA: Em cada perodo quem fica o responsvel pelo Ecopont? GILSON SANTOS: sim. Eu e ele somos os responsveis pelo Ecoponto Renascena. NEP-MA: Vocs recebem muitos resduos? GILSON SANTOS: Sim. Estamos recebendo muitos materiais, principalmente reciclveis, estamos recebendo demais. NEP-MA: E que destino vocs vo dar para esses materiais? GILSON SANTOS: Todo esse material, a parte reciclvel ser encaminhado para duas cooperativas: a ASCAMAR, que a Associao Fala Gilson! DESCARTE OU DESLEIXO? 0110 Gilson Santos, coordenador do Ecoponto Renascena, So Lus, Ma
  11. 11. Tudo junto e misturado? DESCARTE OU DESLEIXO? de Catadores de Material Reciclvel, localizada no Ceprama, no centro da cidade, e a Coopres que a Cooperativa de Reciclagem de So Lus, que funciona nas dependncias da Universidade Federal do Maranho. NEP-MA: Esse material separado antes da entrega ou ele colocado no caminho do jeito que est e vai para entrega nas cooperativas? GILSON SANTOS: Ele vai separado. O caminho da empresa, nosso, da SLEA-So Luis Engenharia Ambiental. Os Ecopontos so da SLEA que a empresa Devemos sempre lembrar que "Ns no herdamos a Terra de nossos antecessores, ns a pegamos emprestada de nossas crianas." [Provrbio ndio Norte-Americano] responsvel pela limpeza urbana em So Lus.uma empresa terceirizada que presta servios para a prefeitura.Um carro da SLEA leva osreciclveis para a Ascamar e para a Coopres. Esse carro passa em todos os Ecopontos, so sete Ecopontosatuando no momento. Num dia ele recolhe os plsticos j entregues, no outro dia papel ou papelo, no outro dia metal e assim por diante. O vidro ainda no vai para as cooperativas. Ele separado, os caminhes vm e levam os vidros, o entulho,restos de madeiras ede mveis velhos para o aterro sanitrio, j os resduos das podas vo para o aterro para compostagem, servem para adubo e para aterro. A compostagem fica no aterro sanitrio. NEP-MA: Este terreno onde est localizado o Ecoponto pertence ao municpio? GILSON SANTOS: Acredito que sim. No tenho certeza. 11
  12. 12. NEP-MA: E os carroceiros que faziam o descarte irregular no terreno onde est localizado este Ecoponto? Vocs recebem muitas carroa

Search related