of 23 /23
1 Engenharia Civil Atividade Pratica Supervisionada Alvenaria Estrutural Jonas da Silva Breve RA: A6331F1 Turma:ECR601 Daniel Luiz Rocha RA: T610CE6 Turma:ECR601 Braulio Roberto R.A: A6921h4 Turma: EC5P01

Alvenaria Estrutural APS

Embed Size (px)

Text of Alvenaria Estrutural APS

Engenharia Civil

Atividade Pratica Supervisionada

Alvenaria Estrutural

Jonas da Silva Breve Daniel Luiz Rocha Braulio Roberto

RA: A6331F1 Turma:ECR601 RA: T610CE6 Turma:ECR601 1 R.A: A6921h4 Turma: EC5P01

Sumrio1 - Historia e Conceitos bsicos da Alvenaria Estrutural ............................................................... 3 2 - Blocos e Tipos de tijolos ........................................................................................................... 6 3-Tipos de amarrao .................................................................................................................... 9 4- Patologia em Alvenaria Estrutural ........................................................................................... 12 5- Conforto Ambiental e Sustentabilidade .................................................................................. 17 6-CONFORTO TRMICO ............................................................................................................... 17 7-CONFORTO LUMNICO (LUZ) .................................................................................................... 17 7-CONFROTO ACSTICO .............................................................................................................. 18 8-CONFORTO VISUAL ................................................................................................................... 18 8-Dados das Obra e Imagens da Visita Tecnica ........................................................................... 19 Bibliografia ................................................................................................................................... 23

2

1 - Historia e Conceitos bsicos da Alvenaria EstruturalA eficincia da indstria de Construo Civil to importante para a nao como o para o industrial individualmente. Uma indstria eficiente se caracteriza por um reduzido volume de desperdcio dos recursos localmente disponveis, de toda ordem: materiais, humanos, energticos, financeiros, temporais. (SABBATINNI-2007) Processos nos quais as tcnicas organizacionais utilizadas nas indstrias manufatureiras so empregadas na construo, sem que disto resultem mudanas radicais nos mtodos de produo em uso" [Foster,1973]. Processos que incorporam princpios de planejamento e controle tendo como objetivo: eliminar desperdcios de mo de obra e materiais; aumentar a produtividade; planejar o fluxo de produo e centralizar e programar as decises [Taralli, 1984]. A alvenaria estrutural usada desde a antiguidade, porm hoje alcana maior racionalizao uma vez que existe viso sistmica do processo, onde os projetistas compatibilizam os demais subsistemas: instalaes, caixilharia, vedaes, tornando sua produo altamente industrializada, permitindo ainda a reduo da utilizao de frmas, armaduras e produo excessiva de entulhos. Uma obra de alvenaria bem planejada destaca-se pela total ausncia de rasgos nas paredes para as instalaes eltricas e hidro-sanitrias e tambm pela inexistncia de retrabalhos. A alvenaria estrutural foi o principal material de construo at o incio do sculo XX, sendo utilizada desde a Antiguidade, quando foram erguidas as pirmides do Egito. Podem ser citadas vrias construes com esse sistema construtivo, a exemplo da Muralha da China (215 a.C.), Coliseu em Roma (82 d. C.), mostrado na Figura 1, e as catedrais de Toledo (1226 a 1493) e Notre Dame (1163). Um exemplo marcante desse tipo de edificao o edifcio Monadnock Building, construdo em Chicago, entre 1889 e 1891, com 16 andares, 65 m de altura e a espessura das paredes do trreo era de 1,80 m mostrado na Figura 2. Se o mesmo fosse construdo nos dias de hoje, suas paredes somente precisariam ter 30 cm de espessura. (FRANCO,2009)

3

Segundo CAMACHO (2006), conceitua-se de Alvenaria Estrutural o processo construtivo no qual, os elementos que desempenham a funo estrutural so de alvenaria, sendo os mesmos projetados, dimensionados e executados de forma racional em um sistema que alia alta produtividade com economia, desde que executado de maneira correta. Para Sabbatini (2002) um especfico modo de se construir edifcios que se caracterizam por empregar como estrutura suporte paredes de alvenaria e lajes enrijecedoras, por tambm serem dimensionados segundo mtodos de clculo racionais e de confiabilidade determinvel e ter um alto nvel de organizao de produo de modo a possibilitar projetos e construo racionais.

Este tipo de processo construtivo tambm chamado de alvenaria auto portante, pois so destinadas a absorver as cargas das lajes e sobrecarga, sendo necessrio para o seu dimensionamento utilizao da NBR 10837 e NBR 8798, observando que sua espessura nunca dever ser inferior a 14,0 cm (espessura do bloco) e resistncia compresso mnima fbk 4,5 MPa. (NASCIMENTO, 2002). De acordo com a ABNT NBR-10837 (1989), alvenaria estrutural no-armada de blocos vazados de concreto aquela construda com blocos vazados de concreto, assentados com argamassa, e que contm armaduras com finalidade construtiva ou de amarrao, no sendo esta ltima considerada na absoro dos esforos calculados. Por outro lado, a alvenaria estrutural armada de blocos vazados de concreto, de acordo com a mesma referncia, aquela construda com blocos vazados de concreto, assentados com argamassa, na qual certas cavidades so preenchidas continuamente com graute, contendo armaduras envolvidas o suficiente para absorver os esforos calculados, alm daquelas armaduras com finalidade construtiva ou de amarrao.

4

Segundo relata PRUDNCIO et al. (2002), apesar de alguns avanos na rea, tal como o advento dos blocos de concreto criados e patenteados por Gibbs na Inglaterra, em 1850. creditada a Paul Haller (Sua) a responsabilidade por esta revoluo na rea, quando em 1951 dimensionou e construiu na Basilia um edifcio de 13 andares (41,4 m de altura) sendo 12 andares em alvenaria no armada, com paredes internas resistentes de 15 cm de espessura e externas de 37,5 cm. Nessa mesma poca, nos Estados Unidos, a produo de blocos vazados de concreto j superava a de tijolos cermicos, impulsionada pelo desenvolvimento das mquinas vibroprensas automticas concebidas por Jesse Besser em 1904. A partir de 1950, vrios cdigos de obras e normas contendo procedimentos de clculo surgiram na Europa e Amrica do Norte, fazendo com que a alvenaria estrutural experimentasse um crescimento marcante em todo o mundo. No Brasil, o Estado de So Paulo foi o grande precursor deste sistema construtivo. Em 1966, foram construdos os primeiros prdios com 4 pavimentos em alvenaria armada de blocos de concreto, no Conjunto Habitacional "Central Parque da Lapa". J em 1968 foi fundada a Reago, primeira indstria de blocos de concreto no Brasil e, em 1972, construram-se 4 edifcios com 12 pavimentos neste mesmo conjunto, representando um marco nacional na utilizao desta tcnica. Em 1977, ergueu-se o "Edifcio Jardim Prudncia" em alvenaria estrutural no armada com 9 pavimentos utilizando blocos slico-calcrios de 24 cm de largura. Estima-se que tenham sido construdos no Brasil, entre 1964 e 1976, mais de dois milhes de unidades habitacionais em alvenaria estrutural. Porm, os resultados no eram os almejados quanto qualidade e durabilidade do produto, tornando-se necessrias pesquisas para dirimir as dvidas existentes com relao a este tipo de construo (ARAJO, 1995). Em dezembro de 1977, o Instituto Brasileiro de Concreto (IBRACON) realizou um colquio sobre produo de blocos, controle de qualidade, normalizao, processos construtivos, mtodos de dimensionamento, entre outros tpicos abordados, reunindo os principais projetistas, calculistas, fabricantes de blocos e construtoras (SNCHEZ, 2002). A presena de tantos profissionais expressou o grande interesse pelo conhecimento, no s dos materiais, como tambm de todo o sistema de alvenaria estrutural. Em 14 de dezembro de 1977, em So Paulo, a partir de contatos entre profissionais do Instituto de Pesquisas Tecnolgicas (IPT), das indstrias produtoras de blocos de concreto e do Comit Brasileiro de Construo Civil (CB-2) da Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT), foi oficializada uma Comisso de Estudos para desenvolver as normas nacionais de alvenaria estrutural (SNCHEZ, 2002). As carncias de pesquisas aliadas falta de conhecimento e inexperincia dos profissionais apresentavam-se como os principais obstculos a serem superados na poca. A alvenaria estrutural atingiu seu apogeu no Brasil na dcada de 80, quando diversas construtoras e produtoras de blocos investiram nesta tecnologia para torn-la mais vantajosa. O primeiro trabalho expressivo foi realizado pelo Instituto de Pesquisas Tecnolgicas do Estado de So Paulo (IPT) em parceria com a Cermica Selecta e conduzido pelo Engenheiro Nelson dos Santos Gomes (IPT). Logo a seguir, o Prof. Fernando Henrique Sabbatini da Escola Politcnica da Universidade de So Paulo (EPUSP), realizou estudos para a Cermica Tebas de So Paulo, auxiliando no desenvolvimento do processo produtivo da referida indstria. Posteriormente, o mesmo professor firmou um convnio com a Construtora Encol para o desenvolvimento de um sistema construtivo que envolvia desde a produo dos blocos de concreto at a manuteno dos edifcios. Este foi o maior trabalho de pesquisa cientfica de sistemas construtivos j realizado no pas at ento (PRUDNCIO et al. , 2002).

5

2 - Blocos e Tipos de tijolos

importante que haja uma interao do projetista estrutural com o arquiteto durante a fase de elaborao do projeto arquitetnico, pois a escolha da modulao define as dimenses possveis a serem utilizadas no projeto (ACCETTI, 1998).

6

Figura 1- Exemplo da famlia de blocos de concreto. Fonte: RAUBER, 2005. Conforme Accetti (1998) a primeira definio a ser feita o tipo de bloco que ser utilizado. Para tanto, devem ser consideradas todas as caractersticas dos materiais e produtos existentes no mercado onde ser construdo o edifcio, para que seja tomada uma deciso segura, econmica e com um conforto ambiental adequado finalidade a que se destina. Existem vrios tipos de blocos, sendo os principais: os blocos de concreto (ver Figura 01), os blocos cermicos (ver Figura 02), os blocos slico-calcrios, com as mais variadas dimenses e resistncias.

7

Figura2- Exemplo da famlia de blocos cermico. Fonte: PALLOTTI, 2003 apud RAUBER, 2005. Os Blocos de concreto, tal como ilustrado na Figura 02, so obtidos por prensagem e vibrao de concretos com consistncia seca, dentro de formas de ao com 25 dimenses regulares, devendo ser curados em ambiente com alta umidade por pelo menos 7 dias. Normalmente so assentados na posio em que os furos estejam na vertical, contribuindo para que pequenas reas de argamassa entrem em contato para a colagem entre os blocos. Utilizados h muitos anos para alvenaria auto portante e de vedao, deve-se evitar o uso quando se apresentarem ainda com umidade elevada, devido ao alto ndice de retrao e variao dimensional (ABNT - NBR 7173,1982).

8

3-Tipos de amarraoEstudos realizados, mediante modelagem por elementos finitos, demonstram a grande influncia das amarraes entre paredes estruturais na distribuio de tenses, o que consiste num dos mecanismos essenciais do seu desempenho estrutural, tanto da capacidade portante individual dos painis, como do conjunto da edificao. (CORRA; RAMALHO, 1989 apud ACCETTI, 1998). Vilat e Franco (2000) dizem que na amarrao da alvenaria nos cantos, o procedimento que melhor satisfaz a transmisso dos esforos entre painis e a simplicidade de execuo, seria o de alternar um bloco de cada painel a cada fiada, como mostra a Figura . A amarrao de paredes contribui na preveno do colapso progressivo, pois prov a estrutura de caminhos alternativos para transferncia de foras no caso de ocorrncia de uma runa localizada provocada por uma ao excepcional. Alm disso, a amarrao serve de contraventamento para as paredes (ACCETTI, 1998).

Figura - Exemplo de amarrao em paredes tipo L, T e X. Fonte: Vilat e Franco, 2000.

9

10

11

4- Patologia em Alvenaria Estruturalnicialmente pesadas, de grande espessura e rgidas, as alvenarias foram evoluindo, ganhando novos materiais, elementos vazados e de menor peso, menores custos, mais continuam atendendo aos aspectos de residncia, vedao as intempries e acsticas. A alvenaria estrutural, apesar de ser bastante parecida com a alvenaria convencional, sofre basicamente dos mesmos tipos de anomalias, que so em sua maioria fissuras, por se tratar de um elemento estrutural, que resiste a tenses, esses problemas so agravados, surgindo a necessidade de estudos especficos para a alvenaria estrutural. Nota-se que com algumas alteraes construtivas e uma pequena melhora na qualidade de sua execuo, pode ser corrigida grande parte da anomalias que correm nas alvenarias estruturais. Os riscos de Edificaes so inmeros, os problemas patolgicos que afetam as edificaes, sejam eles residenciais, comerciais ou institucionais, particularmente importante o problema das trincas, devido a trs aspectos fundamentais: o aviso de um eventual estado perigoso para a estrutura, o comprometimento do desempenho da obra em servio, e o constrangimento psicolgico que a fissurao da edificao exerce sobre seus usurios. Do ponto de vista fsico uma edificao nada mais do que a interligao racional entre diversos materiais e componentes. As patogenias so problemas que se instalam nas edificaes e que a tornam doentia. Na sua evoluo, pode ocorrer uma deteriorao das partes afetadas e at mesmo a ruptura, comprometendo a estabilidade da edificao. Em outras palavras, s vezes, uma simples mancha ou uma pequena trinca pode ser o sinal de que algo grave est acontecendo com o prdio. Muitas das patogenias originam-se durante a elaborao do projeto. Profissionais mal preparados ou com formao em outro pas no conhecem as caractersticas climticas, de insolao e regime dos ventos do Brasil onde encontramos uma variedade climtica muito diversificada. Alm disso os materiais e os processos construtivos diferem muito, nosso cimento muito diferente do europeu, nossas casas so construdas com tijolos ou blocos e nos EUA as casas e sobrados so todas de madeira e assim por diante existem muitas diferenas. Outras patogenias surgem ao longo da vida do prdio - materiais como madeira apodrecem, ficam fracos e caem. At o concreto, dependendo das circunstncias, apodrece. Vamos tomar o cuidado de no chamar de "patologia" qualquer problema no prdio. Patologia de prdio o estudo das patogenias (doenas) que se instalam no prdio e que precisam receber uma profilaxia (tratamento) para serem erradicadas. Da mesma forma com que uma pessoa com o brao quebrado no est "doente", uma viga trincada no patogenia e muito menos uma patologia. No existe nenhum material infinitamente resistente; todos eles iro trincar-se ou romper-se sob ao de um determinado nvel de carregamento, nvel este que no dever ser atingido no caso de no se desejar na edificao componentes trincados ou rompidos. Fissuras: o estado em que um determinado objeto ou parte dele apresenta aberturas finas e alongadas na sua superfcie; em geral, a fissura no representa sinal de gravidade na estrutura; em alguns casos, porm, podem ser o sinal de uma possvel rachadura em alguma pea estrutural (laje, viga ou pilar); ex: A aplicao de uma argamassa rica em cimento, aps a cura, muitas fissuras em direes aleatrias; as fissuras so, geralmente, superficiais e no implicam, necessariamente, em diminuio da segurana de componentes estruturais; As fissuras podem ser causadas por: movimentaes trmicas; movimentaes higroscpicas; atuao de sobrecargas; deformabilidade excessiva de estruturas de concreto armado;

12

recalques de fundao; retrao de produtos base de cimento; alteraes qumicas dos materiais de construo As fissuras so muito comuns, mas isto no significa que so normais; portanto no devem ser aceitas passivamente; muitas vezes so bem pequenas, quase invisveis, mas podem ser sintomas de algo muito grave que est acontecendo com a estrutura da sua edificao; em diversos casos de desabamentos de prdios, moradores j haviam desconfiados de trincas que teriam aparecido dias antes do desabamento, mas que no tinha sido dada a importncia que o caso merecia; se tivessem feito a evacuao preventiva do prdio muitas mortes poderiam ser evitadas;

Trincas: o estado em que um determinado objeto ou parte dele se apresenta partido, separado em partes; ex: A parede est trincada, isto , est separada em duas partes; em muitas situaes a trinca to fina que necessrio o emprego de aparelho ou instrumento para visualiz-lo; as trincas, por representarem a ruptura dos elementos, podem diminuir a segurana dos componentes estruturais de uma edificao, de modo que mesmo que seja quase imperceptvel deve ter as causas minuciosamente pesquisadas; lembre-se: no caso do Edifcio Place II, no Rio de Janeiro, que caiu matando diversas pessoas, um dos moradores

13

havia solicitado a opinio de um engenheiro uma semana antes e este havia dito: Isto normal;

As trincas, em geral, so ocorrncias muito comuns nas casas e prdios; surgem em funo de muitas causas diferentes e so conhecidas tambm como fissuras ou rachaduras; entretanto, existe uma diferena conceitual entre fissura, trinca e rachadura; Antes de pensar em tampar uma trinca, importante descobrir e eliminar a causa, isto , aquilo que est causando a trinca, pois a trinca apenas uma conseqncia, um sintoma de alguma coisa ruim que est acontecendo com a sua casa ou prdio; So muitas as causas que provocam o aparecimento de trincas; as mais comuns so: RETRAO : A argamassa de revestimento, a tinta e outros materiais que so aplicados midos, diminuem de tamanho (retrao) ao secar; ADERNCIA: As pinturas e os revestimentos que precisam ficar bem "grudados" na parede, por algum motivo, apresentam perda de aderncia e comeam a descascar; DILATAO : Os materiais aumentam e diminuem de tamanho em funo da variao da umidade do meio ambiente; MUITO CIMENTO: A argamassa de revestimento, quando tiver um alto teor de cimento, sofre uma grande retrao e fica toda fissurada; -AMARRAO: As paredes devem ficar bem "amarradas" na estrutura do prdio;

14

TREPIDAO: Elevadores, compressores e mesmo os veculos que trafegam na rua, produzem vibraes que afetam as partes do prdio; RECALQUE: O excesso de peso, a acomodao do prdio, a fraqueza do material ou do terreno fazem com que a pea se deforme ou afunde; CAPACIDADE: Por erro de clculo ou por deficincia na hora da confeco, as peas podem ficar fracas; MUDANA DO USO: Um prdio que foi projetado para uso residencial, est sendo usado como comrcio, por exemplo; VIZINHANA: Construram um "baita" prdio de 30 andares que alterou o fluxo de gua subterrnea da regio;

15

ERRO DE PROJETO: Por falha na concepo da estrutura do prdio, h partes em desarmonia com o resto; INFILTRAO: gua e outros elementos podem se infiltrar causando danos; MANUTENO: Falhas, impercias, falta de conhecimento; CORROSO: CIMENTO: Obs: A recuperao de componentes trincados s dever ser procedida em funo de um diagnstico seguramente firmado, e somente aps ter-se pleno conhecimento da implicao das trincas no comportamento da edificao como um todo. Rachaduras: o estado em que um determinado objeto ou parte dele apresenta uma abertura de tal tamanho que ocasiona interferncias indesejveis; ex: pela rachadura da parede entra vento e gua da chuva; as rachaduras, por proporcionarem a manifestao de diversos tipos de interferncias, devem ser analisadas caso a caso e serem tratadas do seu fechamento; Corroso de armaduras: As reaes de corroso, independentemente de sua natureza, produzem xido de ferro, cujo volume muitas vezes maior do que o original do metal so; essa expanso provoca o fissuramento e o lascamento do concreto nas regies prximas s armaduras; Destacam-se como meios agressivos ao concreto: ambientes marinhos (ricos em ons cloro), solos com elevado teor de matria orgnica em decomposio (presena de cido carbnico), solos contaminados, atmosferas poludas de grandes cidades (ons enxofre provenientes da queima de combustveis de motores a exploso) e diversas atmosferas industriais (refinarias de petrleo, indstrias de papel e celulose, cerveja, etc.); tambm as paredes de galerias de esgotos domsticos so bastante suscetveis de ataque, particularmente acima do nvel do efluente; nesse caso, o gs sulfdrico que se desprende do esgoto combina-se com o hidrognio do ar, transformando-se sucessivamente em cido sulfuroso e cido sulfrico. Na vistorias de corroso das armaduras, deve ater-se mais s regies da estrutura que estiverem submetidas a ciclos de molhagem e secagem, estrutura voltada para a fachada, lajes descobertas, ps de pilares e locais confinados, como as garagens; muitas vezes existe a necessidade de remoo e do concreto para melhor visualizao da manifestao patolgica. A vistoria em edificaes deve levar em considerao aspectos importantes como infiltraes de gua, corroso de armaduras, fissuras e deformaes em elementos estruturais, fissuras em alvenarias, descolamentos nos revestimentos; deve ser feito o registro por meio de fotografias e croquis; Os leigos, por terem dificuldade de compreenderem os fenmenos fsicos e mecnicos relacionados com os diversos componentes construtivos preferem diferenciar as aberturas dizendo que fissura uma abertura bem pequenina, que trinca uma abertura mediana e rachadura uma abertura bem grande; Estruturas Colapsadas: so estruturas que, por algum motivo, deixaram de atender s funes para as quais foram construdas apresentando, eventualmente, risco para usurios residuais, ou mesmo, nos casos emergenciais, para as aes de resgate

16

5- Conforto Ambiental e SustentabilidadePara quem busca um ambiente que ao mesmo tempo seja agradvel e eficiente (em termos de economia de energia), deve sempre procurar profissionais que tenham pleno domnio do assunto. O conforto ambiental nada mais do que adequar os princpios fsicos envolvidos e as necessidades do ambiente. Necessidades estas que se dividem em temperatura, luz, acstica e visual. A seguir entrarei em maiores detalhes sobre cada uma destas necessidades apontando as razes, benefcios, de se avaliar bem estas enquanto se faz o projeto de reforma ou construo de um imvel, seja ele residencial ou comercial.

6-CONFORTO TRMICOBasicamente podemos, para resumir pois um assunto bem extenso, descrever as reaes encontradas em ambientes quentes e frios: Reao ao frio: quando as condies ambientais proporcionam perdas de calor do corpo alm das necessrias para a manuteno de sua temperatura interna constante, o organismo reage por meio de seus mecanismos automticos (sistema nervoso simptico), buscando reduzir as perdas e aumentar as combustes internas. A reduo de trocas trmicas entre o indivduo e o ambiente se faz atravs do aumento da resistncia trmica da pele por meio de vasoconstrio, arrepio e tiritar. O aumento das combustes internas (termo gnese) se faz atravs do sistema glandular endcrino. Reao ao calor: quando as perdas de calor so inferiores s necessrias para a manuteno de sua temperatura interna constante, o organismo reage por meio de seus mecanismos temo-reguladores, proporcionando condies de trocas de calor mais intensa entre o organismo e o ambiente, e reduzindo as combustes internas. O incremento ds perdas de calor para o ambiente se faz por meio da vasodilatao e da exsudao (suor). A reduo das combustes internas (termlise) tambm se faz atravs do sistema glandular endcrino.

7-CONFORTO LUMNICO (LUZ)"[...] o processo da viso bastante complexo e implica em uma srie de fatores. Por isso mesmo de grande importncia tanto para a segurana das pessoas como para a qualidade do produto que a iluminao do posto de trabalho seja adequada as exigncias da tarefa. Iluminao insuficiente implicam diretamente na perda de desempenho e no aumento do nmero de acidentes. Um antigo e interessante estudo feito por Dall em 1973 mostrava a influncia da intensidade luminosa sobre o desempenho, refugo e acidentes: A qualidade da iluminao dos postos de trabalho no definida apenas pelo nvel de iluminao. Deve-se levar em conta tambm a distribuio da densidade luminosa, a limitao do ofuscamento, a direo da luz e da sombra e a cor da luz e reproduo das cores. Sempre que possvel deve-se buscar tambm uma iluminao uniforme

17

7-CONFROTO ACSTICOO conforto acstico uma condio importante a procurar para alcanar bem-estar. A ausncia de conforto acstico condiciona fortemente a nossa sade e a nossa produtividade. Condies acsticas desfavorveis acarretam problemas como: dificuldade de comunicao, irritabilidade e efeitos nocivos audio e sade. O tratamento acstico visa atenuar o nvel de energia sonora, atravs de isolamento atenuador, tratamento absorvente ou os dois combinados.

8-CONFORTO VISUALOs efeitos danosos resultantes dos impactos visuais causados por determinadas aes e atividades, a ponto de: prejudicar a sade, a segurana e o bem estar da populao; criar condies adversas s atividades sociais e econmicas; afetar desfavoravelmente a biota; afetar as condies estticas ou sanitrias do meio ambiente. Em forma de poluio se apresenta atravs das pichaes, da disposio inadequada do lixo, da extenso de redes areas, dos monumentos mal cuidados, bem como, pelo elevado nmero de cartazes publicitrios, placas, painis e letreiros, os quais se multiplicam pela cidade encontrando-se espalhados por todos os cantos e paredes, com propagandas das mais diversas origens que acabam por agredir, de uma forma ou de outra s outras pessoas, gerando diversos malefcios. Pode-se presumir ento que, a busca pelo equilbrio entre temperatura, sons e rudos, luminosidade e estudo visual do ambiente, so primordiais em um projeto arquitetnico, pois com estes fatores bem casados possvel desenvolver ambientes que cada vez fiquem personalizados e agradveis a quem ir desfrut-lo.

18

8-Dados das Obra e Imagens da Visita Tecnica

19

20

21

22

BibliografiaRAUBER, F. C.. Contribuies ao Projeto Arquitetnico de Edifcios em Alvenaria. Tese de Mestrado, UFSM, Santa Maria, RS, Brasil, 2005. ROMAN, H; FILHO, S. P, Manual de Alvenaria Estrutural com Blocos Cermicos, Disponvel em: . Acesso em 02 Set. 2011. SABBATINI, F. H., Requisitos e Critrios Mnimos a Serem Atendidos para Solicitao de Financiamento de Edifcios em Alvenaria Estrutural Junto a Caixa Econmica Federal, Braslia, DF, 2002. TAUIL, C. A. Alvenaria Armada, 1 Ed. So Paulo, Projeto Editores Associados, 1981. VENTURINI, J. Casas com Paredes de Concreto Equipe de Obras. V. 37, n. VII, pp 38-43, 2011. VILAT, R. R.; FRANCO, L, S,. Racionalizao do Projeto de Edifcio em Alvenaria Estrutural, So Paulo, SP, Brasil, 2000. ACCETTI, K. N.. Contribuies ao Projeto Estrutural de Edifcios em Alvenaria. Tese de Mestrado, Escola de Engenharia de So Carlos da USP, So Carlos, SP, Brasil, 2008. ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS TCNICAS. NBR 7173/82: Blocos Vazados de Concreto Simples para Alvenaria sem Funo Estrutural. Rio de Janeiro, 1982. BONACHESKI, V.. Alvenaria Estrutural. Trabalho de Concluso de Curso, PUC-RS. Porto Alegre: 2006. BRICKA, Alvenaria Estrutural. Disponvel em: . Acesso em 16 Out. 2011. CAMACHO, J. S., Projetos de Edifcios de Alvenaria Estrutural, 2001. Disponvel em: Acesso em 16 Out. 2011. COLHO, R. S. A.. Alvenaria Estrutural. UEMA. So Luis: 1998. COMUNIDADE DA CONSTRUO. Paredes de Concreto Disponvel