NORMAS GERAIS REGEDORAS DO FUNCIONAMENTO, USO im. GERAIS Shopping... · 2. DAS NORMAS GERAIS DAS LOCAÇÕES…

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

SHOPPING SUL

Esta pgina faz parte integrante das Normas Gerais do Funcionamento, Uso e Locao do SHOPPING SUL.

1

NORMAS GERAIS REGEDORAS DO FUNCIONAMENTO, USO E

LOCAO DO SHOPPING SUL

NDICE

Definies....................................................................... 02/36

Declaraes das partes...................................................... 03/36

Do imvel construo e reformas..................................... 03/36

Das normas gerais das locaes......................................... 05/36

Das lojas para uso comercial............................................. 05/36

Da utilizao das lojas para uso comercial........................... 08/36

Das reas de circulao e uso geral.................................... 13/36

Do aluguel....................................................................... 16/36

Da fiscalizao do aluguel.................................................. 19/36

Dos encargos decorrentes da locao.................................. 22/36

Dos seguros.................................................................... 28/36

Das garantias................................................................... 29/36

Da marca, logotipo e promoes......................................... 30/36

Das exigncias dos poderes pblicos................................... 31/36

Da cesso, sublocao ou emprstimo................................. 31/36

Das dvidas dos LOCATRIOS............................................. 32/36

Do regimento interno........................................................ 32/36

Da resciso e das multas................................................... 33/36

Das associaes dos lojistas e do Fundo de Promoes.......... 34/36

Da transferncia da locao ............................................. 35/36

Da administrao.............................................................. 35/36

SHOPPING SUL

Esta pgina faz parte integrante das Normas Gerais do Funcionamento, Uso e Locao do SHOPPING SUL.

2

DEFINIES

Na presente conveno, os vocbulos e as expresses adiante enunciadas tm os seguintes significados:

SHOPPING SUL ou SHOPPING CENTER ou SHOPPING: o centro de compras construdo na cidade de Valparaso de Gois-GO, cito no Km 12 da BR-040, no lote n 01 do Parque Esplanada III, gleba F, Quadra n 01, de acordo

com estudos tcnicos adequados, visando congregar num mesmo local adequada e diversificada concentrao de servios e ramos de comrcio, distribudos

segundo um plano global, visando um pleno atendimento aos consumidores;

EMPREENDEDORA: a desenvolvedora e proprietria do SHOPPING SUL; MALL: so as galerias, praas e corredores para os quais se abrem as Lojas de

Uso Comercial (LUCs), destinadas circulao do pblico;

LOCADOR: a pessoa jurdica, EMPREENDEDORA, e sua denominao social : VALPARAZO EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAES S/A, pessoa jurdica de direito privado, inscrita no CNPJ 09.154.082/0001-01, situada na BR

040, km 12, Gleba F, s/n, e Qd. 01, Lote 01, Sala da Administrao do Shopping Sul, Parque Esplanada III, Valparaso de Gois, CEP: 72.876-301;

LOJISTA, LOCATRIO ou LOCATRIA: a pessoa fsica ou jurdica que estiver explorando qualquer espao comercial nas dependncias internas ou

externas do SHOPPING, seja loja, quiosque, stand, balco, vitrine etc., a que ttulo for (proprietrio, inquilino, cessionrio, ou comodatrio), remunerado ou

no; LOJA DE USO COMERCIAL (LUC): o espao fsico, tal como individualizado

na planta, destinado a cada ramo de atividade, dimensionado e posicionado segundo o plano de diversificao de atividades, constituindo uma clula

comercial e no se confundindo com a acepo traduzida pela palavra loja, uma vez que toda LUC parte inseparvel de um todo harmnico;

LUVAS ou RES SPERATA: valor pago pelo lojista pelo direito de uso do espao comercial locado pelo perodo de 05 (cinco) anos, assegurando o direito

de pleitear a renovao judicial do Contrato de Locao; ADMINISTRADORA: a pessoa fsica ou jurdica credenciada pela

EMPREENDEDORA, para exercer a administrao, total ou parcial, do SHOPPING;

FUNDO: o Fundo de Promoes Coletivas do SHOPPING SUL, constitudo pela contribuio de todos os lojistas e pela EMPREENDEDORA, visando promover,

direta ou indiretamente o empreendimento;

CRD: Coeficiente de Rateio de Despesas.

SHOPPING SUL

Esta pgina faz parte integrante das Normas Gerais do Funcionamento, Uso e Locao do SHOPPING SUL.

3

DECLARAES DAS PARTES

O terreno se acha inteiramente livre e desembaraado de todo e qualquer nus

ou gravame.

A finalidade de um centro de compras, hoje universalmente identificado como Shopping Center, congregar num mesmo local o maior nmero possvel de atividades empresariais, distribuindo os diferentes ramos de comrcio e servios,

segundo uma planificao tcnica acompanhada de acurados estudos sobre o potencial de compras da rea de influncia a que ele serve, visando dar ao

consumidor segurana, conforto e o mximo de estmulo, facilitando-lhe a escolha e a aquisio de quaisquer mercadorias. Assim, o Lojista do Shopping

Center, formal e expressamente, declara e se obriga:

a) a aceitar os princpios especficos que regem o funcionamento do

Shopping, concordando com as disposies constantes desta conveno e aceitam a orientao do LOCADOR na administrao do

empreendimento comercial, inclusive quanto mudana de destinao de qualquer Loja de Uso Comercial e atualizao do plano geral de distribuio de atividades (tenant Mix);

b) a conhecer, tambm, que o LOCADOR no poder assegurar ao

LOCATRIO a presena e/ou permanncia no Shopping de um ou outro lojista tradicional, famoso e/ou muito conhecido, embora possa ter programado ou at mesmo, eventualmente, j contratado a sua

participao no Shopping, no assistindo aos LOCATRIOS o direito de pleitear qualquer indenizao ou compensao, ou de exigir a

resilio unilateral do contrato, sob o fundamento da ausncia e/ou retirada de qualquer lojista que se esperava e/ou se anunciava viesse a estabelecer-se no Shopping Center;

c) no tero exclusividade para exercer no Shopping atividade prevista

no Contrato de Locao, razo porque no podero reclamar quanto existncia, em outras Lojas de Uso Comercial, de comrcio ou atividade igual, semelhante, parecida, congnere ou similar a que desempenhe e

que exista ou venha a existir no Shopping Center;

d) Reconhecer a caracterstica especial da locao de partes de um Shopping Center, em que se associam Locador e Locatrios, visando a um lucro comum;

e) No invocar, em qualquer tempo, como impedimento da ao

administradora do Shopping Center ou excludente dos encargos por ele assumidos, qualquer norma jurdica no prevista como regedora da locao contratada, ainda que superveniente.

1. DO IMVEL - CONSTRUO E REFORMAS

SHOPPING SUL

Esta pgina faz parte integrante das Normas Gerais do Funcionamento, Uso e Locao do SHOPPING SUL.

4

1.1. O Shopping Center, designado por SHOPPING SUL, um prdio de destinao exclusivamente comercial, constitudo de lojas, galeria de

circulao, ptios de carga e descarga de mercadorias e estacionamentos de veculos, tudo de acordo com o projeto aprovado pela Prefeitura Municipal de Luzinia-GO, podendo o referido projeto ser modificado na

forma prevista nas clusulas subseqentes;

1.2. O LOCADOR se reserva o direito de, respeitada a finalidade para que destinou o SHOPPING, livremente alterar, quando lhe convenha, o projeto aprovado no que concerne s instalaes de uso geral, local para

estacionamentos e acessos de veculos, carga e descarga de mercadorias, ou quaisquer outras dependncias de uso comum.

1.3. Quando impostas pelos poderes constitudos ou concessionrias de

servios pblicos ou quando ditadas por motivo de ordem tcnica, modificaes podero tambm ser feitas tanto no projeto estrutural de construo, inclusive com incluso de novos elementos, como nas lojas

para uso comercial, observando o disposto no item 1.4. abaixo.

1.4. Na hiptese das modificaes previstas no item precedente alterarem, em mais de 10% (dez por cento), para mais ou para menos, as reas das lojas para uso comercial, lcito ao LOCATRIO pedir a resciso do

Contrato de Locao se no lhe convier mant-la, ou manter a locao mediante a reviso do aluguel em proporo a rea acrescida ou

diminuda, sem que tal resciso d ao LOCATRIO qualquer direito de pleitear indenizao, seja a ttulo de perdas e danos, seja a ttulo de eventuais lucros cessantes.

1.5. O recebimento pelo LOCATRIO da loja para uso comercial, mesmo que

sem o habite-se, ou no concluda, para iniciar nela, as suas instalaes, ou a apresentao, por este, dos projetos das instalaes, desde que, poca, j concluda a alvenaria, indicaro, automaticamente, que o mesmo

nada tem a opor s metragens da loja que lhe for locada.

1.6. Na hiptese da resciso mencionada no item 1.4, o LOCADOR, suas prprias expensas, devolver ao LOCATRIO as quantias que este houver contratualmente pago a qualquer ttulo, corrigida monetariamente,

segundo as variaes do IGP-DI/FGV (ndice Geral de Preos Disponibilidade Interna da Fundao Getlio Vargas), a serem devolvidas

pelo LOCADOR no prazo de at 12 (doze) meses. 1.7. O LOCADOR se reserva o direito de: a) utilizar o teto e as paredes da loja

nas faces exteriores a ela, exceto na fachada para o Mall; b) instalar, c