Noticias 2011 JC

  • View
    14

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Noticias 2011 JC

http://jconline.ne10.uol.com.br/busca/SUAPE,,01-01-2011,01-05-2012,index.phpNoticias 2011/2012 SUAPE (Jornal do Comercio)Lixes

A vergonha que resiste no Grande Recife

Mais de uma dcada se passou e os lixes na Regio Metropolitana do Recife sobreviveram s promessas, planos e prazos que anunciavam seu fim

Publicado em 28/04/2012, s 18h46

Ciara Carvalho

Em Araoiaba, Elza vive em meio aos dejetos para tirar R$ 200 por ms

Foto: Hlia Scheppa/JC Imagem

O bicho-homem reduzido condio de bicho-urubu. Elza abre os braos e escancara a vergonha. As imagens que ilustram esta reportagem no deveriam mais existir. Persistem, dia aps dia, fruto do descaso e incompetncia do poder pblico de transformar em realidade planos que j foram escritos, reescritos e sempre engavetados. Se dependesse do papel, a Regio Metropolitana do Recife (RMR) j estaria livre dos lixes.

Mas em cinco dos seus 14 municpios os dejetos continuam sendo despejados em terrenos baldios. Agresso no s aos olhos, olfato, meio ambiente. Violncia sobretudo condio da dignidade humana. A reportagem do JC visitou todas as cidades do Grande Recife que ainda convivem com esse mal e flagrou menores, adultos e velhos misturados aos restos da cidade. Em Ipojuca, municpio que sedia o progresso de Suape, encontrou moradia dentro do lixo. Pelo menos 30 barracos, habitados por moscas e misria. H mais de uma dcada, autoridades e rgos de planejamento se renem para decretar o fim do lixo a cu aberto.

O atraso agora pede pressa. O ultimato est l na Lei Nacional de Resduos Slidos, que cravou 2014 como a data-limite para o fechamento de todos os lixes do Pas. O prefeito que no se adequar nova regra poder enfrentar a caneta do Ministrio Pblico, que passar a ter um instrumento legal para obrigar os municpios a fazer o dever de casa.

Elza Ferreira da Silva, 34 anos, j ouviu dizer que o lixo de Araoiaba, onde ela se humilha diariamente para tirar mseros R$ 200, por ms, vai fechar.J ouviu essa conversa outras vezes tambm. Mas, h anos e anos, o terreno, no meio do canavial, continua recebendo caminhes carregados de lixo, dois de manh, dois tarde. Assim mesmo, fica preocupada. O que vai ser da gente? Isso aqui uma nojeira. Mas sem o lixo, de onde vou tirar meu sustento?

A pergunta de Elza ganha eco em outros locais visitados pela reportagem. Nenhum catador se orgulha de viver de restos. Mas como dependem do lixo para sobreviver vo direto ao ponto. No comeo eu tinha nojo. Passava mal, vomitava. Agora eu j me acostumei. isso ou a fome, diz Rubiana Gomes Marques, 21, que h cinco anos sobrevive do lixo de Itapissuma. Empresa nenhuma contrata gente sem formao ou estudo. E sem emprego, o que sobra para a gente o lixo, resume Josemar Galdino de Brito, 36 anos, que comeou a catar no lixo de So Loureno da Mata quando tinha 13 anos. Parece sina. A maioria dos adultos que esto ali chegou ainda criana.Navios

Perdas do Estaleiro poderiam construir outro navio do tipo Suezmax

Primeiro navio do empreendimento vai sair de Suape com preo 53% acima do valor contratado

Publicado em 27/04/2012, s 13h57

Adriana Guarda

A demora de quase 4 anos para construir o petroleiro Joo Cndido vai custar caro ao Estaleiro Atlntico Sul (EAS). O primeiro navio do empreendimento vai sair de Suape com preo 53% acima do valor estabelecido no contrato com a Transpetro. Atraso no cronograma, retrabalho e necessidade de reforar a contratao de mo de obra fez o valor saltar de R$ 323,4 milhes para quase meio bilho de reais (R$ 495 milhes), no acumulado de 2008 a 2011.

O atraso tambm provocou efeito domin na construo dos outros 22 navios encomendados pela Transpetro, dentro do Programa de Modernizao e Expanso da Frota (Promef). No balano divulgado esta semana pelo EAS, a empresa reconhece uma perda de R$ 333,4 milhes na construo das trs primeiras embarcaes. O valor do rombo suficiente para construir outro petroleiro Suezmax.

No que depender do cliente, o Atlntico Sul ter que arcar com o prejuzo. Pelo menos o que diz a Transpetro. Procurada pela reportagem do JC, a empresa informou que "pagar pelos navios encomendados ao EAS o preo estipulado em contrato. No houve aditivos de valor". Especialistas em indstria naval afirmam que, por conta da curva de aprendizagem, a mdia histrica que o primeiro navio de um estaleiro custe entre 15% e 20% mais caro.

"No caso do Atlntico Sul j era esperada essa exploso nos custos, provocada pela demora na entrega do Joo Cndido. Um navio que fica 2 anos a mais dentro de um estaleiro significa aumento dos custos fixos. Isso sem falar no superdimensionamento da mo de obra para entregar as encomendas e no retrabalho, porque soldas e tubulaes precisaram ser refeitas", observa Floriano Pires Jnior, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

O petroleiro comeou a ser construdo em setembro de 2008, com o corte da primeira chapa de ao. Em maio de 2010, o ento presidente Lula esteve em Suape para a cerimnia de batismo e lanamento ao mar da embarcao. Na solenidade, a expectativa era que o navio fosse entregue em setembro do mesmo ano, mas ele continuou encalhado no estaleiro e a previso que seja entregue at 5 de maio (quando completar aniversrio de 2 anos dentro do empreendimento).

A plataforma P-55 nica encomenda entregue pelo estaleiro tambm sofreu aumento de custo. O valor passou de R$ 823,6 milhes para R$ 1 bilho. A situao no diferente com o Zumbi dos Palmares (2 navio), que no contrato custa R$ 317 milhes, mas j est saindo por R$ 424,6 milhes (um gio de 24%). A assessoria de comunicao do EAS disse que no tinha porta-voz para comentar o aumento de custos, porque a diretoria est imersa na entrega do Joo Cndido. O EAS j recebeu adiantamentos de pagamento da Transpetro para at o 22 navio. A estatal explica que adianta 5% do preo de cada navio, garantidos por fianas bancrias.

Protesto contra Suape fechou a PE-60 e provocou longo engarrafamento

Moradores das terras do complexo e movimentos de sem-teto se uniram no ato

Publicado em 17/04/2012, s 11h07

Da Editoria de Economia

Posseiros das terras do Complexo de Suape e representantes de vrios movimentos de sem-teto fecharam na manh desta tera-feira a rodovia PE-60, no Cabo de Santo Agostinho, na altura do Shopping Costa Dourada. O movimento comeou por volta das 5h, com a queima de pneus para interditar a estrada. Um extenso engaffamento se estendeu at Prazeres, dificultando a vida de quem precisava chegar ao trabalho em Suape ou se deslocar para Litoral Sul.

O ato foi o segundo realizado pelo grupo para protestar contra as baixas indenizaes pagas por Suape aos posseiros e pela questo de moradia na regio. O primeiro protesto aconteceu em fevereiro. A Polcia Militar de Pernambuco prendeu dois integrantes do movimento e um homem foi agredido. Por volta das 6h30 os bombeiros apagaram o fogo e a pista foi liberada.

Os integrantes do movimento seguiram em caminhada ate o Engenho Massangana, onde iniciaram a montagem de um acampamento. A PM e a segugana patrimonial de Suape tentam negociar a sada dos ocupantes. O presidente da Associao de Moradores do Engenho Algodoais, Edvaldo Jos do Nascimento, diz que os posseiros decidiram realizar um novo ato porque nenhum dos 11 itens da pauta de reivindicaes protocolada no Palcio do Campo das Peincesas em fevereiro passado foi atendida. "Suape continua promovendo reintegracfes de posse, derrubando casas e pagando indenizaes irrisrias. Queremos uma resposta do governo", disse.

O movimento em Suape integrou as aes do Dia de Jornada de Luta pela Terra, que este ano lembra os 21 anos do Massacare de Eldorado dos Carajs.

Eduardo Campos desisite de instalar a trmica suja em Suape

Secretrio de Imprensa do Estado, Evaldo Costa, postou h poucos instantes em seu Twitter que o governador Eduardo Campos haveria desisitido de instalar a trmica

Publicado em 13/04/2012, s 16h13

Da editoria de Economia

O secretrio de Imprensa do Estado, Evaldo Costa, postou h poucos instantes em seu Twitter que o governador Eduardo Campos haveria desisitido de instalar a chamada Trmica Suja em Pernambuco. "Gov Eduardo Campos anuncia cancelamento da termoeltrica a diesel de Suape", diz o secretrio em seu perfil pblico.

A Termeltrica Suape III, do Grupo Bertin, empreendimento caracterizado pelo alto grau de poluio, causou polmica quando foi anunciado pelo governo, no ano passado. Sua instalao foi alvo de investigao do Ministrio Pblico Federal (MPF).

Movida a leo combustvel, uma fonte fssil que s no mais suja que o carvo mineral, a usina ter capacidade para gerar at 1.452 megawatts (MW), tornando-se a maior do mundo movida a motor. Aps escutar especialistas, peritos, rgos ambientais e os empreendedores, alm de analisar docume

INFRAESTRUTURA

Suape ter terminal de acar

Negociaes para o porto contar com a operao aucareira vm desde 2009. Contrato assinado finaliza o processo

Publicado em 13/04/2012, s 08h24

Do JC Online

O terminal aucareiro do Porto de Suape vai sair do papel. O secretrio de Desenvolvimento Econmico e presidente de Suape, Geraldo Jlio, o vice-presidente de Suape, Frederico Amancio e o presidente da Agrovia, Guilherme Raposo assinaram, quarta-feira (11) em So Paulo, o contrato de arrendamento de uma rea onde vai ser instalado o novo empreendimento que vai demandar um investimento de R$ 104,6 milhes.

O novo negcio uma parceria entre a trade inglesa ED & F Man - uma das maiores exportadoras de acar do mundo - e a Agrovia, que ficar responsvel pelo investimento. Do total a ser empregado no empreendimento, R$ 41,8 milhes sero em obras e R$ 62,8 milhes em equipamentos.

"O terminal vai ser construdo por etapas, mas a inteno dos empreendedores iniciar a operao dentro de 24 meses, na safra 2