of 34 /34
Aulas de Filosofia Ensino Médio 1º Ano

1 ano razao empirismo

Embed Size (px)

Text of 1 ano razao empirismo

Page 1: 1 ano razao empirismo

Aulas de Filosofia

Ensino Médio

1º Ano

Page 2: 1 ano razao empirismo

Aula 7 Descartes e o Racionalismo

Descartes e o Racionalismo

Bonjour! Ça va?

René Descartes (1596 – 1650)

Page 3: 1 ano razao empirismo

“Discurso do Método”

(1637)

método dedutivo

observação de

verdades simples e

evidentes para se

chegar a conclusões

particulares

do geral para o

particular

Page 4: 1 ano razao empirismo

Algumas perguntas...

Qual é a fonte de nossos conhecimentos?

É possível confiar em quem nos engana uma vez?

Como podemos ter certeza de que

estamos acordados e que

tudo o que vivemos não é

um sonho?

Page 5: 1 ano razao empirismo

Um velho conhecido! Descartes é conhecido

pelas suas importantes

conquistas no campo da

matemática.

De onde você acha que

vem o plano cartesiano?

O filósofo também contribuiu com a

Física (na Óptica) e com a Astronomia

Page 6: 1 ano razao empirismo

É preciso método para conhecer.

Descartes, contudo, é também aquele quem define o método de investigação das ciências modernas, ou seja, como elas procedem para conhecer a natureza.

Como podemos ser capazes de separar os conhecimentos seguros, corretos e verdadeiros

daqueles falsos e enganosos?

Bastaria aceitar que

o conhecimento vem de Deus e que temos de aceitá-lo

apenas pela fé, como diziam

alguns filósofos medievais?

Page 7: 1 ano razao empirismo

A busca pela certeza. Com ele uma nova e importante forma de se

perguntar sobre o conhecimento surge:

como é possível o conhecimento da verdade

pelo homem?

O problema central não é mais saber definir

o que as coisas são (pergunta pelo OBJETO), mas antes como nós podemos conhecê-las

(pergunta pelo SUJEITO).

SUJEITO OBJETO

Como as coisas são conhecidas?

Como conhecemos as coisas?

Page 8: 1 ano razao empirismo

Entrando no Discurso De acordo com o método para conhecer é

preciso:

1. Clareza e distinção (não tomar como

verdadeiro o que não eu não puder provar

como tal).

2. Análise (dividir um problema em quantas

parte for possível).

3. Ordem (conduzir os pensamentos a partir do

que há de mais fácil até o mais complexo).

4. Enumeração (enumerar de modo completo

para não perder nada do que se quer

conhecer).

Page 9: 1 ano razao empirismo

Discurso do método para bem conduzir a razão e procurar a verdade nas ciências (1637)

Objetivo: encontrar um caminho seguro para que possamos alcançar o conhecimento da verdade e assim fazer ciência.

Ponto de partida: muitos de nossos conhecimentos parecem seguros, mas são enganosos os sentidos, fonte de nossos conhecimentos nos enganam. Como confiar neles?

Decisão: todo conhecimento que for duvidoso, direi que é falso. a dúvida é a arma de Descartes

Page 10: 1 ano razao empirismo

A implosão do edifício do saber.

Será que algo do

edífico do

conhecimento ficará

em pé após a

dinamite desta

dúvida radical?

Descartes em seu caminho percebe que: Os sentidos são duvidosos A matemática é duvidosa Podemos duvidar se estamos acordados ou dormindo.

Page 11: 1 ano razao empirismo

Cogito, ergo sum. Não podemos duvidar que estamos duvidando,

que estamos pensando na dúvida?

Ora, se fizermos isso ainda estaremos duvidando e,

quem duvida, pensa e existe.

• Assim, Descartes encontra uma certeza indestrutível: o pensar.

• Assim , pode-se dizer “penso, logo existo” e que todo conhecimento provém da razão daí a expressão: Racionalismo...

Pensar Dúvida

Existência Certeza de

pensar

Page 12: 1 ano razao empirismo

Aprendemos com Descartes Reconhecer e pensar o que é verdadeiro e claro:

“Descartes explica que não devemos considerar

nada verdadeiro, enquanto nós mesmos não

tivermos reconhecido claramente que se trata de

algo verdadeiro.” (Jostein Gaarder, O mundo de Sofia, p.

255)

Ponto de partida: “... nosso ponto de partida deve ser duvidar

de tudo.”

Page 13: 1 ano razao empirismo

Influências racionalistas Racionalismo trouxe três consequências para todas as áreas do conhecimento:

1) que a razão é a faculdade plena de conhecimento; a descoberta da subjetividade

2) 2) que todo conhecimento começa pela consciência de si

3) 3) que os seres humanos são iguais do ponto de vista racional.

Page 14: 1 ano razao empirismo

O Empirismo moderno

David Hume

(Escócia, 1711 – 1776)

John Locke

(Inglaterra, 1632 – 1704)

Page 15: 1 ano razao empirismo

John Locke (1632 – 1704)

• Escreve importantes obras

sobre política, em especial

os Dois Tratados Sobre o

Governo, e influencia assim a revolução burguesa e até

mesmo a posterior

Revolução Francesa.

• Notável sua discussão sobre

a luta pela liberdade

individual.

Page 16: 1 ano razao empirismo

Ensaio Sobre o Entendimento Humano (1690).

Questão de fundo: seria a nossa mente como um papel em branco? Como ela é preenchida?

Vamos supor que nossa mente não tenha ideias em si, tal como um papel em branco onde não haja nada escrito. Como se pode então escrever algo aí? De onde ela obtém o vasto estoque que a ocupada e ilimitada imaginação do homem aí pintou – todos os materiais da razão e da experiência? A isso respondo em uma palavra: da experiência.

Nossos entendimentos derivam todos os materiais do pensamento de observações que fazemos dos objetos externos que podem ser percebidos através dos sentidos e das operações internas de nossas mentes, as quais percebemos ao olharmos para dentro de nós mesmos. Essas são as duas fontes do conhecimento, das quais emergem todas as ideias que temos ou que podemos naturalmente ter (LOCKE, Livro II, cap. 1, §2)

Page 17: 1 ano razao empirismo

O processo de conhecimento.

Experiência

Objetos exteriores sensíveis

Percebidos pela SENSAÇÃO: Percepções dos objetos externos

Ex: A dureza e frieza do gelo.

O aroma e brancura de uma flor.

Objetos internos da mente

Percebidos pela REFLEXÃO: Operação da mente sobre si mesma (O que a mente faz e

como faz)

Ex: percepção, dúvida, vontade

Page 18: 1 ano razao empirismo

A experiência fornece nossas ideias.

Da experiência obtemos as ideias que formam nosso

entendimento do mundo, mediante as qualidades dos

objetos.

Estas ideias se dividem em dois tipos maiores:

Ideias simples: qualidades obtidas através da sensação

e/ou da reflexão.

Ideias Complexas: produto da combinação e relação de

ideias simples.

Page 19: 1 ano razao empirismo

Façamos a experiência

Quais ideias vêm à nossa mente

pela experiência

das seguintes?

Page 20: 1 ano razao empirismo
Page 21: 1 ano razao empirismo

David Hume Hume é também autor de vasta obra: Teoria do Conhecimento Tratado da Natureza Humana (a obra que nasceu

morta) Investigações Sobre o Entendimento Humano.

Além de escritos em outros campos:

História da Inglaterra

Investigação Sobre os

Princípios da Moral

História Natural da Religião

Page 22: 1 ano razao empirismo

Como conhecemos as coisas?

PERCEPÇÕES – a experiência é a única fonte de conhecimentos.

Impressões: dados fornecidos pelos sentidos e produções mentais.

• externas: visão de uma paisagem; audição de um ruído.

• internas: estados emocionais.

Ideias: cópias modificadas das impressões.

• Memória: lembrança enfraquecida de impressões já vividas.

• Imaginação: associação aleatória de impressões já vividas.

Investigações sobre o entendimento humano (1748)

Page 23: 1 ano razao empirismo

Que diz o autor?

Quando olhamos os objetos exteriores à nossa volta e

consideramos a operação das causas, nunca podemos

descobrir, num único exemplo, qualquer poder ou conexão

necessária, qualquer qualidade que ligue o efeito à causa e faça

com que um deles seja consequência infalível do outro.

Observamos, apenas, que um deles se segue realmente ao

outro. O impulso de uma bola de bilhar é seguido pelo

movimento da segunda. Isso é tudo que se apresenta aos

nossos sentidos exteriores. Essa sucessão de objetos não

produz nenhum sentimento ou impressão interior na mente:

por conseguinte, num exemplo único e particular de causa e

efeito nada existe que possa sugerir a ideia de poder ou

conexão necessária.

HUME, D. Investigação Sobre o Entendimento Humano. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

Page 24: 1 ano razao empirismo

Como? Como assim?

Mas, eu pensei que...

Page 25: 1 ano razao empirismo

Crítica à noção de causalidade Analisemos:

A pedra esquenta porque os raios de sol incidem sobre ela

Quais impressões ela nos fornece?

- Tátil: a pedra esquenta

- Visual: os raios de sol incidem sobre ela

Mas os sentidos não conseguem provar a vinculação necessária entre estes eventos.

A conexão entre impressões é produto da crença fundada no hábito.

Pense, como podemos ter certeza de que o sol nascerá amanhã?

As ciências naturais se constroem sobre o hábito. Elas estão baseadas na frequência e repetição de certos fenômenos, e não na certeza de que certos efeitos derivam necessariamente de certas causas.

Page 26: 1 ano razao empirismo

Kant e o criticismo

Immanuel Kant (1724-1804) O filósofo que sintetizou racionalismo e empirismo

Page 27: 1 ano razao empirismo

Estátua de Immanuel Kant em Königsberg

• Nasceu em 1724 em

Könisberg, na Prússia Oriental.

• Könisberg, foi a cidade onde viveu, onde estudou e onde ensinou.

• Começou por estudar matemática e ciências naturais.

• Mais tarde dedicou-se à filosofia.

• Morreu em 1804, na terra natal, com 80 anos.

Page 28: 1 ano razao empirismo

Crítica da Razão Pura – Livro de Kant

• Objetivo:

Busca do conhecimento seguro de uma ciência.

• Questão:

Na medida em que há razão nas ciências, há algo nelas tem de conhecimento a priori (que não depende da experiência)?

Page 29: 1 ano razao empirismo

Qual é o sentido da Crítica à Razão para Kant?

"Só a crítica pode cortar pela raiz o materialismo, o fatalismo, o ateísmo, a incredulidade dos espíritos fortes, o fanatismo e a superstição, que se podem tornar nocivos a todos e, por último, também o idealismo e o ceticismo, que são sobretudo perigosos para as escolas e dificilmente se propagam no público.“ (CRP)

Page 30: 1 ano razao empirismo

Como é possível Conhecer?

• Há duas formas de conhecimento:

Empírico ou a posteriori (dados oferecidos pela experiência).

Puro ou a priori (não depende de nenhuma experiência sensível e distingue-se do conhecimento empírico pela universalidade e necessidade.

Page 31: 1 ano razao empirismo

Conhecimento: analítico e sintético

Juízo Analítico: o predicado já está contido no sujeito de tal forma que o juízo em questão consiste apenas em um processo de análise, através do qual se extrai do sujeito aquilo que já está contido nele.

Ex: Todo ser possui um corpo.

Juízo Sintético: une o conceito expresso pelo

predicado ao conceito do sujeito, constituindo o único tipo de juízo que enriquece o conhecimento.

Ex: todos os corpos se movimentam

Page 32: 1 ano razao empirismo

Os três Tipos de Juízos

Juízos Analíticos: não teriam maior interesse para a teoria da ciência, pois, embora universais e necessários, não representam nenhum enriquecimento do conhecimento. São tautológicos.

Juízos sintéticos a posteriori: também carecem de importância, pois por depender da experiência são contingentes e particulares.

Juízos sintéticos a priori: Universais e necessários; enriquece e faz progredir o conhecimento porque independem da experiência. É o juízo sobre o qual se funda a ciência.

Page 33: 1 ano razao empirismo

• Na CRP, Kant mostra que tempo e espaço são formas fundamentais de percepção (formas da sensibilidade) que existem como ferramentas da mente, mas que só podem ser usadas na experiência.

• Tente imaginar alguma coisa que existe fora do tempo e que não tem extensão no espaço. A mente humana não pode produzir tal idéia. Nada pode ser percebido exceto através destas formas, e os limites da física são os limites da estrutura fundamental da mente. Assim, já vemos que não podemos conhecer fora do espaço e do tempo.

Page 34: 1 ano razao empirismo

Espaço e Tempo

• São duas as formas a priori da sensibilidade: Espaço e Tempo. São apriorísticas e, portanto, independentes da experiência sensível.

Espaço: não é porque o sujeito cognoscente percebe as coisas como exteriores a si mesmo e exteriores umas à outras que ele forma a noção de espaço; ao contrário, é porque possui o espaço como uma estrutura inerente à sua sensibilidade que o sujeito pode perceber os objetos como relacionados espacialmente. Se pode abstrair todas as coisas que estão no espaço, mas não se pode abstrair o próprio espaço.

Tempo: A argumentação em relação ao tempo é fundamentalmente a mesma: a simultaneidade das coisas e sua sucessão não poderiam ser percebidas se a representação do tempo não lhes servisse de fundamento; acrescente-se a isso o fato de que todas as coisas que se enquadram dentro do tempo podem desaparecer, mas o próprio tempo não pode ser suprimido.