of 31/31
Cap. III No extremo da história 2. New Media Art e Bio Art

8.cap3 newmedia bioart

  • View
    338

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 8.cap3 newmedia bioart

  • Cap. III No extremo da histria2. New Media Art e Bio Art

  • Midias (tecnologias) digitais:Ciberinstalaes, cibercenrios,ambientes imersivos, sistemas multiusuarios, telepresena, instalaes e performances digitais, net-arte, robtica, vida artificial, arte transgnica, propostas com comunicao sem fio, trabalhos on-line e off-lineAnalivia Cordeiro, Unsquare Dance, 2007

  • Lucas Bambozzi, Pendulo, 2011

  • Um enigma, uma histria que somente o visitante pode reconstituir Cercle Ramo Nash, Black Box, 1998Hiptese de ColeoSem informao uma obra de arte no seno um objeto entre os outros, e provavelmente por isso que voc esta lendo esta nota. A arte para comear, um jogo de comunicao e a conversao sem dvida um meio da arte hoje da mesma maneira que o ttulo da exposio.. [...] a ambio do Cercle Ramo Nash com sua Black Box no nada menos que de colocar a hiptese de um artista artificial (Sowana). M.W. Maria Wutz, Paul Devautour

  • Tony Smith, Black Box, 19621- Die cubo de Tony Smith de 183 x183 cm.

    Uma histria do Minimal Art, uma histria dentro da Histria da Arte

    2- Georges Didi Huberman sobre Die O que vemos, o que nos olha: o objeto em todo caso no mais virtual; se converteu numa imagem muito concreta da arteEm todos os domnios de atividade, o conceito substitui o objeto. A informao se tornou hoje o mecanismo central da economia assim como na pratica artstica. No seio deste universo, a arte continua produzindo objetos, e paradoxalmente, muitos mais objetos. Mas estes objetos so conhecidos, realizados e distribudos como produtos derivados de intercmbios de informao.Se admitimos que suficiente que um rob de dialogo tenha um ar de inteligncia para que seja efetivo, aceitaremos considerar que uma proposio tenha o ar de proposio artstica para que seja verdadeira? E como fazem os artistas para que os objetos, gestos ou idias que no tem o esse ar sejam reconhecidos? Paul Devautour

  • Maurice Benayoun O tnel sob o Atlntico 1995

  • Nelson Felix, O Grande Budha, 1986, Acre 10 S, 70 W

  • Sam Taylor-Wood, O ltimo Sculo, 2005http://www.youtube.com/watch?v=BGXWfTElwJo&feature=relatedAs duas grandes questes da fotografia: saber fazer e saber verReflexes conceituais entre a fotografia analgica e digitalFotograficidade: articulao do irreversvel e do inacabvel

  • Luis Gonzlez Palma, Guatemala

  • Luis Gonzlez PalmaAsas, 1988

  • Maria Magdalena Campos- Pons, Cordas Umbilicais, 1991, Cuba

  • Mariko Mori, Empty Dreams, 1995, cibacrome print

  • Fernando Gutierrez. Peru

    Nmero 2, 2009

  • Daniel Lee, China "Judgment" , Juiz n 6 esprito de leopardo, 1994, impresso digital Yasumasa Morimura, estdio de Vermeer espelho, vdeo, 2002

  • Bill Viola, The Crossing, water and fire 1996http://www.youtube.com/watch?v=fHqhaH6m9pY&feature=related

  • Bill Viola, O Quinteto dos comovidos, vdeo, 2000Ver vdeos de Bill Viola

  • Rosngela Renn, Vera Cruz, vdeo 2000

  • Sandra Kogut, Videocabines so caixas pretas, Rio de Janeiro 1990

  • Tony Oursler, "Junk" 2003, escultura em fibra de vidro com projeo de DVD Narda Fabiola Alvarado, Politesta, Ecltico, Fiestero Eterno Cotidiano, 2009Joaquin Snchez, Tecidos, 2003

  • Jun Nguyen Hatsushiba - Vietman In Memorial Project Nha Trang, Vietnam: Toward the Complex-For the Courageous, the Curious, and the Cowards 2001

  • McLuhan - Vivemos no mundo do re-play instantneo, ao redor do mundo todos os eventos esto sendo no s registrados, mas vistos de novo. E o mais surpreendente do re-play que permite formas de re-conhecimento (recognition). A primeira vez cognio (conhecimento) e a segunda re-cogniao (reconhecimento) (...) de tal maneira que o re-play oferece nveis mais profundos de conscincia que a primeira vez (...) temos entrado no lugar em que os efeitos destes novos ambientes eletrnicos afetam o homem e sua autoconscincia (1970)Lev Malovich a sociedade do software: o software forma a cultura e a cultura forma o software. Ele tem um papel importante na formao dos elementos materiais como imateriais que formam a cultura.Sterlac O corpo como ele , obsoleto, a tecnologia a nova extenso do corpo: ciborg.

  • Xiao - Yu "Ran" partes de corpos de animais e humanos combinadosSterlac

  • Patricia Piccinini

  • Matthew Barney, Cremaster Cycle, 1994-2002Cremaster 4 2 Cremaster 4 -1Cremaster 4 - 3Cremaster 4 - 4

  • Escultura, performance, vdeo, livro, fotografia, desenho

  • Win Delvoye, Cloaca, 2000Vdeo de matria sobre Cloaca

  • Eduardo Kac, Histria Natural do Enigma, Edunia, 2003- 2008Eduardo Kac, Brasil, "Alba, a coelha fluorescente" 1999

  • Char Davis, Osmose, realidade virtual inmersiva e interativa, 1995Web de Char DavisKen Goldberg, Telegarden, 1995-2004

  • Diana Domingues, INSN (H) AK (R) S, sistema robtico interativo, 1999

  • BibliografiaCANTON, KATIA. Temas da Arte Contempornea. So Paulo: Editora WMF Martins Fontes. 2009. BOURRIAUD, N. Esttica Relacional. Martins Fontes 2009. p. 91-109___________,__. Ps-produo: Como a arte reprograma o mundo contemporneo. So Paulo: Martins. 2009b. p. 36-78.BAUDRILLARD, JEAN. El Complot del Arte: Ilusin y Desilusin Esttica. Buenos Aires: Amorrortu. 2006. COTTON, C. A fotografia como Arte Contempornea. Martins Fontes, 2010CORDEIRO, A. Expresso e Tecnologia na Linguagem Corporal. Em Arte e Tecnologia: para compreender o momento atual e pensar o contexto futuro da arte. 7 Encontro Internacional de Arte e Tecnologia. Braslia: IdA, UnB. 2008.KAC, E. Biopoetry, Cybertext Yearbook 2002-03, Edited by Markku Eskelinen & Raine Koskimaa, University of Jyvaskyla, Finland. 184-185. 2003.LEVY, P. Cibercultura. So Paulo. Editora 34. 1999, p. 145-155.MANOVICH, L. The Language of the Media. Cambridge, Mass./London: The MIT Press. 2001.FRANCO, E. Bioarte e perspectivas Ps-humanas. Em Arte e Tecnologia: para compreender o momento atual e pensar o contexto futuro da arte. 7 Encontro Internacional de Arte e Tecnologia. p. 90-96.NUNES, J.F.I. Esttica da Interface Computacional. Em Arte e Tecnologia: para compreender o momento atual e pensar o contexto futuro da arte. 7 Encontro Internacional de Arte e Tecnologia. p. 152-158.BARTHES, R. Image, Music, Text. London: Fontana. 1977. DrFallon YouTube. Fr. Patrick Peyton Interviews Marshall McLuhan part 1, 1970, 10:07, gerado em 23 de janeiro de 2008. Encontrado em: http://www.youtube.com/watch?v=1uZYR3jmMng ultimo acesso 04/05/2009;

  • WebtecaO fantstico mundo de Matthew BarneyIntroduo ao pensamento de Jean BaudrillardIlusin y desilusin esttica, Jean Baudrillard (espanhol com muitas imagens)Conversation series: Wim Delvoye, e Gerardo MosqueraBaumgarten Maria, Sociedade e Conhecimento- ordem, caos e complexidadeO Paradigma da complexidadeEdgar Morin, complexidade, transdisciplinaridade e incertezaIntroduo ao pensamento de Inteligncia Coletiva de Pierre LevyPierre Levy fala sobre Inteligncia ColetivaEduardo Kac Histria Natural do EnigmaSer o Ps-humano? Ciberarte e Perspectivas Ps-biolgicas, Edgar FrancoEduardo Kac webWhite Cube, site de Arte Contenpornea Web de Char DavisVrias matrias, Canal ContemporneoDiana Domingues, Ita Cultural Grupo de Pesquisa ArtecnoO Outro, Suzete Ventureli Entrevista com Paul Virilo sobre os motores e a percepo humana