11111 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados

  • View
    104

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 11111 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados

  • Slide 1
  • 11111 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados
  • Slide 2
  • 22222 Atividade integrativa O trabalho de doutrinao s possvel em clima de total doao, de empatia, de profundo e sincero amor fraterno.(...) No h nele espaos para meias-verdades, fingimentos inocentes, indiferena ou comodismos. Se me fosse pedido o segredo da doutrinao, diria apenas uma palavra: AMOR ! Hermnio de Miranda (1)
  • Slide 3
  • 33333 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados Terapia da palavra e orao Compreender, psicologicamente, a dor dos enfermos que ignoram a doena em que se debatem, apontando-lhes o rumo e despertando- os para uma viso mais alta e otimista da vida.(2) (3) Aconselhar, com sabedoria, induzindo os Espritos imperfeitos ao arrependimento. OBJETIVOS
  • Slide 4
  • 44444 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados Olhos abertos Distncia segura (4) Tom de voz moderado (5) (6) Trabalhar a escuta do Esprito (se necessrio) (7) Relacionar-se com o mdium (6) (8) (9) No tocar no mdium (6) ASPECTOS POSTURAIS
  • Slide 5
  • 55555 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados ABORDAGEM ADEQUADA Entender o sofredor qual familiar querido (10) Usar vocabulrio claro, lgico, oportuno e conciso (11) Dar poucas informaes (12) Empregar adequadamente a energia (13) Propor a prece a Esprito receptivo, orando com ele (14)(15)
  • Slide 6
  • 66666 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados Discurso de eloqncia formal ou divagao (16) Atitudes violentas, pieguismo inoperante ou doura sistemtica (17) Impacincia, desapreo (10) Comportamento reacionrio (18) ABORDAGEM INADEQUADA
  • Slide 7
  • 77777 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados Terapias energticas Conceito (19) Toda contribuio energtica do mdium em transe a favor do Esprito comunicante Funes (19) Desintoxicao Debilitao / sono Constrio Desestruturao ideoplstica Sensaes agradveis Catarse posterior AngstiaAsfixia contnua CHOQUE ANMICO
  • Slide 8
  • 88888 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados OBJETIVOSTCNICAS Recomposio emocional (mdium e/ou comunicante Dispersivos + Revitalizao Interrupo da comunicaoDispersivos Sonoterapia Dispersivos + Revitalizao (seguidos de sugesto) Induo para regresso de memria Aes variadas no centro cerebral Desmontagem de ideoplastias Rotativos anti-horrios no centro cerebral PASSES (20) (21)
  • Slide 9
  • 99999 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados Terapia sugestivas Conceito Estado alterado de conscincia entre a viglia e o sono Exemplos Aps esvaziada a agressividade, conduzir o sofredor ao sono: Durma, durma...o sono far-lhe- bem; procure tudo esquecer; hoje novo dia... 1Caso 2Caso Aliviar ao que sofre dores acerbas: Estamos lhe aplicando este medicamento; a dor logo aliviar. HIPNOSE (22)
  • Slide 10
  • 10 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados Conter e advertir o rebelde, usando energia: A rebeldia ante o Poder Divino te enlouquece, urge cercear-te a teu prprio benefcio. Agora voc no mais falar a fim de que possa refletir; pronto, cessou... Despertar o atordoado para a realidade do presente: Observe... O que o amigo v nesta sala?! HIPNOSE - continuao (22) 3Caso 4Caso
  • Slide 11
  • 11 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados REGRESSO DE MEMRIA ESPIRITUAL Desvelar a situao de desencarnado: Conduzindo ao autodescobrimento; ou Preparando a descoberta posterior; ou Assistindo os necessitados a remorrerem 2Caso Desvelar fatos de outras existncias: Instigando o Esprito a fim de obter-lhe o consentimento. (23) 1Caso
  • Slide 12
  • 12 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados EXERCCIOS DE DOUTRINAO DOUTRINADOR: No insista. Procure esquecer; esquecer para que os tormentos ntimos no lhe avassalem o corao. Esquea... EXERCCIO N 1 ESPRITO: Oh, deixa-me desabafar! DOUTRINADOR: De nada adiantaria... ESPRITO: Oh, por que, por qu?!
  • Slide 13
  • 13 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados ESPRITO: O maior castigo que o criminoso, qual o sou, experimenta o da conscincia culpada. O fardo mais pesado que conheo o do remorso. DOUTRINADOR: No se martirize tanto. Auto- flagelao moral diante da conscincia culpada no resolve o drama ntimo de ningum. EXERCCIO N 2 - continuao (24)
  • Slide 14
  • 14 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados DOUTRINADOR: Compreendemos a alucinao que o domina e tendo-a em vista que nos acercamos de voc, compadecido. EXERCCIO N 3 ESPRITO: Por que a violncia?!... At quando os bons utilizaro fora para atender seus objetivos?... DOUTRINADOR: O mau uso do livre arbtrio complica o destino do imprevidente conclamando-o ao despertar da conscincia com amor ou atravs do sofrimento. Assim, no nos estamos utilizando de violncia, mas de uma terapia para a sua felicidade. ESPRITO: (Gargalhada de mofa). (25)
  • Slide 15
  • 15 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados DOUTRINADOR: Certamente, e esta lhe ser feita pela vida. No por voc, que se encontra cego da razo e com responsabilidade tambm nas ocorrncias que foi envolvido. EXERCCIO N 3 - continuao ESPRITO: No sou eu quem merece compaixo, mas ela que criminosa. Estou recorrendo justia do desforo a que tm direito todas as vtimas. DOUTRINADOR: Infelizmente a palavra justia usada por muitos de forma incorreta (...) A nica justia real a que promana de Deus, que a inseriu nos cdigos do amor. ESPRITO: Eu sou a vtima. No tenho direito a justia? (25)
  • Slide 16
  • 16 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados DOUTRINADOR: Por que postergar a ocasio de ser feliz...J imaginou a hiptese de haver sido co- responsvel pelas ocorrncias de que se diz vtima? EXERCCIO N 3 - continuao ESPRITO: Engana-se! Amei a desgraada com devoo. Que me ofereceu em troca, alm do adultrio e do homicdio...? Ser que algum pode avaliar o rio escaldante de lgrimas e dor que tenho vertido? DOUTRINADOR: No ignoramos e por isso aqui estamos tentando reverter o seu caudaloso curso. ESPRITO: Jamais a perdoarei... (25)
  • Slide 17
  • 17 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados EXERCCIO N 3 - continuao ESPRITO: No acredito que lhe devesse nada, porquanto a amava. DOUTRINADOR: O amigo usa o verbo amar como autodefesa e acusao. O verdadeiro amor encontra-se acima e alm das conjunturas de tempo e lugar, sem nada exigir. provvel que voc cobiasse-lhe o corpo, a companhia, as sensaes... (25)
  • Slide 18
  • 18 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados ESPRITO: E quer, em razo disso, que a perdoe? A infame utilizava-se da minha posio e fortuna para desfrut-las sem sequer retribuir-me com o mnimo de dignidade. DOUTRINADOR: No essa a questo em anlise. O que nos importa so seus sofrimentos, que devem cessar. EXERCCIO N 3 - continuao (25)
  • Slide 19
  • 19 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados EXERCCIO N 3 - continuao ESPRITO: Desejo maltrat-la..., conflit-la... lev-la morte. DOUTRINADOR: Morte, no entanto, vida. Imaginemos que voc o conseguisse... Com o sacrifcio ela se depuraria... Se voc a perdoar provvel que lhe distenda braos maternos, acolhedores... Assim os sentimentos se sublimam no amor. (25)
  • Slide 20
  • 20 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados ESPRITO: Renascer nos braos da assassina? DOUTRINADOR: No; da mulher que voc amou e que se converter em me abnegada... ESPRITO: No sei, no sei! Estou muito confuso. Nunca pensei num desfecho dessa ordem. No sei... EXERCCIO N 3 - continuao (25)
  • Slide 21
  • 21 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados (1)Dilogo com as Sombras, Captulo IV, Tcnicas e Recursos, item Concluses, Herminio de Miranda FEB (2) Intercmbio Medinico, Captulo 35, Joo Clofas, psicografia de Divaldo Franco,Ed. LEAL (3) Qualidade na Prtica Medinica, 3 Parte, questo 94, Projeto Manoel Philomeno de Miranda, Ed. LEAL. (4) Idem, idem, questo 86, idem, idem. (5) Idem, 2 Parte, questo 65, idem, idem (6) Reunies Medinicas, 2 Parte, item 17, Projeto Manoel Philomeno de Miranda, Ed. LEAL (7) Dilogo com as Sombras, Captulo IV, Tcnicas e Recursos, item O Desenvolvimento do Dilogo; Fixaes. Cacoetes. Dores Fsicas. Deformaes. Mutilaes. Hermnio Correa de Miranda, Ed. FEB... REFERNCIAS BIBLIOGRAFICAS
  • Slide 22
  • 22 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados (8) Qualidade na Prtica Medinica, 2 Parte, questes 51 a 53 e 63 a 69, Projeto Manoel Philomeno de Miranda, ed. LEAL. (9) Dilogo com as Sombras, Captulo II, Tpico 2 As Pessoas , item Os Mdiuns, Hermnio C. de Miranda, Ed. FEB (10) Desobsesso, Captulo 32, Andr Luiz (Esprito), psicografia de Francisco Cndido Xavier e Waldo Vieira, Ed. FEB (11) Desobsesso, Captulo 37, Andr Luiz (Esprito), Idem, idem. (12) Qualidade na Prtica Medinica, 2 Parte, questo 65, Projeto Manoel Philomeno de Miranda, ed. LEAL (13) Dilogo com as Sombras, Captulo IV, item Linguagem Enrgica, Hermnio C. Miranda, Ed. FEB (14) Qualidade na Prtica Medinica, questo 95, Projeto Manoel Philomeno de Miranda, Ed. LEAL (15) Dilogo com as Sombras, Captulo IV, Item A Prece, Hermnio C. de Miranda, Ed. FEB
  • Slide 23
  • 23 Seminrio: Terapia de Socorro aos Desencarnados 16) Desobsesso, Captulo 34, Andr Luiz (Esprito), psicografia de Francisco Cndido Xavier e Waldo Vieira, Ed. FEB (17) Desobsesso, Captulo 24, Idem, idem, idem (18) Grilhes Partidos, Proluso, Manoel Philomeno de Miranda, psicografia de Divaldo Franco, Ed. LEAL (19) Qualidade na Prtica Medinica, 3 Parte, questes 92 e 93, Projeto Manoel Philomeno de Miranda, Ed, LEAL (20) Passes Aprendendo com os Espritos, Subgr