Apostila de Cinesiologia

  • View
    167

  • Download
    16

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Apostila de Cinesiologia Apostila de Cinesiologia Apostila de Cinesiologia Apostila de Cinesiologia Apostila de Cinesiologia Apostila de Cinesiologia Apostila de Cinesiologia

Transcript

  • Professor Roberto Gaspari Beck

  • 2

    NDICE:

    2. ndice.

    3. Introduo Cinesiologia.

    4. Ementa da disciplina de Cinesiologia.

    6. Conceito de Cinesiologia; Movimentos Articulares baseados em Planos Anatmicos;

    Movimentos Articulares Baseados na Forma Anatmica (Classificao das Articulaes).

    7. Movimentos Articulares do Corpo Humano.

    9. Grau de Liberdade Articular; Cadeias Cinemticas.

    10. Estudo das Alavancas.

    11. Estudo do Torque.

    12. Contraes Musculares.

    13. Sinergia e Prpriocepo.

    14. Diviso do Sistema Nervoso.

    15. Doping.

    16. Introduo Anlise de Movimentos.

    18. Msculos Motores Primrios e Motores Acessrios Segundo Rasch & Burke.

    22. Estudo do Ombro.

    23. Estudo do Cotovelo; Estudo do Punho.

    24. Estudo da Coluna Vertebral.

    27. Estudo do Quadril.

    29. Estudo do Joelho.

    31. Paradoxo de Lombard; Estudo da Patela.

    32. Estudo do Tornozelo.

    34. Cinesiologia da Postura.

    35. ndice Raquidiano de Delmas; Desvios Posturais da Escpula.

    36. Estudo Postural da Coluna Vertebral.

    37. Hrnia de Disco.

    38. Resistncia da Coluna Vertebral Fora de Compresso; Estudo da Cifose; Estudo da

    Escoliose.

    39. Mtodo de Cobb (RX); Teste de Adams.

    40. Estudo da Lordose; Ritmo Lombo Plvico.

    41. Ao Paradoxal do Psoas; Cinesioterapia.

    42. Desvios Posturais do Joelho.

    43. Estudo das Leses Comuns no Joelho.

    44. Estudo Postural do Tornozelo e do P.

  • 3

    DISCIPLINA DE CINESIOLOGIA:

    INTRODUO:

    A disciplina de Cinesiologia fundamental na formao acadmica dos profissionais de Educao Fsica, nos cursos de

    bacharelado e licenciatura. Complementando a Anatomia e a Fisiologia e dando suporte terico para a Biomecnica, esta

    disciplina constitui-se como uma das que compem o eixo central de formao acadmica dos futuros profissionais de Educao

    Fsica atuando na construo direta da Cincia do Movimento Humano.

    A seguir estaro listados por mdulos os contedos bsicos desta disciplina para uso nos cursos de graduao em

    Educao Fsica, bem como um modelo de Plano de Ensino.

  • 4

    Ementa da Disciplina:

    Conhecimento e classificao dos msculos que realizam os movimentos das principais articulaes do corpo humano.

    Fatores orgnicos e psicolgicos que interferem no desempenho fsico.

    Sequncias motoras simples e complexas.

    Mecnica ssea, articular e muscular.

    Prtica pedaggica, sob a orientao e superviso docente, compreendendo atividades de observao dirigida ou

    experincias de ensino.

    Justificativa:

    A disciplina de Cinesiologia de extrema importncia na formao acadmica do profissional de Educao Fsica. A

    presente disciplina tem como finalidade fornecer elementos terico-prticos que possam contribuir na atuao do

    profissional de Educao Fsica nas reas de docncia e agente da sade. Os contedos programticos apreendidos

    nesta disciplina esto diretamente relacionados com os contedos das disciplinas que envolvem o profissional da

    Educao Fsica na sua totalidade.

    Objetivo Geral:

    Compreender, cinesiolgicamente, o movimento humano de forma intrnseca e extrnseca.

    UNIDADE 1 CONTEDOS:

    Introduo Cinesiologia.

    Osteologia e mecnica ssea.

    Artrologia e mecnica articular.

    Conceito de alavancas.

    Clculo da fora muscular atravs do torque.

    Diferenas da Anatomia Esttica para a Anatomia Funcional.

    Fatores fisiolgicos e mecnicos na funo muscular.

    Miologia. A Contrao muscular a partir de um conceito mecnico.

    Sinergia e Prpriocepo.

    Fatores que afetam o desempenho motor.

    Sistemas Simptico e Parassimptico.

    Objetivos Especficos da UNIDADE 1:

    Adotar corretamente a terminologia cinesiolgica.

    Compreender e ressignificar a anatomia esttica para a anatomia funcional.

    Entender de forma extrnseca, atravs da interpretao da ao das alavancas, a contrao muscular.

    Identificar as contraes musculares em exerccios pr-estabelecidos de forma intrnseca e extrnseca.

    Compreender as aes do sistema nervoso autnomo e do voluntrio durante a prtica dos exerccios fsicos e dos

    desportos.

    UNIDADE 2 CONTEDOS:

    Estudo segmentado das articulaes do Ombro, cintura escapular, cotovelo, punho, coluna vertebral, quadril, cintura

    plvica, joelho e tornozelo.

    Anatomia funcional das articulaes e anlise de movimentos.

    Paradoxo de Lombard.

    Objetivos Especficos da UNIDADE 2:

    Identificar os msculos motores primrios das articulaes e suas aes articulares.

    Compreender o movimento articular atravs da ao dos msculos agonistas, antagonistas, sinergistas e fixadores.

    Analisar movimentos simples e complexos de forma cinesiolgica.

    UNIDADE 3 CONTEDOS:

    Estudo dos problemas posturais (Escpula alada, escpula abduzida; Ombro elevado, Ombro deprimido, Lordose,

    Escoliose, Cifose; Joelho valgo; Joelho varo; Joelho flexo; Joelho recurvado; P plano; P cavo; P equino; P calcneo;

    Tornozelo Varo e Tornozelo valgo).

    Cinesioterapia;

    Ritmo lombar Plvico;

    Ao paradoxal do Psoas durante a prtica de exerccios abdominais.

    Objetivos especficos da UNIDADE 3:

    Conhecer, identificar e elaborar exerccios corretivos para os problemas posturais.

    Entender e relacionar com a prtica de exerccios fsicos a Fisiopatologia da Coluna Vertebral.

  • 5

    Bibliografia Bsica:

    Rash & Burke. Cinesiologia e Anatomia Aplicada. 5 ed. ED. Guanabara RJ 1987.

    Philip J. Rash. Cinesiologia e Anatomia Aplicada. 7 ed. ED. Guanabara Koogan, 1989.

    W. Hollmann e Th Hettinger. Medicina de Esporte. Edio revisada. ED. Manole. SP 1989.

    Astrand e Rodahl. Tratado de Fisiologia do Exerccio. 2 ed. ED. Guanabara RJ. 1987.

    Kapandji, I. fisiologia Articular. 5 ed. Panamericana: SP. 1998.

    Bibliografia Complementar:

    Angelo Machado. Neuroanatomia Funcional. 2 ed. ED. Atheneu SP, 2005.

    Sebastio Vicente de Castro. Anatomia Fundamental. 2 ed. ED. McGraw-Hill do Brasil SP, 1974.

    Calais-Germain, B. Anatomia para o Movimento: Introduo as tcnicas corporais. Vol 1. Manole SP 1992.

    Carr, G. Biomecncia dos Esportes. Manole: SP, 1998.

    Durward, R. B. et al. Movimento Funcional Humano - mensurao e anlise. Manole: SP, 2001.

    Rolf Wirhed. Atlas de Anatomia do Movimento. Manole. SP. 1986.

    J. Weineck. Anatomia Aplicada ao Esporte. Manole. SP. 1984.

    Settineri. Biomecnica, Noes Gerais. Livraria Atheneu. SP. 1988.

    Hay/Reid. As Bases Anatmicas e Mecnicas do Movimento Humano. Prentice/Hall do Brasil. RJ. 1985

    Hall, S.J. Biomecnica Bsica. Guanabara Koogan. RJ. 2000.

    Miranda, E. Bases de anatomia e cinesiologia. Sprint. RJ. 2000.

    Campos, M. A. Biomecnica da Musculao. Sprint. RJ. 2000.

  • 6

    CONCEITO DE CINESIOLOGIA:

    A palavra Cinesiologia derivada do Latim, onde Kinesis (movimento) e Logus (Estudo) definem Cinesiologia como o

    Estudo do Movimento Humano.

    Em cinesiologia estudamos os movimentos articulares e todas as suas relaes com o tempo e o espao, logo a

    Cinesiologia est intimamente ligada aos estudos da Anatomia, Fisiologia e a Fsica, tornando-se bsica para o

    entendimento da Biomecnica.

    TERMINOLOGIA CINESIOLGICA:

    Em cinesiologia adotamos uma terminologia singular na descrio dos movimentos articulares, assim deixaremos de

    falar em flexo de pernas ou de braos e falaremos em flexo de joelhos e flexo de cotovelos!!!

    Esta terminologia justifica-se para ressaltar-mos e compreender-mos melhor a anlise de movimentos complexos do

    corpo humano, e como aprendemos em Medidas e Avaliao, no comprimento da perna ou do brao no existem

    articulaes, logo para flexionarmos estes segmentos causaramos uma fratura de seus componentes sseos!

    MOVIMENTOS ARTICULARES BASEADOS NOS PLANOS ANATMICOS:

    EIXO SAGITAL PLANO SAGITAL Divide o ser humano em lado esquerdo e direito, Distal e Proximal.

    EIXO TRANSVERSAL PLANO FRONTAL OU CORONAL. Divide o ser humano em Anterior e Posterior, Ventral e Dorsal.

    EIXO VERTICAL PLANO HORIZONTAL Divide o ser humano em Superior e Inferior, Cranial Caudal.

    MOVIMENTOS ARTICULARES BASEADOS NA FORMA ANATMICA:

    As articulaes de acordo com suas caractersticas anatmicas , executam movimentos distintos; de acordo com a

    sindesmologia, estudo das articulaes, classificamos em:

    - Articulaes mveis ou diartroses.

    - Articulaes semimveis ou Anfiartroses

    - Articulaes imveis ou Sinartroses.

    Para efeito de estudos, consideramos apenas as articulaes que possuem movimento, mveis e semi-mveis.

    DIARTROSES:

    Tambm chamadas de junturas sinoviais, so as que apresentam uma membrana serosa chamada sinovial (que secreta um

    lquido viscoso), a qual forra interiormente este tipo de articulao.

    ESFERIDE OU ENARTROSES:

    Quando de um lado h ma seperfcie esfrica (cabea) articulando-se com uma cavidade correspondente.

    Ex: Articulaes do ombro e do quadril.

    CONDILAR OU CONDILARTROSE:

    De um lado encontramos uma seperfcie saliente alongada em um dos sentidos, que recebe o nome de cndilo

    (captulo), a qual se articula com a competente cavidade do outro osso. Ex: Articulao tmporo-mandibular e

    articulao do joelho.

    ELIPSIDE:

    Nos casos em que uma das superfcies saliente e tem um dos eixos mais alongado, porm seus movimentos se

    r