of 10 /10

Balanco Completo 2008

Embed Size (px)

Text of Balanco Completo 2008

  • www.paranabanco.com.br

    Relatrio daAdministrao

    Balanos PatrimoniaisExerccios findos em31dedezembrode2008e2007 (Emmilhares deReais)

    Demonstraes de ResultadosExerccios findos em 31 de dezembro de 2008 e 2007(Em milhares de Reais, exceto o lucro lquido por ao)

    Banco ConsolidadoAtivo 2008 2007 2008 2007Circulante 576.855 911.794 829.410 1.019.380Disponibilidades 270 428 3.912 570Aplicaes interfinanceiras de liquidez 84.813 306.686 86.464 319.590Aplicaes no mercado aberto 70.560 155.918 72.211 168.822Aplicaes em depsitos interfinanceiros 14.253 150.768 14.253 150.768

    Ttulos e valores mobilirios e instrumentosfinanceiros derivativos 67.213 75.276 129.371 9.339Carteira prpria 61.195 75.276 123.353 9.339Vinculados a compromisso de recompra 6.018 6.018

    Relaes interfinanceiras 7 11 7 11Pagamentos e recebimentos a liquidar 6 6 Depsitos no Banco Central 1 11 1 11

    Operaes de crdito 384.758 490.800 441.995 637.295Operaes de crdito - setor privado 417.899 515.888 486.162 668.012Proviso para perdas com operaes de crdito (33.141) (25.088) (44.167) (30.717)

    Outros crditos 13.347 6.274 137.015 12.783Rendas a receber 1 10 2.754 1.798Crdito das operaes com seguros e resseguros 109.632 Diversos 13.346 6.264 24.629 10.985

    Outros valores e bens 26.447 32.319 30.646 39.792Outros valores e bens 134 122 135 122Proviso para desvalorizao de outros valores e bens (24) (24) (24) (24)Despesas antecipadas 26.337 32.221 30.535 39.694

    No circulanteRealizvel a longo prazo 838.987 541.672 1.085.209 649.699Aplicaes interfinanceiras de liquidez 101 101 Aplicaes em depsitos interfinanceiros 101 101

    Ttulos e valores mobilirios e instrumentosfinanceiros derivativos 260.024 70.589 380.476 67.267Carteira prpria 254.959 70.589 375.411 67.267Instrumentos financeiros derivativos 5.065 5.065

    Operaes de crdito 531.547 435.499 619.207 534.801Operaes de crdito - setor privado 536.670 439.430 624.330 542.548Proviso para perdas com operaes de crdito (5.123) (3.931) (5.123) (7.747)

    Outros crditos 13.494 8.136 46.495 13.819Crdito das operaes com seguros e resseguros 32.066 Diversos 13.494 8.136 14.429 13.819

    Outros valores e bens 33.821 27.448 38.930 33.812Despesas antecipadas 33.821 27.448 38.930 33.812

    Permanente 229.438 63.752 63.164 55.370Investimentos 225.349 60.468 1.564 51.456Participao em controladas e coligada no Pas 225.016 60.111 51.096Outros investimentos 462 374 1.582 377Proviso para perdas (129) (17) (18) (17)

    Imobilizado de uso 3.345 2.840 5.516 3.470Imveis de uso 1.867 1.867 1.867 1.867Outras imobilizaes de uso 3.575 2.878 6.559 3.515Depreciao acumulada (2.097) (1.905) (2.910) (1.912)

    Diferido 744 444 56 43Gastos de organizao e expanso 1.253 868 224 128Amortizao acumulada (509) (424) (168) (85)

    Intangvel 56.028 401Ativos intangveis 65.716 740Amortizao acumulada (9.688) (339)

    Total 1.645.280 1.517.218 1.977.783 1.724.449

    Banco ConsolidadoPassivo 2008 2007 2008 2007Circulante 348.816 540.251 554.235 664.004Depsitos 253.509 366.563 306.839 490.853Depsitos vista 8.223 1.650 7.325 960Depsitos interfinanceiros 65.571 57.137 65.571 57.137Depsitos a prazo 179.443 307.677 233.671 432.657Outros depsitos 272 99 272 99

    Captaes no mercado aberto 5.998 1.386 5.998 1.386Carteira prpria 5.998 1.386 5.998 1.386

    Recursos de aceites e emisso de ttulos 13.326 47.500 13.326 47.500Obrigaes por ttulos e valoresmobilirios emitidos no exterior 13.326 47.500 13.326 47.500

    Relaes interfinanceiras 3 3 Recebimentos e pagamentos a liquidar 3 3

    Intrumentos financeiros derivativos 9.769 9.769Outras obrigaes 75.980 115.033 228.069 114.496Cobrana e arrecadao de tributos e assemelhados 117 246 117 246Sociais e estatutrias 12.091 27.664 12.091 27.664Fiscais e previdencirias 6.595 25.331 30.517 30.553Dbito de operaes com seguros e resseguros 79.072 Provises tcnicas - seguros e resseguros 51.289 Diversas 57.177 61.792 54.983 56.033

    No circulanteExigvel a longo prazo 485.690 227.329 613.818 313.342Depsitos 393.436 211.369 462.695 296.340Depsitos interfinanceiros 6.423 6.423Depsitos a prazo 393.436 204.946 462.695 289.917

    Recursos de aceites e emisso de ttulos 84.355 9.422 84.355 9.422Obrigaes por ttulos e valoresmobilirios emitidos no exterior 84.355 9.422 84.355 9.422

    Outras obrigaes 7.899 6.538 66.768 7.580Fiscais e previdencirias 2.159 1.952 4.069 1.952Dbito de operaes com seguros e resseguros 35.629 Provises tcnicas - seguros e resseguros 19.406 Diversas 5.740 4.586 7.664 5.628

    Resultado de exerccios futuros 4.125 2 Patrimnio lquido 806.649 749.636 809.730 747.103Capital socialDe domiciliados no Pas 569.427 280.591 569.427 280.591De domiciliados no exterior 194.440 419.260 194.440 419.260

    Reserva de capital 265 177 265 177Reservas de lucros 60.427 60.029 63.508 57.496Ajustes de avaliao patrimonial -Ttulos disponveis para venda (124) 21 (124) 21

    Aes em tesouraria (17.786) (10.442) (17.786) (10.442)

    Total 1.645.280 1.517.218 1.977.783 1.724.449

    Banco ConsolidadoSegundosemestre Exerccio Exerccio

    2008 2008 2007 2008 2007Receitas da intermediao financeira 186.163 340.695 287.065 408.091 318.831Operaes de crdito 168.353 306.395 238.046 356.300 275.023

    Resultado de operaes com ttulos

    e valores mobilirios 17.810 34.300 49.019 51.791 43.808

    Despesas da intermediao financeira (93.556) (152.153) (104.613) (175.422) (137.055)Operaes de captao no mercado (85.369) (125.240) (62.904) (146.929) (86.447)

    Resultado com instrumentos

    financeiros derivativos 11.077 8.671 (14.217) 8.671 (14.217)

    Proviso para perdas com crditos (19.264) (35.584) (27.492) (37.164) (36.391)

    Resultado bruto da intermediao financeira 92.607 188.542 182.452 232.669 181.776Outras receitas (despesas) operacionais (54.030) (102.365) (102.809) (126.724) (95.643)Receitas de prestao de servios 3.179 7.747 9.646 58.019 10.046

    Prmios de seguros 245.348

    Prmios de cosseguros e resseguros cedidos (165.370)

    Variao de provises tcnicas de seguros (38.982)

    Sinistros retidos (19.500)

    Despesas de pessoal (8.200) (15.215) (11.016) (28.443) (11.040)

    Honorrios da administrao (1.722) (2.836) (1.190) (3.413) (1.190)

    Outras despesas administrativas (51.266) (106.851) (106.712) (156.919) (96.637)

    Despesas tributrias (5.827) (12.102) (15.050) (16.625) (15.279)

    Resultado de participao

    em controladas e coligada 11.387 22.814 4.606 3.948

    Outras receitas operacionais 4.717 22.269 26.420 29.152 26.762

    Outras despesas operacionais (6.298) (18.191) (9.513) (29.991) (12.253)

    Resultado operacional 38.577 86.177 79.643 105.945 86.133Resultado no operacional 54 103 93 8 91Resultado antes da tributao sobre o lucro 38.631 86.280 79.736 105.953 86.224Imposto de renda e contribuio social (1.141) (4.460) (14.034) (17.669) (16.642)Imposto de renda - corrente (4.482) (9.743) (19.603) (17.780) (20.159)

    Contribuio social - corrente (895) (4.136) (7.386) (8.916) (7.611)

    Imposto de renda e contribuio social diferidos 4.236 9.419 12.955 9.027 11.128

    Participao dos empregadose administradores nos lucros (1.956) (3.307) (1.803) (4.157) (1.803)

    Lucro lquido do semestre/exerccio 35.534 78.513 63.899 84.127 67.779Juros sobre o capital prprio (16.671) (41.389) (30.682) (41.389) (30.682)Quantidade de aes (em milhares) 106.978 106.978 106.561Lucro lquido por ao - R$ 0,33 0,73 0,60

    As notas explicativas so parte integrante das demonstraes financeirasAs notas explicativas so parte integrante das demonstraes financeiras

    A Administrao do Paran Banco S.A. (BOVESPA: PRBC4/ADR Nvel I: PARPY), banco mltiplo privado, especializado emcrdito consignado, crdito para pequenas e mdias empresas (PME), seguro garantia, seguro de crdito e resseguros, emconformidade com as disposies legais e estatutrias apresenta a seus acionistas as Demonstraes Financeiras Individuaise Consolidadas do exerccio de 2008, juntamente com o Parecer dos Auditores Independentes. Todas as informaesfinanceiras aqui apresentadas so consolidadas, abrangendo as demonstraes financeiras do Banco, suas controladas, oFundo de Investimento em Direitos Creditrios Paran Banco I, o Fundo de Investimento em Direitos Creditrios ParanBanco II (FIDCs), a J. Malucelli Seguradora, a J. Malucelli Seguradora de Crdito, a J. Malucelli Re., J. MalucelliAgenciamento e Servios e Paran Administradora de Consrcio. As informaes, exceto quando indicado de formadiferente, so expressas em moeda corrente nacional (em milhares reais) e foram elaboradas com base nas prticascontbeis emanadas da legislao societria, associadas s normas e instrues do Conselho Monetrio Nacional (CMN),do Banco Central do Brasil (BACEN), da Comisso de Valores Mobilirios (CVM), do Conselho Nacional de SegurosPrivados - (CNSP), da SUSEP - Superintendncia de Seguros Privados e do Comit de Pronunciamentos Contbeis (CPC),quando aplicvel.Quando a demanda e a oferta de crdito ainda eram abundantes, o alto consumo impulsionou o PIB a um crescimentode 5,4% em 2007. Chegada a crise, a partir do 3T08, a curva de crescimento do mercado de crdito, influenciada pelosfatores econmicos da crise financeira mundial, comeou a apresentar sinais de inflexo. No Brasil, ainda que motivadapelo consumo de final de ano a reduo no tenha sido to acentuada, as evidncias da desacelerao mostram umatendncia de mercado desaquecido. A exemplo disto, o crescimento das operaes de crdito pessoal do sistemafinanceiro no 4T08 mostrou um recuo de 41 p.p., quando comparado ao mesmo perodo do ano anterior, segundodados do Banco Central.Tal comportamento do mercado, somado as cesses de crdito realizadas, resultou em uma reduo da carteira decrdito do Paran Banco no 4T08. Para efeitos comparativos, as operaes de crdito que totalizaram R$ 1,2 bilho em2007, em 2008 somaram R$ 1,1 bilho. Neste momento de incertezas trs estratgias adotadas pelo Paran Banco semostraram muito acertadas na travessia da turbulncia.Em primeiro lugar, o conservadorismo do Banco, que mantm uma poltica de baixa alavancagem com um forte casamentoentre ativos e passivos, um confortvel ndice de Basilia de 56,7% e uma poltica de manter em caixa um mnimo de 20%do total dos depsitos a prazo. O segundo ponto trata-se da constante preocupao do Banco com a exposio de riscoatravs de uma maior seletividade nas operaes de crdito em busca daquelas com maior rentabilidade. E finalmente, aestratgia de diversificao de negcios e produtos. O segmento de PME, por exemplo, totalizou uma originao de R$53,3 milhes no 4T08, um crescimento de 57,7% sobre o perodo anterior. Tambm em linha com a estratgia dediversificao, no final de 2008 o Paran Banco criou a J. Malucelli Seguradora de Crdito (aguardando homologao daSUSEP) para atuar em um segmento com grande potencial e ainda pouco explorado no Brasil.Ainda que a conjuntura atual no seja to favorvel e que a reteno na demanda de crdito seja latente, asoportunidades que surgem em meio crise so seletivas e proporcionam um impulso para gestes que sabem trabalharsob momentos adversos. As iniciativas estratgicas adotadas pela gesto do Paran Banco proporcionam Companhianveis confortveis de solvncia e liquidez, bem como uma grande oportunidade para intensificar suas estratgias dediversificao e evoluo da carteira de crdito para 2009. E em favorecimento ao Banco a conjuntura macroeconmicad sinais de contribuio: as polticas monetrias tm medicado os sintomas da desacelerao econmica, com cortede 1p.p. na taxa Selic na ltima reunio do Copom por exemplo, dando vazo a operaes de convnios com limitesmenores de taxa de juros at ento congelados pela baixa rentabilidade. E os investimentos em infra-estrutura queprometem investimento a partir de 21,2 bilhes s para o PAC, o Programa de Acelerao do Crescimento, que serpoupado dos cortes pblicos oramentrios, aliado ao crdito de R$ 100 bilhes concedido ao BNDES, por exemplo,abrem um leque de novas oportunidades para operaes de seguro e resseguro, sendo estas, atravs da J. MalucelliSeguradora e Resseguradora, representantes de 27,2% do lucro lquido consolidado do Banco em 2008.SOBRE O PARAN BANCOPerfilO Paran Banco, banco mltiplo privado, especializado em crdito consignado, crdito para pequenas e mdiasempresas, PME, seguro garantia, seguro de crdito (seguro de crdito interno, seguro capital de giro e seguro fluxo decaixa) e resseguros. Tendo iniciado suas operaes na dcada de 80, foi um dos primeiros bancos a atuar no segmentode crdito consignado e seguro garantia no Brasil, este ltimo atravs da J. Malucelli Seguradora. O Banco temapresentado gesto consistente que, combinado com baixos ndices de inadimplncia, o tornaram historicamente umbanco com sustentvel rentabilidade. O Paran Banco, a J. Malucelli Seguradora, a J. Malucelli Seguradora de Crditoe a J. Malucelli Resseguradora possuem cobertura nacional por meio de canais bem estruturados, constitudos por umadiversificada rede de correspondentes e franqueados, lojas prprias, corretores de seguros e regionais da seguradoraem nove cidades do Brasil. A liderana do Paran Banco em nmero de convnios celebrados, inovao nos canais dedistribuio e experincia no segmento de crdito consignado, seguro garantia e, pioneiramente, o resseguro,colocam-no em posio privilegiada.Governana CorporativaO Paran Banco tem como compromisso a adoo das melhores prticas de Governana Corporativa. Atualmente, oBanco est listado entre as empresas do Nvel 1 da Bovespa, e j deu incio ao processo de adaptao para o Nvel 2 deGovernana Corporativa. Adicionalmente, o Banco confere 100% de tag-along para todas as aes preferenciais.Em linha com o cdigo das melhores prticas de Governana Corporativa do IBGC, o quadro de membros do Conselhodo Paran Banco possui um conselheiro independente. Adicionalmente, desde maro de 2008, o Paran Banco instalouum Conselho Fiscal com trs membros efetivos responsveis por fiscalizar as atividades da administrao, reverdemonstraes financeiras da sociedade e reportar suas concluses aos acionistas. O Conselho Fiscal um rgosocietrio independente da administrao e dos auditores independentes da Companhia.Programa de Recompra de AesEm Reunio do Conselho de Administrao (RCA) realizada em 07 de julho de 2008, foi aprovado o encerramento doprograma de recompra de aes de prpria emisso, iniciado em 19 de outubro de 2007, por meio do qual foramadquiridas 4.155.600 aes preferenciais de emisso da Companhia. Foi aprovado tambm o cancelamento dasreferidas aes sem reduo do valor do capital social, mediante absoro de R$ 36,7 milhes consignados na Reservade Lucros - Reserva para Integridade do Patrimnio Lquido.Na ocasio, um novo programa de recompra de aes foi institudo, onde foi autorizada a aquisio de at 4.072.617aes preferenciais, escriturais, nominativas e sem valor nominal, de emisso da Companhia para manuteno emtesouraria e posterior cancelamento ou alienao. O novo programa tem como prazo mximo 7 de julho de 2009 e oobjetivo maximizar a gerao de valor ao acionista. At 14 de outubro, prazo que se iniciou o perodo de vedao negociao de aes de prpria emisso, o Banco adquiriu atravs deste programa 3.371.300 aes ao preo mdiode R$ 5,28 por ao.Juros sobre Capital Prprio e Benefcio FiscalConforme a ata da Reunio do Conselho de Administrao de 22 de dezembro de 2008, os Conselheiros aprovaram adistribuio dos Juros sobre o Capital Prprio (JCP), referentes ao resultado apurado no quarto trimestre de 2008, no valorbruto total de R$ 11,4 milhes, correspondentes a R$ 0,11 por ao. As aes da Companhia foram negociadas ex-direitoa juros sobre o capital prprio a partir de 23 de dezembro de 2008, inclusive.Com a distribuio do JCP, o Banco far uso de benefcio fiscal no valor de R$ 4,6 milhes no 4T08. No acumulado doano, o Paran Banco fez uso de beneficio fiscal de R$ 16,2 milhes.Assim, no ano de 2008, o Paran Banco totaliza uma distribuio de R$ 41,4 milhes em JCP, resultando em 53% depay-out e dividend yield de 15,6%, com base na cotao do preo de fechamento da ao de R$ 2,50 em 30 dedezembro de 2008.Programa de ADRs Nvel 1Em 30 de abril de 2008, o Conselho de Administrao do Paran Banco autorizou a criao do Programa de ADRs Nvel1, visando o aumento da liquidez, visibilidade e valorizao, sendo assim um dos primeiros bancos mdios do Brasil comprograma de ADR. Desde o incio do programa, j foram emitidas 95.500 ADRs.O programa, que teve incio em 19 de agosto de 2008, tem como instituio depositria o banco The Bank of New YorkMellon e como instituio custodiante o Banco Ita S.A. Atualmente cada ADR representa uma ao preferencial do ParanBanco, no entanto no dia 28 de janeiro de 2009 foi aprovado em reunio do Conselho de Administrao o grupamento deADRs, com o objetivo de ajustar o valor unitrio de cotao do ADR em dlares americanos. Quando homologado ogrupamento, a nova proporo entre aes preferenciais e ADRs ser de 1 ADR para 5 PNs de emisso do Paran Banco,mantendo-se as mesmas instituies depositria e custodiante. Os ttulos de ADR do Paran Banco so negociados nomercado de balco (OTC) com o smbolo PARPY e CUSIP nmero 699352100.Segmentao e ProdutosO Paran Banco vem atuando nos segmentos Corporativo e Pessoal, mais especificamente nas operaes de crdito eoferta de produtos financeiros. O Segmento Corporativo compreende as operaes de seguro garantia realizadas pelaJ. Malucelli Seguradora, os resseguros da J. Malucelli Re, seguro de crdito pela J. Malucelli Vida e Previdncia (emprocesso de converso para J. Malucelli Seguradora de Crdito) nas modalidades de seguro de crdito interno, segurode fluxo de caixa e seguro de capital de giro e as operaes de crdito para micro, pequenas e mdias empresas (PME)do Paran Banco.O Segmento Pessoal destina-se prioritariamente ao crdito consignado. Nesta modalidade tambm so ofertados portodos os canais o carto de crdito para aposentados e pensionistas do INSS, CDC lojista e financiamento de veculosusados. Apresentamos na tabela abaixo alguns indicadores operacionais:Indicadores Operacionais 2008 2007 2007 x 2008Nmero Total de Novos Contratos 174.470 247.021 -29,4%Novos Contratos - INSS 29.245 98.340 -70,3%Novos Contratos - Outros Convnios 145.225 148.681 -2,3%

    Originao do Consignado 920.865 873.704 5,4%Carteira de Crdito Consignado 1.018.039 1.111.660 -8,42%

    ConsignadoA concesso de crdito consignado consiste em uma das atividades do Paran Banco. O crdito consignado umamodalidade de crdito ao consumidor com pagamento facilitado em parcelas debitadas em folha de pagamento ou nobenefcio a aposentados e pensionistas. A carteira de crdito consignado para funcionrios pblicos federais, estaduais,municipais, privados e aposentados e pensionistas do INSS representava 91,6% da carteira total no 4T08. Com umabase de clientes de baixo risco, o Paran Banco conta com grande expertise no segmento, visto que foi um dospioneiros a operar nesta modalidade. Adicionalmente, uma vasta gama de convnios celebrados para descontos emfolha coloca o Banco em uma posio privilegiada no mercado.Contudo, com o agravamento da crise, o Banco, que j possui uma gesto conservadora, aumentou o rigor na seleodas operaes de crdito, buscando operar convnios que possuem maior rentabilidade. Desta forma, a partir do 2T08,foram desativados alguns convnios que no estavam sendo operados por conta da baixa rentabilidade. Ao final do

    ms de dezembro de 2008, o Banco possua 701 convnios para desconto em folha, dos quais, a maior concentraoest nos convnios de governos de Estados e Municpios, que somados representam 55% da originao no quartotrimestre de 2008. Ao operar por meio destes 701 diferentes convnios, o Paran Banco dilui o risco regulatrio, decrdito e de competio.Carto de Crdito Consignado uma modalidade de crdito ao consumidor que da mesma forma que no crdito consignado, o pagamento feitopor meio de um valor mnimo da fatura mensal debitada em folha de pagamento. O valor remanescente faturadopara pagamentos complementares. O carto de crdito consignado opera por meio de convnios com Governos deEstado e Prefeituras e o INSS. Este ltimo, em janeiro de 2008, instituiu novas regras para a concesso de emprstimosconsignados aos seus aposentados e pensionistas, reservando 10% da margem consignvel para emprstimos viacartes de crdito, com teto de 3,5% a.m. na taxa de juros.O Paran Banco mantm em atividade contrato para emisso de cartes de crdito com a bandeira Mastercard. Esta uma tendncia no mercado do consignado e o Paran Banco est preparado para atender essa nova demanda. O saldoda carteira do carto de crdito em 31 de dezembro de 2008 somou R$ 16,2 milhes, totalizando 22.035 cartes ativosao final do perodo.PME - Pequenas e Mdias EmpresasH mais de um ano o Paran Banco iniciou suas operaes no segmento de Pequenas e Mdias Empresas, contandohoje com equipes especializadas em Curitiba e So Paulo. Ao final de 2008, o saldo da carteira de crdito nestesegmento era de R$ 86,6 milhes, representando 7,8% da carteira total do Banco.CDC VeculosEm 2008, o Paran Banco deu incio s operaes de financiamento de veculos usados, o CDC Veculos. Com produode R$ 5,9 milhes desde o seu lanamento em outubro, a expectativa para 2009 que a participao deste produtotorne-se ainda mais relevante na carteira total do Banco, em linha com a estratgia de diversificao.CDC LojistaEm Outubro de 2008, o Paran Banco deu incio s operaes do CDC Lojista, j contando com os seguintes produtos:Credirio Paran Banco - Cheque, Credirio Paran Banco - Carn e Credirio Paran Banco - Consignado. OCredirio Paran Banco tem como finalidade o financiamento para a compra de produtos e servios em lojas individuaisou redes de varejo, como: lojas de materiais de construo, autocenters, lojas de informtica, lojas de departamento,redes de distribuio de marcas, redes de franquias de produtos, entre outros. O processo de aprovao de crdito eas demais transaes so realizadas via internet, trazendo rapidez, segurana, simplicidade e flexibilidade tanto aocliente como ao lojista. Ao final de 2008, o saldo da carteira de crdito neste segmento era de R$ 1,5 miho, com maisde 142 lojas operando estes produtos.Seguro GarantiaO Seguro Garantia um produto financeiro, similar carta de fiana bancria, e que demanda anlise de crdito deseus clientes, bem como de sua capacidade futura de desempenho. um seguro com a finalidade de garantir ocumprimento de obrigaes estabelecidas em contratos pblicos, privados ou em licitaes. A experincia e osprocedimentos na concesso de aplices de seguro-garantia permitem que o Paran Banco por meio da J. MalucelliSeguradora venha mantendo a liderana no segmento desde 1997. Desde abril de 2008, 100% das aplices emitidaspela Seguradora passaram a ser digitais, o que confere maior segurana nas operaes e significativa reduo de custosalm de ser ambientalmente correto.Ao final do exerccio de 2008, a J. Malucelli possua participao de mercado de 43,3% em prmios emitidos esinistralidade de 4,2% segundo dados da SUSEP. A J. Malucelli Seguradora possui ratings A-(Bra), perspectiva Positiva,pela Fitch Ratings e BrA-/estvel pela Standard and Poors.ResseguroAs operaes de resseguro concentram-se nos prmios emitidos pela J. Malucelli Seguradora em carteiras de segurogarantia de outras seguradoras nacionais e estrangeiras. Adicionalmente, a J. Malucelli Re possui classificao de riscopela Fitch Ratings de A-(bra) a fim de permitir operar o resseguro na Amrica Latina. Isso vai de encontro com aestratgia de expanso para esta regio. Atualmente, 100% dos resseguros da J. Malucelli Seguradora so realizadosatravs da J. Malucelli Re, a qual possui contrato de retrocesso com os maiores Resseguradores mundiais.Seguro de CrditoO seguro de crdito uma modalidade de seguro que tem por objetivo ressarcir o segurado (credor) das perdasLquidas Definitivas causadas por devedor insolvente nas operaes de crdito. um produto ainda incipiente no Brasil,com grande potencial de crescimento: em pases europeus at 90% das empresas se utilizam desta modalidade deseguro, enquanto no Brasil so somente cerca de 300 instituies usurias. O produto possui forte sinergia com asoperaes da J. Malucelli Seguradora (Seguro Garantia) bem como com o Paran Banco. Alm de compartilhar da basede clientes de ambas as instituies, a futura Seguradora de Crdito contar com forte capilaridade atravs das novefiliais da J. Malucelli Seguradora. Somado a isto, a Seguradora de Crdito tambm ir gerar negcios de ressegurospara a J. Malucelli Resseguradora.Os recentes acontecimentos na conjuntura econmica aumentaram a demanda pelo produto, juntamente com as taxaspraticadas, favorecendo o desenvolvimento deste mercado, hoje ainda incipiente em nosso pas. O Paran Bancoest se estruturando para aproveitar das oportunidades deste segmento atravs de sua subsidiria integral,a J. Malucelli Vida e Previdncia, a qual aguarda homologao da SUSEP para se tornar a J. Malucelli Seguradorade Crdito. Entendemos que este mercado tem potencial para repetir a trajetria de crescimento, nos moldes doque ocorreu no Seguro Garantia, e atravs da J. Malucelli Seguradora de Crdito, o Paran Banco pretende capturaresta nova oportunidade.Canais de DistribuioO Paran Banco possui uma diversificada rede de distribuio que cobre todo territrio nacional. Alm do tradicionalcanal representado pelos correspondentes bancrios, o Banco vem investindo consistentemente em canais alternativos.O objetivo ampliar o controle sobre os canais de venda bem como controlar custos administrativos e de originao,seguindo uma estratgia de mdio prazo focada em aumento de eficincia e rentabilidade. Em 2008, tais canais foramresponsveis por 35% da originao total de crditos consignados. Correspondente bancrio franqueado e lojasprprias so os canais que o Banco classifica como alternativos.Correspondentes BancriosO correspondente bancrio ainda o principal canal de distribuio do Paran Banco. Ao final de 2008, o Bancocontava com uma rede de 652 correspondentes distribudos pelas cinco regies do Pas. Responsveis por 65% daoriginao do crdito consignado, tm sua disposio um portal na internet exclusivo e uma plataforma gil para atroca de documentos e informaes com o Banco.Correspondente Bancrio FranqueadoAdotado em maro de 2007, o canal de franqueados nico e inovador no mercado bancrio brasileiro. Ainda em2008, recebeu o Prmio ABF de melhor franquia do setor de servios financeiros, atestando o sucesso do projeto que resultado de trs anos de pesquisa e anlise do comportamento do mercado, concorrncia e correspondentes.Os franqueados, alm do crdito consignado, tm disposio variados tipos de produtos financeiros e deseguros para comercializao, tanto prprios como de terceiros. Exemplo disto so os contratos firmados com asseguintes instituies: ABN Amro Real S.A. e Aymor Crdito, Financiamento e Investimento S.A.; Rodobens Consrcio; e Porto Seguro Seguros.O Paran Banco encerrou 2008 com 89 franqueados em operao, responsveis por 20% da originao de consignadoem 2008. Conforme planejamento estratgico do Banco, o objetivo continuar expandindo as franquias em 2009, deforma a aumentar gradativamente a participao deste importante canal na gerao de novas operaes de crditopara o Banco.Lojas PrpriasNo final de 2008 o Paran Banco contabilizava 6 lojas prprias atravs de sua subsidiria integral a J. MalucelliAgenciamento e Servios Ltda.: em So Paulo, Rio de Janeiro, Goinia, Belo Horizonte e duas em Curitiba. O Banco temcomo estratgia implantar lojas prprias em capitais e grandes centros onde as operaes so mais complexas econcentram maiores demanda e concorrncia, trazendo maior controle operao. As lojas prprias tambm tm opapel de regionais, coordenando correspondentes e franqueados em sua regio. Com baixo custo de originao,as lojas prprias foram responsveis por 6% da originao no exerccio.J. Malucelli SeguradoraA Seguradora concentra sua atuao no mercado de seguro garantia (surety bond), sendo lder absoluta nestesegmento desde 1997, com 43,3% de market share em 31 de dezembro de 2008, de acordo com dados da SUSEP.A incorporao de 100% do capital social da Seguradora, divulgada em 15 de janeiro de 2008, possibilita oBanco aproveitar o estreito relacionamento comercial existente entre a Instituio e mais de 21.000 clientescorporativos. Adicionalmente, a Seguradora j tem a avaliao do perfil do risco de crdito desses clientes e conhece ohistrico de desempenho dos mesmos, uma vez que o seguro garantia um produto financeiro, fundamentado emanlise de crdito.Com a abertura do mercado de resseguros, a Seguradora j negocia melhores comisses de resseguro, bem comomaiores valores de participao nos lucros, alm de possibilitar comprar instrumentos de proteo de risco, como oResseguro de Excess of Loss, o que a possibilita ampliar sua reteno de prmios.J. Malucelli ResseguradoraA J. Malucelli Resseguradora a primeira resseguradora de capital privado no Brasil. Unindo a experincia do grupo emSeguro Garantia ao conhecimento de profissionais conceituados na rea de resseguros, a J. Malucelli Resseguradoratem como objetivo consolidar-se no mercado brasileiro e ento expandir a atual participao na Amrica Latina.A J. Malucelli Re concentra suas atividades exclusivamente no mercado de Seguro Garantia, capturando asoportunidades da abertura do mercado de Resseguros no Brasil e da quebra do monoplio do IRB - Brasil RessegurosS.A. neste setor. A estratgia ao invs de submeter-se s reservas de mercado criadas na nova legislao do setor,passar a usufruir de tais reservas, na condio de Resseguradora Local. A J. Malucelli Re iniciou suas operaes com agarantia de 100% dos resseguros gerados pela J. Malucelli Seguradora, que representam 43,3% do mercado deGarantias do Brasil, e j prov capacidade de resseguro a grande nmero de seguradoras do mercado nacional. Ainda,com a finalidade de ampliar as operaes da J. Malucelli Re para outros pases da Amrica Latina, foram contratadasagncias classificadoras de Rating, sendo que a Fitch Ratings concedeu classificao A-(bra), e assim habilitando-a acaptar clientes em outros pases.Em 2008, 94% dos prmios emitidos pela J. Malucelli Re foram provenientes da J. Malucelli Seguradora, sendo orestante originado por suas congneres nacionais e internacionais.Anteriormente criao da J. Malucelli Re, a J. Malucelli Seguradora j pagou s resseguradoras com quem trabalhoumais de R$ 470 milhes em prmios de resseguro, traduzindo-se em aproximadamente R$ 300 milhes de lucros paraas Resseguradoras. Parte desses lucros, a partir de agora, so retidos pela Resseguradora do Paran Banco, que

    pretende ainda manter parcerias com o IRB e com outras resseguradoras internacionais, porm na retrocesso (segurodo resseguro).Classificada como resseguradora local, a J. Malucelli Re est no grupo de resseguradoras que tem o direito de 1 recusa de60% dos prmios ressegurados at 2012 e 40% aps este perodo, de acordo com a resoluo n 168 da SUSEP.J. Malucelli Seguradora de CrditoEm linha com a estratgia de diversificao e sempre atento a novas oportunidades no mercado, o Paran Bancoobservou uma demanda por seguros na rea de crdito ainda no explorada no Brasil. Assim, em 25 de novembro, foilanada oficialmente a J. Malucelli Seguradora de Crdito, subsidiria integral do Paran Banco que aguardahomologao da SUSEP para iniciar as operaes. A nova empresa ir atuar no ramo de seguro de crdito, modalidadede seguro que garante ao segurado o ressarcimento das perdas lquidas causadas por um devedor insolvente.Trs tipos de seguros foram criados pela J. Malucelli Seguradora de Crdito a fim de atender esta demanda: o segurode crdito interno, o seguro de capital de giro e o seguro de fluxo de caixa:O Seguro de Crdito Domstico a forma tradicional de seguro de crdito, oferecida a empresas privadas do mercadointerno que trabalham com vendas a prazo. um seguro de recebveis que oferece ao segurado a garantia derecebimento das operaes financiadas a prazo. A aplice de seguros feita sob o risco de no recebimento, e no casode inadimplncia a seguradora paga a indenizao ao segurado.O Seguro de Capital de Giro proporciona aos segurados a oportunidade de antecipar futuros recebveisdisponibilizando capital de giro para a empresa. Isto feito atravs da antecipao das vendas a prazo do seguradopelo Paran Banco, que passa ento a ser designado como beneficirio da aplice de seguro de crdito para asoperaes financiadas. Na ocorrncia de um sinistro, a J. Malucelli Seguradora pagar a indenizao diretamente aoParan Banco.O Seguro de Fluxo de Caixa oferece aos segurados a antecipao imediata das indenizaes decorrentes dainadimplncia coberta pelo seguro de crdito. Isto quer dizer que o segurado pode receber os recursos referentes aindenizaes futuras sem a necessidade de aguardar os prazos necessrios para que a Seguradora realize a gesto decobrana e a apurao da perda definitiva. Na prtica, o segurado avisa as expectativas de sinistro Seguradora queaceita e estabelece uma data futura para pagamento de indenizao, o segurado leva a aceitao da Seguradora aoParan Banco e adianta o valor da indenizao.ATIVOS TOTAISOs ativos totais do Paran Banco somaram R$ 1.964,0 milhes ao final de dezembro de 2008, ante os R$ 1.724,5milhes registrados em 2007, uma evoluo de 13,9%. Destaque para o crescimento da carteira de Ttulos e ValoresMobilirios que saltou de R$ 76,6 milhes para R$ 509,9 milhes. Grande parte desse crescimento justificada pelaaplicao das reservas tcnicas da seguradora em ttulos pblicos, bem como pelo prprio aumento da carteira dobanco, resultado das cesses realizadas no 4T08. A carteira de crdito do Banco refletiu a poltica de maior seleo dasoperaes e menor ritmo da demanda de crdito tanto no segmento corporativo quanto no pessoal, recuando 9,5%.Outro ponto de destaque, foi o aumento do caixa livre. O Banco j possua a poltica de manter em caixa pelo menos20% do total dos depsitos a prazos, no entanto tendo em vista o novo contexto mundial, aumentou ainda mais origor na gesto do caixa contando com um volume maior de ativos de alta liquidez.OPERAES DE CRDITOComposio da CarteiraDesempenhoAs operaes de crdito encerraram o exerccio de 2008 totalizando R$ 1.110,5 milhes, apresentando uma reduode 8,3% sobre o mesmo perodo de 2007. Esta reduo justificada por: (i) maior seletividade das operaes, quandoo Banco optou em operar convnios com operaes mais rentveis; (ii) maior rigor na anlise do crdito, principalmentenaqueles que no so consignados; (iii) cesses de crditos consignados s outras instituies realizadas entre outubroe dezembro no valor total de R$ 340,1 milhes; (iv) e menor demanda de crditos no perodo. Com a acentuao dacrise e a sada de uma grande parte de investidores institucionais, a administrao do Paran Banco decidiu por umaestratgia mais conservadora garantindo a liquidez do banco no perodo de maior turbulncia.InadimplnciaO Banco dispe de uma carteira de crdito de alta qualidade. O conservadorismo na anlise de crdito aliado soperaes de crdito consignado - que possuem menor risco de inadimplncia - permite ao Banco manter umconfortvel histrico de inadimplncia. O quadro a seguir apresenta a classificao da carteira de crdito registrada nobalano por categoria de risco em 31 de dezembro de 2008 e 2007, sendo que a categoria AA representa o menorrisco de crdito e a categoria H representa risco elevado.

    Composio da carteira de crdito 2008 2007AA-C 96,3% 95,8%D-G 3,7% 2,4%H 2,7% 1,7%

    Ao final do exerccio de 2008, a categoria H representava apenas 2,7% da carteira, apresentando um aumento quandocomparada com os 1,7% registrados no exerccio de 2007. As cesses realizadas recentemente contriburam para oaumento dos ndices de inadimplncia sobre a carteira total consolidada, j que os crditos cedidos saem do balano,a proviso permanece, pois essas cesses esto na modalidade de com coobrigao. Adicionalmente, o Banco nocontrata seguro prestamista, pois o custo deste seguro muito superior ao custo do lanamento a prejuzo dos valoresno recebidos por morte ou acidente dos segurados.RATINGSO Paran Banco possui cobertura de quatro importantes agncias de ratings que corroboram a sua solidez e confortvelsituao econmico-financeira, fundamentado em um crescimento sustentvel.

    ATUAO DA EQUIPE DE RIO Paran Banco possui uma rea de relaes com investidores que busca constantemente manter uma postura pr-ativa com o objetivo de melhor atender as demandas do mercado, fortalecer a imagem e presena do Banco. No anode 2008, a equipe realizou trs road-shows internacionais, alm de uma reunio pblica com analistas (Apimec) no Riode Janeiro e uma em So Paulo e evento conjunto com empresas do sul do pas, o 2 Sul em Aes, uma reuniopblica aos interessados em conhecer as empresas participantes. Para 2009 j esto programadas mais 2 reuniesApimec e diversas reunies com analistas.Por meio da forte exposio ao mercado, o Paran Banco refora o objetivo de criao de valor aos seus acionistas, como intuito de trazer maior liquidez s suas aes, com transparncia nas divulgaes dos resultados e na conduo dosnegcios.Divulgao das InformaesEm 4 de fevereiro de 2009, o Conselho de Administrao autorizou a Diretoria do Banco a divulgar as informaesfinanceiras, a partir do dia 5 de fevereiro de 2009.Auditores IndependentesEm atendimento Instruo CVM n 381, o Banco e as empresas controladas no contrataram e nem tiveram serviosprestados pela KPMG Auditores Independentes relacionados a essas empresas que no os servios de auditoria externa.A poltica adotada atende aos princpios que preservam a independncia do auditor, de acordo com os critriosinternacionalmente aceitos, quais sejam, o auditor no deve auditar o seu prprio trabalho nem exercer funesgerenciais no seu cliente ou promover os interesses deste.AgradecimentosAgradecemos aos nossos acionistas, clientes e parceiros de negcios pela confiana demonstrada ao longo do tempo,e aos Diretores, Conselheiros, funcionrios e colaboradores, pelos esforos, competncia, lealdade e dedicao frenteaos desafios passados e do futuro.

    Joel MalucelliPresidente do Conselho de Administrao

    Operaes de CrditoConsolidado (R$ Milhes)

    1.400

    800

    400

    0

    648

    1.1101.211

    2006 2007 2008

    600

    200

    1.0001.200

    Ativo TotalConsolidado (R$ Milhes)

    2.000

    500

    0

    824

    1.9981.724

    2006 2007 2008

    1.000

    1.500

    Evoluo do PatrimnioLquido Consolidado (R$ Milhes)

    1.000

    400

    0

    153

    810747

    2006 2007 2008

    600800

    200

    Lucro Lquido Consolidado(R$ Milhes)

    100

    200

    84

    68

    2006 2007 2008

    4060

    44

    80

    RATING RATING

    RATING/RANKING RATING

    Baixo Risco de Crditopara Mdio prazo

    A-Baixo Risco de Crdito

    brBBB+Baixo Risco de Crdito

    ABaixo Risco de Crdito

    SETEMBRO 2008 FEVEREIRO 2008

    SETEMBRO 2008 JUNHO 2008

    9,82

    PPAARRAANN BBAANNCCOO SS..AA..BBaannccoo MMlltt iipplloo ccoonnffoorrmmee oo cceerr ttiiffiiccaaddoo ddee 2211//0066//8899CNPJ n 14.388.334/0001-99Companhia Aberta de Capital Autorizado

  • Demonstraes dos Fluxos de Caixa - Mtodo indiretoExerccios findos em 31 de dezembro de 2008 e 2007 (Em milhares de reais)

    Demonstraes das Mutaes do Patrimnio Lquido (Banco)Exerccios findos em 31 de dezembro de 2008 e 2007 (Em milhares de reais)

    Notas Explicativas s Demonstraes FinanceirasExerccios findos em 31 de dezembro de 2008 e 2007 (Em milhares de reais)

    Reserva decapital Ajuste ao valor

    Aumento de Atualizao de mercado -Capital capital em de ttulos Reservas de lucros Ttulos e valores Aes em Lucrossocial aprovao patrimoniais Legal Estatutrias mobilirios tesouraria acumulados Total

    Saldos em 1 de julho de 2008 763.867 265 6.415 71.875 (18) (35.023) 807.381Aquisio de aes em tesouraria (19.489) (19.489)Cancelamento de aes em tesouraria (36.726) 36.726 Ajustes de avaliao patrimonial - Ttulos disponveis para venda (106) (106)Lucro lquido do semestre 35.534 35.534Destinaes

    Reserva legal 943 (943) Juros sobre o capital prprio (16.671) (16.671)Reserva para integridade do patrimnio lquido 17.920 (17.920)

    Saldos em 31 de dezembro de 2008 763.867 265 7.358 53.069 (124) (17.786) 806.649Mutaes do semestre 943 (18.806) (106) 17.237 (732)

    Saldos de abertura em 1 de janeiro de 2008 699.851 177 5.502 54.527 21 (10.442) 749.636Aumento de capital 64.016 64.016Homologao do aumento de capital 64.016 (64.016) Aquisio de aes em tesouraria (44.070) (44.070)Cancelamento de aes em tesouraria (36.726) 36.726 Atualizao de ttulos patrimoniais 88 88Ajustes de avaliao patrimonial - Ttulos disponveis para venda (145) (145)Lucro lquido do exerccio 78.513 78.513Destinaes

    Reserva legal 1.856 (1.856) Juros sobre o capital prprio (41.389) (41.389)Reserva para integridade do patrimnio lquido 35.268 (35.268)

    Saldos em 31 de dezembro de 2008 763.867 265 7.358 53.069 (124) (17.786) 806.649Mutaes do exerccio 64.016 88 1.856 (1.458) (145) (7.344) 57.013

    Saldos em 31 de dezembro de 2006 100.000 123 9.732 49.080 (9) 158.926Ajuste de mudana de prtica contbil (nota 3.m) (24.505) 24.505 Saldos de abertura em 1 de janeiro de 2007 100.000 123 9.732 24.575 (9) 24.505 158.926Aumento de capital 599.851 (7.425) (24.575) 567.851Homologao do aumento de capital 599.851 (599.851) Aquisio de aes em tesouraria (10.442) (10.442)Atualizao de ttulos patrimoniais 54 54Ajustes de avaliao patrimonial - Ttulos disponveis para venda 30 30Lucro lquido do exerccio 63.899 63.899Destinaes

    Reserva legal 3.195 (3.195) Juros sobre o capital prprio (30.682) (30.682)Reserva para integridade do patrimnio lquido 54.527 (54.527)

    Saldos em 31 de dezembro de 2007 699.851 177 5.502 54.527 21 (10.442) 749.636Mutaes do exerccio 599.851 54 (4.230) 29.952 30 (10.442) (24.505) 590.710

    As notas explicativas so parte integrante das demonstraes financeiras

    1. Contexto operacionalO Paran Banco S.A. (Banco) um banco mltiplo e tem por objeto social a prtica de operaes ativas,passivas e acessrias inerentes s carteiras comercial e de crdito, financiamento e investimento e adminis-trao de carto de crdito. Por meio de suas controladas indiretas, atua tambm, nas operaes de segu-ros e resseguros em ramos elementares e de danos, operando principalmente nos ramos de garantias deobrigaes contratuais, nos quais especializado.

    2. Apresentao das demonstraes financeirasAs demonstraes financeiras do Banco e as demonstraes financeiras consolidadas, as quais abrangemas demonstraes financeiras do Banco, suas controladas, do Fundo de Investimento em DireitosCreditrios Paran Banco I e do Fundo de Investimento em Direitos Creditrios Paran Banco II (FIDCs),foram elaboradas com base nas prticas contbeis emanadas da legislao societria, associadas s normase instrues do Conselho Monetrio Nacional (CMN), do Banco Central do Brasil (BACEN), daComisso de Valores Mobilirios (CVM), do Conselho Nacional de Seguros Privados - (CNSP), da SUSEP -Superintendncia de Seguros Privados e do Comit de Pronunciamentos Contbeis (CPC), quando aplic-vel. Para a elaborao dessas demonstraes financeiras consolidadas, foram eliminadas as participaes deuma empresa em outra, os saldos das contas patrimoniais, as receitas, as despesas e os lucros no realiza-dos entre as empresas. As participaes de acionistas minoritrios no patrimnio lquido e no resultado dascontroladas foram apresentados separadamente no balano patrimonial consolidado e no resultado con-solidado do exerccio, respectivamente, quando aplicvel. Os gastos com desenvolvimento de software,classificados no Banco como Ativo Diferido e os saldos de Resultados de exerccios futuros foram reclassifi-cados para contas de Ativo Intangvel e Outras Obrigaes, respectivamente. No exerccio de 2008 ocorreua aquisio do controle acionrio da J. Malucelli Seguradora S.A. e a constituio, por meio da controladaJ. Malucelli Participaes em Seguros e Resseguros S.A., da J. Malucelli Resseguradora S.A., portanto a an-lise comparativa das demonstraes financeiras consolidadas deve levar em considerao esses fatos.Destacamos as principais empresas includas na consolidao e as participaes detidas pelo Banco:

    2008% de

    Controladas Ativo Passivo Resultado participaoJ. Malucelli Seguradora S.A. (a) 274.034 191.225 17.322 100,00(*)J. Malucelli Resseguradora S.A. (b) 160.249 85.779 4.470 100,00(*)Tresor Holdings S.A. (c) 12.743 45 2.597 100,00Porto de Cima Holding Ltda. (c) 120.014 14.724 100,00Paran Administradora de Consrcio Ltda. (d) 396 128 16 99,99J. Malucelli Vida e Previdncia S.A. (e) 18.209 642 1.127 99,99J. Malucelli Agenciamento e Servios Ltda. (f) 2.219 2.330 (121) 99,99J. Malucelli Participaesem Seguros e Resseguros S.A. (g) 74.470 4.470 100,00Fundo de Investimento em Direitos CreditriosFundo de Investimento em Direitos CreditriosParan Banco I (h) 74.699 26 8.520

    Fundo de Investimento em Direitos CreditriosParan Banco II (h) 110.425 39 (4.031)

    (*) participao indireta2007

    % de Controladas Ativo Passivo Resultado participaoTresor Holdings S.A. (c) 10.784 45 1.468 100,00Paran Administradora de Consrcio Ltda. (d) 382 131 27 99,99J. Malucelli Vida e Previdncia S.A. (e) 8.034 195 439 99,99J. Malucelli Agenciamento e Servios Ltda. (f) 5.846 5.837 45 99,98Porto de Cima Holding Ltda. (c) 41.274 2.475 100,00Fundo de Investimento em Direitos CreditriosFundo de Investimento em Direitos CreditriosParan Banco I (h) 148.166 40 9.629

    Fundo de Investimento em Direitos CreditriosParan Banco II (h) 142.026 45 38

    (a) Tem por objetivo social, as operaes de seguros e cosseguros de danos, operando principalmente noramo de garantia de obrigaes contratuais, no qual especializada. A aquisio do controle acionrioocorreu em 15 de janeiro de 2008 e, portanto, essa empresa passou a ser includa na consolidao apartir dessa data.

    (b) Tem por objetivo social efetuar operaes de resseguros e retrocesso no segmento de ramos de danos,operando principalmente no ramo de garantia de obrigaes contratuais. As operaes dessa empresativeram incio em 23 de maio de 2008.

    (c) Empresas holding do investimento na controlada indireta J. Malucelli Seguradora S.A. (d) Investimento adquirido em 4 de abril de 2006; a empresa encontra-se inativa. (e) Empresa constituda em 17 de outubro de 2006 e homologada conforme Portaria n 2.731 de

    13 de agosto de 2007 da Superintendncia de seguros Privados - SUSEP. A empresa encontra-se emfase pr-operacional.

    (f) Empresa adquirida em 28 de dezembro de 2007. Essa empresa opera na prestao de servios de asses-soria e controle das operaes de desconto em folha, no controle e implantao de correspondentesfranqueados do Banco e fornece estrutura prpria de atendimento ao pblico nas localidades de interesse do Banco.

    (g) Empresa holding do investimento na controlada indireta J. Malucelli Resseguradora S.A. Essa empresapassou a operar a partir de 2 de junho de 2008.

    (h) Participao representada por 100% das cotas subordinadas dos FIDCs, que para fins de apresentaodessas demonstraes financeiras foram consolidadas em atendimento Instruo n 408 da CVM einterpretao contida no Ofcio Circular CVM/SNC/SEP n 01/2007. Portanto, os lucros no realizadosreferentes s cesses de crdito do Banco para o FIDCs, foram eliminados na consolidao, conforme demonstrado na reconciliao abaixo. Esses FIDCs foram consolidados em razo do Bancoexercer controle operacional sobre os crditos cedidos ao Fundo. As parcelas do patrimnio lquido e lucro do exerccio correspondentes participao de terceiros nosFIDCs, nos montantes de R$ 123.864 e R$ 21.734 (R$ 210.325 e R$ 23.889 em 2007), respectivamente,esto apresentadas em depsitos a prazo e em despesas de captao no mercado, respectivamente. A reconciliao do patrimnio lquido em 31 de dezembro de 2008 e 2007 e do lucro lquido dos exerccios findos naquelas datas apresentados nas demonstraes financeiras individuais e consolidadasdo Banco apresentada como segue:

    2008 2007Patrimnio Lucro Patrimnio Lucro

    lquido lquido lquido lquidoIndividual 806.649 78.513 749.636 63.899Efeito da eliminao do resultado no realizado com os FIDCs, lquido dos impostos 3.081 5.614 (2.533) 3.880

    Consolidado 809.730 84.127 747.103 67.779

    3. Resumos das principais prticas contbeisa. Apurao do resultadoAs receitas e despesas foram reconhecidas pelo regime de competncia. As despesas de comisso pelaintermediao de operaes de crdito e de honorrios de agenciamento ou introduo de negcios soreconhecidas ao resultado com base no prazo de durao dos contratos de operaes de crdito. O saldodas comisses diferidas registrado em despesas antecipadas. As receitas com o ressarcimento de despe-sas de servios de terceiros, includas nos contratos de operaes de crdito, so reconhecidas em resulta-do com base no prazo de durao dos respectivos contratos. O saldo de receitas diferidas registrado nopassivo em Resultado de exerccios futuros no balano individual e reclassificado para Outras obriga-es - Diversas no balano consolidado. A contabilizao dos prmios de seguros e resseguros feita nadata de emisso das aplices. Os prmios de seguros e resseguros e as correspondentes despesas/receitasde comercializao so reconhecidos no resultado de acordo com o prazo de vigncia das aplices. Os pr-mios de seguros relativos a riscos vigentes, cujas aplices ainda no foram emitidas so calculados confor-me nota tcnica atuarial. As participaes nos lucros das aplices com resseguros cedidos a resseguradorasso registradas no ativo circulante e resultado do semestre, pelo prazo de vigncia das aplices, medidaque os resultados decorrentes do resseguro cedidos possam ser estimados com razovel segurana. b. Estimativas contbeisA elaborao de demonstraes financeiras de acordo com as prticas contbeis adotadas no Brasil requerque a Administrao use de julgamento na determinao e registro de estimativas contbeis. Ativos e pas-sivos significativos sujeitos a essas estimativas e premissas incluem a proviso para perdas com crditos,imposto de renda diferido ativo, proviso para contingncias e a valorizao a mercado de ttulos e valoresmobilirios, as participaes nos lucros de resseguros cedidos a resseguradoras e as provises tcnicas. A liquidao das transaes envolvendo essas estimativas poder resultar em valores diferentes dos estimados, devido a imprecises inerentes ao processo de sua determinao. A Administrao revisa as estimativas e premissas mensalmente. c. Aplicaes interfinanceiras de liquidezSo registradas pelo valor de aplicao ou aquisio acrescido dos rendimentos auferidos at a data dobalano e, quando aplicvel, deduzido de proviso para ajuste ao valor de mercado. d. Ttulos e valores mobiliriosConforme previsto na Circular BACEN n 3.068, de 8 de novembro de 2001, os ttulos e valores mobiliriosclassificados na categoria disponveis para venda foram avaliados pelo valor de aplicao, acrescido dosrendimentos auferidos at a data do balano e ajustados pelos seus respectivos valores de mercado, em contrapartida destacada conta do patrimnio lquido denominada Ajuste ao valor de mercado -Ttulos e valores mobilirios, lquido dos efeitos tributrios. e. Operaes de crdito, crdito das operaes com seguros e resseguros, depsitos a prazo,interfinanceiros e outras operaes ativas e passivasAs operaes com taxas pr-fixadas so registradas pelo valor de resgate e as receitas e despesas corres-pondentes a perodos futuros so registradas em conta redutora dos respectivos ativos e passivos. As ope-raes com taxas ps-fixadas esto atualizadas at a data do balano. As rendas das operaes de crditovencidas h mais de 60 dias, independentemente de seu nvel de risco, somente so reconhecidas comoreceita, quando efetivamente recebidas. O resultado nas cesses de crdito, com ou sem coobrigao, reconhecido integralmente no resultado do exerccio no momento de cada cesso, conforme determina-do pelo BACEN. No Consolidado as operaes de crdito para os FIDCs permanecem registrados em ope-raes de crdito e os respectivos rendimentos so reconhecidos pro-rata temporis at o data do balano.As despesas de comercializao diferidas so reconhecidas contabilmente pelo perodo de vigncia dasaplices e esto registradas na rubrica Outros valores e bens - despesas antecipadas. f. Proviso para perdas com crditosA proviso para perdas com crditos foi constituda em montante compatvel com a avaliao geral de riscode crdito, conforme anlise da Administrao e normas emanadas do Banco Central do Brasil, que esta-belece a criao de nove faixas de riscos, sendo AA (risco mnimo) e H (perda), e percentuais mnimos deprovisionamento para cada faixa. As operaes classificadas como nvel H, permanecem nessa classificao

    por seis meses, quando ento so baixadas contra a proviso existente e controladas, por cinco anos, em contas de compensao, no mais figurando em contas patrimoniais. As operaes renegociadas somantidas, no mnimo, no mesmo nvel em que estavam classificadas. As renegociaes de operaes decrdito que j haviam sido baixadas contra a proviso e que estavam em contas de compensao so clas-sificadas como H e os eventuais ganhos provenientes da renegociao somente so reconhecidos comoreceita, quando efetivamente recebidos. A proviso para perdas com crdito, considerada suficiente pelaAdministrao, atende ao requisito mnimo estabelecido nas normas anteriormente referidas. A provisopara perdas sobre crditos das operaes com seguros e resseguros foi constituda para fazer face s even-tuais perdas na realizao desses crditos. g. InvestimentosOs investimentos em controladas e coligada so avaliados pelo mtodo da equivalncia patrimonial acrescidos de gio, quando aplicvel. Os demais investimentos so avaliados pelo custo, deduzidos de proviso para perdas. No Consolidado, o gio de controladas foi reclassificado para o ativo intangvel (nota explicativa n 10). h. ImobilizadoDemonstrado pelo custo de aquisio, deduzido da depreciao acumulada. A depreciao calculadapelo mtodo linear, observando-se as seguintes taxas anuais: 4% para imveis de uso; 10% para mveis e equipamentos de uso; sistemas de comunicao e sistema de segurana; e 20% para sistema de processamento de dados. i. Outros passivos circulantes e exigveis a longo prazo relacionados s operaes de seguros e ressegurosDemonstrados pelos valores conhecidos ou calculveis, acrescidos, quando aplicvel, dos respectivos encargos e variaes monetrias incorridos, combinado com os seguintes aspectos: As receitas de comercializao diferidas so reconhecidas contabilmente pelo perodo de vigncia dasaplices e esto registradas na rubrica Dbito de operaes com seguros e resseguros. As provises tcnicas so constitudas de acordo com as determinaes do CNSP e da SUSEP, cujos critrios,parmetros e frmulas so documentadas em Notas Tcnicas Atuariais - NTA. A proviso de prmios no ganhos (PPNG) constituda pelo valor bruto dos prmios de seguro retidoscorrespondente ao perodo restante de cobertura do risco, calculada linearmente pelo mtodo pro ratadia. A PPNG inclui um valor que corresponde aos prmios estimados dos riscos vigentes, mas no emiti-dos (RVNE). Esta proviso est sendo constituda conforme clculo atuarial atendendo ao disposto naCircular n 356/2007; A proviso de insuficincia de prmios (PIP) calculada para cobrir possveis insuficincias da PPNG parafazer face aos compromissos futuros com os contratos de seguro em vigor. A PIP calculada de acordo commetodologia prpria descrita em nota tcnica atuarial. Para o exerccio findo em 31 de dezembro de 2008no havia proviso a constituir; A proviso de sinistros a liquidar (PSL) constituda por estimativa de valor a indenizar com base nos avi-sos de sinistros recebidos, e ajustada, periodicamente, com base nas anlises efetuadas pelas reas tcni-cas. A PSL inclui estimativa para cobrir o pagamento de indenizaes e custos associados, em decorrnciade disputas judiciais em curso a qual constituda com base nas notificaes de ajuizamento recebidas ede processos em fase de regulao de sinistros, at a data-base das demonstraes financeiras. Seu valor determinado com base nos critrios estabelecidos pela Resoluo CNSP n 162/2006 e alterada pelaResoluo CNSP n 181/2007; e A proviso de sinistros ocorridos mas no avisados (IBNR) para o ramo DPVAT constituda com base eminformaes recebidas do Consrcio DPVAT, administrado pela FENASEG, e leva em considerao os crit-rios estabelecidos pela Resoluo CNSP n 151/06. Sobre a proviso constituda so capitalizados encargosfinanceiros, os quais so registrados e classificados no grupo de despesas financeiras. j. Proviso para imposto de renda e contribuio social sobre o lucroA proviso para imposto de renda foi calculada alquota de 15% sobre o lucro tributvel, acrescida de adicional de 10% sobre o lucro tributvel excedente de R$ 240. A contribuio social foi calculada al-quota de 9% at 30 de abril de 2008 e, aps, 15% sobre o lucro antes do imposto de renda, ajustado naforma da legislao vigente, sobre o lucro antes do imposto de renda, ajustado na forma da legislaovigente. O montante adicional de crdito tributrio constitudo alquota de 15%, registrado ao resultado,no exerccio de 2008, foi de R$ 2.171. O imposto de renda e a contribuio social sobre as diferenas tem-porrias esto apresentados nas rubricas Outros crditos - Diversos e Outras obrigaes - Fiscais e previdencirias refletidos no resultado do exerccio ou, quando aplicvel, no patrimnio lquido e,constitudos nas mesmas alquotas descritas no pargrafo anterior. k. Saldos de operaes em moeda estrangeiraDemonstrados com base nas cotaes vigentes na data do balano. l. ProvisesUma proviso reconhecida no balano quando o Banco ou suas subsidirias possuem uma obrigao legalou constituda como resultado de um evento passado, e provvel que um recurso econmico seja requerido para saldar a obrigao. As provises so registradas tendo como base as melhores estimativasdo risco envolvido. m. Mudana de prtica contbilEm 2007, a Administrao do Banco decidiu, voluntariamente, pela mudana da prtica contbil do registro das comisses incidentes sobre a captao de emprstimos na modalidade de crdito pessoal consignado, por entender que essa mudana resulta numa melhor apresentao de suas demonstraesfinanceiras, alm de propiciar um alinhamento com as normas internacionais de contabilidade, as quaissero adotadas pelas instituies financeiras nas demonstraes financeiras consolidadas no Brasil a partir de 2010, e permitir a comparabilidade com a maioria dos bancos de porte semelhante ao seu e os bancos de capital aberto. O Banco registrava essas comisses integralmente em resultado, quando daconfirmao da operao de emprstimo, e passou a registrar as comisses no resultado pelo prazo dedurao dos emprstimos.

    4. Aplicaes interfinanceiras de liquidezRefere-se a operaes compromissadas e aplicaes em depsitos interfinanceiros, conforme segue:

    Banco Consolidado2008 2007 2008 2007

    Operaes compromissadas - Posio bancadaLetras Financeiras do Tesouro 70.560 5.601 72.211 18.505Letras do Tesouro Nacional 150.317 150.317Aplicaes em depsitos interfinanceiros 14.354 150.768 14.354 150.768Total 84.914 306.686 86.565 319.590

    5. Ttulos e valores mobilirios e instrumentos financeiros derivativosa. Ttulos e valores mobiliriosOs ttulos e valores mobilirios foram classificados na categoria disponveis para venda e encontram-seapresentados como segue:

    31 de dezembro de 2008De 6 Acima Ajuste no

    Sem At 6 meses de 1 Valor de Valor de patrimnioPapel vencimento meses a 1 ano ano mercado custo lquidoCarteira prpriaLFT (a.1) 254.959 254.959 255.154 (195)FIDCs 30.598 30.597 61.195 61.195 Vinculados acompromissode recompra

    LFT (a.1) 6.018 6.018 6.029 (11)Total - Banco 36.616 30.597 254.959 322.172 322.378 (206)Carteira prpriaLFT (a.1) 4.234 2.686 319.787 326.707 326.902 (195)CDB (a.2) 57.177 21.720 55.624 134.521 134.521 Outras aplicaes no IRB 75 75 75 Fundos de investimento 37.461 37.461 37.461 Vinculados acompromissode recompra

    LFT (a.1) 6.018 6.018 6.029 (11)Total - Consolidado 37.536 67.429 24.406 375.411 504.782 504.988 (206)Efeitos tributrios 82Ajuste lquido no patrimnio lquido - Banco e Consolidado (124)

    31 de dezembro de 2007Carteira prpriaLFT (a.1) 66.097 66.097 66.065 32FIDCs 37.638 37.638 4.492 79.768 79.768

    Total - Banco 37.638 37.638 70.589 145.865 145.833 32Carteira prpriaLFT (a.1) 67.267 67.267 67.235 32Fundos de investimento 9.339 9.339 9.339

    Total - Consolidado 9.339 67.267 76.606 76.574 32Efeitos tributrios (11)Ajuste lquido no patrimnio lquido - Banco e Consolidado 21(a.1) O valor de mercado dos ttulos pblicos federais obtido por meio da utilizao de preos divulgadospela ANDIMA - Associao Nacional das Instituies do Mercado Financeiro. (a.2) Os Certificados de dep-sitos bancrios (CDB) foram pactuados com taxas ps-fixadas que variam entre 102% e 115% do CDI(Certificado de Depsitos Interbancrios) e foram registrados pelo seu valor de aplicao, acrescido dos ren-dimentos auferidos at a data do balano. b. Instrumentos financeiros derivativos (Banco e Consolidado)Em 31 de dezembro de 2008 e 2007, a carteira de instrumentos financeiros derivativos formada inte-gralmente por contratos de swaps como demonstrado a seguir:

    2008Conta de Conta patrimonial -

    compensao Valor a receber (a pagar)Valor decusto/

    Valor de At De 1 a contbil Valor dePosio ativa referncia 1 ano 3 anos (b.1) mercado

    Moeda estrangeira - Dlar americano 85.418 5.065 5.065 7.534Posio passiva

    Mercado interfinanceiro - taxa ps (CDI) 80.353 (b.1) - operao registrada pelo valor de curva, considerando ser utilizada para hedge das captaes defixed rated notes - nota explicativa n 13.

    2007Conta de Conta patrimonial -

    compensao Valor a receber (a pagar)Ajuste a

    Valor de At De 1 a Valor de Valor de valor dePosio ativa referncia 1 ano 3 anos Mercado custo mercado

    Moeda estrangeira - Dlar americano 28.242

    Posio passivaMercado interfinanceiro

    taxa ps (CDI) 38.011 (9.769) (9.769) (9.341) (428)

    c. Poltica de utilizao, objetivos e estratgias dos instrumentos financeiros derivativosO Banco tem como poltica a eliminao de parte do risco de mercado, evitando assumir posies expostasa flutuaes nas taxas de cmbio e operando apenas instrumentos que permitam o controle de riscos. Oscontratos de derivativos esto representados por operaes de swap, envolvendo outras instituies finan-ceiras, os quais esto registrados na CETIP. Esses contratos so utilizados para hedge cambial de parte dacaptao por emisso de ttulos e valores mobilirios no exterior (fixed rate notes - nota explicativa n 13).A Administrao optou por contratar o hedge parcial dos contratos de fixed rated notes, considerandoas captaes com vencimento em 8 de agosto de 2011 por ter prazo superior h um ano e, tambm,entende que a marcao a mercado das operaes de swap em conjunto com a marcao a mercado dasfixed rate notes no tem efeito significado no resultado do Banco, conforme demonstrado no quadro deanlise de cenrios (nota explicativa n 22.f). O Banco no espera incorrer em perdas nessas operaes,alm do que j foi registrado nas demonstraes financeiras. d. Valores estimados de mercadoOs valores justos foram estimados na data das informaes anuais, baseados em informaes relevantesde mercado. Mudanas nas premissas e alteraes nas operaes do mercado financeiro podem afetarsignificativamente as estimativas apresentadas. Os mtodos e premissas adotados pelo Banco para estimara divulgao do valor justo de seus derivativos em 31 de dezembro de 2008 e 2007 est descrita abaixo:Swap de taxas de cmbio: Estimados com base nas cotaes de mercado para contratos com condiessimilares. Estes contratos no prevem pagamentos intermedirios antes da data de vencimento. O Bancono tem por objetivo liquidar estes contratos antes de seu vencimento.

    6. Operaes de crdito e proviso para perdas com operaes de crdito

    a. Composio da carteira por modalidade de crdito:Banco Consolidado

    2008 2007 2008 2007Cheque especial 763 763 Conta garantida 33.066 90.305 33.066 90.305Capital de giro 52.070 7.445 52.070 7.445Crdito pessoal parcelado 826.838 834.729 982.761 1.089.971Financiamentos - veculos 5.845 5.845 Financiamentos - outros 19.091 22.608 19.091 22.608Desconto de ttulos 690 690 Desconto de cheques 19 19 Carto de crdito consignado (a.1) 16.187 231 16.187 231Total 954.569 955.318 1.110.492 1.210.560(a.1) Valor de limite de crdito utilizado no formato crdito rotativo.b. Composio da carteira de crdito por faixas de vencimento, tipo de cliente e atividade econmica

    BancoCarteira Carteira a vencervencidaa partir Acima

    de 15 dias at 3 3 a 12 1 a 3 de 3 (b.1) meses meses anos anos Total 2007

    Indstria 63 11.025 1.718 12.806 10.034Comrcio 696 3.911 3.184 5.381 247 13.419 725Servios 667 27.367 46.109 21.594 341 96.078 88.795Pessoa fsica 97.389 63.111 162.659 370.825 138.282 832.266 855.764Total - 2008 98.815 105.414 213.670 397.800 138.870 954.569 955.318Total - 2007 78.519 93.663 343.706 366.634 72.796 955.318

    (b.1) Classificado no Ativo Circulante. Esses valores esto representados pelo saldo total com devedoresque possuem ao menos uma parcela em atraso.

    ConsolidadoCarteira Carteira a vencervencidaa partir Acima

    de 15 dias at 3 3 a 12 1 a 3 de 3(b.1) meses meses anos anos Total 2007

    Indstria 63 11.025 1.718 12.806 10.034Comrcio 696 3.911 3.184 5.381 247 13.419 725Servios 667 27.367 46.109 21.594 341 96.078 88.795Pessoa fsica 112.898 76.212 202.312 458.485 138.282 988.189 1.111.006Total - 2008 114.324 118.515 253.323 485.460 138.870 1.110.492 1.210.560Total - 2007 80.309 143.959 443.744 469.752 72.796 1.210.560

    (b.1) Classificado no Ativo Circulante. Esses valores esto representados pelo saldo total com devedoresque possuem ao menos uma parcela em atraso.

    Demonstraes do Valor AdicionadoExerccios findos em 31 de dezembro de 2008 e 2007 (Em milhares de reais)

    Banco ConsolidadoSegundosemestre Exerccio Exerccio

    2008 2008 2007 2008 2007Receitas 174.849 328.018 295.737 614.537 319.344

    Intermediao financeira 186.163 340.695 287.065 408.091 318.831Prestao de servios 3.179 7.747 9.646 58.019 10.046Proviso para crditos de liquidao duvidosa (19.264) (35.584) (27.492) (37.164) (36.391)Outras 4.771 15.160 26.518 185.591 26.858

    Despesas de intermediao financeira (74.292) (116.569) (77.121) (138.258) (100.664)Insumos adquiridos de terceiros (57.098) (116.733) (115.712) (214.430) (111.484)

    Materiais, energia e outros (1.910) (4.232) (5.033) (12.300) (5.413)Servios de terceiros (48.269) (100.165) (99.434) (180.568) (91.885)Outros (6.919) (12.336) (11.245) (21.562) (14.186)

    Valor adicionado bruto 43.459 94.716 102.904 261.849 107.196Depreciao, amortizao e exausto (239) (444) (311) (3.549) (322)Valor adicionado lquido produzido pela entidade 43.220 94.272 102.593 258.300 106.874

    Valor adicionado recebido em transferncia 11.387 22.814 4.606 (108.869) 3.948Resultado de equivalncia patrimonial 11.387 22.814 4.606 3.948Resultado com operaes

    de seguros e resseguros cedidos (108.869) Valor adicionado total a distribuir 54.607 117.086 107.199 149.431 110.822Distribuio do valor adicionado 54.607 117.086 107.199 149.431 110.822

    Pessoal 10.511 18.886 12.422 31.719 12.444Remunerao direta 8.494 15.143 9.369 25.245 9.384Benefcios 1.462 2.715 2.289 4.735 2.293F.G.T.S. 352 627 440 1.299 440Outros 203 401 324 440 327

    Impostos, taxas e contribuies 8.347 19.052 30.683 31.601 30.031Federais 8.188 18.665 30.201 30.513 29.468Municipais 159 387 482 1.088 563

    Remunerao de capitais de terceiros 215 635 196 1.984 570Aluguel 215 635 196 1.984 570

    Remunerao de capital prprio 35.534 78.513 63.898 84.127 67.777Juros sobre o capital prprio 16.671 41.389 30.682 41.389 30.682Dividendos 638Lucros retidos 18.863 37.124 33.216 42.738 36.457

    As notas explicativas so parte integrante das demonstraes financeiras

    Banco ConsolidadoSegundosemestre Exerccio Exerccio

    2008 2008 2007 2008 2007Fluxos de caixa das atividades operacionaisLucro lquido ajustado do exerccio/semestre 43.356 82.310 74.143 115.813 89.415

    Lucro lquido do exerccio/semestre 35.534 78.513 63.899 84.127 67.779Ajustes ao lucro lquido:

    Depreciaes e amortizaes 239 444 311 3.549 322Resultado de equivalncia patrimonial (11.387) (22.814) (4.606) (3.948)Proviso para perdas com crditos 19.264 35.584 27.492 37.164 36.391Imposto de renda e contribuiosocial diferidos (4.236) (9.417) (12.955) (9.027) (11.128)

    Resultado de exerccios futuros 3.942 2 Variao na participao minoritria (1)

    Variaes dos ativos e obrigaes 132.702 (133.577) (588.578) (173.551) (711.243)Ajustes de avaliao patrimonial

    - Ttulos disponveis para venda (106) (145) 30 (145) 30(Aumento) Reduo em

    aplicaes interfinanceiras de liquidez 706 120.378 (120.582) 131.631 (130.185)(Aumento) Reduo em ttulos

    e valores mobilirios (76.384) (181.372) (62.475) (399.385) (27.532)(Aumento) Reduo em relaes

    interfinanceiras (ativos/passivos) 627 1 (2) 1 (2)(Aumento) Reduo em operaes de crdito 213.182 (21.582) (454.705) 73.730 (585.294)(Aumento) Reduo em outros crditos 12.492 (3.014) 10.572 (134.417) 3.053(Aumento) Reduo em outros valores e bens 11.656 (501) (22.514) 4.362 (33.599)Aumento (Reduo) em instrumentos

    financeiros derivativos (8.263) (9.769) 3.578 (9.769) 3.578Aumento (Reduo) em outras obrigaes (21.208) (37.573) 57.520 160.441 58.708

    Disponibilidades lquidas aplicadas (geradas) nas atividades operacionais 176.058 (51.267) (514.435) (57.738) (621.828)

    Fluxos de caixa das atividades de investimentosAlienao de participao societria em controlada 2.655 Dividendos recebidos 638 1.136 610Reduo de capital de controlada 25.827 Alienao de imobilizado de uso 5 5 10 5Aquisio de outros investimentos (3) (1.117) (3)Aquisio de investimentos (142.616) (38.804) (38.779)Aquisio de imobilizado de uso (327) (867) (643) (2.576) (1.414)Aplicao no diferido (149) (386) (224) (9.044) (224)

    Disponibilidades lquidas geradas (aplicadas) nas atividades de investimentos (476) (143.226) (10.051) (12.727) (39.805)

    Fluxos de caixa das atividades de financiamentosAumento (reduo) em depsitos (216.908) 69.013 179.970 (17.659) 310.805Aumento (reduo)

    em captaes no mercado aberto 4.139 4.612 (20.965) 4.612 (20.965)Aumento (reduo) em recursos

    de aceites e emisso de ttulos 56.413 40.759 (45.549) 40.759 (45.549)Juros sobre o capital prprio (16.671) (41.389) (30.682) (41.389) (30.682)Aquisio lquida de aes em tesouraria (19.489) (44.070) (10.442) (44.070) (10.442)Recursos de acionistas 64.016 567.851 64.016 567.851

    Disponibilidades lquidas geradas pelas atividades de financiamentos (192.516) 92.941 640.183 6.269 771.018

    Aumento (reduo) de caixa e equivalentes de caixa (16.934) (101.552) 115.697 (64.196) 109.385Caixa e equivalentes de caixa

    no incio do exerccio/semestre 101.662 186.280 70.583 190.027 80.642Caixa e equivalentes de caixa

    no final do exerccio/semestre 84.728 84.728 186.280 125.831 190.027As notas explicativas so parte integrante das demonstraes financeiras

    PPAARRAANN BBAANNCCOO SS..AA..BBaannccoo MMllttiipplloo ccoonnffoorrmmee oo cceerrtt iiffiiccaaddoo ddee 2211//0066//8899CNPJ n 14.388.334/0001-99Companhia Aberta de Capital Autorizado

  • Notas Explicativas s Demonstraes FinanceirasExerccios findos em 31 de dezembro de 2008 e 2007 (Em milhares de reais)

    c. Composio da carteira de crdito por nvel de riscoBanco

    2008 2007Atraso % de Total Valor da Total Valor da

    Nvel Situao em dias proviso geral proviso geral ProvisoAA Normal A Normal 0,50 712.891 3.565 800.368 4.002B Normal 96.441 964 43.848 438

    Vencido De 15 a 30 1,00 32.886 329 26.037 260C Normal 41.697 1.251 29.173 875

    Vencido De 31 a 60 3,00 15.938 478 15.631 469D Normal 1.727 173 1.311 131

    Vencido De 61 a 90 10,00 10.843 1.084 9.902 990E Normal 546 164 366 110

    Vencido De 91 a 120 30,00 10.137 3.041 5.671 1.701F Normal 570 285 321 160

    Vencido De 121 a 150 50,00 5.268 2.634 3.707 1.853G Normal 252 176 181 127

    Vencido De 151 a 180 70,00 4.176 2.923 2.998 2.099H Normal 1.630 1.630 1.231 1.231

    Vencido Acima de 180 (c.1) 100,00 19.567 19.567 14.573 14.573Total geral 954.569 38.264 955.318 29.019

    (c.1) - Inclui 100% de proviso sobre o total das operaes realizadas de forma indevida, envolvendo oconvnio com a Prefeitura do Municpio de Itaperau no montante de R$ 927.

    Consolidado2008 2007

    Atraso % de Total Valor da Total Valor daNvel Situao em dias Proviso geral proviso geral provisoAA Normal A Normal 0,50 843.619 3.601 1.030.779 6.344B Normal 98.821 988 54.531 545

    Vencido De 15 a 30 1,00 36.320 363 26.978 270C Normal 42.978 1.289 31.917 958

    Vencido De 31 a 60 3,00 17.933 538 15.910 477D Normal 2.801 280 3.053 305

    Vencido De 61 a 90 10,00 13.020 1.302 10.106 1.011E Normal 1.268 380 1.422 427

    Vencido De 91 a 120 30,00 11.239 3.372 5.812 1.744F Normal 1.261 631 1.216 608

    Vencido De 121 a 150 50,00 6.135 3.068 3.799 1.900G Normal 706 494 876 613

    Vencido De 151 a 180 70,00 4.689 3.282 2.998 2.099H Normal 4.714 4.714 6.457 6.457

    Vencido Acima de 180 (c.1) 100,00 24.988 24.988 14.706 14.706Total geral 1.110.492 49.290 1.210.560 38.464

    (c.1) - Inclu 100% de proviso sobre o total das operaes realizadas de forma indevida, envolvendo oconvnio com a Prefeitura do Municpio de Itaperau no montante de R$ 927.

    d. Movimentao da proviso para perdas com operaes de crditoBanco Consolidado

    2008 2007 2008 2007Saldo inicial 29.019 24.024 38.464 24.569Constituio 35.584 27.492 37.164 36.391Baixas (26.339) (22.497) (26.338) (22.496)Saldo final 38.264 29.019 49.290 38.464Recuperao de crditos baixados 6.229 4.042 6.229 4.042A proviso para perdas com crditos cedidos com coobrigao no montante de R$ 2.179 est apresenta-da em Outras obrigaes - diversas.

    e. Concentrao de crditos e risco de crdito:Banco Consolidado

    2008 2007 2008 2007Dez maiores devedores 86.444 92.527 86.444 92.527Percentual do total da carteira de operaes de crdito 9,06% 9,69% 7,78% 7,64%Cinqenta maiores devedores seguintes 25.174 7.391 25.174 7.391Percentual do total da carteira de operaes de crdito 2,64% 0,77% 2,27% 0,61%

    f. Crditos renegociados e refinanciadosO saldo dos crditos refinanciados e renegociados em 31 de dezembro de 2008 era de R$ 506.170 (R$ 257.043 em 2007). O saldo apresentado foi apurado com base nos critrios descritos na ResoluoBACEN 2.682/99, que considera como renegociao qualquer acordo ou alterao nos prazos de vencimento e nas condies de pagamento originalmente pactuadas.

    9. Participao em controladas no Pas

    BancoParan J. Malucelli Porto de J. Malucelli J. Malucelli

    Tresor Administradora Vida e Cima Agenciamento ParticipaesHoldings de Consrcio Previdncia Holding e Servios em Seguros

    S.A. Ltda. S.A. Ltda. Ltda. e Resseguros S.A.Em 31 de dezembro de 2008 (a) (b) (c) (d) (e) (f) Total

    Informaes sobre as controladasNmero de quotas/aes do capital (em milhares) 39 13.212 16.000 102.815 5 70.000Patrimnio lquido 12.697 268 17.567 120.014 (111) 74.470Lucro lquido (prejuzo) do exerccio 2.597 16 1.128 14.724 (121) 4.470

    Informaes sobre os investimentos nas controladasNmero de quotas/aes possudas (em milhares) 39 13.211 15.999 102.815 5 70.000Percentual de participao 100,00% 99,99% 99,99% 100,00% 99,98% 100,00%

    Valor da movimentao das contasSaldos iniciais 10.739 251 7.838 41.274 9 60.111 Aquisio de investimentos 8.600 64.016 70.000 142.616 Resultado de equivalncia patrimonial - operacional 2.597 16 1.127 14.724 (120) 4.470 22.814 Dividendos (638) (638)

    Saldo das participaes 12.698 267 17.565 120.014 (111) 74.470 224.903 Saldos com o Banco

    Ativos 10 377 7 1 268 Receitas 25 11.962

    Principais saldos de balano e resultadoAtivosDisponibilidades 10 3 7 1 291

    Aplicaes financeiras 377 17.618 Investimento em controlada 12.421 67.896 74.470 Investimento em controlada - gio 49.625 Outros 311 16 584 1.928

    Passivos (45) (128) (642) (2.330) Patrimnio lquido 12.697 268 17.567 120.014 (111) 74.470Receitas 2.597 25 1.904 14.724 12.140 4.470 Despesas (9) (777) (12.261)

    (a) Empresa holding do investimento de 15% das aes ordinrias na controlada J Malucelli Seguradora S.A. O clculo de equivalncia na Seguradora foi feito com base nas demonstraes financeiras de 31 de dezem-bro de 2008, cujos principais saldos so: (1) quantidade de aes possudas - 1.264.140 aes ordinrias; (2) patrimnio lquido - R$ 82.809; (3) lucro lquido do exerccio - R$ 17.322; (4) valor do investimento - R$ 12.421; (5) resultado de equivalncia patrimonial - R$ 2.597. (b) Investimento adquirido em 4 de abril de 2006; a empresa encontra-se inativa. (c) Empresa constituda em 17 de outubro de 2006, e homologadaconforme Portaria n 2.731 de 13 de agosto de 2007 da Superintendncia de Seguros Privados - SUSEP. A empresa encontra-se em fase pr-operacional. (d) Empresa holding do investimento de 85% das aes ordi-nrias na controlada J Malucelli Seguradora S.A. O clculo de equivalncia na Seguradora foi feito com base nas demonstraes financeiras de 31 de dezembro de 2008, cujos principais saldos so: (1) quantidade deaes possudas - 7.163.457 aes ordinrias; (2) patrimnio lquido - R$ 82.809; (3) lucro lquido no exerccio - R$ 17.322; (4) valor do investimento - R$ 120.013; (5) resultado de equivalncia patrimonial - R$ 14.724.O gio apurado na aquisio deste investimento refere-se diferena entre o valor da emisso das aes do Banco provenientes do exerccio de subscrio do primeiro e segundo bnus exercido pela AdventInternational em 29 de agosto de 2007 e em 15 de janeiro de 2008, e o valor contbil das aes da Seguradora em 31 de julho de 2007. (e) Empresa adquirida em 28 de dezembro de 2007. Essa empresa opera naprestao de servios de assessoria e controle das operaes de desconto em folha, no controle e implantao de correspondentes franqueados do Banco e fornece estrutura prpria de atendimento ao pblico naslocalidades de interesse do Banco. Para fins de apresentao, esse investimento est classificado em Proviso para Perdas.(f) Empresa holding do investimento na controlada indireta J. Malucelli Resseguradora S.A. Essa empresa passou a operar a partir de 2 de junho de 2008.

    BancoTresor Paran J. Malucelli J. Malucelli J. Malucelli J. Malucelli

    Holdings Administradora de J. Malucelli Vida e Consultoria DTVM Porto de Cima Agenciamento eS.A. (a) Consrcios Ltda. (b) Previdncia S.A. (c) Empresarial S.A. (d) Ltda. (e) Holding Ltda. (f) Servios Ltda. (g) Total

    Em 31 de dezembro de 2007Informaes sobre as controladasNmero de quotas/aes do capital (em milhares) 39 13.212 7.400 38.799 5 Patrimnio lquido 10.739 251 7.839 41.274 9 Lucro lquido do exerccio 1.468 27 439 2.475 45 Informaes sobre os investimentos nas controladas

    Nmero de quotas/aes possudas (em milhares) 39 13.211 7.399 38.799 5 Percentual de participao 100,00% 99,99% 99,99% 100,00% 99,98%

    Valor da movimentao das contasSaldos iniciais 35.737 224 7.399 5 2.955 46.320Aquisio de investimentos 38.799 5 38.804 Baixa de investimento (5) (2.650) (2.655)Reduo de capital (25.827) (25.827)Resultado de equivalncia patrimonial - operacional 1.469 27 439 192 2.475 4 4.606 Dividendos (640) (497) (1.137)

    Saldo das participaes 10.739 251 7.838 41.274 9 60.111 Saldos com o BancoAtivos 649 374 8 1 2.238 Receitas 295 44 1.735 Principais saldos de balano e resultadoAtivos

    Disponibilidades 649 3 8 1 61 Aplicaes financeiras 374 7.826 Investimento em coligada 9.823 26.195 Investimento em coligada - gio 15.078 Outros 312 5 200 5.785

    Passivos (45) (131) (195) (5.837)Patrimnio lquido 10.739 251 7.839 41.274 9 Receitas 1.622 56 760 2.622 1.991 Despesas (154) (29) (321) (147) (1.946)

    (a) Empresa holding do investimento de 30% das aes ordinrias (equivalente a 15% do capital) na coligada J Malucelli Seguradora S.A. O clculo de equivalncia na Seguradora foi feito com base nas demonstraesfinanceiras de 31 de dezembro de 2007, cujos principais saldos so: (1) quantidade de aes possudas - 1.264.139 aes ordinrias; (2) patrimnio lquido - R$ 65.487; (3) lucro lquido do exerccio - R$ 11.897; (4) valor do investimento - R$ 9.823; (5) resultado de equivalncia patrimonial - R$ 1.327. (b) Investimento adquirido em 4 de abril de 2006; a empresa encontra-se inativa. (c) Empresa constituda em 17 de outubro de 2006, e homologada conforme Portaria n 2.731 de 13 de agosto de 2007 da Superintendncia de Seguros Privados - SUSEP. A empresa encontra-se em fase pr-operacional. (d) Investimento adquirido em 4 de setembro de 2006; e alienado em 1 de fevereiro de 2007. (e) Opera substancialmente na administrao de fundos de investimentos. Empresa foi alienada em 16 de fevereiro de 2007, para os acionistas do Banco, pelo valor contbil de R$ 2.650, portanto no apurouresultado nessa transao. (f) Empresa holding do investimento de 19% das aes ordinrias e 61% das aes preferenciais (equivalentes a 40% do capital) na coligada J Malucelli Seguradora S.A. O clculo de equivalncia na Seguradora foifeito com base nas demonstraes financeiras de 31 de dezembro de 2007, cujos principais saldos so: (1) quantidade de aes possudas - 800.622 aes ordinrias e 2.570.418 aes preferenciais; (2) patrimniolquido - R$ 65.487; (3) lucro lquido no exerccio - R$ 11.897; (4) valor do investimento - R$ 41.273; (5) resultado de equivalncia patrimonial - R$ 2.622. O gio apurado na aquisio deste investimento refere-se diferena entre o valor da emisso das aes do Banco provenientes do exerccio de subscrio do primeiro bnus exercido pela Advent International em 29 de agosto de 2007, e o valor contbil das aes da Seguradoraem 31 de julho de 2007. (g) Empresa adquirida em 28 de dezembro de 2007. Essa empresa opera na prestao de servios de assessoria e controle das operaes de desconto em folha, no controle e implantao de correspondentes franqueadosdo Banco e fornece estrutura prpria de atendimento ao pblico nas localidades de interesse do Banco.

    g. Cesso de crditosO Banco cedeu a outras instituies financeiras, por meio de contrato de cesso de crdito com coobriga-o, valores a receber decorrentes de financiamentos concedidos sob a modalidade de crdito pessoal con-signado, no montante de R$ 340.136 (R$ 20.079 em 2007), apurando um resultado bruto de R$ 5.898(R$ 2.292 em 2007) ou R$ 3.539 (R$ 2.336 em 2007) lquido dos efeitos tributrios, registrados nas rubri-cas de receitas com operaes de crdito no montante de R$ 29.242 (R$ 3.093 em 2007) e outras despe-sas administrativas - Comisses e corretagens no valor de R$ 23.344 (R$ 801 em 2007). O saldo em aber-to dessas cesses, em 31 de dezembro de 2008, era de R$ 292.233 (R$ 42.417 em 2007). Adicionalmente,o Banco cedeu aos FIDCs por meio de contrato de cesso de crdito sem coobrigao, valores decorrentesde financiamentos concedidos sob a modalidade de crdito pessoal consignado, no montante de R$ 194.565 (R$ 353.731 em 2007), apurando um ganho de R$ 7.012 (R$ 36.702 em 2007), registrado emreceitas com operaes de crdito. No Consolidado, a carteira cedida aos FIDCs permanece registrada emoperaes de crdito e os respectivos rendimentos so reconhecidos pro-rata temporis at a data do balan-o. Foram firmados acordos de cooperao para cesso de crditos com outras instituies financeiras, por perodos diversos, com valor mximo de at R$ 880.000. O saldo disponvel no utilizado desses acordos em 31 de dezembro de 2008 era de R$ 457.114 (R$ 246.640 em 2007).

    7. Crdito das operaes com seguros e resseguros - Consolidado

    2008Prmios a receber (a)Garantia financeira 1.886Garantia obrigaes privadas 14.956Garantia obrigaes pblicas 63.200Garantia concesses pblicas 9.461Garantia judicial 38.866Crdito domstico risco comercial 421Retrocesso 1Subtotal 128.791Participao nos lucros de resseguro cedido 10.828Outros crditos operacionais 2.079Total 141.698Circulante 109.632Exigvel a longo prazo 32.066

    (a) Os prmios a receber contemplam os prmios de seguros e resseguros de emisso direta e cosseguroaceito, bem como as operaes de retrocesso.

    8. Outros crditos - diversos

    Banco ConsolidadoCirculante 2008 2007 2008 2007Imposto de renda e contribuio social antecipados 8.981 Imposto de renda e contribuio social diferidos 3.064 1.629 3.652 5.211Outros impostos diferidos 72 514Faturados a vencer - Mastercard (a) 4.337 179 4.337 179Crditos de convnios (b) 3.293 2.840 3.293 2.840Impostos a recuperar 1.646 3.106 541Devedores diversos outras instituies 203 720 203 720Outros crditos 803 896 985 980Total 13.346 6.264 24.629 10.985(a) Refere-se a valores a receber, por faturamento emitido aos titulares de cartes de crdito. Esse valorrepresenta a soma das faturas do ms, cujo saldo pode ser liquidado pelo valor total ou mnimo e, nesse caso, financiado como crdito rotativo. (b) Refere-se a valores repassados pelos rgos conveniados,correspondentes a parcelas baixadas de emprstimos, a serem compensados com os valores pendentes deregularizao apresentados no passivo circulante.

    Banco ConsolidadoRealizvel a longo prazo 2008 2007 2008 2007Imposto de renda e contribuio social diferidos 11.929 6.520 12.684 8.947Depsitos judiciais 1.565 1.616 1.565 1.616Crditos com pessoas ligadas 2.906Outros impostos diferidos 92 348Outros 88 2Total 13.494 8.136 14.429 13.819

    10. Diferido e Intangvel

    Banco e ConsolidadoTaxa anual de 2008 2007amortizao Custo de Amortizao Custo de Amortizao

    Diferido (%) aquisio acumulada aquisio acumuladaBenfeitorias em imveisde terceiros 20 109 (91) 109 (82)

    Outros gastos diferidos 20 1.144 (418) 759 (342)Total - Banco 1.253 (509) 868 (424)Benfeitorias em imveisde terceiros 20 205 (163) 109 (82)

    Outros gastos diferidos 20 19 (5) 19 (3)Total - Consolidado 224 (168) 128 (85)

    ConsolidadoTaxa anual de 2008 2007amortizao Custo de Amortizao Custo de Amortizao

    Intangvel (%) aquisio acumulada aquisio acumuladagio na aquisio de sociedades controladas (a) 20 64.074 (9.346)

    Gastos com desenvol-vimento de logiciais 20 1.642 (342) 740 (339)

    Total 65.716 (9.688) 740 (339)

    (a) - Inclui o gio na incorporao da Fors Holdings S.A. no montante de R$ 49.625, que foi provisionadointegralmente na data da incorporao (nota explicativa 23.g). A despesa com amortizao do gio,no exerccio de 2008, foi de R$ 2.888 e est apresentada na conta de Outras despesas operacionais.

    11. Depsitos

    Segue-se a composio por prazo de vencimento:Banco vista e outros Interfinanceiros A prazoVencimento 2008 2007 2008 2007 2008 2007Sem vencimento 8.495 1.749 At 90 dias 65.571 55.036 106.704 227.373De 91 a 360 dias 2.101 72.739 80.304Acima de 360 dias (a) 6.423 393.436 204.946Total 8.495 1.749 65.571 63.560 572.879 512.623

    Consolidado vista e outros Interfinanceiros A prazoVencimento 2008 2007 2008 2007 2008 2007Sem vencimento 7.597 1.059 At 90 dias 65.571 55.036 106.704 227.113De 91 a 360 dias 2.101 126.967 205.544Acima de 360 dias (a) 6.423 462.695 289.917Total 7.597 1.059 65.571 63.560 696.366 722.574

    (a) Em 31 de dezembro de 2008, os depsitos a prazo, com prazo de vencimento acima de 360 dias, foram captados com taxas que variam de 13,39% a 16,60% (12,05% a 12,06 em 2007) ao ano nasoperaes pr-fixadas e 98% a 113% (105% a 107% em 2007) da variao dos Certificados de DepsitosInterbancrios nas operaes ps-fixadas.

    12. Captaes no mercado aberto (Banco e Consolidado)

    Referem-se a operaes de recompras a liquidar, lastreadas em ttulos pblicos federais, no montante deR$ 5.998 (R$ 1.386 em 2007), com vencimentos at 2 de janeiro de 2009.

    13. Recursos de aceites e emisso de ttulos (Banco e Consolidado)

    Referem-se a obrigaes por ttulos e valores mobilirios emitidos no exterior captados por intermdio daemisso de fixed rate notes, no montante de US$ 40.000 mil (US$ 31.000 mil em 2007), como segue:Tranche (em US$ mil) Vencimento Taxa de juros 2008 20076.000 13/02/2008 7,9852% 11.80420.000 27/11/2008 7,6543% 35.6965.000 13/02/2009 7,5209% 13.326 9.42235.000 08/08/2011 7,7500% 84.355

    Total 97.681 56.922Circulante 13.326 47.500Exigvel a longo prazo 84.355 9.422

    14. Dbitos de operaes com seguros e resseguros - Consolidado

    2008Operaes com seguradoras 1.599Operaes com resseguradoras 68.259Comisses sobre prmios emitidos 14.920Receita de comercializao diferida 26.485Outros dbitos operacionais 3.438Total 114.701Circulante 79.072Exigvel a longo prazo 35.629

    15. Provises tcnicas - Consolidado

    31 de dezembro de 2008Proviso

    Proviso de Proviso de sinistrosprmios de sinistros ocorridos, mas

    no ganhos a liquidar no avisados Ramos (PPNG) (PSL) (IBNR) TotalGarantia financeira 658 658Garantia obrigaes privadas 13.958 4.092 18.050Garantia obrigaes pblicas 18.565 2.724 21.289Garantia concesses pblicas 4.535 4.535Garantia judicial 10.977 10.977Crdito domstico risco comercial 170 170DPVAT 11.959 1.110 13.069Retrocesso 736 8 744

    Subtotal 48.863 19.511 1.118 69.492Outras provises 1.203Total 70.695Circulante 51.289Exigvel a longo prazo 19.406

    16. Outras obrigaes - diversas

    Banco ConsolidadoCirculante 2008 2007 2008 2007Proviso para pagamento a efetuar - outrasdespesas administrativas 3.283 3.974 5.639 1.768

    Recebimento de operaes de crdito a regularizar (a) 36.269 34.916 36.269 26.628Valores a pagar - carto de crdito (b) 3.843 211 3.843 211Proviso para devoluo de tarifas sobreliquidao antecipa