Informativo FCEE nº 2 - out/nov/dez 2014

  • Published on
    06-Apr-2016

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Informativo impresso da Fundao Catarinense de Educao Especial (FCEE). Edio 02 - Out/ Nov/ Dez 2014

Transcript

<ul><li><p>A caminho de uma nova FCEEPublicao Trimestral da Fundao Catarinense de Educao Especial | n 2 | Out/Nov/Dez de 2014</p><p>FCEEINFORMATIVO</p><p>Manutenes, reformas e uma ampla reestruturao tcnica so alguns dos diversos projetos fomentados ao longo de 2014 na Fundao Catarinense de Educao Especial (FCEE) que visam se traduzir no fortalecimento da instituio, permitindo uma atuao mais focada na produo de conhecimento cientfi co e na coorde-nao da poltica de educao especial em Santa Catarina. Os pro-jetos visam objetivos nobres, como a busca da acessibilidade total do campus da FCEE s pessoas com defi cincia e o cumprimento de fato da misso ofi cial da Fundao de acordo com a legislao vigente e as polticas pblicas existentes na sua rea de atuao.</p><p>PROJETO GLOBAL DE CONSTRUO DA NOVA FCEEA reestruturao de todos os prdios do campus da instituio, </p><p>localizado em So Jos, o propsito do principal projeto em anda-mento hoje na FCEE, que se encontra em fase de aprovao junto ao Grupo Gestor do Governo do Estado. Fruto direto de um diagnstico geral produzido no primeiro semestre deste ano, o qual apontou os problemas mais graves da estrutura fsica, o projeto prev uma re-formulao completa nos mais de 52 mil m do campus da FCEE, a qual ser executada em mdulos com uma durao prevista de quatro anos. </p><p>O projeto incluir a construo de novas instalaes de pes-quisa, fomentando assim a nossa misso de produzir e difundir co-nhecimento cientfi co e tecnolgico referente a educao especial, afi rma o Presidente da FCEE, Eliton Verardi Dutra, explicando que, assim que o projeto retornar do Grupo Gestor, ser formada uma co-misso com servidores para acompanhar o andamento das diversas fases do plano. Detalhes mais especfi cos sobre as construes e re-formulaes sero defi nidos na elaborao do projeto arquitetnico, o que deve ocorrer no incio de 2015. </p><p>O Diretor de Administrao da instituio, Rubens Feij, adianta que alguns aspectos devero ser respeitados no projeto arquitetni-co, como a construo de prdios auto-sustentveis, com reaprovei-tamento de gua da chuva e uso de energia solar, alm de totalmen-te acessveis, com portas de correr automticas, exemplifi ca. </p><p>MELHORIAS ESTRUTURAIS NO CAMPUS Diversos problemas estruturais do campus da FCEE, alvos de </p><p>reivindicaes antigas de servidores e frequentadores, foram re-solvidos ao longo deste ano. A rede eltrica, por exemplo, recebeu um servio de balanceamento completo, com redirecionamento dos </p><p>condicionadores de ar, o que trouxe mais segurana, reduzindo a so-brecarga na rede e evitando a queima de equipamentos e o risco de sinistros. O ginsio de esportes ganhou um novo telhado, garantindo a segurana dos alunos-atletas da instituio. Os jardins, canteiros, praas e demais reas verdes do campus ganharam uma revitaliza-o, com um amplo trabalho de jardinagem que incluiu o plantio de diversas plantas e ores, como os lrios amarelos ou as ixoras laran-jas que hoje colorem os locais de convivncia da FCEE. </p><p>A instalao de um moderno sistema de distribuio de gua na FCEE em breve se tornar realidade. O projeto, em processo licita-trio, prev uma reforma geral da rede hidrulica, com substituio dos reservatrios e preparativos para o preventivo de incndio. Com valor estimado de R$ 550 mil, a obra tem concluso prevista para os primeiros meses de 2015. A pavimentao da avenida que cor-ta o campus da FCEE, com a padronizao das caladas, rampas de acesso e piso especial, outro projeto que ser realizado no ano que vem, permitindo que a instituio possua uma estrutura acessvel para pessoas com defi cincia. </p><p>REDIMENSIONAMENTO TCNICOUma ampla reestruturao dos servios tcnicos oferecidos </p><p>pela FCEE vem sendo realizada pela Diretoria de Ensino, Pesqui-sa e Extenso (DEPE), buscando garantir que a instituio cumpra a sua misso conforme a legislao vigente e as polticas pblicas existentes. Temos como grande meta com este redimensionamento fortalecer a instituio, no sentido de que ela de fato cumpra a sua misso de fomentar, produzir e difundir o conhecimento cientfi co em educao especial e defi nir e coordenar a poltica desta rea em Santa Catarina, explica o diretor da DEPE, Waldemar Carlos Pinheiro, acrescentando que todos os servios e atendimentos prestados pela FCEE devero servir de modelo para disseminar e fomentar o co-nhecimento, de modo que possamos orientar instituies parceiras e redes de ensino pblicas e particulares, instituies conveniadas, e demais rgos envolvidos com educao especial em todo o Estado. Ainda em fase de avaliao, este projeto envolve modifi caes em todos os Centros de Atendimento Especializado da FCEE. Entre as alteraes que j foram aprovadas est, por exemplo, o encaminha-mento da execuo de adaptao de meios auxiliares de locomoo para o Centro Catarinense de Reabilitao, rgo da Secretaria de Estado da Sade, que assume, assim, funo antes realizada pelo Centro de Tecnologias Assistivas (CETEP) da FCEE. </p><p>Secretaria de Estado da Administrao</p><p>Projetos de reestruturao esto mudando a cara da instituio</p></li><li><p>Informativo2</p><p>ACONTECE</p><p>FCEE celebra 46 anos de atuao</p><p>Edu: o personagem surdo que curtiu a Copa do Mundo!</p><p>Poesias, poemas e crnicas no 1 Encon-tro Literrio de Escritores Catarinenses</p><p>Mostra de estudantes com superdota-o sucesso de pblico</p><p>Cooperativa da FCEE celebra venda de produtos</p><p>Primeira instituio pblica estadual do Brasil responsvel pela definio e coordenao de polticas de educao especial, a Fundao Catarinense de Educao Especial (FCEE) foi criada em 06 de maio de 1968. Nestes 46 anos de existncia, a institui-o segue fomentando, produzindo e difundindo conhecimento cientfico e tecnolgico de vanguarda na rea de Educao Es-pecial. Visando manter uma rede de atendimento especializado, a FCEE conta com mais de 3,5 mil servidores, distribudos entre seucampus, localizado em So Jos, e218 instituies conve-niadas. Segundo dados de 2013, so quase 25 mil pessoas com deficinciabeneficiadas e mais de 3,6 mil profissionais da rea capacitados por ano. A FCEE parabeniza servidores, educandos, fa-miliares e todos aqueles que de alguma forma contribuem para a Poltica de Educao Especial!</p><p>Entre os dias 02 e 06 de junho a Biblioteca da FCEE recebeu o 1 Encontro Literrio de Escritores Catarinenses, evento que reuniu diversos nomes de destaque regional que ministraram palestras sobre temas como literatura esprita, infantil e poesia. A Bibliote-ca da FCEE, aberta a servidores, alunos e comunidade em geral, conta com um acervo de 2.500 livros abrangendo reas diversas relacionadas com a educao especial, alm de obras de literatu-ra brasileira, estrangeira e infantil. O acervo pode ser consultado atravs do site www.biblivre.org.br.</p><p>A III Mostra do Ncleo de Altas Habilidades/Superdotao (NAAH/S) atraiu para a FCEE nos dias 22 e 23 de outubro um grande pblico, entre alunos, ex-alunos, professores, pesquisa-dores e jornalistas. Cerca de 50 alunos com altas habilidades e superdotao, com idades entre 6 e 17 anos, apresentaram trabalhos especiais desenvolvidos nas reas de Lgica e Ma-temtica, Leitura e Produo Textual, Artes Plsticas, Robtica Educacional, entre outras. Destaque para as criaes da rea de robtica e as pinturas, artesanatos e outras criaes artsticas. O grande objetivo do evento difundir o tema da superdotao e a prtica do atendimento especializado. </p><p>Alface, couve, pimenta vermelha, chs e temperos diversos so alguns dos alimentos que j esto venda na FCEE produzidos pelos aprendizes da Oficina de Plantas e Flores Ornamentais. A oficina integra o projeto-piloto Cooperativa Social de Produo e Servios, cujo objetivo a insero social de pessoas com defici-ncia mental, mltipla e/ou transtorno global do desenvolvimen-to que, por no se encontrarem momentaneamente em condies de competir no mercado de trabalho formal, exercem o direito ao trabalho de forma independente e dentro do conceito de traba-lho protegido. Sob regime de cooperativa, os 19 jovens e adultos com deficincia trabalham em uma rea de 500 m dentro do campus da FCEE, onde possuem espao adequado para cultivo de plantas, com duas estufas, uma composteira e quatro tanques para minhocrio. O projeto-piloto, que iniciou em maio deste ano, oferece ainda servios de lava-carro e produtos da Oficina de Gastronomia. Mais informaes pelo telefone (48) 3381-1634. </p><p>Um garoto surdo que se comunica em lngua de sinais e convenceu os pais a embarcarem em uma viagem para conhecer as cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil. Esta a histria narrada no material informativo Edu vai Copa, kit bilnge indito (Portugus e LIBRAS) composto por um gibi e um DVD, lanado no primeiro semestre deste ano pela FCEE. O material foi encaminhado aos Servi-os de Atendimento Educacional Especializa-do (Saede) de Santa Catarina. Em um segundo momento, ser disponibilizado tambm para toda a rede regular de ensino. </p></li><li><p>Informativo 3</p><p>FCEE EM AO</p><p>Parceria entre FCEE e Ministrio Pblico percorre o Estado promovendo qualificao do atendimento a pessoas com deficincia</p><p>A visita de uma comitiva de Promotores de Justia do Minis-trio de Pblico de Santa Catarina (MPSC) ao Campus da FCEE no final de setembro passado selou a importncia do amplo e indito projeto de cooperao que as duas instituies desenvol-veram ao longo deste ano, em conjuntoas Secretarias de Estado da Sade, Educao e Assistncia Social. Trata-se do programa Formao no Atendimento Especializado da Criana e do Ado-lescente com Deficincia e suas Famlias, que teve seu ponto alto no segundo semestre deste ano, quando ocorreram os Encontros Tcnicos presenciais nas dezessete circunscries do MPSC do Estado, promovendo debate e discusso sobre as problemticas no atendimento a adultos, crianas e adolescentes com deficin-cias, envolvendo no total mais de2 milpessoas entrePromotores de Justia, Magistrados, equipes tcnicas, gestores e servidores dos rgos municipais e instituies responsveis pelo atendi-mento s pessoas com deficincia.</p><p>Na primeira fase do projeto, realizada no primeiro semestre deste ano, foram produzidas vdeoaulas, disponibilizadas gratui-tamente a todos os interessados, com contedos especiais para a qualificao do atendimento. Em especial, atravs do Articulador de Grupo de Trabalho professor Srgio Otvio Bassettie da Su-pervisora deAtividadesEducacionais Extensivas pedagoga Edite Sehnem,a FCEE colaborou com a produo dos materiais referen-tes Poltica de Educao Especialde Santa Catarina.</p><p>Aps a divulgao dasvdeoaulasforam realizados os En-</p><p>contros Tcnicos presenciais, que permitiramo mapeamento da situao dos servios prestados pelas redes municipais e estadu-al, levando produo de um diagnstico geral da estrutura de atendimento para pessoas com deficinciasem Santa Catarina. Conformeexplica o professor Bassetti, o MPSC est indo alm dadefesa da ordem jurdica e dos interesses da sociedade pela fiel observncia das leis,se colocando como articulador na im-plantao intersetorial das polticas pblicas. Bassetti salienta que o planejamento do projeto iniciou em 2012, quando a FCEE procurou o MPSC em busca de um dilogo para resolver as fre-qentes decises equivocadas dos Promotores de Justia e de-mais operadores da Justia, decorrentes do desconhecimento so-bre direitos, estruturas de atendimentos eprogramas voltados s pessoas com deficincias, transtornos e altas habilidades.</p><p>O Promotor de Justia Marcelo Wegner, coordenador do Cen-tro de Apoio Operacional da Infncia e Juventude (CIJ) do MPSC, explica que, com os dados reunidos atravs dos Encontros Pre-senciais, o MPSC e as instituies parceiras tero informaes mais precisas sobre a rede de atendimento disponvel no Esta-do. Com estas informaes, poderemos encaminhar as solues mais eficazes para crianas e adolescentes com deficincia e suas famlias. Alm disso, o poder pblico ter subsdios para propor polticas pblicas mais assertivas, explica o Promotor de Justia, salientando que o material contribuir na defesa e na efetivao dos direitos das pessoas com deficincia.</p><p>Curitibanos</p><p>Concrdia</p><p>Promotores do MP visitam FCEE Chapec</p></li><li><p>Informativo4</p><p>Informativo da FCEE - Fundao Catarinense de Educao Especial | CNPJ N 83 900 522/0001-77| Rua Paulino Pedro Hermes, 2785 | Bairro Nossa Senhora do Rosrio | So Jos | SC | Brasil | CEP 88108-900 | Fone:(048) 3381-1600| www.fcee.sc.gov.br | Presidente: liton Verardi Dutra | Diretor Administrativo: Rubens Feij | Diretor de Ensino, Pesquisa e Extenso: Waldemar Carlos Pinheiro | Produ-o: Assessoria de Comunicao FCEE | Jornalista Responsvel: Aline Greff Buaes MTB 0045338 | Contato:imprensa@fcee.sc.gov.br</p><p>EXPEDIENTE</p><p>VOC SABIA</p><p>DE VECULOS</p><p>Pessoas comdeficincia tmDIREITO Adescontosna compra</p><p>Pessoas portadoras de deficincia fsica, visual, mental severa ou profunda, e autistas, diretamente ou por intermdio de seu repre-sentante legal ou motorista indicado, podem adquirir veculos 0 km com isenes de im-postos que podem resultar em at 25% de desconto sobre o valor do veculo. O processo </p><p>para obteno das isenes, que inclui IPI, IOF, ICMS e IPVA, de-morado, podendo levar at seis meses, e exige que o veculo seja fabricado no Brasil ou nos pases do Mercosul com preo de at R$ 70 mil. Atualmente muitas fabricantes de carros j possuem departamentos especializados em auxiliar os clientes a obterem as isenes a que tem direito.</p><p>Veja abaixo alguns detalhes sobre como solicitar o benefcio:</p><p>Caf com amaciante* </p><p>*O primeiro passo para quem deseja solicitar o benefcio procurar uma auto-escola especializada para obter a Carteira Nacional de Habilitao (CNH) especial, onde estar descrito o tipo de deficincia e o tipo de veculo ideal, com as adapta-es necessrias para o motorista. * Depois, o interessado deve ir at a Receita Federal para soli-citar as isenes de IPI e IOF. * A iseno de ICMS e IPVA deve ser requerida junto Secre-taria da Fazenda do seu Estado. * O portador da deficincia tambm pode indicar at trs pes-soas como motoristas autorizados do veculo adquirido com iseno de impostos. * No caso de pessoas com necessidades especiais, mas que no so condutoras dos veculos, a nica iseno de imposto vlida a do IPI, reduzindo o valor do automvel em at 15%.* No caso de menor de 16 anos, os representantes legais po-dem recorrer ao benefcio. </p><p>DICA DE LEITURA</p><p>AGENDA PROGRAME-SE</p><p>Feriado de sol. Muitas pessoas aproveitam para ir praia. Estava em casa, sem nada pra fazer, quando chegou meu pai gri-tando: Galera, vamos acampar?!. Pulamos do sof, abrimos os armrios, pegamos mochilas, roupas e, em vinte minutos, estva-mos prontos para mais uma aventura. Passamos em um mercadi-nho, compramos o que faltava e seguimos em frente.</p><p>Rdio do carro no volume mximo. Rodovia Aderbal Ramos entupida de carros. Mas nada naquele dia poderia nos desanimar. Uma hora e meia depois, estvamos mofando. Naquele calor in-suportvel, at o rdio estava cansado.</p><p>Chegamos ao Pntano do Sul. Muitos turistas, moradores, mochilas enormes e gente de chinelo - uma pssima opo para a caminhada. L estvamos ns.</p><p>Como sempre, para chegar ao incio da trilha necessrio subir um morrinho nada agradvel. Ali encontramos um casal muito legal, com sua filha de cinco anos. Comeamos a subir com eles. Eu realmente no estava preparada para tanto esfo...</p></li></ul>