Out/Nov 2014

Embed Size (px)

Text of Out/Nov 2014

  • CAMINHADA DA FLORAOOutubro/Novembro 2014

    Associao de Amigos do Jardim BotnicoFlorao por Ceclia Beatriz da Veiga Soares

    Fotos de Joo Quental

    S E R R A O

    A L E I A

    DAM

    ASIO

    ALEI

    A LE

    ONI

    DAS

    A L

    E I A

    W A

    R M

    I N

    G

    P E

    D R

    O

    G O

    R D

    I L

    H O

    A L

    E I A

    P I

    Z A

    R R

    OA

    L E

    I A

    FER

    REIR

    A

    ALE

    XA

    ND

    RE

    ALE

    IAJ

    O H

    N

    A L

    E I

    A

    W I

    L L

    S

    ALE

    IA F

    RE

    I VE

    LLO

    SO

    M A

    C I E

    L

    C U S T O D I O

    A L E

    I A

    D A

    C O

    S T

    A

    M O

    R E

    I R A

    GO

    MES

    N I C

    O L

    A U

    A L E I A

    A L E I A

    A L E I A

    A L E I A

    SO

    D

    ALEIA

    IO

    R

    LOEFGREN

    ALEIA

    ALEIA GUILHERME GUINLE

    ALBERTO

    CA

    MIN

    HO

    JOAO

    ALEIA

    ALE

    IA

    PIC

    KE

    L

    BE

    NT

    O

    PIOCORREA

    ALEIA

    ALEIA

    A L E I A

    A L E

    I A

    A L

    E I A

    G L

    A S

    L

    K A

    R L

    A. C

    OU

    TO

    MA

    GA

    LHE

    S

    CMARA

    C A

    S O

    P M

    ALEIA SAINT-H

    ILAIRE

    D E B A P T I S T A

    O T

    R O

    P

    BRAD

    E

    ALEIA

    A L E

    I AB

    A

    R A

    O

    F R E I

    C

    A P

    A

    M E

    N A

    S E R P A

    A L E

    I A

    E D

    B R A N D A O

    C A N D I D O

    S E

    U G

    I R

    D O

    RB

    A

    S O

    B R

    A

    O L I V E I R

    A L E M A O

    M A C

    A C O

    S

    LEAO

    ARRUDA

    L E A N D R O

    A L E

    I A

    RU

    A PAC

    HE

    CO

    LEA

    O

    LAGO

    D.JOAO VIBUSTOCACTARIO

    CENTRODE

    VISITANTES

    FREI LEANDRO

    LAGO

    CA

    MIN

    HO

    DA

    FLO

    RE

    STA

    AT

    LNT

    ICA

    CASA DOS PILOES

    DAS

    ESTUFA

    CARNIVORAS

    INFANTIL

    PARQUE

    MEDICINAISPLANTAS

    ORQUIDARIO

    DIRETORIA

    BROMELIARIO

    BOTANICA

    SISTEMATICA

    MUSEU

    BIBLIOTECA

    CHAFARIZ CENTRAL

    ROSEIRAL

    MEMORIAL

    MESTRE VALENTIN

    HERBARIO

    BOTANICO

    P A C HE C O

    F R EI R E

    PORTAO1008 PORTAO 920

    CURADORIACOLECOES VIVAS

    MIRANTE

    GRUTAKARL GLASL

    LABORATORIO DE FITOSSANIDADE

    PREFEITURA DO JBRJ

    LABORATORIOSOCIAL

    CENTRO DEPESQUISAS

    NEA

    Mart.

    EMBR

    APA

    Cl

    Cl

    M

    M

    1

    2

    3

    4

    5

    6

    7

    8

    9

    1011

    12

    13

    14

    15

    16

    17

    18

    19

    20

    21

    22

    23

    24

    25

    26

    27

    28

    2930

    31

    32

    33

    34

    35

    36

    37

    38

    39

    40

    41

    4243

    44

    4546

    47

    4849

    50

    51

    52

    53

    54

    55

    56

    57

    58

    59

    6061

    62 63

    6465

    66

    67

    68

    6970

    717273

    74

    5 8283

    671

    76 7775

    78

    79

    81

    80

  • AAJB Florao Outubro/Novembro, 2014

  • 1. Lecythis pisonis. tempo de apreciarmos a extraordinria beleza das sapucaias com a colorao rsea brilhante de suas folhas novas, encontram-se na Alia das Palmeiras e em vrios locais do arboreto. Famlia: Lecythidaceae. Distribuio geo-grica ocorre na loresta pluvial atlntica do Cear at o Rio de Janeiro, especialmente no Sul da Bahia e Norte do Esprito Santo caracterstica das matas midas da Costa Atlntica Co-nhecida tambm como cumbuca-de-macaco, marmita de ma-caco, caamba-do-mato. rvore de grande porte pode atingir de a m de alturatronco com a cm de dimetro ga-lhosa e muito frondosa, de crescimento rpido. A casca muito grossa e pardo-escura. As folhas so lanceoladas, grandes.

    Num curto perodo, entre os meses de setembro e outubro , perde totalmente as folhas, surgindo ento uma folhagem novas de, colorao rseo-brilhante,de extrordinria beleza que constitui o seu maior atrativo As lores so violceas e odorferas. O fruto grande, coriceo, abrindo-se na parte su-perior,quando maduro, como se tivesse tampa. Os frutos so utilizados como adorno e utenslio domstico pelos ndios e moradores da zona rural. As sementes so comestveis e mui-to saborosas, disputadas pelos pequenos macacos, que, gulo-sos, tentam retir-las todas de uma s vez de dentro do fruto. Algumas vezes suas mos icam presas e eles se machucam Esta a origem do provrbio macaco velho no mete a mo em cumbuca. O nome popular sapucaia de origem tupi e sig-niica cabaa que abre o olho Ao abrirse a tampa temse a impresso de que ele possui um olho. A casca fornece boa estopa. A madeira pesada, dura, resistente de textura mdia aproveitada para obras externas e na construo civil como

    vigas, portas, janelas, esteios, pontes, carrocerias e para a con-feco de peas torneadas.

    2. Saraca indica saraca. Famlia: Fabaceae. Distribuio geo-grica ndia e Malsia rvore de at m de altura de tronco com casca rugosa de cor pardo-acinzentada, com copa peque-na e aberta, com ramos um tanto arqueados para fora. Tor-nase realmente deslumbrante por ocasio da lorao com grandes buqus com magnicas lores vermelhas brilhantes e perfumadas distribudas em grande quantidade pelo tronco, pelos ramos lenhosos e na extremidade dos galhos Muito pro-curada por pssaros, abelhas e borboletas.

    As saracas so veneradas por duas religies, rvore encon-trada nos Palcios e jardins e prxima dos templos da sia Oriental especialmente na ndia e Sri Lanka Suas lores so um elemento importante das oferendas Considerada pelos hindus como o smbolo do amor, consagrada a Kama, deusa do amor Os budistas devotam saraca de lores vermelhas um respeito e admirao particular porque de acordo com as tradies, Buda teria nascido sob esta rvore no VI sculo antes de Cristo H trs belos exemplares no Arboreto a mais espetacular totalmente revestida de lores encontrase prxi-ma da guarita da rua Pacheco Leo no caminho em frente ao Prdio da Pesquisa, junto ao muro.

    3. Em frente sede da AAJB encontra-se a Bauhinia variegata albolava pata-de-vaca ou unha-de-vaca. Famlia: Faba-ceae. Distribuio geogrica Sudeste da sia Sul da China Paquisto e ndia rvore muito ornamental conhecida tam-bm como rvore de orqudeas, de porte mdio com 10m de altura, de crescimento rpido, copa arredondada e larga, de ramagem densa, o tronco cilndrico com casca rugosa pardo-escura. As folhas so simples, levemente coriceas, pa-recendo bipartidas, semelhantes s patas de vaca, da o seu nome popular Suas lores brancas perfumadas semelhantes s orqudeas atraem abelhas beijalores e outros pssaros No Nepal so utilizadas como alimento De importncia medi-cinal para curar lceras e asma e os brotos e razes so utiliza-

    Florao

    CAMINHADA DA FLORAOOutubro/Novembro 2014

    Associao de Amigos do Jardim BotnicoFlorao por Ceclia Beatriz da Veiga Soares

    Fotos de Joo Quental

    Sapucaia (Lecythis pisonis) Foto por Barbara Rachid

    Saraca (Saraca indica)

  • AAJB Florao Outubro/Novembro, 2014

    dos para problemas digestivos.

    4. Jacaranda mimosifolia. No gramado em frente ao Centro de Visitantes est lorido o jacarand mimoso. Famlia: Bigno-niaceae. Distribuio geogrica Paraguai Bolvia e Argentina rvore cujo porte atinge de 10 a 15 m de altura, crescimento rpido tronco com cm de dimetro de casca ina e acin-zentada, copa larga, arredondada, com ramos esparsos, cadu-ciflia Folhas opostas bipinadas as lores so campanuladas perfumadas, em grandes panculas de cor azul-violeta lumi-noso. Fruto cpsula, arredondado, lenhoso, com sementes pe-quenas, aladas, so utilizados na confeco de bijuteria. en-contrada muito dispersa no Brasil, nas regies do sudeste e do sul principalmente nas cidades de So Paulo e Rio Grande do Sul. de extraordinria beleza na poca em que perde todas as suas folhas e cobrese das delicadas lores azuis perfumadas empregada na arborizao de grandes cidades e tambm pelo seu porte e sua folhagem, ruas inteiras so decoradas com as magnicas inlorescncias do jacarand mimoso Em Dallas no Texas, nos Est. Unidos, e em Pretria, na frica do Sul, onde consta que h cerca de 60.000 unidades plantadas, chamada cidade do jacarand mimoso. Encontrada em outras cidades da Europa como Lisboa em Portugal cidades do Sul da Itlia e muito mais Curiosamente unnime as plantas foram leva-das do Brasil, considerado como o seu pas de origem.

    5. Megaskepasma erythrochiamys - justcia vermelha, capo-ta-vermelha. Famlia: Acanthaceae. Distribuio geogrica Venezuela. Arbusto grande, semi-lenhoso, de 3 a 5 m de al-tura com folhas grandes elticas e coriceas Inlorescncias grandes, vistosas, terminais, muito ornamentais, compostas de numerosas brcteas vermelhas e pequenas lores brancas muito atrativas para os beijalores Embora sejam nativas da Venezuela so chamadas tambm de manto-brasileiro ou capa-vermelha-brasileira Podem ser encontradas no Esta-cionamento atrs do Caf e prximas do Lago da Restinga

    6. Brownea grandiceps - rosa-da-montanha. Famlia: Faba-ceae