of 28/28
UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO Curso de Administração Professor Brígido Disciplina: Contabilidade Geral. II Semestre PROGRAMA DA DISCIPLINA I – CONTEÚDO DO PROGRAMA: 1. Noções gerais de Contabilidade Evolução histórica da Ciência Contábil. Conceito, objeto e objetivo da Contabilidade. 2. A Estática Patrimonial: O significado dos grupos patrimoniais, conceitos de: Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. A classificação dos fatos contábeis e configuração dos diversos estados patrimoniais. 3. Os Procedimentos contábeis básicos: As contas, as formas de lançamentos, o razão, as partidas dobradas, conceitos de débito e crédito. O Balancete de verificação. O Plano de Contas: elaboração e classificação. Princípios e Normas Contábeis. 4. O Patrimônio e o Resultado do Exercício: As Receitas e Despesas. O conceito de Receitas e Despesas Operacionais e Não Operacionais. A apuração do Resultado do Exercício. A contabilidade como instrumento de gestão empresarial. 5. As operações com mercadorias e sua contabilização. A avaliação dos estoques. O inventário permanente e periódico. Critérios de apuração do Custo numa empresa comercial. Nota Fiscal (Saída, Entrada, Exportação, Importação, etc.). Tributos Diretos e Indiretos. 6. As Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial – Classificação e conceito dos principais grupamentos Demonstração de Resultado de Exercício – Apuração do resultado e distribuição dos lucros II – INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: Exercícios como forma de avaliação contínua para resolução (individual e/ou grupo) em sala e extra-sala, com somatória de 10 pontos; Provas Individuais com nota de zero a dez. A sua nota do semestre será a média aritmética da avaliação contínua, mais as provas individuais. III – BIBLIOGRAFIA: Básica Equipe de Professores da FEA/USP – Contabilidade Introdutória – 9ª edição, São Paulo: Editora Atlas. 1998 FRANCO, Hilário – Contabilidade Geral (texto), 23ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 1996 __________ Contabilidade Geral (exercícios) São Paulo: Editora Atlas, 2000 RIBEIRO, Osni Moura – Contabilidade Geral Fácil, 1ª ed. São Paulo: Editora Saraiva, 1997 Complementar FIPECAFI – Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações, 5ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2000 1

PROGRAMA DA DISCIPLINA - xa.yimg.comxa.yimg.com/.../name/504583-Contabilidade-Geral-Apostila.pdf · Contabilidade, Teoria da Contabilidade, Ciência Contábil. b) Referências Bibliográficas

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of PROGRAMA DA DISCIPLINA - xa.yimg.comxa.yimg.com/.../name/504583-Contabilidade-Geral-Apostila.pdf ·...

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    PROGRAMA DA DISCIPLINA

    I CONTEDO DO PROGRAMA:1. Noes gerais de Contabilidade

    Evoluo histrica da Cincia Contbil. Conceito, objeto e objetivo da Contabilidade.

    2. A Esttica Patrimonial: O significado dos grupos patrimoniais, conceitos de: Ativo, Passivo e Patrimnio

    Lquido. A classificao dos fatos contbeis e configurao dos diversos estados patrimoniais.

    3. Os Procedimentos contbeis bsicos: As contas, as formas de lanamentos, o razo, as partidas dobradas, conceitos de dbito e

    crdito.O Balancete de verificao.O Plano de Contas: elaborao e classificao. Princpios e Normas Contbeis.

    4. O Patrimnio e o Resultado do Exerccio: As Receitas e Despesas. O conceito de Receitas e Despesas Operacionais e No

    Operacionais. A apurao do Resultado do Exerccio. A contabilidade como instrumento de gesto empresarial.

    5. As operaes com mercadorias e sua contabilizao. A avaliao dos estoques. O inventrio permanente e peridico. Critrios de apurao do Custo numa empresa comercial. Nota Fiscal (Sada, Entrada, Exportao, Importao, etc.). Tributos Diretos e Indiretos.

    6. As Demonstraes ContbeisBalano Patrimonial Classificao e conceito dos principais grupamentos Demonstrao de Resultado de Exerccio Apurao do resultado e distribuio dos

    lucros

    II INSTRUMENTOS E CRITRIOS DE AVALIAO: Exerccios como forma de avaliao contnua para resoluo (individual e/ou grupo) em

    sala e extra-sala, com somatria de 10 pontos; Provas Individuais com nota de zero a dez.

    A sua nota do semestre ser a mdia aritmtica da avaliao contnua, mais as provas individuais.

    III BIBLIOGRAFIA:BsicaEquipe de Professores da FEA/USP Contabilidade Introdutria 9 edio, So Paulo: Editora Atlas. 1998FRANCO, Hilrio Contabilidade Geral (texto), 23 ed. So Paulo: Editora Atlas, 1996__________ Contabilidade Geral (exerccios) So Paulo: Editora Atlas, 2000RIBEIRO, Osni Moura Contabilidade Geral Fcil, 1 ed. So Paulo: Editora Saraiva, 1997ComplementarFIPECAFI Manual de Contabilidade das Sociedades por Aes, 5 ed. So Paulo: Editora Atlas, 2000

    1

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II SemestreMARION, Jos Carlos Contabilidade Empresarial, 8 ed. So Paulo: Editora Atlas, 1998

    UNIDADE 1 Noes Gerais de Contabilidade

    I. ORIENTAO PARA PESQUISA PESSOALa) Palavras Chaves

    Contabilidade, Teoria da Contabilidade, Cincia Contbil.b) Referncias Bibliogrficas

    Equipe de Professores da FEA/USP Contabilidade Introdutria 9 edio, So Paulo: Editora Atlas, 1998, p. 21-24.

    FRANCO, Hilrio Contabilidade Geral, 23 ed. So Paulo: Editora Atlas, 1996, p. 19-24. IUDCIBUS, Srgio de Teoria da Contabilidade, 3 edio, 1993, So Paulo: Editora

    Atlas, p. 29-46. RIBEIRO, Osni Moura Contabilidade Geral, 1 ed. So Paulo: Saraiva, 1997, p. 33-38.

    c) Links interessantes http://www.lopesdesa.com.br/ - Origem da Palavra Contabilidade na pgina Prtica e

    Temtica; http://www.lopesdesa.com.br/ - Nascimento da Teoria Contbil na pgina Prtica e Temtica. http://www.gesbanha.pt/contab/conthis/cont_his.htm - A Histria da Contabilidade

    II. EVOLUO HISTRICA DA CINCIA CONTBILA contabilidade uma das cincias mais antigas do mundo. Existem diversos registros que as civilizaes antigas j possuam um esboo de tcnicas contbeis. Em termos de registro histrico importante destacar a obra Summa de Arithmetica, Geometrica, Proportioni et Proportionalita, do Frei Pacioli, publicado em Veneza em 1494 (pouco depois da inveno da imprensa e um dos primeiros impressos no mundo). Esta obra descreve, em um dos seus captulos, um mtodo empregado por mercadores de Veneza no controle de suas operaes, posteriormente denominado mtodo das partidas dobradas ou mtodo de Veneza.

    Nos sculos seguintes ao livro de Pacioli a contabilidade expandiu sua utilizao para instituies como a Igreja e o Estado e foi um importante instrumento no desenvolvimento do capitalismo, conforme opinio de importantes estudiosos como o socilogo Max Weber. No entanto as tcnicas e as informaes ficavam restritas ao dono do empreendimento, pois os livros contbeis eram considerados sigilosos. Isto limitou consideravelmente o desenvolvimento da cincia uma vez que no existia troca de idias entre os profissionais.

    Mais recentemente, com o desenvolvimento do mercado acionrio e a fortalecimento da sociedade annima como forma de sociedade comercial, a contabilidade passou a ser considerada tambm como um importante instrumento para a sociedade. Diz-se que o usurio das informaes contbeis, j no mais somente o proprietrio; outros usurios hoje tambm tm interesse em saber sobre uma empresa: sindicatos, governo, fisco, investidores, credores etc.

    Contabilidade Histrico - CCA Portal da Universidade de Braslia

    2

    http://www.unb.br/cca/cont_hist.htmhttp://www.gesbanha.pt/contab/conthis/cont_his.htmhttp://www.lopesdesa.com.br/http://www.lopesdesa.com.br/

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    1. Contabilidade o estudo do Patrimnio e de suas variaes pelos efeitos das atividades desenvolvidas pela empresa.

    2. Finalidade da Contabilidade fornecer informaes sobre o Patrimnio, informaes essas de ordem econmica e financeira, que facilitam assim as tomadas de decises, tanto por parte dos administradores ou proprietrios, como tambm por parte daqueles que pretendem investir na empresa.

    3. A Informao Contbil til para as seguintes pessoasa) Scios, Acionistas.b) Administradores, Diretores e Executivosc) Bancos, Capitalistas, Financeirasd) Governo e Economistas Governamentais

    V. TAREFASO aluno dever resolver as tarefas e entregar na aula seguinte a esta unidade.

    1. Por que o patrimnio o objeto da Contabilidade?2. incorreto afirmar que:

    a) ( ) Entidades religiosas precisam de contabilidade.b) ( ) Entidades sociais, culturais, esportivas e beneficentes no precisam de contabilidade.c) ( ) Entidades econmico-administrativas precisam de contabilidade.d) ( ) Entidades esportivas e culturais precisam de contabilidade.e) ( ) Entidades escolares, sindicatos e microempresas precisam de contabilidade;

    3. O objeto da Contabilidade :a) controle do material; b) controle das finanas; c) patrimnio;

    d) auditoria das contas; d) controle oramentrio.4. Cite alguns usurios da informao contbil e quais as suas necessidades.

    5. Com base nas leituras dos textos indicados, o aluno dever pesquisar e responder as questes abaixo:a) Qual a origem da palavra contabilidade?b) Como voc conceituaria a Contabilidade?

    UNIDADE 2 A Esttica Patrimonial, o significado dos grupos patrimoniais: Ativo, Passivo

    e Patrimnio Lquido; A classificao dos fatos contbeis e configurao dos diversos estados

    patrimoniais.

    I. ORIENTAO PARA PESQUISA PESSOALa) Palavras Chaves

    Contabilidade, Teoria da Contabilidade,b) Referncias Bibliogrficas

    3

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    Equipe de Professores da FEA/USP Contabilidade Introdutria 9 edio, So Paulo: Editora Atlas, 1998, p. 30-40.

    FRANCO, Hilrio Contabilidade Geral, 23 ed. So Paulo: Editora Atlas, 1996, p. 25-35. RIBEIRO, Osni Moura Contabilidade Geral, 1 ed. So Paulo: Saraiva, 1997, p. 39-60.

    c) Links interessantes http://www.lopesdesa.com.br/ - Prof. Antonio Lopes de S http://www.cfc.org.br/ - Conselho Federal de Contabilidade Legislao Normas Brasileiras

    de Contabilidade

    II. PATRIMNIO o conjunto de bens, direitos e obrigao, mensurvel em dinheiro, pertencentes a uma pessoa fsica ou jurdica.

    A representao quantitativa do Patrimnio de uma entidade conhecida como Balano Patrimonial, que uma das mais importantes demonstraes contbeis e atravs da qual podemos apurar a situao patrimonial-financeira de uma entidade em determinado momento.O Balano Patrimonial composto de trs elementos bsicos:

    ATIVO - Bens e direitosPASSIVO - ObrigaesPATRIMNIO LQUIDO - diferena Ativo/Passivo

    Ativo - Compreende os bens e os direitos da entidade expressos em moeda: Caixa, Bancos, Imveis, Veculos, Equipamentos, Mercadorias, Ttulos a Receber, Clientes, etc.

    Passivo - Compreende basicamente as obrigaes a pagar, isto , as quantias que a empresa deve a terceiros: Ttulos a Pagar, Contas a Pagar, Fornecedores, Salrios a pagar, Impostos a Pagar, Hipotecas a pagar.

    Patrimnio Lquido - a diferena entre o valor do Ativo e do Passivo de uma entidade em determinado momento.

    As suas fontes so:a) O investimento inicial de capital e seus aumentos posteriores;a) Lucros - Resultado obtido do confronto entre as contas de Receitas e Despesas dentro do

    perodo contbil.

    Capital Nominal - Investimento inicial, feito pelos proprietrios de uma empresa. Capital Prprio - Abrange o capital inicial e suas variaes. Capital de Terceiros - Este capital corresponde aos investimentos feitos na empresa com

    recursos provenientes de terceiros. Capital Total Disposio da Empresa - o conjunto dos valores disponveis pela empresa

    em dado momento, ou seja, o somatrio dos elementos colocados direita do Balano Patrimonial.

    Esttica Patrimonial - aquela que demonstra o estado patrimonial em determinado momento. Dinmica Patrimonial - aquela que considera a evoluo do patrimnio em determinado

    perodo, evidenciando o resultado da atividade sobre ela desenvolvida.

    III.TAREFASO aluno dever resolver as tarefas e entregar na aula seguinte a esta unidade.

    1. Os bens, direitos e obrigaes, vinculadas a uma pessoa fsica ou jurdica representam: a) Bens intangveis b) Bens tangveis c) Patrimnio d) Ativo, incluindo todas as imobilizaes da empresa. e) Organizao funcional e econmica de uma entidade

    4

    http://www.cfc.org.br/http://www.lopesdesa.com.br/

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    2. Qual o conceito de Balano Patrimonial?

    3. O Patrimnio Lquido ser negativo quando: a) o Passivo tiver valor igual ao ativo b) o Ativo tiver valor maior que o Passivo; c) o Passivo tiver valor menor que o Ativo; d) o Ativo tiver valor menor que o Passivo;

    4. So exemplos de obrigaes assumidas por uma empresa; a) Devedores imobilirios; b) Aplicaes financeiras; c) Emprstimos bancrios; d) Impostos a recuperar. e) Emprstimos a empresas coligadas;

    5. Indique a natureza das contas, com adoo do nmero de referncia abaixo: 1. Ativo 2. Passivo 3. Patrimnio Lquido. ( )Fornecedores ( )Aplicaes Financeiras ( )Imveis ( )Dividendos a Pagar ( )Materiais para Escritrios ( )Caixa ( )Mveis e Utenslios ( )Devedores Imobilirios ( )Veculos ( )Equipamentos ( )Emprstimos sob Hipoteca ( )Clientes ( )Lucros Acumulados ( )Salrios a Pagar ( )Capital ( )Bancos c/Movimento ( )Credores Imobilirios ( )Instalaes ( )Ttulos a Receber ( )Estoque de Mercadorias 6. Dentro da estrutura do Balano Patrimonial o que vem a ser Capital Prprio? Cite dois

    exemplos.7. Dentro da estrutura do Balano Patrimonial, o que vem a ser Capitais de Terceiros? Cite trs

    exemplos.8. Com base nas leituras dos textos indicados, o aluno dever pesquisar e responder as questes

    abaixo:a) O que se entende por aspecto qualitativo e quantitativo do patrimnio?b) Qual a finalidade do Balano Patrimonial?

    UNIDADE 3 - Os procedimentos contbeis bsicos, mtodo das partidas dobradas, tcnicas contbeis.

    I. ORIENTAO PARA PESQUISA PESSOALa) Palavras Chaves

    Escriturao, Mtodo das Partidas Dobradas, Tcnicas Contbeis.b) Referncias Bibliogrficas

    Equipe de Professores da FEA/USP Contabilidade Introdutria 9 edio, So Paulo: Editora Atlas, 1998, p. 44-55.

    FRANCO, Hilrio Contabilidade Geral, 23 ed. So Paulo: Editora Atlas, 1996, p. 57-82. RIBEIRO, Osni Moura Contabilidade Geral, 1 ed. So Paulo: Saraiva, 1997, p. 76-91.

    c) Links interessantes http://www.lopesdesa.com.br/ - Prof. Antonio Lopes de S http://www.cfc.org.br/ - Conselho Federal de Contabilidade Legislao Normas Brasileira

    de Contabilidade http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6404.htm - Lei 6.404/76 - Sociedade por Aes

    II. ESCRITURAOO Art. 177 da Lei 6.404/76 dispe sobre a escriturao mercantil:

    5

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6404.htmhttp://www.cfc.org.br/http://www.lopesdesa.com.br/

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    Art. 177. A escriturao da companhia ser mantida em registros permanentes, com obedincia aos preceitos da legislao comercial e desta Lei e aos princpios de contabilidade geralmente aceitos, devendo observar mtodos ou critrios contbeis uniformes no tempo e registrar as mutaes patrimoniais segundo o regime de competncia.

    1 As demonstraes financeiras do exerccio em que houver modificao de mtodos ou critrios contbeis, de efeitos relevantes, devero indic-la em nota e ressaltar esses efeitos. 2 A companhia observar em registros auxiliares, sem modificao da escriturao mercantil e das demonstraes reguladas nesta Lei, as disposies da lei tributria, ou de legislao especial sobre a atividade que constitui seu objeto, que prescrevam mtodos ou critrios contbeis diferentes ou determinem a elaborao de outras demonstraes financeiras.

    ( http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6404.htm )

    1. Mtodos das Partidas Dobradas Para cada dbito corresponde um crdito, ou a soma dos valores debitados seja sempre igual

    soma dos valores creditados.Partindo-se o ano de 1494 no incio da chamada Era da Literatura Contbil que vai at 1840, foi exposto o Tratactus de Computis et Scripturis ou o Mtodo das Partidas dobradas, como primeira obra contbil de Frei Lucca Paciolo - Matemtico Italiano. Pacioli, apesar de ser considerado o pai da Contabilidade, no foi o criador das Partidas Dobradas. O mtodo j era utilizado na Itlia, principalmente na Toscana, desde o Sculo XIV.

    Pacioli foi matemtico, telogo, contabilista entre outras profisses. Deixou muitas obras, destacando-se a Summa de Arithmtica, Geometria, Proportioni et Proporcionalit , impressa em Veneza, na qual est inserido o seu tratado sobre Contabilidade e Escriturao.

    Em termos de registro histrico importante destacar a obra Summa de Arithmetica, Geometrica, Proportioni et Proportionalita, do Frei Pacioli, publicado em Veneza em 1494 (pouco depois da inveno da imprensa e um dos primeiros impressos no mundo). Esta obra descreve, em um dos seus captulos, um mtodo empregado por mercadores de Veneza no controle de suas operaes, posteriormente denominado mtodo das partidas dobradas ou mtodo de Veneza.

    Dirio - o registro oficial legal das transaes de uma companhia. Nele devem ser registradas todas as transaes da empresa que possam ser expressas em termo monetrio, em ordem cronolgica de dia, ms e ano.

    O livro Dirio, para efeito de prova a favor do comerciante, dever conter, respectivamente, na primeira e ltima pgina, termos de abertura e de encerramento, e ser registrado e autenticado pelas Juntas Comerciais ou reparties encarregadas do Registro do Comrcio.

    NOTA: As normas relativas autenticao dos livros e instrumentos de escriturao das empresas mercantis e dos agentes auxiliares do comrcio esto previstas na IN DNRC n 65, de 31/07/97. Essa mesma Instruo Normativa do DNRC dispe em seu art. 15 que as Juntas Comerciais podero delegar competncia autoridade pblica para autenticar instrumentos de escriturao mercantil, atendidas as convenincias do servio.

    O Mecanismo de Dbito e Crdito pode se demonstrado da seguinte forma:Contas de: Para aumentar o saldo Para diminuir o saldo

    ATIVO Lanamento a Dbito Lanamento a Crdito

    6

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6404.htm

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    PASSIVO Lanamento a Crdito Lanamento a DbitoPATRIMNIO LQUIDO Lanamento a Crdito Lanamento a Dbitoo As contas de Despesas so sempre debitadas, pois representam reduo do Patrimnio

    Lquido.o As contas de Receitas so sempre creditas, pois representam o aumento do Patrimnio

    Lquido.

    Razo - Representa um sistema pelo qual se controla a movimentao ocorrida individualmente em cada conta.

    A partir de 01/01/92, tornou-se obrigatria, para as pessoas jurdicas tributadas com base no lucro real, a escriturao e a manuteno do livro Razo ou fichas utilizados para resumir e totalizar por conta ou subconta, os lanamentos efetuados no Dirio, mantidos as demais exigncias e condies previstas na legislao. A escriturao dever ser individualizada, obedecendo-se a ordem cronolgica das operaes (RIR/99, art. 259, que incorporou as Leis n 8.218/91, art. 14, e n 8.383/91, art. 62).

    2. Tcnicas Contbeis Escrituraes - Registro dos fatos - Demonstraes contbeis - Balano Patrimonial - DRE - DOAR - MUT. - PATR. LIQ. Auditoria Anlise de Balano

    III.TAREFASO aluno dever resolver as tarefas e entregar na aula seguinte a esta unidade.

    1. No Livro Dirio, registram-se: a) as entradas e sadas de dinheiro; b) todas as operaes contbeis de uma empresa; c) apenas as contas a pagar e contas a receber; d) apenas as entradas e sadas de mercadorias; e) apenas as vendas dirias da empresa

    2. Cite quais so os livros obrigatrios para as empresas, perante a legislao comercial e fiscal?

    3. O que significa partidas dobradas?

    4. Ao comprar um veculo vista, a empresa faz os seguintes lanamentos: a) crdito de caixa e crdito de veculos; b) dbito de caixa e crdito de veculos; c) dbito de veculos e crdito de caixa; d) crdito de veculos e crdito de contas a pagar; e) dbito de contas a pagar e crdito de veculos;

    5. A integralizao de capital, parte em dinheiro, parte em imveis, parte em veculos e parte em Mveis e utenslios, envolve as seguintes contas:

    a) Dbito : Caixa Crdito : Capital, Mveis e Utenslios, Imveis e Veculos; b) Dbito : Capital Crdito : Caixa, Mveis e Utenslios, Imveis e Veculos; c) Dbito : Caixa e Capital Crdito : Mveis e Utenslios, Imveis e Veculos; 7

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre d) Dbito : Caixa, Capital e Imveis Crdito : Mveis e Utenslios e Veculos; e) Dbito : Caixa, Imveis, Mveis e Utenslios e Veculos Crdito : Capital

    6. Uma compra de mercadorias, parte vista e parte a prazo, gera o seguinte lanamento: a) dbito da conta caixa e crdito de mercadorias e fornecedores; b) dbito da conta Mercadorias e crdito de caixa e fornecedores; c) dbito da conta Fornecedores e mercadorias e crdito de caixa; d) dbito da conta Fornecedores e crdito de mercadorias e caixa; e) dbito da conta Fornecedores e caixa e crdito de mercadorias

    7. A empresa Delta vende mercadorias a prazo para a empresa Lambda: a) Na contabilidade da Lambda, ser lanado como direito a receber. b) Na contabilidade da Delta, ser lanado como obrigao a pagar. c) Na contabilidade da Lambda, ser lanado como direito a receber e da Delta, como uma Obrigao a pagar. d) Na contabilidade da Delta, ser lanado como direito a receber e da Lambda, como obrigao a pagar. e) Nenhuma das alternativas anteriores est correta.

    7. A Empresa consegue um emprstimo junto a um Banco no valor de R$ 10.000,00. Demonstre como ficar registrada essa operao na contabilidade da empresa e na contabilidade do Banco.

    8. Com base nas leituras dos textos indicados, o aluno dever pesquisar e responder as questes abaixo:a) Qual a importncia da escriturao contbil?b) Todas as empresas devem ter escriturao contbil?

    UNIDADE 4 Balancete de Verificao como Instrumento de Anlise Gerencial

    1. Balancete de Verificao uma planilha para verificar matematicamente as somas dos lanamentos a dbito e crdito e saldo de todas as contas do razo.

    EXERCCIO 1Em 02 de Janeiro de 2002, a empresa Gama iniciou suas atividades, tendo realizado as seguintes operaes nas seguintes datas:2. Integralizao de $ 250.000 do Capital Social, em dinheiro;3. Compra de mercadorias a vista, por $ 110.000;5. Compra de mveis e utenslios por $ 50.000 a prazo, emitindo uma nota promissria para

    pagamento em 30 dias;8. Compra de mercadorias a prazo por $ 70.000 da Cia. Alfa;12. Venda de mercadorias a vista pelo preo de custo, por $160.000;14. Pagamento de:

    a) $ 30.000 Cia. Alfa referente compra no dia 08 e,b) $ 5.000 da dvida relativa compra de mveis e utenslios;

    17. Compra de um terreno por 140.000, sendo $ 50.000 em dinheiro e o restante, a pagar em 31/01, 28/02 e 31/03;

    19. Compra de mercadorias a prazo, da Cia. Beta, no valor de $ 250.000;21. Venda a prazo, pelo custo de mercadorias por $200.000;30. Pagamentos de:

    8

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    a) $ 140.000 Cia. Beta pela compra do dia 19 e,a) $ 30.000 por conta do terreno adquirido no dia 17

    Pede-se:a) lanar as operaes nos livros: dirio e razo;b) levantar um Balancete de verificao em 31-01-2002.

    EXERCCIOS 2A Cia. ALFA iniciou sua atividade em 01-01-2002. 1. Nesta data foi feito investimento inicial de capital no valor de $ 500 em dinheiro;2. Comprou um imvel por $ 500, da seguinte forma: $ 250 em dinheiro e o restante a prazo;3. Compra de Mveis e Utenslios a prazo, pelo valor de $ 50;4. Aquisio de mercadorias para comercializao, no total de $ 500 sendo 70% prazo;5. Aquisio de veculos pelo valor de $ 400 cada, a prazo;6. Abertura de conta bancria no Banco Beta, ocasio em que foi feito o depsito de $ 90;7. Venda de parte do imvel, para a CIA. GAMA, por $ 100, recebendo $ 20, em dinheiro e o

    restante em cheques;8. Obteno de $ 200 de emprstimo junto ao Banco Beta, depositado em c/c;9. Pagamento de $ 200 em cheque, referente dvidas contradas na aquisio de imveis,

    conforme conta de Ttulos Pagar;10. Aumento do Capital Social em cheque , no valor de $ 100, depositado no Banco Beta;11. Venda da metade das mercadorias a vista, por 250 em dinheiro;12. Liquidao em cheque, da dvida referente ao emprstimo bancrio;13. Compra no valor de $ 800 em mercadorias, sendo 20% a vista.Com base nesses dados, pede-se:a) lanar as operaes do ms nos livros dirio e razo;b) elaborar Balancete de Verificao; ec) elaborar o Balano Patrimonial.

    UNIDADE 5: Balano Patrimonial Classificao e conceito dos principais grupamentos O Plano de Contas: Elaborao e Classificao

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6404.htm - Lei 6.404/76 - Sociedade por Aes

    1. BALANO PATRIMONIAL

    uma das mais importantes demonstraes contbeis, atravs da qual podemos apurar a situao patrimonial-financeira de uma entidade em determinado momento. Atravs do Balano Patrimonial, conhecemos todos os componentes da riqueza Patrimonial, bem como suas origens e aplicaes.

    A classificao do Balano Patrimonial conforme o Art. 178 da Lei 6.404/76, ser a seguinte:Grupo de Contas

    Art. 178. No balano, as contas sero classificadas segundo os elementos do patrimnio que registrem, e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a anlise da situao financeira da companhia. 1 No ativo, as contas sero dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos nelas registrados, nos seguintes grupos:

    9

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6404.htm

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre a) ativo circulante; b) ativo realizvel a longo prazo; c) ativo permanente, dividido em investimentos, ativo imobilizado e ativo diferido. 2 No passivo, as contas sero classificadas nos seguintes grupos: a) passivo circulante; b) passivo exigvel a longo prazo; c) resultados de exerccios futuros; d) patrimnio lquido, dividido em capital social, reservas de capital, reservas de reavaliao, reservas de lucros e lucros ou prejuzos acumulados. 3 Os saldos devedores e credores que a companhia no tiver direito de compensar sero classificados separadamente.

    ESTRUTURA BSICA DO BALANO PATRIMONIAL1 _ . ATIVO PASSIVO .Ativo Circulante Passivo CirculanteAtivo Realizveis a Longo Prazo Passivo Exigvel a Longo PrazoAtivo Permanente Resultado de Exerccios Futuros *Investimento Patrimnio Lquido *Ativo Imobilizado *Capital Social *Ativo Diferido * Reservas de Capital * Reservas de Reavaliao * Reservas de Lucros * Lucros ou Prejuzos Acumulados

    2. AS CONTAS SERO CLASSIFICADAS DO SEGUINTE MODO:2.1. ATIVO Ativo Circulante - As disponibilidades, os direitos realizveis no curso do exerccio social

    subseqente e as aplicaes de recursos em despesas do exerccio seguinte. Ativo Realizvel Longo Prazo - Os direitos realizveis aps o trmino do exerccio seguinte,

    ou seja, aps 365 dias. Ativo Permanente - So recursos aplicados em bens ou direitos no destinados

    comercializao, ou seja, de carter permanente. Investimentos - As participaes permanentes em outras sociedades e os direitos de

    qualquer natureza, no classificveis no Ativo Circulante, e que no se destinem manuteno da atividade da companhia ou da Empresa.

    Ativo Imobilizado - Os direitos que tenham por objeto bens destinados manuteno das atividades da companhia e da Empresa, ou exercidos com essa finalidade, inclusive os de propriedade industrial ou comercial.

    Ativo Diferido - As aplicaes de recursos em despesas que contribuiro para a formao do resultado de mais de um exerccio social, inclusive os juros pagos ou creditados ao acionista durante o perodo que anteceder o incio das operaes sociais.

    2.2. PASSIVO Passivo Circulante - representado pelas obrigaes da companhia, cuja liquidao se espera

    que ocorra dentro do exerccio social seguinte ou de acordo com o ciclo operacional da empresa, se este for superior a esse prazo.

    1 - Manual de Contabilidade das Sociedades Annimas - FIPECAFI 10

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre Passivo Exigvel a Longo Prazo - Obrigaes que vencero aps o final do exerccio seguinte

    ou em prazo superior a seu ciclo operacional. Resultado de Exerccios Futuros Receitas de Exerccios Futuros, diminudas dos custos e

    despesas a elas correspondentes (Caracteriza-se pelo fato de no haver qualquer obrigao de devolver dinheiro).

    2.3. PATRIMONIO LQUIDO Contas representativas dos capitais prprios, que registram os recursos provenientes de scios ou acionistas, bem como as suas variaes em decorrncia do resultado da gesto econmico-financeira da empresa. ( a diferena entre o valor dos ativos e dos passivos).

    Capital - Representa valores recebidos pela empresa, ou por ela gerados, e que esto normalmente incorporados ao Capital.

    Reservas de Capital - Representam valores recebidos que no transitaram pelo seu resultado como Receitas.

    Reservas de Reavaliao - Representam acrscimo de valor atribudo a elementos do Ativo acima dos ndices de correo monetria.

    Reservas de Lucros * - Representam lucros obtidos pela Empresa, retidos com finalidade especfica.

    Lucros ou Prejuzos Acumulados - So tambm resultados obtidos, mas retidos sem finalidade especfica (quando lucro), ou seja, espera de absoro futura (quando prejuzo).

    *RESERVAS DE LUCROSDentre as principais contas, destacam-se:

    Reserva Legal - Finalidade manter integridade do Capital Social - Constituda pela reteno de 5% do lucro lquido at completar 20% do Capital Social.

    Reserva Estatutria - Criada de acordo com o Estatuto com finalidade especfica. Reserva Para Contingncias - A finalidade compensar no futuro uma provvel perda ou

    um prejuzo previsto pela direo da Empresa. Reserva de Lucros a Realizar - evidenciar a parcela de lucros ainda no realizada

    financeiramente (apesar de contabilmente realizada). Reserva de Lucros Para Expanso - Visa assegurar a consecuo de seus programas de

    investimentos.

    3. PLANO DE CONTAS

    11

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestrecdigos nat. nv contas cdigos nat. nv contas1 D 1 ATIVO 2 C 1 PASSIVO1.1 D 2 Circulante 2.1 C 2 Circulante1.1.01 D 3 Disponvel 2.1.01 C 3 Obrigaes de Curto Prazo1.1.01.01 D 4 Caixa 2.1.01.01 C 4 Fornecedores1.1.01.01.01 D 5 Caixa Geral 2.1.01.01.01 C 5 Delta Ltda.1.1.01.02 D 4 Bancos C/ Movimento 2.1.01.01.02 C 5 micron Ltda.1.1.01.02.01 D 5 Banco Sigma S/A - C/C 2.1.01.01.03 C 5 Epsilon Ltda.1.1.02 D 3 Direitos Realizveis a CP 2.1.01.02 C 4 Credores Imobilirios 1.1.02.01 D 4 Clientes 2.1.01.02.01 C 5 Construtora Beta S/A1.1.02.01.01 D 5 Iota Ltda. 2.2 C 2 Exigvel a Longo Prazo1.1.02.02 D 4 Estoque 2.2.01 C 3 Emprsts e Financiamentos1.1.02.02.01 D 5 Mercadorias 2.2.01.01 C 4 Emprstimos Bancrios1.1.02.02.02 D 5 Peas para Reparos 2.2.01.01.01 C 5 Banco Sigma S/A -

    Emprs1.2 D 2 Realizvel a Longo Prazo 2.3 C 2 Patrimnio Lquido1.2.01 D 3 Crditos 2.3.01 C 3 Capital 1.2.01.01 D 4 Devedores Imobilirios 2.3.01.01 C 4 Capital Social1.2.01.01.01 D 5 Imobiliria PSI Ltda. 2.3.01.01.01 C 5 Capital Social Subscrito1.3 D 2 Permanente 2.3.01.01.02 D 5 (-) Capital a Integralizar1.3.01 D 3 Imobilizado1.3.01.01 D 4 Bens em Uso1.3.01.01.01 D 5 Mveis e Utenslios1.3.01.01.02 D 5 Veculos1.3.01.01.03 D 5 Mquinas e Equiptos.1.3.01.01.04 D 5 Instalaes1.3.01.01.05 D 5 Imveis

    EXERCCIO 11. Do ponto de vista da tcnica-contbil, o que conta?2. Qual o conceito de Plano de Contas?3. Existe um Plano de Contas que deve ser usado por todo e qualquer tipo de empresa? Explique.4. Dentro de uma estrutura bsica do plano de contas, temos as contas sintticas e as contas

    analticas. Qual a diferena entre elas?5. Qual a importncia dos cdigos reduzidos ou simplificados nos sistemas informatizados de

    contabilidade?EXERCCIO 2A Empresa Pinheirinho Decorado Ltda., iniciou suas atividades em 01.12.2001, no ramo de enfeites de natal. O seu capital social de $ 1.300, foi constitudo da seguinte forma: $ 400 em dinheiro; 400 em mercadorias; $ 300 em imveis; $ 200 em veculos.Durante o ms de Dezembro, foram realizadas outras operaes, conforme relacionadas abaixo:Dia2. Aquisio de equipamentos em dinheiro, no valor de $ 100;3. Aquisio de mercadorias, nas seguintes condies: $ 200 em dinheiro, $ 200 a prazo, a vencer

    em 30 e 60 dias;4. Venda do imvel por $ 300 a Decoraes Brilhantes Ltda., recebendo a vista $ 100 e o restante

    a prazo;5. Venda de $ 200 em mercadorias pelo preo de custo, recebendo 30% a vista e o restante a

    12

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    prazo;6. Depsito de $ 200 no Banco Sem Fundo S/A;7. Recebimento de um veculo no valor de $ 100, para amortizar a dvida do imvel vendido no

    dia 4;8. Pagamento de $ 100 em cheque aos fornecedores de mercadorias;9. O devedor referente venda do imvel no dia 4, impossibilitado de liquidar sua dvida, nos deu

    um equipamento no valor de $ 100;Com base nesses dados, pede-se:a) Registrar todas as operaes abaixo no livro Razo (razonetes)b) Elaborar o Balancete de Verificao das contas do razo;c) Elaborar o Balano Patrimonial (de acordo com sua estrutura)

    EXERCCIO 3Apresentamos abaixo, as operaes da Empresa Comercial ZETA Ltda. constituda em 01 de Junho de 2001:Dia1. Capital inicial em dinheiro integralizado no ato pelos scios, no valor de $10.000,00;2. Compra de 01 Imvel da Construtora Beta S/A, no valor de R$ 3.500,00 para pagamento em 90

    dias;3. Foi aberta uma conta corrente, junto ao Banco Sigma S/A, sendo depositado a quantia de R$

    5.000;4. Compra de Mercadorias a prazo no valor de R$ 2.000,00 do fornecedor Delta Ltda.;5. Aquisio de Mquinas e Equipamentos, no valor de R$ 2.000,00, da seguinte forma: R$ 1.000,00 vista em dinheiro e R$ 1.000,00 a pagar em 70 dias ao fornecedor psilon Ltda.6. Venda de mercadorias pelo preo de custo, no valor de R$ 1.200,00, ao cliente Iota 7. Compra de 01 Veculo, no valor de R$ 1.300,00, pago vista em dinheiro.De acordo com as informaes acima, pede-se:a) Fazer os lanamentos das operaes nos razonetes;b) Elaborar o Balancete de Verificao com os cdigos e contas, do ms de Junho/2001;c) Elaborar o Balano Patrimonial da Comercial ZETA Ltda. do ms, de acordo com a sua

    estrutura bsica.

    UNIDADE 6 Os relatrios contbeis: Balancete de Verificao e Balano Patrimonial

    EXERCCIO 1Com base nos dados da empresa criada abaixo, no ms de Janeiro de 2002, pede-se:a) Registrar todas as operaes abaixo no livro Razo (razonetes)b) Elaborar o Balancete de Verificao das contas do razo;c) Elaborar o Balano Patrimonial (de acordo com sua estrutura)

    2. Em reunio realizada nesta data, cinco pessoas decidem constituir uma empresa denominada Bass Bosst Cia. Ltda, que se dedicar comercializao de mveis para escritrio. Ela foi constituda com o capital inicial de $ 10.000 (cada scio entregou $ 2.000.), oportunidade em que foi aberta uma conta no Banco Rendimento S.A. e depositado esse valor;

    3. Aquisio de mercadorias no total de $ 5.000, do fornecedor Beta Ind. Ltda. sendo $ 3.000, pago em cheque e $ 2.000 para pagamento no prazo de 60 dias;

    4. Aquisio de um veculo, para entrega de mercadorias, no valor de $ 2.000 sendo 50% a vista atravs de cheque e 50% a prazo;

    5. A Empresa emitiu um cheque de $ 200, valor esse a ser mantido em caixa, para o pagamento de pequenas contas;

    13

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre6. Venda de mercadorias que haviam custado $ 2.000, pelo preo de $ 3.000, em dinheiro;7. Depsito no Banco Rendimento S.A. no valor de $ 3.000, resultante da venda acima;8. Aumento do capital social para $ 15.000, mediante a entrega de cheques pelos acionistas no

    total de $ 5.000, os quais foram depositados no Banco Rendimento S.A.;9. Aquisio de um imvel pelo preo de $ 7.000, onde dever ser futuramente construdo a sede

    da empresa. No ato foi entregue um cheque de $ 3.000 e emitidas duas notas promissrias de $ 2.000, cada uma, com vencimento no prazo de 90 e 180 dias;

    10. Pagamento de $ 2.000 em cheque para liquidao do saldo devedor referente compra de mercadorias a prazo;

    11. Aquisio de mercadorias da Ind. Alfa de Mveis, no valor de $ 4.000 sendo metade a vista (cheque) e metade para pagamento no prazo de 60 dias;

    12. Liquidao da dvida contrada com aquisio do veculo, mediante a entrega de um cheque no valor de $ 1.000;

    13. Aquisio de mesas, cadeiras, mquinas de escrever e calculadoras para uso prprio em seu escritrio, ao preo total de $ 600, pago com cheque.

    EXERCCIO 2Abaixo apresentamos as operaes da Cia. Lambda, constituda em 1 de outubro de 2001, no ramo de conserto de aparelho de ar condicionado.01/10 - Capital de R$ 100.000, com integralizao no ato em dinheiro de $ 10.000 e o restante a ser integralizado;02/10 - Aquisio de um imvel por $ 30.000, sendo $ 3.000 a vista e o restante a prazo;15/10 - Aquisio de diversas mquinas industriais do fornecedor Delta Ltda. por $ 10.000, sendo $ 3.000, a vista e o restante a prazo;20/10 - Foram adquiridas a vista, trs cadeiras e duas mesas para escritrio por $ 1.000;22/10 - Foi aberta uma conta no Banco Sigma S/A, sendo depositado o valor de $ 500;25/10 - Foi obtido um emprstimo bancrio de $ 15.000, junto ao Banco Sigma S/A, valor esse depositado em c/c, para pagamento no prazo de 15 meses;27/10 - Foram compradas a vista, mediante o cheque n 001 do Banco Sigma S/A, instalaes para a empresa por $ 5.000;30/10 - Foram adquiridas do fornecedor micron, mediante aceite de duplicata com vencimento em 20/12, mercadorias no valor de $ 10.000;Em Novembro02/11 - Foi paga a primeira prestao do imvel adquirido em 02/10, atravs do cheque n02 do Banco Sigma S/A de $ 3.000;05/11 - Foi adquirida a vista, uma mquina de escrever por $ 1.000, em cheque de n 03 do Banco Sigma S/A;10/11 - Integralizao de Capital, em dinheiro no valor de $ 30.000;15/11 - Compra de mveis, cadeiras, armrios, etc., a vista por $ 800 em dinheiro;25/11 - Compra de uma camioneta a vista por $ 11.000 em dinheiro;30/11 - Pagamento ao fornecedor Delta Ltda. o valor de $ 7.000 em dinheiro;Em Dezembro02/12 - Pagamento da segunda prestao do imvel, em dinheiro no valor de $ 3.000;05/12 - Vendida metade do imvel pelo preo de custo, a prazo para a Imobiliria Psi Ltda., com vencimento em 14 meses;10/12 - Compra a vista em dinheiro de diversos Mveis para Escritrio por $ 2.000;15/12 - Integralizao do Capital em dinheiro no valor de $ 20.000;20/12 - Pagamento de duplicata ao fornecedor micron Ltda. em dinheiro no valor de $ 10.000;23/12 - Foram adquiridas Mercadorias, a prazo do fornecedor psilon Ltda., no valor de $ 15.000 com vencimento para 30/01/2002;

    14

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    Pede-se:a) Registrar as operaes no livro razo ms a ms, elaborando um Balancete de Verificao a cada

    final de ms;b) Elaborar o Balano Patrimonial da Cia. Lambda na data de 31.12.2001.

    UNIDADE 7 - Princpios e Normas Contbeis

    Princpio da EntidadeA contabilidade deve tratar a Pessoa Jurdica da empresa como distinta das pessoas fsicas e /ou jurdicas dos proprietrios.Princpio Da CompetnciaAs receitas e as despesas so consideradas em funo do seu fato gerador e no em funo do recebimento da receita ou pagamento da despesa.

    As receitas de um exerccio so aquelas ganhas nesse perodo, no importando se tenham sido recebidas ou no;

    As despesas de um exerccio so aquelas incorridas nesse perodo, no importando se tenham sido pagas ou no.

    UNIDADE 8: Conceitos de: Receitas, Faturamento, Despesas, Gastos e Custos; Apurao do Resultado do Exerccio (Lucro ou Prejuzo), envolvendo as

    contas de resultado (Receitas e Despesas)

    As fontes do patrimnio lquido de uma entidade so: O capital inicial e aumentos posteriores investidos pelos scios/acionistas; O resultado lquido (lucro ou prejuzo) nas atividades operacionais da empresa, dentro de um

    perodo contbil.

    Receita - o resultado da venda de mercadorias, produtos ou servios vista ou a prazo, da atividade normal da empresa.

    Despesa - um gasto que se consome, sem estar diretamente relacionado com o produto. Custo - um gasto que geralmente agrega valor a um produto ou servio. Resultado - o confronto entre as contas de receitas, custos e despesas no perodo contbil

    sendo positivo ocasiona um Lucro e ir no balano patrimonial aumentando o patrimnio lquido, se negativo ser prejuzo e ir no balano patrimonial diminuindo o patrimnio lquido.

    As contas de Receitas, Custos e Despesas, so contas de resultado e sero apresentadas na Demonstrao do Resultado do Exerccio, evidenciando mediante o confronto, o resultado lquido do perodo.Essa demonstrao deve ser apresentada na posio vertical, discriminando seus componentes de forma seqencial.

    Despesa Diferida - so despesas pagas antecipadamente que beneficiam o exerccio seguinte. Receita Diferida - Representam recebimentos adiantados que vo gerar no passivo, uma

    obrigao de servios futuro ou a entrega posterior de um produto.

    15

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II SemestreEXERCCIO 1Mencionamos abaixo, as operaes realizadas pela Empresa, Objetivo Lucro Ltda. a partir da sua constituio em Janeiro de 2002: dia 2 - integralizao do seu capital em dinheiro, no valor de $ 10.000; 4 - pagamento de $ 220 por material empregado nos trabalhos efetuados 5 - pagamento de $ 300, referente a aluguel de caminhes; 10- recebimento de $ 1.580 por servios prestados; 18- pagamento de $ 500 de aluguel do imvel, onde fica a empresa; 21- compra de um imvel a prazo, por $ 2.000; 22- pagamento de $ 200, referentes gastos com alimentao; 26- recebimento por servios concludos no valor de $ 3.500; 27- pagamento de pr-labore dos scios da empresa, o valor de $ 1.200; 29- pagamento de $ 500 em salrios.

    Pede-se:a) Registrar as operaes no livro Razo;b) Elaborar o Balancete de Verificao;c) Apurar o resultado da empresa (confronto entre as receitas, despesas e custos), aps elaborar a

    Demonstrao do Resultado;d) Elaborar o Balano Patrimonial.

    EXERCCIO 2A Empresa micron Representaes e Servios Ltda. apresentou com data de 30.11.2001, um balancete da sua companhia, composto com as seguintes contas:

    Saldos devedores Saldos credoresCaixa 32 Fornecedores 88 Bancos C/ Movimento 176 Contas a Pagar 20 Clientes 218 Capital 320 Imveis 290 Lucros Acumulados 42 Veculos 60 Receitas de Comisses 220 Despesa de gua e Energia 9 Receitas de Servios 160 Despesa de Aluguel 40 total 850 Despesa de Manuteno 10 Despesa com Materiais p/Reparos 15 total 850

    Durante o ms de dezembro/2001 ocorreram as seguintes transaesDia 03 - Compra de materiais a prazo para estoque, no valor de $ 10; 07 - Recebimento em dinheiro o valor de $ 18 de clientes; 09 - Pagamento manuteno de veculos o valor de $ 2 em cheque; 12 - Pagamento de despesas de energia eltrica $ 1 em cheque; 15 - compra a vista de mveis e utenslios pelo valor de $ 20 em cheque 18 - Recebimento de $ 50 em cheques depositados no banco, referentes receitas de comisses pelas vendas efetuadas no ms; 20 - Recebimento de $ 33 em cheque, por servios prestados no ms; 21 - Pagamento efetuado a fornecedores, de $ 28 em cheque; 27 - Depositado no Banco o valor de $ 8 em dinheiro; 30 - Pagamento dos salrios do ms, $ 12 em dinheiro.

    Pede-se:a) Registrar todas as operaes somente nos razonetes; b) Elaborar o Balancete de Verificao somente com duas colunas de saldo atual; c) Apurar se houve Lucro ou Prejuzo, e em seguida elaborar a Demonstrao do Resultado

    16

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestred) Elaborar o Balano Patrimonial de forma completa

    EXERCCIO 3O Balancete de verificao da Cia. Computnet Informtica, no dia 30/11/2001, era formado pelas seguintes contas:

    Saldos devedores Saldos credoresCaixa 85 Fornecedores 32 Clientes 107 Contas a Pagar 30 Mveis e Utenslios 40 Ttulos a Pagar 15 Equipamentos 190 Dividendos a Pagar 50 Veculos 60 Capital 275 Despesa de gua e Energia 98 Receitas de Servios 310 Despesa de Salrios 132 total 712 total 712

    No ms de Dezembro, ocorreram as seguintes operaes:Dia 03 - recebimento por servios prestados no valor de $ 15; 05 - pagamento de gasto com manuteno de veculos no valor de $ 30; 07 - pagamento de impostos $ 14; 10 - recebimento de dvidas de clientes no valor de $ 50; 14 - pagamento de dividendos aos acionistas no valor de $ 40; 18 - compra de equipamentos a prazo por $ 100; 21 - pagamento com manuteno de equipamentos no valor de $ 12; 27 - recebimento por servios prestado no valor de $ 20; 28 - recebimento de dvidas de clientes no valor de $ 40; 29 - pagamento de salrios do ms no valor de $ 50; 30 - pagamento da conta de energia eltrica de $ 10.

    Pede-se:a) Registrar todas as operaes somente nos razonetes; b) Elaborar o Balancete de Verificao somente com duas colunas de saldo atual; c) Apurar se houve Lucro ou Prejuzo, e em seguida elaborar a Demonstrao do Resultado d) Elaborar o Balano Patrimonial de forma completa

    EXERCCIO 4O Balancete de verificao da Empresa Comercial de Ferragens Ltda., em 30 de Novembro de 2001, estava composto das seguintes contas e saldos:

    Saldos devedores Saldos credoresCaixa 2.500 Fornecedores 11.250 Clientes 12.350 Salrios a Pagar 200 Mercadorias 5.650 Aluguel a Pagar 50 Veculos 3.000 Capital 10.000 Mveis e Utenslios 2.500 Receitas de Vendas 8.600 Despesa de Salrios 2.200 total 30.100 Despesa de Aluguel 550 Despesa de Manuteno 1.350 total 30.100

    Durante o ms de Dezembro, foram feitas as seguintes operaes:Dia 02 - Recebimento de dvidas de clientes $ 8.200 05 - Pagamento de salrios referente ao ms de Novembro. $ 200

    17

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre 09 - Compra de mercadorias com pagamento a vista $ 3.000 10 - Pagamento do aluguel referente ao ms de Novembro $ 50 12 - Venda de mercadorias a vista, pelo valor de $ 1.600 15 - Pagamento de dvidas fornecedores $ 3.750 18 - Pagamento por servios prestados de pintura da loja $ 1.000 19 - Venda de mercadorias efetuada a prazo, no valor de$ 2.200 29 - Aluguel do ms a pagar em Janeiro/2002 $ 50 30 - Salrios do ms a serem pagos em Janeiro/2002 $ 200

    Pede-se:a) Registrar todas as operaes somente nos razonetes;b) Elaborar o Balancete de Verificao somente com duas colunas de saldo atual;c) Apurar se houve Lucro ou Prejuzo na empresa, e em seguida elaborar a Demonstrao do

    Resultado;d) Elaborar o Balano Patrimonial de forma completa.

    UNIDADE 9: Demonstrao do Resultado do Exerccio - Estrutura de acordo com a Lei

    6.404/76 MODELODEMONSTRAO DO RESULTADO DO EXERCCIO

    RECEITA OPERACIONAL BRUTA $ Venda de Mercadorias Venda de Servios(-) Dedues da Receita Bruta ($) ( - )Devoluo de Vendas ( - )Abatimentos e Descontos ( - )ICMS s/Vendas e ISS ( - )Pis s/Faturamento ( - )Cofins s/FaturamentoRECEITA LQUIDA $ ( - )Custo das mercadorias vendidas ( - )Custo dos servios prestadosLUCRO BRUTO $( - ) DESPESAS OPERACIONAIS ($) Despesas com vendas ($) Despesas com pessoal de vendas Comisses de vendas Viagens e representao Perdas com crditos incobrveis Administrativa ($) Despesas com pessoal administrativo Utilidades e servios Honorrios da administrao Depreciaes e amortizaes Impostos e taxas ( +/- )Despesas/Receitas Financeiras $ ( +/- )Variaes Monetrias $(-) OUTRAS DESPESAS OPERACIONAIS ($)+ OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS $ 18

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre(-) Prejuzos em Participaes Societrias (Equivalncia Patrimonial) ($)+Lucros em Participaes Societrias (Equivalncia Patrimonial) ($)=RESULTADO OPERACIONAL $(+/-) Ganhos / Perdas de capital nos investimentos(+/-) Ganhos / Perdas de capital no imobilizado=RESULTADO ANTES DO I. RENDA E DA C. SOCIAL $(-) Imposto de Renda e Contribuio SocialLUCRO OU PREJUZO LQUIDO DO EXERCCIO $ Lucro por Ao*

    Obs.: O lucro por ao apurado mediante a diviso do lucro ou prejuzo do exerccio pelo nmero de aes em circulao

    EXERCCIO 1Abaixo apresentamos o balancete de verificao da Cia. Lambda, em 31.11.2001, com as seguintes contas:

    Saldos Devedores Saldos CredoresCaixa e Bancos 6.300 Fornecedores 5.100Clientes 11.900 Impostos a Recolher 2.000Ttulos a Receber 5.200 Dividendos a Pagar 600Mercadorias 17.800 Emprstimos Bancrios 2.000Seguros Pagos Antecipados 1.600 Financiamentos de LP 3.100Ttulos a Receber em LP 2.400 Capital 25.000Investimentos em Aes 2.800 Reservas de Reavaliao 9.400Mveis e Utenslios 3.500 Duplicatas Descontadas 400Veculos 10.000 Depreciao Acumulada 2.300Impostos sobre vendas e servios 2.300 Receita de Vendas 115.700Devoluo de vendas 1.100Custo das Mercadorias Vendidas 70.600Despesa de Salrios 12.200Despesa de Manuteno 3.000Despesa de gua e Energia 1.200Despesa de Depreciao 500Despesa de Propaganda 7.000Despesa de Juros Financeiros 6.200

    Total 165.600 Total 165.600No ms de Dezembro, foram realizadas outras operaes conforme abaixo:1. Pagamento de impostos sobre vendas, no valor de R$ 1.600;2. Recebimento de servios prestados, no valor de R$ 1.700;3. Juros sobre aplicao financeira, depositado pelo Banco em n/ conta corrente R$ 400;4. Venda de mercadorias a prazo, para recebimento em 375 dias R$ 500;5. Pagamento de frete sobre as vendas R$ 2.800;6. Salrios do ms de Dezembro/2001, a pagar em Janeiro/2002. R$ 1.500

    Pede-se:a) Registrar todas as operaes nos razonetes e apurar o resultado do exerccio;b) Elaborar o Balancete de Verificao, apenas o saldo atual;c) Elaborar a Demonstrao do Resultado do Exerccio (forma completa);d) Elaborar o Balano Patrimonial da Cia. Lambda (de acordo com a sua estrutura bsica), com

    data de 31.12.2001.

    EXERCCIO 2A empresa prestadora de Servios em Comrcio Exterior micron Ltda., apresentou o seu balancete de verificao com data de 30.11.2001 com as seguintes contas: 19

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    Saldos devedores Saldos credoresCaixa 9.000 Fornecedores 1.000Bancos conta Movimento 5.000 Salrios a Pagar 2.000Clientes 800 Capital 10.000Mveis e Utenslios 5.000 Receita de Servios 60.000Veculos 25.000 Receita Financeira 1.300Despesa de Salrios 22.000Despesa de Aluguel 5.000Despesa de Energia 2.000Despesa de Manuteno 500

    Total 74.300 Total 74.300

    No ms de dezembro/2001, foram realizadas as seguintes operaes.1. Pagamento de salrios referente ao ms de novembro/2001 $ 2.000 em dinheiro;2. Servios prestados de $ 10.000, recebido 60% a vista com cheque e depositado no banco, e o

    restante a prazo;3. Compra de computadores, pago a vista com cheque, no valor de $ 3.000;4. Pagamento de contas de energia, no valor de $ 500 em dinheiro;5. Importncia depositada em dinheiro no valor de $ 6.500, no Banco de movimentao da

    empresa;6. Servios prestados e recebidos vista no valor de $ 1.200 em dinheiro;7. Compra a prazo de 01 Imvel, no valor de $ 50.000, com assinatura de 0l Nota promissria para pagamento em 31/01/2003;8. Aumento do capital social da empresa em $ 5.000, com cheques;9. Pagamento em cheque de gastos com propaganda do ms no valor de $ 32010. Pagamento em cheque da comisso sobre servios ao representante de $ 25011. Despesas ocorridas no ms de dezembro/2001 a serem pagas no ms de janeiro/2002:

    $ aluguel - $ 500$ salrios - $ 1.000

    Pede-se:a) Registrar as operaes no livro razo (razonetes);b) Elaborar o Balancete de Verificao apenas com saldo atual;c) Apurar o resultado da empresa (confronto entre as receitas e despesas) em seguida elaborar a Demonstrao do Resultado do Exerccio;d) Elaborar o Balano Patrimonial de acordo com os seus grupamentos.

    UNIDADE 10 A Contabilidade como instrumento de gesto empresarial

    1. DEMONSTRAES CONTBEISPor Demonstraes Contbeis entendemos todo e qualquer tipo de representao, parcial ou global de componentes patrimoniais ou de variaes do patrimnio, extradas de livros ou registros contbeis.

    Entre as Demonstraes Contbeis destacamos: Balano Patrimonial = Esttica Patrimonial Demonstrao do Resultado do Exerccio = Dinmica Patrimonial Demonstrao das Mutaes do Patrimnio Lquido = Demonstrao das Origens e Aplicaes de Recursos =

    20

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II SemestreAbaixo temos um quadro onde possvel visualizar como s reas de uma empresa se

    interligam contabilidade.

    Antes da era da informtica, todos esses controles eram feitos de forma manual, agora com a ferramenta da informtica, todos os controles podem ser feitos da comunicao entre estes setores, disponibilizando o envio de dados atravs de interfaces.

    UNIDADE 11: A Avaliao dos Estoques. O Inventrio Permanente e Peridico; Critrios de Apurao do Custo numa Empresa Comercial.

    CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS = C.M.V.Basicamente existem dois sistemas para apurar o C.M.V.:1. Inventrio Peridico S feito um levantamento fsico quando for necessrio apurar o Lucro Bruto (ou RCM);2. Inventrio Permanente Para cada venda feita a respectiva baixa no estoque pelo custo do CMV .Deve-se fazer o controle atravs de uma ficha de controle de estoque de acordo com as necessidades da empresa.Para apurar o Balano se faz necessrio ter em mos a quantidade e a avaliao dos estoques para que se apure devidamente o CMV que constar na Demonstrao de Resultado. 21

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    AVALIAO DOS ESTOQUESA Avaliao dos estoques poder ser feita pelos mtodos:

    1. Preo Especfico - Quando possvel fazer-se a determinao do preo especfico de cada unidade em estoque.

    2. PEPS - Nesse critrio a baixa no custo feita da seguinte maneira: O primeiro que entra, o primeiro a sair.

    3. UEPS - Contrrio do sistema anterior, ou seja, a baixa : ltimo a entrar, o primeiro a sair. 4. Mdia Ponderada Mvel - Neste critrio, o valor mdio de cada unidade em estoque se altera

    pelas compras de outras unidades por um preo diferente.

    EXEMPLOEstoque inicial de 50 unidades a 100,00 cada1. Compra a prazo de 30 unidades a 130 cada;2. Devoluo ao fornecedor de 5 unidades referente compra anterior;3. Venda a prazo de 25 unidades pelo total de $ 7.000,004. Recebimento em devoluo de 5 unidades da venda anterior no valor de $ 1.400,005. Abatimento $ 500,00, concedido sobre os demais 20;6. Compra a prazo de 10 unidades a $ 123,00 cada; 7. Venda a prazo de 10 unidades pelo valor de $ 300,00 cada;8. Foi concedido um desconto comercial ao cliente, de $ 500,00 na venda acima.

    UNIDADE 12: Operaes apurando o custo das mercadorias vendidas; Nota Fiscal (Sada, Entrada)

    EXERCCIO 1O Balancete de verificao da Cia. Comput Comercial. Ltda. no dia 31.01.2002, era constitudo das seguintes contas:

    Contas Saldos Devedores Contas Saldos CredoresCaixa 50.000 Fornecedores 50.000Clientes 10.000 Capital 125.000Mercadorias* 40.000 Salrios a Pagar 10.000Computadores 55.000Despesa com Salrios 10.000

    22

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    Despesa com Aluguel 20.000Total 185.000 Total 185.000

    *o saldo da conta mercadorias, estava constitudo de 400 unidades a $ 100 cada.

    Durante o ms de Fevereiro/2002, foram realizadas operaes nas seguintes datas:4. Compra de 550 unidades a prazo, por $ 120 cada;5. Pagamento de salrios de Janeiro, no valor de $ 10.000;6. Devoluo de 150 unidades ao fornecedor, referente compra de 04/02;10. Recebimento de dvidas de clientes no valor de $ 10.000;12. Pagamento de duplicatas ao fornecedor no valor de $ 40.000;16. Venda de 550 unidades a prazo pelo valor de $ 200, cada unidade;17. Devoluo de 50 unidades, por parte do cliente;28. Salrios do ms de Fevereiro, a pagar em Maro/2002 de $ 15.000;Pede-se:a) Com base nas informaes acima, fazer a ficha controle de estoque e apurar o CMV, pelo

    mtodo da Mdia Ponderada, fazendo o lanamento contbil no livro razo;b) Fazer os lanamentos das operaes e encerramento nos razonetes;c) Apurar o resultado e elaborar a Demonstrao do Resultado do Exerccio e o Balano

    Patrimonial.

    EXERCCIO 2O Balancete de verificao da micron Representao em Comercio Exterior Ltda., no dia 30 de novembro de 2001, era composto pelas seguintes contas:

    Saldos devedores Saldos credoresCaixa 5.400 Contas a Pagar 1.200Estoque de Peas para Reparos 3.600 Adiantamento de Clientes 500Despesa de Salrios 800 Capital 7.000Despesa de Manuteno 200 Receita de Servios 1.500Despesa de publicidade 200

    Total 10.200 Total 10.200

    A Empresa acima, no ms de dezembro, realizou as seguintes operaes nas seguintes datas:1. comprou veculos vista, por $ 1.600;5. liquidou contas a pagar no valor de $ 300;10. pagou despesas de publicidade no valor de $ 200;22. recebeu receitas de servios no valor de $ 700;30. pagou gasto com manuteno da empresa no valor de $ 100

    Os dados para ajustes, referentes ao ms de dezembro, so os seguintes:1. receitas de servios prestados e no recebidos no valor de $ 400;2. salrios do ms, a pagar em Janeiro/2002, conforme folha de $ 200;3. consumiu material de peas para reparos no valor de $ 500;4. do adiantamento feito pelo cliente, $ 200 foram realizados.

    Pede-se: a) fazer os lanamentos no razo, das operaes e ajuste do ms;b) levantar o Balancete de verificaoc) apurar o resultado do encerrando as contas de Despesas e Receitas;d) elaborar a Demonstrao do Resultado do Exerccio e o Balano Patrimonial.

    EXERCCIO 3

    23

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II SemestreA Empresa Ideal Comrcio de Ferragens Ltda., apresentava em seu Balancete de Verificao de 31 de Maio de 2002 as seguintes contas:

    Saldos devedores Saldos credoresCaixa 230 Fornecedores 100Clientes 400 Emprstimos obtidos 420Mercadorias 100 Capital 900Seguros a Vencer 80 Depreciao Acumulada de Equipam. 40Mquinas e Equipamentos 600 Receita de Vendas 1.200Prejuzos Acumulados 250 Receita de Servios 50Custo das Mercadorias Vendidas 700Despesa de Salrios 110Despesa de Aluguis 30Despesa de Seguros 10Fretes sobre Vendas 80Despesas Financeiras 120

    Total 2.710 Total 2.710 Observaes:a) a empresa encerra seu exerccio social semestralmente;b) a conta Mercadorias apresentava um saldo em 31.05.2002 de 100 unidades a $ 1,00 cada uma.

    Operaes realizadas no ms de junho/2002;1. Compra a prazo de 150 unidades a $ 1,20 cada;2. pagamento de $ 30,00 de frete sobre compras de mercadorias;3. venda de 100 unidades de mercadorias a $ 2,00, cada uma, sendo 50% a vista;4. devoluo de 50 unidades de mercadorias ao fornecedor, referente ltima compra realizada;5. recebimento antecipado no valor de $ 150.00, por mercadorias a serem entregue em julho/2002;6. devoluo por parte do cliente, de 20 unidades da venda do dia 3.7. pagamento antecipado da dvida de $ 30,00 para com fornecedores, com desconto de 10% sobre

    o total;8. pagamento de: a) $ 50.00 de salrios do ms;

    b) $ 10,00 de aluguel do ms; c) $ 40,00, como antecipao ao fornecedor, correspondente a mercadorias a serem entregues no ms de julho/2002.

    Pede-se:a) lanar os saldos iniciais, as operaes e ajustes nos razonetes, utilizando o mtodo Mdia

    Ponderada para avaliao dos estoques, apurando o CMV;b) efetuar os lanamentos de encerramento; ec) elaborar a Demonstrao do Resultado do Exerccio e o Balano Patrimonial

    OPERAES C/MERCADORIAS C/IMPOSTOS

    ICMS

    por determinao constitucional, um imposto no cumulativo. Do imposto devido em cada operao ser abatido o valor pago na operao anterior;

    considerado imposto por dentro, o que significa dizer que o seu valor est incluso no valor das mercadorias;

    um imposto de competncia estadual. As alquotas so da seguinte forma: - 18% - operaes dentro do Estado ou venda a consumidor final;

    24

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre - 12% - operaes para as regies Sul e Sudeste; - 7% - operaes para as regies Norte, Nordeste, Centro-Oeste e o estado do Esprito Santo.

    IPI - Imposto sobre Produtos Industrializados

    Grava sua etapa inicial, quando os bens so produzidos, ou seja industrializados (1 etapa ciclo econmico);

    No sujeito ao princpio da anterioridade, ou seja as alquotas podem ser alteradas durante o exerccio financeiro ( 1 do art. 153 - CF/88);

    Princpio da seletividade (produtos mais essenciais devem ser menos tributados, produtos suprfluos maior tributao);

    Imposto no cumulativo. Do imposto devido em cada operao, pode ser compensado o valor pago na operao anterior;

    No-incidncia de produtos industrializados destinados ao exterior; No pode ser contabilizado com despesa ou custo, o nus do comprador

    PIS - Programa de Integrao Social

    Contribuio de competncia federal; A alquota de 0,65%; sobre o faturamento mensal das empresas.

    COFINS - Contribuio para Financiamento da Seguridade Social Contribuio de competncia federal; A alquota de 3% sobre a receita bruta das empresas.

    EXERCCIO 1A empresa CONTRI Industrial e Servios Ltda. com sede no municpio de So Paulo, contribuinte do ICMS e IPI, realizou as seguintes operaes no ms de Fevereiro/2002:1. efetuou uma compra de matria-prima, conforme NF n 3003, a prazo do fornecedor Anadecon

    S/A, no valor de R$ 40.000, sendo 1.000 unidades a R$ 40, com ICMS de 18% mais IPI de 5%.2. Vendas de 1000 unidades de produo no ms a prazo, ao valor de R$ 70 a unidade, conforme

    NFs 1994 a 1998, no valor de R$ 70.000, com o ICMS de 18% e o IPI de 5%; 3. Prestao de servios de R$ 10.000, conforme NF 1999; recebido vista; Pede-se:a) Registrar as operaes acima em razonetes,b) fazer a apurao dos impostos (IPI, ICMS, PIS, COFINS e ISS) e lanar nos razonetes. obs.: Alquotas do PIS 0,65% - do COFINS 3% - do ISS 5%c) Apurar o resultado e elaborar a DRE.

    EXERCCIO 2O Balancete de verificao da empresa comercial Cia. Delta Ltda. em 31.01.2002, com sede no Estado de So Paulo, estava constitudo das seguintes contas:

    Contas Saldos Devedores Contas Saldos CredoresCaixa 25.000 Fornecedores 35.000ICMS a Recuperar 6.300 Salrios a Pagar 5.000Mercadorias* 28.700 Capital 100.000Equipamentos 43.000Imveis 30.000Despesa com Salrios 5.000

    25

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    Despesa com Aluguel 2.000Total 140.000 Total 140.000

    *a conta mercadorias estava constituda de 350 unidades a $ 82 cada

    Durante o ms de Fevereiro de 2002, foram realizadas operaes nas seguintes datas:4. Compra de 400 unidades a prazo a $ 100, cada uma com ICMS de 12%5. Pagamento de salrios do ms de Janeiro/2002 no valor de $ 5.000;12. Venda de 500 unidades a $ 200 cada unidade, sendo 50% a vista e 50% a prazo16. Pagamento de dvidas a fornecedores, no valor de $ 15.00018. Abatimento concedido ao cliente sobre a venda do dia 12/02, no valor de $ 10.000 28. Salrios do ms a pagar em Maro/2002 no valor de $ 8.000 Pede-se:a) fazer os lanamentos do ms em razonetes;b) calcular os impostos incidentes sobre as vendas (ICMS, PIS, COFINS)c) elaborar a Demonstrao do Resultado e Balano Patrimonial.

    Dados referentes a alquotas:- ICMS no Estado de So Paulo = 18%- PIS s/Faturamento = 0,65%- COFINS s/Faturamento = 3%

    EXERCCIO 3A Companhia Industrial Delta do Brasil Ltda., apresentou o seu Balancete de Verificao em 28.02.2002 com saldo nas seguintes contas:

    Contas devedoras Contas credorasBancos C/Movimento 6.440 Fornecedores 6.528Clientes 7.548 Emprstimos Bancrios 2.500Estoque de Mercadorias 2.952 Contas a Pagar 650IPI a Recuperar 320 Financiamentos a Pagar em 2003 2.000Aes de Outras Empresas 900 Capital 8.000Equipamentos 6.200 Lucros Acumulados 1.162Custo das Mercadorias Vendidas 14.805 Receita com Vendas 31.300PIS sobre Faturamento 195COFINS sobre Faturamento 600ICMS sobre Vendas 5.400Despesa com Salrios 4.370Despesa com Manuteno 1.540Despesa com Comisses s/Vendas 870

    52.140 52.140Dados: O saldo da conta estoque, estava constitudo com 120 unidades ao custo mdio de $ 24,60 A empresa contribuinte tanto do ICMS como do IPI; A alquota do IPI na compra e na venda de 5%; A alquota do ICMS, deve-se observar de qual regio est comprando e para qual regio do pas

    se est vendendo; A empresa tambm contribuinte do ISS, portanto deve-se recolher a alquota de 2%;

    Durante o ms de Maro/2002, a empresa realizou as seguintes operaes:1. Comprou 500 unidades de matria-prima, a prazo, no valor de $ 15.000 mais IPI de $ 750 e

    ICMS incluso na nota de 18% (SP);2. Vendeu 400 unidades de produtos a prazo, no valor de $ 27.000 mais IPI de $ 1.350 e ICMS de

    12% (RJ), destacado na nota fiscal;

    26

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre3. A Empresa prestou servios no ms, no total de $ 12.000, para recebimento a prazo;4. Pagou salrios do ms com cheque, no valor de $ 1.480, Pede-se:a) Fazer lanamento das operaes nos razonetes;b) Apurar o custo dos produtos vendidos pelo custo mdio;c) Apurar o ICMS e o IPI sobre as vendas e o ISS sobre prestao de servios e lanar nos

    razonetes;d) Calcular as alquotas de recolhimento da COFINS (3%) e do PIS (0,65%) sobre o faturamento

    do ms;e) Apurar o resultado, elaborar a Demonstrao do Resultado do Exerccio e o Balano

    Patrimonial de forma completa.

    EXERCCIO 4A Empresa Brigiton Industrial Ltda., com sede em So Paulo, fabrica um determinado produto, a qual est classificado no TIPI com alquota de 5%, tambm faz parte do seu objetivo social, prestar servios de assistncia tcnica, o que obrigado a recolher o ISS Prefeitura com alquota de 5%. O seu Balancete de Verificao em 28.02.2002, apresentava saldo nas seguintes contas:

    contas devedoras contas credoras Banco C/Movimento $ 6.710 Fornecedores $ 2.000 Clientes $ 2.548 INSS a Recolher $ 1.330 Estoque $ 2.952* FGTS a Recolher $ 348 ICMS a Recuperar $ 220 IPI a Recolher $ 250 Seguros a Vencer $ 200 COFINS a Recolher $ 400 Aes Empresas Coligadas $ 800 PIS a Recolher $ 130 Equipamentos $ 2.000 Capital $10.000 Veculos $ 4.200 Lucros Acumulados $ 2.462 Custo das Mercadorias Vendidas $14.805 Receitas c/Vendas $30.000. PIS S/Faturamento $ 195 total 46.920 COFINS s/Faturamento $ 600 ICMS s/Vendas $ 5.400 Despesas de Salrios $ 3.500 Despesas c/Manuteno $ 1.540 Despesas Comerciais $ 1.250 total 46.920Nota: * O saldo da conta estoque, estava constitudo com 120 unidades ao custo mdio de $ 24,60

    Durante o ms de Maro/2002, a empresa realizou as seguintes operaes:5. Comprou 1000 unidades de matria-prima a prazo, ao custo de $ 30.000 mais 5% de IPI $ 1.500

    e ICMS de 18% incluso na nota; 6. Vendeu 1000 unidades de produtos de sua fabricao a prazo, no valor de $ 50.000, mais IPI de

    $ 2.500 e ICMS de 18% incluso na nota fiscal;7. Emitiu cheque para recolhimento dos encargos sociais (FGTS e INSS), no valor de $ 1.678

    referentes ao ms anterior;8. Recebeu em cheque de clientes a importncia de $ 45.848;9. Comprou 500 unidades de matria-prima, a prazo, no valor de $ 15.000 mais IPI de 5% de $ 750

    e ICMS incluso na nota de 12% (RJ);10. Vendeu 400 unidades de produtos a prazo, no valor de $ 30.000 mais IPI de $ 1.500 ICMS de

    18% incluso no produto;11. Emitiu cheque para recolhimento dos impostos (PIS, Cofins e IPI) do ms anterior $ 780; 12. A Empresa prestou servios no ms, no total de $ 36.000, recebido vista em cheque e

    depositado em banco;13. Pagou fornecedores em cheque a importncia de $ 36.250;14. Pagou salrios do ms com cheque, no valor de $ 4.480, 27

  • UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOCurso de Administrao Professor BrgidoDisciplina: Contabilidade Geral. II Semestre

    Pede-se:a) fazer lanamento das operaes nos razonetes;b) apurar o custo dos produtos vendidos pelo custo mdio;c) calcular os impostos incidentes sobre as vendas e prestao de servios e lanar nos razonetes;d) apurar o resultado, elaborar a Demonstrao do Resultado e o Balano Patrimonial

    28

    UNIVERSIDADE METODISTA DE SO PAULOPROGRAMA DA DISCIPLINABsicaEquipe de Professores da FEA/USP Contabilidade Introdutria 9 edio, So Paulo: EditoraFRANCO, Hilrio Contabilidade Geral (texto), 23 ed. So Paulo: Editora Atlas, 1996RIBEIRO, Osni Moura Contabilidade Geral Fcil, 1 ed. So Paulo: Editora Saraiva, 1997ComplementarMARION, Jos Carlos Contabilidade Empresarial, 8 ed. So Paulo: Editora Atlas, 1998UNIDADE 1 Noes Gerais de Contabilidade

    a)Palavras ChavesEquipe de Professores da FEA/USP Contabilidade Introdutria 9 edio, So Paulo: Editora Atlas, 1998, p. 21-24.FRANCO, Hilrio Contabilidade Geral, 23 ed. So Paulo: Editora Atlas, 1996, p. 19-24.IUDCIBUS, Srgio de Teoria da Contabilidade, 3 edio, 1993, So Paulo: Editora Atlas, p. 29-46.RIBEIRO, Osni Moura Contabilidade Geral, 1 ed. So Paulo: Saraiva, 1997, p. 33-38.c)Links interessanteshttp://www.lopesdesa.com.br/ - Origem da Palavra Contabilidade na pgina Prtica e Temtica;A contabilidade uma das cincias mais antigas do mundo. Existem diversos registros que as civilizaes antigas j possuam um esboo de tcnicas contbeis. Em termos de registro histrico importante destacar a obra Summa de Arithmetica, Geometrica, Proportioni et Proportionalita, do Frei Pacioli, publicado em Veneza em 1494 (pouco depois da inveno da imprensa e um dos primeiros impressos no mundo). Esta obra descreve, em um dos seus captulos, um mtodo empregado por mercadores de Veneza no controle de suas operaes, posteriormente denominado mtodo das partidas dobradas ou mtodo de Veneza.

    Nos sculos seguintes ao livro de Pacioli a contabilidade expandiu sua utilizao para instituies como a Igreja e o Estado e foi um importante instrumento no desenvolvimento do capitalismo, conforme opinio de importantes estudiosos como o socilogo Max Weber. No entanto as tcnicas e as informaes ficavam restritas ao dono do empreendimento, pois os livros contbeis eram considerados sigilosos. Isto limitou consideravelmente o desenvolvimento da cincia uma vez que no existia troca de idias entre os profissionais.

    Mais recentemente, com o desenvolvimento do mercado acionrio e a fortalecimento da sociedade annima como forma de sociedade comercial, a contabilidade passou a ser considerada tambm como um importante instrumento para a sociedade. Diz-se que o usurio das informaes contbeis, j no mais somente o proprietrio; outros usurios hoje tambm tm interesse em saber sobre uma empresa: sindicatos, governo, fisco, investidores, credores etc.1.Contabilidade o estudo do Patrimnio e de suas variaes pelos efeitos das atividades desenvolvidas pela empresa.2.Finalidade da Contabilidade fornecer informaes sobre o Patrimnio, informaes essas de ordem econmica e financeira, que facilitam assim as tomadas de decises, tanto por parte dos administradores ou proprietrios, como tambm por parte daqueles que pretendem investir na empresa.3.A Informao Contbil til para as seguintes pessoasUNIDADE 2A Esttica Patrimonial, o significado dos grupos patrimoniais: Ativo, Passivo e Patrimnio Lquido;A classificao dos fatos contbeis e configurao dos diversos estados patrimoniais.

    a)Palavras ChavesEquipe de Professores da FEA/USP Contabilidade Introdutria 9 edio, So Paulo: Editora Atlas, 1998, p. 30-40.FRANCO, Hilrio Contabilidade Geral, 23 ed. So Paulo: Editora Atlas, 1996, p. 25-35.RIBEIRO, Osni Moura Contabilidade Geral, 1 ed. So Paulo: Saraiva, 1997, p. 39-60.c)Links interessantesa)Palavras ChavesEquipe de Professores da FEA/USP Contabilidade Introdutria 9 edio, So Paulo: Editora Atlas, 1998, p. 44-55.FRANCO, Hilrio Contabilidade Geral, 23 ed. So Paulo: Editora Atlas, 1996, p. 57-82.RIBEIRO, Osni Moura Contabilidade Geral, 1 ed. So Paulo: Saraiva, 1997, p. 76-91.c)Links interessantes1.BALANO PATRIMONIALDEMONSTRAO DO RESULTADO DO EXERCCIO1.DEMONSTRAES CONTBEIS1.Inventrio Peridico2.Inventrio PermanenteContas

    Saldos DevedoresContasSaldos devedoresSaldos credoresTotalTotalTotalTotalContas

    Saldos DevedoresContasContas devedoras