Um seculo em cartaz

  • View
    1.902

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Um seculo em cartaz

  • 1. A143 UM SCULO EM CARTAZ cem anos de grandes designersLcia Bergamaschi Costa Weymar1Resumo: Este artigo resulta de uma proposta pedaggica acerca de design grfico.A proposta em questo de carter terico e prtico e prope uma retrospectiva apropsito de alguns designers nacionais e internacionais que contriburam para ahistria do design grfico moderno e ps-moderno. A partir desta teoria, os alunosprojetaram cartazes homenageando tais designers e o resultado deste projeto, bemcomo a metodologia e a avaliao de todo este processo, estabelece odesenvolvimento deste texto.Palavras-Chave: histria do design grfico moderno e ps-moderno 1. cartaz 2.ensino da comunicao visual 3. comunicao e cultura 4.I. Introduo Aps alguns anos de estudo acerca dos contrastes entre design moderno e ps-moderno resolvi ensaiar uma pequena contribuio para o ensino do design grficoconstruindo juntamente com trs turmas de alunos de Introduo ao Design Grfico o projetoUm Sculo em Cartaz, cem anos de grandes designers cujas edies foram realizadas em2003, 2004 e 2005. Pensar o carter expressivo do design grfico e refletir sobre o design a servio dacultura foi o objetivo desta proposta: uma tentativa de desvincular o design das atividadesmeramente comerciais e com fins lucrativos a que a profisso tem se dedicado na regio dePelotas / RS. A inteno foi a de proporcionar uma reflexo acerca dos grandes nomes dodesign mundial e nacional que perpassaram a histria do design grfico moderno e ps-moderno, homenageando-os na projetao de um cartaz onde o estilo do aluno interagissecom o do designer em questo, numa interlocuo. A maioria dos alunos trabalhou em duplase alguns individualmente como poderemos, mais adiante, constatar.1Universidade Federal de Pelotas e Pontifcia Universidade Catlica do Rio Grande do Sul. Email:luciaweymar@terra.com.br 1

2. O presente artigo resgata aquela experincia, trazendo luz as novas descobertasproporcionadas pelo Programa de Ps-Graduao em Comunicao Social da PUC RS2. Atrajetria a ser desenvolvida para a construo do referido texto pretende uma pesquisabibliogrfica acerca desses dois momentos imperativos para o design do Sculo XX, mas temno paradigma ps-moderno um foco mais abrangente, na medida em que as discussesproporcionadas pela disciplina cursada orientaram-se na contemporaneidade. O terceiro blocodesse artigo apresenta essa teoria relacionada a uma prtica acadmica em sala de aula, j quepropor metodologias de ensino de design tem me parecido ser de grande valia nesse momentohistrico brasileiro, onde a profisso cresce vertiginosamente. Que esta metodologia possa seruma contribuio efetiva ao ensino, que sua bibliografia possa ser til pesquisa em design eque a posterior veiculao dos projetos dos alunos possa engrandecer o imaginrio de nossacomunidade, como bem devem ser os projetos de extenso. Como professora universitriafederal, acredito que o trip ensino / pesquisa / extenso, quando bem formatado, mais umembrio para o desenvolvimento intelectual de nosso pas.1.1) DESIGN GRFICOAntecedendo as discusses acima citadas, penso ser pertinente apresentar ao leitoralgumas definies acerca da rea para situ-lo melhor nesse campo ainda a ser desbravadoque o campo da comunicao visual, ou do design de comunicao, tal como algunstericos tm preferido nomear. Tais citaes foram extradas do Seminrio Contrastes doDesign, na Pontifcia Universidade Catlica do Rio Grande do Sul3.1.1.1) O que Design?Design a rea da experincia, habilidade e conhecimento do ser humano que estpreocupada com a capacidade do homem de moldar seu meio-ambiente parasatisfazer suas necessidades espirituais e materiais. (Archer, 1973) Nenhuma definio nica de design, ou ramos de prtica profissional como designde produto ou design grfico, cobrem adequadamente a diversidade de idias emtodos reunidos sob o termo. A variedade de pesquisas apresentadas emcongressos, artigos e livros sugere que o design continua a expandir-se em seus2Me refiro Imagens da Contemporaneidade, disciplina ministrada em 2006/1 pela Professora Dra. MariaBeatriz Rahde.3Seminrio apresentado pelo mestrando em Comunicao Social Rafael Monteiro Lder, em 6/6/2006, nadisciplina Imagens da Contemporaneidade.2 3. significados e conexes, revelando dimenses inesperadas tanto na sua prtica comoem sua compreenso. (Buchanan, 1990) A rea do design est dividida em design de produto (automveis, calados, eletro-eletrnicos, mveis, utilidades domsticas, vesturio, etc.) e design grfico (editorial,embalagem, identidade visual, mdia eletrnica, promocional, sinalizao, etc.).1.1.2) O que Design Grfico?Design grfico no tem um significado fixo. De uma maneira geral a produo demensagens visuais. O termo foi usado pela primeira vez pelo designer de livros epublicitrio americano W. A. Dwiggins em 1922. (...) Atualmente ocorreu uma rpidaexpanso do trabalho do designer no campo digital. Ns provavelmente precisamosde um novo termo para descrever o que os designers de comunicao fazem, mas nosei qual. (Margolin, 2000)1.1.3) Qual a Relao entre Design e Arte?Eu percebo uma continuidade entre arte e design e acredito que h muitoscruzamentos entre um e outro. Mas geralmente as razes para produzir arte e designso diferentes e necessitam de narrativas separadas para explic-las. (Margolin,2000)A mensagem do designer atende s necessidades do cliente que est pagando por ela.Embora sua forma possa ser determinada ou modificada pelas preferncias estticasdo designer, a mensagem precisa ser colocada numa linguagem que o pblico-alvoreconhea e entenda. Esse o primeiro aspecto significativo que distingue um designgrfico de uma obra de arte. (Hollis, 2000)1.1.4) Quais as Funes do Design Grfico?A principal funo do design grfico identificar, dizer o que determinada coisa,ou de onde ela veio. Sua segunda funo, conhecida no mbito profissional comodesign de informao, informar e instruir, indicando a relao de uma coisa comoutra quanto direo, posio e escala. A terceira funo, muito diferente dasoutras duas, apresentar e promover, aqui o objetivo do design prender a atenoe tornar sua mensagem inesquecvel. (Hollis, 2000) Para finalizar esta introduo, podemos exemplificar tais funes como: identificarlogotipos e embalagens; informar e instruir mapas, diagramas e sinalizao e apresentar epromover psteres e anncios publicitrios. Penso que aps estes breves comentrios denatureza mais genrica podemos adentrar, de certa maneira, na histria do design grfico doSculo XX, espao de tempo escolhido pelo Projeto Um Sculo em Cartaz, cem anos degrandes designers.II) Desenvolvimento:3 4. 2.1)Design Grfico ModernoSegundo Frascara4, podemos at argumentar que a comunicao visual com esse fimexclusivo se desenvolveu desde 25.000 anos, mas as diferenas de mtodos de trabalho, ascincias auxiliares e a formao requerida eram tais que no podemos compar-la ao designgrfico de hoje. Atualmente, os designers comunicam suas mensagens por meios massivos,no exercendo controle direto sobre o ato comunicacional final, e se dirige a um pblico ques conhece parcialmente. O controle de critrios que deve operar baseado em anlises docontexto onde a comunicao vai operar, e no em preferncias pessoais como outrora. Nosculo XIX, o design grfico era confiado ao desenhista e ao impressor, aquele educadocomo artista e esse como arteso. Naquele momento, a ornamentao e a proliferao dediferentes medidas e estilos tipogrficos eram sinnimo de bom design e o Art Nouveaurepresentou o movimento de maior ordem visual, sendo que sua simplicidade comea aanunciar o modernismo que estaria por vir. Na segunda dcada do sculo XX, os movimentosartsticos alteraram dramaticamente o design grfico. Dad, De Stijl, Suprematismo,Cubismo, Construtivismo, Futurismo e a Bauhaus criaram uma nova viso que influencioutodas as artes visuais. Estes movimentos se opunham s artes decorativas e populares daqueletempo, inclusive ao Art Nouveau. Duas atitudes se iniciam neste tempo e se desenvolvem naterceira dcada do sculo XX. Primeiramente a mudana de estilo grfico, que reage aoorganicismo e ecletismo ornamentalista da poca propondo um estilo mais desnudo egeomtrico (onde podemos conectar o Construtivismo, o Suprematismo, o Neoplasticismo, oStijl e parte da Bauhaus). Esta influncia foi duradoura no desenvolvimento do design dosculo passado. Depois, o crescente uso da forma visual como elemento comunicacional. Issose diagnostica tanto em movimentos expressivos como o Dad como em outrosfundamentalmente construtivos como o Stijl.Muitas vezes a preocupao com o contedo estava ausente nestes anos. Mesmo queparea que a conexo entre forma e contedo estivesse em relao com nossas concepesatuais, h uma diferena significativa entre os designers daquele momento e os de hoje, jque com freqncia a prpria presena destes designers em suas peas grficas se transformaem rudo, anunciando muito mais seus estilos pessoais ou os movimentos aos quaispertenciam do que anunciando o produto ao qual se referiam. Apesar de exemplosabundantes neste sentido, os trabalhos de raiz construtiva so os melhores precedentes4FRASCARA, 2006, p. 33 a 46. Traduo e resumo das pginas por mim realizados. 4 5. daquele momento, em matria de claridade na mensagem. Temos nestes movimentos asorigens e o desenvolvimento do que conhecemos como design grfico moderno.2.2) Design Grfico Ps-Moderno2.2.1) Origens do Design Grfico Ps-ModernoSegundo Cauduro, na metade dos anos 1960 a monotonia e pasteurizao do designocidental comeam a ser contestadas com Odermatt & Tissi em Zurique e Wolfgang Weingartem Basel: (...) alternativas no-dogmticas e mais descontradas (retorno ornamentao, aosimbolismo, ao humor e improvisao) para fugir da esterilidade das formas modernistas(CAUDURO, 1998, p. 79) passam a ser includas. Para o autor, citando Keedy, design ps-moderno reao e no rejeio ao design moderno. Os ps-modernistas reagem aosexcessos racionalistas e positivistas da modernidade.Como influncias para estas mudanas podem ser lembradas as novas formas de viverdos exi