11. Plantas vasculares com flor: et al Cap­tulo 19:Angiosperms) maloucao/   O seu
11. Plantas vasculares com flor: et al Cap­tulo 19:Angiosperms) maloucao/   O seu
11. Plantas vasculares com flor: et al Cap­tulo 19:Angiosperms) maloucao/   O seu
11. Plantas vasculares com flor: et al Cap­tulo 19:Angiosperms) maloucao/   O seu
11. Plantas vasculares com flor: et al Cap­tulo 19:Angiosperms) maloucao/   O seu

11. Plantas vasculares com flor: et al Cap­tulo 19:Angiosperms) maloucao/   O seu

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 11. Plantas vasculares com flor: et al Cap­tulo 19:Angiosperms) maloucao/   O seu

  • 1

    11. Plantas vasculares com flor: Diviso: Anthophyta (leitura recomendada Raven et al. Captulo 19:Angiosperms) Actualmente as angiosprmicas, plantas com flor, so o grupo com maior diversidade da

    flora terrestre. O seu ciclo de vida semelhante ao das gimnosprmicas, mas difere em

    alguns aspectos essenciais. Nas angiosprmicas os vulos esto encerrados no interior de

    macrosporfilos (os carpelos) (Fig. 2). Produzem-se sementes, cujo tecido de reserva

    normalmente triplide o endosperma.

    Nas angiosprmicas diferenciam-se flores onde possvel encontrar at 4 tipos diferentes

    de apndices, dispostos geralmente em verticilos diferentes (Fig. 1). A flor pode ser

    considerada homloga de um estrbilo monico.

    A flor consiste num ramo de crescimento determinado constitudo por um eixo, o pedicelo

    ou pednculo, que se dilata na extremidade superior constituindo o receptculo e no

    qual se inserem as peas florais (Fig.1). Os dois verticilos mais externos so estreis e

    designam-se no seu conjunto por perianto. O verticilo mais externo constitudo pelas

    spalas, e ao seu conjunto d-se o nome de clice. O verticilo seguinte constitudo

    pelas ptalas, e ao seu conjunto d-se o nome de corola.

    Os dois verticilos mais internos, so frteis, e correspondem aos estames (homlogos dos

    microsporfilos), e aos carpelos (homlogos dos macrosporfilos ou folhas carpelares). O

    conjunto dos estames, designa-se por androceu. Em cada estame possvel distinguir um

    filamento (o filete) que suporta a antera onde se diferenciam quatro esporngios ou sacos

    polnicos (Fig.1).

    O conjunto dos carpelos, designa-se por gineceu. Os carpelos esto normalmente

    diferenciados numa zona basal alargada, o ovrio, onde se implantam os vulos, e numa

    zona estreita e alongada, o estilete, que na sua extremidade distal se diferencia num

    estigma (zona receptiva aos gros de plen) (Fig.1). Um ou mais destes verticilos podem

    estar ausentes, nessa altura as flores dizem-se incompletas. Contrariamente s

    gimnosprmicas, o plen no germina directamente no vulo, mas sim no estigma. O tubo

    polnico transporta os gmetas masculinos no flagelados, at aos vulos localizados no

    ovrio. O ovrio pode provir de um ou de vrios carpelos fundidos. Denomina-se lculo

    cmara onde se encontram os vulos. A zona da parede do ovrio onde os vulos se

    originam e onde ficam ligados denomina-se placenta. O arranjo ou distribuio dos vulos

    no ovrio denomina-se placentao (Fig. 3).

  • 2

    Fig. 1 Esquema de uma flor e suas partes

    Estigma

    Pedicelo

    Receptculo

    Spalas

    Ptalas

    Antera

    Filete

    Estilete

    Ovrio

  • 3

    Fig, 2 Evoluo da folha carpelar e formao de um carpelo com ovrio fechado.

    a. carpelo; b vulo.

    O ponto de insero dos vulos varia consoante as espcies, podendo ser parietal, quando

    a insero se faz na parede do ovrio, axilar, quando se encontram no eixo dum ovrio

    composto ou central quando os vulos se encontram num eixo central sem estarem ligados

    parede do ovrio (Fig. 3).

    Fig. 3 Tipos de placentao. a) parietal; b) axilar; c) central

    Seco de corte

    vulo a

    b -

  • 4

    Os ovrios e por vezes outras peas florais, desenvolvem-se em frutos, os quais encerram

    as sementes (Fig. 4). O fruto uma das principais caractersticas das angiosprmicas.

    As peas florais podem estar dispostas em verticilos ou em espiral volta do receptculo e

    a sua corola pode ser regular, com simetria radial ou actinomrfica, ou irregular, com

    simetria bilateral ou zigomrfica. A insero das peas florais, relativamente ao

    receptculo, pode tambm variar e ficar abaixo, ao mesmo nvel ou acima do receptculo e

    temos assim flores hipognicas, perignicas ou epignicas, respectivamente com ovrio

    spero, mdio ou nfero (Fig. 4).

    Fig. 4 Tipo de flor consoante a insero das suas partes florais, e posio relativa do ovrio. As flores podem ocorrer simples so denominadas flores solitrias ou associadas a um

    eixo floral formando inflorescncias.

    As angiosprmicas, formam actualmente a diviso Magnoliophyta, que se divide em duas

    classes com base no nmero de cotledones apresentados pela semente. As plantas que

    produzem sementes que desenvolve dois cotildones incluem-se na classe Magnoliopsida e

    as que desenvolvem somente um cotildone na Liliopsida. As divises em grupos

    subsequentes baseiam-se principalmente na estrutura, forma e arranjo das peas florais.

    Flor

    hipognica

    Flor perignica

    Flor

    epignica

  • 5

    Observaes: 1 Observe a preparao dum vulo de Lilium sp.. Faa um esquema e verifique: Quantos lculos possui o ovrio; o tipo de placentao; o vulo; o saco embrionrio. Complete a legenda do esquema.

    2 - Observe a preparao das anteras de Lilium sp. Faa um esquema e verifique: Quantos sacos polnicos existem em cada antera? Complete a legenda do esquema.

    a b

    c

    a b

    c

    d

    angiospermicas2.pdfangiospermicas2.2.pdfangiospermicas2.3.pdf