Sistema Neuromuscular Mda Giane Veiga Liedtke. Geração de Força

  • View
    111

  • Download
    6

Embed Size (px)

Transcript

  • Slide 1
  • Sistema Neuromuscular Mda Giane Veiga Liedtke
  • Slide 2
  • Gerao de Fora
  • Slide 3
  • Quando o msculo se contrai, a fora deve ser graduada para que as necessidades da tarefa sejam atendidas. Quando o msculo se contrai, a fora deve ser graduada para que as necessidades da tarefa sejam atendidas. Tamanho muscular; Tamanho muscular; Unidades motoras (fibras tipo II > tipo I); Unidades motoras (fibras tipo II > tipo I);
  • Slide 4
  • Gerao de Fora Recrutamento: Mais unidades motoras recrutadas para gerar mais fora. Recrutamento: Mais unidades motoras recrutadas para gerar mais fora.
  • Slide 5
  • Unidade Motora Gerao de Fora
  • Slide 6
  • Slide 7
  • Sobreposio dos Potenciais de Ao de diferentes UM Gerao de Fora
  • Slide 8
  • Sale, DG In: Strength and Power in Sport, 1992 O Princpio do Recrutamento da Unidades Motoras
  • Slide 9
  • Gerao de Fora Frequncia de disparo das UMs: Alterao dos nveis de fora atravs do aumento na estimulao de uma unidade motora. Frequncia de disparo das UMs: Alterao dos nveis de fora atravs do aumento na estimulao de uma unidade motora. SOMAO: Srie de estmulos em rpida sequncia, antes do relaxamento completo do primeiro estmulo. Aumento da fora! SOMAO: Srie de estmulos em rpida sequncia, antes do relaxamento completo do primeiro estmulo. Aumento da fora! TETANIA: Contnua estimulao em frequncias maiores Fora ou Tenso de pico da UM. TETANIA: Contnua estimulao em frequncias maiores Fora ou Tenso de pico da UM.
  • Slide 10
  • Controle das Unidades Motoras Contrao simples Somao Tetania
  • Slide 11
  • Gerao de Fora Sincronizao: Mais unidades motoras recrutadas e aumento na frequncia de disparo para gerar mais fora. Sincronizao: Mais unidades motoras recrutadas e aumento na frequncia de disparo para gerar mais fora.
  • Slide 12
  • Gerao de Fora
  • Slide 13
  • Mecnica Muscular
  • Slide 14
  • Relao Comprimento/Tenso Componente Contrtil
  • Slide 15
  • Relao Comprimento/Tenso
  • Slide 16
  • Comprimento Muscular vs Produo de Fora
  • Slide 17
  • Controle Motor Voluntrio Voluntrio Automtico Automtico Involuntrio Involuntrio
  • Slide 18
  • Voluntrio e Automtico
  • Slide 19
  • Engrama Formao de uma seqncia de ativao neuromuscular, que torna o movimento automtico. Formao de uma seqncia de ativao neuromuscular, que torna o movimento automtico.
  • Slide 20
  • Involuntrio
  • Slide 21
  • Fuso Muscular - Fibras intrafusais e extrafusais; - Motoneurnio Gama; - Sensvel ao alongamento/estiramento; - Comprimento muscular; - Resposta de contrao.
  • Slide 22
  • Fuso Muscular
  • Slide 23
  • rgo Tendinoso de Golgi - Localizado no tendo; - Sensvel tenso; - Resposta de relaxamento; - Proteo do msculo.
  • Slide 24
  • Adaptaes Neuromusculares ao Treinamento de Fora
  • Slide 25
  • Princpios Sobrecarga Sobrecarga Um msculo deve ser estressado com uma carga suficiente para induzir respostas adaptativas. Um msculo deve ser estressado com uma carga suficiente para induzir respostas adaptativas. Atingido atravs da manipulao da intensidade do treinamento, durao, frequncia e recuperao. Atingido atravs da manipulao da intensidade do treinamento, durao, frequncia e recuperao. Especificidade Especificidade Adaptaes so especficas natureza da sobrecarga colocada no msculo. Adaptaes so especficas natureza da sobrecarga colocada no msculo. Aplica-se ao tipo de exerccio, ao muscular, contrao, velocidade, ngulo de movimento, etc. Aplica-se ao tipo de exerccio, ao muscular, contrao, velocidade, ngulo de movimento, etc. Progresso Progresso As variveis devem ser continuamente ajustadas para a manuteno da carga. As variveis devem ser continuamente ajustadas para a manuteno da carga. Adaptaes neuromusculares ao TF
  • Slide 26
  • Sale, DG Med Sci Sport Exerc 20: S135-S145, 1988 Adaptaes neuromusculares ao TF
  • Slide 27
  • Sale, DG In: Strength and Power in Sport, 1992 Crebro / Reflexos Medulares Crebro / Reflexos Medulares Aprende padres motores Aprende padres motores Recrutamento de UMs Recrutamento de UMs Frequncia de Disparo UMs Frequncia de Disparo UMs Influncias Inibitrias Influncias Inibitrias Msculo Esqueltico Msculo Esqueltico Sntese Proteica Sntese Proteica Degradao Proteica Degradao Proteica Adaptaes neuromusculares ao TF
  • Slide 28
  • Recrutamento de UMs Adaptaes neuromusculares ao TF Principal adaptao neural:
  • Slide 29
  • Ativao dos Agonistas Ativao dos Agonistas Adaptaes neuromusculares ao TF
  • Slide 30
  • Coativao dos Antagonistas Coativao dos Antagonistas A coativao dos antagonistas reduz a fora agonista - prejudica por inibio recproca a habilidade de ativao dos agonistas A coativao dos antagonistas reduz a fora agonista - prejudica por inibio recproca a habilidade de ativao dos agonistas TF dos agonistas pode reduzir a coativao dos antagonistas TF dos agonistas pode reduzir a coativao dos antagonistas Coativao dos antagonistas Equilbrio muscular (Cuidar!) Coativao dos antagonistas Equilbrio muscular (Cuidar!) Adaptaes neuromusculares ao TF
  • Slide 31
  • Relative changes in maximal force, emg, and muscle cross- sectional area after isometric training. Garfinkel e Cafarelli, 1992 - Med Sci Sports Exerc. Relative changes in maximal force, emg, and muscle cross- sectional area after isometric training. Garfinkel e Cafarelli, 1992 - Med Sci Sports Exerc. 8 semanas de TF 8 semanas de TF CVM dos extensores, sem aumento da EMG do VL (agonista) CVM dos extensores, sem aumento da EMG do VL (agonista) CVM e EMG no bceps femoral (antagonista) CVM e EMG no bceps femoral (antagonista) Coativao dos Antagonistas Coativao dos Antagonistas Adaptaes neuromusculares ao TF
  • Slide 32
  • 12 semanas TF, TC e TA EMG mx Economia neuromuscular (40, 60 e 80% CVM) RF, BF e VL Anlise: valor RMS Adaptaes neuromusculares ao TF
  • Slide 33
  • Slide 34
  • Slide 35
  • Hipertrofia 6 meses de treinamento dinmico de fora 6 meses de treinamento dinmico de fora Dimetro da fibra pr e ps treinamento Dimetro da fibra pr e ps treinamento Adaptaes neuromusculares ao TF
  • Slide 36
  • Em teoria o aumento do tamanho muscular poderia ser resultado: Em teoria o aumento do tamanho muscular poderia ser resultado: Do aumento no nmero de fibras; Do aumento no nmero de fibras; Do aumento do tecido conectivo no msculo; Do aumento do tecido conectivo no msculo; Do aumento do tamanho da fibra. Do aumento do tamanho da fibra. Hiperplasia ainda controversa em humanos Capacidade limitada de afetar significativamente o volume muscular Adaptaes neuromusculares ao TF
  • Slide 37
  • Hiperplasia Aumento do nmero de fibras; Aumento do nmero de fibras; Este processo ocorre at o nascimento (ou poucos meses aps); Este processo ocorre at o nascimento (ou poucos meses aps); Parece ocorrer em modelo animal Gato (9% de aumento do n de fibras aps TF); Parece ocorrer em modelo animal Gato (9% de aumento do n de fibras aps TF); Em humanos ainda controversa (difcil de realizar a medida). Em humanos ainda controversa (difcil de realizar a medida). Adaptaes neuromusculares ao TF
  • Slide 38
  • McCall GE. J Apll Physiol,81: 2004-2012, 1996 Efeitos sobre Fibras Musculares do Bceps Efeitos sobre Fibras Musculares do Bceps Adaptaes neuromusculares ao TF
  • Slide 39
  • Crescimento devido a adio de novas miofibrilas com aumento do tamanho das fibras musculares existentes McDougall, JD. In Human Muscle Power, 1985 Diviso Miofibrilar: Seco Transversa da Fibra
  • Slide 40
  • Respostas das 4 pores do Quadrceps ao Treinamento Rabita G et al. Eur J Appl Physiol 83: 531-538, 2000
  • Slide 41
  • Efeito de 8 semanas de treinamento de Squat sobre fora de pernas Sale DG. Med Sci Sport Ex 20: S135-S145, 1988 Especificidade do Treinamento
  • Slide 42
  • Obrigada!