of 48/48
EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE SANTA MARIA/RS FULANO, brasileiro, casado, funcionário público estadual, portador do CPF e RG, residente e domiciliado , através de seu procurador regularmente constituído, ut instrumento de mandato incluso, vem à presença de Vossa Excelência propor a presente: AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS BANCÁRIOS DE CARTÃO DE CRÉDITO BANRISUL E CONTRATOS DE ABERTURA DE CRÉDITO EM CONTA-CORRENTE contra, pelos fundamentos de fato e de direito que passa a aduzir: I – DOS FATOS O autor estando carente de recursos financeiros para cumprir com suas obrigações, lançou mão de empréstimos junto à instituição BANCO CICLANO. No transcorrer da vigência dos aludidos financiamentos, 1

AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS BANCÁRIOS

  • View
    93

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS BANCÁRIOS

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CVEL DA COMARCA DE SANTA MARIA/RS

FULANO, brasileiro, casado, funcionrio pblico estadual, portador do CPF e RG, residente e domiciliado , atravs de seu procurador regularmente constitudo, ut instrumento de mandato incluso, vem presena de Vossa Excelncia propor a presente:

AO REVISIONAL DE CONTRATOS BANCRIOS DE CARTO DE CRDITO BANRISUL E CONTRATOS DE ABERTURA DE CRDITO EM CONTA-CORRENTE

contra, pelos fundamentos de fato e de direito que passa a aduzir:

I DOS FATOS

O autor estando carente de recursos financeiros para cumprir com suas obrigaes, lanou mo de emprstimos junto instituio BANCO CICLANO. No transcorrer da vigncia dos aludidos financiamentos, 1

o autor verificou que os encargos, cada ms, estavam se tornando excessivamente proporcionalidade prestao/renda). Ocorre excelncia, que atualmente o autor viu o seu salrio engolido pelos descontos efetuados pela instituio bancria, com o fundamento de saudar os emprstimos efetuados, no restando parcela significativa de seu salrio para efetuar gastos com necessidades bsicas como moradia e alimentao (DOC ANEXO 03/04), como depreende-se do DOC ANEXO 05, no qual consta no demonstrativo de pagamento, que do salrio de R$2.929,47; o autor possu lquido a receber R$795,72; sendo R$929,76 pagos ao BANCO CICLANO. Sendo a presente situao insustentvel ao autor, tentou dialogar com a instituio bancria, a fim de conseguir uma forma de pagamento que no comprometesse sua renda familiar, no restando sucesso no dilogo, sendo a nica alternativa proposta pelo banco a assuno de mais emprstimos. Tentou inclusive conseguir cpias dos contratos pactuados, no logrando xito at o momento, vez que a instituio alega que esto arquivados em local comum aos demais clientes e de difcil localizao. O autor sequer tem cognio do valor total devido, vez que no tem em mos qualquer documento relativo aos emprstimos, to pouco tem recebido do banco qualquer demonstrativo do dbito existente e conseqente amortizao. No tendo como sustentar sua famlia condignamente, no restou ao autor alternativa, seno proceder ao pedido de cancelamento dos descontos em folha de pagamento relativos aos emprstimos do carto de crdito e financiamentos do BANCO CICLANO (DOC ANEXO 06). Deve-se frisar, neste ponto, que a mora do credor, que onerou excessivamente as onerosos, com o no guardando qualquer de relao de comprometimento renda (equilbrio

prestaes obrigacionais e, assim, impossibilitou o adimplemento. Tais ilegalidades so conseqncias exclusivas da conduta prfida e abusiva BANCO CICLANO. Todavia, infrutferas foram as tentativas para que se efetuasse a reviso dos valores, bem como o modo pelo qual vm majorando as prestaes, sendo que tal reviso deveria ser feita desde o incio do financiamento. Das tentativas de acordo extra-judiciais o requerente conseguiu obter apenas respostas dbias e evasivas da parte adversa, em nada surtindo efeito, acarretando ao mesmo uma verdadeira penalidade, visto que, atualmente, encontra-se impossibilitado de saldar a dvida; razo nica, que o levou a cancelar o pagamento do encargo mensal, cujos valores vinha desembolsando ilimitadamente (DOC ANEXO 06). Ademais se faz necessrio que durante a tramitao desta ao revisional, na qual objeto de controvrsia judicial a abusividade de clusulas contratuais, no haja inscrio do nome do autor em cadastro de devedores e protesto de ttulos referentes aos financiamentos em litgio, a fim de se evitar a ocorrncia de prejuzos maiores ao autor. Alm disto, justifica-se este entendimento pelo fato de que estando sub judice o contrato, a inadimplncia do financiado, a qual pode embasar uma eventual inscrio do nome do autor em cadastro de devedores, torna-se duvidosa. vista disso, invoca-se a tutela jurisdicional, face ao perigo iminente de leso ao seu patrimnio, que se no suprido "in oportune tempore", tornar-se- ineficaz a prestao jurisdicional, ferindo, desse modo, o princpio da boa-f, somando-se mcula da nulidade absoluta do contrato. 3

Logo, nada mais resta ao postulante, seno bater s portas do Poder Judicirio, a fim de consignar em pagamento as prestaes obrigacionais vincendas, de forma revisionada.

II - DO DIREITO a) DA PREMENTE NECESSIDADE DE ANTECIPAO PARCIAL DOS EFEITOS DA TUTELA JURISDICIONAL.

1 - AUTORIZAO PARA DEPSITO JUDICIAL DAS PARCELAS DE FORMA REVISIONADA

Entendendo

o

devedor

estarem

sendo

exigidas

prestaes excessivamente onerosas, a ele dado o direito de ver o contrato reequilibrado dentro dos ditames legais, oferecendo em consignao os valores que expressam a forma do contrato que entende correta.

Por ser bastante claro o ordenamento do art. 6, inc. V, do Cdigo Defesa do Consumidor, que declara o direito do consumidor de revisar contratos cujas prestaes sejam desproporcionais, perfeitamente cabvel que se efetuem os depsitos das prestaes em juzo.

Os depsitos tm natureza acautelatria que previne a mora, permitindo a adimplncia do contrato. Assim, ficam garantidas ambas as partes, porque o devedor, na eventualidade de um julgamento pela improcedncia da ao, faz uma reserva que lhe facilita o pagamento da

dvida, e o credor tem ao seu alcance, nesse caso, pelo menos parte da importncia a receber, satisfazendo o seu crdito com maior facilidade.

2 - VEDAO DA CIRCULAO OU PROTESTO DE TTULOS DE CRDITO VINCULADOS AOS CONTRATOS REVISIONADOS

No tocante aos pedidos de antecipao de tutela, faz se necessria vedao da circulao ou protesto de ttulos de crdito vinculados aos contratos revisionados, medida aceita inclusive pelo egrgio TJRS, uma vez que estes ttulos, emitidos em garantia ao fiel cumprimento de negcios jurdicos bancrios e a estes vinculados pro solvendo, so atingidos por todas as vicissitudes do pacto principal.

Nesse sentido, transcreve-se, no que importa, o seguinte precedente:

AGRAVO DE INSTRUMENTO. AO REVISIONAL. PRETENSO DA AUTORA NO SENTIDO DA ABSTENO DA R NA REMESSA DO NOME DO AUTOR PARA REGISTRO EM BANCO DE PROTEO AO CRDITO. CESSAO DAS COBRANAS REFERENTES AO CONTRATO. IMPOSSIBILIDADE DE EMISSO DE TTULOS. APRESENTAO DE DOCUMENTO. 1) Ainda que no se entenda a medida como de tutela antecipada, possvel apreciao como medida cautelar inominada. Estando em discusso o dbito, legtima a pretenso do no encaminhamento do nome do autor para registro em rgos de proteo ao crdito. Entendimento consolidado da 16 Cmara Cvel deste tribunal. 2) Sustao de providncias visando cobrana, que se tem como razovel em razo da discusso do dbito. 3) Igual quanto providncia emisso de ttulos. 4) Exibio de documentos indeferida, com 5

argumento de que podero vir os dados ao feito de forma natural, com a manifestao regular do banco. AGRAVO PROVIDO EM PARTE. (AGRAVO DE INSTRUMENTO N 70008327991, DCIMA SEXTA CMARA CVEL, JULGADO EM 5 DE ABRIL DE 2004).

3 - SUSTAO DE PROVIDNCIAS DO CREDOR VISANDO COBRANA DOS DBITOS REVISADOS EM CONTA CORRENTE OU FOLHA DE PAGAMENTO DO AUTOR As providncias do credor em relao cobrana dos dbitos revisados em conta corrente do autor ou at mesmo perpetradas em sua folha de pagamento, devem restar suspensas quando o dbito est sub judice, bem como quando o correntista modificar a anterior autorizao (DOC ANEXO). Com a nova manifestao, agora negativa, o desconto passa a ser unilateral.

Revela-se inadmissvel o mencionado desconto, por fora do carter alimentar dos vencimentos do autor, os quais, em virtude desse carter, so absolutamente impenhorveis, consoante o disposto no art. 649, IV, do CPC. Esse, alis, o entendimento do Superior Tribunal de Justia (v.g., 6 Turma, REsp n 54.176/SP, j. 13.9.1994, rel. Min. Luiz Vicente Cernicchiaro, DJ 31.10.1994, p. 29.544).

O entendimento predominante, se inclina em admitir a reverso de autorizao para desconto em folha de pagamento, ao fundamento, em sntese, que o indeferimento da pretenso implicaria em igualar o desconto penhorabilidade de salrios, medida inadmissvel, alm de estar entre os atos de gesto da conta por seu titular, sem falar no ilegtimo

privilgio a determinado credor, em prejuzo dos demais, sem que a lei o preveja.

a lio de Theotonio Negro, em seu Cdigo de Processo Civil, 35 edio, So Paulo: editora Saraiva, 2003, p. 709: inadmissvel a penhora mediante desconto parcelado, em folha de pagamento, dos vencimentos do funcionrio. Assim, considerando que este entendimento est

sedimentado na jurisprudncia do egrgio TJRS, especialmente da 16 Cmara Cvel, refere os seguintes precedentes, apenas exemplificativamente: AGRAVO DE INSTRUMENTO. AO REVISIONAL. PRETENSO DA AUTORA NO SENTIDO DA ABSTENO DA R NA REMESSA DO NOME DO AUTOR PARA REGISTRO EM BANCO DE PROTEO AO CRDITO. DESCONTO EM FOLHA DE PAGAMENTO. 1) Ainda que no se entenda a medida como de tutela antecipada, possvel apreciao como medida cautelar inominada. Estando em discusso o dbito, legtima a pretenso do no encaminhamento do nome do autor para registro em rgos de proteo ao crdito. Entendimento consolidado da 16 Cmara Cvel deste Tribunal. 2) Ajuizada demanda envolvendo contrato de emprstimo com desconto em conta corrente, razovel a vedao do desconto de valores a ttulo de pagamento das parcelas decorrentes do emprstimo, enquanto no julgada a demanda, preservado o salrio, que impenhorvel. Precedente do colendo STJ. AGRAVO PROVIDO. (AGRAVO DE INSTRUMENTO N 70008655052, DCIMA SEXTA CMARA CVEL, TRIBUNAL DE JUSTIA DO RS, RELATOR: HELENA RUPPENTHAL CUNHA, JULGADO EM 06/05/2004) (grifos nossos) 7

APELAO CVEL. ILEGITMIDADE PASSIVA. No ilegtima para atuar no plo passivo a associao que entremeia relao do autor e da instituio. Aplicvel, espcie, o disposto no par. 3 do art. 515 do CPC, acrescentado pela Lei n 10.352, de 26/12/01. AO VISANDO AO CANCELAMENTO DA AUTORIZAO CONCEDIDA PARA DESCONTO EM FOLHA DE PAGAMENTO. A autorizao concedida pelo servidor pblico para o desconto em sua folha de pagamento de valores relativos a financiamento bancrio sempre precria e pode ser cancelada a qualquer tempo. unanimidade, proveram o recurso.Apelao Cvel n 70006833420, TJRS, DCIMA SEXTA CMARA CVEL, REL. Dra. Ana Beatriz Iser, julgado em 10/09/03). (grifos nossos) DECISO QUE DETERMINA SUSTAO DE DESCONTO EM FOLHA DE PAGAMENTO DE FUNCIONRIA PBLICA, EM FUNO DE EMPRSTIMOS REALIZADOS. AUTORIZAO EXPRESSA DA MUTURIA PARA IMPLANTAO DOS DESCONTOS. vedada a reteno de vencimentos do devedor com o objetivo de compensar dbitos existentes, tendo em vista o carter alimentar de tal parcela. Inteligncia dos artigos 649, inciso IV, do Cdigo de Processo Civil e artigo 7, inciso X, da Constituio Federal. RECURSO PROVIDO (Apelao N 70006031611 16 Cm. Cv. Porto Alegre, 23 de abril de 2003. Relator Des. Claudir Fidelis Faccenda). (grifos nossos) APELAO CVEL. AO VISANDO aO CANCELAMENTO DA AUTORIZAO CONCEDIDA PARA DESCONTO EM FOLHA DE PAGAMENTO. Preliminar de ilegitimidade passiva afastada. A AUTORIZAO CONCEDIDA PELO SERVIDOR PBLICO PARA O DESCONTO EM SUA FOLHA DE PAGAMENTO DE VALORES RELATIVOS A FINANCIAMENTO BANCRIO SEMPRE PRECRIA E PODE SER CANCELADA A QUALQUER TEMPO. RECURSO DESPROVIDO.

(Apelao Cvel n 70006821219, 16 Cm. Cv. Porto Alegre, 10 de setembro de 2003, Rel. Dra. Ana Beatriz Iser). (grifos nossos) No outro o entendimento do Superior Tribunal de Justia, como segue:

ADMINISTRATIVO. FUNCIONRIO PBLICO. DESCONTO EM FOLHA. Havendo dvidas acerca do desconto e insurgindo-se contra ele o funcionrio, no h como, sob pena de violao ao art. 649, IV, do CPC, validar a tese fixada pelo acrdo recorrido que admitiu o abatimento, a mngua dos meios juridicamente admitidos, por intermdio de um simples desconto em folha (RESP 135.867/SP, DJ de 19.12.97, 6 Turma do STJ, Relator o Ministro FERNADO GONALVES).(grifos nossos)

4 - IMPEDIMENTO DE INSCRIO DO AUTOR EM CADASTRO DE DEVEDORES (SERASA, CADIN, SPC) POR OBRIGAES ORIGINADAS DOS CONTRATOS REVISIONADOS Estando o devedor discutindo, atravs de ao revisional, a abusividade e a ilegalidade de clusulas contratuais, o que ser capaz de alterar o valor devido instituio financeira, justifica-se a concesso de liminar para determinar a no incluso ou a retirada do seu nome dos rgos de proteo de crdito enquanto pendente a lide revisional. Verifica-se que a supresso do nome do devedor dos bancos de dados de inadimplentes no acarreta nenhum prejuzo ao credor, at mesmo porque as informaes sobre o autor continuam em seu cadastro interno.

9

Na verdade, os cadastros de inadimplentes so utilizados como forma de pressionar o devedor a satisfazer o dbito nos moldes desejados pelo credor, sob pena de, no o fazendo, seu nome ser divulgado na praa como inadimplente ou como mau pagador, obstaculizando os seus futuros negcios, ainda que a cobrana seja considerada excessiva ou questionada judicialmente. Tal conduta por parte do credor se apresenta abusiva, mormente se levarmos em conta que o autor da ao revisional est disposto a realizar o depsito das quantias que entende devidas, o que demonstra a sua boa-f e corrobora a necessidade da no-incluso ou da retirada do seu nome dos bancos de dados de inadimplentes.

A vedao de divulgao do nome do autor em banco de dados protetores ao crdito enquanto em discusso o dbito decorrente do contrato que est sendo revisado, matria pacfica no TJRS, prevalecendo o que estabelece a concluso n. 11 do CETARGS, nestes termos:

SOBRE INSCRIO DO DEVEDOR EM ARQUIVOS DE CONSUMO. No ofende direito do credor liminar obstativa da inscrio do nome do devedor em banco de dados de consumo, assim como impeditiva de que o credor comunique a terceiros registro de inadimplncia que haja procedido em seu cadastro interno, durante a pendncia de processos que tenham por objeto a definio da existncia do dbito ou seu montante. (Concluso da reunio de 27-05-96 do Centro de Estudos do Tribunal de Alada do Estado do Rio Grande do Sul - CETARGS). O teor desta concluso foi ratificado pelo Centro de Estudos do Tribunal de Justia, conforme publicao no DJ de 7/5/99. A matria est pacificada, inclusive com inmeras

decises no colendo STJ, como se v do precedente, que se adota:

SERASA. CAUTELAR. EFICCIA. ENQUANTO pendente a ao ordinria sobre a validade da cobrana de juros de 14% ao ms, deve ficar suspenso o registro da devedora em banco de dados de inadimplncia. precedentes. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO. (RESP 450840/RS, RELATOR MIN. RUY ROSADO DE AGUIAR JUNIOR, JULGADO PELA QUARTA TURMA EM 3/4/2003). Inclusive quanto ao CADIN a matria j foi examinada, no julgamento do Resp 504052/AL, julgado pela Primeira Turma do STJ em 14/9/2003, relator Min. Jos Delgado, assim ementado:

TRIBUTRIO. DENNCIA ESPONTNEA. PARCELAMENTO DO DBITO. MULTA MORATRIA. APLICABILIDADE. ENTENDIMENTO DA 1 SEO. INSCRIO NO CADIN. DBITO SUB JUDICE. AFASTAMENTO. ... 4. Enquanto se impugna o montante do dbito cobrado, com fundamentos razoveis, cabe o pleito formulado pelo devedor para o fim de obstar o registro de seu nome nos bancos de dados de proteo ao crdito. Precedentes. 5. Recurso especial parcialmente provido. Por conseguinte, o deferimento da liminar, obtemperado com o acolhimento da pretenso do autor de revisar os contratos abusivos, no havendo prevalecimento de um em face de outro, at que a soluo final seja emprestada ao feito - coisa julgada material - por deciso de mrito, medida pertinente ao Ordenamento Jurdico Positivado e amplamente ensejadora de JUSTIA.

11

b) DA REVISO CONTRATUAL E CONSEQUENTE INCIDNCIA DAS REGRAS DO CDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

Os contratos de financiamentos, no caso, so tpicos de adeso e a reviso se impe, pela prevalncia dos princpios da relatividade e da comutatividade, na busca da concretizao do equilbrio contratual e da igualdade efetiva das partes, sobre o da pacta sunt servanda. Aplicam-se as regras do Cdigo de Defesa do Consumidor (Lei n 8.078/90) aos negcios jurdicos bancrios, pois esse diploma possui incidncia de carter imperativo como norma de ordem pblica e interesse social, consoante o disposto em seu artigo 1. Os contratos em questo configuram uma relao de consumo nos termos do art. 3, 2, do CODECON ou ainda mediante a equiparao pelo art. 29.

De registrar, ainda, o entendimento da aplicabilidade do CDC s relaes decorrentes de crdito bancrio, sustentada por MRCIO DE OLIVEIRA PUGGINA (Revista Ajuris n. 50, p.203), com este fundamento:

Se produto todo o bem jurdico, no h negar-se que o crdito um bem jurdico que fornecido pelo Banco (fornecedor) ao tomador do crdito (consumidor), como destinatrio final (do crdito, enquanto crdito). O muturio s no seria destinatrio final do crdito enquanto crdito se, em vez de consumi-lo, ele o repassasse a terceiros. Por isso que, diante da interpretao lgica, e sistemtica do art. 2 e do 1 do art. 3 do Cdigo de Defesa do Consumidor, no vejo como deixar de se incluir o crdito bancrio entre as relaes por ele

tuteladas. Sobre a possibilidade de excluso das clusulas

abusivas, O TJRS tem entendimento pacfico, considerando aplicvel o CDC, porquanto caracterizada relao de consumo:

APELAO CVEL. AO REVISIONAL DE CONTRATO BANCRIO. CONTRATO DE ABERTURA DE CRDITO EM CONTACORRENTE. CARTO DE CRDITO. 1) Possibilidade de reviso do contrato, atravs da interpretacao do princpio da autonomia da vontade juntamente com os demais princpios que regem os contratos. 2) Juros remuneratrios limitados a 12% ao ano, observados os parmetros do ordenamento jurdico. APLICABILIDADE DO CDC. 3) Determinada reviso dos contratos bancrios, estabelecidos novos patamares aos encargos, possvel a repetio do indbito independentemente da prova do erro; valores decorrentes de clusula abusiva no podem permanecer com o credor porque sem causa legtima o recebimento; fundamentos no CCB e no CDC 4) Capitalizao dos juros na periodicidade anual, para o contrato de conta corrente, e capitalizao afastada no contrato de carto de crdito, inexistente permisso legal. 5) Regularidade da clusula mandato. Sucumbncia redefinida. APELOS PARCIALMENTE PROVIDOS. (Apelao Cvel n 70005917034, Dcima Sexta Cmara Cvel, Tribunal de Justia do RS, Relator: Des. Helena Ruppenthal Cunha, julgado em 28/05/2003) . DEMANDA REVISIONAL. CONTA CORRENTE. CHEQUE ESPECIAL. RELAO SEM SOLUO DE CONTINUIDADE. REVISO DESDE O INCIO DO CONTRATO. CDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. INCIDNCIA AOS CONTRATOS BANCRIOS QUANTO AS CLUSULAS ABUSIVAS. JUROS REMUNERATRIOS. Possibilidade de reviso de clusulas a limitar os juros praticados de forma elevada (10,0% ao ms), 13

com fundamento no Cdigo do Consumidor. CAPITALIZAO. Admitida na forma anual (art. 4 do decreto n 22.626/33). COMISSO DE PERMANNCIA. Ineficaz a clusula por ofensa ao disposto no art. 115, 2 parte, do Cd. Civil, e art. 51, IV, do CDC. MULTA CONTRATUAL. No prevalece a forma contratada por exceder ao percentual definido no 1 do art. 52 da lei n 9.298/96, observando-se que o contrato e posterior a mudana. Repetio em dobro. Com a reduo dos juros permitida a compensao ou restituio de valores, sob pena de se tornar incua a deciso. Porm, a restituio se far de forma simples e no em dobro, diante da ausncia da prova do erro no pagamento. APELAO E RECURSO ADESIVO DESPROVIDOS. (Apelao Cvel n 70006235105, Dcima Sexta Cmara Cvel, Tribunal de Justia do RS, Relator: Des. Paulo Augusto Monte Lopes, julgado em 21/05/2003). REVISIONAL DE CONTRATOS BANCRIOS. CDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Aplicveis suas disposies aos contratos bancrios. REVISO DOS CONTRATOS EXTINTOS. Comprovado o encadeamento contratual, possvel a reviso dos contratos originrios. JUROS REMUNERATRIOS. Encontram limitao ao patamar de 12% a.a., forte nas disposies contidas no CDC. CAPITALIZAO DOS JUROS NO CAC. Invivel sua ocorrencia em qualquer periodicidade. CAPITALIZAO NOS CONTRATOS DE FINANCIAMENTO, MTUO, CONFISSO DE DVIDA E AFINS. vedada a sua cobrana sob qualquer hiptese, por ausente autorizao legal. JUROS DE MORA NOS CONTRATOS BANCRIOS. Autorizada a sua pactuaro em 1% a.m. REVISO. Possvel se revela a reviso da contratao para fins de afastamento dos excessos porventura apurados. CORREO MONETRIA. Autorizada a incidncia do IGP-M ou INPC. COMPENSAO DE VALORES/REPETIO DO INDBITO. Nada impede a declarao no sentido de que uma vez apurados pagamentos a maior tais devero ser computados no abatimento do dbito, de forma

simples. SPC/SERASA. Enquanto em discusso o dbito invivel se mostra a inscrio do nome da correntista nos cadastros de inadimplentes. DERAM PARCIAL PROVIMENTO A APELACAO DA AUTORA E NEGARAM PROVIMENTO A DO BANCO. (Apelao Cvel n 70006288351, Dcima Nona Cmara Cvel, Tribunal de Justia do RS, Relator: Des. Jos Francisco Pellegrini, julgado em 20/05/2003). c) DA INVERSO DO NUS DA PROVA

direito do devedor que ingressa com ao revisional de contrato requerer a exibio dos documentos necessrios ao julgamento da causa, os quais esto na posse da instituio financeira que tem, inclusive, o dever legal de conserv-los.

Assim, a instituio financeira no deve se eximir de apresentar os contratos, documentos comuns s partes e que esto sob sua guarda, bem como planilhas que demonstrem os descontos efetivados na conta corrente do autor e folha de pagamento, o valor financiado e progresso do dbito, tendo em vista o disposto nos arts. 844, II e 355, ambos do CPC.

Nesse sentido, colaciono a seguinte jurisprudncia:

PROCESSO DE EXECUO. EMBARGOS DO DEVEDOR. DISCIPLINA JURDICA DAS OBRIGAES DE PAGAR EM DINHEIRO. CERCEAMENTO DE DEFESA. POSTULAO REVISIONAL DE NEGCIOS SUCESSIVOS. RELAO JURDICA CONTINUADA. EXIBIO DE DOCUMENTOS. Quando a guarda dos documentos necessrios elucidao da causa incumbe ao estabelecimento de 15

crdito demandado em face da sistemtica de desenvolvimento das suas operaes registrrias impese deferida, de ofcio (art. 130 do CPC) ou a requerimento da parte (art. 355 do CPC), a exibio de documentos pleiteada pelo demandante, que, no os tendo acessveis, deles depende para deduzir a sua pretenso em juzo. Cerceamento de defesa configurado. (...) (AC n 197582882, 5 Cmara Cvel TARGS, Rel. Des. Aymor Roque Pottes de Mello, 07.05.98) AGRAVO DE INSTRUMENTO. CONTRATO BANCARIO. REVISAO JUDICIAL. NUS DA PROVA. INVERSO. Exibio dos documentos por fora do que dispe o art355 do CPC. Os contratos so essenciais para averiguar a abusividade de suas clusulas objeto da ao promovida pelo consumidor, sendo notria a instituio financeira, encontrando respaldo a aplicao da inverso do nus da prova (art-6, inc-VIII, segunda parte, da lei n 8078/90). AGRAVO IMPROVIDO. (AGI n 598432235, 14 Cmara Cvel TJRS, Rel. Des. Henrique Osvaldo Poeta Roenick, 03.12.98 AGRAVO DE INSTRUMENTO. AO DE REVISO DE CONTRATO. EXIBIO DE DOCUMENTOS. Cabe instituio financeira o dever de exibir o documento comprobatrio da relao jurdico-contratual existente entre as partes, no em decorrncia de inverso do nus da prova, mas por fora do disposto no art. 355, do CPC. Agravo provido. (AGI n 70000014109, 14 Cmara Cvel TJRS, Rel. Des. Marco Antonio Bandeira Scapini, 16.09.99)

d)

DO

RECONHECIMENTO

DE

OFCIO

DAS

NULIDADES

Tratando-se de nulidade de pleno direito, diante do que dispem as normas do Cdigo de Defesa do Consumidor, impe-se o

reconhecimento pelo juiz, independentemente de alegao das partes, como preceitua o pargrafo nico do artigo 168 do Cdigo Civil, afastando-se, de ofcio, a abusividade da clusula. Nesse sentido a doutrina de Nelson Nery Jr., (in Os Princpios Gerais do Cdigo de Defesa do Consumidor, Revista de Direito do Consumidor, n 3): O Tribunal pode, inclusive, decidir contra o nico recorrente, reformando a deciso recorrida para pior, ocorrendo, assim, o que denominamos de reformatio in pejus permitida, j que se trata de matria de ordem pblica a cujo respeito a lei no exige a iniciativa da parte, mas ao contrrio, determina que o Juiz a examine de ofcio. Em posio uniforme de seus membros, a 14 Cmara Cvel, do TJRS assim se manifesta: AO DE REVISO DE CONTRATO DE FINANCIAMENTO COM GARANTIA DE ALIENAO FIDUCIRIA. AGRAVO RETIDO. NO-RATIFICADO EM CONTRA-RAZES DE APELAO. NOCONHECIMENTO (ART-523, PAR-1, DO CPC). INCIDNCIA DO CDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. ONEROSIDADE EXCESSIVA CARACTERIZADA. NULIDADE DE PLENO DIREITO DE CLUSULAS CONTRATUAIS ABUSIVAS. POSSIBILIDADE DE DECRETAO DE OFCIO. (...) APELAO INTERPOSTA NA AO REVISIONAL PARCIALMENTE PROVIDA. APELAO INTERPOSTA NA AO DE BUSCA E APREENSO PROVIDA. (APC N 70001624253, DCIMA QUARTA CMARA CVEL, TJRS, RELATOR: DES. MARCO ANTONIO BANDEIRA SCAPINI, JULGADO EM 19/04/2001). 17

ALIENAO FIDUCIRIA. AO REVISIONAL DE CONTRATO DE ABERTURA DE CRDITO FIXO COM GARANTIA FIDUCIRIA. I CONTROLE DIFUSO DA LICITUDE DOS NEGCIOS JURDICOS E INTERPRETAO DE CLUSULAS CONTRATUAIS. 1. FUNO SOCIAL DOS NEGCIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS. REVISO JUDICIAL E RELATIVIZAO DO PRINCPIO DO PACTA SUNT SERVANDA. APLICAO INCIDENTAL DO CDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR: CONSUMIDOR PRPRIO. REGULAO MANDATRIA: NORMAS E ORDEM PBLICA E INTERESSE SOCIAL. NULIDADES DE PLENO DIREITO: DECRETAO AT DE OFCIO, A QUALQUER TEMPO E GRAUS DE JURISDIO. (...) APELO PROVIDO. (APC N 70002708493, DCIMA QUARTA CMARA CVEL, TJRS, RELATOR: DES. AYMOR ROQUE POTTES DE MELLO, JULGADO EM 13/09/2001). Em igual sentido, ainda, o posicionamento do egrgio Superior Tribunal de Justia, em precedentes assim ementados: "CONTRATO. NULIDADE DE CLUSULA. DECLARAO DE OFCIO. CDULA DE CRDITO RURAL. Antes da vigncia do Cdigo de Defesa do Consumidor, que veio definir como nulas de pleno Direito as clusulas contratuais abusivas (art. 51), era vedado ao juiz declarar de ofcio a nulidade no requerida pela parte (art. 128 do C.P.C.). Recurso conhecido e provido para excluir do acrdo a declarao de nulidade de clusula. Deciso. Por unanimidade, conhecer do recurso e dar-lhe provimento." (RESP n. 90162/RS, 4. Turma do S.T.J., Min. Relator RUY ROSADO DE AGUIAR, j. 28.05.96) "PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO "INTERNO" (C.P.C., ART. 545). MTUO RURAL. JUROS. ESTIPULAO CONTRATUAL DE ELEVAO DA ALQUOTA PREVISTA PARA A HIPTESE DE INADIMPLEMENTO

DO MUTURIO. ILEGALIDADE (PARGRAFO NICO DO ART. 5., DL 167/67). CC, ARTS. 145/146. NULIDADE. APRECIAO DE OFCIO PELO TRIBUNAL DE ORIGEM. POSSIBILIDADE. RECURSO DESPROVIDO. I. Os juros moratrios, limitados, em se tratando de crdito rural, a 1% ao ano, distinguem-se dos juros remuneratrios. Aqueles so formas de sano pelo no pagamento no termo devido. Estes, por seu turno, como fator de mera remunerao do capital mutuado, mostramse invariveis em funo de eventual inadimplncia por impontualidade. Clusula que disponha em sentido contrrio, prevendo referida variao, clusula que visa a burlar a disciplina legal, fazendo incidir, sob as vestes de juros remuneratrios, autnticos juros moratrios em nveis superiores aos permitidos. II. Em se tratando de nulidade absoluta contemplada no ordenamento material (CC arts. 145/146), defeso no era ao Tribunal de segundo grau apreci-la de ofcio. Deciso. Por unanimidade, negar provimento ao agravo regimental." (AGEDAG 151689/RS, 4. Turma do S.T.J., Min. Relator SLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA, j. 30/04/1998). "DECISO. As razes do recurso especial atacam o acrdo proferido pelo Tribunal a quo em dois pontos: o primeiro, refere-se alterao de encargos financeiros em razo da inadimplncia, e o segundo, capitalizao de juros. Juros pelo inadimplemento. A jurisprudncia do Superior Tribunal de Justia no conforta a tese veiculada pelo recorrente em suas razes, conforme se verifica no AGEDAG 151.689, RS, Relator o eminente Ministro Slvio de Figueiredo Teixeira, que leva a seguinte ementa: PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO "INTERNO" (CPC, ART. 545). MTUO RURAL. JUROS. ESTIPULAO CONTRATUAL DE ELEVAO DA ALQUOTA PREVISTA PARA A HIPTESE DE INADIMPLEMENTO DO MUTURIO. ILEGALIDADE (PARGRAFO NICO DO ART. 5., DL 167/67) CC, ARTS. 145/146. NULIDADE. APRECIAO DE OFCIO PELO TRIBUNAL DE ORIGEM. POSSIBILIDADE. RECURSO DESPROVIDO. 19

I. Os juros moratrios, limitados, em se tratando de crdito rural, a 1% ao ano distinguem-se dos juros remuneratrios. Aqueles so formas de sano pelo no pagamento no termo devido. Estes, por seu turno, como fator de mera remunerao do capital mutuado, mostramse invariveis em funo de eventual inadimplncia por impontualidade. Clusula que disponha em sentido contrrio, prevendo referida variao, clusula que visa burlar a disciplina legal, fazendo incidir, sob as vestes de juros remuneratrios, autnticos juros moratrios em nveis superiores aos permitidos. II. Em se tratando de nulidade absoluta contemplada no ordenamento material (CC arts. 145/146), defeso no era ao Tribunal de segundo grau apreci-la de ofcio." (DJU 01.03.99). Capitalizao de juros. Neste ponto, o recurso especial tambm no poderia ser conhecido, seja porque o artigo 75 do Cdigo Civil no foi prequestionado, seja porque a divergncia jurisprudencial deixou de ser demonstrada. Nego, por isso, provimento ao agravo. Intimem-se. Braslia, 12 de maio de 2000. MINISTRO Ari Pargendler, Relator." (AG 253632/PR, 3. Turma do S.T.J., Min. Relator ARI PARGENDLER, j. 30/05/2000).

e) DO FORO DE ELEIO Com relao clusulas de adeso que tratam da eleio de foro, est cristalizada na doutrina e na jurisprudncia a veemente repulsa s clusulas abusivas de eleio do foro. O que deveria ser uma deliberao conjunta visando facilitar a resoluo de divergncias, passa deciso unilateral mascarada pelo tpico formato inextricvel dos contratos de adeso, como o que originou esta lide. No vai alm de artifcio sutil para obstaculizar e restringir a possibilidade de defesa de um possvel contratante prejudicado. estratgia,

meritssimo, e das rasas. Coisa descabida entre probos. Numa relao contratual, a clusula em questo tida como leonina, e proporciona vantagem excessiva para uma parte em detrimento de outra. O bnus auferido pelo contratante favorecido tamanho que o nus do outro chega a se transmudar em efetivo dano aos seus direitos fundamentais. O foro de eleio disposto com m-f no contrato de adeso clusula abusiva, como se infere no Cdigo de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90), que no seu artigo 51 expressa: "Art. 51 . So nulas de pleno direito, entre outras, as clusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e servios que: ... IV - estabeleam obrigaes consideradas inquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatveis com a boa-f ou a eqidade; ... 1 - Presume-se exagerada, entre outros casos, a vantagem que: ... III - se mostra excessivamente onerosa para o consumidor, considerando-se a natureza e o contedo do contrato, o interesse das partes e outras circunstncias peculiares ao caso. ..." Em concordncia predominante doutrina, vastssima a jurisprudncia que elucida o caso como, dentre inmeras, as seguintes: "Em contrato de adeso, a clusula de eleio de foro deve ser interpretada em favor da parte aderente, independente de se tratar de pessoa fsica ou jurdica, sendo considerada abusiva na hiptese de acarretar-lhe exagerado nus, de conformidade com a regra do artigo 21

51, pargrafo 1, inciso III, da Lei 8.078/90. ..." TAMG, 3 C.Civil, AI 169506-3, j. em 23.02.94, rel. Juiz Guimares Pereira, v.unnime, RJTAMG 54-55/98-100. (grifo nosso) "... Ora, no se nega que a faculdade de eleio de foro no contrato continua vlida, dentro dos princpios do art. 42 do CC. Porm, essa eleio nos contratos de massa, contratos de clusulas predispostas ou contratos de adeso (definido pelo art.54 do CDC), como ocorre nos contratos de consrcio, pode se afigurar abusiva, se, na prtica, dificultar ou impossibilitar a defesa do consumidor. Cuida-se da aplicao do princpio da boa-f nos contratos, alis no desconhecido pelo legislador de nosso Cdigo Civil. Nesse sentido, diz a lei sob exame que dentre as clusulas nulas de pleno direito incluem-se aquelas que estabeleam obrigaes consideradas inquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatveis com a boa-f ou a eqidade (art.51, IV) ..." 1 TACSP, 5C, MS 568462-0, j. em 24.11.93, rel. Juiz Slvio Venosa, v.unnime, RDC 13/173-174. (grifo nosso) O artifcio revestido pela clusula de eleio do foro, como est, implica no apequenamento da parte aderente, o que lhe impe srio dano ao prprio direito material que deveria ser resguardado pelo contrato. A referida disposio gera, de plano, a nulidade da clusula, que embora no resulte na nulidade do contrato como um todo, permite transferir a competncia de foro ao domiclio do autor. f) DA LIMITAO DOS JUROS

Maria Helena Diniz (Curso de Direito Civil Brasileiro, 2 volume, Editora Saraiva, So Paulo, 6 edio aumentada e atualizada, 1991, pg. 307) conceitua juros como o rendimento do capital, os frutos civis produzidos pelo dinheiro sendo, portanto, considerados como bem acessrio, visto que constituem o preo do uso do capital alheio, em razo da privao pelo dano, voluntria ou involuntariamente.

Os juros classificam-se em compensatrios, aqueles que decorrem do consentimento do dono do capital como preo de seu uso por tempo determinado, e moratrios, os que decorrem do retardamento do adimplemento da obrigao como penalidade convencional e legal. A questo da auto-aplicabilidade do pargrafo 3 do artigo 192 da Constituio Federal de 1988, que limita a taxa de juros controvertida. Com a promulgao da Constituio, o ento Presidente da Repblica, Jos Sarney, aprovou o Parecer Normativo SR n 70, de 06 de outubro de 1988, da Consultoria-Geral da Repblica, cuja concluso era de que a disposio constitucional, limitadora da taxa de juros, no era auto-aplicvel, carecendo da edio de lei complementar. Posteriormente, o Supremo Tribunal, no julgamento da ADIN n 4-7-DF, por maioria de votos (6 contra 4), adotou a tese da no-autoaplicabilidade do pargrafo 3 do artigo 192 da Constituio Federal. Expressiva, entretanto, tambm, tem sido a posio divergente, acerca da auto-aplicabilidade da regra constitucional na jurisprudncia e na doutrina. No outra a lio de Luiz Roberto Barroso (O Direito Constitucional e a Efetividade de Suas Normas, Renovar, Rio de Janeiro, 1990, pg. 194): Existe norma, e ao intrprete e aplicador cabe fazla atuar. O conceito de juros no controvertido. Trata-se de rendimento do capital, em cujo contedo se integram duas idias: a de remunerao pelo uso de quantia pelo devedor e a de cobertura do risco que sofre o credor. Devem ser considerados juros reais tudo aquilo que exceder a inflao e for pago a ttulo compensatrio ou moratrio, excetuadas as multas moratrias. Distinguem-se, assim, da correo monetria, que no se destina a remunerar o capital, nem a penalizar o moroso, mas, to-somente, a preservar o valor 23

aquisitivo da moeda. Sobre a auto-aplicabilidade do art. 192, 3, da CF, o Ministro Marco Aurlio Mendes de Faria Mello, do STF, assim se pronunciou: Quando a Corte apreciou a questo alusiva autoaplicabilidade do 3 do artigo 192 da Carta da Repblica, no que impe o respeito ao limite mximo de doze por cento para juros reais Ao Direta de Inconstitucionalidade n 04, relatada pelo Ministro Sydnei Sanches , fiquei vencido, na companhia honrosa dos Ministros Carlos Velloso, Paulo Brossard e Neri da Silveira, no tocante concluso sufragada pela Corte de origem, ou seja, da eficcia imediata do preceito. Passei a ressalvar, no campo monocrtico e na turma, a convico pessoal. Todavia, os ditames da conscincia levaram-se a assumir, ultimamente, posio diversa, voltando a sustentar a tese que desde o incio defendi. que a usura vem vencendo o Brasil, com nefastos efeitos no campo social. Grassa o desemprego, fato que contribui para o aumento da criminalidade. As contas pblicas esto seriamente comprometidas com os acessrios da dvida interna. Por isso, voltei a expressar o convencimento externado nos idos de 1991, e que, com a passagem do tempo, somente restou robustecido. Tenho como auto-aplicvel, tal como vem proclamando o Poder Judicirio do Estado do Rio Grande do Sul, a regra do 3 do artigo 192 da Carta, que, a rigor, deveria estar em dispositivo autnomo. A nica justificativa para o lanamento da norma em pargrafo a notria fuga do legislador constituinte de 1988 elaborao de um diploma constitucional com nmero excessivo de artigos. (AI 234.873-1 (241), DJU de 29 de abril de 1999). A legislao infra-constitucional, por igual, limita a taxa de juros. Acolhida a nova concepo social do contrato e a defesa do consumidor (CF/88, art. 5, XXXII, c/c art. 170, V) possvel o expurgo do excesso de juros

remuneratrios, haja vista as condies que configuram a abusividade e a lesividade do contrato, consoante o disposto no art. 51, IV, do Cdigo de Defesa do Consumidor. Excluda a clusula que estipula juros abusivos,

necessrio adotar-se novo patamar, o que se faz dentro de um limite referencial, tendo por base a estabilidade econmica aps a implantao do Plano Real, bem assim a observncia ao princpio da boa-f como padro de conduta frente realidade social. O equilbrio entre as partes implica na limitao dos juros remuneratrios em 12% ao ano, consoante o parmetro adotado por analogia ao citado diploma infraconstitucional, porm sob o fundamento do interesse social da norma protetiva do consumidor. De mais a mais, na esteira da posio explanada, os demais fundamentos adotados como razes, tambm esto a conduzir para a mencionada limitao: o carter no vinculativo da ADIN n 04, a recepo e aplicao do Dec. 22626/33 (Lei de Usura) e a ausncia de autorizao do Conselho Monetrio Nacional (institudo pela Lei 4.595/64) para a prtica de taxas acima de 12% ao ano. O contrato bancrio/financeiro, no qual se estipulou taxa de juros superior a 12% ao ano, , sem dvida, inadequado ao sistema jurdico vigente e boa-f dele decorrente. A abusividade dos juros estabelecidos manifesta, sendo lesiva ao direito do consumidor a uma prestao equivalente. A questo litigiosa refoge, portanto, do tema constitucional e da aplicao do Decreto n 22626/33, para se situar no plano da validade das disposies negociais pela inobservncia das regras que disciplinam o Sistema de Proteo e Defesa do Consumidor. 25

Manifesta a ilegalidade das clusulas que fixaram os juros devem ser reconhecidas suas invalidades, das quais decorrem a ineficcia do direito do credor fiducirio relativamente queles juros que excederem o limite de 12% ao ano. Nesse sentido vem se manifestando reiteradamente a jurisprudncia do egrgio TJRS:

APELAO CVEL. REVISO DE CONTRATOS DE CONFISSO DE DVIDA. I. APLICABILIDADE DO CDC. IRREFUTVEL A INCIDNCIA DO CDC SOBRE OS CONTRATOS BANCRIOS DE CONFISSO DE DVIDA, DIANTE DO ART. 3, 2, DA LEI 8.078/90. II. POSSIBILIDADE DE REVISO CONTRATUAL. TEORIAS DA LIVRE PACTUAO RELATIVIZADAS DIANTE DA APLICAO DO CDC. III. JUROS REMUNERATRIOS. MANTIDA A LIMITAO AO NDICE DE 12% AO ANO, EXTIRPANDO ASSIM ABUSIVIDADE CONSTATADA NA CONTRATAO DE JUROS A TAXAS QUE VARIAM ALM DA ESTIPULAO DA LEI DE USURA. ... (APELAO CVEL N 70006202014, DCIMA SEXTA CMARA CVEL, TRIBUNAL DE JUSTIA DO RS, RELATOR: DES. ERGIO ROQUE MENINE, JULGADO EM 21/05/2003). (grifos nossos) APELAO CVEL. A CONFISSO DE DVIDA SE PRESTA COMO TTULO EXECUTIVO, CONFORME O ENTENDIMENTO DO STJ. POSSIBILIDADE DE REVISAR A AVENA (CONFISSO), MAS NO PACTOS ANTERIORES AO QUE ALICERA O FEITO EXECUTIVO. CABIMENTO DO USO DA TR COMO FATOR DE CORREO MONETRIA. APELO DOS EMBARGANTES PROVIDO EM PARTE. LIMITAO DOS JUROS REMUNERATRIOS EM 12% AO ANO. JUROS MORATRIOS LIMITADOS

EM 1% AO ANO, CONFORME A LEI DE USURA. PERMITIDA A CAPITALIZAO DOS JUROS DE FORMA ANUAL. VEDADA A COBRANA DE COMISSO DE PERMANNCIA. RECURSO IMPROVIDO. (APELAO CVEL N 70000203760, DCIMA NONA CMARA CVEL, TRIBUNAL DE JUSTIA DO RS, RELATOR: DES. MRIO JOS GOMES PEREIRA, JULGADO EM 13/05/2003). (grifos nossos) Em razo disso, a clusula contratual que impe juros acima do patamar de 12% ao ano, mostra-se excessivamente onerosa para o consumidor-financiado (art. 51, 1, III, do CDC), devendo, em conseqncia, ser considerada nula, pois incompatvel com a boa-f e a eqidade, que devem nortear as relaes de consumo (art. 51, IV, do CDC), considerando que a atividade bancria est submetida s normas do CDC (art. 3, 2).

g) DA CAPITALIZAO DOS JUROS Quanto capitalizao dos juros, o artigo 4 do Decreto n 22626 revogou a parte final do artigo 1262 do Cdigo Civil de 1916. A partir de ento a capitalizao de juros s lcita em operaes expressamente autorizadas por lei especial, como, por exemplo, nos depsitos em caderneta de poupana. A matria objeto da Smula n 121 do Supremo Tribunal Federal: vedada a capitalizao de juros, ainda que expressamente convencionada". A Lei n 4595 e as demais normas que regulam a atividade das entidades bancrias e financeiras no contm previso permitindo o anatocismo em contratos da natureza daqueles em exame. Nessa linha, no admissvel capitalizao de juros em negcios jurdicos em que no esteja expressamente autorizada em lei. Nesta linha, tm decidido nossos tribunais como, por exemplo, no REsp 140515-RS, Relator o Ministro Barros Monteiro, com a seguinte ementa: 27

CONTRATO DE ABERTURA DE CRDITO. TAXA DE JUROS. SMULA N 596-STF. CAPITALIZAO DOS JUROS. Cuidando-se de operaes realizadas por instituio integrante do sistema financeiro nacional, no se aplicam as disposies do Decreto n 22.626/33 quanto taxa de juros. Smula n 596-STF. Somente nas hipteses em que expressamente autorizada por leis especiais a capitalizao mensal dos juros se mostra admissvel. Nos demais casos vedada, mesmo quando pactuada, no tendo sido revogado pela Lei n 4.545/64 o art. 4 do Dec. n 22.626/33. Dessa proibio no se acham excludas as instituies financeiras. Precedentes do STJ. Recurso especial conhecido, em parte, e provido. No que tange capitalizao, de ser admitida somente a anual, incabvel a mensal, em face do que dispe o art. 4 do Decreto n. 22.626/33 e Smula n. 121 do STF, a no ser que se queira aceitar o anatocismo. A exceo feita somente aos casos regulados por leis especiais, relativamente s cdulas e nota de crdito rural, comercial e industrial que admitem a capitalizao semestral (Decreto-Lei 167/67, Decreto-Lei 413/69, Lei n. 6.313/75 e Lei n. 6.840/80).

A propsito de capitalizao, o STJ, ao apreciar o Recurso Especial n 154935 RJ, Quarta Turma, de que foi relator o eminente Ministro Slvio de Figueiredo Teixeira, assim decidiu:

DIREITOS COMERCIAL E ECONMICO. FINANCIAMENTO BANCRIO. CONTRATO DE CHEQUE ESPECIAL. JUROS. CAPITALIZAO MENSAL. IMPOSSIBILIDADE. ENUNCIADO DA SUM. 121/STF. INEXISTNCIA DE AUTORIZAO LEGAL. PRECEDENTES. RECURSO ACOLHIDO. I - Somente nas hipteses em que expressamente

autorizada por lei especifica, a capitalizao de juros se mostra admissvel, nos demais casos vedada, mesmo quando pactuada, no tendo sido revogado pela Lei 4.595/64 o art. 4. do Decreto 22.626/33. O anatocismo, repudiado pelo verbete da Sum. 121/STF, no guarda relao com o enunciado da Sum. 596/STF. II - Na cobrana de divida oriunda de contrato de financiamento a particular, na modalidade cheque especial, impossvel capitalizar mensalmente os juros. Em outra deciso, ao apreciar o Recurso Especial n 456573-RS, Quarta Turma, de que foi relator o eminente Ministro Barros Monteiro, o STJ proclamou:

CONTRATOS BANCRIOS. TAXA DE JUROS. LIMITAO. SMULA N. 596-STF. CAPITALIZAO. INADMISSIBILIDADE. MULTA. REDUO DE 10% PARA 2%. ART. 52, 1, DO CDC, COM A REDAO DA LEI N 9.298, DE 1.8.1996. INADMISSIBILIDADE NO CASO. 1. ... 2. ... 3. Somente nas hipteses em que expressamente autorizada por leis especiais, a capitalizao mensal dos juros se mostra admissvel. Nos demais casos vedada, mesmo quando pactuada, no tendo sido revogado pela Lei n 4.595/64 o art. 4 do Decreto n 22.626/33. Dessa proibio no se acham excludas as instituies financeiras . 4. ... Recurso especial conhecido parcialmente e provido. Esse colacionada: 29 entendimento tambm encontrasse

sedimentado pelo egrgio TJRS, como se depreende da jurisprudncia a seguir

NEGCIO JURDICO BANCRIO. AO REVISIONAL. CONTRATO DE ABERTURA DE CRDITO EM CONTA CORRENTE E CORRELATOS. UNICIDADE DE RELACIONAMENTO NEGOCIAL. RENEGOCIAO. INCIDNCIA DO CDC NA ESPCIE. As negociaes que envolvem o crdito bancrio, por traduzirem relao de consumo, sujeitam-se a disciplina da Lei 8.078/90. REPACTUAO. UNICIDADE DA RELAO NEGOCIAL. POSSIBILIDADE DE REVISO. Identificada a continuidade e sucessividade negocial, possvel a reviso dos pactos primitivos, no que concerne conta corrente e renovaes. Quanto aos demais pactos, limita-se a reviso ao enunciado na inicial. JUROS REMUNERATRIOS. Os juros remuneratrios, frente ao CDC, em perodo de economia estvel, no podem ser superiores a 12% ao ano. Nas cdulas, h exigncia de prova de autorizao para pactuao superior. CAPITALIZAO. Inexistente respaldo legal especfico, indevido e a capitalizao dos juros em perodo inferior a um ano em se tratando de conta corrente, admitindo-se a mensal nas cdulas. COMISSO DE PERMANNCIA. Inviabilidade de cobrana por ofensa ao CDC e ao disposto no artigo 115, do CC. JUROS DE MORA. A Lei da Usura admite a elevao em at 1% sobre o mximo de 12%. Ento, se pactuados os moratrios em 12% aa, possvel a cobrana, que, no caso, por disposio contratual, no cumulando os remuneratrios, e sim excludos esses. REPETIO DE INDBITO. Vivel, na forma simples, consignando-se que, no caso, a sentena assegurou apenas compensao. APELAO PARCIALMENTE PROVIDA. (Apelao Cvel n 70005721287, Segunda Cmara Especial Cvel, Tribunal de Justia do RS, Relator: Des. Marilene Bonzanini Bernardi, julgado em 15/05/2003). APELAO CVEL. NEGCIOS JURDICOS BANCRIOS. REVISIONAL. CONTRATO DE ABERTURA DE CRDITO EM CONTA-

CORRENTE. CDULAS DE CRDITO COMERCIAL. REVELIA. REVELIA. Ofertada a contestao observado prazo contido em nota expediente de intimao da juntada do mandado, vai afastada a revelia. Tratando-se de questes de direito, no alcanadas pelo decreto, ausente prejuzo. PRELIMINAR ACOLHIDA. CDC. Inaplicabilidade do CDC a relao celebrada com pessoa jurdica. REVISO DOS CONTRATOS EXTINTOS. Somente possvel a reviso dos contratos em aberto, no caso, o contrato de conta corrente e a nota comercial que embasa o feito executivo. Abertura de crdito em conta-corrente: taxa de juros remuneratrios. Configura-se abusiva a clusula que estipula juros superiores a 12% ao ano, prevalecendo a limitao nesse patamar, forte no CDC. CAPITALIZAO - frente natureza do contrato opera-se anualmente (Smula 121 do STJ, art. 4 do Decreto n 22.626/33 e precedentes do STJ). COMISSO DE PERMANNCIA. Vedada a cobrana em qualquer hiptese. Cdulas de crdito comercial: taxa de juros remuneratrios Mesmo que se afastasse a incidncia do CDC, a ausncia de fixao dos juros pelo Conselho Monetrio Nacional autorizaria a incidncia da Lei da Usura, em conseqncia limitados a 12% ao ano. PRECEDENTES DO STJ. CAPITALIZAO MENSAL. Prevalece, no caso - Lei 6.840/80. Smula n 93 - STJ. AVAL - outorga uxria matria no enfrentada na origem e, em conseqncia, aqui no conhecida. EXTINO DA EXECUO renegociao de saldo devedor em conta corrente. CONTRATOS POSTERIORES, ORA REVISADOS. Objeto da execuo to-somente o ltimo avenado CDULA DE CRDITO. Inviabilidade frente a ilquidez. Execuo nula. ACOLHERAM A PRELIMINAR. DERAM PARCIAL PROVIMENTO AO APELO DO BANCO. VOTO VENCIDO EM PARTE. CONHECERAM EM PARTE O APELO DA DEMANDADA E, NESTA PARTE, NEGARAM PROVIMENTO. VOTO VENCIDO EM PARTE. (Apelao Cvel n 70003909975, Dcima Oitava Cmara Cvel, Tribunal de Justia do RS, Relator: Des. Rosa Terezinha Silva Rodrigues, julgado em 31/10/2002). 31

APELAES CVEIS. AO REVISIONAL. EMBARGOS A EXECUO. CAUTELAR DE SUSTAO DE PROTESTO. CONTRATO DE ABERTURA DE CRDITO EM CONTA CORRENTE. CDULAS DE CREDITO COMERCIAL. DA POSSIBILIDADE DE REVISAR CONTRATAES BANCRIAS COM BASE NO CDC. CAPITALIZAO . A capitalizao est restrita as hipteses expressamente previstas em lei (DL.167/67, DL-413/69, Lei 6840). Manuteno da deciso que determinou a capitalizao anual, em face da ausncia de recurso especifico da contraparte. Ateno ao princpio da non reformatio in pejus. MULTA CONTRATUAL. Tendo os contratos sido firmados posteriormente a edio da Lei 9298, de 01.08.96, e de rigor sua reduo. JUROS DE MORA. Tendo sido convencionados os juros de mora, obedecem ao pacto, nos termos do art-1062 do Cdigo Civil. COMISSO DE PERMANNCIA. Mesmo que no cumulada a correo monetria, inadmissvel a sua contratao "a taxa de mercado no dia do pagamento", porque sobre sua verificao somente uma das partes exerce influncia. Incompatibilidade com a boa-f e a eqidade. Nulidade (art-51, IV, do CDC). INDEXADOR. TAXA REFERNCIAL. Tendo sido pactuada, incide como ndice de correo monetria. Inscrio do nome do devedor em banco de dados de consumo. Pendente processo que tenha por objeto a definio da existncia do dbito e/ou seu montante, no cabe a inscrio de devedor junto ao SPC, SERASA, SCI e assemelhados. No ofensa ao direito do credor. REVISO DE CONTRATOS J QUITADOS. Possibilidade. RELAO JURDICA CONTINUATIVA. Ambas as apelaes parcialmente providas. (28 fls) (Apelao Cvel n 70003288057, Dcima Nona Cmara Cvel, Tribunal de Justia do RS, Relator: Des. Guinther Spode, julgado em 20/08/2002). h) DA COMISSO DE PERMANNCIA

A comisso de permanncia se caracteriza, a teor do disposto no inciso IX do artigo 4 da Lei n 4595, como remunerao de operao de servios bancrios e servios financeiros. A remunerao da operao se inclui nos juros reais e deve observar o limite estabelecido pelo sistema jurdico. Interpretao diversa permitiria a co-existncia de juros prfixados e juros, o que, em essncia, a comisso, ps-fixados, em claro anatocismo. Conforme a Smula n 30 do egrgio Superior Tribunal de Justia, que diz, "verbis "A comisso de permanncia e a correo monetria so inacumulveis". A duas, corresponde alterao de taxa de encargos aps o vencimento das parcelas da dvida, no havendo autorizao legal para tal. Para essa hiptese, est prevista clusula penal consistente na multa contratual e juros de mora que, acumulados com a correo monetria, correspondem remunerao do banco e atualizao do valor devido. Qualquer majorao dos encargos contratuais em razo do no pagamento no vencimento, que se acresa ao pactuado, onde j est estabelecida a duplicidade de clusula penal, resta inadmissvel e sem amparo legal. J se decidiu: CONTRATO BANCRIO. COMISSO DE PERMANNCIA. CUMULAO COM JUROS E MULTA. INADMISSIBILIDADE. CLUSULA CONTRATUAL. REEXAME. SMULAS 05 E 07/STJ. Nos contratos celebrados por instituies financeiras, vedada a cobrana de comisso de permanncia, cumulativamente com a multa contratual e com os juros de mora. Agravo a que se nega provimento (Agravo no Agravo de Instrumento n 387.585, Rel. Min. Castro Filho, 3 Turma, STJ, DJU 05.11.2001). Tambm: Civil e Processo Civil. Agravo de Instrumento. Contrato de Abertura de Crdito. Comisso de permanncia. defesa a 33

cumulao da comisso de permanncia com os encargos de multa e de juros moratrios. (AGA 356894/SP e ADREsp 292984/RS, Relatora Min. Nancy Andrighi, 3 Turma, STJ, j. 11.06.2001 e 18.06.2001). Ainda: COMERCIAL. CONTRATO DE ABERTURA DE CRDITO. COMISSO DE PERMANNCIA. A existncia de clusula permitindo a cobrana de comisso de permanncia com suporte na Lei n 4.595/64 c/c a Resoluo n. 1.129/86 BACEN, no pode ser afastada para adoo da correo monetria sob o simples enfoque de prejuzo para a parte adversa. Todavia, a concomitante previso contratual de multa por inadimplncia e juros, reconhecida pelo aresto a quo, exclui a comisso de permanncia, de acordo com as normas pertinentes espcie. (REsp. 267933/MS, rel. Min. Aldir Passarinho Jnior, 4 Turma, STJ, j. em 22.03.2001). Enfim: COMISSO DE PERMANNCIA. Se a pretexto de incidncia da denominada comisso de permanncia, atrela-se a inadimplncia a percentual fixo (10% a. m.), no mais se est diante de efetiva comisso de permanncia, mas, sim, pura e simplesmente, juros moratrios. Percentual elevadssimo e que se pretende, no mais, aplicao capitalizada, modo mensal. Abusividade e ilegalidade. Reduo dos juros moratrios.(AC 196152433, relator Desembargador Armnio Jos Abreu Lima da Rosa, 6 Cmara Cvel, TJRS, j. em 19.09.1996). i) DA MORA Dispe o artigo 394 do Cdigo Civil: "Considera-se em mora o devedor que no efetuar o pagamento e o credor que o no quiser receb-lo no tempo, lugar e forma que a lei ou a conveno estabelecer. Ocorre a mora solvendi quando o devedor, por culpa sua, no cumprir a prestao devida na forma, tempo e lugar estipulados. J a mora

accipiendi consiste na injusta recusa do credor de aceitar o cumprimento da obrigao devida na forma, tempo e lugar estabelecidos. A cobrana de parcelas acessrias do dbito revestidas de abusividade configura a mora accipiendi, descaracterizando, por conseguinte, a mora solvendi. Ainda sob ponto de vista dos planos jurdicos, a s existncia de encargos negociais decorrente de clusulas abusivas, a afastar a eficcia jurdica de parte do valor devido, tornando ilquida a prestao, no pode caracterizar a mora debendi. A existncia de disposies negociais abusivas contrrias s normas do Cdigo de Defesa do Consumidor e ao princpio da boa-f objetiva demonstra a atuao do credor contrria a direito, a produzir a invalidade jurdica das obrigaes excessivas e a ineficcia das parcelas acessrias, das quais decorrem sua inexigibilidade e inimputabilidade ao devedor. Nesse sentido o entendimento do TJRS: APELAO CVEL. NEGCIOS JURDICOS BANCRIOS. CONTRATOS DE EMPRSTIMO EM CONTA-CORRENTE E RENEGOCIAO DE DVIDA. AO REVISIONAL. PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE DE PARTE. O Banrisul parte legtima passiva para a causa em que se discutem contratos da extinta Caixa Estadual, nos termos da Lei 10.959/97. Preliminar rejeitada. APLICAO DO CDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, POSSIBILIDADE DE REVISO DO CONTRATO E DECLARAO EX OFFICIO DA NULIDADE DE CLUSULAS ABUSIVAS. O Cdigo de Defesa do Consumidor norma de ordem pblica, que autoriza a reviso contratual e a declarao de nulidade de pleno direito de clusulas contratuais abusivas, o que 35

pode ser feito at mesmo de ofcio pelo Poder Judicirio. NOVAO. No estando presente o nimo de novar, a alterao contratual apenas confirmou a anterior, o que no impede que seja revisada toda a contratualidade. JUROS REMUNERATRIOS. Sendo inadmissvel a excessiva onerosidade do contrato, a cobrana de juros abusivos nula, especialmente em perodo de estabilidade econmica. Juros reduzidos para 12% ao ano. Aplicao do art. 51, IV, do CDC. CAPITALIZAO DE JUROS. Em contrato de abertura de crdito em conta-corrente possvel capitalizar os juros anualmente. Todavia, em contrato de renegociao de dvida proibida a capitalizao. ENCARGOS MORATRIOS. - Comisso de Permanncia. vedada a cumulao de correo monetria com comisso de permanncia. Smula n 30, do S.T.J. Tambm proibida a cobrana de comisso de permanncia na exata interpretao dos artigos 115 do CC e 51, IV do CDC. - Juros de Mora. Reduzidos para 1% ao ano, nos termos do art. 5 do Decreto 22.626/33. Disposio de ofcio. Multa. Limitada em 2%, nos termos da Lei n 9.298/96, a partir de 01.08.96, e calculada sobre o valor da prestao. - Inocorrncia de Mora Debendi. Em virtude da no configurao da mora do devedor, so inexigveis os nus a ttulo de mora. Disposio de ofcio. CORREO MONETRIA. O I.G.P.-M. o ndice que melhor recompe as perdas ocasionadas pela inflao. REPETIO DE INDBITO. Diante da excessiva onerosidade e abusividade do contrato, cabvel a repetio simples de indbito ainda que no haja prova de que os pagamentos a maior tenham sido ocasionados por erro. Disposio de ofcio. Rejeitada a preliminar, negado provimento ao primeiro e ao segundo apelo, provido o terceiro apelo. (APELAO E REEXAME NECESSRIO N 70003096591, DCIMA QUARTA CMARA CVEL, TRIBUNAL DE JUSTIA DO RS, RELATOR: SEJALMO SEBASTIO DE PAULA NERY, JULGADO EM 28/08/2003).

j) DOS JUROS MORATRIOS No tocante aos juros moratrios tem aplicao o disposto no artigo 5 do Decreto n 22626 que os limita em 1% ao ano, ponto reiteradamente proclamado pelo egrgio TJRS. Com efeito, diz o referido artigo: Admite-se que pela mora dos juros contratados estes sejam elevados de 1% (um por cento) e no mais. Para os negcios de crdito rural, comercial e industrial incide a norma do pargrafo nico do artigo 5 do Decreto-Lei n 167, de 14 de fevereiro de 1967. Merece referncia, ainda, lio de Pontes de Miranda, que, ao tratar do assunto in Tratado de Direito Privado", 3. ed., Ed. Borsoi, Rio de Janeiro, 1971, p. 50, ensina: Diz o art. 5. do Decreto n. 22.626, de 7 de abril de 1933: Admite-se que, pela mora dos juros contratados, estes sejam elevados de 1% e no mais. Cumpre que se distingam, preliminarmente, (a) as clusulas de juros de juros, em caso de mora, e (b) a clusula de elevao dos juros , em caso de mora: ali, estabelece-se taxa para que dos juros no pagos fluam juros; aqui, dispe-se que, incorrendo em mora o devedor, a taxa dos juros seja elevada. As duas clusulas (a) e (b), no se confundem com (c) as clusulas penais por mora do capital e (d) por mora dos juros. As clusulas de juros de juros, em caso de mora, so as que prevem que se no paguem os juros e estipulam que corram juros de tais juros, enquanto no se purga a mora. As clusulas de elevao de juros, em caso de mora, so clusulas com que o credor se precata contra a durao da mora, mas, a, os juros a mais se no tm como juros moratrios, devido ao contedo mesmo da clusula (juros x, ou, se ocorre m, juros y). A aluso, a, feita mora, porm poderia ser a qualquer outro fato que servisse de elemento diferenciador, no tempo das taxas estipuladas. A construo jurdica tanto pode ser: "juros y, mas, enquanto no se der mora, juros x", como "juros x, mas, se ocorrer mora, juros y". Da a necessidade de x e 37

y no excederem as taxas mximas das leis contra a usura. Na tcnica legislativa, o legislador pode determinar a) que os juros y no podem exceder a taxa legal, - ou b) admitir que, em caso de mora, se elevem os juros x at y, sendo y abaixo da taxa mxima das leis de usura ou c) acima da taxa mxima das leis de usura. O Decreto n. 22.626, de 7 de abril de 1933, art. 1., permitiu taxas at 12%, isto , at o dobro da taxa legal (Cdigo Civil, art. 1.062) e - tendo de solver o problema de tcnica legislativa a que aludimos - elegeu o critrio c), isto , y pode ser maior do que 12%. Porque: at 12% os juros so estipulveis; em caso de mora, os juros estipulados (Decreto n. 22.626, art. 5., verbo "contratados") podem ser elevados de 1%, "e no mais". Portanto: x pode ser, no mximo, 12%; y, 12% + 1% = 13%. Nesta linha, o egrgio TJRS e o Superior Tribunal de Justia j decidiu, em precedente assim ementado: CONTRATO DE ABERTURA DE CRDITO EM CONTA CORRENTE SUPER CONTA BANRISUL. AO DE COBRANA COM PRETENSO REVISIONAL DEDUZIDA EM CONTESTAO (EXCEO SUBSTANCIAL). PRELIMINARES CONTRA-RECURSAIS AO RECURSO ADESIVO. 1) AUSNCIA DE INTERESSE RECURSAL. Descabe a alegao de falta de interesse recursal no tocante multa contratual e cumulao de correo monetria com comisso de permanncia, ausente sua incidncia, porquanto, embora na planilha de clculo apresentada no conste a cobrana de multa e da comisso de permanncia, resta demonstrada a pactuao de incidncia dos referidos encargos, inclusive a multa, de modo a tornar possvel a anlise do pleito recursal. Prefacial rejeitada. 2) INOVAO RECURSAL. No prospera a alegao de inovao recursal quanto ao pedido de reduo da multa a 2%, pois, ao contrrio do que afirma a instituio financeira em suas contra-razes, os recorrentes adesivos referiram, na pea contestatria, pedido incidental de reviso da clusula relativa reduo desta multa contratual fixada no contrato em 10%. CDIGO DE DEFESA

DO CONSUMIDOR. ALTERAO NEGOCIAL POR APLICAO DO PRINCPIO DA BOA-F OBJETIVA. NUS DA PROVA. INVALIDADE DAS CLUSULAS NEGOCIAIS QUE FIXARAM PARCELAS ACESSRIAS DO DBITO ABUSIVAS. Os negcios jurdicos bancrios realizados merecem alterao judicial se inobservada a boa-f objetiva que deflui do sistema jurdico, relativamente s clusulas abusivas (invlidas) que estabeleceram as parcelas acessrias. Manifesta a ilegalidade parcial das clusulas que fixaram parcelas acessrias abusivas, devem ser reconhecidas suas invalidades, das quais decorre a ineficcia do direito da entidade bancria/financeira. RECONHECIMENTO DE OFCIO. Tratando-se de nulidade de pleno direito, diante do que dispem as normas do Cdigo de Defesa do Consumidor, impe-se o reconhecimento pelo juiz, independentemente de alegao das partes, como preceitua o pargrafo nico do artigo 146 do Cdigo Civil, afastando-se, de ofcio, a abusividade da clusula. Precedentes do STJ. JUROS REMUNERATRIOS. Reduzidos a 12% ao ano. CAPITALIZAO. Vedada a capitalizao mensal, admitida a anual no contrato de crdito rotativo na conta-corrente, pela aplicao do artigo 4 do Decreto n 22626/33. COMISSO DE PERMANNCIA. Descabimento. CORREO MONETRIA. Adoo do IGP-M como ndice de atualizao monetria durante todo o contrato, diante da reduo dos juros remuneratrios, vedao da capitalizao e da comisso de permanncia, evitando o enriquecimento sem causa dos demandados. Aps a liquidao do contrato, cabvel a incidncia apenas da referida correo monetria pelo IGP-M (e no pela TR como aplicado pelo banco). Disposies de ofcio. MORA. Pela cobrana de parcelas acessrias abusivas, descaracterizada a mora solvendi. ENCARGOS MORATRIOS. Descaracterizada a existncia de mora solvendi, descabe a cobrana dos encargos dela decorrentes, como multa e juros moratrios. Quando houver mora solvendi, deve ser reduzida a multa contratual a 2% sobre as parcelas efetivamente inadimplidas, pela aplicao do Cdigo de Defesa do Consumidor, e, aps o 39

vencimento do contrato, deve haver a incidncia de juros moratrios de 1% ao ano, no caso de ocorrncia da mora. EFEITO RESTITUTRIO. Redefinidos os critrios de clculo das parcelas acessrias, a restituio dos valores eventualmente pagos a maior efeito decorrente da deciso. COMPENSAO. Pela aplicao do princpio da restituio integral, cabe, na hiptese, a compensao, a ser efetivada entre as parcelas prestadas ineficazmente pelo consumidor e o eventual dbito pendente em razo dos negcios jurdicos celebrados com o fornecedor. AO DE COBRANA. Acolhida a pretenso revisional, a ao de cobrana procede em parte, relativamente ao saldo devedor apurado em liquidao de sentena, aps reclculo dos valores devidos, conforme determinado nesta deciso. Apelo desprovido e, afastadas as prefaciais contra-recursais, recurso adesivo provido, com disposies de ofcio. (APELAO CVEL N 70005628037, DCIMA QUARTA CMARA CVEL, TRIBUNAL DE JUSTIA DO RS, RELATOR: JOO ARMANDO BEZERRA CAMPOS, JULGADO EM 25/09/2003)

l) DO EFEITO RESTITUTRIO No conceito de Clvis (apud Maria Helena Diniz em Curso de Direito Civil, 2 volume, Editora Saraiva, 6 edio aumentada e atualizada, So Paulo, 1991, pg. 194): "pagamento indevido o feito, espontaneamente, por erro, como o efetuado pelo 'solvens', convencido de que deve pagar, ou o levado a efeito por quem no devedor, mas pensa s-lo, ou a quem se supe credor". O pagamento indevido uma das formas de

enriquecimento sem causa. O enriquecimento ilcito ocorre sempre que uma pessoa tiver uma vantagem de cunho econmico causa de outrem, com diminuio patrimonial deste, ausente fato jurgeno. A ao de in rem verso

objetiva reequilibrar o dois patrimnios, alterados sem justa causa, com restituio da situao econmica anterior, por compensao. So requisitos da ao de in rem verso o enriquecimento de uma parte, o empobrecimento da outra correlativo, a ausncia de causa jurdica, a inexistncia de interesse pessoal do empobrecido. Tem, finalmente, um carter subsidirio, isto , cabe a pretenso de restituio somente na inexistncia de qualquer outra ao no sistema jurdico, evitando, assim, que se torne uma espcie de action passe partout. Entre as espcies de enriquecimento sem causa est o pagamento indevido, definido por Serpa Lopes como " o pagamento efetuado com a inteno de cumprir ('animo solvendi') uma obrigao inexistente ('indebitum'), em conseqncia de erro". A natureza do erro, requisito essencial do pagamento indevido, caracteriza suas espcies: objetivo, quando o erro incide sobre o objeto da prestao, ou subjetivo, na hiptese de erronia do autor ou quanto a quem recebe o pagamento. Os requisitos para caracterizao do pagamento indevido so o enriquecimento patrimonial do accipiens pela leso do solvens com relao de imediatividade, a existncia do erro, e a ausncia de causa jurdica. Logo, na inexistncia de comprovao de prestao por erro, descabe a pretenso de repetio. Diz o artigo 182 do Cdigo Civil: Anulado o negcio jurdico, restituir-se-o as partes ao estado em que antes dele se achavam, e, no sendo possvel restitu-las, sero indenizadas com o 41

equivalente. Trata a disposio sobre o denominado efeito restitutrio. Sobre ele preleciona Pontes de Miranda (Tratado de Direito Privado, tomo IV, 4 edio, Editora Revista dos Tribunais, So Paulo, 1983): O Cdigo Civil Brasileiro, tem o mrito de se no referir retroatividade, nem lembrar a in integrum restitutio. De um lado e do outro, restabelece-se a anterior estado de coisas, isto , o estado em que se achavam os bens da vida, num e noutro patrimnio. No se leva em conta qualquer efeito do contrato ou negcio jurdico unilateral anulado (e.g. a denncia de locao, em clusula contratual, a remisso de dvida, ou reconhecimento de direito do outro contratante, ou de terceiro), salvo se s houve anulao parcial que no atingiu o elemento a que o efeito corresponde. Voltam os crditos cedidos; voltam eficcia as dvidas remitidas; as quantias pagas so restitudas. E tudo se passa como se no tivesse havido cesso de crdito, remisso de dvida, ou pagamento. Assim, em razo da eficcia constitutiva da sentena invalidatria, as parcelas ineficazes prestadas, anuladas as disposies negociais abusivas e ilegais (ausente dolo do fornecedor), devem ser restitudas, modo simples, atualizadas desde a prestao pelo critrio negocialmente estabelecido para pagamento, acrescidas de juros a partir da citao na demanda revisional. m) DA COMPENSAO A reduo do dbito decorrer da reviso judicial, ensejando a compensao do saldo devedor apurado com o que foi pago a maior, haja vista o princpio do enriquecimento sem causa.

Nesse sentido: A PRETENSO DE DEVOLUO DOS VALORES PAGOS A MAIOR, EM VIRTUDE DO EXPURGO DE PARCELAS JUDICIALMENTE DECLARADAS ILEGAIS, CABVEL EM VIRTUDE DO PRINCPIO QUE VEDA O ENRIQUECIMENTO SEM CAUSA, PRESCINDINDO DE DISCUSSO A RESPEITO DE ERRO NO PAGAMENTO. (RESP. 200.267/RS, 4 TURMA, REL. MIN. SLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA, 03/10/2000). Maria Helena Diniz (Curso de Direito Civil Brasileiro, 2 volume, Editora Saraiva, 6 edio, So Paulo, pg. 258) define compensao como "um meio especial de extino de obrigaes, at onde se equivalem, entre pessoas que so, ao mesmo tempo, devedoras e credoras uma da outra". Assim, dispe o artigo 368 do Cdigo Civil: "Se duas pessoas forem ao mesmo tempo credor e devedor uma da outra, as duas obrigaes extinguem-se, at onde se compensarem". A origem do instituto romana, fundando-se em princpio de eqidade. No perodo clssico, a compensatio era efeito de uma conveno entre as parte que extinguia a obrigao pela renncia s respectivas aes. No perodo Justineo, passou a ser forma de extino da obrigao independentemente da vontade das partes, mas foi o prprio Justiniano que lhe atribuiu eficcia de pleno direito. Compensationes ex omnibus ipso fieri sansimus, nulla differentia in rem, vel personalibus actionibus inter se observanda. Este conceito no foi alterado em seu contedo, passando a doutrina moderna a distinguir trs espcies de compensao: a legal, a convencional e a judicial. 43

Os requisitos do instituto decorrem da prpria definio legal: a. obrigaes principais recprocas; b. o objeto das prestaes deve ser bem fungvel, de mesma espcie e qualidade; c. as prestaes devem estar vencidas, sendo lquidas e exigveis; d. no pode existir direitos de terceiros sobre as prestaes; e e. possibilidade jurdica. Tambm pela aplicao do princpio da restituio integral, cabe, na hiptese, a compensao, a ser efetivada entre as parcelas prestadas ineficazmente pelo consumidor e o eventual dbito pendente em razo dos negcios jurdicos celebrados com o fornecedor. Esto preenchidos os requisitos do instituto, pois os objetos das prestaes recprocas tm igual natureza, decorrendo a compensao de causa legal, evitando-se o enriquecimento sem causa do fornecedor que recebeu indevidamente quantias decorrentes de clusulas invlidas. III - DOS PEDIDOS Em face ao exposto e por tudo o mais que destes autos vierem constar, REQUER: 1. O benefcio da gratuidade da justia, eis que no tem condies de arcar com as custas processuais sem prejuzo de seu sustento e da famlia (em anexo declarao, e documentos que comprovam a renda e gastos DOCS 03-05); 2. A antecipao parcial dos efeitos da tutela jurisdicional, com fulcro permissivo no art. 273, CPC, para o fim de:

a) obter autorizao para o depsito judicial das parcelas de forma

revisionada; b) seja vedada a circulao ou protesto de ttulos de crdito vinculados aos contratos revisionados por parte do BANCO CICLANO.; c) seja determinada a sustao de providncias do credor visando cobrana dos dbitos revisados em conta corrente ou folha de pagamento do autor; d) seja vedada a inscrio do autor em cadastro de devedores (SERASA, CADIN, SPC) e designada a retirada do seu nome dos rgos de proteo de crdito se assim o BANCO CICLANO j o fez, por obrigaes originadas dos contratos revisionados enquanto pendente a lide revisional (para a hiptese de descumprimento, que seja estipulada uma multa diria, sem prejuzo das sanes penais correspondentes - CP, Art.330). 3. Em sendo deferidos os pedidos supras, que seja intimada a parte adversa para cumprir a ordem judicial e, no mesmo mandado, que seja citada, para, querendo, ofertar o contraditrio (ou levantar as quantias serem depositadas) no prazo legal, sob pena de revelia e confisso; 4. Nos termos do art. 6 do CDC, que seja invertido o nus da prova, em favor do consumidor; a) deferida a inverso do nus da prova, que apresente a parte adversa ainda no prazo de contestao os contratos de abertura de crditos objeto da lide, planilhas que demonstrem os descontos efetuados em folha de pagamento e conta corrente do autor, e progresso dos dbitos. 5. No mrito, que seja julgada procedente a presente ao, em todos os seus termos, para o fim de: a) confirmar a tutela antecipada eventualmente concedida; 45

b) declarar a existncia de "atos ilcitos contratuais (encargos); c) declarar a existncia de "leso enorme"; d) declarar a existncia da prtica de "usura e anatocismo", oficiando-se, aps, ao Ministrio Pblico, para as providncias cabveis; e) declarar a prtica de "abuso de poder econmico"; f) g) declarar que a regra do pargrafo terceiro do art. 192, CF, auto-aplicvel; declarar que o Conselho Monetrio Nacional no possui legitimidade para legislar ou regulamentar sobre matria inerente aos juros e questes financeiras; h) declarar que a Smula 596 do Supremo Tribunal Federal no revogou, nem poderia revogar, a regra da Lei de Usura e , portanto, inaplicvel presente hiptese; i) j) assim, declarar que "a mora do credor" (C.Civil, 394); ser efetuada uma reviso judicial do contrato, restabelecendose, assim, o seu equilbrio e a sua comutatividade, acolhida a nova concepo social do contrato e a defesa do consumidor (CF/88, art. 5, XXXII, c/c art. 170, V) em que possvel o expurgo do excesso de juros remuneratrios, haja vista as condies que configuram a abusividade e a lesividade do contrato, consoante o disposto no art. 51, IV, do Cdigo de Defesa do Consumidor; k) l) julgar procedente a pretenso consignatria, em todos os seus termos; decretar a nulidade das clusulas contratuais abusivas, que impe-se o reconhecimento pelo juiz, independentemente de alegao das partes, como preceitua o pargrafo nico do artigo 168 do Cdigo Civil, afastando-se, de ofcio, a abusividade da clusula;

m) fixar os juros remuneratrios no limite de 12% (doze por cento) ao ano. n) fixar os juros moratrios no limite de 1% (um por cento) ao ano. o) vedar a capitalizao mensal de juros; p) q) vedar a incidncia de comisso de permanncia cumulada com correo monetria; limitar eventual incidncia de multa ao percentual de dois pontos, incidir sobre eventual saldo devedor, atualizado; r) efetuar a correo monetria pelo indexador IGPM-FGV; s) efetuar o expurgo dos valores eventualmente adimplidos consoante os parmetros ilegais antes estipulados pela parte adversa; t) constituir eventual saldo credor/devedor do autor em relao ao requerido, promovendo-se, assim, um acertamento da relao crdito/dbito; u) na hiptese de virem a ser julgados procedentes quaisquer tens dos supra-elencados e revisado o contrato e o dbito, desde o seu nascedouro, em qualquer ponto, que sejam os valores pagos anteriormente contabilizados e aplicados ao suposto dbito, se que existente, como amortizao; v) na hiptese de verificao de cobrana em excesso, e ou mesmo existncia de saldo credor, que seja aplicada a regra do art. 940, do Cdigo Civil, combinada com a mesma regra do Cdigo de Defesa do Consumidor (art.42), devendo, pois, a parte adversa vir a ser condenada pagar em dobro o que cobrou indevidamente, para a indenizao dos danos patrimoniais diretos; w) na eventualidade de virem a ser indeferidas, por despacho interlocutrio, quaisquer medidas incidentais, incluindo-se a a 47

liminar, bem como na hiptese de julgamento, por sentena, no mrito, de improcedncia da ao, ou de deciso terminativa, o que no acredita o autor seja possvel juridicamente, ad cautelam, requer sejam pr-questionadas todas as normas constitucionais e ou dar e infra-constitucionais no presente de uma porventura abordadas ventiladas

procedimento,

objetivando

cumprimento

formalidade ensejadora do positivo Juzo de Admissibilidade de Recursos Especial (STJ) e Extraordinrio (STF); 6. A condenao do Ru no pagamento das custas e honorrios advocatcios no valor de 20% da ao; D causa, para os efeitos fiscais, o valor de alada 765,50 (setecentos e sessenta e cinco reais e cinqenta centavos) e protesta pela produo de todos os meios de provas em direito admissveis. NESTES TERMOS, PEDE DEFERIMENTO.