Aula1 imuno clínica revisional

  • View
    35

  • Download
    23

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Aula1 imuno clínica revisional

  • 1. Prof. Ms. Aline Helen Corra Garcia

2. Clulas do Sistema Imune Linfcitos NK Clulas Dendrticas Macrfagos e Moncitos Neutrfilos Eosinfilos Mastcitos Basfilos 3. Linfcitos So as nicas clulas com receptores especficos para antgenos Chaves da imunidade adaptvel. Morfologicamente semelhantes So heterogneos em: Linhagem Funcionamento Fentipo Capacidade de respostas e atividades biolgicas complexas e atividades. 4. Linfcitos B So as nicas clulas capazes de produzir anticorpos Imunidade humoral. Expresso de anticorpos Receptores que reconhecem antgenos Antgenos solveis e antgenos na superfcie de micrbios e outras clulas Ativao celular Resposta imune humoral. 5. Linfcito T Imunidade Celular Receptores reconhecem fragmentos de peptdeos de ag Ligados a major histocompatibility complex (MHC) ou complexo de histocompatibilidade principal (MHC). T CD4+ = helper ou auxiliares Ajudam B a produzir anticorpos Fagcitos a destruir micrbios fagocitados T CD8+ = citotxicos ou citolticos Destroem clulas que abrigam micrbios intracelulares 6. Linfcitos NK NK = Natural Killer ou assassina natural Mediadores de imunidade inata No expressam receptores de antgeno como as clulas B ou clulas T. Importante contra vrus e tumores 7. Clulas Apresentadoras de Antgenos ou Antigen Presenting Cells -APCs Portas de entrada para micrbios a pele, rea gastrointestinal e rea respiratria, Contm clulas especializadas localizadas abaixo do epitlio que captura Ag e os transporta para tecidos linfides. Clulas dendrticas e macrfagos 8. Clulas Dendrticas A funo de APC melhor representada pelas clulas dendrticas Nome por causa dos processos dendrticos longos. Capturam ag proticos Exibem partes dos Ags para os linfcitos T Pele: clulas de Langerhans 9. Macrfago 10. Macrfagos Clula grande com vacolos citoplasmticos Apresenta diferentes nomes, de acordo com o tecido Presente em tecidos saudveis Fagocitose Apresentao de antgenos 11. Macrfago + pseudopodes 12. macrfago interagindo com vrios linfcitos 13. Leuccitos Polimorfonucleares ou granulcitos Possuem inmeros grnulos no citoplasma Ncleo irregular Neutrfilos Menor que o macrfago, no presente em tecidos saudveis Fagocitose Eosinfilos Defesa contra parasitas e vermes Mastcitos/Basfilos Alergias 14. Ncleo bilobado/reniforme Ncleo multilobulado Ncleo em forma de ferradura 15. Leuccito PMN Neutrfilo 16. Hematopoiese 17. rgos Linfides Linfcitos sangue Tecidos especializados 18. rgos Linfides rgos linfides primrios ou centrais Maturao de linfcitos (TCR e BCR) Timo e medula ssea rgos linfides secundrios ou perifricos Resposta imune Bao, linfonodos, placas de Peyer. Amigdala, etc 19. Timo Bilobulado Cada lobo se divide em mltiplos lbulos, e cada lbulo dividido em crtex e medula Mediastino anterior Maturao de linfcitos T 20. Timo Seleo tmica TCR CD4 ou CD8 Maturao de linfcitos T principalmente no perodo fetal e depois do nascimento 90-95 % dos timcitos entram em apoptose Ausncia de Timo: falta de clulas T 21. Medula ssea e Bursa de Fabricius 22. rgos Linfides Perifricos Linfonodos, bao,placas de Peyer e os tecidos linfides associados a mucosa (BALT, GALT) Onde os linfcitos encontram os antgenos e onde se inicia a resposta imune Estes tecidos esto conectados atravs dos vasos linfticos - Linfa 23. Linfonodos Agregados ovides de tecido linfide localizados ao longo de canais linfticos no corpo. Transporta fluido chamado linfa dos epitlios, tecidos conjuntivos e da maioria do rgos parenquimatosos escoado por vasos linfticos dos tecidos para os linfonodos. A linfa uma mistura de substncias que so absorvido nos epitlios e tecidos. 24. A passagem da linfa no linfonodo Como as passagens de linfa por linfonodos resulta: APCs podem capturar os antgenos de micrbios que entraram pelos epitlios nos tecidos. Clulas dendrticas apanham antgenos de micrbios do epitlios e transportam estes antgenos para linfonodos pela linfa. O resultado lquido destes processos: captura, transporte e concentrao dos Ags que entram por epitlios ou tecidos colonizados que escoam para os linfonodos. 25. Recirculao de linfcitos Linfcitos circulam nos tecidos Linfcito virgem rgos linfides Linfcito efetor Locais de infeco melhor descrito melhor para T. T citotxico em qualquer local de infeco. B permanecem em rgos linfides no precisam migrar para locais de infeco. Secretam anticorpos Ac entram no sangue Micrbios de achado e toxinas microbianas na circulao ou tecidos distantes. 26. O bao rgo abdominal o principal local de produo de Ac Mesmo papel em respostas imunes para antgeno sanguneos Sangue que entra no bao por uma cadeia de canais (sinusides) forrada de fagcitos. Apanham antgenos e os concentra clulas de dendrticas e macrfagos. 27. O bao Polpa branca Rica em linfcitos Polpa vermelha Local onde hemcias so removidas 28. MALT e GALT Sistemas linfide debaixo dos epitlios da pele, do trato gastro-intestinal e reas respiratrias Amgdalas e placas de Peyer so MALT So locais de respostas imunes a antgenos que superam a barreira epitelial 29. ANTGENOS e IMUNGENOS 30. Definio So substncias qumicas capazes de induzir resposta imune especfica, pois so estranhas ao sistema imune, normalmente induzem a formao de anticorpos ou de resposta celular, ou ambas 31. - Antgeno toda a estrutura capaz de reagir com as clulas do sistema imune (fagcitos, linfcitos T e B). qualquer molcula que possa ser reconhecida pelos elementos do sistema imune inato (inespecfico) ou adaptativo (especfico). 32. Antgenos e Imungenos Antgenos Imungenos Agente capaz de se ligar especificamente componentes da resposta Imunolgica Agente capaz de induzir resposta Imunolgica Funcional 33. Caractersticas: Imunogenicidade a capacidade de induzir resposta imune especfica Antigenicidade a capacidade de interagir com anticorpos (Ac) ou linfcitos T (ly T) sensibilizados Obs: imungeno: substncia que possu eptopos estranhos ao organismo, so substncias ativadoras especficas) (depende de quanto a substncia estranha ao organismo) 34. TODO IMUNGENO um ANTGENO. Nem TODO ANTGENO IMUNGENO. 35. Determinante Antignico ou Eptopo - a menor poro da molcula antignica responsvel pela propriedade de estimular a produo dos anticorpos, so responsveis pela interao com o stio combinatrio de anticorpo ou do receptor de antgeno (TCR) de lyT - Tamanho mdio de 7x14x34u, correspondendo a 4-6 resduos de aminocidos - Cada antgeno pode conter um ou mais eptopos, sendo iguais ou diferentes - uma nica molcula antignica normalmente possui vrios eptopos diferentes 36. protena acar bactria Eptopo a menor poro de antgeno com potencial de gerar a resposta imune. a rea da molcula do antgeno que se liga aos receptores celulares e aos anticorpos. 37. Eptopos de linfcitos B ligam-se a molculas de imunoglobulina no necessitam de processamento por APCs esto localizados na superfcie das protenas 3 a 20 resduos de aminocidos ou carboidratos 38. Eptopos lineares Formados por resduos dispostos seqencialmente de maneira linear em um antgeno protico ou polissacardico No so afetados por nenhum tratamento que altere a estrutura tridimensional da substncia 39. Eptopos conformacionais Formados pelas estruturas secundria, terciria ou quaternria de uma protena Formados pelo dobramento tridimensional normal de um polissacardeo Eles perdem funes de eptopos se desnaturados 40. Eptopos de linfcitos T Ligam-se ao TCR aps processamento, quando ligados a molculas de MHC (Complexo Principal de Histocompatibilidade) presentes nas APCs. Molcula imunognica - pelo menos um eptopo de clula T. Resduos imunodominantes - presentes dentro de um eptopo - interagem com maior afinidade de ligao - podem induzir uma resposta mais forte. 41. Antgenos T-independentes Possuem a capacidade de estimular clulas B a produzirem Ac, sem a necessidade da ativao do linfcito TH co-estmulo So polmeros com numerosos determinantes antignicos repetidos. no produzem memria imunolgica 42. Haptenos Composto de baixo peso molecular. Pouca complexicidade. Sozinho no promovem resposta imune Ligao covalente a carregadores induo de resposta. O complexo hapteno-carreador comporta-se como um eptopo de clula B. No so imungenos - quando acoplados a protenas carreadoras tornam-se imungenos, produzindo resposta imune, isto , so capazes de combinar-se com a molcula de anticorpo, mas no so capazes de estimular resposta imune, a menos que estejam associados com uma molcula carreadora imunognica 43. Exemplos: a insulina, a penicilina, os lipdeos, os cidos nuclecos, a anilina e o aminobenzeno. 44. Antgenos Celulares Importantes 1) Antgenos de Histocompatibilidade As clulas T reconhecem como estranhos os peptdeos ligados a protenas de superfcie, que provocam resposta imune se transferidas para outro indivduo da mesma espcie (alognico). Algumas dessas protenas, muito imungenas, so glicoprotenas e constituem o Principal Complexo de Histocompatibilidade (MHC major histocompatibility complex ou sistema HLA human leukocyte antigens) um complexo de genes capaz de causar rejeio a enxertos. 45. 2) Antgenos Eritrocitrios Herdados geneticamente, so antgenos (oligossacardeos) presentes na superfcie das hemcias e de outros fludos corpreos. Tem grande importncia, pois relacionam-se as transfuses (Sistema ABO) 46. Resultado positivo Resultado positivo Ag eritrocitrio Ac Anti-eritrcito Reagente de Coombs 47. Natureza qumica dos Antgenos (Ag) Inorgnicos: no so imungenos Protenas: so fortes imungenos Polissacardeos: raramente so bons imungenos *Lipdios: simplicidade estrutural - comuns *Carboidratos: pequenos, pouco imungenos *cidos nucleicos: de relativa simplicidade e rpida degradao, no funcionam como imungenos *ligao com carreador melhora a imunogenicidade 48. peptdeos, polmeros de aminocidos molcula quimicamente sintetizada Sinttico iodo-protenas, haptenos-prote