Exame fisico 3

  • View
    15.236

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Exame fisico 3

  • 1. EXAME FSICOObs: O exame fsico cefalo - caudal ele muito importante na rotina do enfermeiro,porm ele precisa ser totalmente completo na admisso do paciente, os outros dias emque o paciente estiver internado, ser feito uma evoluo objetiva no pronturio,descrevendo assim, o que realmente for necessrio, desta forma o enfermeiro ter umadisponibilidade de tempo maior para outras funes. Ex: paciente apresenta membrosuperior esquerdo ntegro, se apresenta ntegro, para que relatar novamente uma vez jrelatado na admisso.O exame fsico conceituado como processo de exame do corpo de um paciente, com oobjetivo de determinar presena ou ausncia de problemas fsicos. O exame fsico ecompreendido em 4 fases seguidas que devem ser: Inspeo, palpao, percusso eausculta.A maioria dos pacientes com ansiedade e apreenso encara o exame fsico com medo,pois tem receio do que o mdico vai encontrar. Estudantes ficam apreensivos einseguros no incio, com medo de provocar desconforto ao paciente. Portanto, oestudante DEVE se preparar tcnica e psicologicamente, cujo objetivo ajudar opaciente. Sendo assim seja gentil, educado, calmo, competente e organizado, pode-seainda continuar fazendo perguntas durante o exame fsico, mantendo tambm o pacienteinformado sobre o que est fazendo ou o que ir fazer.Posies:Decbito dorsal, decbito ventral, decbito lateral (direito e esquerdo), posio sentadae posio ortosttica.Importante:Ambiente Deve ser tranquilo;Assegurar a privacidade do cliente;Lavar as mos antes e depois;Preparo psicolgico;Ajudar o cliente e subir a descer da mesa de exame;Aquecer estetoscpio;Aquecer as suas mos;Explicar a finalidade do exame;

2. Ao examinar cada sistema orgnico, explicar com maior detalhe;Deixar o cliente relaxado;Nunca forar o cliente continuar; adaptar uma velocidade do exame de acordo com umatolerncia fsica e emocional do cliente;Acompanhar as expresses faciais do cliente;Ao examinar as partes ntimas (caso o cliente permita), manter uma terceira pessoa depreferncia do mesmo sexo do cliente.Instrumentos necessrios para o exame fsicoEsfigmomanmetroEstetoscpioTermmetroFitamtricaLanternaOstoscpioOftalmoscpioAlgodoAbaixadordelnguaClice graduadoPupilmetroInspeo: Diz respeito a uma observao onde realizada uma comparao entre oslados do corpo. realizada uma Inspeo de cada rea quanto ao seu tamanho, formato,colorao, simetria, posio e deformidades.Palpao: O examinador utiliza as mos para tentar enxergar aquilo que no possvelaos seus olhos. Ao aplicar uma presso sobre uma determinada rea corporal oexaminador tenta identificar ndulos ou massas. Verificando sinais fsicos especficoscomo resistncia, elasticidade, rugosidade, textura e mobilidade.Percusso: Consiste na produo de vibrao e consequentes ondas sonoras atravs dobatimento da superfcie corporal diretamente ou indiretamente com um dos seus dedos.devido as densidades dos diferentes rgos do corpo humano cada um deles filhos 3. produz caractersticos identificados percusso. So estes: timpanico, macio e sub-macio.Estmago:TimpanismoFgado:SubmacicezAusculta: Consiste na ausculta com a utilizao de um estetoscpio.Tipos de som: Som timpnico: rea de ar que contenha recoberta por uma membrana flexvel - CaixaVazia intestino, espao de Traube (fundo do estmago). (elasticidade) Tambor-caixavazia,. Som Macio: Regies desprovidas de ar - coxa, corao, fgado e bao. (acompanha-se de dureza e resistncia) - Parede, bloco de madeira. Som submacio: Variaodosom macio -presena dear lhe duma caracterstica peculiar - livro grosso, trax pouco ar. Som claro pulmonar: som que se obtm quando se golpeia um trax normal.Os sons obtidos podem ser classificados quanto a intensidade, tonalidade e timbre -qualidades fundamentais do som. -livro grosso.Fases do Exame Fsico (Exame cefalo-caudal)Observao da aparncia geral do cliente Sinais vitais (Temperatura, Pulso,RespiraoPresso Arterial). importante verificar os pulsos: carotdeo, braquial,radial, femoral, tibial posterior, poplteo, pedioso.1-Pele:Cianose Central -- Decorrente da inadequada oxigenao do sangue arterial nospulmes. Correlaciona-sediretamente com uma hipoxemia e hipxia celularprovocando uma colorao azulada que melhor observada nos lbios, lngua e mucosaoral.Cianose perifrica -- colorao azulada nas extremidades perifricas (Ponta dos Dedos). 4. Palidez -- Diminuio da cor devido a uma quantidade reduzida de oxihemoglobina, ouvisibilidade reduzida da mesma resultante da diminuio do fluxo sanguneo,geralmente provocada por anemia e choque respectivamente. Melhor observada na face,conjuntivas, leitos ungueais e palma das mos.Ictercia -- Aumento de depsito de bilirrubina nos tecidos - colorao amarelo-alaranjada.Eritema -- Aumento da visibilidade da oxi-hemoglobina devido a dilatao ou fluxosanguneo aumentado provocado por febre, trauma direto, rubor e ingesto de lcool,observado rosto e em locais onde h maior presso de estrutura ssea contra umasuperfcie rgida.Petequeia -- Manchas hemorrgicas puntiformes. Equimose - manchas hemorrgicas.Hematoma - manchas hemorrgicas em grande volume no local.Edema -- Extravasamento de lquidos para o espao intersticial. Trauma direto ecomprometimento do retorno venoso so causas comuns de edema. importanteAvaliar o grau de fim de um edema estabelecer parmetros de comparao, para isso utilizado o sinal de cacifo. realizada uma presso com o polegar sobre a rea avaliadapor aproximadamente 5 segundos. A profundidade do cacifo registrada da seguinteforma, utilizando uma escala de 1 a + 4.Turgor -- Consiste na avaliao da elasticidade da pele. Para examinar o turgor cutneo,uma prega da pele sob uma parte posterior do ante-brao ou rea do externo presa comuma ponta dos dedos e liberada. O enfermeiro uma observa facilidade com que a pele emovimenta e a velocidade com que retorna sua posio normal. O fracasso da Pele emreassumir o seu contorno ou formato desidratao indica normal. Descamao -aparncia de flocos tipo caspa. Escamao - aparncia tipo escama de peixe.2-Cabea:Crnio Macrocefalia -- crnio anormalmente grandeMicrocefalia -- crnio anormalmente pequeno 5. Couro cabeludoInflamaes (foliculites, abscessos)Pediculose: lndeas e piolhosSujidade, seborreia.3 - SobrancelhaVerificar a sua simetria4 - OlhosPlpebras xantelasma -- leses cutneas da regio palpebral provocadas pelo depsitode lipdeos na pele.Blefarite ulcerativa -- Queda dos clios blefarite no ulcerativa .Crostas hordolos - Infeco estafiloccica das glndulas palpebrais.Exoftalmia -- Protruso anormal de um ou de ambos os olhos fechamento das plpebras( Plpebra cada).Conjuntiva palidez (anemias)Conjuntivite.Esclertica ictercia (Amarelo)Ptergio (tecido carnoso que cresce sobre a crnea)Pupila midrase - Dimetro aumentadoMiose - Diminudo dimetro5 - OrelhasInspeciona-se as orelhas, o formato, analisando o tamanho, simetria e implantao.Nocanal auditivo observa-se uma presena de drenagem, cerume e corpos estranhos.6 - NarizSerosas secrees -- fluidas, brancas muco purulentas - viscosas, amareladasObservar o formato tamanho, colorao da pele e da mucosa, presena de deformidades,inflamao e desvio de septo7 - Boca-LbiosCianose queilose - Das rachadura comissuras labiaisQueilite -- Rachadura na presena de pus 6. Lngua saburrosa - Camada esbranquiada que surge na ausncia de mastigao por 24horas)Glossite - Vermelho vivo com uma sensibilidade alimentos quentesMacroglossia -- Aumento da lngua globalDentes: Inspeciona-se com o intuito de verificar a ausncia de elementos e a qualidadedos dentes presentesFaringeUtilizando o abaixador de lngua, inspecionada a vula e o palato mole Devem estarcentralmente que medida que o cliente fala AH, deve-se avaliar a presena de edema,ulcerao ou inflamao.8 - PescooObservar-se a presena de ndulos massas, turgncia de Jugulares e desviode traqueia. Enfisematoso, Do barril, em tonel, globoso etc.Gnglio occipital: Abaixo da proeminncia occipital.Gnglio retro-auricular: Abaixo do processo mastoide.Gnglio pr-auricular: Frente ao ouvido.Gnglio retro--faringianos: Abaixo do ngulo da mandbula.Gnglio submandibular: Abaixo da linha da mandbula o mdia, entre mento eo ngulo da mandbula.Gnglio sub-mentoniano: Abaixo do processo mentual da mandbula.Palpao da tireoide.O examinador posiciona-se atrs ou a frente do cliente, que flexiona o pescoo parafrente e lateralmente na direo do lado que est sendo examinado, ao pedir que ocliente degluta o examinador sente com os dedos posicionados de cada lado da traquia.9 - Membros Superiores (D e E)Verificar se a pele est ntegra, alguma Anormalidade, alguma fratura, Verificar asunhas se sujidade, Se esto quebradias, perfuso tissular est eficaz ou no, etc. 7. 10 - TraxVerificar as mamas; simetria. Forma ciftico de sapateiro, infundibuliforme ou peitoescavado em quilha, cariniforme ou peito de pombo, cifoescolitico ou escolitico.Comeando da sua esquerda para a direita.FOTO 1 normalFOTO 2 globosoFOTO 3 CifticoFOTO 4 InfundibuliformeFOTO 5 CariniformeMitral em Foco: na Sede do Ictus Cordis (5 espao intercostal, Esquerdo Linhahemiclavicular).Foco tricspide: Na base do apndice xifoide.Pulmonar em Foco: 2 Espao intercostal Direito, linha paresternal.Artico em Foco: 2 Espao intercostal esquerdo, linha paresternal.Foco artico acessrio (ponto de ERB): 3 espao intercostal esquerdo, linhaparesternal. 8. Bulhas cardacas:1 bulha cardaca (B1): corresponde Simultneo ao fechamento das valvastricspide e mitral. melhor ouvida sem foco e sem foco mitral tricspide, Ela mostrasena sstole. TUM.2 bulha cardaca (B2): corresponde Simultneo ao fechamento das valvaspulmonar e artica. melhor ouvida sem foco pulmonar e foco artico. TAObs.: A abertura das valvas S pode ser ouvida se estas estiverem lesadas. Posio dopaciente e examinador: Descoberto decbito dorsal, cabea apoiada em um travesseiropequeno trax,. Mdico uma direita em p ou sentado.POSIO: paciente sentado e o mdico do lado direito do paciente em p (para melhorouvir a base do corao).POSIO: paciente em decbito lateral esquerdo ea mo esquerda na cabea. O mdicoem p do lado d