Sistema Rspiratorio e Urinario Cardiaco

  • View
    1.328

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Sistema Rspiratorio e Urinario Cardiaco

FUPAC - UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTNIO CARLOS CURSO DE PEDAGOGIA

Janete Batista dos Santos

SISTEMAS RESPIRATORIO, CIRCULATORIO, URINARIO

TEFILO OTONI JUNHO DE 2011

FUPAC - UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTNIO CARLOS CURSO DE PEDAGOGIA

SUMARIO

SISTEMA RESPIRATRIO SISTEMA CIRCULATRIO SANGUNEO SISTEMA URINRIO

PAG 03 PAG 22 PAG - 46

SISTEMA RESPIRATRIOA funo do sistema respiratrio facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosfrico, assegurando permanente concentrao de oxignio no sangue, necessria para as reaes metablicas, e em contrapartida servindo como via de eliminao de gases residuais, que resultam dessas reaes e que so representadas pelo gs carbnico. Este sistema constitudo pelos tratos (vias) respiratrios superior e inferior. O trato respiratrio superior formado por rgos localizados fora da caixa torcica: nariz externo, cavidade nasal, faringe, laringe e parte superior da traquia. O trato respiratrio inferior consiste em rgos localizados na cavidade torcica: parte inferior da traquia, brnquios, bronquolos, alvolos e pulmes. As camadas das pleura e os msculos que formam a cavidade torcica tambm fazem parte do trato respiratrio inferior. O intercmbio dos gases faz-se ao nvel dos pulmes, mas para atingi-los o ar deve percorrer diversas pores de um tubo irregular, que recebe o nome conjunto de vias aerferas.

As vias aerferas podem ser divididas em: Nariz Faringe Laringe Traquia Brnquios Pulmes

NARIZ O nariz uma protuberncia situada no centro da face, sendo sua parte exterior denominada nariz externo e a escavao que apresenta interiormente conhecida por cavidade nasal. O nariz externo tem a forma de uma pirmide triangular de base inferior e cuja a face posterior se ajusta verticalmente no 1/3 mdio da face. As faces laterais do nariz apresentam uma salincia semilunar que recebe o nome de asa do nariz. O ar entra no trato respiratrio atravs de duas aberturas chamadas narinas. Em seguida, flui pelas cavidades nasais direita e esquerda, que esto revestidas por mucosa respiratria. O septo nasal separa essas duas cavidades. Os plos do interior das narinas filtram grandes partculas de poeira que podem ser inaladas. Alm disso, a cavidade nasal contm clulas receptoras para o olfato.

A cavidade nasal a escavao que encontramos no interior do nariz, ela subdividida em dois compartimentos um direito e outro esquerdo. Cada compartimento dispe de um orifcio anterior que a narina e um posterior denominado coana. As coanas fazem a comunicao da cavidade nasal com a faringe. na cavidade nasal que o ar torna-se condicionado, ou seja, filtrado, umedecido e aquecido.

Na parede lateral da cavidade nasal encontramos as conchas nasais (cornetos) que so divididas em superior, mdia e inferior. de Lateral do Nariz

Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

O esqueleto sseo do nariz formado pelo osso frontal, ossos nasais e maxilares.A cavidade nasal contm vrias aberturas de drenagem, pelas quais o muco dos seios paranasais drenado. Os seios paranasais compreendem os seios maxilares, frontal, etmoidal e o esfenoidal.

Seios Paranasais ou Seios da Face - Vistas Lateral e Anterior

FARINGE A faringe um tubo que comea nas coanas e estende-se para baixo no pescoo. Ela se situa logo atrs das cavidades nasais e logo a frente s vrtebras cervicais. Sua parede composta de msculos esquelticos e revestida de tnica mucosa. A faringe funciona como uma passagem de ar e alimento. A faringe dividida em trs regies anatmicas: nasofaringe, orofaringe e laringofaringe. A poro superior da faringe, denominada parte nasal ou nasofaringe, tem as seguintes comunicaes: duas com as coanas, dois stios faringeos das tubas auditivas e com a orofaringe. A tuba auditiva se comunica com a faringe atravs do steo farngeo da tuba auditiva, que por sua vez conecta a parte nasal da faringe com a cavidade mdia timpnica do ouvido. A parte intermediria da faringe, a orofaringe, situa-se atrs da cavidade oral e estende-se do palato mole at o nvel do hiide. A parte da orofaringe tem comunicao com a boca e serve de passagem tanto para o ar como para o alimento. A laringofaringe estende-se para baixo a partir do osso hiide, e conecta-se com o esfago (canal do alimento) e posteriormente com a laringe (passagem de ar). Como a parte oral da faringe, a laringofaringe uma via respiratria e tambm uma via digestora.

Faringe - Vista LateralFonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

LARINGE

Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

A laringe um rgo curto que conecta a faringe com a traquia. Ela se situa na linha mediana do pescoo, diante da quarta, quinta e sexta vrtebra cervicais. A laringe tem trs funes: Atua como passagem para o ar durante a respirao; Produz som, ou seja, a voz (por esta razo chamada de caixa de voz); Impede que o alimento e objetos estranhos entrem nas estruturas respiratrias (como a traquia). A laringe desempenha funo na produo de som, que resulta na fonao. Na sua superfcie interna, encontramos uma fenda ntero-posterior denominada vestbulo da laringe, que possui duas pregas: prega vestibular (cordas vocais falsas) e prega vocal (cordas vocais verdadeiras). A laringe uma estrutura triangular constituda principalmente de cartilagens, msculos e ligamentos. A parede da laringe composta de nove peas de cartilagens. Trs so mpares (cartilagem tireidea, cricidea e epigltica) e trs so pares (cartilagem aritenidea, cuneiforme e corniculada). A cartilagem tireidea consiste de cartilagem hialina e forma a parede anterior e lateral da laringe, maior nos homens devido influncia dos hormnios durante a fase da puberdade. As margens posteriores das lminas apresentam prolongamentos em formas de estiletes grossos e curtos, denominados cornos superiores e inferiores. Laringe - V

ista Anterior das CartilagensFonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

A cartilagem cricide localiza-se logo abaixo da cartilagem tireide e antecede a traquia. A epiglote se fixa no osso hiide e na cartilagem tireide. A epiglote uma espcie de "porta" para o pulmo, onde apenas o ar ou substncias gasosas entram e saem dele. J substncias lquidas e slidas no entram no pulmo, pois a epiglote fecha-se e este dirige-se ao esfago. Laringe - Vista Po

sterior das CartilagensFonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

A cartilagem aritenide articula-se com a cartilagem cricide, estabelecendo uma articulao do tipo diartrose. As cartilagens aritenides so as mais importantes, porque influenciam as posies e tenses das pregas vocais (cordas vocais verdadeiras). A cartilagem corniculada situa-se acima da cartilagem aritenide. A cartilagem cuneiforme muito pequena e localiza-se anteriormente cartilagem corniculada correspondente, ligando cada aritenide epiglote.

Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

TRAQUIA A traquia um tubo de 10 a 12,5cm de comprimento e 2,5cm de dimetro. Constitui um tubo que faz continuao laringe, penetra no trax e termina se bifurcando nos 2 brnquios principais. Ela se situa medianamente e anterior ao esfago, e apenas na sua terminao, desvia-se ligeiramente para a direita. O arcabouo da traquia constitudo aproximadamente por 20 anis cartilagneos incompletos para trs, que so denominados cartilagens traqueais. Internamente a traquia forrada por mucosa, onde abundam glndulas, e o epitlio ciliado, facilitando a expulso de mucosidades e corpos estranhos. Inferiormente a traquia se bifurca, dando origem aos 2 brnquios principais: direito e esquerdo. A parte inferior da juno dos brnquios principais ocupada por uma salincia ntero-posterior que recebe o nome de carina da traquia, e serve para acentuar a separao dos 2 brnquios. Traquia - Vista Anterior

Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

BRNQUIOS Os brnquios principais fazem a ligao da traquia com os pulmes, so considerados um direito e outro esquerdo. A traquia e os brnquios extrapulmonares so constitudos de anis incompletos de cartilagem hialina, tecido fibroso, fibras musculares, mucosa e glndulas. O brnquio principal direito mais vertical, mais curto e mais largo do que o esquerdo. Como a traquia, os brnquios principais contm anis de cartilagem incompletos. Os brnquios principais entram nos pulmes na regio chamada HILO. Ao atingirem os pulmes correspondentes, os brnquios principais subdividem-se nos brnquios lobares. Os brnquios lobares subdividem-se em brnquios segmentares, cada um destes distribuindo-se a um segmento pulmonar. Os brnquios dividem-se respectivamente em tubos cada vez menores denominados bronquolos. As paredes dos bronquolos contm msculo liso e no possuem cartilagem. Os bronquolos continuam a se ramificar, e do origem a minsculos tbulos denominados ductos alveolares. Estes ductos terminam em estruturas microscpicas com forma de uva chamados alvolos. Os alvolos so minsculos sculos de ar que constituem o final das vias respiratrias. Um capilar pulmonar envolve cada alvolo. A funo dos alvolos trocar oxignio e dixido de carbono atravs da membrana capilar alvolo-pulmonar.

Hematose - Trocas Gasosas

Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

* Tabelas esquematizando os brnquios lobares e segmentares de cada pulmo. As imagens podem ser visualizadas a seguir.

Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PULMES Os pulmes so rgos essenciais na respirao. So duas vsceras situadas uma de cada lado, no int