cidades-dialogos poeticos

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

monografia apresentada no curso de planejamento ambiental urbano em 2006

Text of cidades-dialogos poeticos

  • PR-REITORIA DE GRADUAO Sistema de Bibliotecas da PUC Minas

    Cidade Dilogos Poticos

    Norma baptista Mrcio gibram

    Belo Horizonte 2006

  • Norma Baptista e Mrcio Gibram

    Cidade Dilogos Poticos

  • Monografia apresentada ao Instituto .... Com o intuito...

    Monografia.S.f.Dissertao ou estudo minucioso que se prope esgotar um determinado

    tema relativamente restrito. Propor. 1.Oferecer a exame... 14. Apresentar como sugesto; lembrar, sugerir...

    Esgotar.1.Tirar at a ltima gota....4.Privar de todo o contedo....9.Colocar esgoto....14. Perder as foras.

    Orientador:

    $OFLD &DUYDOKR 6RDUHV

    (fonte com o objetivo de desresponsabilizar a orientadora)

  • linguagem

  • Resumo

    No tenho muita pacincia,

    inteligncia ou liberdade

    de estar acompanhado de um livro acadmico.

    Ou seja l como se chame isto que colocam

    nas bibliografias de trabalhos cientficos.

    Eu no consigo dar ateno a tantas palavras juntas.

    Se no for sinttico

    esqueo no meio do caminho

    tudo aquilo que estava antes.

    Se no que leio no tiver poesia, nem sei.

    Por qu?

    Existe um meio de saber, que passa pelo sentir. Encontrar a linguagem deste saber.

    Saber de sabor. Saber o que uma cidade diz.

    Sentir o sabor disto. Atravs do encontro. Do dilogo

  • Objetivo

    Construir uma monografia

    Mongrafo.Adj. 1.Que trata de um s objeto

    O objeto

    a linguagem.

  • Metodologia

    Dilogos

    Dilogo.1. Fala entre duas ou mais pessoas.colquio. 2. Obra literria ou cientfica em forma

    dialogada. 3. Troca ou discusso de idias, de opinies, de conceitos, com vista soluo de

    problemas, ao entendimento ou harmonia.

  • Lista de figuras

    Figura 1 autor 1

    Figura 2 autor 2

  • Lista de abreviaturas

    As abreviaturas no sero listadas

    Por se tratarem de um exemplo de linguagem

    Apenas uma

    (Sic)(Advrbio latino que quer dizer assim mesmo)1

    Um grande

    (sic)

    deve ser pensado

    depois de tudo dito

  • Sumrio

    Apenas depois de tudo acabado

    Se encontra o ndice.

  • Introduo

    A partir de agora a escrita ser uma forma de linguagem

    Tirando as malditas mausculas

    Que esta pessoa word

    Teima em colocar

    A apartir de agora

    Os acentos somem

    As virgulas quase nao aparecem

    Algumas palavras de reduzem

    Sempre numa tentativa de se encontrar

    No proprio caminho

    Algo a entender

  • Ao lancarmos num fundo branco

    As pecas de um domino

    O arranjo acontecido

    Forma caminhos

    se lancarmos de novo

    novos caminhos

    se nao pararmos de lancar

    encontraremos algum arranjo

    que se aproxime de algum mapa

    de alguma cidade

  • nestes mapas

    encontramos uma linguagem

    uma maneira de dialogar com a cidade.

    Buscar este dialogo foi entao a nossa busca

    Minha (autor 2)

    Minha colega do curso de planejamento ambiental urbano (autor1)

    Foi na verdade um encontro e nao uma busca

    Um encontro com a cidade

    Um encontro com o outro

    Despertar pro ao redor

    A cada disciplina do curso

    A cada encontro na sala de aula

    Era um abrir os olhos

    Pra uma nova forma de ver a cidade

    Porque a cada encontro nosso

  • Era uma nova forma de um ver o outro

    A segunda disciplina foi o grande desafio

    Sintaxe espacial.

    Eh (ao inves de ) este o assunto do nosso trabalho

    A sintaxe do espaco. A sintaxe do que nao sou eu

  • prope esgotar um determinado tema relativamente restrito.

    nao eh assunto pra monografia por nao ser restrito restringimos entao os atores desta cidade

    restringimos o tamanho do espaco restringimos o assunto dos dialogos restringimos o tempo dos encontros

    recortamos esgotamos, perdemos as forcas.

  • no inicio

    a sustentabilidade do desenvolvimento

    foi um susto saber que sustentabilidade

    tinha alguma coisa a ver com meio ambiente

    uma cidade nao era

    acima de tudo

    um monte de dominos lancados

    num fundo branco?

  • a organizao espacial humana,..., o estabelecimento de padroes de relaes compostos

    essencialmente de barreiras e de permeabilidades de diversos tipos.

    nao sou cientista

    permeabilizei me

  • sintaxe espacial

    foi pra mim um sonho

    a cidade saber conversar

    saber que existe uma lingua

    que a cidade fala

    lancar as pecas do domino

    era este o caminho

    encontrar ja estas pecas lancadas

    ali na minha cidade

    ali na minha sala de aula

    carteiras cadeiras mesas fios

    pias louzas chao parede

    portas janelas

    pessoas

  • encontrar primeiro as pessoas

    a metodologia escolhida

    dialogo

    o objetivo escolhido

    encontrar o dialogo com a cidade

    a linguagem

    uma pessoa ou mais pra dialogar

    restringimos o numero

    em algum olhar

    encontrei a pessoa

    ela me encontrou

  • pra aproximar as pessoas

    tem que existir o olhar

    nos olhos do outro

    existe morada

  • bacho diz:2 nossa

    acho que a proposta do nosso grupo deve ser habitacao bacho diz:

    encher as areas de gente Norma diz:

    ser? bacho diz:

    tenho certeza rsr bacho diz:

    senao vira projeto urbanizacao bacho diz:

    me interessa o anarquico vc que disse bacho diz:

    gente chegando e ficando bacho diz:

    palafita nao eh melhor maneira bacho diz:

    mas eh ocupacao bacho diz:

    vc viu o texto dos okupas3 bacho diz:

    so que ali a gente ocupa area e nao casa vazia Norma diz:

    e pq no ocupa aqueles galpes? bacho diz:

    entao galpao eu topo mais ainda Norma diz:

    ok, galpo legal Norma diz:

    e l tinha uns bem no jeito bacho diz:

    mas ai vem os tais projetos e acaba virando centro cultural bacho diz:

    urbanista politicamente correto

  • Norma diz: mas nossas ocupaes vo ter aspecto de critica social assim como os okupas ou vo s

    encher l de gente e deixar a vida acontecer? bacho diz:

    quero mesmo bagunca Norma diz:

    j percebi Norma diz: anarquista

    bacho diz: claro que eh pra deixar a vida acontecer

    bacho diz: quem sou eu pra dizer como a vida dos outros deve andar

    Norma diz: bom. sem crtica falta de habitao, falta de infra...?

    bacho diz: so que o que eu acho

    eh que enquanto a gente nao for junto morar ali nao rola nada de novo

    bacho diz:

    critica nenhuma so a presenca bacho diz:

    eu penso na gente morando ali bacho diz:

    entao acho que a classe media tem que invadir ou melhor dividir a favela bacho diz:

    entrar la e viver bacho diz:

    e nao ficar so achando que a gente sabe viver mais limpinho bacho diz:

    o final do texto le la

    bacho diz:

  • a gente ser espaco livre bacho diz:

    as pessoas se tornarem espaco livre bacho diz:

    viu? bacho diz:

    la no finalzinho bacho diz:

    viu? Norma diz:

    Como em Portugal, tm sido nos squats que as ideias anarquistas mais impacto tem tido e atravs dos quais mais pessoas se tm vindo a identificar. Isto diz-nos igualmente

    respeito quanto s novas origens daqueles que, de uma forma ou outra, se vem como anarquistas.

    bacho diz:

    E porque a liberdade no tem paredes, uma casa no ser nunca suficiente, nem sequer um bairro, mas apenas o mundo! Quando todo o mundo for um espao livre!

    bacho diz: eu diria todo mundo for este espaco livre

    bacho diz: e nao todo o mundo

    Norma diz: mas ser que ia funcionar?

    bacho diz: o que?

    bacho diz: que mania de funcionar

    Norma diz: pq se todos fossem seriam muito poucos problemas

    bacho diz: funcionar eh so o tempo passar

    Norma diz: e a no ia ter graa

    bacho diz:

  • planejar? Norma diz:

    no Norma diz: ir sem tropeo bacho diz:

    pensar previamente no futuro? Norma diz:

    no bacho diz:

    tropeco eh que eh a diversao Norma diz:

    tropeo diverso qdo vc no tropea no outro Norma diz:

    ou no leva tombo grande demais bacho diz:

    e quem vai estar na frente se todo mundo vai estar junto bacho diz:

    viu boba? Norma diz:

    mas nunca todo mundo vai estar junto Norma diz:

    e a gente tropea pro lado tb, u bacho diz:

    pra tropecar no outro um tem que estar na frente

    Norma diz: no

    bacho diz: pro lado eh torcer o pe

    Norma diz: sim

    bacho diz: ai o do lado segura e apoia

    bacho diz:

  • lembra que daqui 20 ou 30 anos vai vir uma chuva e levar tudo embora bacho diz:

    ai a gente vai ter que comecar de novo bacho diz:

    nada melhor que comecar uma coisa sabendo que ela vai ter fim Norma diz:

    e a at l a gente vai vivendo assim.... como d, sem muita preocupao bacho diz:

    do jeito que vive hj bacho diz:

    super preocupado sim bacho diz:

    mas no meio da favela bacho diz:

    tomando cachaca bacho diz:

    sentindo cheiro de esgoto bacho diz:

    plantando dama da noite manaca pra disfarcar o cheiro bacho diz:

    fazendo de tudo pra ser feliz bacho diz:

    para de querer achar vantagem bacho diz:

    so estou querendo ocupar um lugar bacho diz:

    mas entao se a gente for morar no meio da favela bacho diz:

    acho que a favela fica melhor bacho diz:

    eh que ali a gente ve que a diferenca entre interior e favela eh muito pequ