of 7/7

Comentario Biblico NVI Judas

  • View
    470

  • Download
    20

Embed Size (px)

Text of Comentario Biblico NVI Judas

Editor geral

F.F Bruce

Comentrio Bblico NVIAntigo e Novo Testamento

Traduo Valdemar Kroker

1 edio 2008 1 reimpresso, 209

JudasDAVID E PAYNE

Essa carta no nos diz nada acerca de seu autor, exceto que o seu nome era Judas e que ele tinha um irmo chamado Tiago. bem possvel que, alm disso, esses dois homens nos sejam totalmente desconhecidos, mas no h nada intrinsecamente improvvel na opinio tradicional amplamente defendida de que o autor era urn dos filhos de Jos e Maria, me do nosso Senhor (cf. Mc 6.3; At 1.14). O seu irmo Tiago se tornou o lder reconhecido da igreja de Jerusalm. Versculos como o 3 e o 17 do a impresso de que a carta foi escrita ao menos uma gerao aps a pregao apostlica inicial. Uma data to tardia quanto 70 ou 80 d.C. geralmente aceitvel Judas, se foi um dos irmos mais novos de Jesus, poderia bem ter vivido at ento. Se, no entanto, concordarmos que 2Pedro foi escrita depois dessa carta (e se a autoria apostlica genuna de 2Pedro for aceita), ento claramente a carta de Judas deve ter existido ao menos dois ou trs anos antes do martrio de Pedro (o qual geralmente se considera que ocorreu durante a perseguigo de Nero, 64 d.C.). Uma data no incio da dcada de 60 no impossvel; mas as evidncias a favor da data da morte de Pedro so escassas, e, se o apstolo de fato viveu at a dcada seguinte, a datao comum da carta de Judas no deve suscitar problemas. O livre uso que Judas faz da literatura no-cannica aponta no seu todo para uma data no sculo I, visto que depois disso diversos mestres comearam a produzir obras apcrifas e subversivas, e os lideres da igreja gradualmente comearam a se ver obrigados a descartar livros que, por salutares que fossem, no possuam a plena autoridade das Escrituras. Mesmo assim, 1 Enoque manteve a sua popularidade at o sculo III. Se o autor era filho de Jos e Maria, a carta provavelmente foi escrita na Palestina; mas a carta em si no d indicao alguma de onde foi escrita. Nem cita por nome os destinatrios que o autor tinha em mente; de fato uma carta geral, embora, sem dvida, enviada primeiramente a um lugar especfico. O propsito da carta era combater certas heresias que estavam surgindo dentro das igrejas. Os falsos ensinos eram evidentemente de carter antinomista. O antinomismo foi uma das manifestaes do pensamento gnstico; homens dessa convico consideravam toda matria m; e tudo que fosse de natureza espiritual era bom. Por isso, eles cultivavam sua vida espiritual, enquanto davam liberdade a sua carne para fazer o que quisesse, como se no tivessem responsabilidade alguma por seus delitos, com o resultado de que eram culpados de imoralidade ostensiva de todos os tipos. A maior parte dessa breve carta extraordinariamente semelhante a 2Pe 2.1-3.3, tanto assim que geralmente se imagina que um autor deve ter tomado material do outro. Provavelmente, Judas a carta anterior; mas v. a discusso mais detalhada na Introduo de 2Pedro. H aluses possveis carta de Judas em escritos do comeo do sculo II, mas o Cnon Murattio (final do sculo II) faz a primeira meno da carta pelo nome. Houve demora em aceit-la em alguns lugares, sem dvida em virtude de sua extrema brevidade e do uso que faz de livros pseudepgrafos do AT. (p. 2208)

ANALISE I. II. III. IV. V.

SAUDAO (v. 1,2) O PERIGO (v. 3,4) OS HOMENS PERIGOSOS (v. 5-16) CONSELHOS PRTICOS (v. 17-23) DOXOLOGIA (v. 24,25)

I. SAUDAO (v. 1,2

Judas fala de si mesmo de uma forma realmente humilde, reconhecendo ser um servo (lit. escravo) de Jesus Cristo, to insignificante em comparao com o seu irmo Tiago. Ele no d nomes aos seus leitores; descreve-os como chamados, amados [...] e guardados urna referncia ao passado, presente e futuro dos cristos. O seu desejo para eles que a misericrdia, a paz e o amor lhes selam multiplicados.II. O PERIGO (v. 3,4)

Judas relata o propsito de sua carta: a f est em perigo; com f ele quer dizer primeiramente todo o corpo de verdades do evangelho. Paulo esboa um credo desses para ns em 1Co 15.1-11. Os cristos fiis precisam sempre defender vigorosamente essas verdades contra a diluio ou perverso; de uma vez por todas indica que as verdades evanglicas so imutveis cf. Cl 1.6-9. A palavra confiada significa passada adiante e usada com referncia a tradies: as nicas tradies imutveis que os cristos tm so as verdades do evangelho. Os principais inimigos da verdade, desde os primeiros dias da igreja, eram homens que se introduziram nela, embora interiormente opostos ao evangelho e a tudo que ele implicava, homens marcados para a condenao (cuja condenao j estava sentenciada), no para a salvao. Esses falsos irmos da poca de Judas eram caracterizados pela libertinagem; Rm 6.1 descreve a aparncia desses pseudo-cristos. Judas considera essa atitude antinomista equivalence negao do Senhor Jesus Cristo. ( incerto no original se Soberano aqui uma referencia a Deus Pai ou ao Filho; mas a construo grega parece favorecer a segunda opo.)III. OS HOMENS PERIGOSOS (v. 5-16)

Judas sabe que os seus leitores j tm conhecimento das histrias relatadas nos v. 5-7; ele quer lembrarlhes as implicaes. Os trs grupos citados em certa poca tinham sitio evidentemente favorecidos; eles tinham todos sido culpados de presuno, falta de f ou grave imoralidade; e todos tinham sofrido um castigo terrvel. O primeiro e o terceiro exemplos so bblicos (cf. Nm 14; Gn 19); mas o segundo deles, o dos anjos cados, extrado de livros no-cannicos como 1Enoque (caps. 6-10), embora a base dos detalhes apcrifos possa ter sido Gn 6.1-4. Esses livros apcrifos evidentemente eram bem conhecidos e apreciados pelos leitores de Judas, e assim ele podia seguramente recorrer a eles tanto quanto s Escrituras. Livros desse tipo podiam no ser verdadeiramente inspirados ou imbudos de autoridade, mas suas lies morais em particular podiam ser salutares e dignas de prtica. v. 6. posies: Traduz uma palavra grega que geralmente significa domnio; talvez inclua ambas as ideias nesse contexto, i.e., posio e status, e assim domnio seria uma traduo adequada da palavra. v. 7. 0 fogo que destruiu Sodoma e Gomorra 6. descrito por Judas como demo. Tinha efeitos permanentes, com certeza; mas provavelmente o fogo do inferno (cf. Mc 9.43) estava na mente do autor. Os falsos irmos contemporneos de Judas ignoraram esses exemplos que serviam como sinais, e eram igualmente culpados de imoralidade sexual e de comportamento arrogante contra a autoridade do prprio Deus (p. 2209) e a de anjos que foram designados por ele. v. 8. A expresso estes sonhadores pode sugerir que esses homens reivindicaram que suas aes eram justificadas por certas vises que haviam recebido. Cf. Dt 13.1-5. Judas contrasta a arrogncia deles com o comportamento de um arranjo quando estava enfrentando o prprio Satans: Miguel no falou de forma arrogante nem ao Diabo. A fonte dessa aluso j no existe, mas Orgenes (De Princ. iii.2.1) nos informa que era uma obra intitulada A Assuno de Moiss; a formulao concreta da repreenso, no entanto, deriva finalmente de Ze 3.2.

v. 10. A ateno dirigida novamente ao comportamento licencioso dos pseudocristos. Alm de tudo, eles so tipificados por uma falta geral de espiritualidade (com Cain), por motivaes mpias (como Rabo) e por rebeldia contra a autoridade divina (como Cor). O erro de Balao, tambm, aponta para imoralidade e adorao falsa (cf. Nm 31.16; Ap 2.14). so manchas (nota textual da NVI), talvez perigosas rochas submersos (texto da NVI); a primeira interpretao parece mais natural, mas ambas so possveis, visto que a palavra grega spilades ambgua. O termo festas de fraternidade denota as refeies de comunho da igreja primitiva, no curso das quais a ceia do Senhor era com frequncia celebrada (cf. 1Co 11.17-34); evidentemente, esses homens tinham se introduzido at no centro da comunho da igreja crist, alguns deles provavelmente obtendo posies de liderana, pois a expresso banqueteando-se (ARA) significa lit. pastoreando-se a si mesmos (que cuidam s de si mesmos). v. 12-14. As fortes metforas que seguem so em grande parte auto-explicativas, duas vezes mortas: Provavelmente, significa, em primeiro lugar, mortos em pecado (cf. Ef 2.1), e depois de professarem a converso continuam mortos para as boas obras (cf. Tg 2.17, 26). A ltima metfora, estrelas errantes, uma aluso ao livro de Enoque, novamente (18.12- 16; 21.1-6). Judas prossegue (v. 14,15) e faz uma citao de 1Enoque 1.9. O v. 14 pode sugerir que Judas de fato acreditava que o patriarca Enoque tinha ele mesmo escrito o livro que traz o seu nome; mas essa no a nica possibilidade. A frase que descreve Enoque no de Judas, mas tambm extrada dos pseudepgrafos (cf. lEnoque 60.8). Pode ser que Judas estivesse simplesmente argumentando com base no que ele sabia ser aceitvel aos seus leitores ou oponentes. Poderamos comparar com isso o uso que Paulo faz da poesia grega quando se dirige a um pblico de Atenas (At 17.28). De todo modo, as afirmaes gerais extradas do livro de Enoque, e as inferncias delas, so autenticadas aqui e em outros textos do NT. v. 16. Judas resume suas descries dos falsos irmos ao destacar suas trs caractersticas principais; seus oponentes eram rebeldes, licenciosos e motivados por suas prprias vantagens.IV. CONSELHOS PRTICOS (v. 17-23)

Os verdadeiros cristos em tais circunstncias precisam ser muito cuidadosos, obviamente; mas eles no precisam ficar alarmados, porque a presena de homens maus tinha sido prevista e anunciada (cf. Mc 13.5,6,21-23; At 20.29,30; 2Ts 2.3-12; o v. 18 provavelmente o resumo que Judas faz do ensino apostlico acerca desse ponto). Falsos cristos inevitavelmente criam faces dentro de uma igreja local (cf. v. 19); os v. 20-23 mostram aos verdadeiros irmos quais so suas responsabilidades em circunstncias to adversas. Observe que os vacilantes na f (v. 22) precisam de bondade e ajuda; alguns manuscritos trazem convencer, outros, ter pena de. Mas o cristo verdadeiro nunca deve ser complacente nem instilar complacncia em questes to vitais. H problemas textuais nos v. 22,23; o sentido geral est claro, no entanto. A meno anterior a Sodoma e Gomorra pode ter lembrado Judas dc Am 4.11, texto com que parecida a expresso arrebatando-os do fogo.V. DOXOLOGIA (v. 24,25)

Judas lembra seus leitores de sua grande esperana e ajuda presente. A expresso sem macula talvez lembre o v. 12, embora as palavras gregas no estejam relacionadas; de todo (p. 2210) modo, uma metfora do sistema sacrificial do AT (cf. Lv 1.3 etc.). BIBLIOGRAFIA JONES, R. B. The Epistles of James, John and Jude. Grand Rapids, 1962. KELLY, W. Lectures on the Epistle of Jude. London, 1912 WOLFF, R. A Commentary on the Epistle of Jude. Grand Rapids, 1960 V. tb. os livros alistados no fim do comentrio de 2Pedro. (p. 2211)

Acesse http://bibliotecabiblica.blogspot.com/ e tenha acesso a mais de 5 mil estudos bblicos online e centenas de livros evanglicos para baixar gratuitamente para seu computador!