DA USUCAPIÃO ESPECIAL URBANA - .Diante disto, a viabilidade de se usucapir por meio dos fâmulos

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of DA USUCAPIÃO ESPECIAL URBANA - .Diante disto, a viabilidade de se usucapir por meio dos fâmulos

  • DA USUCAPIO ESPECIAL URBANA

    RODRIGO MORAES S1

    RESUMO

    Nos dias atuais, as cidades tm enfrentado diversas transmutaes por decorrncia do

    fenmeno da urbanizao, o que acaba por gerar consequncias danosas, com o surgimento de

    adversidades de carter social e principalmente estruturais, tendo em vista que a ecloso

    econmica no se equiparou ao mesmo nvel do crescimento demogrfico. O xodo rural

    ocasionou nas ltimas dcadas uma transformao na maneira organizacional da populao se

    dispor no espao geogrfico, concebendo uma situao de alta concentrao populacional nas

    reas urbanas, o que acabou por refletir num verdadeiro desordenamento no tocante a

    ocupao do solo. Nesse contexto, o legislador, vigilante aos transtornos comunitrios

    oriundos apropriao irregular da terra, disciplinou na Constituio Federal e posteriormente

    no Cdigo Civil, o instituto da usucapio urbana de bens imveis, com o escopo de ver

    solucionada a questo da habitao no pas. No satisfeito, decidiu explicitar o mandamento

    legal de forma a contribuir para sua melhor execuo, dando origem ao Estatuto da Cidade

    (Lei n 10.257/01). Assim, o instituto ganhou contornos de grande importncia no nosso

    ordenamento jurdico, especialmente nas questes fundirias do pas, j que associado a uma

    das formas de se concretizar a dignidade da pessoa humana e realizar a funo social da

    propriedade. Entretanto, para que isso seja factvel, imprescindvel a observncia de

    determinadas exigncias, pressupostos esses que sero detidamente analisados atravs do

    presente artigo.

    Palavras-chave: usucapio; especial; bem imvel.

    1 Procurador do Municpio de Diadema, Advogado militante nas reas de Direito Civil e Penal, Articulista,

    Parecerista, Ps-graduado com especializao em Direito Penal e Processual Penal pela Escola Paulista de

    Direito, Ps-graduado com especializao em Direito Processual Civil pela Universidade Cidade de So Paulo,

    Ps-graduado com especializao em Direito Administrativo pela Universidade Gama Filho. E-mail:

    rmoraes_sa@yahoo.com.br

  • 2

    SUMRIO

    INTRODUO........................................................................................................................ 3

    1. USUCAPIO ESPECIAL URBANA.................................................................................5

    CONCLUSO.................................................................................................................... .....20

    REFERNCIA BIBLIOGRAFICA......................................................................................22

  • 3

    INTRODUO

    Num passado remoto, a intensificao do individualismo inseriu na propriedade

    caractersticas de inviolabilidade e absolutismo. Entretanto, atualmente j se confere

    propriedade privada um complexo de limitaes formais, formado por restries e ilaes que

    compem o contedo da funo social da propriedade.

    A Constituio Federal de 1988 insere dentre os direitos e garantias individuais, o

    direito a propriedade, condicionando-a ao atendimento da sua funo social (artigo 5, XXII e

    XXIII). Neste mesmo caminho, a norma superior tambm insculpiu a propriedade e sua

    funo social como um dos pilares formadores da ordem econmica (artigo 170, II e III).

    O carter social esta intimamente ligada ao uso da propriedade, modificando,

    consequentemente, determinadas particularidades relacionadas a essa relao externa que o

    seu exerccio. E por utilizao da propriedade, deve-se compreender o modo com que so

    exercitadas as faculdades ou os poderes inerentes ao direito de propriedade.

    A usucapio constitui forma de aquisio cuja consolidao do domnio da coisa se

    apoia principalmente na negligncia ou prolongada inrcia de seu proprietrio com a sua no

    utilizao. Caracteriza-se pela transformao da posse em domnio, pelo transcurso de tempo,

    mediante registro de sentena judicial, depois de satisfeitos os requisitos da lei.

    Existem diversas espcies de usucapio contempladas na legislao brasileira, quais

    sejam: ordinrio; extraordinrio; especial (urbano e rural); coletivo; familiar.

    Fundamentalmente no divergem entre si estas modalidades de usucapir, exigindo-se

    sempre, para a sua concesso, coisa hbil, posse, lapso de tempo, animus domini e, em alguns

    casos, capacidade, boa f, justo ttulo, o trabalho e a morada.

    O que caracteriza a diferena entre as espcies de usucapio a variao na

    obrigatoriedade da presena de alguns requisitos, tais como a flutuao dos prazos, as

    dimenses da rea e a morada.

    A explicao atinente a cada qual se resumir a usucapio especial urbana, cerne do

    trabalho a ser desenvolvido atravs do presente artigo.

    No tocante a esta modalidade, encontramos sua previso em trs diplomas, a saber:

    artigo 183, da Constituio Federal; artigo 1.240 do Cdigo Civil; e artigo 9 da Lei n

    10.257/01 (Estatuto da Cidade), atravs do qual preceituam que adquire a propriedade imvel

  • 4

    aquele que possuir como sua rea urbana de at duzentos e cinqenta metros quadrados, por

    cinco anos, ininterruptamente e sem oposio, utilizando-a para sua moradia ou de sua

    famlia, desde que no seja proprietrio de outro imvel urbano ou rural.

    Esta atividade cientfica de pesquisa tem por finalidade a reviso de um conjunto de

    obras literrias, bem como o entendimento dos Tribunais a respeito dos requisitos e

    pressupostos para a aquisio da propriedade pela usucapio, adotando como referncia o

    texto da legislao civil. A diretiva terica do presente trabalho constitui-se pelos preceitos

    constitucionais utilizados para o exerccio legal da propriedade. A reviso crtica da

    bibliografia envolver o posicionamento dos principais autores ligados a matria, com a

    reunio da doutrina mais reconhecida.

  • 5

    1 USUCAPIO ESPECIAL URBANA.

    A Constituio Federal em seu artigo 183, tratando da poltica urbana, estatuiu

    categoria de usucapio que primeira vista em muito se identifica com a usucapio

    extraordinria de prazo diminuto, uma vez que no se reclama aquela certeza de agir

    legalmente nem a presena de qualquer ato formalmente hbil a adquirir a propriedade. O

    lapso temporal desse tipo de prescrio, que na usucapio extraordinria de quinze ou dez

    anos, se restringi a cinco, na usucapio especial.

    Por outro lado, a usucapio especial recai sobre rea urbana, enquanto que a

    usucapio extraordinria pode pesar tambm sobre prdio rural. Alm disto, a sua rea de

    incidncia se limita a metragem mxima de duzentos e cinquenta metros, inexistindo referida

    continncia na usucapio extraordinria. Outrossim, determina-se que o usucapiente

    empregue a rea urbana para fins de moradia ou utilizao de sua famlia, ao passo que na

    usucapio extraordinria nenhuma daquelas condies estipulada, no caso claro na

    hiptese com prazo de quinze anos; e somente a primeira, qual seja, habitualidade na moradia

    assinalada na proposio com prazo de dez anos. Sob outro aspecto, o direito a propriedade

    pode ser reconhecido to somente uma nica vez na usucapio especial, restrio essa

    inexistente ao requerente na usucapio extraordinria.

    De outro vrtice, no se embaralha com a figura da usucapio ordinria, j que a

    diferena ntida, pois reivindica justo ttulo e boa-f, alm de prazo maior (artigo 1.242,

    caput, Cdigo Civil).

    Como consequncia, podemos deduzir que a usucapio inserida pela Constituio

    Federal de 1988, consolidou direito novo, valendo ressaltar que essa variante de prescrio

    aquisitiva tambm foi positivada pelo Cdigo Civil, em seu artigo 1.240 e Estatuto da Cidade

    (Lei n 10.257/01). A norma encontra-se assim disposta:

    Constituio Federal

    Art. 183. Aquele que possuir como sua rea urbana de at duzentos e cinquenta

    metros quadrados, por cinco anos, ininterruptamente e sem oposio, utilizando-a

    para sua moradia ou de sua famlia, adquirir-lhe- o domnio, desde que no seja

    proprietrio de outro imvel urbano ou rural.

    1 O ttulo de domnio e a concesso de uso sero conferidos ao homem ou

    mulher, ou a ambos, independentemente do estado civil.

    2 Esse direito no ser reconhecido ao mesmo possuidor mais de uma vez.

    3 Os imveis pblicos no sero adquiridos por usucapio.

  • 6

    Cdigo Civil

    Art. 1.240. Aquele que possuir, como sua, rea urbana de at duzentos e cinquenta

    metros quadrados, por cinco anos ininterruptamente e sem oposio, utilizando-a

    para sua moradia ou de sua famlia, adquirir-lhe- o domnio, desde que no seja

    proprietrio de outro imvel urbano ou rural.

    1o O ttulo de domnio e a concesso de uso sero conferidos ao homem ou

    mulher, ou a ambos, independentemente do estado civil.

    2o O direito previsto no pargrafo antecedente no ser reconhecido ao mesmo

    possuidor mais de uma vez.

    Lei n 10.257/01

    Art. 9o

    Aquele que possuir como sua rea ou edificao urbana de at duzentos e

    cinquenta metros quadrados, por cinco anos, ininterruptamente e sem oposio,

    utilizando-a para sua moradia ou de sua famlia, adquirir-lhe- o domnio, desde que

    no seja proprietrio de outro imvel urbano ou rural.

    1

    o O ttulo de domnio ser conferido ao homem ou mulher, ou a ambos,

    independentemente do estado civil. 2

    o O direito de que trata est