of 27/27

Gestao estrategica de_processos_no_setor_publico_conagesp

  • View
    2.046

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Como produzir e entregar mais e melhores resultados para melhoria da qualidade de vida das pessoas? Como “fazer mais com menos” e melhor aplicar os recursos públicos? Estes são alguns dos desafios que se colocam para os gestores públicos.Esta apresentação, realizada no II Conagesp, aborda fatores críticos para implantação de planos de desenvolvimento em governos estaduais e municipais. Usando como exemplo o caso de Minas Gerais, o documento mostra como passar da estratégia à implantação, através da organização de uma carteira de projetos e da aplicação da gestão estratégica de processos.O trabalho com o governo de Minas Gerais foi realizado pela Macroplan em parceria com a Enjourney. A apresentação também foi elaborada e apresentada pelas duas consultorias.

Text of Gestao estrategica de_processos_no_setor_publico_conagesp

  • 1. Agenda1 DESDOBRAMENTO DA ESTRATGIA EM PROCESSOS2 CONCEITOS E FUNDAMENTOS EM GESTO DE PROCESSOS GESTO ESTRATGICA DE PROCESSOS NO GOVERNO DE MINAS GERAIS:3 METODOLOGIA E RESULTADOS Capacitao Inventrio de Processos Priorizao dos Processos Estratgicos ] Elaborao dos Planos de Ao Gesto de Processos no Dia a Dia4 COMENTRIOS FINAIS
  • 2. DA ESTRATGIA AOS PROCESSOS
  • 3. Dois desafios se colocam para osgestores 1. COMO PRODUZIR E ENTREGAR MAIS E MELHORES RESULTADOS PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DAS PESSOAS? 2. COMO FAZER MAIS COM MENOS E MELHOR APLICAR OS RECURSOS PBLICOS ? 4
  • 4. Relao entre despesa e desempenho nasredes pblicas estaduais de ensino bsico(2007) 1,0 MG RS PR 0,9 SC MS 0,8 SP QUALIDADE DO ENSINO ES 0,7 MT GO 0,6 RJ 0,5 AM RO AC RR 0,4 PB BA TO CE 0,3 PA MA PI SE AP 0,2 PE RN 0,1 AL 0,0 0,0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0 DESPESA POR ALUNOFonte: O gasto pblico no Brasil: entenda a qualidade dos gastos pblicos do Brasil Jlio Francisco Gregory Brunet,Clayton Brito Borges e Ana Maria de Aveline Bert Campus 2012 5
  • 5. Eficcia na funo Sade nas Unidadesda Federao (2007) 1,0 0,9 0,8 GO 0,7 MG ES DF SC RN RESULTADO PR SP 0,6 PB PA SE RO MT AC 0,5 BA CE AL TO RS MA PI RJ AM MS AP RR 0,4 PE 0,3 0,2 0,1 0,0 0,0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0 INSUMOFonte: O gasto pblico no Brasil: entenda a qualidade dos gastos pblicos do Brasil Jlio Francisco Gregory Brunet,Clayton Brito Borges e Ana Maria de Aveline Bert Campus 2012 6
  • 6. Eficcia na funo Sade nas Unidadesem alguns pases selecionados 1,0 Itlia 0,9 Frana Espanha Dinamarca 0,8 Sucia Canad Alemanha Portugal 0,7 Reino Unido DESEMPENHO Chile Grcia Estados Unidos 0,6 0,5 Mxico 0,4 Brasil 0,3 Argentina 0,2 Peru ndia 0,1 0,0 0,0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0 DESPESAS COM SADEFonte: O gasto pblico no Brasil: entenda a qualidade dos gastos pblicos do Brasil Jlio Francisco Gregory Brunet,Clayton Brito Borges e Ana Maria de Aveline Bert Campus 2012 7
  • 7. Muitos so os problemas enfrentados ... EXPECTATIVAS DA1. Pulverizao de esforos, com baixo rendimento SOCIEDADE2. Presso das urgncias: imediatismo e improvisao como estilo DESCOMPASSO predominante de trabalho ENTRE A OFERTA E A DEMANDA3. Baixa coeso e senso de propsito4. Descontinuidade de recursos INSATISFAO5. Excesso de restries e atrasos na execuo de aes CAPACIDADE DE ENTREGA6. Baixa capacidade de realizao de investimentos estruturantes7. Sobreposio de funes ANO 1 ANO N
  • 8. Fatores crticos de sucessoExperincia Macroplan VISO DE LONGO PRAZO. PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO QUE DEFINA CLARAMENTE OS OBJETIVOS A SEREM ALCANADOS E SUAS METAS ESTRATGIA DUAL. FORMULAR E IMPLANTAR UMA ESTRATGIA INOVADORA QUE ASSOCIE A POLTICA DE AJUSTAMENTO ESTRUTURAL DAS FINANAS PBLICAS COM A EXPANSO E MELHORIA DA PRODUO DE BENS E SERVIOS PBLICOS GERENCIAMENTO INTENSIVO. GERENTES EMPREENDEDORES E CAPACITADOS JUNTAMENTE COM UM SISTEMA DE INFORMAES GERENCIAIS EM TEMPO REAL QUE PERMITA A TOMADA DE DECISO TALENTOS GERENCIAIS. PROFISSIONAIS DISPONVEIS E DESIGNADOS PARA CONDUZIR AS AES PRIORITRIAS DO GOVERNO
  • 9. Fatores crticos e lies aprendidas com aimplantao de Planos de Desenvolvimento CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MOBILIZAO DE RECURSOS. PROJETOS ESTRUTURANTES QUE MOBILIZAM RECURSOS DE UMA REDE DE PARCEIROS PBLICOS E PRIVADOS. LIDERANAS ENGAJADAS. GOVERNANTES ENVOLVIDOS PESSOALMENTE NA COBRANA DA EXECUO DAS PRIORIDADES E MOTIVAO DAS EQUIPES ENGAJAMENTO DA SOCIEDADE. PRECISO ESTABELECER UMA AGENDA DE COMUNICAO E ENVOLVIMENTO EFETIVO DA SOCIEDADE, COM FOCO NA EXECUO DAS PRIORIDADES MELHORIA DE PROCESSOS ESTRATGICOS. MELHORIA DO DESEMPENHO DE PROCESSOS CRTICOS COM IMPACTO DIRETO NA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAO.
  • 10. Da estratgia implantao UMA RESPOSTA A TRS PERGUNTAS ESTRATGIAS, PROJETOS E OBJETIVOS PROCESSOS ESTRATGICOS Viso ESTRATGICOS B E1 E2 Futuro E1 desejado En En Cenrios mais A provveis Onde estamos? Cenrios possveis Como evoluiremos da situao atual (A) situao desejada (B)? Aonde poderemos chegar?Fonte: Macroplan 11
  • 11. TORNAR MINAS O MELHOR ESTADO PARA SE VIVER1. PROSPERIDADE 2. SUSTENTABILIDADE 3. CIDADANIA 4.QUALIDADE DE VIDA DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PROTEO Minas sem pobreza e com baixa desigualdade social DEFESA E SEGURANA EDUCAO E DESENVOLVIMENTO ATENDIMENTO SADE DO CAPITAL HUMANOMinas com alta sensao de segurana, menos Populao com amplo acesso educao de Populao com maior qualidade e expectativa violncia e criminalidade qualidade e com maior empregabilidade de vida DESENVOLVIMENTO RURAL IDENTIDADE MINEIRA Mais produo e qualidade na agricultura familiar e no agronegcio Minas singular, diversa e criativa na cultura, no esporte e no turismo de Minas Gerais DESENVOLVIMENTO ECONMICO SUSTENTVEL Economia dinmica, mais diversificada, competitiva, com crescimento sustentvel e inclusivo CINCIA, TECNOLOGIA E INOVAO INFRAESTRUTURA CIDADES Cincia, tecnologia e inovao para o Infraestrutura adequada proporcionando Cidades com mais qualidade de vida e desenvolvimento e cidadania mais competitividade e qualidade de vida ordenamento territorial GOVERNO INTEGRADO, EFICIENTE E EFICAZ Gesto pblica efetiva e prxima da sociedade QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO GASTO GESTO PARA RESULTADOS GESTO PARA CIDADANIA
  • 12. Organizao da Carteira de Projetose Processos REDE DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO INDICADORES E METAS OBJETIVOS E FINALSTICAS ESTRATGIAS PROGRAMAS ESTRUTURADORES PROGRAMAS PROGRAMAS PROGRAMAS ESTRUTURADORES ASSOCIADOS ESPECIAIS PROJETO ESTRATGICO X PROCESSO ESTRATGICO A (GERENTE DO PROJETO) (GERENTE DO PROCESSO) PLANO DE MELHORIA SUBPROJETO SUBPROJETO SUBPROCESSO SUBPROCESSO 1 2 1 2 ATIVIDADES NVEL DE MARCOS METAS E RECURSOS SERVIO 13
  • 13. ATENDIMENTO SADE Populao com maior qualidade e expectativa de vida Universalizar o acesso ateno primriaOBJETIVOS Reduzir as disparidades regionais no atendimento sade ... Reduzir a taxa de mortalizada infantil (por mil nascidos vivos) de 13,1 em 2010 para 9,9 em 2015METAS Aumentar a esperana de vida ao nascer (anos) de 75,1 em 2009 para 76,3 em 2015 ... Expandir e aprimorar as redes de ateno sade, com prioridade para as redes de urgncia e emergncia e redes da mulher e da crianaESTRATGIAS Universalizar e aprimorar a qualidade da ateno primria com foco na populao usuria do SUS e nfase em aes de promoo da sade e de preveno. ... Redes Integradas de Servios de SadePROGRAMA Projeto: Mes de MinasESTRUTURADOR Processo estratgico: Atendimento as Urgncias e Emergncias no Estado
  • 14. CONCEITOS E FUNDAMENTOSEM GESTO DE PROCESSOS
  • 15. Processos EstratgicosCONCEITO So atividades repetidas de maneira recorrente, estruturadas e desenhadas para produzir um produto/servio especficos de alto valor agregado para determinados usurios. Um processo , portanto, uma especfica ordenao de atividades de trabalho atravs do tempo e do espao, com um incio, um fim e um conjunto claramente definido de entradas e sadas: uma estrutura para a ao (DAVENPORT 1993/2000).CRITRIOS PARA SEREM ESTRATGICOS Alto grau de impacto na reputao do rgo pblico Potencial de contribuio para o alcance dos resultados Alto potencial para ganhos de produtividade e eficincia Alto volume de recursos envolvidos (financeiros e fsicos) Bom nvel de maturidade e alto grau de transversalidade 16
  • 16. A Viso dos Processos ORGANIZAO UNIDADE UNIDADE UNIDADE ORGANIZACIONAL A ORGANIZACIONAL B ORGANIZACIONAL C PRODUTOS OU SERVIOSPROCESSO 1 SOCIEDADEPROCESSO 2 ATIVIDADES OU OPERAESFonte: Adaptao de RUMMLER & BRACHE (1995) 17
  • 17. Exemplos de Processos Transversais Diferentes EXECUO DE OBRAS PBLICAS: DO PLANEJAMENTO Naturezas DA OBRA AT O ACEITE FINAL ATENDIMENTO DE URGNCIA E EMERGNCIA: DO ACOLHIMENTO DO PACIENTE AT A AVALIAO DA EFICCIA DO TRATAMENTO RECUPERAO DE RODOVIAS: DA IDENTIFICAO DAS NECESSIDADES DE MELHORIA AT A FINALIZAO DA OBRA 18
  • 18. Diferentes nveis de atuaoReferncia: Enjourney, 2011.
  • 19. A um Processo correspondem: ESTRUTURA CORRESPONSABILI- DESEMPENHO RESPONSABILIDADE TRANSVERSAL DADE UM DESEMPENHO QUE UMA ORGANIZAO QUE UMA CORRESPONSABILI- UMA RESPONSABILIDADE FORMALIZA SEU OBJETIVO MATERIALIZA A DADE DOS ATORES NESSA LOCAL DE CADA GRUPO GLOBAL (NVEL DE ESTRUTURA ORGANIZAO, COM DE ATORES AO NVEL DE QUALIDADE, PRAZO DE TRANSVERSALMENTE A RELAO AO SUA PRPRIA ATIVIDADE ENTREGA) INTERDEPENDNCIA DAS DESEMPENHO GLOBAL ATIVIDADES E RECURSOS DOS PROCESSOS, DURANTE A SUA DURAOFonte: Adaptao de SALERNO (1999) 20
  • 20. Gesto Orientada por Processos AUMENTO DO RESULTADO E DA AUMENTO DA SATISFAO DAS DESENVOLVIMENTO GERAO DE VALOR ECONMICO PARTES INTERESSADAS ORGANIZACIONAL CONSTANTE E/OU SOCIAL ALINHAMENTO E ALTO ALTO DESEMPENHO NA GESTO E REDUO DE DESPESAS E CUSTOS DESEMPENHO NA EXECUO DOS MELHORIA DOS PROCESSOS PROCESSOS MELHORIA NO PREPARO E REDUO DO RETRABALHO E MELHORIA INTEGRAO DA FORA DE AUMENTO DA PRODUTIVIDADE TRABALHO NOS PROCESSOS MELHORIA NA COORDENAO E DE GESTO MAIOR ALINHAMENTO ENTRE OS INTEGRAO DE ATIVIDADES E DIVERSOS NVEIS DE LIDERANA RECURSOS ADEQUAO E CONSISTNCIA DE COMUNICAO MAIS EFICIENTE E SUPORTE AO DESDOBRAMENTO INDICADORES, CONTROLES E EFICAZ INTRAORGANIZAO E DA ESTRATGIA NOS PROCESSOS AVALIAO INTERORGANIZAES DA ORGANIZAO Efetividade Gerencial 21
  • 21. Gesto Estratgica de ProcessosPrincpios Contribuio Escolhas com foco no significativa para que faz a diferena concretizao da para gerao de valor estratgia para os planejada usurios/beneficirios VISO SELETIVIDADE ESTRATGICA APRENDIZADO GERENCIAMENTO INTENSIVO Disciplina de Medio de resultados execuo Governana de Melhoria contnua processos Mtodo de trabalho Tomada de deciso 22
  • 22. GESTO ESTRATGICA DEPROCESSOS NO GOVERNO DOESTADO DE MINAS GERAIS
  • 23. Gesto Estratgica de ProcessosMtodo de trabalhoCAPACITAO INTENSIVA DAS EQUIPES 1 . INVENTRIO DE PROCESSOS 2. ESCOLHA E PRIORIZAO DOS 3.EM GESTO ESTRATGICA DE PROCESSOS ESTRATGICOSPROCESSOS PRODUTOS FLUXO DE ATIVIDADES Processo INSUMOS estratgico Processo 1 1. Concepo do estratgico Modelo de Anlise 2 dos 1.1. Definio Plano critrios de anlise Elaborao Processo Estratgico dos Planos 2. 3. Anlise Processos estratgico Aplicao dos priorizados de Melhoria 3 do Modelo Resultados 1.2. Detalhamento de Anlise e dos critrios definio das escalas e pesos Carteira de Processos PROCESSOS PRIORIZADOSDETALHAMENTO EXPEDITO DOS 4. GERAO DOS PLANOS DE 5. MONITORAMENTO E OPERAO 6.PROCESSOS MELHORIA ASSISTIDA DOCUMENTAO E TRANSFERNCIA DE TECNOLOGIA
  • 24. COMENTRIOS FINAIS
  • 25. Comentrio Finais Importncia do desdobramento da Estratgia at o nvel do processo, como forma de garantir o alcance das metas estabelecidas at 2030 A difuso do conceito da Gesto por Processos permitiu que as Secretarias passassem a melhor compreender seus processos transversais e como melhorar a gesto de suas interfaces (internas secretaria e com outras secretarias), de modo a melhorar o desempenho Foram identificados vrios processos e projetos que eram transversais a vrias Secretarias, o que ampliou a percepo de importncia da Gesto por Processos As equipes passaram a ter uma atitude de corresponsabilidade, atravs da compreenso de que o desempenho do processo responsabilidade de diversos grupos e reas funcionais A gesto do processo no dia a dia permitiu a resoluo dos problemas com transparncia, envolvimento de toda a equipe de maneira integrada e acordada entre todo grupo. 26