Questao de Partido

  • View
    31

  • Download
    7

Embed Size (px)

Text of Questao de Partido

  • 2 Edio (eletrnica)

    Questes de Partido Atualidade do partido leninista no Brasil

    Organizador

    Walter Sorrentino

    Edio Elaine Guimares e Oswaldo Napoleo Alves

    Reviso

    Maria Luclia Ruy

    Diagramao e Programao Livro Eletrnico

    Eduardo Martins

    Capa Cludio Gonzalez

    Livro Eletrnico Maio/2006

  • NDICE

    PREFCIO DA 2 EDIO (ELETRNICA) .................................................5 APRESENTAO A 1 EDIO (IMPRESSA) ABRIL DE 2004 ....................8

    Parte 1 QUANDO PENSO NO FUTURO NO ESQUEO MEU PASSADO" ...............15 DIGRESSO... SOMOS MARXISTAS-LENINISTAS. ..................................17 PARTIDO E ORGANIZAO.....................................................................18 ESTRUTURAO PARTIDRIA ................................................................21 DIGRESSO... AOS 30 ANOS DA GUERRILHA DO ARAGUAIA ..................26 FLUTUAO E VIDA MILITANTE NA BASE...............................................27 OUSAR CRESCER NA CAMPANHA ELEITORAL..........................................31 DIGRESSO... CINCIA VIVA, EM PERMANENTE DESENVOLVIMENTO DIALTICO.............................................................................................35 ESTRUTURAO E AO POLTICA DE MASSAS ...................................38 DIGRESSO...AO QUE SE FOI, MAS EST PRESENTE...............................42 A QUESTO DE PARTIDO E SUA ATUALIZAO ......................................47 DIGRESSO... O NOVO E O VELHO.........................................................52 A IDEOLOGIA COMO VALOR FUNDANTE DO PC.......................................53 A QUESTO IDEOLGICA E A PERSPECTIVA MILITANTE ........................58 O TEMA PARTIDO NA 9 CONFERNCIA NACIONAL................................63 POLTICA DE QUADROS PARA UM PROJETO POLTICO AMPLIADO........67 QUANTOS SOMOS OS COMUNISTAS NO PAS? .......................................71 IMPULSOS E GARGALOS DA VIDA PARTIDRIA .....................................75 PARTIDO DE QUADROS E PARTIDO DE MASSAS.....................................79 PENSAMENTO DE PARTIDO EM CONSONNCIA COM O PENSAMENTO POLTICO...............................................................................................91 LIES DE UNIDADE..............................................................................96 A LNIN, AO LENINISMO .....................................................................100 COMITS MUNICIPAIS: ELO DECISIVO ................................................104 COMITS ESTADUAIS: CONSOLIDAO, COESO, RENOVAO ..........110

    Questo de Partido

    3

  • UMA MILITNCIA DE NOSSO TEMPO....................................................120 O PARTIDO E SUAS FORMAS ORGANIZATIVAS DE BASE.......................132 MELHORAR A INTERVENO EM NOSSA AO DE MASSAS ..................143 2 ENCONTRO NACIONAL DO PCdoB SOBRE QUESTES DE PARTIDO ..148 GRANDES ACONTECIMENTOS DOS NOVOS TEMPOS ............................154 CONSOLIDAR A DEMOCRACIA INTERNA...............................................164 CONFLITOS DA VIDA PARTIDRIA.......................................................169 DIGRESSO... DE LNIN, EM 1919, EM O ESQUERDISMO, DOENA INFANTIL DO COMUNISMO ..................................................................173 NOVO ESTATUTO PARA UM PCdoB FORTE, DISCIPLINADO, COMBATIVO E TRANSFORMADOR................................................................................174

    Parte 2 ESTRATGIA E TTICA DO PCdoB E O NOVO PROJETO PARA O BRASIL RENATO RABELO ..................................................................................184 FORA DECISIVA DA REVOLUO E DA CONSTRUO DO SOCIALISMO JOO AMAZONAS * ..............................................................................193

    QUAL PARTIDO? LORETA VALADARES* ..........................................................................203

    MARX, ENGELS E LNIN JOS CARLOS RUY*..............................................................................229

    GRAMSCI, LNIN E A QUESTO DA HEGEMONIA AUGUSTO C. BUONICORE* ...................................................................240

    INTERVENO NO III SEMINRIO POLTICO LATINO-AMERICANO E EUROPEU (SANTIAGO, CHILE 9 A 11 DE JANEIRO DE 2004) JOS REINALDO CARVALHO* ...............................................................251

    O PAPEL DOS MOVIMENTOS NO "ASSALTO AOS CUS" J MORAES* ........................................................................................262

    Questo de Partido

    4

  • Prefcio da 2 edio (eletrnica)

    ai agora disponibilizado em edio eletrnica o livro Questes de Partido, que me coube organizar. fruto

    da tecnologia, que permitir que estas idias cheguem a um pblico maior e, se necessrio, o livro poder ser impresso segundo a demanda.

    V

    Ao reler os textos, o primeiro impulso purg-los em algo, acrescentar outras tantas contribuies. Afinal, avanamos muito nesse debate no PCdoB ao longo dos ltimos anos, culminando com o 11 Congresso. Julgo mesmo que esse Congresso coroou o processo de renovao das concepes e prticas de partido, to necessrio, cuja sntese mais elevada foi o novo Estatuto. Nele se consagra um conjunto renovado de preceitos, que fazem um aggiornamento da questo de Partido, fechando um ciclo aberto no 8 Congresso em 1992. Como dizia na apresentao da 1 edio, s o debate e a apropriao coletiva do desafio poderiam nos levar a essa sntese. Com isso, extramos de fato conseqncias para o tema Partido e chegamos a novas concluses polticas sobre ele. Por isso, a re-leitura destes textos precisa se referenciar nos documentos posteriores 1 edio. Destaco trs aspectos relacionados a eles. Um, de carter estratgico para a reflexo sobre o PC da atualidade, o do 2 Encontro Nacional sobre questes de Partido sobre o Proletariado brasileiro. Nele foi reposta a centralidade do proletariado no projeto poltico pelo qual luta o Partido, renovando o arsenal conceitual sobre o proletariado contemporneo.

    Questo de Partido

    5

  • O segundo, a resoluo poltica do 11 Congresso, desvelando uma estratgia da luta pela superao do neoliberalismo e a aproximao dos objetivos de transio ao socialismo. Destaque-se nisso a centralidade da questo nacional como o fator articulador das demandas democrticas e sociais no rumo de um desenvolvimento democrtico e soberano. a esse projeto que precisa responder a questo do PC na atualidade, adquirindo os papis, funes, feies e formas organizativas em funcionalidade com ele, particularmente seu carter de corrente patritica e socialista como fator central de sua identidade perante os trabalhadores e o povo. o que d ensejo ao desenvolvimento das noes de luta pela hegemonia e originalidade nas condies de cada pas. O terceiro, a concluso estratgica a que chegamos nesse mesmo Congresso sobre o tema Partido. A idia de que nas condies atuais da luta de classes no Brasil e no mundo, de defensiva estratgica, de formidveis presses polticas e ideolgicas, a questo de perder-se ou afirmar-se como corrente comunista exige uma nova noo do papel, carter e centralidade dos quadros partidrios. Tal concluso subordinou a si a prpria noo de Partido Comunista de massas, nos termos em que sempre foi afirmada: quanto mais amplo e extenso o PC - e ele precisa ser cada vez mais amplo e extenso em nosso pas - mais se necessita de direes slidas e coesas, papel dos quadros partidrios, unidas em torno de um nico centro de direo e uma nica organizao. Citei trs vezes o termo estratgico no gratuitamente. Mas porque o ciclo de renovao das concepes e prticas de Partido s poderia vencer essa etapa definindo com maior preciso o projeto estratgico do PCdoB. O Partido e sua construo se volta essencialmente a esse projeto. Vivemos um tempo muito modificado em relao quele em que foi elaborada a teoria de Partido. Permanecer no receiturio moldado pela experincia estratgica do sculo

    Questo de Partido

    6

  • XX, notadamente a experincia bolchevique, tomando a teoria como modelo organizativo fixo, tornar os PCs disfuncionais luta atual. A conseqncia central esta: a noo terica e prtica de Partido Comunista tambm est em evoluo, sujeita a pesquisa e desenvolvimento terico e prtico, para responder aos problemas de nosso tempo e de nossa gente. A re-publicao destes textos serve ento como um referencial do percurso, indagaes e respostas desenvolvidas intensivamente nestes ltimos anos. E de fundamentao, porque, aberta esta nova etapa, trata-se agora de dar desenvolvimento nova compreenso, sobretudo na prtica de construo do Partido, alicerada no novo Estatuto. A atual edio eletrnica manteve todos os textos anteriores, com reviso de erros da 1 edio. Foi corrigido um lamentvel equvoco editorial: a ausncia de artigo de Jos Reinaldo de Carvalho, anunciado no ndice e suprimido da 1 edio, pelo que peo desculpas publicamente. Outros artigos meus, posteriores 1 edio foram acrescentados: sobre a estruturao em vinculao com a ao poltica de massas e a participao em governos; sobre o significado do 2 Encontro sobre o Proletariado brasileiro; e sobre o Frum Social Mundial de janeiro de 2005.

    Agradeo mais uma vez a todos que tornaram possvel este esforo, assumindo decerto as responsabilidades pelas lacunas e insuficincias.

    Walter Sorrentino (organizador) Maio/2006

    Questo de Partido

    7

  • Apresentao 1 Edio (impressa)

    Abril de 2004

    presente livro coloca ao alcance dos leitores uma coletnea de textos de estimulo reflexo e ao debate sobre as questes do Partido Comunista na

    atualidade. A prpria definio do tema como objeto de estudo passvel de debate e isso est presente ao longo do prprio livro. Tema que, como argumento nos artigos, foi relegado a um segundo plano e que, entretanto, tem sua prpria autonomia e universalidade, porquanto confluncia de reflexes tericas e ideolgicas, pol