of 31/31
FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA DDPI - CURSOS DE EXTENSÃO PROFESSOR ME. MARCELO SALCEDO GOMES CURSO BÁSICO DE FOTOGRAFIA NOVO HAMBURGO 2014

Apostila Fotografia - Curso Básico 2014

  • View
    956

  • Download
    19

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Apostila do Curso de Extensão Básico de Fotografia da Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha. Elaborada pelo Prof. Me. Marcelo Salcedo Gomes.

Text of Apostila Fotografia - Curso Básico 2014

  • 1. FUNDAO ESCOLA TCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA DDPI - CURSOS DE EXTENSO PROFESSOR ME. MARCELO SALCEDO GOMES CURSO BSICO DE FOTOGRAFIA NOVO HAMBURGO 2014 1
  • 2. DDPI - CURSOS DE EXTENSO 2013/02 Curso Bsico de Fotograa - 20 horas OBJETIVOS Identicar os princpios da cmera fotogrca, seus principais mecanismos tcnicos e operacionalizar seus usos integrados para a formao da imagem. Apontar os principais elementos da linguagem fotogrca (luz, profundidade de campo, foco, enquadramento, composio, cor, momento decisivo etc) e sua inter-relao com os elementos tcnicos (tipos de lentes, tempo de exposio, velocidade do obturador, abertura do diafragma, ISO etc). Entender os elementos estticos, tcnicos e sociais implicados no processo de construo das imagens fotogrcas, bem como a diferena entre fotojornalismo, fotodocumento, foto publicitria, foto arte etc. PBLICO ALVO Alunos dos curso Tcnico em Design, demais cursos da Fundao Liberato ou da UERGS e interessados em fotograa em geral. DOCENTE Marcelo Salcedo Gomes: Fotgrafo, Graduado em Comunicao Social - Jornalismo, com Especializao em Fotograa Instrumental. Mestre em Cincias da Comunicao e doutorando pelo PPGCC Unisinos na linha de pesquisa Mdia e Processos Audiovisuais. Primeiro colocado do Prmio Adelmo Genro Filho da SBPJor 2011 com o TCC intitulado As Fantsticas Fotograas da National Geographic e 1 lugar do Prmio de Jornalismo Experimental da Unisinos 2009 na categoria Fotojornalismo. Realiza pesquisa no campo da comunicao em contexto de midiatizao com foco nas teorias da imagem. CALENDRIO E HORRIO DAS AULAS As aulas ocorrero aos sbados, no turno da manh, nos dias 26 de abril; 03, 10 e 17 de maio; 07 de junho, das 08h30min s 12h30min. 2
  • 3. PROGRAMA Os elementos da linguagem fotogrca, operaes bsicas de cmera fotogrca, a diferena entre fotograa analgica e digital; Os tipos de cmeras, tipos de lentes, guia de equipamentos, como fazer boas fotos com equipamentos limitados, tcnicas fotogrcas avanadas; A importncia da luz para a fotograa, noes sobre iluminao de estdio, foto ao ar livre e uso do ash, tipos de arquivos, formas de armazenagem, dicas de edio de imagem e programas de edio; Como fazer retratos, fotograa de eventos, fotograa de paisagem e foto artstica, tipos de suportes para apresentao e a escolha adequada do tamanho do arquivo; Os diversos ofcios que envolvem fotograa, a ascenso da imagem fotogrca no mundo digital, noes sobre manipulao de imagens digitais, a fotograa como matria prima para o designer, dicas para quem quer se prossionalizar, sites e bibliograa sobre fotograa. OBSERVAES 1. desejvel que cada participante traga seu prprio equipamento, podendo ser amador (cmeras compactas digitais, celulares ou analgicas compactas de lmes), semi-prossionais ou prossionais (analgicas ou digitais), pois ser ministrada uma viso geral de como aproveitar o mximo de cada equipamento. 2. Sero realizados exerccios prticos no decorrer dos encontros. Exerccios Exerccio 1 1 foto com movimento borrado 1 foto com movimento congelado 1 foto com primeiro elemento em foco e o resto desfocado 1 foto com o primeiro elemento desfocado e o segundo elemento em foco 1 foto com todos os elementos em foco Exerccio 2 1 foto noturna externa 1 foto de caf da manh com luz suave (difusa) 1 foto de esporte 1 foto de paisagem 1 retrato de grupo dirigido, ou seja, no posado e sim um cena produzida pelo fotgrafo. Exerccio 3 1 foto de produto utilizando tcnicas de iluminao 5 retratos inspirados nos fotgrafos estudados em aula ou em outros grandes mestres. Exerccio 4 Faa uma autobiograa fotogrca contando um pouco de voc, de sua subjetividade atravs das imagens, ou seja, fotografe objetos, lugares, animais, pessoas que sejam importantes ou expressivos na sua vida. Esta srie, que poder ter de cinco a dez fotos, deve apontar ao leitor das imagens, quem voc. 3
  • 4. 1 Histria da Fotograa A primeira fotograa foi creditada ao francs Joseph Nicphore Nipce, em 1826. O tempo de exposio era de cerca de oito horas. Anos mais tarde, Daguerre, continuando as experincias de Nipce, reduziu o tempo de exposio para minutos, o que tornou o processo fotogrco prtico. A fotograa foi fruto da compilao de diversos experimentos e de conhecimentos pticos muito antigos. Os pintores renascentistas frequentemente utilizavam a tcnica da cmera obscura para esboar seus trabalhos. No Renascimento, a cmera obscura era utilizada como um cdigo de representao denominado perspectiva articialis. 4 Fotograa feita por Louis Daguerre em 1839.Esta considerada a 1 fotograa, feita por Joseph Nicphore Nipce em 1826. Gravura datada de 24 de Janeiro de 1544 com a inscrio: Solis Designium (Desenho do Sol) demonstrando o principio da Cmara Escura de Orifcio. No nal da Idade Mdia, o renascimento das artes na Europa vai criar nova funo para as cmaras escuras: instrumento especial para desenhistas (utilizadas por 150 anos antes da inveno da fotograa.
  • 5. O aparato ptico da fotograa, portanto, j havia sido concebido nos sculos XV e XVII; o que houve no sculo XIX foi um avano tecnolgico, com a substituio do pincel do pintor pelas substncias qumicas no momento de xar a imagem projetada em uma superfcie plana. Alguns cientistas e inventores, como o italiano Angelo Sala em 1602, o alemo Johann Heinrich Shulze em 1622 e o ingls Thomas Wedgwood em 1802 zeram experincias com nitrato de prata, no entanto, no conseguiram desenvolver uma tcnica que xasse as imagens. Foi Nipce que conseguiu o grande feito quando utilizou uma placa metlica emulsionada em Betume da Judia e depois Daguerre aperfeioou o processo, utilizando o nitrato de prata. O prximo estgio do progresso dessa tecnologia se deu com a criao de matrizes, capazes de produzir um nmero indeterminado de cpias fotogrcas. Esse foi o primeiro passo para o desenvolvimento da fotograa como meio de comunicao de massa. Foi o americano William Fox Talbot que, em 1835, conseguiu obter o primeiro negativo denominado Calotipo, obtido atravs de papel sensibilizado. A partir destes primeiros precursores, a fotograa ganhou fora com a popularizao dos retratos. Rpidos, baratos e is, eles logo se tornaram mania, inaugurando uma nova forma de representar as pessoas, antes feita apenas pela pintura. Os retratos serviram como suporte para fotgrafos comercializarem imagens de paisagens, costumes e povos das mais diversas culturas em grandes tiragens. A fotograa conquistou um importante papel social como forma de comunicao e divulgao de conhecimento, pois apresentava imagens de um mundo desconhecido, principalmente atravs dos fotgrafos viajantes. 5 Fotograa obtida pelo processo de calotipia desenvolvido por William Fox Talbot.
  • 6. Em 1888, George Eastmann criou a Kodak juntamente com o slogan: Voc aperta o boto, ns fazemos o resto1, salientando a facilidade em usar o equipamento. Eastmann perseguia a ideia de um sistema fotogrco simples e barato. A fotograa cou realmente acessvel ao grande pblico em 1900, quando ele lanou a Brownie, uma cmera de 6 x 6 centmetros que custava 1 dlar ou 5 xelins. Assim, os princpios fundamentais da fotograa foram estabelecidos desde as primeiras dcadas do sculo XX, sendo o lanamento da Leica2, em 1925 e a criao do lme fotogrco colorido em 1936, as ltimas fronteiras para a nova linguagem se estabelecer por completo. Apenas alguns avanos tecnolgicos ao longo das dcadas tornaram o ato fotogrco mais popular e barato, alm de contribuir na melhoria da qualidade das imagens produzidas. Porm, a digitalizao dos sistemas fotogrcos que iniciou a partir de 1990 e segue at os dias de hoje colocou em pauta um novo debate: a codicao binria empregada nesse novo processo descaracteriza a natureza da fotograa de registrar sinais luminosos em um suporte? Ainda no houve um consenso por parte dos tericos sobre este assunto. Por hora, podemos armar que a fotograa digital minimizou os custos, reduziu etapas, modicou formas de visualizao, armazenamento e transmisso de imagens e, sobretudo, acelerou e facilitou os processos de produo e manipulao. 6 1 You press the button, we do the rest. 2 A Leica, foi a primeira mquina fotogrca miniaturizada de preciso. Graas a seu obturador de plano focal e transportador de lme acoplado, preparou o terreno para a revoluo ocorrida no sistema de fotograa de 35mm (BUSSELLE, 1979). Em 1854, Andr Disderi patenteou um sistema chamado de Cate-de-Visite, que consistia em uma nica chapa que produzia at 10 retratos, tornando-se um mania na Europa a partir de 1859. A Brownie, lanada em 1900, popularizou a fotograa. Ela produzia fotos de qualidade com 6x6 centmetros em lme de rolo em cartucho de forma bastante simplicada.
  • 7. 2 A tcnica fotogrca e o sentido A origem da palavra fotograa vem do grego (foto=luz/graa=escrita) que signica escrever com a luz. Se ela um tipo de escrita, ento podemos pensar que isso demanda o conhecimento de um cdigo para podermos entender a mensagem. Esse cdigo a linguagem fotogrca. Para Ivan Lima (1988, p. 19): um grande erro achar que a linguagem da fotograa universal. No existe nem uma foto que possa ser interpretada da mesma forma por um brasileiro, um francs e um chins, por uma moa de 18 anos e um homem de 80. A linguagem fotogrca pode ser compreendida atravs do estudo dos componentes de ordem material e imaterial que so utilizadas conforme a intencionalidade do autor da foto, na tentativa de alcanar um entendimento por parte do leitor. Os de ordem material so as escolhas tcnicas como: cmeras, lentes, velocidade do obturador, abertura do diafragma, quantidade de luz, uso ou no do ash, etc. J os de ordem imaterial ou mentais so as escolhas de ordem mais subjetiva como: contraste, foco, enquadramento, composio, etc. A soma de todos componentes escolhidos ter como produto nal a fotograa com a subjetividade e ideologia do produtor, o que veremos a partir de agora. 2.1 Componentes de ordem material Desde o lanamento da Kodak e da Brownie, ainda no nal do sculo XIX, o senso comum diz que qualquer um pode tirar uma foto. As grandes diculdades tcnicas, os pesados equipamentos, os processos de revelao qumica foram todos suplantados por George Eastmann com seu You Press The Button and We Do The Rest". O que dizer ento das minsculas mquinas digitais de hoje, constantes inclusive em boa parte dos telefones celulares, nas quais possvel visualizar a imagem pronta no instante seguinte ao da captura da cena e permitem que se faa um milho de tentativas sem custo se o sujeito tiver tempo e pacincia? Todavia, a fotograa prossional exigem um pouco mais que apontar para uma cena e apertar um boto. Os fotojornalistas precisam conhecer a linguagem fotogrca e aplic-la nas escolhas tcnicas para chegar ao resultado almejado. Veremos a seguir os principais componentes materiais que interferem na produo de sentido. 2.1.1 Luz 7
  • 8. Ao nosso entendimento, a luz a matria prima da fotograa enquanto o objeto (referente) d a sua forma. Para o fotgrafo, o domnio da luz, pode ser comparado ao domnio do barro ao oleiro. Segundo Weston (apud Busselle, 1977, p. 22): Enquanto houver luz, o fotgrafo tem condies de trabalhar, pois seu ofcio sua aventura uma redescoberta do mundo em termos de luz. Existem, na linguagem fotogrca, cdigos razoavelmente convencionados para o uso da iluminao, conforme as intencionalidades do fotojornalista. A escolha de um tipo especco de luz para uma cena vai determinar a sensao que o fotgrafo quer transmitir. H muitos conceitos e conhecimentos sobre luz que so teis para a prtica fotogrca, principalmente em estdios. Todavia, para efeito de simplicao, abordaremos duas situaes de luz com as quais se depara o fotgrafo e que faro a diferena no processo de signicao: luz direta ou dura e luz difusa ou suave. A luz direta aquela em que no h obstculo entre a fonte de luz e o objeto fotografado, proporcionando sombras duras e contrastes altos, como nas fotograas tiradas ao ar livre, no sol do meio-dia ou sob lmpadas sem difusor. Os manuais de fotograa consideram que esse tipo de luz traz sensao de desconforto e dramaticidade. A luz dura, (...), cria sombras fortes que resultam em fotos nada bonitas (Guia Completo de Fotograa - National Geographic, 2008, p. 99). J a luz difusa conseguida, basicamente, de duas formas: (a) a luz passa por um meio translcido antes de atingir o objeto, como uma cortina ou papel vegetal colocado em frente uma lmpada; (b) a luz rebatida por uma superfcie clara que reete os raios luminosos, incidindo no objeto sombra, como por exemplo, algum perto de uma janela. Esse tipo de luz dispersa os raios luminosos, criando uma iluminao uniforme e suave. O efeito pretendido uma luz diluda, criando sombras pouco pronunciadas e proporcionando sensao de conforto. 8 Exemplo de luz difusaExemplo de luz direta
  • 9. 2.1.2 Obturador um dispositivo localizado na cmera, responsvel pelo tempo de exposio do material foto-sensvel luz (lme ou sensor nas cmeras digitais). Quanto maior for o tempo de abertura do obturador, maior ser a quantidade de luz que atingir o material foto-sensvel. A escolha da velocidade do obturador para a exposio desejada estar sujeita combinao com a luz disponvel no ambiente a ser fotografado e com a abertura do diafragma, que sero dadas pela leitura do fotmetro3. As velocidades mais comuns so: B, 1, 1/2, 1/4, 1/8, 1/15, 1/30, 1/60, 1/125, 1/250, 1/500, 1/1000, 1/2000, 1/4000, (...) 1/200004. Geralmente, em uma exposio considerada correta, o ajuste da velocidade normal do obturador serve como parmetro para a escolha da abertura do diafragma, conforme a luz disponvel como, por exemplo, em um retrato formal. Porm h dois 9 3 Dispositivo destinado a medir a luz com exatido, disponvel na maioria das cmeras. 4 As velocidades do obturador so dadas em fraes de segundo, sendo que o nmero 1 representa um segundo e o denominador representa o nmero de vezes em que este segundo foi dividido. Em algumas cmeras o numerador 1 no representado para economia de espao. Boto de regulagem do obturador de uma cmera analgica. Cortina do obturador, visvel quando o compartimento do lme est aberto. Movimento congelado, alta velocidade do obturador. Movimento congelado, baixa velocidade do obturador.
  • 10. efeitos interessantes que podem ser conseguidos alterando-se a velocidade do obturador: (a) o movimento borrado conseguido quando um objeto ou pessoa passa em frente cmera com o obturador de velocidade baixa, como um carro de corrida que deixa um rastro na foto, por exemplo; (b) o movimento congelado obtido quando um objeto ou pessoa em movimento passa em frente cmera com obturador de velocidade alta como, por exemplo, em fotos de esportes onde os atletas so congelados em plena ao. 2.1.3 Diafragma um dispositivo constitudo de lminas semicirculares justapostas que podem ser ajustadas alterando o dimetro do orifcio pelo qual passa a luz que atinge o material foto- sensvel. localizado na objetiva, portanto sua escala vai depender da lente que o fotgrafo estiver usando. Quanto maior for o dimetro da abertura, maior ser a quantidade de luz que atinge o material foto-sensvel. Quanto menor o dimetro do diafragma, menor a quantidade de luz que atinge o material foto-sensvel. H, contudo, uma consequncia direta da abertura do diafragma com a profundidade de campo5 (extenso da zona ntida da foto), que inversamente proporcional entrada de luz, ou seja, quanto mais aberto o diafragma, menos profundidade de campo; quanto mais fechado o diafragma, maior ser a profundidade de campo. Isso signica que o fotgrafo pode optar por menos profundidade de campo quando quer chamar ateno para uma rea especca da fotograa, mdia 10 5 A profundidade de campo na prtica a extenso da zona ntida disponvel quando se tira uma fotograa e est subordinada distncia de focalizao, ao tamanho da abertura e distncia focal da objetiva utilizada. A representao do diafragma dada pela letra f seguida do nmero.
  • 11. profundidade de campo quando quer alguns elementos na zona ntida da foto e maior profundidade de campo quando quer que todos os elementos apaream ntidos na imagem. As escalas numerais dos diafragmas nas lentes so inversas, ou seja, quanto maior o nmero do diafragma menor ser seu dimetro e vice-versa. As escalas mais comuns de diafragmas so: 1.8, 2.0, 2.8, 3.5, 4.5, 5.6, 8.0 (menor profundidade de campo) e 11, 16, 22, 32, 64, (maior profundidade de campo). 2.1.4 Objetiva Tambm conhecida como lente, ela acoplada em frente cmera a m de refratar os raios luminosos para um mesmo ponto, tornando a imagem muito mais ntida e 11 Menor profundidade de campo f/2 - somente b est em foco. Maior profundidade de campo f/16 - a, b e c esto em foco Posio do fotgrafo em relao a a, b e c.
  • 12. luminosa. na objetiva que se encontram o diafragma e a regulagem de foco. A objetiva classicada conforme sua distncia focal6. H basicamente trs categorias de objetivas: a)grande angular - tem uma distncia focal menor que 50mm e ngulo de viso amplo, entre 46 e 180 graus, tem a vantagem de permitir que uma grande rea aparea na imagem; b)normal - tem uma distncia focal de 50mm e seu ngulo de viso de 45 graus, semelhante ao do olho humano; c)teleobjetiva - distncia focal maior que 50mm com ngulo de viso restrito, menor que 45 graus, mas tem a vantagem de aproximar o objeto fotografado na imagem. 12 6 Segundo Busselle (1977, p.42), a distnica focal a distncia do centro da lente at o ponto no qual convergem os raios paralelos que insidem nela. Teleobjetiva Normal Grande Angular Distncias Focais ngulos de Viso conforme a lente
  • 13. 2.1.5 Filmes O lme7, constitudo de material foto-sensvel, o responsvel pelo registro da imagem a partir dos raios luminosos reetidos do objeto fotografado e refratados para o interior da cmera pela objetiva. So classicados conforme sua sensibilidade luz, quanto mais sensvel o lme, menos luz ser preciso para registrar uma imagem satisfatoriamente. Por esse motivo, sua escolha est intimamente ligada qualidade e quantidade de luz disponvel no local da foto. A escala mais usada dos lmes chama-se ISO e seus valores mais comuns so: 100, 200, 400, 800, 1600, 3200, 6400. Um lme de ISO 200, por exemplo, duas vezes mais sensvel que um de ISO 100 e da por diante. A qualidade da imagem produzida est ligada escolha do ISO do lme. Quanto menor o ISO, menor ser a granulao da imagem e melhor ser o contraste e a saturao de cores. Sendo assim, o uso do ISO baixo proporcionar uma imagem de qualidade excelente; ISO mdio proporcionar uma imagem de qualidade razovel e ISO alto proporcionar uma imagem de baixa qualidade. 2.2 Componentes de ordem imaterial Segundo Kossoy (2002, p. 27), os componentes imateriais se sobrepem hierarquicamente aos componentes materiais, pois so articulados na mente do fotgrafo e no dependem da tecnologia, mais sim de escolhas culturais e ideolgicas. Fazem 13 7 Usaremos a terminologia lme tambm para nos referir ao sensor da cmera digital, uma vez que sua escala (ISO), segue o mesmo padro das pelculas e sua escolha, teoricamente, causa o mesmo efeito na imagem. ISO baixo ISO alto
  • 14. parte de uma intrincada rede de pensamentos e aes integrantes da linguagem fotogrca da qual o produtor da foto lana mo quando constri o signo fotogrco. 2.2.1 ngulos de tomada O ngulo de tomada de uma imagem o ngulo de viso da cmera em relao ao objeto fotografado. decidido pelo fotgrafo conforme seu ponto de vista sobre o tema ou motivo fotografado. Basicamente, divide-se em trs tipos: a) plonge - quando a tomada feita de cima para baixo, tende a diminuir o elemento fotografado, desvalorizando-o, reduzindo sua importncia, conotando ares de fraqueza, submisso e derrota; b) normal - respeitando as propores do objeto, denota igualdade; c) contre-plonge - quando o ngulo de tomada feito de baixo para cima, valorizando o elemento fotografado, representando-o maior do que ele realmente , ressaltando sua grandeza e conotando superioridade. 2.2.2 Plano de enquadramento a seleo dos elementos e do espao que faz parte do quadro da fotograa. Varia de acordo com a objetiva utilizada e com a distncia do fotgrafo em relao ao objeto fotografado. uma das ferramentas que mais permitem ao fotojornalista construir sua concepo da cena, uma vez que ele tem o poder de adicionar ou excluir os elementos que sero representados na imagem. Aqui, mais do que em qualquer outra 14 Plonge Normal Contre-Plonge
  • 15. ferramenta, podemos entender o termo ltro cultural de que fala Kossoy (2001), uma vez que o fotojornalista estar editando previamente o que o observador ver e no ver do que aconteceu de fato. Os planos de enquadramento so classicados conforme segue: a) grande plano geral - o ambiente como um todo pode ser visto em seu contexto geral, feito normalmente com lente grande angular; b) plano geral - o elemento principal aparece em seu contexto de igual para igual com os outros elementos em cena, geralmente feito com uma lente normal ou grande angular; c) plano mdio - o elemento principal preenche quase todo o quadro, pouco do contexto mostrado, levando o observador a dar ateno para o objeto fundamental da imagem, feito geralmente com uma lente teleobjetiva curta de at 180 mm que no apresenta distores, sendo, por esse motivo, muito usado em retratos; d) primeiro plano - destaque total ao elemento principal, no havendo nenhum contexto, feito geralmente com teleobjetivas acima de 200 mm e quando usado para retratos, destaca o semblante e emoes do retratado; e) plano detalhe - somente detalhes do elemento principal aparecem como nicos elementos da cena, feito, principalmente, com lentes macro e muitas vezes de difcil identicao. 15 Grande plano geral Plano geral Plano mdio Primeiro plano Plano detalhe
  • 16. 2.2.3 Plano de foco Diretamente ligado ao diafragma e objetiva utilizada, o plano de foco decide quais elementos, dentre os estabelecidos na composio, caro ntidos e quais caro desfocados. Em outras palavras, seria o mesmo que dizer ao observador, nesse contexto existem muitos elementos, mas preste ateno especial neste aqui, pois ele o que mais importa. Os planos de foco podem ser divididos em trs grandes grupos: a) plano de foco amplo - quando existe grande quantidade da imagem em foco; b) plano de foco mediano - quando existe uma quantidade mediana da imagem em foco; c) plano de foco restrito - quando a imagem apresenta uma quantidade de foco pequena. 2.2.4 Perspectiva Imagens fotogrcas so projees do mundo tridimensional em um suporte bidimensional, que possui altura e largura, mas no profundidade. Para representar esse terceiro eixo dos objetos o fotojornalista utiliza a perspectiva. Trata-se, na verdade, de uma tcnica para criar a iluso da tridimensionalidade e foi desenvolvida para dar mais 16 Plano de foco amplo Plano de foco mediano Plano de foco restrito
  • 17. realismo a uma cena. Muitas vezes o observador tem a impresso de que h uma continuidade do espao para dentro da imagem ou ento de que esta vai saltar do papel. H basicamente dois tipos de perspectivas quanto linguagem fotogrca: a) linear - tambm conhecida como central ou articialis a mais conhecida tcnica de representao pictrica desde a renascena, na qual todas as linhas convergem para o ponto de fuga, causando a iluso de profundidade; b) atmosfrica - tambm chamada de efeito bruma, o efeito atmosfrico em que h o enfraquecimento da imagem com a distncia, quanto maior a distncia entre o objeto fotografado e a cmera, menor ser a nitidez. 2.2.5 Contraste a diferena entre as partes iluminadas e no iluminadas, entre o preto e o branco, entre as cores da imagem. Nas fotograas PB quanto maior for a quantidade de tons de cinza menor ser o contraste; na fotograa a cores, quanto maior for a diferena entre os tons, maior ser o contraste. O contraste pode ser utilizado pelo fotografo para impressionar o observador. Geralmente, contrastes mais altos vivicam a imagem dando a impresso de aproximao dos objetos, da mesma forma que contrastes mais baixos deixam a imagem sem graa dando a impresso de apagamento. 17 Perspectiva linear Perspectiva atmosfrica Alto contraste
  • 18. 2.2.6 Cor ou preto e branco As fotograas em cores conduzem o observador a um maior realismo, pois o mundo colorido. Diante disso, o observador estar dispensado da interpretao cromtica, deixando sujeitos interpretao apenas os outros elementos icnicos da imagem. Nas fotograas em preto e branco, a interpretao da cor ca por conta do observador, deixando as imagens com um forte apelo esttico, pois so mais distantes de nossa realidade cotidiana. A ateno a outros aspectos da imagem como textura, contraste, luz, etc ampliada, pois no h a distrao causada pela cor. O processo de signicao ca mais aberto para que o observador complete as lacunas deixadas pela ausncia de cor com suas prprias interpretaes. 2.2.7 Composio A composio est ligada diretamente forma de apresentao da imagem, responsvel pela disposio dos elementos no quadro da foto, posicionados de acordo com as intenes do fotojornalista. A escolha dos elementos que iro compor a fotograa animais, humanos, objetos, ambiente, etc est diretamente ligada sensibilidade esttica do fotgrafo, e determinar seu ponto de vista. Basicamente, a composio poder causar dois tipos de sensao no observador: conforto - quando h harmonia, equilbrio e unidade esttica na imagem; e desconforto - quando h desorganizao esttica, poluio visual e falta de hierarquia entre os elementos. 18 Sebastio Salgado La Chapelle
  • 19. 2.2.8 Equilbrio O equilbrio da imagem fotogrca est relacionado disposio harmnica dos elementos que nela guram. O equilbrio proporciona uma maior facilidade de acesso do observador imagem como um todo, deixando claro as ideias e conceitos que ela apresenta. Uma imagem equilibrada apresenta uma boa composio, de forma que h hierarquizao ou simetria dos elementos, facilitando a leitura da mensagem que o fotojornalista pretende transmitir. Uma imagem desequilibrada gerar um certo incmodo, pela diculdade de acesso aos dados disponveis. O acmulo de informaes em um quadrante da imagem deixando o restante da fotograa sem informao relevante um exemplo de desequilbrio. Todavia, uma imagem desequilibrada ou poluda nem sempre errada ou ruim, pois depende das intenes do fotojornalista. 2.2.9 Textura Cria uma sensao ttil na imagem. Consiste em detalhar os objetos quanto a seu relevo, utilizando para isso o contraste entre luz e sombra. A textura permite a diferenciao entre a qualidade dos materiais que compem a imagem causando sensaes de lisura, rigidez, porosidade, maciez, aspereza, robustez, fragilidade, entre outras. A textura mais um efeito de tridimensionalidade que pode ser usado na fotograa para aumentar sua possibilidade de leitura. A aparncia da textura depende fundamentalmente do ngulo de incidncia da luz sobre o objeto fotografado, criando sombras no relevo desse objeto. 19 Exemplo de conforto na composio Exemplo equilbrio na imagem
  • 20. 2.2.10 Regra dos teros Consiste em dividir mentalmente o quadro da fotograa em nove partes iguais como se fosse um jogo da velha e situar o objeto fotografado em uma das quatro intersees das linhas. Essas quatro intersees so conhecidas como sees ureas, consideradas regies de maior dinamismo em uma imagem, nas quais o elemento vital mais enfatizado e tambm onde existe a convergncia natural dos olhos do observador para dar incio ou nalizar a leitura. Essa regra de composio foi criada no Renascimento e utilizada por grandes mestres da pintura, como Da Vinci, Giotto e Michelngelo. Todavia, no existe tcnica mais intuitiva que a regra dos teros quando se trata de contextualizar a informao ou de privilegiar algum elemento na imagem. 2.2.11 Elementos secundrios Elementos secundrios so todos os elementos que fazem parte da composio alm do principal, servindo para contextualizar o objeto fotografado e produzir sentido fotograa. Geralmente, so usados pelos fotografos para facilitar a leitura da imagem e 20 Exemplo do uso da textura Exemplos do uso da regra dos teros
  • 21. reforar ideias, a m de ajudar o observador na construo de um signicado prximo ao objetivo do autor da imagem. Tem que haver um cuidado, da parte do fotografo quanto utilizao de elementos secundrios, pois a imagem poder fugir ao seu objetivo se algum elemento estiver fora de contexto. Desta forma, a quantidade de informao dever ser reduzida, pois um excesso de elementos poder poluir a imagem, comprometendo o resultado nal. 3 A Cmera Fotogrca As cmeras podem ser classicadas de diversas maneiras, em relao a histria da tecnologia, em relao a sosticao de seus recursos e at mesmo em relao ao preo. Para os nossos objetivos neste curso, vamos nos categoriz-la de acordo as possibilidades de aplicao contempornea. Em relao a forma da xao da fotograa podemos classic-las de duas maneiras: a) analgicas - so cmeras totalmente mecnicas ou eltro/mecnicas que utiliza pelculas, tambm chamada de lme, emulsionadas por sais de prata que atuam como negativos que precisaram ser revelados em laboratrio para posteriormente serem ampliadas nas cpias fotogrcas. b) digitais - so aparelhos eletrnicos que dispensam o uso de lmes, sendo que as imagens so registradas em cartes de memrias ou discos rgidos com capacidade variadas atravs do cdigo binrio. Posteriormente esse cdigo ser lidos por outros aparelhos eletrnicos como computadores, celulares etc. 21 Exemplo do uso dos elementos secundrios
  • 22. 3.1 Tipos de Cmeras 3.1.1 Grande Formato So as mais utilizadas pelos estdios prossionais importantes, fundamentalmente porque so cmeras que permitem basculamentos e movimentos de compensao de forma e perspectiva junto a rgidos controles na profundidade de campo tendo como resultado a mxima qualidade. Por outro lado, as cmaras de grande formato fornecem negativos e cromos de tamanhos que melhoram a qualidade da reproduo em comparao direta com as de mdio e pequeno formato. As marcas mais conhecidas so: SINAR, PLAUBEL, CAMBO, LINHOF, CALUMET, S&K etc. 3.1.2 Mdio Formato So cmeras usadas geralmente por estdios, artistas ou entusiastas da fotograa e produzem fotograas de alta qualidade. Muitas destas cmeras so antigas e operam com negativos de 6 6 cm, 6 7 cm, 6 4,5 cm e 6 9 cm, etc, porm existem fabricantes que se especializaram em produzir cmeras digitais desta categorias que so bastante caras. As marcas mais utilizadas e conhecidas so: HASSELBLAD, ROLLEYFLEX, BRONCA, MAMIYA. etc. 22 Cmera Sinar de estdio Rolleyex antiga Mamiya antiga Hasselblad atual
  • 23. 3.1.3 Pequeno Formato So cmeras tambm conhecidas pelo nome de 35mm, largura do lme que utilizam no caso das analgicas, mas suas caractersticas principais se mantiveram nas digitais. So os aparelhos mais utilizados para quase todos tipos de fotograa por sua versatilidade, portabilidade e preo acessvel. Os principais tipos de cmeras de pequeno formato so: a. Reex monobjetiva ou SLR (Single Lens Reex) - sem dvida a mais bem sucedido projeto de cmera de todos os tempos. Usa a mesma lente para visualizar a imagem e fotograf-la. Um espelho reete a imagem da lente para o visor. Quando o boto do obturador pressionado, o espelho sai da frente e o obturador se abre, expondo o sensor ou lme luz. Tm uma innidade de caracterstica e funcionalidade, alm da capacidade de usar lentes intercambiveis. So essenciais para fotografar paisagens e esportes. Diversos tipos de acessrios esto disponveis para elas, tais como uma ampla variedade da ashes, equipamentos especiais para closes e macros, apetrechos de controle remoto, etc. b. Compactas - So cmeras muito simples e baratas que servem para usos no prossionais e domsticos. Possuem lente nica e xada a cmera. Tm funcionamento automtico programado pelo fabricante com o intuito de facilitar o uso. As atuais cmeras compactas digitais oferecem um menu com algumas funes que podem ser escolhidas pelo usurio, como ISO, temperatura de cor, tamanho da imagem, etc. 23 Laica M de 1950 Nikon D300 digital Sony Compacta
  • 24. c. Ultra compactas - So cmeras embuitidas em outros aparelhos como notebooks e celulares. Possuem funes ainda mais limitadas que as compactas. 4 Funes da Cmera H inmeros tipos, modelos e fabricante de cmeras, cada com uma congurao prpria das funes disponveis. Todavia, de uma maneira geral, para fazer boas fotograas temos que saber localizar e regular as seguintes funes: F - Abertura do Diafragma - localizado na objetiva ou em algumas compactas no menu. A escala depende da lente usada. 1/x - Velocidade do obturador - localizado no corpo da cmera e em algumas compactas no menu. A escala depende da cmera. ISO - Sensibilidade de ISO - escolha do lme para cada situao ou nas digitais localiza-se no menu da cmera. Temperatura de Cor - Balano de Branco - localizado no menu da cmera. AF - rea de Foco - escolha da rea amplitude da rea que ser focalizada. Tamanho da Imagem - com relao o tamanho do arquivo da cmera digital e o uso que se dar para fotograa posteriormente, localizado no menu. Qualidade da Imagem - Escolha do tipo de arquivo que ser gerado pela cmera digital, localizado no menu. EV - Compensao da exposio ou do ash - usado para alterar o valor de exposio sugerido pela cmera ou do ash, localizado no menu. Flash - Modo de ash - localizado no menu. Temporizador - O temporizador automtico pode ser utilizado para reduzir o estremecimento da cmara ou para auto-retratos. Localizado no menu. 5 Tipos de Arquivos As cmeras digitais possibilitam tirar fotograas em um srie de tipos de arquivos. Para a escolha do arquivo temos que levar em considerao o uso que faremos da imagem posteriormente. Os principais tipos de arquivos so: 24
  • 25. a. RAW - tambm conhecido como NEF, um formato disponvel em cmeras SLR e algumas compactas. Este formato muito usado pelos prossionais, pois os dados so armazenados crus, conforme vm do sensor da cmera no sofrendo nenhuma processamento. Este formato tem a vantagem de proporcionar uma edio muito rica em detalhes que podem ser trabalhados pelos softwares tendo como resultado uma imagem de altssima qualidade. O inconveniente neste caso que o arquivo Raw ocupa muito mais espao do que outros. b. TIFF - um formato que permite armazenar arquivos digitais j processado pela cmera mas sem nenhuma perda de qualidade, portanto gera um arquivo que ocupa um espao considerado grande se comparado ao formato JPEG. Este tipo de arquivo o preferido para imagens que sero publicadas em material impresso. c. JPEG - o formato de armazenamento de imagem digital mais utilizado. Permite uma variedade bastante grande de nveis de compactao para os diversos usos que podero ter a imagem, por isso mesmo o formato mais utilizado para imagens na web. um formato que sofre perdas devido ao processo de compactao, sendo que os arquivos menores sero os que tero menos qualidade nas imagens. Isto no signica que os arquivos JPEG grandes no possam ter qualidade razovel para usos diversos. 6 Formas de Armazenagem Reita sobre o propsito de seu arquivo. Aproveite o tempo com sabedoria. Abordagem minimalista: arquivamento para quem odeia arquivar. Organize seus arquivos desde o incio: crie subpastas dentro da pasta imagens, com cada evento ou tema fotografado. Navegue pelas fotograas usando o modo de visualizao de fotos, sem precisar abrir programas de edio. Faa Back Up das fotograas. Se tiver pouco espao disponvel faa a cpia de segurana pelo menos das melhores imagens, evitando perder suas fotos caso algo acontea ao seu disco rgido. Use um gerenciador de arquivos. Faa o grosso do trabalho na hora de descarregar: j na primeira visualizao use a tela cheia e classique as melhores fotos das no to boas e elimine as que voc no vai 25
  • 26. usar, como as muito escuras ou completamente tremidas. Assim voc poupa espao no disco e ainda diminui o trabalho na hora de editar. Escolha um software de edio de imagens que seja adequado ao seu uso. Digitalize suas fotos impressa com um scanner ou fazendo pelo processo de foto-da-foto. Faa back up dos melhore trabalhos em CDs ou DVDs. 7 Guia de Equipamentos Existe uma quantidade inndvel de equipamentos disponveis para os diversos tipos de trabalho realizados na rea de fotograa. Com o objetivo deste curso apresentar as noes bsicas sobre o assunto, vamos descrever de forma sucinta o material elementar para o fotgrafo iniciante. 1. Cmera Fotogrca - Com a popularizao das cmeras digitais a partir do incio do sculo XXI, aumentou muito o nmero de pessoas que fazem fotograas. A maioria absoluta destas pessoas deixa-se levar pelo programa automtico da cmera. Se voc se interessa de maneira mais profunda pelo assunto uma boa dica seria pensar em adquirir uma cmera SLR com lentes intercambiveis e as diversas possibilidades que estes aparelhos proporcionam. 2. Objetivas - Se voc possui uma cmera SLR, o investimento mais interessante em lentes de qualidade, conforme o uso que se est fazendo do equipamento ou interesses pessoais. 3. Trip - Todos os fotgrafos, amadores ou prossionais, no podem abrir mo de um trip que servir tanto para reduzir vibraes como para fazer fotograas no modo temporizador. 4. Flash - Se sua cmera tem sapata para ash acessrio, a dica investir neste equipamento que melhora consideravelmente a qualidade de suas fotos em condies de baixa luminosidade. A diferena deste equipamento para o ash que j vem incorporado cmera muito expressiva, enquanto que o ash comum apenas produz um luz dura e evidentemente articial, as possibilidade do ash acessrio permitem diversos usos criativos e resultados surpreendentes. 5. Cases - Para carregar seus equipamentos de forma segura e manter tudo limpo e indispensvel que voc acomode-os em bolsas especiais revestidas com material anti- choque e impermevel. H cases para todo tipo de equipamento e de diversos tamanhos. 26
  • 27. 6. Baterias extras - Se voc pretende fazer muitas fotograas de uma s vez, fazer viagens na qual no h possibilidade de recaregar a bateria, cobri eventos sociais ou esportivos, seria bom considerar em adquirir baterias extras. 7. Carto de memria - de extrema importncia que voc tenha espao suciente para fazer suas fotograas de forma tranquila em um evento ou em suas frias. A falta de espao pode levar o fotgrafo a optar por tirar certas fotos em detrimento de outras, cando com aquela sensao de que est perdendo algo interessante. A soluo para isso ter sempre um carto de memria reserva de no mnimo 2G. 8. Iluminao auxiliar ou de estdio - Se voc est pretendendo se prossionalizar, j deve pensar que ter que adquirir um conjunto de iluminao auxiliar ou de estdio. Esse tipo de equipamento varia muito em termo de sosticao e preo, conforme o bolso e a inteno do fotgrafo. 27 1 2 3 4 5 6 7
  • 28. 8 ANATOMIA DA CMERA FOTOGRFICA Abaixo esto algumas guras que expem esquematicamente os mecanismos internos das cmeras fotogrcas. 28
  • 29. 29
  • 30. 30 2 Introduo: Conhecer a cmara Conhecer a cmara Dedique alguns momentos a familiarizar-se com os controlos e indicadores da cmara. Pode ser til marcar esta seco e consult-la durante a leitura do manual. Corpo da cmara 1 Flash incorporado..............................................................23, 40 21 Ilh para a correia da cmara ................................................8 2 Boto (modo de flash)......................................................40 22 Iluminador auxiliar de AF .............................................. 28, 87 (compensao do flash)................................................55 Luz do temporizador automtico............................ 37, 38 3 Boto (bracketing).......................................................5657 Luz de reduo do efeito de olhos vermelhos........39 4 Receptor de infravermelhos................................................38 23 Boto de disparo do obturador................................. 22, 23 5 Marca de montagem da objectiva..................................11 24 Boto de alimentao..................................................... 11, 19 6 Ilh para a correia da cmara.................................................8 Interruptor do iluminador........................................................3 7 Tampa do conector................................................... 66, 67, 70 25 Boto (compensao da exposio).....................54 8 Conector USB................................................................................67 ! (boto de reinicializao).................................................44 9 Boto de restaurar...................................................................129 26 Boto (modo de disparo)................................................36 10 Conector de entrada de CC para o adaptador CA EH-5 opcional...........................................................................123 Modo de disparo imagem-a-imagem/contnuo....36 Modo de temporizador automtico..............................37 11 Conector de vdeo.....................................................................66 Modo de controlo remoto ...................................................38 12 Conector de cabo remoto.................................................123 27 Boto (modo de AF)...........................................................29 13 Selector do modo de focagem .................................28, 32 ! (boto de reinicializao).................................................44 14 Boto para desbloquear a objectiva ..............................11 28 Painel de controlo.........................................................................5 15 Montagem da objectiva ........................................................11 29 Tampa da sapata de acessrios.......................................119 16 Espelho................................................................................106, 125 30 Sapata de acessrios (para unidade de flash opcional)...............................................11917 Boto de pr-visualizao da profundidade de campo...............................................................................................49 31 (indicador de plano focal)...........................................32 18 Punho ................................................................................................21 32 Disco de modos...................................................47, 48, 49, 50 19 Disco de controlo secundrio....................................10, 91 33 Boto (modo de medio)..........................................52 20 Boto FUN..................................................................................92 Boto (formatar)...............................................................16 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 1213 1415 16 1718 19 20 22 32 33 23 24 25 26 21 2728 30 29
  • 31. A gura abaixo identica uma possvel diviso didtica das partes de uma cmera fotogrca de estdio. 31