Cag Unidade1 Senai

  • View
    216

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Cag Unidade1 Senai

Unidade 1: Caractersticas do Ar Comprimido

Curso de Compressores de Ar e de Gases

Curso de Compressores de Ar e Gases SENAI-SP, 2011

1a edio, 2011 Trabalho organizado e editorado pelo Ncleo de Educao a Distncia do SENAI-SP da Gerncia de Educao da Diretoria Tcnica do SENAI-SP.

Superviso Colaborao Conteudista Tcnico Designer Educacional Web Designer Ilustradores

Airton Almeida de Moraes Almir Ghensev Wilson Donizetti Fernandes Elda Nemer Adilson Damasceno Adilson Damasceno Fernanda Alves de Oliveira Pearson Education do Brasil Ltda.

Colaborao Tcnica

ABIMAQ Associao Brasileira da Indstria de Mquinas e Equipamentos CSAG Cmara Setorial de Ar Comprimido e Gases. AirZap Indstria e Comrcio Ltda. Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. HB Solues em Ar Comprimido Ltda. Metalplan Equipamentos Ltda. Omel Bombas e Compressores Ltda. Ingersoll-Rand do Brasil Ltda.

Todos os nomes prprios de programas e sistemas operacionais mencionados neste documento so marcas registradas de suas respectivas empresas ou organizaes.

SENAI

Servio Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de So Paulo Av. Paulista, 1313 - Cerqueira Csar So Paulo SP CEP 01311-923

Telefone Telefax SENAI on-line

(0XX11) 3146-7000 (0XX11) 3146-7230 0800-55-1000

E-mail Home page

[email protected] http://www.sp.senai.br/ead

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

2

Curso de Compressores de Ar e de Gases

ndicePrefcio ................................................................................................................................................................ 4 1. 1.1. 1.2. 1.3. 1.4. 1.5. 1.6. 1.7. 1.8. 1.9. Caractersticas do Ar Comprimido .......................................................................................................... 5 Vantagens do Ar Comprimido ................................................................................................................ 5 Propriedades Fsicas do Ar...................................................................................................................... 7 Sistemas de Medidas .............................................................................................................................. 8 Sistemas de Medidas de Grandezas Fsicas ............................................................................................ 9 Equivalncia entre Unidades de Presso .............................................................................................. 10 Presso Atmosfrica ............................................................................................................................. 11 Unidades de Vazo ............................................................................................................................... 12 Escalas de Temperatura........................................................................................................................ 14 Leis Fsicas dos Gases............................................................................................................................ 15

1.9.1. Lei de Boyle Mariotte ........................................................................................................................... 16 1.9.2. Lei de Gay-Lussac .................................................................................................................................. 17 1.9.3. Lei de Charles ........................................................................................................................................ 18 1.10. 1.11. 1.12. Transformaes Gasosas ...................................................................................................................... 19 Rentabilidade do Ar Comprimido ......................................................................................................... 21 Escape de Ar ......................................................................................................................................... 22

Referncias Bibliogrficas.................................................................................................................................. 24

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

3

Curso de Compressores de Ar e de Gases

PrefcioEste material faz parte do curso Compressores de Ar e de Gases desenvolvido pelo Ncleo de Educao a Distncia do SENAI-SP em parceria com a ABIMAQ Associao Brasileira de Mquinas e Equipamentos, representada pela CSAG Cmara Setorial de Ar Comprimido e Gases. O curso composto pelas seguintes unidades: 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Caractersticas do Ar Comprimido Produo do Ar Comprimido Aplicao do Ar Comprimido Tratamento do Ar Comprimido Distribuio do Ar Comprimido Manuteno do Ar Comprimido Material Complementar

A seguir, sero apresentados os da Unidade 1: Caractersticas do Ar Comprimido.

Ncleo de Educao a Distncia do SENAI - SP

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

4

Curso de Compressores de Ar e de Gases

1. Caractersticas do Ar ComprimidoO ar comprimido o ar atmosfrico compactado, comprimido por meios mecnicos para elevao de sua energia potencial. Dependendo de sua aplicao, o ar comprimido pode ser confinado em reservatrios a uma determinada presso. Por suas qualidades, o ar comprimido se destaca como elemento principal ou como recurso auxiliar que pode ser empregado de uma forma simples e rentvel para solucionar muitos problemas de automatizao, pois a energia gerada pelo ar comprimido utilizada em equipamentos pneumticos. Por isso, nos dias de hoje, o ar comprimido indispensvel nos mais diferentes ramos industriais.

Pneumtica o estudo dos movimentos e dos fenmenos dos gases. A palavra pneuma provm do grego e significa flego, vento e, filosoficamente, alma.

O grego Ktesibios foi o primeiro homem a se interessar pela Pneumtica, isto , pelo emprego do ar comprimido como meio auxiliar de trabalho.Embora a base da Pneumtica seja um dos mais velhos conhecimentos da humanidade, aplicada na indstria de minerao, na construo civil e na indstria ferroviria (freios a ar comprimido), somente no sculo XIX o estudo de seu comportamento e de suas caractersticas se tornou sistemtico. E com a necessidade de automatizao e racionalizao dos processos de trabalho, a Pneumtica foi introduzida na indstria e a sua rea de aplicao se tornou cada vez maior.

1.1. Vantagens do Ar ComprimidoO ar a ser comprimido faz parte de nosso ambiente e se encontra em grande quantidade, praticamente em todos os lugares. Como esse ar , normalmente, condicionado em reservatrios (tanques de ar), o seu transporte ou distribuio muito fcil, o que permite a sua utilizao a qualquer momento.

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

5

Curso de Compressores de Ar e de Gases

Figura 1 Reservatrios de ar comprimido

Em aplicaes que no exigem controle de velocidade, o ar comprimido no acompanha as mudanas da temperatura ambiental, o que garante a segurana do trabalho e o funcionamento perfeito dos equipamentos, mesmo em situaes trmica extremas. Por isso, no exige a instalao de protees contra exploso, mas exige um sistema de preparao e tratamento do ar para a aplicao a que se destina. Esse sistema torna o ar comprimido adequado para esta finalidade. Caso ocorram vazamentos em pontos nas tubulaes, ou em outros elementos mal vedados, o ambiente no ficar degradado. Alm da segurana, existem outras vantagens no uso do ar comprimido. Porm, o uso do ar comprimido tambm apresenta desvantagens.

Vantagens O ar comprimido pode ser usado como elemento principal ou como recurso auxiliar para solucionar problemas de automatizao. Os elementos e ferramentas podem ser carregados at o momento da parada final, sendo, portanto, seguros contra sobrecargas. A energia do ar comprimido pode ser levada a grandes distncias com pequena perda. O ar comprimido permite que os atuadores de mquinas e processos executem suas tarefas a altas velocidades. O que resulta em alta produtividade.

Desvantagens O ar comprimido um elemento energtico relativamente caro. Em 10 anos, o custo referente energia eltrica representar, aproximadamente, 75% de todo o investimento para a produo. No possvel manter a velocidade dos atuadores uniforme e constante em ambientes sujeitos variao de temperatura. O escape de ar ruidoso, o que obriga o uso de silenciadores. O ar comprimido sempre necessitar de tratamento antes da aplicao.

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

6

Curso de Compressores de Ar e de Gases 1.2. Propriedades Fsicas do ArApesar de inspido, inodoro e incolor, percebemos o ar atravs dos ventos, avies e pssaros que nele flutuam e se movimentam e sentimos o seu impacto sobre o nosso corpo. Conclumos que o ar existe, ocupa lugar no espao e tem caractersticas prprias. O ar comprimido tem quatro propriedades importantes: a compressibilidade, a expansibilidade, a elasticidade e a difusibilidade.

CompressibilidadeOs compressores aplicam energia extra ao ar atmosfrico. Isso possvel devido propriedade de compressibilidade do ar. Ao aplicar uma fora exterior, possvel reduzir o volume do ar.

Figura 2 Representao da compressibilidade do ar (Fonte: Adaptado de Apostila M1004-1 BR Parker Pneumtica Ltda)

ElasticidadeA elasticidade a propriedade que possibilita ao ar voltar ao seu volume inicial uma vez extinto o efeito (fora) responsvel pela reduo do seu volume.

Figura 3 Representao da elasticidade do ar (Fonte: Adaptado de Apostila M1004-1 BR Parker Pneumtica Ltda)

ExpansibilidadeObserve, na figura a seguir, que o ar est contido em um dos recipientes (Posio 01). Quando a vlvula aberta, o ar expande, assumindo o formado dos demais (Posio 02). Isso acontece devido a sua propriedade de expansibilidade que lhe possibilita ocupar totalmente o volume de qualquer recipiente, adquirindo o seu formato.

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

7

Curso de Compressores de Ar e de Gases

Figura 4 Representao da expansibilidade do ar (Fonte: Adaptado de Apostila M1004-1 BR Parker Pneumtica Ltda)

DifusibilidadeObserve que os recipientes contm ar e gases. Quando a vlvula aberta, os elementos se misturaram. Isso acontece devido propriedade de difusibilidade que permite ao ar se misturar homogeneamente com qualquer meio gasoso que no esteja saturado.

Figura 5 Representao da difusibilidade do ar (Fonte: Adaptado de Apostila M1004-1 BR Parker Pneumtica Ltda)

1.3. Sistemas de MedidasA propriedade de difusibilidade permite que os gases se misturem. Sabemos que a superfcie terrestre est permanentemente envolvida por uma camada de ar, denominada atmosfera. Veja a sua composio.

Figura 6 Atmosfera terrestre

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

8

Curso de Compressores de Ar e de GasesMas no s isso, pois o ar atmosfrico contm tambm de dixido de carbono, argnio, hidrognio, nenio, hlio, criptnio, xennio etc. Para melhor compreender as leis e as condies do ar, devemos, primeiramente, considerar as grandezas fsicas e sua classificao em sistemas de medidas.

1.4. Sistemas de Medidas de Grandezas FsicasEm nosso pas adotamos as unidades de medida do Sistema Internacional - SI, mas comum o uso de unidades que no pertencem ao SI, especialmente em currculos instrumentais como Hidrulica, Refrigerao, Pneumtica etc. Veja as grandezas fsicas que so importantes no estudo da Pneumtica:Unidades e seus smbolos SI(Sistema Internacional)

Grandeza (o que se quer medir) Comprimento (l) Massa (m) Fora (F) Tempo (t) Temperatura (T)

MK*S(metro-kg-segundo)

CGS(centmetro-grama-segundo)

metro (m) quilograma (kg) newton (N) segundo (s) grau kelvin (k) metro quadrado (m) metro cbico (m) metro cbico por segundo (m/s) pascal (Pa)

metro (m) quilograma (kg) newton (N) segundo (s) grau Celsius (C) grau fahrenheit (F) metro quadrado (m)

centmetro (cm) grama (g) dina (dyn) segundo (s) grau Celsius (C) centmetro quadrado (cm) centmetro cbico (cm) centmetro cbico por segundo (cm/s) bar (bar)

rea (A)

Volume (V)

metro cbico (m) metro cbico por segundo (m/s) pascal (Pa)

Vazo (Q) Presso (p)

Tabela 1 Grandezas Fsicas utilizadas pela Pneumtica

As principais unidades de medidas utilizadas para o controle de grandezas relacionadas produo de ar comprimido so a presso e a vazo. Definio de presso: a presso (P) definida como uma fora (F) aplicada em uma superfcie (A). SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados 9

Curso de Compressores de Ar e de GasesNo Sistema Internacional de Unidades (SI) a grandeza presso medida em pascal (Pa), porm outras unidades derivadas so amplamente utilizadas e aceitas, como o bar (bar), o quilogramafora por centmetro quadrado (kgf/cm2), a atmosfera (atm). Existem, tambm, unidades fora do Sistema Internacional de Unidades, ainda em uso, como o pound per square inches (psi), que traduzido significa libra-fora por polegada quadrada (lbf/pol2). Poderemos calcular a presso aplicando a seguinte equao: P = F/A A presso (P) dada em N/m2; a fora (F) dada em newton (N), e a rea dada em metro quadrado (m).

comum encontrarmos em livros e manuais tcnicos de equipamentos pneumticos e hidrulicos unidades como barg ou psia. Estas unidades com a terminao g e a significam presses medidas a partir da presso atmosfrica e a partir da presso zero absoluto. A letra g significa gauge ou manomtrica e a absolute ou absoluta. A presso manomtrica medida a partir da presso atmosfrica e no considera a presso absoluta. A presso absoluta medida a partir do zero absoluto (vcuo perfeito). Os instrumentos utilizados para medir as presses relativas so os manmetros. J os instrumentos que medem a presso presses absolutas so os barmetros, muitos utilizados em meteorologia.

1.5. Equivalncia entre Unidades de PressoVeja a equivalncia entre as unidades de presso:Tabela de converso de unidades: PRESSOatm 1 atm 1 psi 3 (lbf/in ) 1 Kgf/cm 1 bar 1 mmHg (Torricelli) 1 mH2O 1 inHg 1 Pa2 3 2

psi (lbf/in )14,6959 1 14,2234 14,5 0,001933677 1,42234 0,49119 0,000145038

Kgf/cm1,033

bar1,01325 0,06895 0,98 1 0,001333224 0,0980872 33900 0,00001

mmHg (Torricelli)760 51,71 735,514 750,061 1 73,5514 25,4 0,007500617

mH2O10,33 0,70307 10 10,195 0,0136 1 0,34534 0,0001

inHg29,92 2,04 28,9572 29,53 0,03937 2,89572 1 0,000295

Pa101325 6894,8 98066,5 10000 133,3224 9803,1176 3386,5 1

1 0,068 0,96778 0,9869 0,001315789 0,08678 0,03342 9,869E-06

0,07031 1 1,02 0,00135951 0,1 0,03453 1,02E-05

Tabela 2 Converso de Unidades: Presso

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

10

Curso de Compressores de Ar e de GasesQuando medimos presso (P), devemos ter a preocupao de informar com qual tipo de presso estamos trabalhando: presso relativa ou presso absoluta. O esquema a seguir apresenta os tipos de presses, ressaltando que as nossas referncias sempre sero a presso atmosfrica ao nvel do mar e a ausncia de presso (zero absoluto).

Figura 7 Equivalncia entre unidades de presso

O aparelho mais utilizado para medir presso o manmetro de Bourdon. Porm, ele indica apenas a presso relativa, no registra a presso atmosfrica. Para obter a presso absoluta, necessrio somar presso atmosfrica ao valor o valor indicado no manmetro. Observe o exemplo Considerando 1 atm = 1 bar = 1 kgf/cm2, e 1 atm = 14,6959 psi, o manmetro indicar: Presso RELATIVA 3 atm 8 bar 5 kgf/cm2 2 psi Presso ABSOLUTA 3 atm + 1 atm = 4 atm 8 bar + 1 atm = 9 bar 2 5 kgf/cm + 1 atm = 6 kgf/cm2 2 psi + 1 atm = 16,69 psi

Tabela3 Presso Relativa e Presso Absoluta

1.6. Presso AtmosfricaAgora, conhea a experincia do fsico italiano Torricelli, de onde vem o nome de barmetro de Torricelli, e entenda o conceito de presso atmosfrica. Definio: Presso atmosfrica a presso exercida por uma coluna de mercrio de 76 cm de altura, a 0 C, ao nvel do mar.

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

11

Curso de Compressores de Ar e de GasesTorricelli usou um tubo de vidro com cerca de 1 m de comprimento e um dos extremos fechados. Encheu-o de mercrio e tampou o outro extremo com o dedo. Depois inverteu o tubo e mergulhou-o num recipiente tambm com o mercrio. Quando retirou o dedo, o lquido desceu at atingir determinada altura, formando uma coluna. A coluna de mercrio manteve-se em equilbrio pela presso atmosfrica exercida sobre a superfcie do mercrio no recipiente. Medindo essa coluna, ao nvel do mar, Torricelli constatou que media 76 cm, a partir do nvel de mercrio no recipiente.Figura 8 Experincia de Torricelli

1.7. Unidades de VazoDefinio Vazo (Q) o volume (V) de fludo (gs ou lquido) que passa por uma seo em um determinado tempo (t). No Sistema Internacional de Unidades SI as principais unidades de vazo so: metro cbico por hora (m/h), metro cbico por minuto (m/min), centmetro cbico por minuto (cm/min), centmetro cbico por segundo (cm/s), decmetro cbico por minuto (dm/min), e decmetro cbico por segundo (dm/s). As unidades de vazo mais utilizadas so as do Sistema Internacional de Unidades. Porm, existem outras. Outras unidades do sistema ingls ainda so usadas, como o: galo por minuto (gal/min), e ps cbicos por minuto (p/min) Poderemos calcular a vazo aplicando a seguinte equao:

Onde: Q Vazo V Volume t Temperatura A vazo dada em m/h, o volume dado em m3 e o tempo dado em hora (h).

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

12

Curso de Compressores de Ar e de Gases

Fique atento as unidades inglesas de vazo, pois muitas vezes so representadas de forma equivocada. comum encontrar em catlogos de fabricantes de mquinas e equipamentos unidades expressas das seguintes formas: pcm ou cfm (cubic feet per minute) que traduzido significa ps cbicos por minuto, que so as iniciais da primeira sigla. Conhea a representao correta dessas unidades: cfm (cubic feet per minute) - Representao correta = ft/min, e; pcm (ps cbicos por minuto) - Representao correta = ps/min.

Normal Metro Cbico por Hora (Nm/h)Alguns fabricantes expressam a vazo volumtrica de seus compressores em Nm/h (Normal Metro Cbico por Hora), em SCFM (Standard Cubic Feet per Minute) ou em NPCM (Normal Ps Cbicos por Minutos). As vazes em Nm/h e em SCFM, que tm o mesmo significado que NPCM, so vlidas para condies ambientais padronizadas. Conhea estas condies: Unidade de medidas Nm3/h Nvel do mar 1,013 bara 0 C 0,00% SCFM Nvel do mar 14,69 psia 60 F (15,5 C) 0,00%

Varivel Altitude Presso Temperatura Umidade Relativa

Tabela 4 Condies ambientais Nm/h SCFM

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

13

Curso de Compressores de Ar e de GasesConhea a equivalncia entre as principais unidades de medida de vazo:Tabela de converso de unidades (VAZO)m /h 1 m /h 1 m /min 1 dm /min 1 dm /s 1 cm /min 1 cm /s 1 gal/min 1 p /min3 3 3 3 3 3 3 3

m /min 0,01667 1 0,001 0,06 0,000001 0,00006 0,003785 0,02832

3

dm /min 16,6667 1000 1 60 0,001 0,06 3,7854 28,3168

3

dm /s 0,2778 16,6667 0,01667 1 0,0000166 0,001 0,0631 0,47195

3

cm /min 16666,6667 1000000 1000 60000 1 60 3785,4118 28316,847

3

gal/min 4,4029 264,1721 0,2642 15,8503 0,00026 0,0159 1 7,4805

p /min 0,5886 35,3147 0,03531 2,1189 3,53 x 10-05 0,00212 0,1337 1

3

1 60 0,06 3,6 0,00006 0,0036 0,2271 1,6990

Tabela 5 Converso de unidades: Vazo

Em sistemas pneumticos, considere os seguintes conceitos: Presso (P) sinnimo de Fora(F), ou seja, para alterar a fora, basta aumentar ou diminuir a presso. Vazo (Q) sinnimo de Velocidade (v). Isso significa que para alterar a velocidade, basta aumentar ou diminuir a vazo.

1.8. Escalas de TemperaturaOutra grandeza importante que devemos considerar a temperatura, que tambm pode ser representada de maneira diferente, de acordo com a escala. No estudo dos gases, a temperatura expressa em kelvin, na escala tambm conhecida como escala de temperatura absoluta. As escalas de temperatura mais usadas so: graus Celsius (C), graus Fahrenheit (F), e Kelvin (K)

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

14

Curso de Compressores de Ar e de GasesObserve as diferenas entre as escalas representadas na figura.

Figura 9 Escalas de temperatura

Com base nos dados dos esquemas, obtemos a equao de converso entre as trs escalas. Equao de converso:

Simplificando os valores dos denominadores por 20, teremos:

1.9. Leis Fsicas dos GasesNo processo de produo do ar comprimido, devemos considerar, tambm, as transformaes de estado dos gases. Podemos compreender estas transformaes por meio das leis fsicas dos gases. As leis de Boyle-Mariotte, Charles e Gay Lussac referem-se a transformaes de estado dos gases, nas quais uma das variveis fsicas permanece constante. Existem trs tipos de transformaes: ISOMTRICAS (volume constante), ISOBRICAS (presso constante) e ISOTRMICAS (temperatura constante).

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

15

Curso de Compressores de Ar e de Gases 1.9.1. Lei de Boyle Mariotte

De acordo com a Lei Boyle Mariotte, para uma transformao Isotrmica (de mesma temperatura) o volume de um gs armazenado inversamente proporcional presso absoluta. Isto , o produto da presso absoluta pelo volume constante para certo volume de gs. Veja o exemplo a seguir. p1 . v1 = p2 . v2 = constante

Figura 10 Transformao isotrmica

Exemplo Um volume V1 = 1 m, sob ao da Fora F1, tem presso p1 = 1 bar e reduzido pela Fora F2 para Volume V2 = 0,5 m, mantendo-se a Temperatura (t) constante. De forma anloga ocorre para o volume V3 e presso P3. p1 . v1 = p2 . v2 = p3 . v3 = constante

Figura 11 Reduo do volume e aumento da presso do ar

O volume V1 ser ainda comprimido pela fora F3 para o volume V3 = 0,05 m, resultando uma presso de:

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

16

Curso de Compressores de Ar e de Gases

Os termos de comparao para este exemplo foram considerados a partir de P = 1 bar e V = 1 m 3

1.9.2.

Lei de Gay-Lussac

De acordo com a Lei de Gay-Lussac, para determinada quantidade de gs, submetida a presso constante (transformao isobrica), o volume do ar se altera quando h oscilaes de temperatura.

Considerando que qualquer gs, mantido sob presso constante, aumenta 1/273 de seu volume sempre que a temperatura aumentar de 1 k, temos:

Vt1 = Volume na temperatura t1 Vt2 = Volume na temperatura t2 Exemplo: O volume de 0,8 m de ar com temperatura T1 = 293 k (20 C) ser aquecido para T2 = 344 k (71C). Qual ser o volume final (V2)?

Figura 12 Aquecimento e volume do ar

Acompanhe o clculo:

O ar se expandiu em 0,14 m, resultando um volume final de 0,94 m

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

17

Curso de Compressores de Ar e de Gases 1.9.3. Lei de CharlesDe acordo com a Lei de Charles, mantendo o volume constante e variando a temperatura de uma massa gasosa confinada a um recipiente, a presso tambm apresentar variao diretamente proporcional temperatura absoluta (transformao isomtrica).

Exemplo Certo volume de ar, a uma temperatura T = 293 k (20 C) e presso P1 = 1 bar, foi aquecido para T = 586 k (313 C). Qual ser a presso final P2?

Figura 13 Aquecimento e presso do ar

Acompanhe o clculo:

Sempre que aplicarmos unidades de volume (V) e vazo (Q), devemos especific-las em relao a uma condio padronizada denominada condio padro ou condio normal de presso e temperatura. Esta condio padro refere-se temperatura de 273,16 K e presso atmosfrica, ou seja, 1,013 bar. 1 m normal de ar (1 Nm) igual a 1 m de ar a uma temperatura de 273 k (0 C) e uma presso de 1,013 bar (presso normal do ar ao nvel do mar).

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

18

Curso de Compressores de Ar e de Gases 1.10. Transformaes GasosasOs gases podem ter suas caractersticas alteradas de acordo com algumas variveis. As transformaes gasosas so as variaes de volume, presso e temperatura sofridas por uma determinada massa gasosa. Para o estudo das caractersticas fsicas de um gs temos de considerar: Temperatura (T) Presso (p) Variveis de estado Volume (v) Entenda como so classificadas as transformaes que ocorrem com os gases, suas caractersticas e como se relacionam.

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

19

Curso de Compressores de Ar e de Gases

Figura 14 Transformaes Gasosas

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

20

Curso de Compressores de Ar e de Gases 1.11. Rentabilidade do Ar ComprimidoQuando falamos sobre as desvantagens do ar comprimido, dissemos que ele um elemento relativamente caro. Mas o seu uso pode ser otimizado. Esta a razo de considerarmos tambm os custos gerais acumulados no processo para chegarmos rentabilidade real do ar comprimido. Para calcular a rentabilidade do ar comprimido, devemos considerar os custos da energia empregada e, tambm, que esse investimento ser compensado quando o equipamento passar a produzir em ritmo mais econmico, em razo da automatizao, barateando o produto. A seguir, voc ver um exemplo de aplicao prtica do ar comprimido e poder constatar, pelos resultados, como o seu uso vantajoso. Exemplo: Vamos supor que uma carga tenha de ser transportada e que, para essa operao, disponhamos de operrios e tambm de 1 m3 de ar comprimido (corresponde a 1000 l) que sero distribudos para os dois cilindros pneumticos.

Figura 15 Aplicao do ar comprimido

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

21

Curso de Compressores de Ar e de GasesBaseado nesses dados, e nas curvas de consumo dos fabricantes de atuadores, conclumos que sero necessrios em torno de 5 8 litros de ar para movimentar os atuadores. Esse exemplo mostra que com emprego do ar comprimido, podemos reduzir a utilizao do trabalho braal, principalmente em reas insalubres e em condies perigosas. O que leva tambm a uma reduo no custo do produto.

Rentabilidade do Ar Comprimido Com 1000 l de ar (1m3), e o consumo de 5 l para o trabalho de movimentao das caixas, podemos concluir que: Isso significa que com um metro cbico de Ar (1 m3), podemos movimentar (levantar e empurrar) 200 volumes em um sistema de esteira transportadora.Figura 16 Rentabilidade do ar comprimido

Para transportar os mesmos 200 volumes de 50 kg cada um, seriam necessrias algumas horas de trabalho e esforo fsico de vrios operrios.

1.12. Escape de ArO trabalho com ar comprimido vantajoso, porm os custos podem crescer consideravelmente se ocorrer vazamento na rede distribuidora. Acompanhe este exemplo Ao constatar irregularidade no funcionamento de uma linha de produo acionada a ar, verificou-se que havia um vazamento na tubulao. Foram levantados a presso do ar e o dimetro do furo na tubulao, sendo presso de ar = 6 bar e dimetro do furo = 3,5 mm

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

22

Curso de Compressores de Ar e de Gases

Figura 17 Vazamento na tubulao de ar comprimido

Para saber qual o volume de ar perdido com um vazamento, preciso consultar o diagrama de escape de ar, onde est registrado o volume de ar que pode escapar por uma abertura, a uma determinada presso. Basta, ento, que voc tenha dimetro do furo e a presso do ar.

Figura 18 Diagrama de escape de ar

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

23

Curso de Compressores de Ar e de Gases Referncias Bibliogrficas

ATLAS COPCO, Compressed Air Manual, 6th Edition, Sweden, 2010. BOSCH, Tecnologia de ar comprimido, So Paulo, 2008. CAGI, John P. Rollins, editor; Compressed Air and Gas Handbook, Fifth edition, 1989. CROSER, Peter; EBEL, Frank; Pneumtica: nvel bsico, Festo Didactic, Alemanha, 2002. FORDEL, Piet. Compressed air manual. 7th Edition, Atlas Copco Airpower, Belgian, 2011 International Standard ISO-7183 - Compressed air dryers Specifications and testing, 1st Edition, 1986 International Standard ISO-8573-1, Compressed air for general use Part 1: contaminants and quality classes, 1st Edition, 1991. Manual de tratamento do ar comprimido. Disponvel em http://www.fargon.com.br/literatura.htm. Acesso em 06/08/2011. METALPLAN, Manual de Ar Comprimido, 4 Edio, 2010. MOREIRA, Ilo da Silva; Compressores: instalao, funcionamento e manuteno. SENAI/SP. So Paulo. 1991. NBREGA, Paulo Roberto Leite; Manuteno de compressores alternativos e centrfugos, Sinergia IBP, Rio de Janeiro, 2011. PARKER TRAINING. Dimensionamento de redes de ar comprimido. So Paulo, 2006. ROLINS,Jonh P.; Manual do ar comprimido e gases, Editora Prentice Hall, So Paulo, 2004. ROLLINS, John P.; Compressor Air and Gas Institute Handbook, 1989. SCHULZ. Compressores Alternativos de Pisto 2, Schulz, Joinville, 2003. SCHULZ. Tratamento e aplicao do ar comprimido, Schulz, Joinville, 2002.

SENAI SP 2011. Todos os direitos reservados

-

24