Click here to load reader

04 Arte Pre-historica

  • View
    3

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

A arte na pré história e as primeiras civilizações.

Text of 04 Arte Pre-historica

  • ARGAN, Giulio Carlo. Histria da Arte Italiana 1 / da Antigidade a Ducio. So Paulo. Cosac & Naify, 1998.

    BENEVOLO, Leonardo. As Origens da Arquitetura. Lisboa: Edies 70, 2002.

    GOMBRICH, F. H. A Histria da Arte. 16 ed. Lisboa: LTC, 1998.

    HAUSER, Arnold. Histria Social da Literatura e da Arte. V 1. 3 ed. So Paulo. Mestre Jou, 1982.

    JANSON, H. W. Histria Geral da Arte. So Paulo. Martins Fontes, 1993.

    LOMMEL, Andreas, A Arte Pr-histrica e Primitiva. O mundo da Arte. Livraria Jos Olympio Editora/ Editora Expresso e Cultura. Rio de Janeiro. 1966.

    RIKWERT, Joseph. A Casa de Ado no Paraso. So Paulo, Pesrspectiva, 2003.

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    BIBLIOGRAFIA

    Biso. 15000 a 1000 a.C.

    Altamira, Espanaha.

  • O animal apenas utiliza a Natureza, nela produzindo modificaes

    somente por sua presena; o homem a submete, pondo-a a servio de

    seus fins determinados, imprimindo-lhe as modificaes que julga

    necessrias, isto , domina a Natureza. E esta a diferena essencial e

    decisiva entre o homem e os demais animais; e, por outro lado, o

    trabalho que determina esta diferena

    F. Engels

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

  • PALEOLTICO INFERIOR

    aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.C.;

    primeiros homindios (250.000 a.C.);

    caa e coleta; controle do fogo;

    instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos:

    facas, machados.

    PALEOLTICO SUPERIOR

    Aproximadamente 30.000 a. C.

    instrumentos de marfim, ossos, madeira e pedra:

    machado, arco e flecha, lanador de dardos, anzol e

    linha; e desenvolvimento da pintura e da escultura.

    - Neoltico

    instrumentos de pedra polida, enxada e tear;

    incio do cultivo dos campos;

    artesanato: cermica e tecidos;

    construo de pedra; e

    primeiros arquitetos do mundo.

    - Idade dos Metais

    aparecimento de metalurgia;

    aparecimento das cidades;

    inveno da roda;

    inveno da escrita; e

    arado de bois. Stios pr-histricos europeus

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    ETAPAS PR-HISTRICAS

  • O homem e o seu ambiente formam-se

    juntos, no longo inverno do Paleoltico

    A capacidade de interagir com o ambiente e

    de modific-lo de algum modo em seu

    proveito prpria do homem. Depende das

    transformaes anatmicas e fisiolgicas do

    organismo humano, e contribui para orientar

    essas transformaes. Torna-se assim um

    fator constituinte da condio humana.

    Podem-se apontar trs aspectos transpostos

    no perodo Paleoltico (de 2.700.000 a 10.000

    a.C.):

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    AS ORIGENS DA ARQUITETURA

  • A capacidade de colocar a si prprio e aos objetos

    exteriores num espao unitrio.

    A conscincia de si e do mundo circunstante a centelha,

    escondida no crebro humano, que impossvel situar num

    tempo exato. O seu carter universal torna possvel

    simultaneamente a compreenso reflexa das situaes

    reais, presentes ou passadas, e a simulao de situaes

    ainda no existentes.

    Funda a atividade projetual, o circuito entre a realidade

    existente e a imaginada. A arquitetura o conjunto das

    intenes e das intervenes sobre o ambiente fsico, que

    tendem a formar um sistema em virtude de sua durao no

    tempo.

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    AS ORIGENS DA ARQUITETURA

    Cabanas pr-histricas segundo Caramuel

  • A capacidade de colocar num suporte fsico as

    imagens de qualquer objeto visvel.

    A funo dessas imagens pode apenas ser conjecturada,

    mas secundria. O que conta a possibilidade de

    captar a forma de uma realidade passada, e de passar

    de uma forma imaginada a uma nova realidade ainda

    no existente.

    A partir desse momento, as evolues do pensamento

    concentram-se no ambiente fsico, tornando-se

    operantes no presente e no futuro.

    Nasce o projeto como ainda hoje o compreendemos,

    composto de uma gama de instrumentos, desde as

    incises na pedra at as modulaes magnticas

    contidas nos computadores de hoje.

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    AS ORIGENS DA ARQUITETURA

    Incises de espirais provenientes de Grange, Irlanda: 2000 a.C.

  • A capacidade de denotar simbolicamente, e de

    indicar aos outros, os objetos de todos os tipos.

    A representao simblica tem um papel fundamental

    na difuso da realizao de projetos. A possibilidade

    de representar um objeto complexo atravs de apenas

    uma parte das suas caractersticas, e de estabelecer a

    relao das caractersticas pr-selecionadas com o

    objeto completo, cria a economia mental do

    pensamento e da capacidade de ao humana. A

    linguagem e, posteriormente, a escrita so patrimnio

    da coletividade e podem ser transmitidos no espao e

    no tempo.

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    AS ORIGENS DA ARQUITETURA

  • Caverna: Lascaux, Frana (15.000 a 10.000 a.C)

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    AS ORIGENS DA ARQUITETURA

  • Paleoltico Superior - a principal

    caracterstica dos desenhos da Idade da

    Pedra Lascada o naturalismo. O

    artista pintava os seres, um animal, por

    exemplo, do modo como o via de uma

    determinada perspectiva, reproduzindo

    a natureza tal qual sua vista captava.

    Os artistas do Paleoltico Superior

    realizaram tambm trabalhos em

    escultura. Mas, tanto na pintura quanto

    na escultura, nota-se a ausncia de

    figuras masculinas. Predominam figuras

    femininas, com a cabea surgindo como

    prolongamento do pescoo, seios

    volumosos, ventre saltado e grandes

    ndegas.

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    AS ORIGENS DA ARQUITETURA

  • Atualmente, a explicao mais

    aceita que essa arte era

    realizada por caadores, e que

    fazia parte do processo de magia

    por meio do qual procurava-se

    interferir na captura de animais,

    ou seja, o pintor-caador do

    Paleoltico supunha ter poder

    sobre o animal desde que

    possusse a sua imagem.

    Acreditava que poderia matar o

    animal verdadeiro desde que o

    representasse ferido

    mortalmente num desenho.

    Utilizavam as pinturas rupestres,

    isto , feitas em rochedos e

    paredes de cavernas. O homem

    deste perodo era nmade.

    Cavalo: Lascaux, Frana (15.000 a 10.000 a.C)

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    AS ORIGENS DA ARQUITETURA

  • As grandes marcas coloridas do interior

    e em volta do contorno dos cavalos

    selvagens visavam provavelmente a

    aumentar a fertilidade dos animais.

    Os aborgenes australianos ainda fazem

    incises rupestres formadas por uma

    aglomerao de pontos, ou as fazem em

    pedras sob pinturas rupestres, com o

    intuito de "destruir o poder espiritual

    da pedra".

    No se sabe qual seria o significado das

    impresses em negativo de mos

    humanas, mas quase certamente

    estavam ligadas aos ritos propiciat6rios

    da caa.

    Cavalos. 20.000 a.C.

    Pintura rupestre. 3,40 m (Peach-Merle, Frana)

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    AS ORIGENS DA ARQUITETURA

  • Apesar da escala diminuta, a sucesso

    dessas figuras ao longo da parede

    rochosa produz impresso das mais

    realistas.

    As cavernas de Altamira contm as

    obras-primas do estilo da Era Glacial, e

    o efeito de fora slida obtido atravs

    de traos despojados e de cores

    impressionistas antecipa as tcnicas de

    muitos pintores do sc. XX.

    Biso. 12.000 a.C. Pintura rupestre. Comp. 80 cm. Altamira, Espanha.

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    AS ORIGENS DA ARQUITETURA

  • Esta cena vvida e sangrenta pode ser

    explicada atravs de lendas

    xamanistas que sobreviveram na

    Sibria at tempos recentes. Dois

    xams rivais travam combate, um

    disfarado em biso e o outro com

    uma cabea de ave.

    A vara encimada por uma figura de

    ave indica que o "esprito-guia" do

    xam prostrado apareceu em forma

    de ave.

    Uma lana parece ter perfurado o

    flanco do biso, cujas entranhas

    brotam da ferida.

    Homem com mscara de cabea de ave atacado por um biso ferido. 15.000-10.000 a.C. Pintura rupestre. Alt., 1,40 m. Lascaux, Frana.

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    AS ORIGENS DA ARQUITETURA

  • Essa vigorosa imagem uma das mais antigas esculturas

    em pedra do nu feminino da histria da arte.

    As concepes clssicas da beleza humana ideal no

    tm validade para explicar sua significao e

    peculiaridades; da mesma forma, seu naturalismo

    inabalvel no pode ser equacionado como fidelidade

    natureza, pois a cabea e as mos so apenas

    esboadas.

    A carnao flcida e os seios cados representam um

    tipo generalizado de nutriz e enfatizam a fertilidade.

    Tal como nas estatuetas de marfim das "Vnus" de

    WilIendorf e outras, o artista julgou sem importncia os

    detalhes pessoais do rosto e das mos.

    O chifre (cheio de sangue) est ligado aos mitos da

    "senhora dos animais", uma deusa que tem ascendncia

    sobre os animais e os conduz aos caadores.

    A "Vnus de Laussel", c. 15.000-10.000 a.C. Relevo rupestre. Alt., 46 cm. Muse d'Aquitaine, Bordeaux.

    Arte e Arquitetura Pr-histrica e Primitiva

    AS ORIGENS DA ARQUITETURA