Click here to load reader

28409956 Matriz Curricular Ensino Fundamental

  • View
    156

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 28409956 Matriz Curricular Ensino Fundamental

ORIENTAES CURRICULARES

ENSINO FUNDAMENTAL Sries e Anos Finais

Governador do Distrito Federal Jos Roberto Arruda

Secretrio de Estado de Educao Jos Luiz da Silva Valente

Secretria-Adjunta Eunice de Oliveira Ferreira Santos

Subsecretria de Educao Bsica Ana Carmina Pinto Dantas Santana

Sumrio Orientaes Curriculares Introduo .............................................................. 6 Arte Apresentao ......................................................... 9 Artes visuais 6 ANO / 5 SRIE ............................................... 10 7 ANO / 6 SRIE ............................................... 11 8 ANO / 7 SRIE ............................................... 12 9 ANO / 8 SRIE ............................................... 13 Teatro 6 ANO / 5 SRIE ............................................... 14 7 ANO / 6 SRIE ............................................... 15 8 ANO / 7 SRIE ............................................... 16 9 ANO / 8 SRIE ............................................... 17 Msica 6 ANO / 5 SRIE ............................................... 18 7 ANO / 6 SRIE ............................................... 19 8 ANO / 7 SRIE ............................................... 20 9 ANO / 8 SRIE ............................................... 21 Lngua Portuguesa Apresentao ....................................................... 22 6 ANO / 5 SRIE ............................................... 26 7 ANO / 6 SRIE ............................................... 32 8 ANO / 7 SRIE ............................................... 39 9 ANO / 8 SRIE ............................................... 46 Educao Fsica Apresentao ....................................................... 54 6 ANO / 5 SRIE ............................................... 55 7 ANO / 6 SRIE ............................................... 56 8 ANO / 7 SRIE ............................................... 57 9 ANO / 8 SRIE ............................................... 58 Geografia Apresentao ....................................................... 59 6 ANO / 5 SRIE ............................................... 61 7 ANO / 6 SRIE ............................................... 63 8 ANO / 7 SRIE ............................................... 65 9 ANO / 8 SRIE ............................................... 67 LEM - Lngua estrangeira moderna Apresentao ....................................................... 79 Ingls 6 ANO / 5 SRIE ............................................... 80 7 ANO / 6 SRIE ............................................... 82 8 ANO / 7 SRIE ............................................... 84 9 ANO / 8 SRIE ............................................... 86 Espanhol 6 ANO / 5 SRIE ............................................... 89 7 ANO / 6 SRIE ............................................... 91 8 ANO / 7 SRIE ............................................... 93 9 ANO / 8 SRIE ............................................... 95 Francs 6 ANO / 5 SRIE ............................................... 97 7 ANO / 6 SRIE ............................................... 99 8 ANO / 7 SRIE ............................................. 101 9 ANO / 8 SRIE ............................................. 104 Cincias Naturais Apresentao ..................................................... 107 6 ANO / 5 SRIE ............................................. 109 7 ANO / 6 SRIE .............................................. 111 8 ANO / 7 SRIE ............................................. 112 9 ANO / 8 SRIE ............................................. 114 Matemtica Apresentao ..................................................... 116 6 ANO / 5 SRIE ............................................. 122 7 ANO / 6 SRIE ............................................. 126 8 ANO / 7 SRIE ............................................. 130 9 ANO / 8 SRIE ............................................. 133 Histria Apresentao ....................................................... 69 6 ANO / 5 SRIE ............................................... 71 7 ANO / 6 SRIE ............................................... 73 8 ANO / 7 SRIE ............................................... 75 9 ANO / 8 SRIE ............................................... 77

Aos Professores,

com orgulho que apresento o presente documento, Orientaes Curriculares da Educao Bsica do Distrito Federal, cujo objetivo nortear o processo de ensino e aprendizagem em nossas escolas a partir do ano letivo de 2009. Este documento concretiza a misso da SEDF de atuar de forma eficiente e eficaz no desenvolvimento de estratgias que garantam o direito da populao do Distrito Federal Educao Bsica de qualidade, respeitando e potencializando as diferenas para o exerccio pleno da cidadania. Destinado aos professores e equipes tcnicas, o resultado de uma construo coletiva que envolveu docentes de todas as DREs Diretorias Regionais de Ensino, durante o segundo semestre de 2008, concomitantemente elaborao do SIADE, Sistema de Avaliao do Desempenho das Instituies Educacionais do Sistema de Ensino do Distrito Federal. A ideia central deste projeto o trabalho compartilhado, a reflexo solidria e a aprendizagem em parceria, para que na prtica do dia a dia o corpo docente desta Rede de Ensino possa atualizar e aprimorar seu fazer de modo democrtico dentro do marco de nossa poltica de Gesto Compartilhada. Desejo a todos ns a continuidade de um excelente trabalho.

JOS LUIZ DA SILVA VALENTE Secretrio de Educao do Distrito Federal

Orientaes CurricularesEducao Bsica Ensino Fundamental Sries e Anos Finais IntroduoO principal objetivo da educao bsica preparar o aluno para o exerccio da cidadania, por meio da socializao no espao escolar de conhecimentos, competncias, habilidades, valores e atitudes. Seus princpios estruturantes so: a diversidade de experincias e vivncias pessoais dos alunos; a resoluo de problemas de diferentes tipos; o domnio da palavra escrita como ferramenta para compreender o mundo; o conhecimento como recurso para tomar decises. Isso implica necessariamente a deciso sobre quais contedos devem ser ensinados e aprendidos na escola, ou seja, como a instituio educacional vai desenvolver e organizar seu currculo, como um conjunto de atividades sistemticas de ensino-aprendizagem que visam a atender os objetivos e princpios previstos para a educao escolar. Os contedos escolares refletem os significados e valores culturais e sociais que foram e so construdos no infinito processo de interao do homem com o mundo natural e social. Esses contedos so atualizados nas prticas de sala de aula quando o professor escolhe as metodologias mais adequadas para a aprendizagem, os recursos didticos, os processos de avaliao e recuperao. Os contedos, quando associados s competncias e habilidades que os alunos desenvolvem para transform-los em conhecimento, podem ser expressos em termos das expectativas de aprendizagem, ou seja de um conjunto de fazeres e saberes possveis a partir da apropriao destes contedos, no apenas como algo que se repete na memria como o que resulta de operaes mentais simples ou complexas que envolve obrigatoriamente os sujeitos da aprendizagem- os alunos. Desta forma, ao apresentarmos os contedos relacionados s aprendizagens que esperamos que nossos alunos desenvolvam, estamos tambm relacionando-as s reais possibilidades de construo de conhecimentos dos alunos em suas diferentes etapas de desenvolvimento cognitivo, afetivo, relacional. O professor o condutor desse desenvolvimento pessoal, por isso sua funo indispensvel nesse processo. Isso inclui um plano, anteriormente elaborado, e uma avaliao desse plano para que ele possa compreender o desenvolvimento de cada aluno em particular e rever a sua ao em sala de aula. A indicao de expectativas de aprendizagem pelo sistema de ensino do Distrito Federal procura responder s solicitaes dos educadores da rede que buscam referenciais comuns para organizar, acompanhar e implementar os projetos poltico-pedaggicos das escolas. O documento ora apresentado colabora nesse sentido uma vez que apresenta expectativas de aprendizagem detalhadas por srie / ano dos ensinos fundamental e mdio para todos os componentes curriculares previstos no currculo. As expectativas no substituem os planos dos professores, pois esses so singulares e refletem as diversas realidades locais que devem ser consideradas pela instituio educacional. A indicao das expectativas de aprendizagem busca auxiliar na definio desses planos dos professores. Elas foram articuladas considerando os seguintes critrios indicados no currculo do Distrito Federal: A relevncia social e cultural da aprendizagem dos contedos escolares O construto das disciplinas A relao didtica entre os componentes curriculares6 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

A potencialidade de desenvolvimento de competncias e habilidades comuns pelos alunos em cada faixa etria A leitura e escrita como responsabilidade de todos os componentes curriculares. As expectativas refletem aquilo que se espera que os alunos aprendam na escola, traduzindo em prticas os objetivos e princpios previstos nos documentos curriculares organizados pelo Distrito Federal. As expectativas apresentam quatro funes bsicas: 1. Constituem referenciais para a realizao de avaliao diagnstica dos conhecimentos j dominados (ou no) pelos alunos em cada ano / componente curricular, levando-se em conta a implantao do novo currculo. 2. So indicadores de acompanhamento das aprendizagens bsicas dos alunos ao longo dos anos escolares, procurando garantir que elas se consolidem, e indicando a necessidade de processos de recuperao. 3. So referenciais mnimos para a anlise das aprendizagens esperadas e consolidadas dos alunos e as necessidades de reviso do planejamento, inclusive avaliando o grau de implantao do prprio currculo oficial proposto. 4. Oferecem maior clareza entre os elos que interligam o currculo proposto pela SEDF e as Matrizes de Referncia para a Avaliao do Sistema de Avaliao do Desempenho das Instituies Educacionais do Sistema de Ensino do Distrito Federal- SIADE. Estas Orientaes Curriculares, ora apresentadas, sero discutidas ao longo dos anos letivos de 2009 e 2010, junto aos professores regentes, para que possamos, no incio do ano letivo de 2011, disponibilizar o Currculo da Educao Bsica para todos os profissionais, que atuam na Rede Pblica de Ensino do Distrito Federal, observadas as sugestes emanadas dos citados professores, a partir da realidade observada no cotidiano da sala de aula. Competncias da Educao Bsica 1. Percepo de si como pessoa, pertencente a um grupo social, em suas diversidades, capaz de relacionarse e de intervir nas prticas sociais, culturais, polticas e ambientais, consciente de seus direitos e deveres. 2. Apreenso da norma padro da lngua portuguesa e a compreenso de suas variedades lingusticas e de vrias linguagens: corporal, verbal e escrita, literria, matemtica, artsticas, cientfica, tecnolgica, filosfica e miditica, na perspectiva do letramento, bem como acesso ao conhecimento de uma lngua estrangeira, construindo e aplicando conceitos, para entender a si prprio e ao mundo, e ampliar sua viso, contribuindo para sua plena participao social. 3. Conhecimento e compreenso das semelhanas e diferenas culturais, religiosas, tnico-raciais, geracionais e de gnero, a fim de valorizar a sociodiversidade, ampliar a capacidade crtico-reflexiva, articulada formao para o mundo do trabalho, priorizando a tica, o desenvolvimento da autonomia e do pensamento. Competncias definidas para o Ensino Fundamental 1. Apropriao de conhecimentos, articulando-os e aplicando-os para elaborao de propostas que possam intervir na realidade, desenvolvendo a cooperao, coletividade, solidariedade e cidadania. 2. Compreenso das diferentes linguagens: corporal, verbal/escrita, matemtica e artstica, cientfica e tecnolgica, na perspectiva do letramento, construindo e aplicando conceitos das vrias reas de conhecimento para entender o mundo e a plena participao social. 3. Identificao das semelhanas e diferenas culturais, religiosas, tnico-raciais e de gnero, valorizando a sociodiversidade e opondo-se excluso social e discriminao.Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 7

4. Compreenso dos fenmenos naturais, dos processos histrico-geogrficos, da produo tecnolgica e cientfica e das manifestaes socioculturais colocando-se como sujeito que observa, investiga e transforma as situaes e, com isso, transforma a si mesmo. 5. Interpretao, seleo e organizao de informaes e dados apresentados por diferentes fontes para decidir e resolver situaes-problema. Da organizao do documento Com base no currculo proposto para as Instituies Educacionais Pblicas do Distrito Federal (Braslia 2008), foram elaboradas algumas sugestes de modificao, com a devida argumentao terica que as justifica seja por supresso ou introduo de contedos; seja por sugesto de novo ordenamento de contedos nas sries. A partir do elenco de contedos propostos, foram indicadas as expectativas de aprendizagem para todos os anos e disciplinas dos ensinos fundamental e mdio. As expectativas de aprendizagem retomam os contedos e as habilidades indicados nesses documentos, no prisma de habilidades essenciais a serem desenvolvidas em cada componente curricular / ano escolar, de forma a indicar como o processo de ensino deve ser gerenciado para que ocorram devidamente as aprendizagens previstas no currculo ano a ano. As expectativas de aprendizagem definem os limites mnimos de aprendizagem dos alunos ao final de cada ano em cada componente curricular, considerando-se a implantao de fato em cada instituio educacional e srie/ano do currculo proposto para a rede de ensino do Distrito Federal. Para a definio e a organizao das expectativas, foram considerados, os documentos curriculares supracitados, os princpios curriculares indicados para a organizao das instituies educacionais pblicas do Distrito Federal, as habilidades e os contedos para os componentes curriculares e seus referenciais tericos e metodolgicos, que sero focos do processo de ensino-aprendizagem em sala de aula e assumidos na Proposta Pedaggica da Instituio educacional e no Plano de Ensino dos componentes curriculares. fundamental destacar, ainda, que os alunos aprendem aquilo que se ensina, e que a indicao das expectativas considera que sero utilizadas todas as formas possveis para garantir as aprendizagens previstas no currculo para o ano / srie nos componentes curriculares, inclusive os processos de recuperao de aprendizagem dos alunos. No inteno deste documento esgotar todas as possibilidades de aprendizagens dos alunos, mas delimitar as fundamentais para cada ano / componente curricular. Elas devem ser lidas com um contnuo de aprendizagens por ano/srie escolar, isto , a cada ano letivo o aluno deve saber mais, por exemplo, as aprendizagens indicadas para o sexto ano do ensino fundamental pressupem as aprendizagens dos cinco anos escolares anteriores. Convm ressaltar, que as aprendizagens indicadas se caracterizam como objetos observveis e permanentes (no so esquecidas pelos alunos), e uma vez consolidadas fazem parte da pessoa aluno. Elas podem ser observadas pelos professores quando o aluno demonstra em sala de aula, por exemplo, atitudes (ler um texto por interesse), procedimentos (reler o texto em busca de informaes) e conceitos (utilizar uma nomenclatura da rea para argumentar em prol de uma interpretao) aprendidos no espao de sala de aula.

8 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

ARTEApresentaoAs manifestaes e produes artsticas devem ser entendidas como objetos culturais. Foram construdas pelo homem ao longo de sua vida e carregam dentro de si inmeros significados que devem ser desvendados na escola. O estudo da Arte deve ser entendido como a reconstruo do prprio objeto artstico, suas condies de produo e recepo (autoria, finalidade, momento e lugar histrico da criao, materiais utilizados, recursos utilizados, agentes financiadores, pblico-alvo, comercializao, usos etc.). Cada objeto artstico tem uma histria que precisa ser recuperada para se dar um sentido a ele. Essa histria muda muito de acordo com o valor que se atribui socialmente a esse objeto, isso significa que esse objeto vai-se transformando e adquirindo a forma de um objeto cultural. O ensino de Arte na escola, em todos os anos escolares, respeitando a faixa etria dos alunos, tem por objetivos: ampliar as formas de ver e sentir os objetos artsticos; reconhecer outros objetos artsticos que no fazem parte de seu acervo imediato; preservar esses objetos como representao de culturas, de identidades, de patrimnio da humanidade. Enfim que o aluno desenvolva o letramento em Arte, aprendendo a dar significado aos seus objetos e, se possvel, produzi-los, com base nesse conhecimento. Semelhante aos estudos realizados em lngua portuguesa sobre os textos literrios (objetos de Arte), os alunos vo recuperar a intertextualidade desses objetos que vo alm do prprio do objeto. A Arte na escola deve ser vista como o direito de os alunos usufrurem o patrimnio artstico da humanidade, de terem acesso a ele, valorizando as experincias estticas como representaes culturais de luta e de construo de identidades em diferentes tempos e lugares e, ao mesmo tempo, reconstruindo-as frente s suas expectativas pessoais. O estudo da Arte faz parte de uma filosofia de mundo. Os contedos de Arte devem ser vistos como modos de ampliar o conhecimento de mundo do aluno. No h subordinao entre esses contedos se forem colocados em cheque com o carter transitrio da Arte, porque nunca um objeto artstico ser igual ao outro, envolvendo muitas leituras sujeitas perspectiva de quem l, porque aprendeu a ler. De incio, indica-se o estudo da Arte como linguagens construdas com cdigos e materiais prprios (artes visuais, musica, teatro e dana), de acordo com suas funes sociais. As artes visuais so identificadas por sua linguagem visual. A msica identificada por sua linguagem musical. O teatro identificado por sua linguagem teatral. A dana identificada por sua linguagem corporal. Considerando a conceituao dos Parmetros Curriculares Nacionais, as expectativas de aprendizagem relacionam-se ao desenvolvimento de habilidades relativas 1. Produo: percepo, experimentao, criao, produo. 2. Fruio ( apreciao): comunicao, leitura, compreenso anlise e interpretao. 3. Reflexo (contextualizao): pesquisa, reflexo, crtica, autocrtica. A faixa etria dos alunos um diferencial no desenvolvimento desses processos porque envolvem aspectos cognitivos, interesses pessoais, conhecimentos prvios. A seguir so apresentadas as expectativas de aprendizagem em cada um dos tpicos. A leitura das expectativas de aprendizagem deve considerar os contedos de ensino a que se referem. As expectativas de aprendizagem no pretendem reduzir os conhecimentos a serem ensinados / aprendidos, mas, sim, indicar os limites sem os quais o aluno teria dificuldades para prosseguir seus estudos, bem como participar ativamente na vida social.Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 9

COMPONENTE CURRICULAR: ARTES VISUAIS6 ANO/ 5 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos Ponto: ponto geomtrico, ponto grfico e ponto fsico; utilizao do ponto em produes visuais Linha: classificao e aplicao dos diferentes tipos de linhas quanto ao traado e forma Textura como elemento expressivo natural ou produzido e visual ou ttil Direo, movimento, ritmo, volume, proporo, equilbrio e simetria Espao bidimensional, tridimensional e noes de perspectiva A pintura rupestre brasileira: So Raimundo Nonato (PI); motivos naturalistas e motivos geomtricos; figuras antropomorfas e zoomorfas e as expresses rupestres de Lagoa Santa (MG) Estudo das matrizes culturais brasileiras (ndio, africano e europeu) e suas influncias na formao da arte, folclore, culinria e crendices nacionais A arte dos ndios brasileiros antes e aps o descobrimento do Brasil: a cermica marajoara e a cultura Santarm; a arte do tranado e a tecelagem; a cermica; a arte plumria e pintura corporal A histria da construo de Braslia: a arquitetura inovadora, o traado da cidade, principais monumentos artsticos e principais artistas. Os artistas pioneiros. As cidades do entorno de Braslia, os candangos, a criao da identidade cultural de Braslia. Pontos tursticos da cidade planejada. Os diversos grupos sociais e tnicos que compem a cultura de Braslia. Expectativas de aprendizagem Reconhecer a produo visual como produto cultural sujeito anlise e ao entendimento. Identificar e conhecer as produes visuais no perodo prcabraliano, classificado como arte rupestre brasileira. Reconhecer os elementos da linguagem visual nas manifestaes culturais indgenas e africanas. Reconhecer os elementos da linguagem visual nas manifestaes culturais indgenas e africanas. Identificar e entender as influncias e as interaes das produes visuais indgenas, negras e portuguesas do perodo colonial brasileiro ao Imprio. Identificar e conhecer os artistas do Distrito Federal, suas produes visuais, e a sua contribuio para a construo da identidade cultural do Distrito Federal. Identificar e compreender as manifestaes visuais, presentes nas cidades circunvizinhas, e suas contribuies para a construo da identidade cultural do Distrito Federal.

10 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

7 ANO/ 6 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos A arquitetura colonial arquitetura civil e religiosa. Tcnica de construo (taipa de pilo e construo com muros de pedras), as talhas, as pinturas e esculturas e seus grandes mestres A grande contribuio do negro no desenvolvimento e riqueza do Barroco colonial brasileiro. Mestre Atade e Aleijadinho. O Barroco como o primeiro estilo artstico brasileiro Tcnicas e prtica de gravura em geral, com especial nfase na xilogravura ilustrativa da literatura de cordel A contribuio de J. Borges xilogravura brasileira A arte popular brasileira As principais manifestaes visuais da Arte Popular Brasileira (colunas, carrancas, bonecos, tecelagem, etc) Expresses artsticas de Heitor dos Prazeres, Mestre Vitalino, Nh Caboclo, Arthur Pereira e outros Estudo dos elementos estticos da cultura afro-brasileira Expectativas de aprendizagem Identificar e compreender a produo visual como produto cultural sujeito anlise e ao entendimento. Pesquisar e elaborar formas pessoais de registro das atividades realizadas em artes visuais. Identificar nas produes visuais o uso dos elementos bsicos da linguagem visual que so utilizados para comunicar, esteticamente, sentido e significado. Conhecer, valorizar e respeitar os espaos reservados Arte, reconhecendo sua importncia para a construo e a preservao dos bens artsticos e culturais brasileiros. Identificar diferentes meios de comunicao, o uso e a apropriao das produes de artistas consagrados para veicular sentidos e significados. Identificar, respeitar e valorizar no mbito familiar, no escolar e no regional, a diversidade cultural. Investigar e identificar as diferentes representaes artsticas como linguagem esttica e comunicacional. Reconhecer e identificar a relao bsica entre o emissor, a obra e o espectador. Conhecer e utilizar os elementos bsicos da linguagem visual em diferentes possibilidades expressivas.

Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 11

8 ANO / 7 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos Renascimento principais caractersticas da arquitetura renascentista; o uso da perspectiva, do claro-escuro e o realismo da pintura; os ideais clssicos de beleza: o equilbrio da simetria e a regularidade de formas e cores; a criao de volumes e o jogo de luz e sombra da escultura renascentista resultante de uma interpretao cientfica da realidade. Obras dos grandes mestres do Renascimento Renascimento italiano; a temtica da pintura: fatos histricos, composies mitolgicas, nus, paisagens e retratos; o equilbrio da composio e a harmonia do colorido O nacionalismo e a valorizao da natureza As grandes transformaes na arte a partir do sculo XIX aos dias atuais; as novas tendncias estticas associadas s grandes transformaes sociais, cientficas e tecnolgicas A Semana de Arte Moderna e a busca de uma identidade cultural nacional O Modernismo Brasileiro aps a Semana da Arte Moderna O Expressionismo, o Cubismo e o Surrealismo no Brasil Expectativas de aprendizagem Compreender a arte como fato histrico contextualizado nas diversas culturas e pocas, conhecendo, respeitando e observando a sua constante mudana. Identificar o conhecimento de outras reas cientficas e artsticas utilizado nas produes visuais. Conhecer e utilizar os elementos bsicos da linguagem visual para realizar produes artsticas mediante a cultura estudada. Identificar as diferentes representaes artsticas como linguagem esttica e comunicacional. Identificar, nas produes visuais, o uso dos elementos bsicos da linguagem visual que so utilizados para comunicar, esteticamente, sentido e significados. Reconhecer e utilizar os procedimentos para anlise, entendimento e fruio de uma produo visual. Identificar as diferentes representaes artsticas como linguagem esttica e comunicacional. Conhecer, valorizar e respeitar os espaos reservados Arte, reconhecendo sua importncia para a construo e a preservao dos bens artsticos e culturais brasileiros.

12 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

9 ANO/ 8 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos Estudo dos meios de comunicao de massa e influncias no comportamento e mudanas sociais Introduo leitura da obra de arte: elementos bsicos da linguagem visual, estilo artstico e perodo histrico Introduo s novas tendncias da arte no sculo XX. A influncia e o domnio dos Estados Unidos na Arte Ps moderna A Op Art \ A Pop Art Arte concreta Expressionismo abstrato. Introduo s transformaes estticas e tecnolgicas da arte no sculo XX: Arte por Computador vdeo arte Arte Conceitual Hiperrealismo Mininal Art Instalaes Happening Body Art Arte Contempornea no Brasil e no Distrito Federal Expectativas de aprendizagem Reconhecer e utilizar os elementos bsicos da linguagem visual, no espao (bidimensional e tridimensional), em diferentes possibilidades expressivas. Identificar o conhecimento de outras reas cientficas utilizando as produes visuais. Identificar as funes bsicas dos profissionais (designer, pintor, escultor, cengrafo, iluminador e outros) relacionando s produes visuais. Identificar nos diferentes meios de comunicao, o uso e a apropriao das produes de artistas consagrados para veicular sentidos e significados. Conhecer, valorizar e respeitar os espaos reservados Arte, reconhecendo sua importncia para a construo e a preservao dos bens artsticos e culturais brasileiros. Reconhecer os diferentes tipos de obras de arte e suas caractersticas prprias. Identificar o conhecimento de outras reas cientficas e artsticas utilizado nas produes visuais. Identificar as diferentes representaes artsticas como linguagem esttica e comunicacional. Identificar e compreender as vrias tendncias artsticas nas expresses visuais do sculo XX. Conhecer e utilizar os elementos bsicos da linguagem visual para realizar produes artsticas mediante a cultura estudada. Reconhecer as influncias das cincias e da tecnologia sobre as produes visuais do sculo XX.

Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 13

COMPONENTE CURRICULAR: TEATRO6 ANO/ 5 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos Elementos formais da linguagem teatral: palavra, voz, tom, mmica, gesto, maquiagem, acessrio, figurino, msica, iluminao, sonoplastia Elementos bsicos do movimento expressivo vocal Elementos cnicos da obra dramtica Introduo: dico movimentos respiratrios inspirao e expirao: ldica, centrada no percurso do ar, abdominal e outras Origem da estrutura dramtica Elementos da ao dramtica Jogos dramticos com os elementos da ao cnica Teatro brasiliense na modalidade infantil O teatro brasiliense (autores e atores pioneiros de Braslia) Lendas indgenas em produes teatrais

Expectativas de aprendizagem Reconhecer e utilizar os elementos bsicos da linguagem cnica: corpo (mmica facial, gestos, movimentos, aes, dinmicas, posicionamento, postura e relacionamento); voz, som e palavras (intensidade, altura, respirao); espao (transformando o espao real em cnico, pelo uso do corpo e da voz), em diferentes possibilidades expressivas. Identificar nos diferentes meios de comunicao o uso e a apropriao das produes de artistas consagrados, para veicular sentidos e significados. Demonstrar expresses corporais nos jogos dramticos. Combinar os elementos e recursos da linguagem teatral por meio de atividades de interpretao grupal, experimentando articulaes de expresso corporal. Identificar e explorar espaos cnicos na instituio educacional e na comunidade. Reconhecer as formas variadas de expresso no teatro de bonecos. Interpretar cantigas populares por meio da expresso corporal. Identificar a relao bsica entre o emissor, a obra e o espectador. Aplicar nos trabalhos pessoais e/ou em grupo os elementos cnicos (cenrio, figurino, adereo, iluminao, maquiagem e sonoplastia). Conhecer os artistas do Distrito Federal, suas produes cnicas e a sua contribuio para a construo da identidade cultural do Distrito Federal. Identificar e compreender as manifestaes cnicas, presentes nas cidades circunvizinhas e a sua contribuio para a construo da identidade cultural do Distrito Federal. Catalogar os artistas do Distrito Federal e suas produes cnicas, visando construo do acervo cultural da comunidade.

14 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

7 ANO / 6 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos Elementos corporais na comunicao dramtica Marcao de cenas Definio, organizao, construo e representao de elementos cenogrficos: espao, ambiente e lugares Definio de personagens Contextualizao da produo teatral Elementos bsicos do movimento expressivo vocal Elementos cnicos da obra dramtica Introduo dico movimentos respiratrios - inspirao e expirao: ldica, centrada no percurso do ar, abdominal e outras Manifestaes cnicas presentes na cultura popular brasileira Expectativas de aprendizagem Reconhecer e utilizar os elementos bsicos da linguagem cnica: corpo (mmica facial, gestos, movimentos, posicionamento, postura e relacionamento); voz, som e palavras (intensidade, altura, respirao); espao (transformando o espao real em cnico, pelo uso da voz e do corpo) em diferentes possibilidades expressivas. Identificar e utilizar, na produo cnica, o conhecimento de outras reas cientficas e artsticas. Reconhecer a produo cnica como produto cultural sujeito anlise e ao entendimento. Identificar a relao bsica entre o emissor, a obra e o espectador. Identificar elementos essenciais para a construo de uma cena teatral atuante/papis, atores/personagens, estruturas dramticas/pea, roteiros/enredo, cenrio. Investigar e elaborar, formas pessoais de registro das atividades realizadas em artes cnicas. Identificar em diferentes meios de comunicao, o uso e a apropriao das produes de artistas consagrados.

Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 15

8 ANO/ 7 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos Montagem cnica: leitura e anlise da dramaturgia local Elementos da linguagem cnica Formas simtricas e assimtricas do corpo Leitura de textos de expresso cnica Elementos teatrais: formas Artistas pioneiros do teatro no Brasil Textos de teatrlogos Teatro oriental Teatro oriental contemporneo Teatro japons Goldoni Escritores e dramaturgos brasileiros Construo e elaborao da montagem cnica Expectativas de aprendizagem Reconhecer e utilizar os elementos bsicos da linguagem cnica: Corpo (mmica facial, gestos, movimentos, aes, dinmicas, posicionamento, postura e relacionamento); voz, som e palavras (intensidade, altura, respirao, articulao, dico e inflexo vocal); espao (nveis, direes, planos, caminhos e extenses), em uma ao dramtica. Identificar a ao dramtica em peas teatrais. Identificar os vrios estilos teatrais. Identificar a relao entre espao, tempo, ritmo e movimento em peas teatrais locais e regionais. Criar e realizar atravs de movimentos, gestos e voz personagens em peas teatrais. Participar de grupos teatrais, respeitando as individualidades e capacidades de cada um.

16 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

9 ANO/ 8 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos Teatro Brasileiro Shakespeare Comdia de costumes Martins Pena Ariano Suassuna Jogos Dramticos Expectativas de aprendizagem Investigar e experimentar na atividade teatral, os diferentes meios de produo (artesanal, mecnicos, eletro-eletrnicos e digital), dos elementos sgnicos na atividade cnica. Identificar, reconhecer e valorizar as diferentes manifestaes teatrais de grupos e/ou comunidades de diferentes culturas e de diferentes pocas. Participar de representaes teatrais tendo como referncia a dramaturgia tradicional e contempornea bem como peas criadas pelo grupo. Empregar terminologia adequada, descrever convenes e conceitos para compartilhar significados e registrar sua recepo do trabalho observado. Desenvolver a habilidade de construir textos dramticos e mostrlos para uma platia. Contextualizar um espetculo dentro da linguagem dramtica, descrever e interpretar o que foi observado. Analisar a utilizao e a apropriao das produes de artistas consagrados (que tenham relao com as habilidades do fazer, propostas para a srie) nos diferentes veculos de comunicao de massa: TV, rdio, cinema e outros. Conhecer, valorizar e respeitar os espaos reservados Arte, reconhecendo sua importncia para a construo e a preservao dos bens artsticos e culturais brasileiros.

Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 17

COMPONENTE CURRICULAR: MSICA6 ANO/ 5 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos Compassos binrio, ternrio e quaternrio Escrita musical por meio de ditado rtmico e meldico Observao do uso dos elementos bsicos da linguagem musical nas manifestaes indgena, negra, portuguesa, e no repertrio musical brasileiro Articulao dos conhecimentos adquiridos no cotidiano e em outros componentes curriculares, na prpria produo musical Mobilizao da comunidade escolar em prol dos seus eventos musicais Identificao dos artistas formadores do patrimnio musical do Distrito Federal Identificao dos diferentes grupos sociais e tnicos que compem a cultura brasiliense, e sua contribuio para a construo do patrimnio cultural do Distrito Federal Respeito aos valores culturais, familiares e da comunidade local Audio, identificao e interpretao dos diferentes gneros musicais (popular, erudito e folclrico e a influncia dos estilos internacionais na musica popular brasileira Emoes, sentidos e significados atribudos produo musical A influncia do ritmo sobre o corpo Audio de msicas ouvidas no cotidiano (novelas, telejornais, cinema, comerciais e etc), e sua influncia para comunicar emoes, sensaes, intuies, conhecimentos e pensamentos Pesquisa auditiva (som, ritmo e silncio) com sons naturais e artificiais Relaxamento, aquecimento, tcnica vocal e prtica de canto individual e /ou conjunto Prtica instrumental, com o uso de instrumentos variados e da prpria voz Coleta de dados sobre a msica nas culturas negra, indgena e portuguesa Expectativas de aprendizagem Conhecer e utilizar os elementos bsicos da linguagem musical: o som, o ritmo e o silncio, em diferentes possibilidades expressivas de composio. Identificar os elementos bsicos da linguagem musical, presentes nas produes musicais das razes tnicas brasileiras: indgena, negra e branca. Identificar, nas produes musicais, como os elementos bsicos da linguagem musical so utilizados para comunicar esteticamente, sentidos e significados. Elaborar formas pessoais de registro das atividades realizadas em msica. Identificar nos diferentes meios de comunicao, o uso e a apropriao das produes de artistas consagrados (que tenham relao com as habilidades do fazer, proposto para a srie), para veicular sentidos e significados. Conhecer os artistas do Distrito Federal, suas produes musicais, e a sua contribuio para a construo da identidade cultural do Distrito Federal. Identificar e compreender as manifestaes musicais, presentes nas cidades circunvizinhas, e a sua contribuio para a construo da identidade cultural do Distrito Federal. Reconhecer, respeitar e valorizar dentro do mbito familiar, do escolar e do regional, a diversidade cultural.

18 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

7 ANO/ 6 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos Clave de sol e de f, sinais de alterao, distribuio das notas musicais que representam valores: som/silncio Diviso de compassos Elementos bsicos da linguagem musical nas manifestaes indgena, negra e portuguesa Escrita musical com notao tradicional Produo musical utilizando os conhecimentos da comunidade artstica local A influncia das manifestaes musicais negra, indgena e portuguesa na cultura nacional Participao em atividades e apresentaes musicais de estilos variados Identificao de emoes, sensaes, intuies, conhecimentos e pensamentos em uma produo musical A msica como forma de diverso, estmulo, relaxamento e expresso religiosa A identificao de elementos de linguagem musical para expressar sentidos e significados A obra musical como mediadora entre compositor, intrprete e ouvinte A msica como veculo das experincias, sentimentos e conhecimentos da cultura e do tempo em que o artista est inserido Experincias estticas adquiridas, sonorizando situaes, fatos, imagens, representao grfica e partituras Pesquisa e investigao sonora (som, ritmo e silncio), no corpo, na natureza, no meio ambiente, com instrumentos musicais e nas composies Relaxamento, aquecimento, tcnica vocal, canto individual e/ ou em conjunto Prtica de conjuntos vocais, instrumentais e/ou mistos Pesquisa de instrumentos musicais de outras culturas Entrevista com os diferentes profissionais que atuam na rea musical Coleta de dados sobre as diferentes manifestaes musicais (indgena, negra e portuguesa) Pesquisa sobre os espaos culturais e a atuao musical dos artistas brasilienses Identificao dos artistas que contriburam para a formao do patrimnio musical do Distrito Federal Expectativas de aprendizagem Pesquisar, entender e utilizar os elementos bsicos da linguagem musical: o som, o ritmo e o silncio, em diferentes possibilidades expressivas de composio (improvisadas e/ou elaboradas). Indicar as funes bsicas dos profissionais relacionados s produes musicais: compositor, intrprete, maestro e outros. Identificar e reconhecer, nas produes musicais, o uso dos elementos bsicos da linguagem musical (som, ritmo e silncio). Identificar a relao bsica entre o compositor, o interprete da obra e o ouvinte. Elaborar formas pessoais de registro das atividades realizadas em msica. Identificar em diferentes meios de comunicao (TV, rdio, cinema, revistas e outros), o uso e a apropriao das produes de artistas consagrados (que tenham relao com as habilidades do fazer, proposto para a srie), para veicular, sentidos e significados. Identificar e conhecer os artistas do Distrito Federal, suas produes musicais (que tenham relao com as habilidades do fazer, propostas para a srie), e a sua contribuio para a construo da identidade cultural do Distrito Federal. Identificar e compreender as manifestaes musicais (que tenham relao com as habilidades do fazer, propostas para a srie), presentes nas cidades circunvizinhas, e a sua contribuio para a construo da identidade cultural do Distrito Federal. Catalogar os artistas do Distrito Federal, e as suas produes musicais (que tenham relao com as habilidades do fazer, propostas para a srie), visando construo do acervo cultural da comunidade escolar.

Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 19

8 ANO/ 7 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos Identificao de intervalos por meio da prtica de solfejos e ditados rtmicos e meldicos utilizando grafia convencional Compassos, andamentos e funes tonais bsicas (tnica, dominante e subdominante) Padres de regncia (binrio, ternrio e quaternrio) Audio de msicas variadas para criao de partituras atravs da grafia tradicional Elementos bsicos da linguagem musical nas danas, canes folclricas, populares, eruditas, sacras, indgena, portuguesa e negra Contribuies das culturas indgenas, negras e portuguesas, para a construo da identidade nacional e do patrimnio cultural brasileiro A influncia dos avanos cientficos e tecnolgicos na fabricao e desenvolvimento de instrumentos musicais Pesquisa sobre os espaos culturais, atuao dos msicos brasilienses e sua contribuio para a formao do patrimnio cultural do Distrito Federal. Participao em manifestaes artsticas populares, de massa, eruditas teatros, e outros. Anlise dos sentidos e significados dos elementos bsicos da linguagem musical Leitura dos sentidos e significados expressos na composio musical O intrprete musical como mediador do dilogo entre compositor e o ouvinte A msica como expresso da cultura e do tempo em que o compositor est inserido Explorao dos sons naturais, artificiais, ritmos e o silncio em estruturas sonoras e rtmicas, para criao de composies e improvisaes vocais e instrumentais Relaxamento, aquecimento, canto individual ou em conjuntos variados Prtica instrumental para aplicao dos parmetros do som Construo de instrumentos musicais alternativos, com materiais diversificados Expectativas de aprendizagem Reconhecer e utilizar os elementos bsicos da linguagem musical (som, ritmo e silncio), em uma composio musical. Conhecer e articular os elementos materiais e formais presentes nas produes musicais das razes tnicas brasileiras: indgena, negra e branca. Reconhecer os diferentes profissionais envolvidos em uma produo musical. Compreender a articulao e a interao dos elementos bsicos (som, ritmo e silncio), da linguagem musical, para comunicar, esteticamente, sentidos e significados. Reconhecer e utilizar os procedimentos para anlise, entendimento e fruio de uma produo musical. Identificar a relao bsica entre o compositor, o intrprete da obra e o ouvinte. Investigar e elaborar, formas pessoais de registro das atividades musicais realizadas. Conhecer os artistas do Distrito Federal, suas produes musicais (que tenham relao com as habilidades do fazer, propostas para a srie), e a sua contribuio para a construo da identidade cultural do Distrito Federal. Identificar e compreender as manifestaes musicais (que tenham relao com as habilidades do fazer, propostas para a srie), presentes nas cidades circunvizinhas, e a sua contribuio para a construo da identidade cultural do Distrito Federal. Catalogar artistas do Distrito Federal, e as suas produes musicais (que tenham relao com as habilidades do fazer, propostas para a srie), visando construo do acervo cultural da comunidade escolar. Reconhecer, respeitar e valorizar dentro do mbito familiar, do escolar e do regional, a diversidade cultural.

20 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

9 ANO/ 8 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos Utilizao de estruturas rtmicas e meldicas por meio da grafia musical Compassos simples e compostos e funes tonais bsicas (tnica, subdominante e dominante), presentes no repertrio musical brasileiro Execuo de padres de regncia em andamentos variados Grafia musical por meio de notao tradicional A msica popular brasileira e a influncia dos elementos bsicos da linguagem musical de origem indgena, negra e portuguesa A influncia da tecnologia na construo de instrumentos musicais e formas de composio musical Insero da comunidade escolar na participao e na valorizao de seus eventos musicais Caractersticas das tendncias estticas e dos movimentos de manifestos artsticos brasileiros (bossa nova, tropicalismo, cano de protesto, jovem guarda, entre outros), seus artistas e produes mais significativas das tendncias estudadas A influncia da cultura migrante (italiana, japonesa, germnica, norte e latino-americana e outras), sobre a formao da identidade nacional e do patrimnio cultural brasileiro Expectativas de aprendizagem Pesquisar, entender e utilizar os elementos bsicos da linguagem musical (som, ritmo e silncio) e investigar as diferentes interaes e articulaes, numa composio musical. Reconhecer e utilizar os elementos materiais e formais, presentes nas produes musicais das razes tnicas brasileiras: indgena, negra e branca. Investigar e experimentar os diferentes meios de produo (artesanal, mecnico, eltrico/eletrnico e digital), verificando suas influncias nos elementos bsicos da produo musical. Reconhecer os diferentes profissionais envolvidos em uma produo musical. Analisar as articulaes e as interaes dos elementos bsicos da linguagem musical (som, ritmo e silncio) e seus parmetros para comunicar, esteticamente, sentidos e significados. Identificar e compreender a relao bsica entre o compositor, o interprete e o ouvinte. Pesquisar e elaborar, formas pessoais de registro das atividades musicais realizadas. Identificar a s influncias das cincias e da tecnologia sobre as produes musicais do sculo XX. Conhecer os artistas do Distrito Federal, suas produes musicais (que tenham relao com as habilidades do fazer, propostas para a srie), e a sua contribuio para a construo da identidade cultural do Distrito Federal. Identificar e compreender as manifestaes musicais (que tenham relao com as habilidades do fazer, propostas para a srie), presentes nas cidades circunvizinhas, e a sua contribuio para a construo da identidade cultural do Distrito Federal. Catalogar os artistas do Distrito Federal, e as suas produes musicais (que tenham relao com as habilidades do fazer, propostas para a srie), visando construo do acervo cultural da comunidade escolar.

Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 21

Lngua PortuguesaApresentaoO desenvolvimento da competncia lingustica do aluno no ensino fundamental anos finais - est pautado na construo de referenciais bsicos para refletir sobre a lngua que ele fala / ouve e l / escreve com a finalidade de saber explic-la para poder us-la em diferentes situaes de comunicao. Gradativamente ele vai-se apropriando de procedimentos de anlise e reflexo, ou seja, adquirindo uma conscincia lingustica dos usos da lngua e de sua diversidade por meio da compreenso de padres gramaticais, textuais, estilsticos e de uma metalinguagem construda teoricamente para explic-los. Nos anos iniciais do ensino fundamental, o aluno estabelece interaes entre a lngua que fala em seu cotidiano e a lngua ensinada pela escola, formulando hipteses sobre suas diferenas e usos, principalmente no domnio da lngua que se escreve. Nos anos finais, ele deve observar a lngua como objeto de estudo e referencial cultural, analisando o discurso do outro em relao ao seu prprio discurso e vice-versa. Os contedos do ensino fundamental priorizam os processos de usos da lngua em situaes de leitura (compreenso, anlise e interpretao) e de produo de textos falados e escritos, sendo a reflexo sistematizada sobre o texto, um instrumento para compreender esses processos. A lngua um referencial de pensamento e de ao e bem se sabe que as diferenas sociais perpassam o seu domnio e uso. Domin-la significa reconhec-la como um poder simblico para argumentar, confrontar opinies, expressar o pensamento em diferentes contextos sociais. As expectativas de aprendizagem retomam o currculo do ensino fundamental anos finais - para Lngua Portuguesa contemplando os cinco principais grupos de estudo da rea que se interligam por princpios gerais letramento e diversidade. Os grupos de estudo so comuns para todos os anos dos ensinos fundamental e tambm do mdio: Oralidade e expresso; Leitura; Conhecimentos literrios; Conhecimentos lingusticos; Produo de textos escritos. Eles foram organizados em tpicos que apresentam os contedos (j indicados no currculo) associados s expectativas de aprendizagem. Essa separao didtica se fez necessria para facilitar a leitura e compreenso sobre o que deve ser ensinado/aprendido. Muitos dos contedos bem como as habilidades e expectativas de aprendizagem se repetem ao longo dos anos, porque o estudo da lngua portuguesa tem um diferencial, que o estudo de textos. O texto o foco principal do processo de ensino-aprendizagem de lngua portuguesa no currculo. Considera-se texto qualquer sequncia falada ou escrita que constitua um todo unificado e coerente dentro de uma determinada situao discursiva. Assim, o que define um texto no a extenso dessa sequncia, mas o fato de ela configurar-se como uma unidade de sentido associada a uma situao de comunicao. Nesse sentido, o texto s existe como tal quando atualizado em uma situao que envolve, necessariamente, quem o produz e quem o interpreta. Assim no h um texto igual ao outro e cada situao de leitura e produo atualizada no ato de comunicao. H, sim, padres da lngua que se apresentam nos textos sob forma de textualidade e estilos. O reconhecimento desses padres deve ser exaustivamente trabalhado no ensino fundamental. O procedimento de estudo da dimenso dialgica dos textos pressupe abertura para a construo de seus significados nos diferentes anos/sries escolares e deve envolver graus crescentes de complexidade, no que se refere: faixa etria do leitor tpico; proximidade do assunto e tema com o meio cultural e conhecimento de mundo do leitor; atualidade do assunto e tema tratados; ao contexto de produo e de recepo (o pblico alvo do texto e sua finalidade); poca de produo; s escolhas sinttico-semnticas; ao vocabulrio (seleo lexical); disposio e ordem das idias e dos assuntos (direto e indireto); aos recursos expressivos utilizados; s estratgias textuais utilizadas na composio; s determinaes do gnero.22 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

Sobre a organizao dos tpicosTpico 1. Oralidade e expresso As aulas de lngua portuguesa so espaos privilegiados para o aluno verbalizar as suas diferentes representaes sociais e culturais, e potencialmente sistematizar as identidades de grupos que sofrem processos de deslegitimao social. Conviver com as diferenas, reconhec-las como legtimas e saber defend-las em espao pblico far com que o aluno reconstrua sua cultura pela linguagem verbal. A opo do aluno por um ponto de vista coerente, em situao determinada, faz parte de uma reflexo consciente e assumida, mesmo que provisria sobre os usos da lngua. A importncia de se liberar a opinio do aluno, mesmo que no seja a da escola, permite que ele construa um sentido para a comunicao do seu pensamento. A situao da fala na sala de aula deve servir para o exerccio da construo da fala na vida social. O aluno deve aprender a confrontar, defender, explicar suas idias de forma organizada, em diferentes esferas de usos da palavra pblica, compreendendo e refletindo sobre as marcas de atualizao da linguagem verbal (a posio dos interlocutores, o contexto e suas normas, a escolha dos gneros e recursos). O desenvolvimento da competncia do aluno depende, principalmente, do poder falar e ser ouvido, de debater suas idias, de expressar seu ponto de vista, vivenciando no espao de sala de aula as interaes que vai enfrentar em sua vida pessoal e social. So contedos representativos desse tpico: o carter simblico e arbitrrio da linguagem verbal; objetivos, regras e estratgias nos usos da linguagem verbal / lngua falada; gneros orais; linguagem verbal e cultural; padres lingusticos de prestgio; lngua e ideologia; smbolos culturais; identidade e diversidade; patrimnio cultural, memria discursiva.

Tpico 2. Leitura de textos A lngua dispe de recursos, mas a organizao deles encontra no texto sua matria-prima. As mesmas estruturas lingusticas assumem significados diferentes, dependendo das intenes dos interlocutores. H uma diversidade de vozes em um texto - contexto, interlocutores, finalidades, gneros discursivos, recursos lingusticos, valores, pontos de vista etc. Os usos da lngua s podem ser sociais, e levam a intricadas redes de significaes. No mundo contemporneo, a informao imediata, sobreposta e recheada de textos com valores subliminares. Na escola, a reflexo sobre o texto, sua informatividade e textualidade, desenvolve uma viso crtica do aluno sobre o que l, v e ouve, para desvendar o sentido imediato de mundo e resgatar os sentidos implcitos do texto. So contedos representativos desse tpico: histrias de leitura; tecnologias de divulgao da palavra escrita e seu impacto social; deslegitimao e legitimao da produo escrita; condies de produo, circulao e recepo de textos; mtodos de leitura; funes da leitura; modalidades de leitura; leitura compreensiva e interpretativa; Sociologia e leitura de mundo: antecipao de significados; texto verbal e no verbal; texto, contexto hipertexto e intertexto: relaes de produo, divulgao e recepo; conotao, denotao e o sentido do texto; gneros e tipos de textos; discurso, texto e textualidade; os vrios suportes de textos; os gneros e os princpios tecnolgicos de informao e comunicao; textualidade: coerncia e coeso; o valor expressivo das formas lingusticas.Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 23

Tpico 3. Conhecimentos literrios As diversas atualizaes e funes do texto, em contextos e tempos diferentes, permitem verificar as especificidades do texto literrio e selecionar focos de anlise. O estudo dos gneros discursivos literrios e dos modos como se articulam proporciona uma viso ampla da possibilidade de usos da lngua. Em uma situao de ensino-aprendizagem de literatura, a anlise da origem dos gneros e de seus contextos de produo e recepo no campo artstico permite abordar a criao das estticas que refletem, no texto, o contexto de sua produo como as escolhas estilsticas marcadas pelas lutas discursivas em jogo, o carter intertextual do texto. O importante que o aluno saiba analisar as especificidades do texto literrio, sem perder a viso do todo em que elas esto inseridas, e perceba que as particularidades tm um sentido socialmente construdo. O gostar ou no de determinada obra de arte ou de um autor exige antes um preparo para o aprender a gostar. Conhecer e analisar as crticas autorizadas pode ser um comeo para a construo das escolhas individuais. O aluno deixaria de ser um mero espectador do texto literrio ou um reprodutor de anlises literrias discutveis, apropriando-se do discurso da crtica literria, para aferir a consistncia de sua posio e construir seu prprio discurso sobre a literatura. Os contedos representativos do tpico so: autores, obras e gneros; elementos constitutivos e intertextuais da prosa, da poesia e do teatro; representao do imaginrio; a construo do patrimnio cultural; fortuna crtica. Tpico 4. Conhecimentos lingusticos A linguagem verbal carrega dentro de si uma viso de mundo prenha de significados e significaes que vo alm do seu aspecto formal. O estudo apenas do aspecto formal da lngua, desconsiderando as inter-relaes contextuais e semnticas prprias de sua natureza e funo, desvincula o aluno, do carter intrassubjetivo, intersubjetivo e social da linguagem. Por exemplo, no estudo da norma padro deve-se considerar a sua representatividade, como variante lingustica de determinado grupo social, e o valor atribudo a ela, no contexto das legitimaes sociais. O conhecimento sobre a lngua deve ser visto sob o prisma do carter social da prpria lngua, evitando-se apriorismos. O esprito crtico no admite verdades sem uma investigao do processo de sua construo e representatividade. O exame do carter histrico e contextual de determinados usos da lngua pode permitir o entendimento de valores, representaes, interesses, sentidos, ou seja, a conscincia do poder da lngua. Destaca-se que a lngua a ser estudada na escola, passa a ser objeto de reflexo e anlise, permitindo ao aluno a superao e / ou a transformao dos significados que ela veicula. Muitas teorias explicativas sobre a lngua foram desenvolvidas por pesquisadores que se dispuseram a analis-la e compreend-la. Teorias se criaram e foram divulgadas, algumas so aceitas at hoje e outras se perderam no tempo. Como o conhecimento terico normalmente assume a forma escrita, a transmisso das idias acaba por se deslocar do campo representativo de sua criao. A adeso a uma teoria gramatical deve ser precedida do reconhecimento de sua validade. Na escola, a transposio didtica desses estudos pode refletir o conservadorismo de determinados pontos de vista que nada possuem de terico e so fundados no senso comum.24 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

O debate e o dilogo, as perguntas que desmontam as frases feitas, a pesquisa, entre outros, seriam formas de auxiliar o aluno a construir um ponto de vista articulado sobre a lngua em estudo. Os contedos representativos desse tpico so: o contexto de produo da fala e da escrita; concepo de norma e variante; a norma culta na fala do portugus brasileiro; variantes individuais, interindividuais e sociais; variaes fonolgicas, morfolgicas, sintticas, semnticas e discursivas; variao no tempo: diacronia e sincronia; variao no espao fsico e social: de espao fsico (geogrfica), de faixa etria, de sexo (gnero), de grupos sociais, de grupos profissionais (jarges tcnicos), de grupos polticos; variao de modalidade (a fala e a escrita); variao de estilo (graus de formalidade e informalidade); variao discursiva (gneros discursivos, inclusive os gneros literrios); o vocbulo em estado de dicionrio; sinonmia, homonmia, heteronmia; denotao: o carter polissmico do uso do lxico; conotao: o carter estilstico do uso do lxico; ortografia; desinncias nominais e verbais; afixos (prefixos e sufixos); categorias gramaticais; os processos lgico-discursivos e semnticos dos usos das palavras ou expresses em frases / oraes; os processos lgico-discursivos e semnticos do uso das oraes em frases. Tpico 5. Produo de textos Ao procurar compreender a lngua e suas atualizaes discursivas em textos, como sinnimos da comunicao humana, o aluno aprende a produzir textos para fins determinados. A aprendizagem do carter produtivo da lngua faz parte constante do controle sobre o texto que ser elaborado. O fazer comunicativo exige formas complexas de aprendizagem. Deve-se reconhecer o qu e o como escrever, depois dessa anlise reflexiva, tenta-se a elaborao, com a conscincia de que ela ser sempre provisria porque depende da avaliao do outro e de suas expectativas. Entra-se no limite da transversalidade dos usos da linguagem no social, s escolhas individuais impem-se os limites do social, que envolvem esquemas cognitivos complexos daqueles que podem avaliar o discurso produzido, porque tiveram a oportunidade de aprender a avaliar. Para a maioria, a aprendizagem dessas disposies na escola fundamental. A metfora do hipertexto pode servir como exemplo. A partir de uma idia, podem-se abrir muitas janelas. O sentido das escolhas pode depender do acaso ou de um interesse particular. No acaso, a possibilidade de atingir os objetivos desejados externa proposio individual. Quando h um interesse definido, o controle sobre para que e para onde se quer ir pertence quele que sabe escolher. Na vida, na produo do discurso, algo semelhante ocorre, so muitas as janelas a serem abertas para se escrever um texto. Se o aluno no aprender a abri-las, as chances de no chegar a lugar nenhum ou de no atender aos objetivos propostos grande. A competncia comunicativa uma questo de alteridade dos locutores em determinado campo social e deve ser estudada nas condies de instaurao do discurso. As relaes lingusticas, longe de serem uniformes, marcam o poder simblico acumulado pelos seus protagonistas. No existe uma competncia lingustica abstrata, mas sim uma competncia limitada por condies determinadas de produo / interpretao de textos. Os contedos representativos do tpico so: condies de produo e recepo; o papel dos interlocutores na construo do texto; gneros discursivos; textualidade: coerncia e coeso; normas de registro escrito; diagramao do texto; refaco e reviso. A seguir so apresentadas as expectativas de aprendizagem em cada um dos tpicos. A leitura das expectativas de aprendizagem deve considerar os contedos de ensino a que se referem. As expectativas de aprendizagem no pretendem reduzir os conhecimentos a serem ensinados / aprendidos, mas, sim, indicar os limites sem os quais o aluno do ensino fundamental sries finais teria dificuldades para prosseguir seus estudos, bem como participar ativamente na vida social.Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 25

6 ANO / 5 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos 1. Oralidade e expresso Linguagem verbal e cultura A lngua falada como patrimnio cultural (identidade de grupos sociais) Interao e comunicao Padres lingusticos de prestgio Escuta orientada em situaes de recepo da fala no planejada e planejada (construo de modelos apropriados ao uso do oral nas circunstncias previstas) Objetivos, regras e estratgias nos usos da linguagem verbal (a lngua falada planejada e leitura em voz alta de textos) Turnos do dilogo (situaes dialogadas no-planejadas concesses aos ouvintes, alternncia de papis, grau de envolvimento dos interlocutores, reaes paralingusticas, reparos, interrupes, correes, etc.) Sinais paralingusticos durante situaes de fala Expectativas de aprendizagem 1. Oralidade e expresso Compreender a fala como manifestao do pensamento e da cultura de um povo e o direito de seu uso como instrumento de comunicao, manifestao de idias e construo de identidades. Identificar-se com a fala produzida por sua comunidade e respeitar a fala produzida por outras comunidades. Demonstrar ateno na escuta de diversos textos em diferentes situaes de comunicao. Intervir com perguntas e colocaes planejadas em situaes autnticas de interlocuo de escuta de textos. Relatar opinies, idias, experincias e acontecimentos, de acordo com a sequncia lgica do gnero relatado. Ler textos escritos em voz alta de maneira suscitar o interesse dos interlocutores (ajustando simultaneamente recursos paralingusticos - tonalidade de voz, gestos, expresso facial etc - e recursos expressivos escritos). Recontar oralmente histrias ouvidas, lidas, inventadas, de maneira a suscitar o interesse dos interlocutores (ajustando simultaneamente recursos paralingusticos - tonalidade de voz, gestos, expresso facial etc - e recursos expressivos escritos). Ampliar em situaes de fala planejada o uso de vocabulrio e de estruturas com maior complexidade sinttica, levando em conta os contedos aprendidos nos demais tpicos. 2. Leitura Formular hipteses, antes da leitura do texto sobre o seu contedo e forma, considerando as caractersticas do gnero, do suporte, do autor, da sua finalidade, da poca de produo, dos recursos lingusticos empregados, etc. Identificar esferas discursivas, suportes de circulao original, gneros, temas, assuntos, finalidades, pblico-alvo, possveis objetivos de produo e leitura, espaos prprios de circulao social, formas, constituintes e recursos expressivos em textos. Identificar os possveis elementos constitutivos da organizao interna dos gneros indicados para a srie / ano. Reformular as hipteses iniciais sobre contedo e forma do texto, durante a sua leitura, considerando as caractersticas do gnero, do suporte, do autor, da sua finalidade, da poca de produo dos recursos lingusticos empregados, etc. Construir snteses parciais de partes do texto para prosseguir com a sua leitura. Estabelecer conexes entre o texto e os conhecimentos prvios. Utilizar inferncias pragmticas para dar sentido a expresses que no pertenam a seu repertrio lingustico.

2. Leitura Gneros indicados para leitura, reflexo e anlise para a srie / ano: relatos de experincia pessoal, histrias em quadrinhos, receitas, bulas, manuais de instruo, artigos de divulgao cientfica, notcias, publicitrios, anncios de classificados, informativos de interesse didtico, definies, verbetes de enciclopdia e dicionrio, curiosidades (voc sabia?), cartes, cartas pessoais, bilhetes, mensagens eletrnicas, resumos, regulamentos, estatutos, tabelas, textos no verbais diversos (fotos, imagens), contos, contos de fada, lendas, romances, fbulas, novelas, poemas, letras de msica Reconstruo das condies de produo e recepo dos gneros indicados para a srie / ano: contexto de produo (autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento em que ocorre a interao), suportes de circulao original (livros, revistas, papis administrativos, outdoors, internet, suportes digitais, peridicos, documentos em geral, folhetos etc.), esferas de circulao original (escolar, jornalstica, artstico-literria, de entretenimento, institucional-pblica, ocupacional, publicitria, profissional, etc.)

26 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

6 ANO / 5 SRIE - CONTINUAO 2. Leitura Estratgias de leitura: explicitao do contedo implcito, tema, assunto, levantamento de hipteses, relao de causa e consequncia, de temporalidade, transferncia, sntese, generalizao, traduo de smbolos, relao de forma e contedo, etc. Elementos constitutivos da organizao interna dos gneros indicados para a srie / ano: (lingusticos, expressivos, textuais, formatos que caracterizam os padres organizacionais e estruturais dos gneros) Tipos de textos (padres predominantemente observados em sua organizao interna): narrativo; descritivo; expositivo; injuntivo; no verbal O vocbulo em estado de dicionrio Sinonmia, homonmia, heteronmia Denotao: o carter polissmico do uso do lxico Conotao: o carter estilstico do uso do lxico O valor expressivo das formas lingusticas Fatores de coerncia A organizao e a progresso temtica a partir de mudana de locutor, pargrafos, subttulos, estrofes e versos Aspectos estilsticos (configurao do texto, posio comunicativa do locutor e sequncia discursiva predominante narrativa, descritiva ou conversacional) como indicadores do gnero de texto Fatores de coeso Coeso referencial (retomada lexical, retomada de referentes por pronomes, retomada de referentes por elipse, etc.) Coeso sequencial (sequenciao parafrstica e frstica, sequenciao temporal, sequenciao conversacional, etc.) Intertextualidade Tratamento da informao e comparao de textos Modalidades de leitura Leitura compreensiva e interpretativa 2. Leitura Localizar: item de informao explcita, considerando um nico critrio para recuperar a informao (o que, quem, quando, onde, como, por que); itens de informao explcita, relativos descrio de caractersticas de determinado objeto, lugar ou pessoa, em um texto; itens de informao explcita, distribudos ao longo de um texto. Organizar, na sequncia em que aparecem, itens de informao explcita, distribudos ao longo de um texto. Inferir: o sentido de palavras ou expresses a partir do contexto ou selecionar a acepo mais adequada em verbete de dicionrio; tema ou assunto principal de um texto; informaes pressupostas ou subentendidas em textos. Estabelecer relaes entre partes do texto, identificando repeties ou substituies que contribuem para a sua continuidade. Estabelecer relaes entre imagens (foto ou ilustrao) e o corpo do texto, comparando itens de informao explcita. Estabelecer relaes de causa / consequncia, entre segmentos de um texto, sendo que a causa relativa a um fato referido pelo texto e a consequncia est explcita. Distinguir um fato da opinio relativa a esse fato, em segmentos contnuos do texto, identificando a opinio explcita enunciada em relao a esse fato. Identificar o efeito de sentido produzido em um texto: pelo uso de marcas discursivas de temporalidade no encadeamento dos fatos; pelo uso intencional de recursos expressivos grficovisuais; pelo uso intencional de pontuao expressiva (interrogao, exclamao, reticncias, aspas, etc.); pelo uso intencional de determinada palavra ou expresso. Identificar o efeito de humor produzido no texto pelo uso intencional de palavras, expresses ou imagens ambguas. Identificar o efeito de sentido persuasivo produzido no texto pelo uso de recursos grfico-visuais. Identificar o efeito de sentido produzido, no texto, decorrente da explorao de recursos ortogrficos ou morfossintticos. Identificar duas formas de tratar a informao na comparao de textos que tratam de um mesmo tema ou assunto. Identificar diferenas ou semelhanas entre uma mesma informao veiculada em diferentes textos / mdias. Atitudes Explicitar expectativas quanto forma e ao contedo dos textos que gostaria de ler. Selecionar textos para a leitura de acordo com diferentes objetivos ou interesses (estudo, formao pessoal, entretenimento, realizao de tarefas, etc.).

Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 27

6 ANO / 5 SRIE - CONTINUAO 2. Leitura Atitudes Realizar a leitura integral de um texto com autonomia. Selecionar livros para leitura integral de acordo com seus objetivos e interesses. Ler integralmente livros, revistas, jornais, etc. Buscar informaes complementares em dicionrios, enciclopdias, internet, etc. Valorizar e preservar o suporte livro como um bem simblico. Posicionar-se criticamente em relao aos textos lidos quanto aos contedos discriminatrios, aos direitos humanos e ambientais neles divulgados. 3. Conhecimentos literrios Gneros literrios indicados para leitura, reflexo e anlise para a srie / ano: contos, contos de fada, lendas, mitos, romances, fbulas, poemas, letras de msica; gneros literrios orais Reconstruo das condies de produo e recepo dos gneros literrios indicados para a srie / ano: contexto de produo (autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento em que ocorre a interao), suportes de circulao original, esferas de circulao original Elementos constitutivos da organizao interna dos gneros literrios indicados para a srie /ano: lingusticos, expressivos, textuais, formatos que caracterizam os padres organizacionais e estruturais dos gneros As teorias explicativas sobre os gneros dos textos literrios de estrutura narrativa em prosa - personagem, ponto de vista do narrador, descrio, enredo, tempo, espao, etc; em versos poemas - rima, ritmo, figuras de estilo e linguagem, etc. Elementos da narrativa: O enredo: ordem linear e no linear, conflito e clmax Descrio de personagens Descrio de cenrios Dilogo no texto narrativo Recursos da linguagem potica Comparao de textos narrativos literrios e de letras de msicas, em diferentes momentos histricos Intertextualidade temtica Leitura e anlise de livros de autores representativos das literaturas lusfonas Literatura como representao da cultura, forma de manifestao da identidade e de luta para a emancipao de diferentes povos e patrimnio nacional a ser preservado, respeitado e divulgado Preservao da literatura oral das comunidades locais 3. Conhecimentos literrios Identificar os possveis elementos constitutivos da organizao interna de gneros literrios: contos, contos de fada, lendas, mitos, romances, fbulas, poemas, letras de msica. Recuperar as condies de produo e recepo dos gneros literrios indicados para a srie / ano: contexto de produo (autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento em que ocorre a interao), suportes de circulao original, esferas de circulao original. Identificar os mecanismos de construo do poema. Identificar os mecanismos de construo da argumentao em fbulas. Identificar os diferentes elementos que estruturam o texto narrativo literrio: personagens, marcadores de tempo e de localizao, o conflito gerador do enredo, sequncia lgica dos fatos, modos de narrar (1 e 3 pessoa); adjetivao na caracterizao de personagens, cenrios e objetos; modos de marcar o discurso alheio (discurso direto / indireto). Identificar o enunciador do discurso direto, em um segmento de narrativa literria. Identificar uma interpretao adequada de fonte autorizada para um determinado texto literrio. Identificar o efeito de sentido produzido em um texto literrio, decorrente: do uso de pontuao expressiva; determinada palavra ou expresso. Inferir o efeito de sentido produzido em um texto literrio, decorrente da explorao de recursos grficos, ortogrficos e / ou morfossintticos. Estabelecer relaes temticas entre dois textos literrios. Registrar a literatura oral divulgada por sua comunidade Ler e analisar livros de autores representativos das literaturas lusfonas.

28 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

6 ANO / 5 SRIE - CONTINUAO 3. Conhecimentos literrios Valorizar a literatura como representao da cultura, forma de manifestao da identidade e luta para a emancipao de diferentes povos e patrimnio nacional a ser preservado, respeitado e divulgado. 4. Conhecimentos lingusticos Regularidades de ordem fonolgica (acentuao, ortografia e diviso silbica) Regularidades estruturais (paragrafao, margens, translineao) Norma padro da lngua escrita: ortografia e pontuao Segmentao do texto: palavras, frases, oraes, perodos e frases Letra e fonema; encontros voclicos / consonantais; dgrafos; dfonos; slaba Categorias morfossintticas: substantivo; adjetivo; locuo adjetiva; artigos definidos e indefinidos; pronomes pessoais, possessivos, demonstrativos, indefinidos; numeral; verbo (modos indicativo, subjuntivo e imperativo); interjeio Estrutura das frases: frases e tipos de frases Usos de dicionrio e gramtica Contexto de produo das variantes lingusticas (histrico, social e cultural) Expresses prprias da linguagem coloquial Usos de regionalismos, estrangeirismos, arcasmos, neologismos, jarges, grias Variao intrnseca do processo lingustico: fatores geogrficos (variedades regionais, urbanas e rurais), histricos (linguagem do passado e do presente), sociolgicos (gnero, raa, classe social), tcnicos (diferentes domnios da cincia e da tecnologia) 4. Conhecimentos lingusticos Constituir um conjunto de conhecimentos sobre o funcionamento da linguagem e sobre o sistema lingustico relevante para as prticas de escuta, leitura e produo de textos (domnio e uso de nomenclatura e conceitos especficos da gramtica tradicional e da lingustica). Construir um acervo de instrumentos de natureza procedimental e conceitual necessrios para a anlise e reflexo lingustica, delimitao e identificao de unidades lingusticas para compreenso das relaes estabelecidas entre as unidades e as funes discursivas associadas a elas no contexto (domnio e uso de metodologia de anlise dos usos da lngua para descrever fatos, processos, padres, etc.). Inventariar e descrever fenmenos lingusticos por meio de agrupamento, aplicao de modelos, comparaes e anlise de formas lingusticas de modo a inventariar elementos de uma mesma classe de fenmenos e construir paradigmas constrativos em diferentes modalidades da fala e da escrita: - de propriedades morfolgicas indicadas para a srie / ano; - no papel funcional assumido pelos elementos na estrutura da sentena ou nos sintagmas constituintes indicados para a srie / ano; - no significado prototpico dessas classes indicadas para a srie / ano. Reconhecer e diferenciar os modos (indicativo, subjuntivo e imperativo) e os tempos verbais (presente, passado e futuro) em frases. Classificar as palavras pelo nmero de slabas (monosslabas, disslabas, trisslabas, polisslabas) e pela tonicidade (oxtonas, paroxtonas e proparoxtonas) para resolver problemas de acentuao. Utilizar o conhecimento sobre as regularidades observadas em paradigmas morfolgicos como parte das estratgias de soluo de problemas de ortografia e acentuao grfica. Utilizar a intuio sobre unidades lingusticas perodos, sentenas, sintagmas como parte das estratgias de soluo de problemas de pontuao. Resolver problemas de ortografia ou de pontuao, em determinado enunciado, aplicando os conhecimentos da norma padro da lngua portuguesa.

Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 29

6 ANO / 5 SRIE - CONTINUAO 4. Conhecimentos lingusticos Consultar o dicionrio e a gramtica tradicional para resolver problemas relativos anlise e descrio gramatical, anlise e compreenso de textos, produo de seu prprio texto. Avaliar, a partir da percepo da variao lingustica, os valores nela implicados e consequentemente o preconceito a determinados grupos sociais. Identificar, no texto, marcas de uso de variao lingustica, no que diz respeito aos fatores geogrficos, histricos, sociolgicos; s diferenas entre os padres da linguagem oral e os padres da linguagem escrita; seleo de registro em funo da situao interlocutiva (formal, informal). Identificar as marcas lingusticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de um texto. 5. Produo de textos escritos Produo de gneros textuais: carto, carta pessoal, bilhete, mensagem eletrnica, histrias vividas e imaginadas, relato pessoal, histria em quadrinhos, resumo (expositivos), poema; texto no verbal, letra de msica, pardia, parfrase Organizao e a progresso temtica (mudana de locutor, pargrafos, subttulos, estrofes e versos) Marcas de segmentao do texto (ttulo, subttulo, paragrafao, pontuao e outros sinais grficos) Regularidades de ordem fonolgica (acentuao, ortografia e diviso silbica) e estrutural (paragrafao, margens, translineao) Escolhas estilsticas (elementos lexicais, figurativos e ilustrativos) Ordem morfolgica e manuteno da coeso textual Escrita de palavras e pontuao de acordo com a norma padro de escrita Segmentao do texto em palavras, frases, oraes, perodos e frases Refaco, reviso e projeto textual 5. Produo de textos escritos Produzir um relato de experincia pessoal vivida com base em proposta que estabelece tema, gnero, linguagem, finalidade e interlocutor do texto. Produzir uma carta pessoal com base em proposta que estabelece tema, gnero, linguagem, finalidade e interlocutor do texto. Produzir texto a partir de modelo, levando em conta o gnero, seu contexto de produo, estruturando-o de maneira a garantir a relevncia das partes em relao ao tema e continuidade temtica. Procedimentos da escrita: Utilizar procedimentos iniciais para a elaborao do texto: estabelecer o tema; pesquisar idias e dados, etc.; planejar a estrutura; formular rascunho. Utilizar os mecanismos discursivos, lingusticos e textuais de coeso e coerncia, conforme o gnero e propsitos do texto. Manter, na produo do texto, a continuidade do tema e ordenao de suas partes. Desenvolver os tpicos e informaes do texto em relao ao tema e ponto de vista assumidos. Selecionar o lxico em funo do eixo temtico. Utilizar os padres da escrita em funo do projeto textual e das condies de produo. Analisar e revisar o prprio texto em funo dos objetivos estabelecidos, da inteno comunicativa e do leitor a que se destina, redigindo tantas quantas forem as verses necessrias para considerar o texto escrito bem produzido.

Padres da escrita Pontuar corretamente final de frases (ponto, ponto de exclamao, ponto de interrogao, reticncias), usando inicial maiscula.

30 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

6 ANO / 5 SRIE - CONTINUAO 5. Produo de textos escritos Padres da escrita Utilizar marcas de segmentao em funo do projeto textual: ttulo e subttulo, paragrafao, periodizao, pontuao (ponto, vrgula, ponto-e-vrgula, dois-pontos, ponto-de-exclamao, ponto-de-interrogao, reticncias). Utilizar outros sinais grficos (aspas, travesso, parnteses). Pontuar corretamente as passagens de discurso direto em funo das restries impostas pelo gnero. Utilizar recursos grficos orientadores da interpretao do locutor, fontes, tipo de letra, estilo negrito, itlico, tamanho da letra, sublinhado, caixa alta, cor, diviso em colunas, marcadores de enumerao. Reconhecer e corrigir erros ortogrficos que envolvam regularidades na representao de marcas de nasalidade, dos diferentes padres silbicos e das restries contextuais. Escrever corretamente palavras de uso frequente. Acentuar corretamente as palavras. Empregar casos mais gerais de concordncia nominal e verbal para recuperao da referncia e manuteno da coeso em seu texto.

Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 31

7 ANO / 6 SRIE LETRAMENTO E DIVERSIDADE Contedos 1. Oralidade e expresso Interao e comunicao Linguagem verbal e cultura Identidade e diversidade do portugus falado A lngua falada como patrimnio cultural (identidade de grupos sociais) Padres lingusticos de prestgio Objetivos, regras e estratgias nos usos da linguagem verbal (a lngua falada planejada) Gneros discursivos orais (permanncias e mudanas na atualizao dos gneros conversacionais) Escuta orientada em situaes de recepo da fala no planejada e planejada (construo de modelos apropriados ao uso do oral nas circunstncias previstas) Sinais paralingusticos durante as situaes de fala Expectativas de aprendizagem 1. Oralidade e expresso Compreender a fala como manifestao do pensamento e da cultura de um povo e o direito de seu uso como instrumento de comunicao, manifestao de idias e construo de identidades. Identificar-se com a fala produzida por sua comunidade e respeitar a fala produzida por outras comunidades. Escutar a fala do outro, compreendendo o silncio como parte da interao / interpretao. Intervir com perguntas e colocaes planejadas em situaes autnticas de interlocuo de escuta de textos. Identificar em situaes de escuta trechos em que um interlocutor desqualifica o outro ou manifesta posies discriminatrias ou de preconceito, fazendo intervenes. Relatar opinies, idias, experincias e acontecimentos, de acordo com a sequncia lgica do gnero relatado. Ampliar em situaes de fala planejada o uso de vocabulrio e de estruturas com maior complexidade sinttica, levando em conta os contedos aprendidos nos demais tpicos. Expor trabalhos individualmente ou em grupo apoiados por roteiros escritos ou outros recursos.

2. Leitura Gneros indicados para leitura, reflexo e anlise para a srie / ano: relatos de experincia pessoal, histria em quadrinhos, artigos de divulgao cientfica, artigos de opinio, notcias, manchetes, publicitrios, anncios de classificados, anncios publicitrios, reportagens, entrevistas, informativos de interesse didtico, definies, verbetes de enciclopdia e dicionrio, curiosidades (voc sabia?), cartes, cartas pessoais, bilhetes, mensagens eletrnicas, resumos, regulamentos, estatutos, tabelas, textos no verbais diversos (fotos, imagens), contos, contos de fada, lendas, romances, fbulas, poemas, letras de msica, pardias Estratgias de leitura: explicitao do contedo implcito, tema, assunto, levantamento de hipteses, relao de causa e consequncia, de temporalidade, transferncia, sntese, generalizao, traduo de smbolos, relao de forma e contedo, etc. Reconstruo das condies de produo e recepo dos gneros indicados para a srie / ano: contexto de produo (autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento em que ocorre a interao), suportes de circulao original (livros, revistas, papis administrativos, outdoors, internet, suportes digitais, peridicos, documentos em geral, folhetos etc.), esferas de circulao original (escolar, jornalstica, artstico-literria, de entretenimento, institucional-pblica, ocupacional, publicitria, profissional, etc.)

2. Leitura Formular hipteses, antes da leitura do texto sobre o seu contedo e forma, considerando as caractersticas do gnero, do suporte, do autor, da sua finalidade, da poca de produo, dos recursos lingusticos empregados, etc. Interpretar textos dos gneros indicados para a srie / ano, relacionando-os aos seus contextos de produo e de recepo (interlocutores, finalidade, espao e tempo em que ocorre a interao), considerando fatores como gnero, formato do texto, tema, assunto, finalidade, suporte original e espaos prprios de circulao social. Identificar esferas discursivas, suportes de circulao original, gneros, temas, assuntos, finalidades, pblico-alvo, possveis objetivos de produo e leitura, espaos prprios de circulao social, formas, constituintes e recursos expressivos em textos. Identificar os possveis elementos constitutivos da organizao interna dos gneros indicados para a srie / ano. Reformular as hipteses iniciais sobre contedo e forma do texto, durante a sua leitura, considerando as caractersticas do gnero, do suporte, do autor, da sua finalidade, da poca de produo dos recursos lingusticos empregados etc. Construir snteses parciais de partes do texto para prosseguir com a sua leitura.

32 Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais

7 ANO / 6 SRIE - CONTINUAO 2. Leitura Elementos constitutivos da organizao interna dos gneros indicados para a srie /ano: (lingusticos, expressivos, textuais, formatos que caracterizam os padres organizacionais e estruturais dos gneros) Tipos de textos (padres predominantemente observados em sua organizao interna); narrativo; descritivo; expositivo; injuntivo; argumentativo; no verbal Suportes: jornais, revistas, folhetos, livros, dicionrios, enciclopdias, internet, estatutos, etc. O vocbulo em estado de dicionrio Sinonmia, homonmia, heteronmia Denotao: o carter polissmico do uso do lxico Conotao: o carter estilstico do uso do lxico O valor expressivo das formas lingusticas Fatores de coerncia A organizao e a progresso temtica a partir de mudana de locutor, pargrafos, subttulos, estrofes e versos Aspectos estilsticos (configurao do texto, posio comunicativa do locutor e sequncia discursiva predominante narrativa, descritiva ou conversacional) como indicadores do gnero de texto Fatores de coeso Coeso referencial (retomada lexical, retomada de referentes por pronomes, retomada de referentes por elipse, etc.) Coeso sequencial (sequenciao parafrstica e frstica, sequenciao temporal, sequenciao conversacional, etc.) Intertextualidade Tratamento da informao e comparao de textos Modalidades de leitura 2. Leitura Estabelecer conexes entre o texto e os conhecimentos prvios. Utilizar inferncias pragmticas para dar sentido a expresses que no pertenam a seu repertrio lingustico. Inferir o sentido de palavras ou expresses a partir do contexto ou selecionar a acepo mais adequada em verbete de dicionrio ou enciclopdia. Inferir tema ou assunto principal do texto. Localizar item de informao explcita, com base na compreenso global de um texto. Organizar, na sequncia em que aparecem, itens de informao explcita, distribudos ao longo de um texto. Distinguir, em um texto, um fato da opinio relativa a esse fato. Estabelecer relaes entre partes de um texto, identificando repeties ou substituies que contribuem para a sua continuidade. Estabelecer relaes de causa / consequncia entre informaes explcitas distribudas ao longo de um texto. Inferir informao implcita em um texto. Estabelecer relaes lgico-discursivas marcadas por conjunes ou advrbios, identificando um exemplo do texto que possa ilustrar essa relao. Interpretar texto com auxlio de material grfico diverso (propagandas, quadrinhos, foto, etc.). Selecionar legenda ou ttulo apropriado para um texto escrito ou uma foto. Reconhecer diferentes formas de tratar uma informao na comparao de textos de um mesmo tema, em funo das condies em que ele foi produzido e daquelas em que ser recebido. Identificar recursos verbais e no verbais utilizados em um texto com a finalidade de criar e mudar comportamentos e hbitos ou de gerar uma mensagem de cunho poltico, cultural, social ou ambiental. Identificar posies distintas entre duas ou mais opinies relativas ao mesmo fato ou ao mesmo tema em diferentes textos. Identificar em textos formas de apropriao textual, como parfrases, citaes, discurso direto ou indireto. Identificar efeitos de ironia ou humor em textos variados.

Orientaes Curriculares - Ensino Fundamental - Sries e Anos Finais 33

7 ANO / 6 SRIE - CONTINUAO 2. Leitura Atitudes Explicitar expectativas quanto forma e ao contedo dos textos que gostaria de ler. Selecionar textos para a leitura de acordo com diferentes objetivos ou interesses (estudo, formao pessoal, entretenimento, realizao de tarefas, etc.). Realizar a leitura integral de um texto com autonomia. Selecionar livros para leitura integral de acordo com seus objetivos e interesses. Ler integralmente livros, revistas e jornais. Buscar informaes complementares em dicionrios, enciclopdias, internet etc. Compreender a leitura em suas diferentes dimenses o dever de ler, a necessidade de ler e o prazer de ler. Interessar-se pela leitura de textos literrios considerando-os como forma de expresso da cultura de um povo. Interessar-se por frequentar espaos mediadores de leitura bibliotecas, livrarias, editoras, bancas de revistas, lanamentos, palestras, depoimentos de autores sabendo orientar-se dentro das especificidades desse espao e de localizar o texto desejado. Valorizar e preservar o suporte livro como um bem simblico. Posicionar-se criticamente em relao aos textos lidos quanto aos contedos discriminatrios, aos direitos humanos e ambientais neles divulgados. 3. Conhecimentos literrios Gneros literrios indicados para leitura, reflexo e anlise para a srie / ano: contos, crnicas, romances, poemas, teatro, letras de msica, msica regional, pardias; gneros literrios orais Reconstruo das condies de produo e recepo dos gneros literrios indicados para a srie / ano: contexto de produo (autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento em que ocorre a interao), suportes de circulao original, esferas de circulao original Elementos constitutivos da organizao interna dos gneros literrios indicados para a srie /ano: lingusticos, expressivos, textuais, formatos que caracterizam os padres organizacionais e estruturais do