Decoração Sustentavel

  • View
    217

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Veja como o eco design pode valorizar ambientes e ajudar a preservar o meio ambiente

Text of Decoração Sustentavel

  • A L P H A D E C O R A O5 4

  • decorao

    A L P H A D E C O R A O 5 5

    DECORAO SUSTENTVELVeja como o eco design pode valorizar ambientes

    e ajudar a preservar o meio ambientePor Amauri Eugnio Jr. Fotos Lucas Dantas e arquivo pessoal

    Para voc, que pensa que a decorao consiste pura e simplesmente em comprar novos mveis, um recado: aquele armrio aparentemente velho abandonado no canto da sala, aquela mesa que est com um dos ps menor do que os outros (vrios botecos j tiveram a reputao jogada sarjeta por isso, inclusive) ou aquela cadeira bem antiga podem ser o diferencial da sua casa; enfim, o suprassumo daquele cmodo. Outro mito sobre decorao que vai ser quebrado, aqui e agora: no preciso gastar os tubos, ou melhor, muita grana, para ter um ambiente bem decorado. A criatividade, independentemente de qual for o segmento a melhor alter-nativa para renovar o ambiente e, assim, valoriz-lo.Esse, em suma, o conceito do eco design. Voc sabe do que se trata, afi nal? Conforme explicado por Tiago Fernandes Rosa, designer, e por Andr Luiz Ferreira, designer e consultor, ambos scios do Grupo Caramelo, consiste no processo que contempla aspectos ambientais em todos os estgios de desenvolvimento da decorao, com o objetivo de preservar o meio ambiente, tanto no que diz respeito derrubada de rvores (de onde voc acha que vm aqueles mveis planeja-dos?), assim como no descarte de recursos, indiscriminada-mente. Pensamos em reutilizar tudo, para no causar impac-to negativo natureza e para que as pessoas daqui a 20 ou 30 anos possam usufruir tudo o que [ns, na sociedade] temos hoje, mencionou Fernandes Rosa.O nome do grupo, por sinal, surgiu a partir do interesse em uma nomenclatura que remetesse ideia de algo que pudesse dar liga ou que colasse, conforme explicaram os scios, em relao ao nome Grupo Caramelo; alm de ter sido inspirado na colagem de adesivos, atividade inicial do grupo (que engloba tambm uma fbrica de lu-minrias, a Sampa Luz).

    Economia de recursos e de dinheiroPois bem, questes relacionadas ao meio ambiente esto ex-tremamente em voga, atualmente; e de maneira bem intensa, tanto que no so raros discursos alarmistas e com caracte-rsticas sensacionalistas sobre esse tema. Logo, uma maneira extremamente vlida de se fazer sua parte para preservar re-cursos naturais a reutilizao de materiais. Quer exemplos? Mveis relativamente (ou muito) antigos que, em princpio so descartados ou inutilizados, podem ganhar novo aspecto ou serem reaproveitados por meio de solues criativas. Decorar signifi ca embelezar. No d para faz-lo somente ao comprar algo novo; ou seja, consiste em valorizar o espao, reaproveitar elementos... Mveis velhos podem virar obras de arte, ressaltou Fernandes Rosa, sobre a reutilizao de elementos. Alm disso, objetos que, teoricamente, nunca seriam utili-zados para fi ns decorativos, como pallets (aqueles suportes de madeira sobre os quais so empilhadas caixas e afi ns), podem ser transformados em bases para sofs ou camas, por exemplo. No est satisfeito? Pedaos de madeiras utilizadas em obras (para sustentao de colunas em construo) e iso-pores tambm podem ser usados como elementos decorati-vos de paredes. Alm de serem decorativos, esses elementos tm funes. A caixa [de madeira], por exemplo, pode ser transformada em uma prateleira ou estante, para se ter uma ideia, ressaltou Fernandes Rosa.Outro aspecto a ser ressaltado: a economia monetria. Isso mesmo, no preciso gastar muito dinheiro para deixar de-terminado ambiente bem decorado e agradvel, tanto para o habitante do local quanto para visitantes. A decorao tem de caber no bolso de todas as pessoas. No porque algum seja da classe C [atualmente, mais da metade da populao brasileira, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografi a

  • decorao

    A L P H A D E C O R A O5 6

    e Estatsticas IBGE], que ela no possa decorar. A luminria colmeia (produzida a partir de copos plsticos e clipes rea-proveitados), por exemplo, uma boa soluo. O objetivo da decorao deixar o ambiente chique e glamouroso, men-cionou o designer Fernandes Rosa.Andr Luiz tambm destacou a utilizao de recursos fi nan-ceiramente mais acessveis que visam, de fato, ter o mesmo efeito prtico de outros mais caros. So usados, por exem-plo, adesivos decorativos e, tambm, uma tcnica antiga mas que foi aprimorada: o uso de tecidos como revestimento de paredes, que tem menor custo... A decorao no deve existir somente nas classes altas; logo, ela tem de ser acessvel para pessoas com baixa renda, ressaltou Andr, ainda ao men-cionar que h empresas que fazem distino de clientes de acordo com o poder aquisitivo inerente a cada um. Todos

    os valores [aquisitivos], para ns, so os mesmos, inde-pendentemente do cliente. A decorao pode ser em uma casa ou em um escritrio de algum da classe A, assim como de algum das classes C e D.

    Identidade do clienteAntes de pura e simplesmente decorar um ambiente, extremamente importante se fazer anlise da personali-dade do cliente, intrinsecamente ligada aos seus interes-ses (estticos, inclusive). Cada estilo [decorativo] tem de seguir de acordo com as caractersticas e personali-dade do cliente. Para cada pessoa h um estilo prprio de decorao, explicou Ferreira, alm de destacar que feito estudo em mbito digital (desde projetos em 3D at fotografi as) no qual so consideradas variveis como a metragem do ambiente e, a partir da, feito estudo com mais aspectos, como revestimento e mveis, por exem-plo, para deix-lo de maneira esteticamente agradvel e

  • decorao

    A L P H A D E C O R A O5 8

    Na foto acima, Andr Luiz Ferreira

    e Tiago Fernandes Rosa seguram

    luminria feita com copos plsti-

    cos e clipes reutilizados; e, ao

    lado, o designer Fernandes Rosa

    mostra o processo de produo

    deste mesmo tipo de luminria.

    direita, luminria produzida a

    partir de uma gaiola. Na pgina

    seguinte, voc pode visualizar as

    luminrias produzidas pela Sampa

    Luz, empresa integrante do Grupo

    Caramelo, nas quais esto eviden-

    ciados desenhos elaborados pelo

    prprio designer Fernandes Rosa.

  • A L P H A D E C O R A O 5 9

    funcional. Tambm feita anlise cromtica, para cada am-biente e com a proposta de cada local (casa ou escritrio, por exemplo). As cores retratam muito as caractersticas do ambiente a ser decorado. Para cozinhas so indicadas cores mais fortes, que remetam fome; e para quartos, por exem-plo, so recomendveis matizes mais suaves, que induzam paz, mencionou o consultor e designer.Obviamente, os gostos e interesses de cada cliente so leva-dos em conta ao se fazer estudo sobre o que ser feito em cada ambiente. Para se ter uma ideia, feita uma espcie de entrevista com cada pessoa para se descobrir o perfil com-portamental de cada um, justamente para dar incio a cada projeto e, assim, para que a pessoa se sinta bem em sua pr-pria casa. No adianta ir casa de uma pessoa moderna e fazer decorao retr. (...) Tudo levado em conta, para que possa haver acerto, na hora da decorao, explicou Andr. Compartilhando da mesma opinio de Andr, Fernandes Rosa ressaltou que o sonho de cada cliente tambm con-siderado; e o objetivo do Grupo Caramelo realiz-lo. Um dos exemplos citados por eles foi o de um cliente que queria retratar a fachada da Estao da Luz; e, para faz-lo, foi feito adesivo, do tamanho da parede em que foi aplicado, com traos (vetores) da fachada; e o trabalho de fixao du-

    rou aproximadamente 12 horas. Obviamente, h casos em que o interesse do cliente no ter resultados necessariamente satisfatrios. Sobre esse fato, Tia-go explicou que o desejo do cliente como um diamante bruto, e o objetivo, a partir da solicitao feita, lapid-lo. Tivemos clientes que fizeram solicitaes nas quais mostra-mos que [o resultado] no ficaria bom; e, por isso, eles con-trataram outros decoradores. No entanto, o cliente se arre-pendeu e, posteriormente, nos chamou para consertarmos o que havia sido feito, completou Andr.

    Frutos colhidosO desempenho dos profissionais do Grupo Caramelo resul-tou em convites para eventos conceituados de decorao e design. No primeiro semestre de 2011, a dupla de scios ir participar de feira de decorao e design a ser realizada em Frankfurt (Alemanha), para representar o Brasil; e tambm participar de programa de reforma de casas, ainda em fase de produo, no formato do Extreme makeover: Home edi-tion (exibido no canal por assinatura Liv).Como Andr Luiz ressaltou, o segredo usar a criatividade e inovar, fugir das tendncias; ou seja, ter um diferencial para ser aplicado.

    ServioGrupo CarameloR. Soldado Jos Alves de Abreu, 50, Vila Galvo, Guarulhos/SPTel.: (11) 2382.8942www.grupocaramelo.com.br