of 26/26
Vila Pouca de Aguiar 30 de maio de 2014 Workshop Conservação e restauro de habitats prioritários de montanha e biodiversidade associada Política Agrícola Comum 2014-2020 Pagamento Greening Medidas Agroambientais nos Prados e Pastagens Eng.º Henrique Santos Diretor de Serviços de Desenvolvimento Rural DRAPN

Política Agrícola Comum 2014-2020 · PDF file30 de maio de 2014 ... organização da produção M3. Valorização da produção agrícola Ac3.1. Jovens agricultores* Ac3.2. Investimento

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Política Agrícola Comum 2014-2020 · PDF file30 de maio de 2014 ......

  • Vila Pouca de Aguiar

    30 de maio de 2014

    Workshop Conservao e restauro de habitats prioritrios de montanha e biodiversidade associada

    Poltica Agrcola Comum 2014-2020

    Pagamento Greening

    Medidas Agroambientais nos Prados e Pastagens

    Eng. Henrique Santos Diretor de Servios de

    Desenvolvimento Rural DRAPN

  • 2. Pilar da PAC Medidas Agroambientais

    3

    Enquadramento 1

    1. Pilar da PAC Pagamento Greening

    2

    2

  • 3

    Enquadramento 1

  • 4

    Pagamentos Directos Medidas de Mercado Desenvolvimento

    Rural

    Reforma da PAC Manuteno da arquitetura mas maior flexibilidade e articulao entre Pilares

    Regras de Financiamento, Gesto e Controlo

    1 Pilar 2 Pilar Flexibilidade

  • 5

    Nova PAC mais equitativa, mais verde e

    com maior integrao com outras

    polticas, nomeadamente ambientais

    Instrumentos e regimes de apoio tm

    associados a salvaguarda da

    sustentabilidade econmica, social e

    ambiental

  • 6

    1. Pilar da PAC

    Apoios ligados - opo Apoio aos Agricultores nas ZD Naturais opo

    Regime para os jovens agricultores

    Pagamento Greening

    Regime de Pagamento Base [ < 70% dos PD ]

    Regime pequena agricultura - opo

    Pagamento Redistributivo - opo

    Pagamentos Diretos (PD)

    Ou

  • 7

    1. Pilar da PAC Pagamento Greening

    2

  • 8

    Pagamento Greening

    Pagamento Greening

    Pagamento por prticas agrcola benficas para o clima e o ambiente;

    Essas prticas agrcolas vo alm das exigncias previstas na condicionalidade;

    Utilizao obrigatria de 30% do envelope nacional pagamentos diretos.

    Pagamento anual por hectare elegvel declarado;

    EM pode decidir que pagamento greening seja em funo do nvel pagamento base;

    1. Pilar da PAC

  • 9

    Pagamento Greening

    Pagamento Greening

    Isenes das prticas:

    Modo de produo biolgico;

    Culturas permanentes;

    Adequao s especificidades exploraes, englobando 3 tipos de prticas agrcolas:

    Diversificao das culturas na terra arvel; Manuteno dos prados permanentes existentes; Deteno de uma superfcie de interesse ecolgico na terra

    arvel.

    1. Pilar da PAC

  • 10

    Pagamento Greening

    Prtica de Diversificao de culturas

    entre 10 ha e 30 ha de terra arvel 2 culturas diferentes em que cultura principal no deve ocupar mais de 75% da terra arvel .

    mais de 30 ha de terra arvel 3 culturas diferentes, em que

    cultura principal no deve ocupar mais de 75% da terra arvel e as 2 culturas principais no devem ocupar mais de 95% da terra arvel.

    Definio de cultura:

    ao nvel do Gnero; Pousio contabilizado constitui uma cultura; Erva ou outras forrageiras herbceas constituem uma

    cultura; Mesma cultura se cultivada como outono-inverno e

    primavera-vero considera-se como existindo duas culturas.

    1. Pilar da PAC

  • 11

    Pagamento Greening

    Prtica de Diversificao de culturas (cont.) Iseno da prtica quando:

    mais de 75% da terra arvel for erva ou outras forrageiras herbceas, terras em pousio ou combinao destas;

    mais de 75% da rea elegvel for erva ou outras forrageiras herbceas, cultivada com culturas sob gua, ou combinao destas;

    estas isenes aplicam-se desde que a superfcie arvel no abrangida seja no mximo 30 ha.

    1. Pilar da PAC

  • 12

    Pagamento Greening

    Prtica de manuteno de prados permanentes (PP)

    EM assegura que proporo de PP em relao superfcie agrcola total no desce abaixo de 5% (comparao com proporo de referncia de 2015);

    Possibilidade de PT continuar a implementar a nvel nacional [opo do EM implementar a nvel sub-regional, regional ou nacional], seguindo um modelo de autorizao prvia;

    EM designam prados permanentes ambientalmente sensveis nas zonas abrangidas pelas Diretivas Aves e Habitats (RN 2000), nas quais poder existir proibio de alterao de uso ao nvel do agricultor.

    1. Pilar da PAC

  • 13

    Pagamento Greening

    Prtica de Superfcie de Interesse Ecolgico (EFA)

    Exploraes com mais de 15 hectares de terra arvel;

    Mnimo de 5% terra arvel da explorao que o agricultor declarou sejam EFA;

    Possvel aumento para 7% a partir de 2018, aps avaliao COM e proposta legislativa;

    EM decidem que tipo de superfcies so consideradas de interesse ecolgico;

    Exemplos de EFA: pousio, elementos paisagsticos (como sebes, faixas arborizadas, bosquetes), Florestao de Terras Agrcolas, etc...

    1. Pilar da PAC

  • 14

    Pagamento Greening

    Prtica de Superfcie de Interesse Ecolgico (cont.)

    Iseno da prtica quando:

    mais de 75% da terra arvel for erva ou outras forrageiras herbceas, terras em pousio, culturas leguminosas ou combinao destas;

    mais de 75% da rea elegvel for erva ou outras forrageiras herbceas, cultivada com culturas sob gua, ou combinao destas;

    estas isenes aplicam-se desde que a superfcie arvel no abrangida seja no mximo 30 ha.

    1. Pilar da PAC

  • 2. Pilar da PAC 3

    15

  • PDR 2020 Arquitetura de Programao

    A1. Inovao e conhecimento

    M1. Inovao

    Ac1.1. Grupos operacionais

    M2. Conhecimento

    Ac2.1. Capacitao e divulgao

    Ac2.2. Aconselhamento

    A2. Competitividade e organizao da produo

    M3. Valorizao da produo agrcola Ac3.1. Jovens agricultores* Ac3.2. Investimento na explorao agrcola* Ac3.3. Investimento transf. e comercializao produtos agrcolas* Ac3.4. Infraestruturas coletivas** * Incl. recursos mobilizados na ITI Alqueva ** Incl. recursos mobilizados na ITI CIM

    M4. Valorizao dos recursos florestais

    M5. Organizao da produo Ac5.1. Criao AP / OP Ac5.2. Org. interprofissionais Ac5.3. Integrao empresarial

    M6. Gesto risco e rest. potencial produtivo Ac61. Seguros Ac6.2 Preveno de riscos e rest. potencial produtivo

    A3. Ambiente, eficincia no uso dos recursos e clima

    M7. Agricultura e recursos naturais Ac7.1. Agricultura biolgica Ac7.2. Produo integrada Ac7.3. Pagamentos rede natura Ac7.4. Conservao do solo Ac7.5. Uso eficiente da gua Ac7.6. Culturas permanentes tradicionais Ac7.7. Pastoreio extensivo Ac7.8. Recursos genticos Ac7.9. Mosaico agroflorestal Ac7.10. Silvoambientais Ac7.11. Inv. no-produtivos Ac7.12. Apoio agroambiental apicultura

    M8. Proteo e reabilitao de povoamentos florestais Ac8.1. Silvicultura sustentvel Ac8.2. Gest. recursos cinegticos e aqucolas

    M9. Manuteno da atividade agrcola em zonas desfavorecidas

    A4. Desenvolvimento

    local

    M10. Leader Ac10.1. Apoio preparatrio Ac10.2.Implementao das estratgias: Pequenos

    investimentos agrcolas e na transformao e comercializao

    Diversificao para atividades no agrcolas

    Renovao de aldeias

    Cadeias curtas e mercados locais

    Promoo de produtos de qualidade locais

    Ac10.3. Atividades de Cooperao dos GAL Ac10.4 Funcionamento e animao

    Assistncia Tcnica (incluindo Rede Rural)

  • Medida 7 Agricultura e Recursos Naturais

    Princpios base

    Enfoque na proteo dos recursos naturais (Biodiversidade, solo e gua) e de sistemas tradicionais em risco;

    Abrangentes, em rea e beneficirios;

    Simples e percetveis;

    Controlveis;

    Articuladas com o 1 pilar Greening;

    Dar continuidade com maior simplificao sempre que possvel.

  • Medida 7 Agricultura e Recursos Naturais

    Aes holsticas:

    Agricultura biolgica;

    Produo Integrada

    Aes focadas em cada um dos recursos

    Pagamentos Rede Natura => Biodiversidade

    Conservao do solo => Solo

    Uso Eficiente da gua => gua

    Aes visando preservar sistemas tradicionais ambientalmente benficos

    Culturas Permanentes Tradicionais

    Pastoreio Extensivo (inc. lameiros)

    Aes com objetivos especficos

    Recursos Genticos; Mosaico agroflorestal; Silvoambientais; Inv. no-produtivos; Apoio agroambiental apicultura

  • Medida 7 Agricultura e Recursos Naturais

    Ao 7.7 Pastoreio Extensivo

    Apoio dos agricultores com vista adoo ou preservao de prticas de pastoreio extensivo que assegurem a manuteno de lameiros de elevado valor natural, e de sistemas agro-silvo-pastoris no montado de sobro, azinho ou carvalho negral.

    Apoio opcional para a manuteno e promoo do estado de conservao favorvel do lobo-ibrico na rea de ocorrncia da espcie.

    Necessidade de manuteno de sistemas de elevado valor natural e de sistemas agro-silvo-pastoris

  • Medida 7 Agricultura e Recursos Naturais

    Tipos de Operao

    Apoio manuteno de lameiros de alto valor natural de sequeiro e regadio;

    Apoio manuteno de sistemas agro-silvo-pastoris sob montado de sobro, azinho ou carvalho negral, que inclui opo de proteo da regenerao natural (manuteno de rea de montado no sujeita a pastoreio) e utilizao de corta-mato;

    Apoio proteo do lobo-ibrico atravs de apoio manuteno de co de guarda de rebanho.

    Tipos de Beneficirio

    Agricultor que respeite a condio de agricultor ativo.

    Ao 7.7 Pastoreio Extensivo

    Condies de acesso

    rea mnima de 0,3 hectares de superfcie agrcola com Lameiros de alto valor natural ou de 1 hectare nos sistemas agro-silvo-pastoris sob montado de sobro, azinho ou carvalho negral;

    No apoio proteo do lobo-ibrico a explorao pecuria deve estar localizada em rea de ocorrncia da espcie;

    No apoio complementar apicultura as colnia