Vitrine Lageana 117

  • View
    222

  • Download
    4

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Vitrine Lageana 117

  • VITRINE LAGEANA - LAGEs, SEXTA-FEIRA 14 dE FEVEREIRO de 2014Opinio SadeSegurana Turismo CidadeEducaoEntrevista Cultura

    Motoristas precisam estar atentos s alteraes

    Cidade 7

    Lages comea a fazer mudanas

    no trnsito

    Projeto da fbrica est pronto para implantao

    Economia 8

    Sinotruk mais prxima da instalao

    Reunio define novas propostas para o turismo

    Geral 13

    Turismo avana no campo do planejamento

    Lages, Sexta-feira 14 de Fevereiro de 2014R$ 2,00

    Ano 04 - Edio 117

    Central a servio da vigilncia Central Regional de Emergncia mantm completo monitoramento sob todos os ngulos. O sistema funciona 24 horas. Pg. | 03

    Paulo C

    hagas

    atrase seu relgio em uma hora, meia-noite, deste sbado, dia 15.

    Horrio de Vero:

  • VITRINE LAGEANA - LAGEs, SEXTA-FEIRA 14 dE FEVEREIRO de 2014Salrio e distribuio de rendaO relatrio que o PNUD (Programa das Naes Unidas para o Desen-volvimento) divulgou no ltimo dia 29, traz revelaes inquietantes a respeito da distribuio de renda, mostrando com nmeros insuspeitos, que o mundo nunca esteve to rico, mas que a riqueza nunca esteve to mal distribuda como hoje.No seu recente livro O Futuro, Al Gore mostra como se processam

    os fluxos financeiros na rede mundial que ele chama de Terra S/A. A velocidade eletrnica com que o dinheiro viaja pelos

    cinco continentes criou um cenrio de acelerao dessa concentrao. A distribuio da riqueza mundial sempre foi muito injusta, mas essa injustia cresceu sobremaneira depois da Segunda Guerra Mundial. Esse desequil-brio aumentou nos pases em desenvolvi-mento, a uma taxa de 11%, entre 1990 e 2010. Dentre esses, o Brasil foi um dos poucos que conseguiu reduzi-lo, fazendo a desigualdade cair de 54,2% para 45,9%, de acordo com o ndice GINI, que mede a concentrao de renda. A razo fun-

    damental para essa melhoria da renda dos brasileiros foi a poltica salarial. Em apenas oito anos (entre 2003 e 2010), o valor do salrio mnimo aumentou 80%.Eu sempre tive convico de que o melhor instrumento para reduzir as desigualdades sociais a elevao dos ganhos dos assalariados. Por isso, enviei Assembleia Legislativa e san-cionei o projeto de lei que instituiu o salrio mnimo regional, em vigor no Estado de Santa Catarina.

    No Senado, empenhei-me na aprovao do projeto em que a presidente Dilma Roussef criou a nova metodologia que permitiu a automtica majorao do salrio mnimos dos trab-alhadores, norma que vem contribuindo para a melhoria da renda dos assalariad-os. Porque, repito, a roda que move a mais justa distribuio de renda o salrio.Luiz Henrique da Silveira

    Senador da Repblica

    Nossa Opinio

    O Brasil vive momentos antagnicos e abissais. A democracia, importante para a difuso das ideias em um pas livre, no pode ser confundida com baderna. Os manifestos que levam as diversas justi-ficativas para acontecerem nos grandes centros do pas, apresentam contornos de pura selvageria. Grupos extremos infiltrados ao que deveriam ser protestos pacficos, contabili-zam prejuzos diretamente a pessoas de bem, que tm suas lojas depredadas ou carros incendiados, e pior, causam a morte de annimos que sequer sabem o que lhes atingiu.O uso de artefatos que representa perigo vida provm de pessoas que no esto apenas interessadas em construir um pas melhor ou simplesmente protestar contra o aumento de passagens de nibus urbanos. Mas sim, de

    uma escria obstinada a causar danos e medo. gente que se julga acima da lei, e que desafia a ordem, por causas duvidosas. No caso da morte do cinegraf-ista da Rede Bandeirantes de Televiso, Santiago Andrade, atingido na cabea por um artefato que lhe foi mortal. E depois, em rede social, um dos grupos de manifestantes, de-nominado Black Block, diz que lamenta a morte do profission-al. Um lamento vil, demagogo. Pois, no mesmo manifesto j convoca os militantes para novos confrontos.No h contrariedade realizao de manifes-tos. Afinal, uma das poucas armas que a sociedade ainda tem para demonstrar seus descontentamentos. Mas, pre-ciso lembrar, que nestes atos, quase sempre violentos, a vida se perde, e com ela o sentido das causas pelas quais lutamos.

    Morte em manifesto

    Grimpa

    A ousadia de ladres resultou num assalto ao Museu Thiago de Castro, em pleno Centro da cidade. Obviamente, os gatunos sabiam muito bem o que queriam, ou seja, as armas antigas. Logicamente devem ter estudado minuciosa-mente a maneira pela qual, poderiam entrar e consumarem o intento. Por outro lado, inconcebvel a falta de um sistema de segurana adequando, e se tem, por que no estava ativado? Coisas assim nos levam a pensar que o descuido foi ponto predominante no arrombamento seguido de roubo, ou no...Assaltoao Museu

    A cidade de Lages bem que poderia j ter sido contemplada com um projeto moderno de recolhimento do lixo. Pelo menos, no Centro. Contain-ers esto sendo usados nas mais di-versas cidades brasileiras, facilitando o condicionamento dos materiais, em espaos distintos, para o depsito dos orgnicos e os reciclveis. No entanto, a soluo, e tomara que seja temporria, foi a instalao de cestes de ferro. A medida paliativa. Ladres j conseguiram at roubar as tampas para vender o ferro. Ser que um dia Lages poder contar com os containers?

    !

    ...

    Obrasdo Aeroporto ?Futurodo LixoAfinal de contas, de quem a responsabilidade pela construo do aeroporto em Correia Pinto? Uma obra que se arrasta por mais de uma dcada e que obteve investimentos de mais de R$ 25 milhes. No se concebe realmente que exista tamanha falta de competncia. Porm, o problema que, alm da finalizao da obra no andar, no h sequer a perspectiva de quando o aeroporto vai entrar em operao. Uma lstima. O que deveria se transformar numa bandeira de desenvolvimento, fica envolto num manto de vergonha, e pior, encoberto pelo silncio!

    Opinio1202

  • VITRINE LAGEANA - LAGEs, SEXTA-FEIRA 14 dE FEVEREIRO de 201403

    Con ra outros produtos e formas de acumular nmeros em sorteemcamposicredi.com.br

    = nmerosda sorte2ouem depsitos a prazoR$ 200 R$ 300em poupana*Ttulo da

    mod

    alid

    ade

    ince

    ntiv

    o em

    itid

    o pe

    la Ic

    atu

    Capi

    taliz

    ao

    S/A

    , CN

    PJ/M

    F n

    74.

    267.

    170/

    0001

    -73,

    Pro

    cess

    o SU

    SEP

    n 1

    5414

    .900

    130/

    2013

    -82.

    A a

    prov

    ao

    de

    ste

    ttu

    lo p

    ela

    SUSE

    P n

    o im

    plic

    a, p

    or p

    arte

    da

    Aut

    arqu

    ia,

    ince

    ntiv

    o ou

    re

    com

    enda

    o

    su

    a aq

    uisi

    o,

    repr

    esen

    tand

    o, e

    xclu

    siva

    men

    te, s

    ua a

    dequ

    ao

    s

    nor

    mas

    em

    vig

    or.

    Serv

    io

    de I

    nfor

    ma

    o a

    o Ci

    dad

    o SU

    SEP:

    080

    0 02

    1 84

    84

    (dia

    s t

    eis,

    das

    9h3

    0 s

    17h

    ) ou

    ww

    w.s

    usep

    .gov

    .br.

    Ouv

    idor

    ia I

    catu

    Se

    guro

    s: 0

    800

    286

    0047

    . Fun

    dos

    de in

    vest

    imen

    to n

    o c

    onta

    m c

    om a

    gar

    anti

    a do

    adm

    inis

    trad

    or d

    o fu

    ndo,

    do

    gest

    or d

    a ca

    rtei

    ra,

    de q

    ualq

    uer

    mec

    anis

    mo

    de s

    egur

    o ou

    , ain

    da, d

    o Fu

    ndo

    Gar

    anti

    dor

    de C

    rdi

    to -

    FG

    C. A

    ren

    tabi

    lidad

    e ob

    tida

    no

    pa

    ssad

    o n

    o re

    pres

    enta

    ga

    rant

    ia

    de

    rent

    abili

    dade

    fu

    tura

    .

    reco

    men

    dada

    a l

    eitu

    ra c

    uida

    dosa

    do

    pros

    pect

    o e

    do r

    egul

    amen

    to d

    o fu

    ndo

    de i

    nves

    tim

    ento

    pel

    o in

    vest

    idor

    ao

    aplic

    ar o

    s se

    us r

    ecur

    sos.

    Pro

    mo

    o v

    lid

    a du

    rant

    e o

    per

    odo

    de 2

    0/01

    a 3

    1/07

    /201

    4, p

    ara

    os a

    ssoc

    iado

    s da

    s co

    oper

    ativ

    as

    de c

    rdi

    to p

    arti

    cipa

    ntes

    . Con

    sult

    e o

    regu

    lam

    ento

    com

    plet

    o da

    pro

    mo

    o e

    m

    sort

    eem

    cam

    posi

    cred

    i.com

    .br

    ou n

    as c

    oope

    rati

    vas

    de c

    rdi

    to p

    arti

    cipa

    ntes

    . Pr

    odut

    os e

    ser

    vio

    s su

    jeit

    os

    dis

    poni

    bilid

    ade

    na s

    ua c

    oope

    rati

    va d

    e cr

    dit

    o.

    Para

    info

    rma

    es s

    obre

    pro

    duto

    s e se

    rvi

    os e

    con

    di

    es d

    e co

    ntra

    ta

    o, d

    irija

    -se

    a um

    a de

    nos

    sas

    unid

    ades

    de

    aten

    dim

    ento

    . Pr

    mio

    s pa

    gos

    em m

    oeda

    cor

    rent

    e na

    cion

    al e

    lq

    uido

    s de

    im

    post

    os.

    SAC

    Sicr

    edi

    - 08

    00 7

    24 7

    220

    / D

    e