Click here to load reader

Vitrine Lageana Edição 159

  • View
    216

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Vitrine Lageana Edição 159

  • VITRINE LAGEANA - LAGEs, SEXTA-FEIRA, 5 dE dEzEmbRo de 2014OpinioSadeSegurana Destaque CidadeEducaoEsporte Poltica

    Lages, sexta-feira, 5 de dezembro de 2014R$ 2,00

    Ano 04 - Edio 158

    Operao guas Limpas

    Justia afasta prefeito de Lages

    Pau

    lo C

    haga

    s

    Papai Noel o novo donoda cidadeEle recebeu a chave na abertura do Natal Felicidade. | Pg (3)

    Comea a Operao Veraneio 2014A operao transcorre durante a temporada de vero. | Pg (8)

    O prefeito Elizeu Mattos foi detido ainda na noite de quinta-feira (4), em Florianpolis. Com ele mais cinco pessoas tambm foram arroladas no processo, chegando a dez ao todo. Entenda o caso. | Pg (6)

  • VITRINE LAGEANA - LAGEs, SEXTA-FEIRA, 5 dE dEzEmbRo de 2014

    Por Erik Penna especialista em vendas

    Opinio1202

    O cliente reclamou? Ainda bem!Quase ningum gosta de ouvir reclamao. Mes-mo quando a crtica con-strutiva, difcil encar-la como algo proveitoso e positivo. No mundo corporativo, quando se fala em atendimento ao cliente e prestao de servios, ouvir reclamaes algo relativa-mente comum, mas a forma de receber e dar tratamento s queixas que pode fazer toda a diferena para a organizao.Pense bem: o que voc tem a ganhar enfrentando um

    cliente insatisfeito ou sendo indiferente sua queixa? H pelo menos trs aspectos altamente benficos em uma reclamao:1) Quando um cliente diz para a empresa com a qual mantm uma relao comercial que est insatisfeito com um determinado produto ou servio prestado, significa simplesmente que ele deseja fazer alguns ajustes nesse rela-cionamento. Muito pior seria se o cliente tratasse a empresa com indiferena. Quando um

    cliente est incomodado, mas no fala nada, no momento em que menos se espera ele migra, espontaneamente e quietinho, para a concorrncia. 2) Outro aspecto positivo que a reclamao de um cliente pode servir como consultoria, ainda que invol-untria, para a empresa. Na maioria das vezes, ele mostra, de maneira inequvoca, sincera e gratuita, uma srie de erros que ela vem cometendo, sem ao menos se dar conta. Uma con-

    sultoria, alis, cobra caro para dar os mesmos conselhos que o cliente pode dar.3) Caso a empresa no possa atender ao pedido do cliente, que pelo menos lhe d ateno, garantindo que ele seja ouvido. Tanto quanto obter solues, as pessoas desejam ser ouvidas e seus pontos de vista respeitados. Saber ouvir algo que no implica custo financeiro para a organizao, mas ainda assim uma quali-dade muito desejada num pro-

    fissional, independentemente do setor em que atua. Portanto, ao ouvir uma crtica, procure todos os aspectos positivos que ela pode trazer. Muito longe de ser um inimigo, um cliente insatisfeito pode ser fonte de informaes valiosas para a melhoria no atendimento e na gesto da empresa.

    Nossa Opinio

    Vindo dos leitores, chega redao quest-ionamentos a respeito dos investimentos no Natal Feli-cidade. Perguntam, por que tanto empenho e dinheiro e uma Festa da Natal? Ser que no temos coisas de mais importncia precisando de ateno em nossa cidade? Alis, o leitor mostra-se bem informado e acompanha os acontecimentos. Por exemplo: a verba federal de R$ 500 mil; R$ 300 mil do Governo Federal, mais R$ 400 mil do Governo do Estado, alm de inmeras doaes em dinheiro, de empresas particulares. Para o leitor muita grana para colocar um tnel de luzinhas e projees na Catedral.Os leitores questionam ainda sobre a organiza-o da Festa do Pinho, e de maior estmulo aos artistas locais e cultura. Defendem

    tambm a rpida revitalizao do Calado e a construo de um palco definitivo para a realizao de eventos, entre outras coisas que poderiam fazer com o esse dinheiro, inclusive, melhorar a sade. Os leitores no deixam de ter certa razo. Talvez, o contraponto para tanto investimento no Natal Felicidade, esteja especial-mente na proposta de dar Lages, alternativas para o incremento do turismo, a exemplo do que se faz em Gramado ou Canela, no RS. Dentro da sua proporcionali-dade, queira ou no, Lages abre com isso, momentos atrativos aos olhos dos visitantes da regio. Some-se ao Shopping, a cidade acaba sendo bastante visitada. Assim, fala-se bem da decorao natalina, ao invs de negatividade e pobreza por nada ou pouco se fazer nesta poca.

    O leitor questiona

    Grimpa

    A populao lageana est se perguntando aonde que os vereadores querem chegar com a realizao de duas Comisses Parla-mentares de Inqurito (CPI), sobre o mesmo assunto, ou seja, para inves-tigar a Semasa. Afinal, que objetivo exatamente se quer atingir? A CPI da oposio tem como base o fato determinado, ou seja, o que a Gaeco apurou, inclusive, com a apreenso de uma sacola de dinheiro. A da situao, os vereadores ainda vo ver se descobrem algo, que supos-tamente poderiam ter acontecido. Por fim, que pagar os custos?

    !

    H uma informao de que esto sendo instala-dos em Lages mais de 50 novos abrigos de ni-bus. Alis, em Lages, uma temeridade fazer qual-quer coisa diferente. Impressionante como chama ateno dos vndalos, que por sua vez, destroem com facilidade, na primeira chance. Basta ver o que tem acontecido com os abrigos de

    nibus mais antigos. Todos em estado deplorvel. Mas, independente disso, preciso manter os existentes e construir novos. Nesse caso, a coluna segue lembrando a neces-sidade de que seja instalado um, bem em frente ao Hospital Tereza Ramos, pois ...

    Abrigosde nibus

    ...

    Situaodo presdio ?DuasCPISH muito tempo no se ouve nada a respeito do Presdio do So Cristvo no que tange superlotao. Obviamente, no porque est tudo bem, mas, pelo fato de as autoridades responsveis, e preocupadas com a questo, cansaram de tanto reclamar. No entanto, mascarar ou silenciar quanto a um problema to relevante no a melhor estratgia. A comu-nidade precisa saber exatamente como se encontra a situao dentro do Presdio. No faz tanto tempo que nos chegou a informao de que ele j estava com excesso de lotao. Portanto, uma preocupao e tanto!

  • VITRINE LAGEANA - LAGEs, SEXTA-FEIRA, 5 dE dEzEmbRo de 201403DESTAQUE

    Ampla programao contempla as noites do Natal Felicidade

    Prefeito entregou a chave da cidade ao Papai Noel

    Pau

    lo C

    haga

    sComearam as festividades do Natal Felicidade. Desde segunda-feira (1) at o dia 6 de janeiro, Lages vive a magia de um dos perodos mais aguardados por crianas e adultos. A segunda edio do evento, organizado pela Secretaria de Turismo, promete ser ainda mais bela, encantadora e surpreendente.A cerimnia de abertura ocorreu na segunda, no largo da Catedral Diocesana, com a presena de autoridades, convidados, o Papai Noel e uma multido de pessoas que se aglomerou na praa para acompanhar a primeira noite da programao. O Natal Feli-cidade conta com a parceria do governo do Estado, por meio do Funcultural; do governo federal, atravs do Ministrio do Tur-ismo e da Cultura; e da Cmara de Dirigentes Lojistas (CDL). Na

    ocasio, o prefeito Elizeu Mattos entregou a chave da cidade ao bom velhinho. Para ele, fazer a festa em praa pblica foi um desafio lanado, pensado e aprovado pelas pessoas.

    O secretrio de Turismo, Flvio Agustini, agradeceu a cada um dos colaboradores do trabalho e afirmou que a cidade vive um momento de felicidade. Lages est feliz e merece uma festa como esta. Pensamos sem-pre em fazer o melhor para o coletivo, concluiu.A pessoa mais aguarda da noite, o Papai Noel, deixou uma mensagem de esperana e solidariedade s pessoas que lotaram a praa da Catedral. Aceitei a misso porque sei que o povo de Lages de paz e amor, disse, antes do tradicio-nal Ho! Ho! Ho! e do desejo de um feliz Natal.

    Natal Gacho em FamliaPopulao foi em grande nmero no evento

    Famlia Fagundes abriu a programao em grande show natalino

    Crdito ser para custear despesas de fim de ano da Prefeitura

    Nilton W

    olff

    Elis

    andr

    a P

    andi

    ni

    A multido tomou conta das ruas centrais da cidade na segunda-feira (1), na noite em que Lages se encantou mais uma vez com a programao do Natal Felicidade. A estimativa de que

    A Famlia Fagundes hoje a maior referncia na msica regional do Rio Grande do Sul, com formao religiosa e uma unio que se explica pela pregao crist. O espetculo Natal gacho em famlia foi uma homenagem famlia brasileira, cujos valores tradi-cionais so cultuados pelos

    Fagundes dentro do esprito nativista. Eles foram os respon-sveis em abrilhantar o pri-meiro dia de atraes culturais. Acompanhados pelo pblico, a Famlia abriu o espetculo com a msica Noite Feliz. Apren-demos a celebrar o Natal sem perder o foco na solidariedade, disse o cantor Neto Fagundes.

    mais de dez mil pessoas se deslocaram at o Centro para conferir de perto a decora-o, a iluminao especial, shows, a Casa do Papai Noel, o Tnel Encantado, projeo mapeada em trs dimenses na Catedral Diocesana e mais uma srie de novidades que prometem fazer dos prxi-mos 22 dias de evento um ver-dadeiro espetculo ao ar livre.Na Casa do Papai Noel, neste ano um diferencial tor-nou mais acessvel s lem-branas de infncia. Os pais e familiares que levarem seus pequenos para conhecer o Papai Noel podem levar con-sigo seus prprios equipa-mentos para fazer os regis-tros fotogrficos.

  • VITRINE LAGEANA - LAGEs, SEXTA-FEIRA, 5 dE dEzEmbRo de 2014polTicA04

    Cmara aprova crditoCarmen conversa com Acio Neves

    Tucanos decidiram fazer oposio ao Governo do Estado

    Crdito ser para custear despesas de fim de ano da Prefeitura

    Z Rabelo

    Elis

    andr

    a P

    andi

    ni

    A deputada federal Carmen Zanotto (PPS), e o vice-prefeito de Lages, Toni Duarte (PPS) par-ticiparam na segunda-feira (1), de um encontro com o senador Acio Neves (PSDB). A reunio aconteceu no Hotel Majestic, em

    Florianpolis. O senador reu-niu as lideranas dos partidos que o apoiaram na campanha presidencial para agradecer a