of 34 /34
Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exercícios comentados Prof Wagner Rabello Jr. – Aula 00 Prof. Wagner Rabello Jr. www.estrategiaconcursos.com.br 1 de 34 AULA 00 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ARQUIVOLOGIA SUMÁRIO PÁGINA APRESENTAÇÃO 2 1. PRIMEIROS PASSOS 6 2. TERMINOLOGIA ARQUIVÍSTICA 15 3. PRINCÍPIOS DA ARQUIVOLOGIA 19 4. BIBLIOGRAFIA 20 5. QUESTÕES COMENTADAS 21 6. LISTA DAS QUESTÕES 29 7. GABARITOS 34 "Minha estratégia sempre foi fazer minha própria corrida. Somente você pode determinar seu desafio pessoal. Não deixe a competição, ou seu oponente, determinar qual deve ser seu desafio”. (Joan Benoit Samuelson) Meu e-mail: [email protected]

Aula 00 - Arquivologia

Embed Size (px)

Text of Aula 00 - Arquivologia

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 AULA 00 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ARQUIVOLOGIA

SUMRIO APRESENTAO 1. PRIMEIROS PASSOS 2. TERMINOLOGIA ARQUIVSTICA 3. PRINCPIOS DA ARQUIVOLOGIA 4. BIBLIOGRAFIA 5. QUESTES COMENTADAS 6. LISTA DAS QUESTES 7. GABARITOS

PGINA 2 6 15 19 20 21 29 34

"Minha estratgia sempre foi fazer minha prpria corrida. Somente voc pode determinar seu desafio pessoal. No deixe a competio, ou seu oponente, determinar qual deve ser seu desafio. (Joan Benoit Samuelson)

Meu e-mail: [email protected] Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

1 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 APRESENTAO

Salve, salve, concurseiros, Aps uma longa espera, enfim, foi publicado o edital do concurso pblico para o Tribunal Regional Eleitoral de So Paulo, tendo como banca a Fundao Carlos Chagas e com provas marcadas para o dia 18/03/2012. Meu nome Wagner Rabello Jr., vamos trabalhar a disciplina NOES DE ARQUIVOLOGIA nesta turma preparatria para o cargo de TCNICO JUDICIRIO ADMINISTRATIVA. Antes de qualquer coisa, gostaria de fazer uma breve apresentao da minha pessoa. Meu nome Wagner Rabello Jr., sou Ps-graduado em Administrao Pblica pela Fundao Getlio Vargas (FGV), bacharel em Direito pela Universidade do Grande Rio e bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Estou no servio pblico h 17 anos e ministro aulas nas reas de Administrao, Arquivologia e Regimento Interno dos TREs em cursos preparatrios presenciais no Rio de Janeiro e So Paulo, alm de vdeo aulas e cursos escritos. J fui aprovado e classificado em concursos para Oficial da Aeronutica, Analista do Departamento de Produo Mineral, Ministrio do Meio Ambiente e outros. H 4 (quatro) anos ocupo o cargo de Tcnico Judicirio do TRE-RJ (sempre trabalhando em zonas eleitorais) onde tambm sou Membro Efetivo da Comisso Permanente de Avaliao de Documentos do TRE-RJ e em anos eleitorais estive como Coordenador de Fiscalizao de Propaganda Eleitoral. Gostaria de falar um pouco mais sobre o meu trabalho no TRE-RJ, que certamente guarda ampla semelhana com qualquer outro TRE do pas. Como eu havia dito acima, desde que entrei no Tribunal (completei 4 anos no ltimo dia 22/10) sempre trabalhei em zonas eleitorais. De um modo geral, ns, servidores, fazemos rodzio na realizao das tarefas e todos acabam aprendendo a fazer de tudo. Gosto muito da rea de fiscalizao de propaganda eleitoral, que ocorre em anos eleitorais, e tambm de atuar na rea de processos. Alm dessas tarefas, faz pouco mais de um ano, passei a integrar de forma efetiva a COMISSO PERMANENTE DE AVALIAO DE DOCUMENTOS DO TRE-RJ. Assim, consegui aliar uma das minhas formaes (Biblioteconomia que tambm trata de gesto da informao) e meus cursos de Arquivologia prtica. Tenho feito diversos cursos e participado de diversos projetos na rea de documentao do TRE-RJ... fantstico!!!Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

2 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 A CARREIRA DOS SERVIDORES DA JUSTIA ELEITORAL Nossa carreira a mesma que a dos demais ramos da justia no mbito da unio e do Distrito Federal, ou seja, temos apenas uma lei que regula a carreira dos TREs, TRTs, TRFs, TJDFT, Justia Militar, Tribunais Superiores e Supremo Tribunal Federal. Trata-se da lei 11.416 de 11 de dezembro de 2006. Art. 1o As Carreiras dos Servidores dos Quadros de Pessoal do Poder Judicirio da Unio passam a ser regidas por esta Lei. Art. 2o Os Quadros de Pessoal efetivo do Poder Judicirio so compostos pelas seguintes Carreiras, constitudas pelos respectivos cargos de provimento efetivo: I - Analista Judicirio; II - Tcnico Judicirio; III - Auxiliar Judicirio.

Remunerao Tramita no Congresso Nacional o projeto de lei (PL) 6613/2009 que tem por escopo o aumento da remunerao, que j boa, dos servidores do judicirio. O PL se encontra em um estgio bem avanado e pode ser aprovado ainda este ano e comear a valer a partir de janeiro de 2012. Vejamos os valores atuais e os valores futuros. Consideramos o vencimento bsico + a gratificao de atividade judiciria (GAJ) CARGO Analista Judicirio Tcnico Judicirio Auxiliar Judicirio ATUAL R$ 6.551,52 R$ 3.993,08 R$ 1.988,19 PROPOSTA R$ 10.436,12 R$ 7.194,22 R$ 3.582,06

Alm dos valores acima, os servidores fazem jus a uma auxilio alimentao, em dinheiro, no valor de R$600,00. Nada mal, no ?!Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

3 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 (CONTEDO PROGRAMTICO do CURSO) (De acordo com o edital do TRE-SP/2011) Conceitos fundamentais de Arquivologia. O gerenciamento da informao e a gesto de documentos: diagnsticos; arquivos correntes e intermedirio; protocolos; avaliao de documentos; arquivos permanentes. Tipologias documentais e suportes fsicos: microfilmagem; automao; preservao, conservao e restaurao de documentos.

METODOLOGIA DO CURSO Muitos concurseiros ficam arrepiados s de ouvirem falar em Arquivologia, pensam que algo de outro mundo e etc. Ao longo do curso vocs percebero que no difcil e que vamos faz-la ficar mais fcil. Voc sabia que, no seu dia a dia, voc j utiliza a Arquivologia?!?! T duvidando?!?!?! Vou lhe mostrar: 1. Voc organiza seus documentos por assunto??? 2. Voc separa seus livros por disciplina??? 3. Voc organiza, minimamente, os arquivos do seu computador???

Tenho certeza de que voc respondeu sim a pelo menos uma das perguntas. Isso quer dizer que a Arquivologia j faz parte da sua vida.

Bem, gabaritar uma disciplina em um concurso pblico da envergadura desse do TRE-SP no algo trivial. No entanto, vamos preparar um curso que lhe d todas as condies necessrias para isso. Assim, somando o curso em tela + a sua dedicao, certamente voc obter xito e caminhar firme para se tornar servidor da Justia Eleitoral. Nosso curso, ou melhor, nosso treinamento para voc gabaritar a disciplina ser bastante prtico, de modo que, ao ler as pginas do curso voc se sinta como se estivesse em uma sala de aula.

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

4 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 Para tanto, elaboramos a seguinte metodologia: 1. Anlise terica do contedo programtico - incluindo a legislao pertinente, que aparece muito em provas, alm do recm publicado Manual de Gesto Documental do Poder Judicirio, que tenho certeza de que vai bombar nos concursos para o judicirio. 2. Questes comentadas de nvel mdio e superior 4. Lista das questes - para que vocs possam resolver sozinhos 5. E-mail e frum - para tirar dvidas A disponibilizao das aulas ser gradual - seguir o cronograma que est disponvel na prxima pgina - estendendo-se at 20/12/2011. No entanto, lembrem-se de que temos um e-mail e o frum para tirar dvidas. Desse modo, em dezembro, teremos a disponibilizao da ltima aula, mas o curso continuar at a data da prova. Ok?!

CRONOGRAMA DAS AULAS

N DA AULA AULA DEMO Aula 1. CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ARQUIVOLOGIA

DATA DAS AULAS Disponvel

O GERENCIAMENTO DA INFORMAO GESTO DE DOCUMENTOS: PROTOCOLO.

E

A

06/12/2011

Aula 2.

AVALIAO DE DOCUMENTOS; DIAGNSTICOS; ARQUIVOS CORRENTES, INTERMEDIRIO E 13/12/2011 ARQUIVOS PERMANENTES. TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FSICOS: MICROFILMAGEM; AUTOMAO; 20/12/2011 PRESERVAO, CONSERVAO E RESTAURAO DE DOCUMENTOS.

Aula 3.

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

5 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 1. PRIMEIROS PASSOS Vamos comear do zero. A idia lhes fornecer um curso completo e definitivo que o acompanhe at sua breve aprovao.

Arquivologia: origem, conceito e objeto

Desde que se comeou a registrar a histria em documentos, surgiu para o homem o problema de organiz-los. (Theodore. R. Schellenberg) A Arquivologia, tambm chamada de Arquivstica, uma cincia com objeto, campo de estudo e metodologia prpria. No h preciso sobre o aparecimento da mesma. De todo modo, uma teoria que bastante aceita sustenta que sua origem remonta ao manual de autoria do nobre alemo Jacob Von Ramingen, datados de 1571, cujo ttulo "Von Registratur" (O Registrador). H indcios de que provavelmente foi escrito durante a primeira metade do sculo XVI. Com isso, Ramingen considerado o pai da Arquivologia. Alguns conceitos de Arquivologia so imprescindveis e costumam aparecer em provas. De acordo com o Dicionrio de Terminologia Arquivstica, publicado pelo Arquivo Nacional: Arquivologia a disciplina que estuda as funes do arquivo e os princpios e tcnicas a serem observados na produo, organizao, guarda, preservao e utilizao dos arquivos. Tambm chamada arquivstica.

Para Marilena Leite Paes: Arquivologia o estudo, cincia e arte dos arquivos.

Um dos conceitos mais abrangentes e que merece destaque a definio dada pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), em sua pgina da graduao do curso de Arquivologia: A Arquivologia uma rea do conhecimento das Cincias Sociais Aplicadas. Por meio de um quadro conceitual e de uma metodologia prpria e especfica, estuda e trata os dados contidos nos documentos arquivsticos transformandoProf. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

6 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 os em informao potencialmente capaz de produzir conhecimento e desenvolvimento social. A rea de atuao da Arquivologia compreende a gesto da produo, do processamento e da disseminao da informao corrente, necessria e bsica para a tomada de decises na administrao contempornea. Seu objeto de estudo e interveno a informao arquivstica, isto , uma informao de natureza orgnica e funcional, pblica ou privada, coletiva ou pessoal, produzida, recebida e acumulada por pessoa fsica ou jurdica em razo de seus objetivos. Com a gesto da informao arquivstica assegura-se a constituio e a preservao da memria institucional e pessoal. Fonte: http://www.unirio.br/arquivologia/aarquivologia.html

bom ressaltarmos que os conceitos acima no so excludentes, ao contrrio, so conceitos que se complementam e que vo ao encontro da rea de abrangncia da Arquivologia. Desse modo, em linhas gerais, podemos concluir que:

ARQUIVOLOGIA

Surgiu no sculo XVI

a disciplina que trata dos documentos e arquivos

Seu objeto a informao Arquivstica

Finalidade e funo da Arquivologia Que sua Eminncia ordene em todas e em cada uma das provncias que se reserve um prdio pblico no qual o magistrado (defensor) guarde os documentos, escolhendo algum que os mantenha sob custdia, de forma que no sejam adulterados e possam ser encontrados rapidamente por quem os solicite; que entre eles haja arquivos e seja corrigido tudo que foi negligenciado nas cidades. (Imperador Justiniano 480-500 D.C.)

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

7 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 O trecho acima demonstra que a preocupao com a organizao dos documentos no recente. A determinao de Justiniano revela alguns pontos importantssimos: Reserve um prdio pblico um Arquivo Guarde os documentos funo arquivar Escolhendo algum que os mantenha sob custdia Arquivista De forma que no sejam adulterados preservao Possam ser encontrados rapidamente recuperao da informao

Desse modo, a finalidade/funo da Arquivologia organizar, preservar e tornar disponvel os documentos, em tempo hbil, a quem deles necessite. Bem, j falamos em Arquivologia e seus conceitos, finalidades e etc. Ento, hora de comearmos a compreender a matria-prima da Arquivologia: os documentos e os arquivos.

Documento Um documento composto pela informao registrada, de qualquer natureza e forma e em qualquer tipo de suporte. Exemplos de documentos: ofcios, representaes grficas ou figurativas, esta aula, certido de nascimento etc. Em relao aos documentos especficos do poder judicirio, o Manual de Gesto Documental do Poder Judicirio afirma que: Os documentos do Poder Judicirio so patrimnio pblico, tanto no sentido administrativo quanto do ponto de vista cultural. dever da Justia zelar por esse patrimnio e propiciar o acesso a ele, de modo a assegurar o direito informao, garantido pela Constituio Federal.

Pessoal, muita ateno a esse manual, pois foi publicado recentemente, em outubro de 2011, pelo Conselho Nacional de Justia e deve ser seguido pelos 91 (noventa e um) tribunais (estaduais e federais) do pas. Certamente vai aparecer, muito, em concursos.

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

8 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 Arquivos: conceitos A expresso arquivos possui diversos significados, de acordo com o contexto no qual est inserido. Desse modo, segundo Marilena Leite Paes, podemos ter os seguintes entendimentos sobre a expresso: Arquivo pode ser uma designao genrica de um conjunto de documentos produzidos e recebidos por uma pessoa fsica ou jurdica, pblica ou privada, caracterizado pela natureza orgnica de sua acumulao e conservado por essas pessoas ou por seus sucessores, para fins de prova ou informao. De acordo com a natureza do suporte, o arquivo ter a qualificao respectiva, como, por exemplo: arquivo audiovisual, fotogrfico, iconogrfico, de microformas, informtico. Arquivo tambm pode ser o prdio ou uma de suas partes, onde so guardados os conjuntos arquivsticos. Pode ainda fazer referncia unidade administrativa cuja funo reunir, ordenar, guardar e dispor para uso, conjuntos de documentos, segundo os princpios e tcnicas arquivsticos. Por fim, tambm pode se referir ao mvel (moblia) destinado guarda de documentos. Os trs primeiros sentidos sero analisados ao longo de todo curso, enquanto o ltimo conceito, considerando que est atrelado questo da preservao dos acervos, ser visto na ltima aula. No que se refere ao arquivo enquanto conjunto de documento, o artigo 2 da lei 8.159/1991 (conhecida como lei de arquivos e que aparece muito em concursos) revela que: Art. 2 Consideram-se arquivos, para os fins desta lei, os conjuntos de documentos produzidos e recebidos por rgos pblicos, instituies de carter pblico e entidades privadas, em decorrncia do exerccio de atividades especficas, bem como por pessoa fsica, qualquer que seja o suporte da informao ou a natureza dos documentos. Vamos analisar os principais pontos do artigo citado: Somente so considerados arquivos os conjuntos de documentos decorrentes do exerccio de atividades especficas. Ex: atividades do setor contbil. Ficam de fora, por exemplo, a coleo de fotos particulares do chefe do setor de contabilidade, posto que a mesma no decorra das atividades especficas.Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

9 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 Os conjuntos de documentos precisam ter sido produzidos ou recebidos por uma determinada organizao para ganharem o status de arquivo. Ex: relatrio contbil (documento produzido); ofcio recebido (documento recebido de outra organizao). Os conjuntos de documentos dizem respeito a todos os tipos de pessoas fsicas e jurdicas: rgos pblicos, instituies de carter pblico (ex: SPC/Serasa), entidades privadas e pessoa fsica. No importa o suporte (papel, fita, CD-Rom etc.) ou a natureza dos documentos. A natureza dos documentos referente peculiaridade dos mesmos e os divide em: Arquivo especial so os documentos em suportes diversos: fotografias, discos, CDs, microfilme. Arquivo especializado so ligados a um determinado ramo do saber humano, independente da forma: arquivos jurdicos, arquivos mdicos etc.

Diferena entre biblioteca e arquivo T. R. Schellenberg, uma das maiores autoridades mundiais em arquivos modernos, lugar comum em provas de concursos pblicos, estabeleceu um paralelo entre arquivos e bibliotecas, tendo em vista a relativa confuso que as pessoas fazem. Desse modo, o autor, sugere que as diferenas partem de dois pilares bsicos: 1. Modo como os documentos se originaram 2. Modo pelo qual entraram nos respectivos acervos das bibliotecas e dos arquivos Vamos tabelar as diferenas que o autor verificou:

DIFERENAS RELATIVAS AO ACERVO ARQUIVOS BIBLIOTECAS

Os documentos de arquivo so O material de uma biblioteca no produzidos e/ou acumulados em produzido/acumulado em funo de funo de uma atividade especfica. uma atividade especfica. Os documentos de arquivos Materiais de bibliotecas compem-se compem um todo. Assim, uma folha de peas isoladas e independentes, de processo, por si s, no tem o no guardando relao uns com osProf. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

10 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 mesmo valor que todo processo. Os documentos so produzidos com objetivo de servir determinada pessoa ou organizao. Aps, dependendo do documento, podem adquirir cunho histrico e cultural. Ex: termo de posse de um presidente da repblica. outros. Ex: livros. Os materiais so adquiridos com finalidades culturais e/ou para fins de pesquisa. Ex: os livros da biblioteca de uma universidade.

A regra bsica tentar manter De acordo com a intensidade da apenas uma via de cada documento utilizao, podemos ter vrios original. exemplares de um mesmo livro. A classificao realizada de acordo Existem mtodos pr-determinados com a peculiaridade do conjunto de para classificar e organizar os documentos e da instituio documentos. produtora. Nos arquivos, temos, dentre outros: Nas bibliotecas, temos, dentre documentos textuais, audiovisuais e outros: documentos impressos, cartogrficos (mapas). audiovisuais e cartogrficos (mapas).

Instituies arquivsticas brasileiras A lei 8.159/1991 estabelece que: Art. 26. Fica criado o Conselho Nacional de Arquivos (Conarq), rgo vinculado ao Arquivo Nacional, que definir a poltica nacional de arquivos, como rgo central de um Sistema Nacional de Arquivos (Sinar). 1 O Conselho Nacional de Arquivos ser presidido pelo Diretor-Geral do Arquivo Nacional e integrado por representantes de instituies arquivsticas e acadmicas, pblicas e privadas. 2 A estrutura e funcionamento do conselho criado neste artigo sero estabelecidos em regulamento. No ano de 2002, a referida lei foi regulamentada pelo decreto 4.073 de 3 de janeiro de 2002. Segue a parte do regulamento que nos interessa: Art. 1o O Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ, rgo colegiado, vinculado ao Arquivo Nacional, criadoProf. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

11 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 pelo art. 26 da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, tem por finalidade definir a poltica nacional de arquivos pblicos e privados, bem como exercer orientao normativa visando gesto documental e proteo especial aos documentos de arquivo. Art. 2o Compete ao CONARQ: I - estabelecer diretrizes para o funcionamento do Sistema Nacional de Arquivos - SINAR, visando gesto, preservao e ao acesso aos documentos de arquivos; II - promover o inter-relacionamento de arquivos pblicos e privados com vistas ao intercmbio e integrao sistmica das atividades arquivsticas; III - propor ao Ministro de Estado da Justia normas legais necessrias ao aperfeioamento e implementao da poltica nacional de arquivos pblicos e privados;(Redao dada pelo Decreto n 7.430, de 2011) Vigncia IV - zelar pelo cumprimento dos dispositivos constitucionais e legais que norteiam o funcionamento e o acesso aos arquivos pblicos; V - estimular programas de gesto e de preservao de documentos pblicos de mbito federal, estadual, do Distrito Federal e municipal, produzidos ou recebidos em decorrncia das funes executiva, legislativa e judiciria; VI - subsidiar a elaborao de planos nacionais de desenvolvimento, sugerindo metas e prioridades da poltica nacional de arquivos pblicos e privados; VII - estimular a implantao de sistemas de arquivos nos Poderes Executivo, Legislativo e Judicirio da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e nos Poderes Executivo e Legislativo dos Municpios; VIII - estimular a integrao arquivos pblicos e privados; e modernizao dos

IX - identificar os arquivos privados de interesse pblico e social, nos termos do art. 12 da Lei no 8.159, de 1991; X - propor ao Presidente da Repblica, por intermdio do Ministro de Estado da Justia, a declarao de interesse pblico e social de arquivos privados;Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

12 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 XI - estimular a capacitao tcnica dos recursos humanos que desenvolvam atividades de arquivo nas instituies integrantes do SINAR; XII - recomendar providncias para a apurao e a reparao de atos lesivos poltica nacional de arquivos pblicos e privados; XIII - promover a elaborao do cadastro nacional de arquivos pblicos e privados, bem como desenvolver atividades censitrias referentes a arquivos; XIV - manter intercmbio com outros conselhos e instituies, cujas finalidades sejam relacionadas ou complementares s suas, para prover e receber elementos de informao e juzo, conjugar esforos e encadear aes; XV - articular-se com outros rgos do Poder Pblico formuladores de polticas nacionais nas reas de educao, cultura, cincia, tecnologia, informao e informtica. Um dos pontos que merecem destaque que, os arquivos privados que forem considerados de interesse pblico, so protegidos pela legislao. Inclusive, os particulares detentores desses acervos esto proibidos de vend-los, sem antes consultar e oferecer ao poder pblico competente. Considerando a independncia entre os poderes, o poder judicirio segue as normas do CONARQ? A resposta sim. O Conselho Nacional de Justia instituiu o Programa Nacional de Gesto Documental e Memria do Poder Judicirio (Proname). Alm disso, o Manual de Gesto Documental do Poder Judicirio declara expressamente que o Poder Judicirio integra o Sistema Nacional de Arquivos, que por sua vez comandado pelo CONARQ. Em relao a este ponto, vejamos alguns trechos importantes do Manual de Gesto Documental do Poder Judicirio: A instituio do Programa Nacional de Gesto Documental e Memria do Poder Judicirio (Proname) pelo Conselho Nacional de Justia (CNJ) tem como principal objetivo implantar uma poltica nacional de gesto documental e de preservao da memria dos diversos rgos do judicirio brasileiro. As suas aes so voltadas integrao dos tribunais, padronizao utilizao das melhores prticas de gesto documental, visando preservao e acessibilidade das informaes contidas nos autos judiciais em documentos institucionais administrativos a fim de aperfeioarProf. Wagner Rabello Jr.

e e a

www.estrategiaconcursos.com.br

13 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 prestao dos servios jurisdicionais e administrativos do Poder Judicirio, bem como a utilizao dos acervos judiciais na construo da Histria. A Constituio Federal de 1988, no art. 216, 2, determina que cabe administrao pblica, na forma da lei, tanto a gesto da documentao governamental, quanto as providncias para franquear sua consulta a quantos dela necessitem. O comando constitucional foi em parte regrado pela Lei n. 8.159/1991. De acordo com a referida lei, constituem deveres do Poder Pblico a gesto documental e a proteo especial a documentos de arquivos, como instrumento de apoio administrao, cultura, ao desenvolvimento cientfico e como elementos de prova e informao. O Poder Judicirio integra o Sistema Nacional de Arquivos (Sinar) e participa do Conselho Nacional de Arquivos (Conarq), criado pelo art. 26 da Lei n. 8.159/1991, por meio de representantes indicados.

Responsabilidade dos agentes pblicos O Manual de Gesto Documental do Poder Judicirio tambm elenca uma srie de normas que tratam da responsabilizao dos agentes pblicos em face da documentao produzida ou recebida pela instituio. Vejamos: Lei n. 8.159/1991 Art. 25. Ficar sujeito responsabilidade penal, civil e administrativa, na forma da legislao em vigor, aquele que desfigurar ou destruir documentos de valor permanente ou considerado como de interesse pblico e social. Lei n. 9.605/1998 - Art. 62. Destruir, inutilizar ou deteriorar: I bem especialmente protegido por lei, ato administrativo ou deciso judicial; II arquivo, registro, museu, biblioteca, pinacoteca, instalao cientfica ou similar protegido por lei, ato administrativo ou deciso judicial: Pena recluso, de um a trs anos, e multa. Pargrafo nico. Se o crime for culposo, a pena de seis meses a um ano de deteno, sem prejuzo da multa. Cdigo Penal Art. 153 - Divulgar algum, sem justa causa, contedo de documento particular ou de correspondncia confidencial, de que destinatrio ou detentor, e cuja divulgao possa produzir dano a outrem: Pena - deteno, de um a seis meses, ou multa. 1 Somente se procede mediante representao. (Pargrafo nico renumerado pela Lei n. 9.983/2000) 1- A. Divulgar, sem justa causa, informaes sigilosas ou reservadas, assim definidas em lei, contidas ou no nos sistemas de informaes ou banco de dados da Administrao Pblica: (Includo pela Lei n. 9.983/2000) Pena deteno, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

14 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 (Includo pela Lei n. 9.983/2000) 2 Quando resultar prejuzo para a Administrao Pblica, a ao penal ser incondicionada. (Includo pela Lei n. 9.983/2000) Art. 154 - Revelar algum, sem justa causa, segredo, de que tem cincia em razo de funo, ministrio, ofcio ou profisso, e cuja revelao possa produzir dano a outrem: Pena - deteno, de trs meses a um ano, ou multa. Lei n. 9.296/1996 - Art. 10. Constitui crime realizar interceptao de comunicaes telefnicas, de informtica ou telemtica, ou quebrar segredo da Justia, sem autorizao judicial ou com objetivos no autorizados em lei. Pena: recluso, de dois a quatro anos, e multa.

Bem, passada essa parte introdutria (sugiro pelo menos uma releitura), por meio da qual espero que vocs tenham assimilado o esprito da coisa. Vamos analisar os principais termos utilizados na arquivstica. Um ponto que eu gostaria de deixar claro que praticamente tudo que estamos vendo aqui ser aprofundado nas prximas aulas. Desse modo, no precisa se preocupar em saber de ponta a ponta, por exemplo, o que a teoria das trs idades. Repiso, a idia, por enquanto, situ-lo na matria. Outra coisa, no fique pensando que as prximas aulas sero difceis. Nada disso, apenas veremos mais detalhadamente os conceitos abaixo.

2. TERMINOLOGIA ARQUIVSTICA Nosso glossrio de terminologia arquivstica uma adaptao do glossrio da Universidade Federal Fluminense (UFF).

ACERVO - Reunio de documentos armazenados num arquivo.

ACESSO / POLTICA - Direito de buscar informao e pesquisa numa documentao, porm atendendo as normas e legislaes, assim como, o direito privacidade, a segurana nacional e a ordem pblica. ARMAZENAMENTO - Estocagem de documentos, em locais apropriados que lhe garantam preservao.

ARQUIVAMENTO - Consiste na embalagem e estocagem de documentos de forma adequada a sua conservao, proteo, facilitando seu manuseio e obedecendo a uma ordem estabelecida.Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

15 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 ARQUIVSTICA 1. Cincia, conhecida como arquivologia, tem como objeto o estudo dos arquivos, seus princpios e tcnicas, sua constituio, organizao, desenvolvimento e utilizao. 2. Disciplina que permite a gesto da informao orgnica, de trs maneiras: unicamente administrativa - principal preocupao com o valor primrio do documento; Tradicional - d nfase o valor secundrio do documento; Integrada - maneira nova e englobante, ocupando-se simultaneamente com o valor primrio e secundrio do documento.

ARQUIVO CORRENTE (tambm chamado de ARQUIVO DE PRIMEIRA IDADE) 1. Constitudo de documentos em movimentao ou freqentemente consultado, exclusivo do rgo produtor. Seu uso apresenta valor primrio, atendendo aos objetivos de sua criao. 2. Unidade ou rgo responsvel pelo arquivo corrente.

ARQUIVO INTERMEDIRIO (tambm chamado de ARQUIVO DE SEGUNDA IDADE) 1. Constitudo de documentos que no sendo de uso corrente, aguardam em armazenamentos, sua destinao final. 2.Unidade ou rgo responsvel pelo arquivo intermedirio.

ARQUIVO PERMANENTE (tambm chamado de ARQUIVO DE TERCEIRA IDADE, ou ARQUIVO HISTRICO) 1. Constitudo de documentos de guarda permanente em razo do seu valor histrico informativo e probatrio. Seu uso apresenta um valor secundrio de testemunho e informao. 2. Unidade ou rgo responsvel pelo arquivo permanente.

AVALIAO - O processo de avaliao de documentos de arquivo feito atravs de pr-requisitos estabelecidos, com anlise e seleo de documentos, indicando com preciso o prazo de guarda nas fases corrente, intermediria e permanente, com identificao de seus valores primrio e secundrio, devendo ser executado por uma equipe tcnica, composta por profissionais de diversas reas, como: arquivistas, historiadores, pesquisadores, profissionais das unidades organizacionais as quais os documentos sero avaliados, economistas e etc.

CICLO VITAL DOS DOCUMENTOS - Serie de etapas na qual passam os documentos, caracterizados em intervalos de tempo, de acordo com a freqncia da sua utilizao. A vida dos documentos de arquivo so divididasProf. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

16 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 em trs intervalos de tempo: a atividade, a semi-atividade e a inatividade. O ciclo vital dos documentos guarda relao com a teoria das trs idades, que veremos mais adiante.

CLASSIFICAO Forma de organizao (ex: por assunto, por data, por nome etc.) da qual a instituio gestora visa a disposio dos documentos de um arquivo, podendo haver restrio ou no quanto ao acesso e uso dependendo das normas e legislaes vigente.

CONSERVAO - Papel da arquivstica que tem por destinao garantir aos documentos de arquivo, condicionamento, armazenamento, preservao e restaurao. DATAS-LIMITE - Dados que identificam a cronologia da unidade de arquivamento, indicando datas de incio e trmino do perodo que contm os documentos. DESCRIO - Constitudos de procedimentos, que partindo de elementos formais e de contedo, permitem identificar o acervo arquivstico e elaborar instrumentos de pesquisa. Trata-se de descrever o contedo do acervo.

DESTINAO - Atividades que aps envolverem a avaliao, definem o caminho quanto guarda dos documentos, ou seja, guarda temporria, guarda permanente, a eliminao ou reproduo. DIAGNSTICO DE ARQUIVOS - Avaliao de dados bsicos sobre as condies dos arquivos, com o objetivo de implantar sistemas e estabelecer programas quanto produo, tramitao e arquivamento dos documentos. DIPLOMTICA - Disciplina que tem por fim a estrutura formal e autntica dos documentos.

FUNDO 1. Unidade de arranjo principal dos arquivos permanentes, onde os documentos acumulados da fonte geradora passam a conviver com os de outra fonte, reunidos por semelhanas de atividades, respeitando sua origem. 2.Documentos reunidos, independentes da sua forma e suporte,

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

17 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 reunidos orgnica e automaticamente, sendo utilizados por uma fsica ou jurdica no decorrer das suas funes e atividades.

GESTO DE DOCUMENTOS - Avaliao rotineira, com o objetivo eficaz quanto criao, manuteno, classificao, tramitao e avaliao dos documentos de arquivo.

PLANO DE CLASSIFICAO - Processo pelo qual se estabelece o mtodo de armazenamento, ordenao e classificao.

PRESERVAO - Procedimentos destinados a garantir proteo fsica dos arquivos contra agentes decompositores.

PROCESSO conjunto de documentos reunidos que vo sendo organicamente acumulados e que so, em regra, inseparveis, no decorrer de uma ao/procedimento administrativo ou judicial.

PROTOCOLO 1. Setor responsvel pelo recebimento, atuao (registro), distribuio e movimentao de documentos. 2. Livro no qual so registrados os documentos. 3. Nmero de registro dado ao documento.

RECOLHIMENTO (ou GUARDA) Nome tcnico dado passagem dos arquivos correntes ou intermedirios para o arquivo permanente.

TABELA DE TEMPORALIDADE - Registro do ciclo de vida dos documentos, elaborado aps anlise e aprovao por autoridade competente, determinando o prazo de guarda, transferncia, recolhimento, eliminao e reproduo dos documentos.

TEORIA DAS TRS IDADES - Teoria na qual os arquivos passam por trs perodos distintos de arquivamento, dependendo de seu uso: arquivo corrente, arquivo intermedirio e arquivo permanente.

TIPOLOGIA DOCUMENTAL - Conjunto de caracteres utilizados para estudar os tipos documentais.Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

18 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 TRANSFERNCIA Nome tcnico dado passagem dos arquivos correntes para os intermedirios.

VALOR PRIMRIO - Valor que o documento apresenta para atender a finalidade de sua criao, com vista ao uso para fins administrativos, legais e fiscais.

VALOR PROBATRIO 1. Valor que possuem os documentos que envolvam direitos, prova ou testemunho, tanto de pessoas fsicas ou jurdicas quanto da coletividade. 2. A qualidade pela qual os documentos de arquivo permitem conhecer a estrutura, as funes e as atividades da instituio que os produziu ou acumulou.

VALOR SECUNDRIO - Com fins, diferentes para os quais foram originados, tem em vista o uso do documento como fonte de pesquisa, informao para o prprio servio e para terceiros.

VIGNCIA - Tempo na qual os documentos possuem validade, obedecendo a um ciclo de vida e uma tabela de temporalidade.

3. PRINCPIOS DA ARQUIVOLOGIA Como praticamente ocorre em toda as cincias, a Arquivologia possui alguns princpios que devem ser seguidos pelos agentes responsveis pela documentao. Vou dispor os princpios seguindo a ordem de intensidade que os mesmos aparecem em provas, sendo certo que o primeiro princpio, o princpio da provenincia, aparece em praticamente metade das provas que cobram este assunto. Um dos princpios fundamentais da Arquivologia, talvez por isso aparea tanto em provas, determina que os arquivos oriundos de uma mesma fonte (provenincia) no devem ser misturados com os arquivos de outra fonte. Ex: os arquivos da Polcia Federal que vo para o Arquivo Nacional devem ficar separados dos arquivos da Receita Federal. Em linhas gerais, o arquivo proveniente de cada instituio no pode se misturar com os de outras instituies.

PROVENINCIA

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

19 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 Os fundos devem ser mantidos sem diviso, disperso, separao, ou seja, voc no deve guardar metade do INDIVISIBILIDADE arquivo de rgo no prdio A e a outra metade no prdio B. INTEGRIDADE/ De acordo com esse princpio os arquivos de uma mesma provenincia devem conservar a ordenao estabelecida pela entidade produtora, a fim de se preservar as relaes entre os documentos como testemunho do funcionamento daquela entidade. Podemos dizer que esse princpio um desdobramento do princpio da ordem original. A organicidade a qualidade segundo a qual os arquivos espelham a estrutura, funes e atividades da entidade produtora/acumuladora em suas relaes internas e externas. De acordo com esse princpio, os documentos que so produzidos em diversas vias originais e ou cpias, aps sua regular utilizao devem ser reduzidos a apenas 1 (um) original para arquivamento.

RESPEITO ORDEM ORIGINAL

ORGANICIDADE

UNICIDADE

4. BIBLIOGRAFIA 1. PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prtica. Editora FGV, 2009. 2. SCHELLENBERG, Theodore R. Arquivos Modernos: princpios e tcnicas. Editora FGV, 2009.

Sites consultados: www.arquivonacional.gov.br www.cnj.gov.br www.conarq.arquivonacional.gov.br www.uff.br/iacs/arquivologia/coord_arquiv.htm

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

20 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 5. QUESTES COMENTADAS 1. (FCC/TRE-AP/Tcnico Judicirio/2007) A definio da poltica nacional de arquivos pblicos e privados, bem como a orientao normativa visando gesto documental e proteo especial aos documentos do arquivo so atribuies do (A) Arquivo Federal Brasileiro. (B) Sistema de Gesto de Documentos de Arquivos. (C) Conselho Nacional de Arquivos. (D) Conselho Federal de Arquivologia. (E) Sistema Nacional de Arquivos. Comentrio: De acordo com o Art. 1o, do decreto4.073/2002, O Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ, rgo colegiado, vinculado ao Arquivo Nacional, criado pelo art. 26 da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, tem por finalidade definir a poltica nacional de arquivos pblicos e privados, bem como exercer orientao normativa visando gesto documental e proteo especial aos documentos de arquivo. Portanto, GABARITO: C

2. (FCC/TRE-AM/Tcnico Judicirio/2011) Em seu ciclo vital, os arquivos passam por fases sucessivas a que se convencionou chamar de corrente, intermediria e permanente. O ingresso de documentos nesta ltima etapa conhecido como (A) recolhimento. (B) encaminhamento. (C) passagem. (D) remessa. (E) transferncia. Comentrio: Essa resposta voc encontra em nosso glossrio. O nome tcnico do procedimento que leva o documento para a fase permanente : RECOLHIMENTO OU GUARDA. GABARITO: AProf. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

21 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 3. (FCC/TRE-AM/Tcnico Judicirio/2011) A qualidade pela qual os documentos de arquivo permitem conhecer a estrutura, as funes e as atividades da instituio que os produziu ou acumulou conhecida como (A) princpio da ordem original. (B) teoria das trs idades. (C) conservao preventiva. (D) valor probatrio. (E) tabela de temporalidade Comentrio: Temos duas definies complementares: 1. Valor que possuem os documentos que envolvam direitos, prova ou testemunho, tanto de pessoas fsicas ou jurdicas quanto da coletividade. 2. A qualidade pela qual os documentos de arquivo permitem conhecer a estrutura, as funes e as atividades da instituio que os produziu ou acumulou. GABARITO: D

4. (FCC/TRE-TO/Tcnico Judicirio/2011) Os arquivos originrios de uma instituio ou pessoa devem manter sua individualidade, no sendo misturados aos de origem diversa. Este o enunciado do princpio da (A) equivalncia. (B) territorialidade. (C) pertinncia. (D) destinao. (E) provenincia. Comentrio: A questo faz referncia a um dos princpios da arquivologia. Volto a alert-los de que este o princpio que mais aparece em provas de concursos. Os arquivos de uma instituio devem ser guardados juntos, sem serem misturados aos de outras instituies.

GABARITO: E

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

22 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 5. (FCC/TRT 8 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2010) Integridade arquivstica atributo segundo o qual um fundo deve se conservar (A) classificado e descrito. (B) permanente e analtico. (C) orgnico e vital. (D) indivisvel e coeso. (E) restaurado e microfilmado. Comentrio: Trata-se do princpio da intregridade/indivisibilidade, segundo o qual os fundos devem ser mantidos sem diviso, disperso, separao, ou seja, voc no deve guardar metade do arquivo de um determinado rgo no prdio A e a outra metade no prdio B. GABARITO: D

6. (FCC/TRT 8 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2010) Um fundo de arquivo difere de uma coleo porque os documentos que o compem (A) so passveis de descrio. (B) s podem ser ordenados alfabeticamente. (C) esto sempre organizados segundo sua destinao final. (D) ficam armazenados em depsitos correntes e intermedirios. (E) so naturalmente produzidos e acumulados. Comentrio: Os arquivos so naturalmente produzidos e/ou acumulados em funo de uma atividade especfica. Por outro lado, uma coleo de fotografias ou de selos, por exemplo, no tem um carter de arquivo, tendo em vista que no so naturalmente produzidos, esse acervo decorre de uma vontade de guardar espontnea... um hobby. GABARITO: E

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

23 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 7. (FCC/TRT 8 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2010) O processo uma unidade documental formada no decorrer de ao (A) conclusiva ou decisria. (B) tcnica ou prtica. (C) cientfica ou terica. (D) normativa ou impositiva. (E) administrativa ou judiciria. Comentrio: Questo arquivstica. GABARITO: E tranquila. Consta do nosso glossrio de terminologia

8. (FCC/TRT 8 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2010) O setor de protocolo recebe os documentos de uma instituio, encarregando-se de (A) sua descrio e difuso. (B) sua avaliao e digitalizao. (C) seu diagnstico e planejamento. (D) seu descarte e acondicionamento. (E) sua distribuio e tramitao. Comentrio: As atribuies do setor de protocolo so: recebimento, atuao (registro), distribuio e movimentao (tramitao) de documentos. GABARITO: E

9. (FCC/TRT 8 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2010) Os arquivos acumulados por determinada instituio devem manter, a todo custo, sua individualidade, sem que seus documentos sejam misturados aos de origem diversa. Tal recomendao conhecida, no mbito da Arquivologia, como princpio da (A) ordem original.

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

24 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 (B) destinao. (C) temporalidade. (D) territorialidade. (E) provenincia. Comentrio: Olha ele a de novo. Mais uma vez o princpio da provenincia. GABARITO: E

10. (FCC/TRE-SE/Tcnico Judicirio/2007) Inspirados no clssico autor Schellenberg, os manuais de Arquivologia costumam definir os procedimentos da rea comparando-os aos praticados pelas demais instituies de custdia de documentos. Nessa linha de abordagem, possvel afirmar que os arquivos, (A) ao contrrio das bibliotecas, renem documentos desprovidos de autonomia. (B) ao contrrio iconogrficos. dos museus, no s dispem de documentos documentos

(C) ao contrrio das bibliotecas, manuscritos e dactiloscritos.

comportam

(D) semelhana dos museus, tm uma funo social de lazer e entretenimento. (E) semelhana dos centros de documentao, organizam seu universo documental a partir de descritores e palavras-chave. Comentrio: A questo no difcil, mas exige uma boa dose de reflexo. Trata-se da comparao entre arquivo e biblioteca. A opo A diz que os documentos de um arquivo so desprovidos de autonomia. Isso significa dizer que um documento arquivstico deve pertencer a um determinado fundo de arquivo. Enquanto a biblioteca tem peas isoladas, o arquivo composto de documentos que guardam relao entre si. GABARITO: A

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

25 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 11. (FCC/TRE-PI/Tcnico Judicirio/2009) A determinao segundo a qual os arquivos originrios de uma instituio devem manter sua individualidade, sem misturar-se aos de origem diversa, conhecida como princpio (A) do respeito ordem original. (B) da classificao. (C) da destinao. (D) do isolamento. (E) da provenincia. Comentrio: Outra vez... estou fazendo de propsito para que voc no esquea. Cai muito em prova. GABARITO: E

12. (FCC/TRT 23 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2011) A propsito do paralelismo entre as diferentes instituies de custdia de documentos, considere as afirmativas abaixo. I. A diferena entre o material de biblioteca e o de arquivo independe de tcnica de registro, suporte ou formato. II. Ao museu histrico devem ser recolhidos os documentos de arquivo de valor permanente. III. Ao contrrio dos arquivos, museus e centros de documentao formam seus acervos por meio de colees. Est correto o que se afirma em (A) I, apenas. (B) I e II, apenas. (C) I, II e III. (D) II e III, apenas. (E) I e III, apenas. Comentrio: Vamos analisar cada um dos itens: I. Certa. O que torna os acervos de uma biblioteca diferente a origem do documento, os mtodos, o gnero etc. Pouco importa como o documento vaiProf. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

26 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 ser registrado (se em fichas de papel, base de dados eletrnicas etc), tampouco importa o suporte ou formato (se em papel, em CD, em DVD). II. Errada. Ao museu so recolhidas peas de valor permanente. Os arquivos de valor permanente devem ser recolhidos ao arquivo. III. Certa. Os arquivos formam seus acervos em virtude de uma atividade especfica, enquanto museus e bibliotecas formam seus acervos atravs de colees. GABARITO: E

13. (FCC/TRT 19 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2011) A guarda dos arquivos se inscreve na durao, no tempo longo da vida dos homens e das instituies, ao contrrio das necessidades da comunicao, da informao e, em geral, da documentao, que so orientadas para a atualidade e o imediato. Neste trecho de seu livro Arquivos para qu? (So Paulo, 2010), Bruno Delmas refere-se ao binmio (A) arquivos pblicos e arquivos privados. (B) arquivo permanente e arquivo corrente. (C) arquivologia e cincia da informao. (D) arranjo e descrio. (E) atividades-fim e atividades-meio. Comentrio: Outra questo que no difcil, no entantp merece uma boa dose de reflexo. Tambm no pr menos, no sei se vocs perceberam, mas essa e algumas outras so questes de nvel superior e para quem fez graduao em Arquivologia. sempre bom a gente estudar em um nvel um pouco acima da prova que vamos fazer, afinal, como diz o ditado: quem pode o mais, pode o menos. Vamos l: Olhando as opes a questo fica um pouco mais fcil. Tambm vamos dividir o cabealho da questo: A guarda dos arquivos se inscreve na durao, no tempo longo da vida dos homens e das instituies Guarda ou recolhimento dizem respeito aos arquivos permanentes (ou histricos).

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

27 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 ...ao contrrio das necessidades da comunicao, da informao e, em geral, da documentao, que so orientadas para a atualidade e o imediato utilizao imediata, o aqui e agora, dizem respeito documentao em fase corrente (primeira idade). Logo, GABARITO: B

14. (FCC/TRT 19 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2011) O princpio do respeito ordem original tem sido objeto de polmica na rea arquivstica. Uns preferem consider-lo de forma estrita, respeitando a ordem fsica que os documentos tinham na fase corrente. Outros o entendem luz do fluxo natural com que foram produzidos, traduzindo-o como princpio do respeito (A) organicidade. (B) sucesso arquivstica. (C) jurisdio arquivstica. (D) integridade. (E) temporalidade. Comentrio: Lembram-se de que eu comentei que o princpio da organicidade um desdobramento do princpio da ordem original. A questo explica um dos motivos pelos quais existe esse desdobramento, que a discrdia existente em torno do princpio da ordem original. GABARITO: A

15. (FCC/TRT 19 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2011) De acordo com critrio baseado na responsabilidade, os documentos de primeira idade ficam sob a custdia (A) do arquivo intermedirio. (B) do arquivo permanente. (C) de empresa de guarda terceirizada. (D) de um centro de documentao. (E) do rgo produtor. Comentrio:

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

28 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 Documentos de primeira idade, em fase corrente, so aqueles que esto sendo constantemente utilizados. Logo, devem permanecer junto ao rgo produtor, salvo necessrias e eventuais movimentaes. GABARITO: E

6. LISTA DAS QUESTES

1. (FCC/TRE-AP/Tcnico Judicirio/2007) A definio da poltica nacional de arquivos pblicos e privados, bem como a orientao normativa visando gesto documental e proteo especial aos documentos do arquivo so atribuies do (A) Arquivo Federal Brasileiro. (B) Sistema de Gesto de Documentos de Arquivos. (C) Conselho Nacional de Arquivos. (D) Conselho Federal de Arquivologia. (E) Sistema Nacional de Arquivos.

2. (FCC/TRE-AM/Tcnico Judicirio/2011) Em seu ciclo vital, os arquivos passam por fases sucessivas a que se convencionou chamar de corrente, intermediria e permanente. O ingresso de documentos nesta ltima etapa conhecido como (A) recolhimento. (B) encaminhamento. (C) passagem. (D) remessa. (E) transferncia.

3. (FCC/TRE-AM/Tcnico Judicirio/2011) A qualidade pela qual os documentos de arquivo permitem conhecer a estrutura, as funes e as atividades da instituio que os produziu ou acumulou conhecida como (A) princpio da ordem original.Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

29 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 (B) teoria das trs idades. (C) conservao preventiva. (D) valor probatrio. (E) tabela de temporalidade

4. (FCC/TRE-TO/Tcnico Judicirio/2011) Os arquivos originrios de uma instituio ou pessoa devem manter sua individualidade, no sendo misturados aos de origem diversa. Este o enunciado do princpio da (A) equivalncia. (B) territorialidade. (C) pertinncia. (D) destinao. (E) provenincia.

5. (FCC/TRT 8 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2010) Integridade arquivstica atributo segundo o qual um fundo deve se conservar (A) classificado e descrito. (B) permanente e analtico. (C) orgnico e vital. (D) indivisvel e coeso. (E) restaurado e microfilmado.

6. (FCC/TRT 8 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2010) Um fundo de arquivo difere de uma coleo porque os documentos que o compem (A) so passveis de descrio. (B) s podem ser ordenados alfabeticamente. (C) esto sempre organizados segundo sua destinao final. (D) ficam armazenados em depsitos correntes e intermedirios. (E) so naturalmente produzidos e acumulados.Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

30 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 7. (FCC/TRT 8 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2010) O processo uma unidade documental formada no decorrer de ao (A) conclusiva ou decisria. (B) tcnica ou prtica. (C) cientfica ou terica. (D) normativa ou impositiva. (E) administrativa ou judiciria.

8. (FCC/TRT 8 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2010) O setor de protocolo encarregando-se de recebe os documentos de uma instituio,

(A) sua descrio e difuso. (B) sua avaliao e digitalizao. (C) seu diagnstico e planejamento. (D) seu descarte e acondicionamento. (E) sua distribuio e tramitao.

9. (FCC/TRT 8 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2010) Os arquivos acumulados por determinada instituio devem manter, a todo custo, sua individualidade, sem que seus documentos sejam misturados aos de origem diversa. Tal recomendao conhecida, no mbito da Arquivologia, como princpio da (A) ordem original. (B) destinao. (C) temporalidade. (D) territorialidade. (E) provenincia.

10. (FCC/TRE-SE/Tcnico Judicirio/2007) Inspirados no clssico autor Schellenberg, os manuais de Arquivologia costumam definir os procedimentos da rea comparando-os aos praticadosProf. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

31 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 pelas demais instituies de custdia de documentos. Nessa linha de abordagem, possvel afirmar que os arquivos, (A) ao contrrio das bibliotecas, renem documentos desprovidos de autonomia. (B) ao contrrio dos museus, no dispem de documentos iconogrficos. (C) ao contrrio das bibliotecas, s comportam documentos manuscritos e dactiloscritos. (D) semelhana dos museus, tm uma funo social de lazer e entretenimento. (E) semelhana dos centros de documentao, organizam seu universo documental a partir de descritores e palavras-chave.

11. (FCC/TRE-PI/Tcnico Judicirio/2009) A determinao segundo a qual os arquivos originrios de uma instituio devem manter sua individualidade, sem misturar-se aos de origem diversa, conhecida como princpio (A) do respeito ordem original. (B) da classificao. (C) da destinao. (D) do isolamento. (E) da provenincia.

12. (FCC/TRT 23 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2011) A propsito do paralelismo entre as diferentes instituies de custdia de documentos, considere as afirmativas abaixo. I. A diferena entre o material de biblioteca e o de arquivo independe de tcnica de registro, suporte ou formato. II. Ao museu histrico devem ser recolhidos os documentos de arquivo de valor permanente. III. Ao contrrio dos arquivos, museus e centros de documentao formam seus acervos por meio de colees. Est correto o que se afirma em (A) I, apenas. (B) I e II, apenas. (C) I, II e III.Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

32 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 (D) II e III, apenas. (E) I e III, apenas.

13. (FCC/TRT 19 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2011) A guarda dos arquivos se inscreve na durao, no tempo longo da vida dos homens e das instituies, ao contrrio das necessidades da comunicao, da informao e, em geral, da documentao, que so orientadas para a atualidade e o imediato. Neste trecho de seu livro Arquivos para qu? (So Paulo, 2010), Bruno Delmas refere-se ao binmio (A) arquivos pblicos e arquivos privados. (B) arquivo permanente e arquivo corrente. (C) arquivologia e cincia da informao. (D) arranjo e descrio. (E) atividades-fim e atividades-meio.

14. (FCC/TRT 19 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2011) O princpio do respeito ordem original tem sido objeto de polmica na rea arquivstica. Uns preferem consider-lo de forma estrita, respeitando a ordem fsica que os documentos tinham na fase corrente. Outros o entendem luz do fluxo natural com que foram produzidos, traduzindo-o como princpio do respeito (A) organicidade. (B) sucesso arquivstica. (C) jurisdio arquivstica. (D) integridade. (E) temporalidade.

15. (FCC/TRT 19 REG./Analista Judicirio-Arquivologia/2011) De acordo com critrio baseado na responsabilidade, os documentos de primeira idade ficam sob a custdia (A) do arquivo intermedirio. (B) do arquivo permanente.Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

33 de 34

Arquivologia p/ TRE-SP Teoria e exerccios comentados Prof Wagner Rabello Jr. Aula 00 (C) de empresa de guarda terceirizada. (D) de um centro de documentao. (E) do rgo produtor.

7. GABARITOS

1. C 6. E 11. E

2. A 7. E 12. E

3. D 8. E 13. B

4. E 9. E 14. A

5. D 10. A 15. E

Pessoal, Encerramos aqui nossa aula demonstrativa, espero rev-los em breve, na aula 1, para que possamos dar continuidade ao nosso estudo. Ressalto que este um curso completo. No penso em trabalharmos para acertar as questes comuns que todo mundo acerta. A idia que, juntos, possamos desenvolver um trabalho que o prepare para o que der e vier.

Forte abrao!!!!!

Meu e-mail: [email protected]

Prof. Wagner Rabello Jr.

www.estrategiaconcursos.com.br

34 de 34