of 44/44
www.embalagemmarca.com.br CODIFICAÇÃO: Tecnologia associa telefone celular a promoções on-pack VAREJO Gestão de marcas e de produtos pode ajudar a enfrentar a crise PRÊMIO + CICLO As novidades preparadas para importantes eventos de 2009 Novas – e outras nem tão novas – soluções longa vida disputam fatias do mercado brasileiro de

Revista EmbalagemMarca 114 - Fevereiro 2009

  • View
    711

  • Download
    11

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição de fevereiro de 2009 da revista EmbalagemMarca.Visite o site oficial da revista http://www.embalagemmarca.com.br e o blog http://embalagemmarca.blogspot.com

Text of Revista EmbalagemMarca 114 - Fevereiro 2009

VAREJOGesto de marcas e de produtos pode ajudar a enfrentar a crise

PRMIO + CICLOAs novidades preparadas para importantes eventos de 2009

Novas e outras nem to novas solues longa vida disputam fatias do mercado brasileiro de

www.embalagemmarca.com.br

CODIFICAO: Tecnologia associa telefone celular a promoes on-pack

eDiTorial

}}} A

ESSNCIA DA EDIO DO MS, NAS PALAVRAS DO EDITOR

Um modo de ser mais competitivonovao uma palavra cujo uso no mundo dos negcios, de to indiscriminado, est transformando em letra morta algo que de vital importncia para o xito de produtos, marcas e empresas. o diferente na rea das embalagens, dada a infinita possibilidade de atuao sobre elas e dada a necessidade constante de sua atualizao tecnolgica. fenmeno, na verdade, se exacerba nesse campo. Nos pontos-de-venda proliferam embalagens submetidas a mnimas variaes nas cores ou na tipologia que so alardeadas como algo totalmente inovador, de design revolucionrio. ale ressaltar que pequenas alteraes no visual ou na estrutura das embalagens so importantes, muitas vezes necessrias, mas no significam inovar se isso no resulta em mais conforto e convenincia para o usurio e em ganhos para o fabricante. inda assim, pinceladas superficiais feitas em pequenos detalhes de recipientes ou de seus complementos freqentemente so apresentadas ao mercado como reformulao total, quando no como nova embalagem. ecusamo-nos a qualificar como m f esse comportamento. natural que as pessoas responsveis pela divulgao do esforo das empresas para melhorar seus produtos procurem valorizar seu trabalho. E mostrar vocao inovadora ainda que nem sempre se esteja realmente inovando uma das maneiras de alcanar esse objetivo.

I

verdade, por trs do uso farto do termo inovao transparece uma positiva busca por ela, e por seu principal efeito, que criar vantagens competitivas.

Na C

N O V

A

R

ompetitividade, alis, o melhor modo de superar a crise global, da qual o Brasil, ainda que aparentemente a salvo do naufrgio, poder sair chamuscado. Mas, se competitivos, nossos produtos faro frente aos estrangeiros aqui e l fora. evisar o conceito de inovao, hoje apresentado como remdio para a cura de calos a calotes, faz-se ento crucialmente necessrio para que aes inovadoras se multipliquem nas empresas instaladas no pas. nteressados em contribuir para esse fim, planejamos para junho prximo a realizao do seminrio estratgico Desmistificando a Inovao em Embalagem (mais informaes na pg. 10). em a pretenso de dar resposta a todo o caudal de dvidas que o tema suscita, o evento sem dvida representar expressiva contribuio para o entendimento do que pode realmente ser inovao na cadeia de valor de embalagem. speramos receber para o evento o mesmo apoio que vimos recebendo h quase dez anos, de nossos leitores e amigos, a todas as iniciativas que tomamos. At maro.

R I

S E

preciso revisar o conceito de inovao, hoje apresentado como remdio para a cura de calos a calotes

Wilson Palhares

EMBALAGEMMARCA uma publicao mensal da Bloco de Comunicao Ltda. Rua Arclio Martins, 53 CEP 04718-040 So Paulo, SP Tel.: (11) 5181-6533 Fax: (11) 5182-9463 www.embalagemmarca.com.br Filiada ao

Wilson Palhares | [email protected] Andra Esprito Santo | [email protected] Flvio Palhares | [email protected] Guilherme Kamio | [email protected] Marcella Freitas | [email protected] Diretor de arte: Carlos Gustavo Curado | [email protected] assistente de arte: Jos Hiroshi Taniguti | [email protected] Eunice Fruet | [email protected] Marcos Palhares | [email protected] Comercial: [email protected] Administrao: Departamento de arte: [email protected] Reportagem: [email protected]

Diretor de Redao:

Pblico-AlvoEMBALAGEMMARCA dirigida a profissionais que ocupam cargos de direo, gerncia e superviso em empresas integrantes da cadeia de embalagem. So profissionais envolvidos com o desenvolvimento de embalagens e com poder de deciso colocados principalmente nas indstrias de bens de consumo, tais como alimentos, bebidas, cosmticos e medicamentos. O contedo editorial de EMBALAGEMMARCA resguardado por direitos autorais. No permitida a reproduo de matrias editoriais publicadas nesta revista sem autorizao da Bloco de Comunicao Ltda. Opinies expressas em matrias assinadas no refletem necessariamente a opinio da revista.

Juliana Lenz | [email protected] Karin Trojan | [email protected] Wagner Ferreira | [email protected] e Assinaturas (Assinatura anual: R$ 99,00): Ciclo de Conhecimento:

2009

PRMIO EMBALAGEMMARCA

Soraya Teixeira | [email protected] Ivan Darghan | [email protected]

Grandes cases de embalagem

TECNOLOGIAPRODUTIVIDADEGIROCONVENINCIAINOVAOREDUODECUSTOSIMPACTOAMBIENTAL VIDADEPRATELEIRAAGREGAODEVALORLOGSTICAMATERIAISDESIGNCOMUNICAOSEGURANA

foto de CaPa: studio ag andr godoy

2009

suMRio }}} N 114 }}} FEVEREIRO 2009

10 20

Aes institucionais

Editoriala essncia da edio do ms, nas palavras do editor

3

bloco de Comunicao informa sua agenda de eventos para 2009. inovao e informao permeiam as aes

Codificao S na webo que a seo de notcias de www.embalagemmarca.com.br e a e-newsletter semanal levam aos internautas

Qr Code pode ser valiosa ferramenta para aes de mobile marketing com embalagens, ainda inditas no brasil

6 8 24 32

Reportagem de capa:

Alimentos

14

Espao abertoopinies, crticas e sugestes de nossos leitores

alternativas shelf stable buscam nacos do disputado mercado de alimentos processados

Painel grficoProdutos e processos da rea grca para a produo de rtulos e embalagens

26 34

Entrevista

30

Higiene Pessoal e Beleza

michel brull, da consultoria gouva de souza & md, fala do impacto da crise mundial no varejo e de como sair dela

laboratrio mantecorp mergulha fundo no mercado de higiene pessoal e beleza apostando em embalagens renadas

Panoramamovimentao do mundo das embalagens e das marcas

Rotulagem

diversos veculos de informao aderem reforma ortogrca, em pr-estria no brasil. embalagens, nem tanto...

36

Lynn Dornblaser

Internacional

38 40 42

especialista explica como novas embalagens podem transformar o uso de produtos

frascos siameses e tampa ip-top com dois orifcios formam engenhoca para mistura de tira-manchas

Displaylanamentos e novidades e seus sistemas de embalagens

Almanaquefatos e curiosidades do mundo das marcas e das embalagens

4

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

s na webUma amostra do que a seo diria de notcias de www.embalagemmarca.com.br e a e-newsletter semanal da revista levam aos internautas

Refrigerantes

Coca-Cola mira conveninciaA Coca-Cola est de olho no crescimento do varejo nacional de convenincia, que nos ltimos dois anos cresceu 40%. Para chegar ao pblico que freqenta esse tipo de comrcio basicamente jovens de 20 a 30 anos , a empresa lanou a promoo Coca-Cola pra viagem, que distribuir brindes e uma viagem e inspirou a criao de uma embalagem com seis latas de 350 mililitros (quatro de Coca-Cola e duas de Coca-Cola Zero). A caixa de papel carto, desenvolvida e produzida pela MeadWestvaco Sistemas de Embalagem, pode ser levada geladeira e foi projetada para servir uma lata de cada vez. A arte da Oz Design. Leia mais em www.embalagemmarca.com.br/cocacolaconveniencia

Internacional

Gatorade em nova embalagemO isotnico Gatorade, da Pepsico, ganhou novas embalagens nos Estados Unidos. Elas estrearam no mercado americano na segunda quinzena de janeiro. A criao da agncia TBWA/Chiat/Day. Leia mais em

Panorama

Braskem ganha prmio ambientalA Braskem foi uma das empresas vencedoras do Prmio Responsabilidade Ambiental da Global Plastics Environmental Conference (GPEC) 2009, promovido pela Society of Plastics Engineers (SPE), com sede nos Estados Unidos. O reconhecimento foi conferido Braskem em razo do projeto Materiais Plsticos feitos de recursos renovveis pelo carter inovador do processo de produo de polietileno a partir do etanol de cana-de-acar. Leia mais em

www.embalagemmarca.com.br/gatoradenova2009

www.embalagemmarca.com.br/braskemgpec2009

Marketing

Campari em edio fashionA Campari, patrocinadora do So Paulo Fashion Week (SPFW), pela primeira vez ganha uma edio limitada de cartuchos criados pela estilista brasileira Fbia Bercsek. As duas verses da embalagem foram lanadas durante o SPFW, que aconteceu em janeiro. Leia mais em

www.embalagemmarca.com.br/camparispfw

6

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

informaes releVanTesPara este ano, a equipe de EmbalagEmmarca prepara grandes eventos e muitas novidades. Conra as aes do Ciclo de Conhecimento programadas para 2009

3 de junho

DesmisTificanDo a inoVaoUma discusso com prossionais da cadeia de embalagens sobre a importncia de ser inovador de verdade. Hoje, o que se v uma forte presena da palavra inovao nos discursos corporativos. Na prtica, contudo, muitas das inovaes se restringem a extenses de linhas ou outras coisas que agregam pouco ou nenhum valor s empresas. Este seminrio ir discutir a inovao como parte da estratgia empresarial e como instrumento para a obteno de resultados positivos para as empresas, a m de responder seguinte pergunta: Por que as empresas no inovam mais?

15 de setembro

TenDncias e perspecTiVas 2010Uma anlise feita por especialistas sobre fatores que afetaro a cadeia de embalagens em 2010. Quais os segmentos de mercados que estaro em alta e como os diferentes materiais e tecnologias de embalagem podero ajudar a indstria usuria a aproveitar as oportunidades. Evento planejado para se consolidar como data obrigatria na agenda de quem decide os caminhos da indstria de embalagens no Brasil.

e mais:Junho - edio especial

como to para saber ta Entre em con eventos arca a esses m associar sua om.br gemmarca.c la [email protected]

8 de outubro

w w w. g r a n d e s c a s e s . c o m . b r

Mais informaes:

www.embalagemmarca.com.br/ciclo

espao aberToS

}}} OPINIES,

CRTICAS E SUGESTES DE NOSSOS LEITORES

ou engenheiro de produo de uma indstria de embalagens. A revista EmbalagEmmarca muito interessante. Com ela, podemos nos informar sobre temas atuais e interessantes. Algo que necessitamos para nosso setor poder contar com informao constante e atualizada, j que o trabalho que realizamos fundamental. Mario Ramrez Buenos Aires, Argentina

CORREES O telefone da CSI Closure Systems International foi incorretamente informado na pgina 63 de EMBALAGEMMARCA n 112 (dezembro de 2008). O correto (11) 4134-2500. O stand-up pouch do molho Pomarola, da Unilever, no retortable (esterilizvel em autoclave), como apontado na reportagem Equao de valor, diversificao e sustentabilidade, parte integrante do documento sobre Tendncias e Perspectivas 2009 (EMBALAGEMMARCA n 112, dezembro de 2008). Na reportagem O consumidor se irrita. E as marcas levam a culpa (EMBALAGEMMARCA n 113, janeiro de 2009), a legenda para a foto abaixo trouxe uma impreciso. O resultado da substituio do blister convencional pelo conceito Natralock da MeadWestvaco (MWV), empresa representada no Brasil pela Rigesa (www.rigesa.com.br), o apresentado na embalagem esquerda.

Sobre a crise

Acabo de receber a revista de janeiro equero cumpriment-lo pelo editorial. Gostei muito, principalmente da sua viso sobre a crise. Parabns e um grande 2009! Tiago Heleno Forte Coordenador de marketing internacional Brasilata S/A Embalagens Metlicas So Paulo, SP

pelas informaes contidas na revista EmbalagEmmarca. Para os pases que no contam com esse tipo to detalhado de conhecimento, a publicao proporciona as informaes atuais sobre embalagens. Sigam adiante. Martha Amatto Montevidu, Uruguai empre leio cuidadosamente cada uma das edies desta prestigiosa revista, aguardando com expectativa a prxima. Creio que o objetivo de abastecer os leitores de informaes de qualidade e de ampliar o conhecimento est sendo amplamente atingido. Felicitaes aos editores. Realmente uma iniciativa genial! Gloria Longoni Lima, Peru

Desejo expressar minhas felicitaes

Trofu e estojoe passagem pelo Brasil, onde fica a sede de nossa empresa, fiquei maravilhado ao ver pessoalmente a qualidade do estojo e os toques tecnolgicos do trofu do Prmio EmbalagEmmarca grandEs casEs dE EmbalagEm 2008, do qual a DIL Brands conquistou alguns exemplares. o prmio mais relevante do Brasil. Parabns por um lado e obrigado pelo outro. Fernando Muniz Simas DIL Brands Santiago, Chile

S

D

Tabletes Lacta

Qualidade em espanholrealmente impressionante a qualidade da traduo da revista EmbalagEmmarca para o espanhol. Leio e falo portugus, por ter vivido muitos anos em So Paulo, e assim posso comparar a verso original com a traduzida. Leio EmbalagEmmarca assiduamente e, definitivamente, me impressiona o interesse que vocs demonstram em oferecer conhecimento e informao de excelente qualidade. Humberto Ortega Cidade do Mxico, Mxico

edio de novembro de 2008 de Embaas adaptaes dos tabletes Lacta para 70 gramas no foram realizadas por ns. Entretanto, gostaramos de deixar claro que o visual de toda a linha de tabletes Lacta (170 gramas) foi assinado pela Narita Design. Obrigado e parabns pelo trabalho que vocs vm realizando na revista. Renato Prando Narita Design So Paulo, SPlagEmmarca,

Diferentemente do que foi publicado na

Mensagens para EMBALAGEMMARCARedao: Rua Arclio Martins, 53 CEP 04718-040 So Paulo, SP Tel (11) 5181-6533 Fax (11) 5182-9463

[email protected] mensagens recebidas por carta, e-mail ou fax podero ter trechos no essenciais eliminados, em funo do espao disponvel, de modo a dar o maior nmero possvel de oportunidades aos leitores. As mensagens podero tambm ser inseridas no site da revista www.embalagemmarca.com.br

O design da barra de 70 gramas da Lacta da 433 Comunicao, de Curitiba (www.433comunicacao.com.br)

8

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

}}} aes institucionais

Oportunidades convergentesAes programadas pela Bloco de Comunicao para 2009 so interrelacionadaso mnimo dois seminrios ligados a embalagem, edio aprimorada do Prmio EmbalagEmmarca grandEs casEs dE EmbalagEm, ampliao da abrangncia na mdia eletrnica, novas iniciativas na rea editorial... e outros investimentos que s sero revelados oportunamente, a fim de que a concorrncia s os copie, como costuma fazer, com atraso. Aqui se resume a agenda de trabalho da Bloco de Comunicao, editora de EmbalagEmmarca, para 2009, ano em que se come-

N

mora o dcimo aniversrio da revista. Conforme anunciado, a empresa elaborou variado programa de aes para o ano, a ser levado adiante independentemente da crise global, que joga sombras sobre a economia brasileira. Obviamente, as reverberaes da tal marolinha esto sendo observadas, e no mergulharemos de cabea muito menos arrastaremos algum se ela se transformar em vagalho. Mas acreditamos que, na calmaria ou na tempestade, a palavra de ordem ir sempre em frente. A experincia comprova que, passados os momentos ruins,

empresas adeptas dessa estratgia jamais ficam para trs. Para elas, o que fica para trs so as crises. A propsito, a par de serem ferramentas capazes de contribuir efetivamente para o bom desempenho das empresas e para o crescimento dos profissionais em suas carreiras, os assuntos abordados neste espao so interrelacionados e constituem oportunidades convergentes de patrocnio para a divulgao e a consolidao de marcas e conceitos. A seguir, alguns pontos do plano de atividades da Bloco de Comunicao para 2009.

Agenda de transformaoDesmistificar a inovao em embalagem, tema do primeiro seminrio de 2009o programa de eventos agendados para 2009 no mbito do Ciclo de Conhecimento destaca-se, primeiramente pela cronologia, o Seminrio Estratgico Desmistificando a Inovao em Embalagem, marcado para 3 de junho prximo. Mais do que a data, porm, deve-se ressaltar o empenho dos organizadores no sentido de que a abordagem do tema esteja voltada inovao como instrumento para a obteno de resultados positivos para as empresas. Ocorre que, nos mais variados conandr godoy

N

textos, a palavra inovao utilizada em quantidade exagerada e sem muito critrio. verdade que essa indiscriminada utilizao do termo aponta para uma virtude: indica que se d grande importncia inovao, sem a qual, efetivamente, as empresas esto condenadas a desaparecer. Todavia, segundo recente pesquisa do IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica, existem apenas 1 200 empresas inovadoras no Brasil. Quantas delas sero do campo especfico da embalagem? Nesta seara, muitas vezes o que apresentado como

Instalaes da Amcham j esto reservadas para o Seminrio Estratgico DesmistificanDo a inovao em embalagem

inovao apenas uma idia nova que, no entanto, no resulta em ganho para a empresa. comum tambm que mudanas nas cores ou em outros aspectos grficos de uma embalagem, por exemplo, sejam apresentados como inovao ou mesmo revoluo inovadora. O Seminrio Estratgico Desmistificando a Inovao em Embalagem objetiva trazer para o debate o conhecimento de especialistas e a experincia concreta de empresas que utilizam essa ferramenta para ganhar mercado, solidificar-se e crescer. Por enquadrar-se na qualidade de evento transformador de informao em conhecimento, o seminrio ser perpassado pela objetividade, sem perda de tempo em demonstrar o que equvoco ou, pior, conversa fiada em termos de inovao. Assim, o programa est sendo organizado com a meta de mostrar o que

10

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

preciso para que uma empresa tenha a inovao como parte de sua estratgia; como treinar seus quadros para adotarem a cultura da inovao e faz-la frutificar na forma de negcios; apresentar exemplos concretos de inovao com resultados; tirar concluses de tudo isso e consolid-las num documento; e, como indispensvel, indicar onde obter recursos para inovao. As instalaes da Amcham Cmara Americana de Comrcio, em So Paulo, j esto reservadas para o evento de 3 de junho prximo, e o programa ser divulgado em breve. O que se pode adiantar que a preocupao dos organizadores realizar um encontro produtivo de alto nvel, com a presena de palestrantes renomados e participantes do alto escalo das empresas da cadeia produtiva de embalagem. O principal aval dessa inteno est na aprovao dada pelos

Objetivo manter o alto nvel de contedo. No Seminrio Estratgico embalagens flexveis, debate entre usurios e fornecedores foi um dos pontos altos

mais de 600 participantes dos eventos que em 2008 marcaram o incio das aes do Ciclo de Conhecimento (Seminrios Estratgicos Embalagens Flexveis, em maio, e Sustentabilidade, em outubro). Outra ao compreendida no Ciclo de Conhecimento, j agendada e com local reservado, o Seminrio Estratgico Tendncias e Perspectivas na rea de Embalagem 2010, que ser realizado em 15 de setembro de 2009, tambm na Amcham. Este evento constitui um

aprofundamento do servio que EmbalagEmmarca oferece regularmente ao setor h dez anos. Sempre na edio de dezembro, desde 1999, ano de seu lanamento, a revista traz como reportagem de capa um trabalho baseado em sondagens feitas em empresas, observao do dia-adia no Brasil e no exterior, e entrevistas com profissionais situados ao longo da cadeia produtiva desde fornecedores de matrias-primas at os pontos-de-venda, passando por prestadores de servios e pela indstria usuria.

Sem fuzu e sem delongasNova edio do Prmio EmbalagEmmarca refora diferenciaisprimoramento. Essa a palavrachave da terceira edio do Prmio EmbalagEmmarca grandEs casEs dE EmbalagEns, outra ao de destaque na agenda de 2009. O evento j tem data e local definidos para a cerimnia de entrega dos trofus: 8 de outubro prximo, no Espao APAS, em So Paulo, local cujas instalaes condizem com o gradativo aumento da qualidade da premiao. Mas o aprimoramento vai alm. Com base na experincia das edies de 2007 e 2008, os organizadores do Prmio trataram de aperfeioar e tornar mais rigoroso o Regulamento, de modo a reforar a preciso do processo de inscrio de cases concorrentes e a sistemtica de julgamento pelos jurados. Nessa linha, os responsveis pelo recebimento das fichas de inscrio esto orientados a instar os interessados,

A

quando descreverem os cases, a dar o mximo possvel de informaes sobre os resultados alcanados. Esse um elemento essencial para a boa anlise pelos membros do jri, na medida em que o Prmio EmbalagEmmarca difere dos similares por no dar trofus a categorias especficas ou a aspectos isolados das embalagens, mas sim ao conjunto de seus atributos.

O princpio que rege essa forma de ver o de que um ou outro componente da embalagem seja seu design, seja sua matria-prima ou algum acessrio, como um rtulo ou uma tampa inovadora podem sim ser muito importantes. No entanto, ele deve ser analisado em sua relao com os demais itens, j que a embalagem funciona como sistema. Evidentemente, os organizadores do Prmio sabem reconhecer o valor de cada aspecto das embalagens, tanto que do a todos eles o destaque possvel nas edies mensais da revista EmbalagEmmarca e em sua verso eletrnica em portugus e espanhol. Todavia, tm em conta que as embalagens podem ser obras-primas de arte ou de tecnologia, mas nos termos da premiao elas s tm sentido se, alm de esteticamente ou tecnologicamente perfeitas, cumprirem

12

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

Jos Cordeiro

Inscries e descontosAs inscries para o Prmio estaro abertas a partir do dia 2 de maro e se encerraro em 21 de agosto. Para facilitar ainda mais o processo de inscrio dos cases, o site www.grandescases.com. br est sendo reformulado, de maneira a tornar o trabalho mais amigvel. Em breve, o Regulamento e as fichas de inscrio estaro disponveis nesse site. Ao acess-lo, os interessados observaro que foram introduzidos alguns atrativos importantes. Outra providncia em andamento a elaborao de um mtodo de pr-seleo das embalagens a ser julgadas pelos jurados. Uma considerao bsica nesse trabalho ser a que diz respeito conformidade das inscries com os termos do Regulamento. Se, por exemplo, no item resultados, a descrio constituir-se de generalidades (do tipo a receptividade ficou acima das expectativas, ou causou grande impacto), sem fundamentao em nmeros, ainda que percentuais, o case ser eliminado naquela fase. Ao mesmo tempo foram introduzidos incentivos. Um deles o estmulo ao recurso mdia eletrnica para as inscries. A Bloco de Comunicao e a SPR International, parceiras na organizao do Prmio, decidiram oferecer um crdito de R$ 20,00 para a aquisio de convites cerimnia de premiao a cada inscrio feita. Trata-se de uma forma de reconhecimento dos organizadores s empresas que do apoio mais significativo iniciativa, na forma de maior nmero de inscries. Paralelamente a essas medidas, os preparativos para a cerimnia de premiao seguem com cuidado intenso, sobFesta do PRmio embalagemmaRca 2008: oportunidade de estreitar relacionamentos de negcios

a orientao de que o Prmio EmbalagEmmarca grandEs casEs dE EmbalagEm deve superar-se a cada edio, consolidando-se definitivamente como a principal referncia entre as iniciativas similares no setor. A inteno de que a data seja vista pelos agentes do packaging no Brasil como um evento imperdvel. Afinal, alm de dar destaque s aes envolvendo embalagens que agregam valor aos produtos brasileiros, a festa da terceira edio do Prmio dever ser, mais do que o foram as duas edies anteriores, uma oportunidade de estreitar relacionamento de negcios num ambiente requintado, com pessoas bonitas, boa comida, boa bebida e surpresas sem fuzu e sem delongas cansativas. (WP)

Bom contedo, a base do xitoAo planejar suas aes para o ano de 2009, a Bloco de Comunicao no perdeu de vista um componente que d consistncia e distingue sua presena no universo da embalagem: informao com valor agregado e credibilidade em todas as iniciativas que implementa. Dito de outra forma, o bom contedo est na base do xito dos produtos que a empresa oferece ao mercado, a comear pela revista EmbalagEmmarca. Por isso, no ano em que esse que o carro-chefe da editora completa dez anos de lanamento, esto em andamento algumas iniciativas que se destacaro no mercado da comunicao especializada. Como tradio na empresa, projetos somente so anunciados no momento em que se concretizam. Dessa maneira, o que est em andamento no campo especfico da informao nas verses impressa e eletrnica da revista EmbalagEmmarca e em outros formatos especficos de transmisso de conhecimento ser dado ao conhecimento do mercado j como fatos consumados. Por enquanto, o que vivel assegurar que, por poltica interna, o que for oferecido ao mercado ser sempre fruto de cuidadoso planejamento, ser diferenciado em relao ao que j existe, ser tico e ter alta qualidade. Aguardem.

Patrocnio Master

Patrocnio Especial

Organizao

Apoio Operacional

Interessados em associar suas marcas s aes aqui descritas devem enviar e-mail para [email protected] e [email protected]

www.embalagemmarca.com.br

fevereiro 2009

EmbalagemMarca

13

divulgao

sua funo bsica: gerar resultados positivos para a empresa usuria, com respeito ao consumidor e ao meio ambiente. Trata-se, em suma, de fazer uma anlise sistmica dos trabalhos submetidos apreciao dos jurados.

FOMEiv da recente proliferao dos molhos de tomate em stand-up pouch no Brasil, a Fugini assopra os dados mais uma vez, novamente apostando numa quebra de paradigma de embalagem. A emergente empresa paulista se lanou no negcio de pratos prontos acondicionando massas, risotos, sopas e feijoada em bandejas plsticas de alta barreira, capazes de suportar aquecimento no forno de microondas. Razoavelmente populares na Europa e nos Estados Unidos, mas ainda inslitas por aqui, as bandejas adotadas pela Fugini simbolizam um novo passo na marcha arrastada no mercado nacional, mas promissora, de avanadas embalagens esterilizveis e de longa vida (sterilized shelf stable) para alimentos. So alternativas que dispensam a distribuio refrigerada e que, assim como as latas e os potes de vidro, de uso j arraigado na mesma rea, so retortable ou seja, capazes de suportar rigorosos processos de assepsia, nos quais so submetidas por minutos a fio, com os alimentos j acondicionados, a temperaturas superiores a 110C em equipamentos de esterilizao conhecidos como autoclaves. O calor elimina os microorganismos que naturalmente deteriorariam os alimentos em curto prazo, transformando perecveis em produtos duradouros, capazes de se preservar por meses e meses sob temperatura ambiente sem o uso de conservantes. As refeies da Fugini, por exemplo, tm vida-de-prateleira de um ano. Bandejas como as que esto sendo empregadas nas novidades da Fugini conservam os alimentos aps a esterilizao porque so termoformadas a partir de chapas dotadas de uma camada de EVOH (copolmero de etileno e lcool vinlico),14

}}} RePoRtaGeM De caPa

Bandejas, pouches e caixinhas capazes de esterilizao por autoclave olham com apetite os mercados de pratos prontos e de alimentos em conservaPor Guilherme Kamio

P

impermevel, e seladas no topo com um laminado especial de alta barreira. So normalmente entregues pr-formadas para o acondicionamento, mas sua oferta limitada no Brasil. Dos principais nomes do pas em embalagens plsticas rgidas, somente a Dixie Toga alega aptido para sua produo. No ela, porm, a fonte das bandejas da Fugini, muito provavelmente importadas procurada, a fabricante de alimentos alegou questes estratgicas para no se pronunciar. Antes, at onde se sabe, bandejas retortable desse tipo s haviam desencantado no Brasil numa linha de massas prontas da International Food Company (IFC), lanada h mais ou menos trs anos, mas aparentemente desativada.foto: Carlos Curado bloCo de ComuniCao

Fugini: aposta em bandejas termoformadas de alta barreira

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

(a empresa no respondeu s solicitaes de entrevista). Naquele caso, a fornecedora das bandejas era a MAN Ferrostaal representante para o Brasil de duas referncias mundiais em embalagens plsticas rgidas de alta barreira, a inglesa RPC e a catal EDV. Trata-se da mesma empresa que tem escorado a maioria das iniciativas brasileiras com uma outra embalagem autoclavvel de vanguarda: o retortable pouch. A MAN Ferrostaal a importadora dos retortable pouches adotados nos ltimos anos por empresas como Pepsico (atum e pats com a marca Coqueiro), Bertin (linha Pronto Sabor de pratos prontos), JBS Friboi (refeies Swift), a supracitada IFC (pratos prontos A Mio Modo) e a Panco (refeies prontas). As embalagens so confeccionadas pela sul-coreana HPM Global.

IFC foi a primeira indstria alimentcia a apostar em bandejas retortable

Das espaonaves para o varejoCriado h mais de trinta anos pela Nasa, a agncia espacial americana, para acondicionar o repasto de astronautas em campanha, o retortable pouch j popular nos Estados Unidos, na Europa e na sia. No Brasil, custa a engrenar. Para o brasileiro ainda difcil entender que um estrogonofe ou uma feijoada, por exemplo, possam ser expostos

numa gndola sem refrigerao por dois anos e ser 100% livre de conservantes, avalia Roberto Hinrichsen, executivo da MAN Ferrostaal. O hbito de consumir alimentos refrigerados muito forte, constata Hinrichsen, por isso preciso um trabalho muito bem-orquestrado de comunicao das vantagens da embalagem shelf stable. Embora o volume do seu negcio de retortable pouches no Brasil venha crecendo a taxas mdias anuais de 20% desde 2005, a MAN desembaraa atualmente apenas 4 milhes de unidades dessa embalagem, por ano, no pas. A independncia da chamada cadeia de frio

Aparelhamento e ensaios para uma eventual disparadao retortable pouch ainda no decolou no brasil e boa parte das iniciativas nacionais com essa sofisticadssima flexvel fiada em embalagens importadas. mas fornecedores de matrias-primas e convertedores locais vm se aparelhando para consolidar laminados nacionais adequados e para poder confeccionar essa bolsa plstica. no lado dos materiais, a folha de alumnio, empregada nas embalagens retortable mais simples, que no suportam aquecimento em forno de microondas, conta com ampla oferta no brasil. o filme de polipropileno cast (CPP), utilizado como selantes das estruturas, tambm encontrado no mercado nacional, embora com oferta mais discreta. Com fbrica em recife, a terphane lanou h alguns anos uma verso nacional de outro ingrediente essencial dos retortable pouches: o filme de polister (Pet) autoclavvel. fernando Pardal, gerente de negcios da henkel, informa que a empresa tem adesivo nacional para a laminao da estrutura retortable assim como a concorrente Coim, com fbrica em vinhedo (sP). Pelo menos quatro fornecedores dizem possuir tintas adequadas para imprimir essa embalagem. aparentemente, o nico componente crucial para flexveis retortable que no conta com produo local o filme de nylon bi-orientado (boPa). o principal fornecedor para o mercado nacional a chilena sigdopack. o filme de boPa faria sentido em nosso portflio, mas ainda no podemos prever investimentos nele, diz mauro Kernkraut, gerente comercial da terphane. entre os convertedores, a alcan afirma deter tecnologia para a produo local de retortable pouches h dez anos, e vem promovendo concorridos seminrios sobre essas embalagens. J temos clientes nacionais, diz Priscila mazzarin, gerente de marketing da diviso de embalagens flexveis da alcan. mas, por poltica de comunicao, no podemos identific-los. a dixie toga garante tambm estar apta a escoar retortable pouches via itap bemis, sua diviso de flexveis. mrcio Pinheiro encaixa que a santa rosa, da qual gerente de desenvolvimento de mercado, lamina estruturas retortable com sucesso, e est capacitada a fornec-las para aplicaes em embalagens de alimentos e de itens mdico-hospitalares. Convertedores esto tambm atentos para a formao dos retortable pouches, operao complexa e crtica. aps desenvolver knowhow para laminao e impresso de material retortable, a arco Convert, que presta servios de impresso e converso, adquiriu em 2008 uma avanada mquina formadora da hudson-sharp. especializada em stand-up pouches, a tradbor, comunica o diretor alan baumgarten, tambm acaba de adquirir um novo equipamento capaz de formar esse tipo de embalagem.continua na PRXiMa PGina

www.embalagemmarca.com.br

fevereiro 2009

EmbalagemMarca

15

divulg ao

o principal e mais evidente trunfo das bandejas e flexveis retortable para o acondicionamento de pratos prontos. Pelas dimenses e pelo clima do Brasil, trata-se de uma vantagem importante, argumenta Priscila Mazzarin, gerente de marketing da diviso de embalagens flexveis da Alcan, empresa que tem envidado grandes esforos para divulgar o conceito do retortable pouch entre as indstrias alimentcias nacionais (veja o quadro). No cotejo com a lata, outra concorrente para o envasamento de alimentos processados, Priscila identifica tambm uma vantagem logstica para as flexveis, j que elas no transportam ar. Ademais, como a espessura do pouch menor, ele comprovadamente consome menos energia no processamento trmico, que atinge os alimentos de forma mais controlada e branda, preservando sabor, colorao e textura. Aparentemente, os end-users comeam a entender a necessidade de educar o consumidor acerca desses atributos. A partir de agosto entraremos agressivamente com um plano de marketing para nossos pratos prontos, que contemplar inovaes, degustaes, mdia e muita participao em eventos, antecipa Marcos Scaldelai, diretor de marketing da Bertin. Ainda h umaa disparada do dlar parece ter animado os fornecedores nacionais. oferecemos embalagens retortable com todas as vantagens que o fornecimento local tem sobre as importaes, assegura Cristina sartoretto, especialista de mercado da dixie toga. segundo Priscila mazzarin, a alcan oferece os mesmos atrativos inclusive, e principalmente, em termos de custo. oportunidades no faltam. muitas usurias nacionais de bolsas retortable adotam verses importadas da Coria do sul ou da europa neste ltimo caso esto a masterfoods, com suas raes midas para ces (Pedigree) e gatos (Whiskas), e a gdC alimentos (gomes da Costa), com uma linha de pescados para food service. estamos sempre atentos a boas oportunidades em embalagem, esclarece luis manglano, diretor de marketing da gdC. se uma alternativa 100% nacional for vivel, por que no mudar?, indaga. nas entrelinhas, a movimentao do mercado parece denunciar a antecipao a uma possvel efervescncia, nos moldes daquela que catapultou o uso de stand-up pouches no mercado de

Linha Pronto Sabor (Bertin), pratos prontos Swift (JBS Friboi) e atum Faclimo Coqueiro (Pepsico): tacadas nacionais escoradas em retortable pouches da sul-coreana HPM Global

atomatados. Cedo ou tarde, o retortable pouch vai alar vo no brasil, tateia mrcia sato, gerente de desenvolvimento de mercado da trade Pack, distribuidora local das flexveis do grupo chileno alusa que brande o pioneirismo na confeco de bolsas retortable na amrica do sul e que tem lucrado com o fornecimento de stand-up pouches para derivados de tomate nacionais. Para eugnio giacomelli, diretor da arco Convert, o retortable pouch s no um fenmeno no

brasil por questo de embocadura. sempre se tentou implantar no pas o modelo europeu, baseado em mquinas form-fill-seal alimentadas por bobinas, quando o mais econmico e racional, diante da segmentao e da diminuio dos lotes, s o enchimento de pouches prformados, avalia. boas envasadoras para essa tarefa, calcula giacomelli, chegam a custar at um sexto do preo de formadoras-enchedorasseladoras top de linha.

GDC: por enquanto, pouches importados

16

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

fotos: divulgao

www.embalagemmarca.com.br

fevereiro 2009

EmbalagemMarca

17

foto: Carlos Curado bloCo de ComuniCao

grande resistncia do consumidor ao conceito das refeies prontas em embalagem flexvel, mas ela vem diminuindo. Scaldelai recorre ao crescimento da produo da linha Pronto Sabor em 2008 38% como evidncia da melhor assimilao pelo pblico. Algumas empresas esto fazendo um trabalho muito bom de divulgao das vantagens das embalagens retortable e da segurana dos produtos shelf stable nas prprias embalagens, de forma didtica, aponta Cristina Sartoretto, especialista de mercado da Dixie Toga empresa que anuncia estar capacitada a fornecer retortable pouches atravs da Itap Bemis, sua diviso de flexveis. Como sempre, a embalagem um excelente veculo de comunicao e deve ser explorada de forma inteligente, principalmente durante esta fase inicial de desenvolvimento de mercado, sugere a profissional. O apetite pelos alimentos processados em autoclave no exclusividade dos invlucros plsticos. Fortemente associadas ao envasamento

Para pioneira, pouch j se consolidouO retortable pouch j deslanchou no Brasil. Ele extremamente conveniente apenas para algumas aplicaes, que representam nichos bastante definidos. A opinio, contrastante com aquelas que apontam espao generoso para a embalagem crescer no mercado nacional, de Jos Luiz Favrin, diretor da Cellier, de Campinas (SP). Trata-se da empresa pioneira no emprego comercial da tecnologia de esterilizao de alimentos em embalagens flexveis no Brasil a empresa est ativa h dezoito anos. Favrin conta que seu primeiro contato com a tecnologia ocorreu em 1987, em Campinas, por meio de uma planta-piloto do Cetea-Ital (Centro de Tecnologia de Embalagens do Instituto de Tecnologia de Alimentos). Hoje, os principais clientes da Cellier (que utiliza majoritariamente pouches da sul-coreana HPM Global) so as Foras Armadas do Brasil e clientes do canal de food service. Na rea do varejo, a empresa atualmente processa os pouches dos molhos que compem a linha de massas semiprontas Renata Piatto Pronto, do Pastifcio Selmi (na foto abaixo).

longa vida de bebidas, as cartonadas asspticas tambm querem nacos desse mercado. At agora, a mais eloqente prova disso, no Brasil, ocorreu em meados de 2007. Foi quando a Quero (Coniexpress) lanou uma extenso de linha de seus vegetais em conserva, at ento apresentados somente em latas de ao e potes de vidro, utilizando a Tetra Recart caixinha retortable da Tetra Pak. O conceito um sucesso. De acordo com nmeros da Nielsen, em novembro passado os produtos da Quero em Tetra Recart j abocanhavam quase 10% no mercado nacional de vegetais em conserva, destaca Helosa Rios, diretora de marketing da Tetra Pak.

Tecnologia food retortable, da SIG Combibloc: para pedaos grandes

Alcan (11) 4512-7000 www.alcan.com.br Arco Convert (11) 2061-8099 www.arco.ind.br Cellier (19) 3273-0317 www.cellier.com.br

Conceito a ser absorvidoEm outros pases a Tetra Recart tem sido utilizada no s em conservas, mas tambm em outros alimentos esterilizados como molhos, compotas doces, sopas e, na Espanha e em Portugal, at atum slido e em cubinhos. No Brasil, j fizemos testes, bem-sucedidos, com pratos como estrogonofe e feijoada, relata Helosa. A executiva avisa que novidades nacionais em Tetra Recart esto em gestao, e sero lanados ainda este ano. Importada, a Tetra Recart fornecida em unidades pr-cortadas, abertas (no em bobinas, como no sistema tradicional de trabalho da Tetrafotos: divulgao

Caixinha retortable Tetra Recart, adotada no Brasil com xito pela Quero, j at utilizada, na Europa, para pescados

Pak). Possui paredes compostas por nove camadas intercaladas de papel carto, folha de alumnio e polietileno (e no as usuais seis dos outros modelos de caixinha da multinacional sueca), garantindo aos alimentos shelf life de at dois anos em gndola seca. Um de seus destaques o sistema de fcil abertura, baseado num semicorte a laser que abre totalmente seu topo, dispensando o uso de utenslios cortantes. Outra fornecedora de cartonadas asspticas, a SIG Combibloc, tambm mapeia oportunidades na rea de alimentos. A empresa desenvolveu uma tecnologia, a food retortable, adequada ao envasamento de alimentos com grandes pedaos (dimetro maior que 15 milmetros). Ainda no h adeptos no Brasil, mas o sistema j empregado com xito para o acondicionamento de vegetais e pratos prontos nos pases nrdicos e, principalmente, na Itlia e na Alemanha. um novo conceito, que demora a ser absorvido, pondera Luciana Galvo, gerente de marketing para Amrica do Sul da SIG Combibloc. Luciana acredita que as caixinhas food retortable podem deslanchar no pas se forem empregadas por uma marca forte, disposta a investir pesado em comunicao do conceito. Mas salienta que, para a indstria alimentcia, a prioridade da empresa a tecnologia food aseptic, menos complexa. Sucede que, para produtos importantes da categoria, como derivados de tomate, que tm grande representatividade no mercado brasileiro, o uso do food retortable no necessrio, explica a profissional da SIG Combibloc.

Coim (19) 3876-9600 www.coimgroup.com.br Dixie Toga (11) 5516-2000 www.dixietoga.com.br EDV www.edvpackaging.com Henkel (11) 3205-8892 www.henkel.com.br HPM Global www.hyewonpack.com Hudson-Sharp (16) 3303-8500 www.hudsonsharp.com MAN Ferrostaal (11) 5522-5999 www.manferrostaal.com.br Poly-Vac (11) 5693-9988 www.poly-vac.com.br RPC www.rpc.eu Santa Rosa (11) 3622-2300 www.santarosaembalagens.com.br SIG Combibloc (11) 2107-6744 www.sig.biz Sigdopack (11) 3285-3400 www.sigdopack.cl Terphane (11) 2714-3953 www.terphane.com.br Tetra Pak (11) 5501-3200 www.tetrapak.com.br Tradbor (11) 3739-4909 www.tradbor.com.br Tradepack (11) 5093-6511 www.aluflex.com.ar

outRo LaDoveja como os setores de latas de ao, de potes de vidro e de bandejas cartonadas encaram as novas concorrentes em embalagens retortable. www.embalagemmarca.com.br/114upm

18

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

Papinhas: na mira do pote plstico retortableProcessadas com esterilizao por autoclave e costumeiramente acondicionadas em potes de vidro, as papinhas infantis tm se tornado um promissor canal de escoamento para os potes retortable. Na Europa, nomes fortes da indstria de baby food, como Nestl e Hero, possuem linhas apresentadas em potes termoformados esterilizveis, com alta barreira proporcionada pelo uso de uma chapa multicamadas com presena de EVOH (copolmero de etileno e lcool vinlico). Uma das principais fabricantes desses potes a espanhola EDV. Alm de muito mais baratos, os potes plsticos so mais seguros que os de vidro, pois no estilhaam nem soltam farpas, e podem ser empilhados no transporte ao cliente, antes do enchimento, argumenta Roberto Hinrichsen, executivo da MAN Ferrostaal, representante para o Brasil da EDV. Lder do mercado brasileiro de papinhas, no qual utiliza exclusivamente potes de vidro, a Nestl foi procurada por EmbalagEmmarca para dizer se j cogitou ou se cogita replicar no Brasil o modelo europeu. A assessoria de imprensa da companhia, entretanto, alegou indisponibilidade de um porta-voz para comentar o assunto. At hoje, o passo mais firme na oferta nacional de potes termoformados retortable foi dado pela PolyVac, com uma linha chamada Poly-Life, anunciada h cerca de trs anos e meio (veja EmbalagEmmarca n 75, novembro de 2005). poca do lanamento, porm, o produto era mais vinculado ao acondicionamento de vegetais e de frutas em conserva apesar de a fabricante salientar sua potencialidade para o uso com produtos como atomatados, gelias, pats, sucos e pet food. A Poly-Vac no respondeu, at o fechamento desta edio, aos contatos feitos pela reportagem.

Na Europa, Nestl utiliza pote plstico retortable em papinhas. Aqui, ainda no

www.embalagemmarca.com.br

fevereiro 2009

EmbalagemMarca

19

}}} coDificao

Uma ligao oportunaPor Andrea Esprito Santoa to falada convergncia tecnolgica. Telefones celulares j tiram fotos e gravam vdeos, tocam msicas, acessam a Internet, sintonizam TV e at incorporam GPS. Mas uma funo ainda pouco conhecida pelos brasileiros a leitura de cdigos grficos. Por meio de softwares especiais, alguns aparelhos com cmera so capazes de atuar como scanners, capturando dados de um tipo de matriz bidimensional criada h quinze anos para rastrear autopeas no Japo: o QR Code (Quick Response Code, ou cdigo de resposta rpida, em traduo livre do ingls). Originalmente adaptada ao uso com celulares para facilitar anotaes, dispensando a tortuosa tarefa de digitar textos nos teclados dos aparelhinhos, a decodificao de QR Codes caiu nas graas do chamado mobile marketing a divulgao de produtos, servios e marcas que aproveita o telefone mvel como canal. E uma promissora manifestao dessa apropriao envolve o uso de embalagens, como exemplifica uma campanha de sucesso encampada pela Pepsi no Reino Unido. Recentemente, a empresa estampou QR Codes em mais de 400 milhes de latas e rtulos de garrafas de PET do seu refrigerante Pepsi Max. Ao escanear os cdigos com seus celulares, os consumidores recebem endereos para pginas da Internet, onde ganham acesso a contedos exclusivos, como videoclipes musicais, e podem baixar jogos gratuitamente para seus aparelhos. Com a ldica promoo, a Pepsi busca fidelizar o pblico jovem. A grande maioria de iniciativas desse tipo ainda se restringe aos pases asiticos, principalmente ao Japo onde existe farta oferta de aparelhos celulares com cmera que j saem de fbrica tendo programas decodificadores instalados. No toa, diversas embalagens japonesas incorporam QR Codes. Lidos por celulares, eles

Embalagens podem participar de promoes baseadas na leitura de cdigos 2D por celulares, ainda sem muito crdito no Brasil

propiciam ao consumidor nipnico um rosrio de informaes sobre produtos, como procedncia, composio, instrues de uso, meio de contato com o SAC da empresa, etc.

Aqui, s em annciosPelas cerca de 150 milhes de linhas habilitadas, quase um tero a mais que no Japo, o Brasil tem potencial enorme para utilizar o celular como ferramenta para aes mercadolgicas estratgia que j movimenta quase 10 bilhes de reais no mundo, segundo estimativa da Mobile Marketing Association (MMA). As iniciativas especQR Code na Pepsi Max britnica: aplicao em mais de 400 milhes de latas e rtulos de garrafas

No Data MatrixA GS1 Brasil, instituio que supervisiona e homologa sistemas para automao comercial, diz j ter recebido consultas sobre QR Cdigo Data Matrix: Codes. Mas faz questo de explicar que, apesar das semelhanas, diferente do QR Code eles diferem dos cdigos bidimensionais Data Matrix, bastante utilizados em embalagens com fins de rastreabilidade. Os QR Codes no seguem um padro de informaes determinado pela entidade, diz Marcelo S, assessor de Solues de Negcio da GS1 Brasil. Entretanto, no Japo a entidade tem um comit, o GS1 Mobile Com, que assiste indstrias com dvidas sobre esse tipo de codificao ressalvando, porm, a incompatibilidade com seu rol de padres.

20

EmbalagemMarca

fotos: divulgao

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

reProduo

ficas com QR Codes, porm, tm uma barreira local para superar. Ainda rareiam, no mercado nacional, os modelos de telefone prontos para a operao com esses cdigos. Um deles o N95, da Nokia. Contudo, diversos aparelhos que no dispem do software decodificador, mas possuem cmera, podem incorporar o recurso com a instalao de aplicativos (veja o quadro). Mas, se a por ora restrita oferta de celulares em ponto de bala ainda um desestmulo para campanhas com leitura de cdigos em solo brasileiro, convm lembrar que a capacidade de escaneamento tende a se disseminar rapidamente nos aparelhos, assim como ocorreu com outros recursos. Caso isso se concretize, um detalhe importante poder popularizar o QR Code: seu uso gratuito. A japonesa DensoWave, criadora do padro, liberou sua patente para o domnio pblico. At agora, o mobile marketing com QR Codes s frutificou no Brasil em campanhas publicitrias. No fim de 2008, a operadora de telefonia celular Claro utilizou cdigos em anncios criados pela F/Nazca e veiculados em jornais e revistas. A decodificao dos QR Codes permitia aos clientes baixar, de um link, um tema musical. A Claro estima que 7% de seus clientes algo prximo de 2 milhes de assinantes participaram da iniciativa. Tambm em 2008, por ocasio do Dia dos Namorados, a rede de varejo de eletroeletrnicos Fast Shop adotou uma ao com QR Codes,

No Brasil, a Claro e a Fast Shop apostaram na inovao mas no com o apoio de embalagens

criada pela Dentsu Latin America. Com seus celulares, consumidores podiam ler mensagens romnticas gravadas em cdigos impressos em anncios e banners de lojas. Alguns cdigos continham informaes sobre descontos e promoes. Embora ainda no tenham se concretizado, utilizaes em embalagens nacionais j despertam atenes de certas indstrias. Recebemos consultas da Natura e da Pomar, fabricante dos sucos Izzy, chegamos a fazer testes, mas os projetos no foram adiante, relata Vinicius Vasconcelos, diretor comercial da Trevisan Tecnologia, representante brasileira da americana 3GVision, desenvolvedora do software decodificador i-nigma. Segundo ele, o setor produtivo demonstra receios por exemplo, quanto possibilidade de mensurar a efetividade das aes. O profissional, entretanto, assegura que o programa possui uma ferramenta que permite saber a quantidade de impactos qualitativa e quantitativamente.

F/Nazca (11) 3059-4800 www.fnazca.com.br GS1 Brasil (11) 3068-6229 www.gs1brasil.org.br Dentsu Latin America (11) 3064-2153 www.dentsu-lat.com.br Trevisan Tecnologia (11) 5543-0376 www.trevisantecnologia.com.br

Como utilizar QR Codes no telefone celularNo so muitos, no mercado nacional, os celulares prontos para ler QR Codes. Mas softwares decodificadores podem ser instalados em aparelhos com cmera que no saem de fbrica com o recurso ( preciso verificar a compatibilidade). Um desses programas o i-nigma, popularssimo no Japo. O site www.i-nigma.com, que conta com traduo para o portugus, ensina como baixar e instalar o aplicativo, gratuito. Veja abaixo como capturar dados dos QR Codes:

No celular, habilite o programa decodificador e aponte a cmera para a superfcie que contm o QR Code

O cdigo, interpretado, revela textos que podem ser armazenados, links para pginas da Internet, imagens ou sons

Se o seu celular tem o recurso, ou se voc o instalou, teste-o com este cdigo

www.embalagemmarca.com.br

fevereiro 2009

EmbalagemMarca

21

painel grfico

}}} MERCADO DE CONVERSO E IMPRESSO DE RTULOS E EMBALAGENS Edio: GuilhermeHaberli Edio: Leandro KamioEdio: flvio palharEs ||| [email protected]

Primeira fbrica de papel da AL faz 120 anosRecm certificada pelo FSC, Arjowiggins Salto faz aniversrio em setembroA primeira fbrica de papel do Brasil e da Amrica Latina comemora 120 anos em 2009. Em 16 de setembro de 1889, no final da Monarquia, foi inaugurada a Fbrica de Papel Salto, construda s margens do rio Tiet em Salto, no interior de So Paulo (na poca, Vila de Salto, pertencente cidade de Itu a emancipao aconteceu no final daquele mesmo ano) pela Melchert & Cia. Na poca, nem os pases mais adiantados da Europa tinham tecnologia para a produo em escala de papel. Aps algumas mudanas de proprietrios, em 1977 a Arjowiggins tornou-se acionista majoritria da indstria, que hoje produz 30 mil toneladas de papel por ano. Em outubro de 2008, a Arjowiggins Salto obteve o certificado de cadeia de custdia FSC (Forest Stewardship Council) para a produo de papis de segurana e papis finos.

VCP cria novo lder global em celuloseVotorantim compra Aracruz por R$ 2,4 bilhes com ajuda do BNDESO grupo Votorantim anunciou a compra da Aracruz. O negcio consolidar as operaes da VCP (Votorantim Celulose e Papel) com as da Aracruz e criar a maior empresa de celulose do mundo. O valor da negociao pode chegar a 5,6 bilhes de reais. A VCP contar com 2,4 bilhes de reais do BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econmico e Social. O fechamento do negcio foi anunciado pela VCP em setembro, mas a crise financeira e perdas de 1,9 bilho de reais por parte da Aracruz com operaes financeiras atreladas ao cmbio suspenderam a negociao. No incio deste ano, a Aracruz chegou a um acordo com bancos credores, o que abriu o caminho para a retomada das discusses. No ltimo dia 21, a VCP informou ao mercado a concluso do negcio. Se desistisse, haveria multa de 1 bilho de reais. A Votorantim pagar 2,7 bilhes de reais por 28% das aes da Aracruz pertencentes Arapar, que estavam com as famlias Lorentzen, Almeida Braga e Moreira Salles. O grupo Safra poder receber o mesmo valor pelas aes da Arainvest se aceitar a proposta da Votorantim. A nova companhia tem capacidade de produo de 5,8 milhes de toneladas/ ano, mais de 1 milho de hectares em reas manejadas, 15 mil funcionrios entre diretos e terceirizados e 7 bilhes de reais em receita lquida anual.

Gidue decreta liqidao voluntriaEmpresa italiana encampada pela conterrnea Nuova CastagnoliA Gidue, fabricante italiana de impressoras para rtulos e embalagens, atuante no mercado desde 1999, acaba de comunicar ter aberto no dia 22 de dezembro 2008 processo de liqidao voluntria. No ano fiscal de 2008, que terminou em 31 julho do ano passado, a Gidue teve os melhores resultados de sua histria, com vendas de 34 milhes de euros. As previses eram que as vendas para 2009 teriam alta de 10% a 20%, confirmando a tendncia de crescimento da empresa nos ltimos anos. Mas, em seu comunicado, o grupo italiano informou que a recesso mundial tem afetado a Gidue bem alm de qualquer previso, causando inesperada e forte queda nas vendas, que j no so suficientes para cobrir os custos fixos da empresa. A Nuova Castagnoli, antiga fornecedora de impressoras offset, de equipamentos de controle e inspeo e de tecnologia de impresso hot stamping, vai prestar a assistncia necessria para as mquinas instaladas e assumir as vendas j negociadas. O comunicado assinado por Federico dAnnunzio, CEO da Nuova Castagnoli e at o anncio da liquidao da Gidue, seu presidente.

KSR inicia distribuio de papis da KlabinEmpresa vai atender a pedidos de papel kraft inferiores a 25 toneladasA KSR Distribuidora, unidade de negcios da VCP, passa a distribuir as linhas de papel kraft da Klabin atendendo a pedidos do produto em volumes inferiores a 25 toneladas. A incluso do Kraft Klabin no mix da KSR a colocar entre os maiores players nacionais na distribuio do produto. A KSR passa a oferecer a linha de Kraft Klabin composta pelos produtos KlaLiner e KlaFlat, em folhas e em bobinas, com gramaturas que variam de 80 a 420 gramas.

24

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

8 de outubro de 2009Reserve essa data em sua agenda. Nesse dia sero conhecidos os vencedores da 3 Edio do Prmio EmbalagemMarca Grandes Cases de Embalagem. Se voc participou do projeto de alguma embalagem lanada entre 1/7/2008 e 30/6/2009 que tenha feito a diferena, voc no pode car de fora dessa cerimnia.

e 2 de maro. es abertas a partir d Inscri tre em contato ais informaes, en Para m rca.com.br [email protected] premE mais:

Patrocnio Master

Patrocnio Especial3 de junho SEMINRIO DESMISTIFICANDO 15 de setembro SEMINRIO TENDNCIAS Junho Edio especial:

A INOVAOOrganizao Apoio Operacional

E PERSPECTIVAS 2010

ENTREVISTA }}} MicHeL BRuLL

Objetividade contra a crisePara especialista em varejo, distribuidores e indstrias tm chance de enfrentar a recesso com pragmatismo, aprimorando processos internos, explorando novos modelos de venda e apostando em gestes mais flexveis de marcas e de embalagemcio-diretor da consultoria Gouva de Souza & MD e especialista em varejo, Michel Brull acaba de voltar dos Estados Unidos, onde participou da 98 conveno da National Retail Federation (NRF). No evento, tido por muitos como o mais importante do mundo para o setor varejista, ele e cerca de 200 brasileiros assimilaram tendncias e debateram com pares de outros pases os rumos do trade. Entre outros assuntos, Brull fala a seguir da apreenso do mercado ante a crise, dos novos captulos da relao de amor e dio entre varejo e indstria e das implicaes do atual cenrio sobre as embalagens.foto: divulgao

S

Pelo que o senhor pde observar na National Retail Federation, qual o tamanho do impacto da crise no varejo? perigoso dimensionar a recesso. Ela est instalada em alguns pases, est chegando a outros, e o pnico no enxergar, at o presente momento, uma luz no fim do tnel para a situao. Nos Estados Unidos h retrocessos que alcanam 10%, at 20%. Para quem est acostumado a ver quedas de no mximo 3%, nmeros dessa proporo, alm de serem inditos, so de difcil digesto. L, o desempenho do varejo no final de 2008 foi sofrvel. H fuga de clientes e queda nas vendas, o que pode colapsar toda a cadeia ao conta-

minar a indstria. Na Europa, apesar de os nmeros ainda estarem sendo contabilizados, houve quedas de 2%, em mdia, no consumo. A Espanha, que recentemente se declarou em recesso, registrou pela primeira vez, desde 1993, dois trimestres consecutivos de quebra econmica. L, o varejo registrou queda de 8% em 2008. E o mercado brasileiro? No Brasil, a crise no chegou com a mesma magnitude, nem dever chegar, mas sofreremos conseqncias. Podemos avaliar o cenrio de 2008 como positivo para o varejo local, mas ainda no temos os nmeros finais. A nica

26

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

a informar algo foi a Abras (Associao Brasileira de Supermercados), que apontou um crescimento de 5,5% para o setor. No d para arriscar nenhum prognstico para 2009. O ms de janeiro mostrou-se menos negativo do que se esperava, mas houve diminuio do ritmo de consumo. As discusses na NRF apontaram sadas para combater os desafios impostos pela crise? Alguma delas diz respeito embalagem, isto , ao modo de acondicionar produtos? A conveno levou-nos a perceber que o varejo precisa fazer o que chamamos de volta ao bsico. O varejo precisa investir no bom atendimento e estudar o mercado mais a fundo para identificar o que o consumidor est buscando, pois ele agora est muito mais racional. Desse modo, o varejo ter mais chance de oferecer o produto certo, com preo e quantidade que o cliente deseja. O varejo est alerta ao papel da embalagem nesse processo. H uma mudana de comportamento de consumo, e preciso repensar a embalagem, pois nas crises se compra mais o que preciso e menos o que se tem vontade. Alm disso, existem oportunidades relacionadas eficincia logstica e integrao dos canais de distribuio. Este o momento de voltar-se aos processos internos, buscar eficincia para evitar desperdcios, ter o mnimo de estoques para absorver tambm os lanamentos. Talvez seja o caso mais exacerbado, mas essa volta ao bsico faz lembrar do chamado modelo do hard discount baseado em lojas que mais parecem armazns, desprovidas de sofisticao, focadas em preo e com produtos empilhados em paletes... Esse modelo, no qual o auto-servio levado s ltimas conseqncias j que a embalagem secundria est exposta no ponto-de-venda para que o prprio consumidor retire o que deseja no apenas est em crescimento como est consolidado nos Estados Unidos e na Europa e tambm recebe incentivos para a poltica de preo mais agressiva. Se o consumidor est se tornando mais consciente, a busca por preo

uma tendncia importante a ser observada. Esses modelos de lojas sem dvida vm influenciando o desenvolvimento ou a forma como as embalagens so expostas no ponto-de-venda.

Recentemente, grandes empresas decidiram valorizar a ateno aos canais de venda, guindando-os a fatores decisivos para o desenvolvimento de produtos e para o relacionamento com os negcios. A Unilever, por exemplo, criou at gerncias para cada tipo de canal, entendendo O que as indstrias podem fazer para manter que cada molde de varejo tem necessidades e seus produtos competitivos diante do fortaleciexigncias especficas (de produto, de abastemento das marcas prprias do varejo? cimento e at de embalagem). Como o senhor Ao mesmo tempo em que as marcas avalia esse tipo de iniciativa? prprias ganham importncia neste Avalio como positiva, pois estamos momento em que o consumidor mais observando o movimento da indstria Marca um atributo racional em suas compras, no podemos no sentido de apoiar seu cliente. Antes o esquecer que marca um atributo que consumidor estava dividido por classes que tambm ganha tambm ganha importncia em momenA, B, C etc., considerando aspectos como tos de crise. Quem garante que todos os renda, trabalho, famlia. Hoje, h uma importncia em consumidores vo comprar s marcas compreenso muito maior, que busca prprias do varejo ou que vo colocar no saber como o consumidor se comporta, momentos de crise. carrinho um produto que no conhecem o que ele valoriza, aspectos que ajudam porque oferece um preo menor? Em a indstria a traar estratgias para seus Quem garante que algumas iniciativas j vistas no varejo, canais de vendas de forma diferente, marcas fortes fracionam produtos para entendendo melhor sua distribuio e os consumidores vo que o consumidor no precise renunciar descobrindo a melhor forma de entregar s suas preferncias. Este um momenseus produtos ao consumidor. Isso tamcomprar s marcas to de reforar os atributos das marcas bm um impulsionador de negcios em para fortalec-las, buscando diferenciais, meio crise financeira. prprias ou produtos seno h perda de valor. corriqueira a interpretao de cenque no conhecem Algumas indstrias tm buscado se rios recessivos como momentos proaproximar do consumidor sem intermpcios para os produtos com marcas por causa de preo? dio do varejo, atravs de lojas prprias prprias do varejo. A conveno da e tambm de lojas virtuais. O desenvolNRF ressaltou essa oportunidade para vimento de canais prprios de venda pode ser os participantes? proveitoso para as indstrias? A marca prpria ganha importncia neste Sem dvida. Do mesmo modo que o varejo momento, por sua caracterstica de oferecer busca desenvolver marcas prprias, a indstria preos mais acessveis isso desde o superbusca desenvolver canais independentes do mercado at lojas de roupas que criaram sua varejo para escoar seus produtos, mesmo que prpria marca. Preo sempre foi uma varivel no Brasil este nmero no alcance nem 30% importante e sempre ser, mas no atual contexto das indstrias. A loja virtual um desses canais, ele ganha fora como argumento. Nos Estados mas o sucesso de uma operao de venda est Unidos, o Wal-Mart emblemtico nesse ponto, cada vez mais apoiado em multicanais, com a e, ao contrrio do que ocorre no Brasil, naquele indstria investindo em lojas fsicas, televenpas adota uma postura superagressiva em mar-

cas prprias, o que o levou, no final de 2008, a um crescimento de 1,7% enquanto concorrentes caram. O mercado americano bastante amadurecido e sofisticado no segmento de marcas prprias. Por aqui o foco ainda est em preo, mas h oportunidades para crescer em outros segmentos usando a fora de uma marca j consolidada para conquistar o consumidor, com vistas tambm para produtos de maior valor agregado.

28

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

das, e-commerce, entre outros. Nesse aspecto, chamo ateno para o fato de que a indstria precisa se estruturar para atender distribuio fracionada, por estar acostumada a entregar vrios produtos em um s lugar, o armazm do varejista. preciso ainda que a indstria absorva competncias que no tem, e que enfrente a realidade do comportamento de compra do consumidor, que o varejo conhece bem. Apesar de o varejo no gostar desse tipo de iniciativa em torno de 90% dos varejistas no o aprovam, segundo apuramos em estudo recente preciso assumir que esta uma nova forma de negcios e ajustar-se a ela. Muito em funo de programas do varejo, a sustentabilidade tornou-se uma preocupao da cadeia de produo e distribuio, que nos ltimos anos esforou-se para aprimorar o impacto ambiental de seus processos e embalagens. Essa busca tende a ficar em segundo plano neste momento de turbulncia? Esse assunto tem sido bastante discutido. No acredito que a sustentabilidade ser relegada a segundo plano, principalmente porque algumas empresas que desenvolveram projetos registraram redues de custos. Um exemplo o WalMart, que tem duas lojas verdes nos Estados Unidos, e mantm controle geral de iluminao em 2,7 mil das mais de 4 mil lojas naquele pas, alm de outras iniciativas. Como bastante conhecido, outro aspecto interessante relacionado a sustentabilidade no Wal-Mart tem foco nas embalagens. O retorno com essa iniciativa dever ser gigantesco, pois a meta conseguir que os fornecedores reduzam as embalagens em 5% at 2013 e, se tudo caminhar dentro do previsto, a economia esperada de 3,4 bilhes de dlares. A Unilever um exemplo de parceiro do Wal-Mart que colaborou para esta iniciativa, reformulando produto e reduzindo a embalagem. A empresa produz um sabo lquido trs vezes mais concentrado, em que o consumidor faz a mesma quantidade de lavagens, mas o frasco, que era de 3 litros, agora tem apenas 1 litro. Sem dvida essas aes de sustentabilidade podem contribuir para a reduo de custos to almejada neste momento. (AES)

}}} HiGiene PessoaL e BeLeZa

Da farmcia para o ncessaireMantecorp se consolida no disputado setor de produtos de beleza com a linha NewCare, focando embalagens refinadaseguindo o que ocorre h anos no exterior, as farmcias brasileiras vm ampliando a oferta de cosmticos e produtos de toucador, adquirindo ares de verdadeiros magazines para o cuidado com o corpo. No falta motivo: o movimento do setor de higiene pessoal e beleza registra em mdia crescimento anual em torno de 10,9% ao longo dos ltimos anos, segundo a Abihpec (Associao Brasileira da Indstria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosmticos). Essa abertura tem estendido o tapete para outra tendncia alvissareira e cercada de expectativas, mas do lado da indstria: o avano dos fabricantes de medicamentos no mercado de higiene pessoal e beleza. Uma expressiva expoente desse movimento a linha NewCare, da Mantecorp, composta por 37 itens entre produtos para cabelos, mos, rosto, corpo e banho. Resultado da aquisio, em 2007, da marca NewCare (anteriormente detida por uma empresa paulista de cosmticos), e de uma aliana com a americana Amgen, nome forte do setor de biotecnologia, a linha de personal care da Mantecorp promete produtos de beleza diferenciados, com tecnologia e qualidade de uma empresa farmacutica. Suas embalagens, porm, nada tm da

S

fotos: Carlos Curado bloCo de ComuniCao

sisudez tpica dos invlucros de medicamentos. Elas incorporam equities de cosmticos e ganham crescente destaque nas prateleiras das drogarias pelos componentes e acabamentos refinados, evidenciando a preocupao do laboratrio com a apresentao da linha. O pblico-alvo da linha NewCare, as mulheres das classes A e B na faixa etria de 25 a 45 anos, j recebe inmeras ofertas de cosmticos, afirma Ivandr Costa, gerente de Grupo de Produtos da Mantecorp. Por isso, conta o executivo, percebemos que as embalagens poderiam ser importantes na batalha pela conquista de novas consumidoras. Alado a etapa crtica, o desenvolvimento das embalagens da linha foi feito em conjunto pelo departamento de embalagens da Mantecorp e pela agncia DPZ, sob a premissa de conferir aos produtos apresentaes sofisticadas mais impactantes, por exemplo, que aquelas de cosmecuticos que j faziam parte do portflio do laboratrio, como Epidrat e Episol.

(A partir do alto) Sofisticao das embalagens com efeito perolado, soft touch e impresses em hot stamping

Foco nos detalhesNa prtica, a orientao traduz-se em diversas caractersticas embutidas nas embalagens da linha. Os frascos dos produtos das linhas Body e Bath, por exemplo, ganharam um orifcio no

30

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

foto: divulgao

topo, que possibilita pendur-los em ganchos e torneiras no banheiro. Em pesquisa realizada junto a consumidoras, a equipe da Mantecorp se surpreendeu pela repercusso positiva desse atributo. As mesmas embalagens, moldadas por extruso-sopro pela Gensys, tm efeito superficial do tipo soft touch (textura aveludada). A linha de cuidado capilar (Hair) traz como elemento de diferenciao o acabamento perolado aplicado s tampas, s bisnagas plsticas dos condicionadores, fornecidas em blenda de polietileno de alta e baixa densidade pela Globalpack, e tambm aos frascos para xampus produzidos em polietileno de alta densidade pela Megaplast. Nos produtos da linha facial (Face), cremes e loes so acondicionados em pequenas bisnagas plsticas de 45 gramas, tambm fornecidas pela Globalpack, e para ganhar visibilidade no pontode-venda so acomodadas verticalmente em cartuchos de papel carto gramatura 350g/m com uma grande janela frontal vazada, desenvolvidos

DPZ (11) 3068-4000 www.dpz.com.br Gensys (11) 2199-1599 www.gensys.ind.br Globalpack (11) 3908-1253 www.globalpack.com.br Gonalves (11) 4689-4700 www.goncalves.com.br Megaplast (11) 3623-2323 www.megaplast.com.br

pela Gonalves. Os cartuchos e bisnagas da famlia trazem a logomarca da NewCare gravada em hot stamping prateado, caracterstica comum a todos os produtos da marca. Dentro do mesmo conceito, o de aplicar detalhes prateados embalagem indicando mais uma vez o atributo de mais valor do recipiente e, neste caso, do produto, em razo da tecnologia aplicada em seu desenvolvimento, os cosmticos destinados aos cuidados com o rosto tm um filete prata na base das tampas utilizadas nas bisnagas e nos frascos. Juntos, todos esses elementos contriburam para posicionar a NewCare ao lado de outras marcas reconhecidas no mercado. Esses detalhes nas embalagens remetem a produtos de qualidade, privilegiando o valor percebido que acreditamos estar relacionado ao sucesso da marca, assinala Costa. Esse cenrio positivo nos estimula inclusive a, no futuro, ampliar a linha de produtos, como est em nossos planos desde o relanamento da marca, conclui o gerente. (AES)

www.embalagemmarca.com.br

fevereiro 2009

EmbalagemMarca

31

panoramaARRECADAO

}}} MOVIMENTAO

NO MUNDO DAS EMBALAGENS E DAS MARCAS

Gases de discrdiaTributao de refrigerantes que leva embalagem em conta causa polmica entre fornecedores Os nimos esto exaltados entre os fornecedores de embalagens de refrigerantes. A mudana no regime tributrio desses produtos, que passou a vigorar no incio do ano, beneficiou aqueles acondicionados em garrafas de PET com uma reduo mdia de 0,21% nas arrecadaes de IPI, PIS e Cofins. J os refrigerantes envasados em latinhas de alumnio sofreram um incremento de 33,7% nessas tributaes. A Associao Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (Abralatas) reclama da alterao. Segundo Renault Castro, diretor-executivo da entidade, elas contribuiro para uma forte desacelerao do setor. Desde 2004 a Abralatas defende uma desonerao tributria, calcada no argumento de que as latas so mais amigveis ao ambiente do que as garrafas plsticas. Hoje, mais de 96% das latinhas so recicladas no Brasil, contra 53% das garrafas de PET. Alfredo Sette, presidente da Associao Brasileira da Indstria do PET (Abipet), rebate essa idia, alegando que a embalagem de PET consome de seis a dez vezes menos energia na produo. Para se ter idia, a energia consumida na produo de uma nica lata de alumnio pode manter ligada uma tev de 20 polegadas por trs horas ou uma lmpada de 100 watts por 20 horas, ressalta. A mudana do regime tributrio foi aprovada pelo Congresso em junho do ano passado. Antes, a tributao considerava apenas a quantidade de bebida comercializada por embalagem. Agora, alm do tipo de embalagem, o sistema tambm leva em conta o preo praticado. Para aumentar a polmica, os pequenos e mdios fabricantes de refrigerantes entraram na discusso, pleiteando junto Receita Federal equanimidade tributria para os produtos em PET e em latinha com volume de at 600 mililitros. O caso promete. (aes)

CAnAl pARA A bElEzANo fim de 2008 a 3M brasileira inaugurou um portal na Internet reunindo idias e solues em embalagem especficas para o setor de cosmticos. O site uma das aes iniciais de um trabalho de estreitamento de relaes que a empresa quer promover com os fabricantes de produtos de beleza. um dos mercados mais inovadores da atualidade, e podemos supri-lo em suas mais diferentes necessidades, desde matrias-primas para a formulao de produtos at solues para embalagem primria, afirma Rodrigo Gouva, responsvel, no departamento de marketing da empresa, pelo projeto. O endereo do site www.3m.com.br/industriacosmetica.

EVEnTO

Transferncia para 2010ExpoAlumnio e Congresso da Abal so remarcados para o ano que vem Inicialmente programada para maio de 2009, a Exposio Internacional do Alumnio (ExpoAlumnio) foi transferida para o primeiro semestre de 2010, em data a ser confirmada. O remanejamento tambm abarca a quarta edio do Congresso Internacional do Alumnio, que ser realizada em simultaneidade com a mostra. De acordo com a Associao Brasileira do Alumnio (Abal), a mudana de data alinhar os eventos comemorao de seus 40 anos e permitir os ingressos dos mesmos na Aluminium Global, ciclo internacional de feiras sobre o alumnio organizado pela Reed Exhibitions. Mais informaes pelo e-mail [email protected] abal.org.br.

32

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

ilustrao: Jos hiroshi taniguti

Edio: GUilhErME KaMio ||| [email protected]

Garrafes: trs anos de vidaportaria movimenta mercado de embalagens retornveis para gua mineral Trs anos. Essa ser a vida til mxima dos garrafes retornveis de gua mineral de 10 e 20 litros comercializados no Brasil. A determinao de uma portaria do Departamento Nacional de Produo Mineral (DNPM) que passar a vigorar j a partir deste ano. Em assemblias realizadas em novembro ltimo, envasadores e produtores de embalagens aprovaram um cronograma proposto pela Associao Brasileira das Indstrias de guas Minerais (Abinam), que determina que os garrafes produzidos em 2004, 2005 e 2006 tero validade at maro, agosto e setembro de 2009, respectivamente devendo, aps essas datas, ser substitudos por embalagens novas e certificadas, conforme determina a portaria do DNPM. Desde j, toda compra nova de garrafes dever estar em conformidade com a legislao, alerta a Abinam. Ou seja, assim como as embalagens usadas perdero validade at setembro, quem comprar embalagens novas a partir de agora dever fazlo de produtores certificados, sob pena de perder a totalidade da compra na data em que a portaria entrar em vigor.Cronograma de substituies de embalagens inicia j em maro

plSTICAS

GENTEAps quase trs anos, Eduardo Eisler retorna ao Brasil para assumir a diretoria de marketing estratgico da Tetra Pak para as Amricas Central e do Sul. Eisler, que j atuara como diretor de marketing da Tetra Pak brasileira por trs anos, estava na Itlia, onde dirigia a rea de marketing global da multinacional sueca.Iorley Lisboa o novo

gerente de pesquisa e desenvolvimento de embalagens do WalMart no Brasil. A empresa tem o objetivo de consolidar as embalagens dos seus itens de marcas prprias como referncias de mercado, conta o profissional, que durante nove anos desempenhou funo similar no Grupo Po de Acar. A Sonoco promoveu Jim W. Brown a vicepresidente de diviso e gerente-geral para a Amrica do Sul regio onde a multinacional americana possui doze fbricas de embalagens, espalhadas entre Brasil, Colmbia, Chile e Venezuela. Brown trabalha desde 2002 no Brasil, onde a Sonoco opera atravs da Sonoco For-Plas.Livaldo Aguiar dos Santos, diretor-presi-

dente da fabricante de mquinas-ferramenta e de injetoras Romi, foi eleito pela revista americana Institutional Investor o quarto melhor presidente de empresas brasileiras de capital aberto, em categoria para os setores industrial, areo e de transportes. Quase 200 gestores de instituies brasileiras e estrangeiras foram ouvidos para o julgamento.

www.embalagemmarca.com.br

}}} RotuLaGeM

Acordo? Talvez amanh...Embalagens no escapam das mudanas exigidas pela reforma ortogrfica, em pr-estria no Brasil. Protel-las parece ser a tnica entre as indstriasPor Andrea Esprito Santoo dia 1 de janeiro ltimo comeou a vigorar no Brasil o perodo de adaptao ao Acordo Ortogrfico da Lngua Portuguesa. Incubada nos ltimos dezoito anos, a reforma busca uniformizar os padres de escrita em oito pases lusfonos (Brasil, Angola, Cabo Verde, Guin-Bissau, Moambique, Portugal, So Tom e Prncipe e Timor Leste), facilitando intercmbios de informaes e de produtos. Entre outras implicaes, as novas regras eliminam o uso de acentos em certas palavras, aposentam o trema e alteram determinadas hifenizaes (veja o quadro). O prazo para adequao s novas regras o dia 31 de dezembro de 2012. Inmeros jornais, revistas, emissoras de tev e sites aderiram reforma desde o primeiro dia, ou pelo menos j divulgaram o que pretendem fazer a respeito. Mas num outro campo afetado pelas alteraes, o da rotulagem de produtos, predomina a indefinio. EmbalagEmmarca consultou dezoito empresas de grande porte, entre fabricantes de alimentos, de bebidas, de medicamentos e de cosmticos, perguntandolhes sobre planos para adoo dos novos padres em suas embalagens. A maioria mostrou-se reticente e pouco disposta a falar sobre o assunto. Apenas quatro procuradas revelaram ter projetos formatados e j em andamento. O fato que a fase transitria de quatro anos desestimula a preocupao imediata com a questo. Empresas como Avon, Natura, Unilever, Nestl e Yoki informaram, por meio de suas assessorias34

N

de comunicao, que esto estudando as novas regras para futuramente, sem prazos definidos, colocar suas embalagens em conformidade com a reforma. Uma resposta corriqueira foi a de que a adaptao de rtulos e bulas dever ocorrer de forma gradual, medida que novos produtos forem registrados e que os estoques sejam repostos. compreensvel. Algumas empresas possuem despensas com embalagens para meses, o que tem colaborado para protelar a elaborao de cronogramas de mudanas no mnimo para o segundo semestre.

No simplesmente mudarNo d para deixar de lembrar que, para os fabricantes de bens de consumo, a conformao reforma ortogrfica implica num aspecto desagradvel: custos. Alm da eventual contratao de profissionais capacitados para fazer as revises ortogrficas, as empresas inevitavelmente precisaro investir em novas

(e, por vezes, caras) matrizes para a produo de rtulos e embalagens chapas e cilindros, por exemplo. Isso em meio a um cenrio econmico que recomenda prudncia com os gastos. Teremos que gastar cerca de 150 mil reais em artes, detalha Caio Cortelazzo, gerente de novos negcios do Nycomed nico laboratrio entre os cinco consultados para esta reportagem a afirmar que tem um projeto de adoo das novas regras. Considerando alteraes conjuntas com outras necessidades tcnicas ou regulatrias, o prazo final estimado para os ajustes de um ano a um ano e meio, comenta o profissional. Quem tambm adentrou o ano de 2009 com uma agenda consolidada em torno da questo a J. Macdo, fabricante de alimentos com as marcas Petybon, Dona Benta e Sol. Embora no revele valores de investimentos, a empresa comunica que levar cerca de dezoito meses para a total adequao das embawww.embalagemmarca.com.br

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

Os impactos da reforma nas embalagensSegundo lingistas, o Acordo da Lngua Portuguesa afeta somente algo em torno de 0,45% dos vocbulos utilizados no Brasil. No entanto, as mudanas podem causar estranheza at nos mais preparados. Veja, abaixo, alguns exemplos de como os rtulos de produtos sero afetados pelos novos padresO alfabeto da lngua portuguesa passa a ter 26 letras, incorporando oficialmente k, w e y que j eram largamante utilizadas revelia da regra antiga em marcas e nomes de produtos, como ketchup. No se usa mais o acento dos ditongos abertos i e i das palavras paroxtonas (aquelas que tm acento tnico na penltima slaba). Exemplo: geleia passa a ser a grafia correta para o que at ento era grafado como gelia.

Exceto em nomes prprios e seus derivados, o trema, tradicionalmente utilizado nos casos em que o u tono e pronunciado (que, qui, gue, gui), deixa de existir na lngua portuguesa. Se no padro anterior o correto era grafar lingia, com a reforma passou a ser linguia.

A hifenizao agora exigida quando o prefixo terminar com vogal ou consoante igual que comea o segundo elemento (micro-ondas, antiinflamatrio, anti-idade).

Outra mudana de emprego do hfen: quando o prefixo terminar em vogal, mas a palavra seguinte comear pelas letras r ou s, no se usa mais o hfen, duplicando-se tais letras (anti-sptico, por exemplo, passa a ser antissptico).

A reforma aposenta o uso do acento circunflexo em palavras com vogais dobradas, como vo (voo) e enjo (agora, enjoo).

lagens de seus produtos. Os processos de reviso ortogrfica e de layout das embalagens, comandados por agncias de design e por um departamento interno de artes, j iniciaram. Novos produtos contemplaro os novos padres. Para outras empresas complicado negligenciar a reforma. Como produz itens diretamente ligados rea de educao, a Faber-Castell contratou um especialista e j iniciou a reviso de todo o material impresso que acompanha seus lpis, canetas e suprimentos de informtica, bem como o contedo de seu site. Resultados podero ser vistos ainda neste semestre. No segmento em que atuamos no possvel deixar de fazer as alteraes em curto prazo, pois isso criaria confuso entre os estudantes, afirma Elaine Machado, gerente de servios e marketing da Faber-Castell. O certo que, afora todas as decises e indecises que vem causando, a reforma ortogrfica representa uma oportunidade para resolver desencontros da lngua portuguesa presente nas embalagens que, diga-se, nunca foram poucos. Curiosamente, a reforma provoca situaes inusitadas com algumas dessas impropriedades. Veja-se o caso do vocbulo lingia, empregado em milhes de embalagens vendidas mensalmente no Brasil. Ao abolir o uso do trema, a reforma anistia muitas embalagens que nunca utilizaram o sinal ou seja, que continham um erro de grafia pelo padro a ser aposentado em breve. Quem grafava a palavra corretamente, antes da reforma, deve agora mud-la. Sadia e Perdigo, por exemplo, esto nesse time, e informaram que o faro. Mas sem data definida.

PARA SABER MAIS: Diversos portais da Internet prepararam pginas especiais sobre a reforma ortogrfica, algumas com guias sobre as mudanas. Uma delas a da Folha Online: www.folha.uol.com.br/folha/especial/2008/reformaortografica. Por telefone, uma opo para tirar dvidas o Telegramtica, organizado pela prefeitura de Curitiba e executado por professores da rede municipal de ensino. O nmero (41) 3218-2425.

e EmbalagEmmarca?A equipe da revista est estudando as mudanas impostas pelo Acordo Ortogrfico para empreend-las a partir de junho, em sua edio de 10 aniversrio.

www.embalagemmarca.com.br

fevereiro 2009

EmbalagemMarca

35

ARTIGO }}} LYNN DORNBLASER

Novas embalagens transformam o uso de produtoss vezes, as mais singelas mudanas podem transformar produtos em coisas completamente diferentes. o que ns vemos neste ms com uma nova embalagem da Green Giant, da General Mills, no Reino Unido. Com toda a discusso no Reino Unido e nos Estados Unidos sobre a necessidade de se comer freqentemente frutas e vegetais, fabricantes de bens de largo consumo desenvolveram uma srie de formas nicas e inovadoras de responder a esse clamor. Atender ingesto diria recomendada de frutas e vegetais nem sempre fcil para todos, e embora alguns adultos no sigam o conselho risca, todos concordam que imperativo que as crianas o faam, consumindo cinco pores dirias desses alimentos. O novo produto da Green Giant simplesmente um pote capaz de ir ao forno de microondas. Dentro do pote h milho em conserva, e a pequena dimenso da embalagem apenas 80 gramas busca fazer cab-la em lancheiras. O milho pode ser aquecido no microondas ou simplesmente ingerido ao se abrir a embalagem (o que costuma ocorrer mais no mercado britnico). O pote, de polipropileno, similar queles que podem ser vistos nos Estados Unidos acondicionando sopas prontas para microondas. No caso da Green Giant, o pote tem um selo metlico de vedao e uma tampa plstica.Pote da Green Giant: apelo para ser levado s escolas

Muitas vezes a inovao se d com ingredientes ou frmulas. No entanto, as embalagens tambm tm a capacidade de transformar produtos

O pote tambm representa uma mudana no modo de a empresa acondicionar produtos para consumo individual no Reino Unido. Antes, eles eram comercializados em latas metlicas. A nova embalagem, com seu tamanho menor, torna mais fcil para mos pequenas abrirem-na e consumirem o produto, uma considerao importante para estimular as crianas a comer frutas e vegetais. De forma interessante, o design grfico das embalagens apelativo crianada, com declaraes sobre o milho ser um combustvel de lancheira que bacana para a escola. Mais frente, poderemos ver outros tipos de vegetais, misturas de vegetais ou vegetais com molhos leves comercializados tambm nesse pequeno pote. Algumas vezes, entretanto, embalagens so mais complexas. No caso das bebidas, diversos produtos funcionais tm sido lanados durante os ltimos anos, ao ponto de confundir o consumidor quanto aos con-

36

EmbalagemMarca

fevereiro 2009

www.embalagemmarca.com.br

ceitos mercadolgicos dessa categoria. Em um mercado competitivo em que marcas de aprimoramento de performance devem verdadeiramente se diferenciar, a necessidade de inovao de ponta crucial. Muitas vezes, a inovao surge na forma de ingredientes nicos ou formulao. Mas no atual mercado superpopuloso, especialmente nos Estados Unidos, parece que virtualmente qualquer frmula imaginvel j foi desenvolvida e est disposio do consumidor no varejo. Logo, recai sobre a embalagem o papel de diferenciar um produto do outro. A Rising Beverage lanou recentemente uma bebida, sob a marca Activate, que proporciona uma funo que no vista em muitas embalagens. Cada bebida Activate equipada com uma tampa que armazena vitaminas e minerais em p num compartimento resistente umidade. Quando a tampa girada, uma lmina plstica corta o selo para liberar os ingredientes na garrafa, que contm gua. Os consumidores balanam a garrafa, abrem a tampa esportiva e bebem o produto. Embora o conceito no seja totalmente novo, parece que o produto ter distribuio mais massificada que os predecessores que vimos no mercado. O fabricante diz que pesquisas realizadas com os laboratrios Covance, na Universidade de Wisconsin, indicaram que vitaminas e outros ingredientes nutritivos perdem sua potncia aps contato prolongado com a gua da a aposta na tecnologia que conserva o frescor das vitaminas. Ao contrrio de outros pacotes de ingredientes em p que precisam ser manualmente adicionados e misturados a guas engarrafada, o Activate livra o pblico de sujeira e de trabalho. H quatro sabores para a bebida, cada um com um benefcio especfico vitaminas (Fruit Punch), imunizao (Laranja), antioxidantes

(framboesa) e energia (lima-limo). Com os consumidores questionando a gua mineral engarrafada e os resduos que elas produzem, so produtos como esse, que oferecem tanto um benefcio funcional adicional e singularidade sob o ponto de vista da embalagem, que tm o potencial de ainda serem apelativos aos consumidores. O prximo passo para essa companhia, ou para qualquer outra, poderia ser o de oferecer uma garrafa plstica capaz de ser reutilizada, com as tampas com vitaminas sendo vendidas como refis para serem acopladas aos bocais das garrafas adicionando tanto sabor quanto funcionalidade para a prpria gua do consumidor.Lynn Dornblaser diretora da diviso CPG Trend Insight da consultoria Mintel International, com escritrios em Chicago e Londres. Com mais de vinte anos dedicados a anlises de tendncias globais de consumo, ela pode ser contatada pelo e-mail [email protected] enriquecidas Activate: vitaminas s entram em contato com o lquido com manuseio da tampa especial (acima)

www.embalagemmarca.com.br

fevereiro 2009

EmbalagemMarca

37

}}} inteRnacionaL

insiGHtsIDIAS L DE FORATudo junto. Recm-lanado na Europa pela Bayer, o medicamento contra azia e mdigesto Rennie Ice aposta suas fichas na embalagem Burgopak. Abordada numa edio anterior de EmbalagEmmarca (n 105, maio de 2008), a Burgopak consiste numa soluo que integra blisters e bulas a uma carteira cartonada dotada de um sistema deslizante que, alm de manter o conjunto unido, facilita o consumo. Inveno da empresa homnima (www.burgopak.com), a embalagem pode ser processada em armadoras automticas da Bosch Packaging Technology (pa.bosch. com/brasil).

Encaixados pelas laterais, dois frascos fo