of 12 /12
1 Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13 th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X VIOLÊNCIA RACIAL E PROSTITUIÇÃO: UM DEBATE PARA ALÉM DO GÊNERO Alyne Isabelle Ferreira Nunes 1 Resumo: O debate sobre a prostituição tem contemplado diversas abordagens e repensado inúmeras problemáticas. Entre as abordagens o aspecto mais recorrente é a discussão de gênero, seja via enfretamento às múltiplas violências sofridas por essas mulheres seja via compreensão das outras faces da prostituição, por exemplo, a prostituição de luxo e os desdobramentos desse tipo de mercado. É possível perceber nessas produções que apesar de se identificar uma preocupação em tratar à realidade da prostituição a questão racial não é contemplada, sendo essa discussão invisibilizada no que tange a análise desse mercado. Essa invisibilidade é fruto do nosso tipo particular de racismo que insiste em pensar o mesmo como não estruturante das opressões existentes. Compreender historicamente o lugar da prostituição no Brasil é aceitar que foram as mulheres negras que estiveram ocupando esse espaço desde a época colonial até os dias atuais. As mulheres negras estão expostas as opressões estruturantes da sociedade de maneira interseccional, tais como, a de classe, raça e gênero que muitas vezes as forçam a escolhas menos privilegiadas de sobrevivência, e a prostituição acaba por ser uma delas. Analisar a prostituição ignorando a questão racial como um dos fatores determinantes de entrada e permanência dessas mulheres negras é garantir a manutenção de um discurso que subsumi ou exclui o racismo como elemento central das opressões que estruturam nossa sociedade. Palavras-chave: Violência racial. Prostituição. Invisibilidade. Interseccionalidade. O debate sobre o mercado do sexo, e suas variadas configurações, entre elas a prostituição, é um dos campos que mais geram controvérsias. Sendo disputada discursivamente em diversos espaços e por diferentes grupos sociais, especialmente, os movimentos feministas, a prostituição acaba por ensejar um debate que foca, sobretudo, na leitura acerca dos corpos das mulheres e os motivos que as levaram a entrada em tal ocupação 2 . Muito embora seja um fenômeno constituído por diferentes gêneros, sexualidades e corpos, a prostituição permanece ainda, majoritariamente, um espaço formado por mulheres (cis e trans) 3 . Dito isso, as questões de gênero e de classe acabam sendo por excelência as categorias analíticas norteadoras das produções discursivas acerca desse fenômeno. 1 Doutoranda em Sociologia (PPGS), UFPE, Recife, Brasil. Pesquisadora do NUPERR (Núcleo de Pesquisa em Relações Raciais) Frantz Fanon. 2 No ano 2002 a prostituição foi incluída na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), que é o documento que reconhece, nomeia e codifica as ocupações existentes no mercado brasileiro (MINISTÉRIO, 2008). 3 Cisgênero é o termo utilizado para se referir ao indivíduo que se identifica, em todos os aspectos, com o seu “gênero de nascença”. Já os transgêneros são as pessoas que não se identificam com o seu sexo biológico, mas sim com um gênero diferente daquele que lhe foi atribuído biologicamente.

VIOLÊNCIA RACIAL E PROSTITUIÇÃO: UM DEBATE PARA … · 3 Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017,

Embed Size (px)

Citation preview

1

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

VIOLÊNCIA RACIAL E PROSTITUIÇÃO: UM DEBATE PARA ALÉM DO

GÊNERO

Alyne Isabelle Ferreira Nunes1

Resumo: O debate sobre a prostituição tem contemplado diversas abordagens e repensado inúmeras

problemáticas. Entre as abordagens o aspecto mais recorrente é a discussão de gênero, seja via

enfretamento às múltiplas violências sofridas por essas mulheres seja via compreensão das outras

faces da prostituição, por exemplo, a prostituição de luxo e os desdobramentos desse tipo de

mercado. É possível perceber nessas produções que apesar de se identificar uma preocupação em

tratar à realidade da prostituição a questão racial não é contemplada, sendo essa discussão

invisibilizada no que tange a análise desse mercado. Essa invisibilidade é fruto do nosso tipo

particular de racismo que insiste em pensar o mesmo como não estruturante das opressões

existentes. Compreender historicamente o lugar da prostituição no Brasil é aceitar que foram as

mulheres negras que estiveram ocupando esse espaço desde a época colonial até os dias atuais. As

mulheres negras estão expostas as opressões estruturantes da sociedade de maneira interseccional,

tais como, a de classe, raça e gênero que muitas vezes as forçam a escolhas menos privilegiadas de

sobrevivência, e a prostituição acaba por ser uma delas. Analisar a prostituição ignorando a questão

racial como um dos fatores determinantes de entrada e permanência dessas mulheres negras é

garantir a manutenção de um discurso que subsumi ou exclui o racismo como elemento central das

opressões que estruturam nossa sociedade.

Palavras-chave: Violência racial. Prostituição. Invisibilidade. Interseccionalidade.

O debate sobre o mercado do sexo, e suas variadas configurações, entre elas a prostituição, é

um dos campos que mais geram controvérsias. Sendo disputada discursivamente em diversos

espaços e por diferentes grupos sociais, especialmente, os movimentos feministas, a prostituição

acaba por ensejar um debate que foca, sobretudo, na leitura acerca dos corpos das mulheres e os

motivos que as levaram a entrada em tal ocupação2. Muito embora seja um fenômeno constituído

por diferentes gêneros, sexualidades e corpos, a prostituição permanece ainda, majoritariamente, um

espaço formado por mulheres (cis e trans)3. Dito isso, as questões de gênero e de classe acabam

sendo por excelência as categorias analíticas norteadoras das produções discursivas acerca desse

fenômeno.

1 Doutoranda em Sociologia (PPGS), UFPE, Recife, Brasil. Pesquisadora do NUPERR (Núcleo de Pesquisa em

Relações Raciais) Frantz Fanon. 2 No ano 2002 a prostituição foi incluída na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), que é o documento que

reconhece, nomeia e codifica as ocupações existentes no mercado brasileiro (MINISTÉRIO, 2008). 3 Cisgênero é o termo utilizado para se referir ao indivíduo que se identifica, em todos os aspectos, com o seu “gênero

de nascença”. Já os transgêneros são as pessoas que não se identificam com o seu sexo biológico, mas sim com um

gênero diferente daquele que lhe foi atribuído biologicamente.

2

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

Essas produções buscam apreender o fenômeno da prostituição através da compreensão dos

processos subjetivos das mulheres, enquanto prostitutas, alcançando até o debate sobre a

regulamentação da profissão4. No Brasil, as produções acadêmicas começam a problematizar a

prostituição a partir da década de 1970. Os interesses dessas produções, que possuíam forte apelo

moral, giraram em torno dos processos de controlo e regulação da prostituição, questionando a

organização dos espaços urbanos frente a crescente demanda por tal atividade, se debruçaram

também sobre os aspectos decadentes e perversos que marcavam a identidade dessas mulheres,

buscando entender o porquê dessa escolha e questionavam acerca da responsabilidade do Estado, da

Igreja e da sociedade em relação as prostitutas.

Cabe destacar a relevância dos movimentos feministas para a reconfiguração desses debates.

Ao trazerem a reflexão sobre os papéis de gênero, sobre a questão da liberdade e da escolha, das

sexualidades, da mercantilização dos corpos e das questões sobre violência, o universo da

prostituição começou a ser analisado por diversas frentes analíticas. Temas como os limites

simbólicos do corpo e da prostituta, a representação social e a construção da cidadania, turismo

sexual e o contexto transnacional, os processos identitários, os dilemas da profissão, as relações de

poder no universo da prostituição, as performatividades dos gêneros, etc. são preocupações que

permeiam os debates5 mais recentes sobre a prostituição.

Embora seja possível reconhecer o avanço e a diversidade dos temas que tratam sobre a

prostituição é preciso, contudo, assumir que algumas questões permanecem negligenciadas. No

Brasil, ao pensarmos nas opressões que estruturam a sociedade não podemos desconsiderar a

intersecção entre as questões de raça, gênero e classe, e outros marcadores, que operam como

fortalecedores das desigualdades. Historicamente, desde o período colonial a condição de

subalternidade imposta à população negra reverbera até os dias atuais nos espaços que a mesma

ocupa. Da negação da humanidade aos estereótipos reforçados através dos meios de comunicação

em massa foi produzido um imaginário e uma variedade de insígnias acerca da população negra que

geram implicações subjetivas, físicas e materiais.

4 A lei aqui proposta se intitula “Gabriela Leite” em homenagem a profissional do sexo de mesmo nome, que era

militante de Direitos Humanos, mais especificamente dos direitos dos profissionais do sexo, desde o final dos anos 70

nos episódios ocorridos na região Boca do Lixo em São Paulo.

Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/PL 5 Para aprofundar o debate ver: Fonseca, 1996; Pasini, 2000; Piscitelli, 2005; Merchán Hamann e Guimarães, 2005;

Silva e Blachette, 2005; Silva, 2007; Ceccarelli, 2008; Diniz e Queiroz, 2008.

3

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

No Brasil, a prostituição é um fenômeno que existe desde o período colonial. Inicialmente

foram as mulheres indígenas, que além de passar por abusos e estupros se viram submetidas à

prostituição pelos seus capturadores, em seguida esse espaço foi compartilhado com as mulheres

brancas vindas de Portugal que desfrutavam de outras condições e tratamento e, por último, sob

similares marcas de violência6 destinadas às mulheres indígenas, chegaram as mulheres negras

escravizadas. Com o início da escravidão negra, no Brasil, o cenário da prostituição foi

marcadamente alterado pelo fator racial, por meio da exploração dos seus senhores e das suas

senhoras era possível encontrar em sua constituição uma significativa quantidade de mulheres

negras. (CARMO, 2011, p.74). A condição da mulher negra enquanto cativa se desdobrou em uma

série de violências que perduram até os dias atuais. Equacionada ao seu corpo, a mulher negra teve

em sua sexualidade uma das principais demarcações da sua dimensão identitária.

Os estereótipos7 correspondentes às mulheres negras, e que são (re) produzidos através dos

meios de comunicação em massa, reforçam e legitimam uma série de violências contra essas

mulheres. Os meios de comunicação “imprimem sobre todas as nossas mentes as imagens negativas

da natureza feminina negra”, existindo, basicamente, dois perfis que determinam as mulheres

negras: a primeira imagem “são de objeto sexual, prostitutas, vacas” e a segunda imagem é a “gorda

e irritante figura maternal.” (hooks, 2014, p. 48). Esses estereótipos engessam a identidade das

mulheres negras em um discurso ambivalente que vai desde a negra lasciva, se jovem, até a mulher

dessexualizada, se mais velha. Ou como pontua Gonzáles ao destacar a dupla imagem da mulher

negra, que abarca desde a “‘mulata’, a doméstica e a mãe preta” (GONZALES, 1988, p.224). O

discurso que ora invisibiliza, ora hipersexualiza a mulher negra opera a partir da violência racial e

demarca como esses corpos devem ser tratados.

6 Davis (2016) sobre o estupro reflete “na verdade, era uma expressão ostensiva do domínio econômico do proprietário

e do controle do feitor sobre as mulheres negras na condição de trabalhadores.” (p.20) E complementa “Seria um erro

interpretar o padrão de estupros instituído durante a escravidão como uma expressão dos impulsos sexuais dos homens

brancos, reprimidos pelo espectro da feminilidade casta das mulheres brancas. Essa explicação seria muito simplista. O

estupro era uma arma de dominação, uma arma de repressão, cujo objetivo oculto era aniquilar o desejo das escravas em

resistir e, nesse processo, desmoralizar seus companheiros.” (p.36) 7 Segundo Hall o estereótipo é “Típico desse sistema racializado de representação foi a prática de reduzir a cultura do

povo Negro à Natureza, ou “naturalizando” a diferença. A lógica sobre a naturalização é simples. Se a diferença entre

negros e brancos são “culturais”, então eles estão abertos a modificação e mudança. Mas se elas são “naturais” – como

os donos de escravo acreditam – eles estão além da história, permanente e fixado. Naturalização é portanto uma

estratégia representacional designada a fixar a “diferença”, e assim prendê-lo para sempre. (HALL, 2003, p.245),

4

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

Esses discursos fortalecem o processo de desumanização das mulheres negras, sendo

manifestado através da subalternização, ou como hooks destaca que são mulheres definidas como

“corpos sem mente”. (hooks, 1995, p. 469). De acordo com Gillian e Gillian “a objetificação sexual

das mulheres negras cria indivíduos destinados a serem ‘cozinhados’ e depois consumidos, em vez

de tratados como cidadãos” (GILLIAN E GILLIAN, 1995, p.529). Os estereótipos que objetificam

as mulheres se transformam em marcadores identitários que se apoiam tanto racismo, quanto no

sexismo para serem validados. Para hooks,

O sexismo e o racismo, atuando juntos, perpetuam uma iconografia de representação da

negra que imprime na consciência cultural coletiva a ideia de que ela está neste planeta

principalmente para servir aos outros. Desde a escravidão até hoje, o corpo da negra tem

sido visto pelos ocidentais como o símbolo quintessencial de uma presença feminina

“natural”, orgânica, mais próxima da natureza, animalística e primitiva. (hooks, 1995, p.

468).

Gonzáles (1988) pontua que será graças ao mito da democracia racial e, especificamente, no

carnaval que a representação da hipersexualidade da mulher negra ganhará destaque. Na figura da

“mulata” é reforçada a ideia que a mulher negra “é puro corpo, ou sexo, não ‘engendrado’

socialmente” (Corrêa, 1996, p. 40), o discurso racista se atualizará sob os signos da falsa

valorização dessas mulheres. Saffioti (1987) já denunciava o aspecto perverso desse discurso racista

que se transfigura sob a forma de um elogio, da exaltação da beleza da mulher “morena”

considerada “tipo exportação”, ou seja, a mulher que une em seu corpo o suposto “encontro das

raças” (CORRÊA, 1996, p. 47).

O impacto que essas representações causam nas trajetórias de vida das mulheres negras

merece ser investigado de maneira mais acurada. O discurso racista não se limita em apenas

classificar o que são as mulheres negras, ele alcança o processo subjetivo, interferindo,

principalmente, na maneira como essas mulheres se compreendem. Para hooks

Os esforços de disseminação contínua de desvalorização da natureza feminina negra

tornaram extremamente difícil e frequentemente impossível às mulheres negras

desenvolverem um autoconceito positivo. Porque somos diariamente bombardeadas por

imagens negativas. De facto, uma força opressiva foi este estereótipo negativo e a nossa

aceitação disso como uma papel viável e modelo sobre o qual podemos modelar as nossas

vida. (hooks, 2014, p. 62)

Questões como a baixa escolaridade, os constantes apelos ao corpo sob a forma falaciosa de

elogio, os índices de violência e até mesmo os eufemismos do cotidiano posicionam as mulheres

5

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

negras como um grupo consumidor do discurso racista e sexista que as desqualificam enquanto

mulheres.

Os reflexos do racismo enquanto opressão estruturante marcam também as escolhas das

mulheres negras. Um dos aspectos que pode ser analisado sobre a influência dessas escolhas e a

forma como o racismo se configura é no fenômeno da prostituição. É importante destacar que as

produções acadêmicas incorrem no erro ao manter o debate sobre o fenômeno da prostituição,

principalmente no Brasil, a partir de discursos atravessados apenas pela leitura de gênero e/ou de

classe. Apesar da reconhecida importância e da pluralidade das abordagens produzidas sobre a

prostituição é preciso reconhecer também que o debate, no que tange ao recorte racial é inexistente

por ainda ser tratado como opressão tangencial, hooks destaca que as feministas, tanto acadêmica

como dos movimentos, “tendem a diminuir raça” e acrescenta que “elas fazem questão de

reconhecer que raça é importante e em seguida procede fornecendo uma análise em que raça não é

considerada.”.8 (hooks, 2000, p 144)

De acordo com Kempadoo é necessário e, principalmente, urgente examinar o fenômeno da

prostituição a partir de novas perspectivas. Um das questões que autora chama atenção é para a

lacuna das análises raciais nas produções.

A mulher de cor permanece de várias formas racializada como altamente sexual pela

natureza, e posicionada como “ideal” para o trabalho sexual. [...] Nossas percepções,

conhecimento, e compreensão do trabalho sexual têm sido amplamente obscurecidos ou

dominados pelas feministas brancas radicais, neomarxistas e feministas socialistas

ocidentais inspirando análises que tenham sido incapazes ou relutantes em lidar com as

complexidades da vida da mulher negra. (KEMPADOO, 2001, p. 40) (tradução livre)9

Para uma compreensão mais ampla das distintas realidades alguns autores têm chamado a

atenção para a utilização um conceito emergente, a interseccionalidade. Tal conceito se constitui

uma ferramenta fundamental tanto para ativistas e teóricas feministas comprometidas com análises

das relações entre classe, gênero e raça, e outros marcadores, em distintos contextos (RODRIGUES,

2013). A interseccionalidade vem denunciar que a produção de uma teoria e prática

feminista não pode apenas contemplar as questões de gênero e de classe, lançar mão dos conceitos

como raça, religião, corpo, territorialidade, sexualidades, e outros marcadores, é coadunar com a

8 bell hooks (2000, p.144) “they tend to dismiss race or they make a point of acknowledging that race is important and

then proceed to offer na analysis in which race is not considered.” 9 Texto original: Women of color remains in various ways racialized as highly sexual by nature, and positioned as “ideal” for sex work. [...] Our insights, knowledges, and understanding of sex work have been largely obscured or dominated by White radical feminist, neo-marxist or Western socialist feminist inspired analyses that have been either incapable or unwilling to address the complexities of the lives of women of color. (KEMPADOO, 2001, p. 40).

6

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

postura de que essas outras opressões são de menor importância para o enfrentamento das

hierarquias existentes.

O conceito de interseccionalidade ao ajudar a compreender os processos e as

dinâmicas da desigualdade é útil como ferramenta analítica para identificar como se dão as

opressões e, consequentemente, como são produzidos os privilégios para uma parcela da sociedade.

A emergência desse conceito é destacada pelas feministas negras brasileiras em suas produções

acadêmicas que procuram compreender como o racismo, o sexismo e o classismo, e outros

marcadores, produzem formas variadas de opressão.

Dito isso, os movimentos feministas e as produções sobre o mercado do sexo precisa pautar

suas problematizações a partir de outras opressões, reconhecendo emergência do debate racial em

tais análises. Segundo Nunes (2015) as prostitutas negras enfrentam opressões interseccionais de

gênero, raça e classe, e outros marcadores, desconstruindo os discursos que partem da concepção do

empoderamento e da livre escolha defendida tanto por alguns movimentos feministas como algumas

produções acadêmicas. Tal análise se apoiou no conceito de escolha proposto por hooks (2000), não

obstante considere e reconheça que o sexismo seja um marcador opressivo extremamente violento

que atinge todas as mulheres, ao ser cruzada com o racismo, e outros marcadores, essa escolha, para

as mulheres negras passa a operar como ausência de escolhas. A autora justifica que a existência de

um escopo limitado de possibilidades não pode ser definida como escolha.

Destarte, o debate sobre a escolha, ou ausência dela, associado aos dados de exclusão

revelam que as mulheres negras e pobres, numa estrutura de opressão onde raça, gênero e classe, e

outros marcadores se interseccionam, são destituídas da possibilidade de reconhecimento positivo

da identidade10, no que tange a educação representam o maior número das retenções escolares11,

somam a maior parcela entre as desempregadas ou assalariadas sem carteira assinada12, são as mais

vulneráveis ao aborto de risco13, são as que mais sofrem com abandono e solidão, pois não são

consideradas um modelo para o “mercado de afetos”, mas para o “mercado do sexo”14. A

articulação desses fatores caracteriza o que Carneiro (2011) e Nascimento (2013) classificam como

feminização da pobreza, marcando as possibilidades reais que existem para as mulheres negras e

pobres.

10 Ver Araujo, 2000; Aguiar, 2007; Gomes, 2002, 2012; Pacheco, 2012. 11 Ver Rosemberg, 1999; Gomes, 2002a; Carneiro, 2011; Dias 2013; Lewis e Nascimento, 2013. 12 Ver Ipea, 2011; DIEESE, 2013. 13 Ver Diniz e Medeiros, 2012. 14 Ver hooks, 2006; Pacheco, 2015.

7

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

Esses dados foram facilmente identificado na pesquisa desenvolvida por Nunes (2015), ao

revelar a trajetória de vida das prostitutas de rua no Recife, esta constituída, majoritariamente, por

mulheres negras e pobres. Segundo Nunes

Todos esses dados revelam, estruturalmente, que as possibilidades para as mulheres negras

e pobres são mais difíceis. A escolha pela prostituição, a partir desses recortes (de raça, de

gênero e de classe), não pode ser compreendida apenas pelo viés das necessidades

econômicas, é preciso reconhecer que outros fatores contribuem para tal escolha e pela

permanência das mesmas na prostituição. A inscrição do racismo nos corpos das mulheres

negras na condição de prostituta revela os espaços que elas devem e podem, naturalmente,

ocupar (NUNES, 2015, p. 12).

Para a mulher negra que se reconhece nos discursos dos meios de comunicação de massa por

meio dos estereótipos que “ultravalorizam” a sexualidade em detrimento de qualquer outro aspecto,

onde seu corpo é equacionado a uma ideia que a hiper-fetichiza e essas representações a

personificam como um sexo diferenciado unindo as dificuldades financeiras e as necessidades

emergenciais, entrar e permanecer na prostituição não pode ser compreendido apenas pelo debate da

livre escolha (NUNES, 2015).

A trajetória de vida das mulheres negras15 entrevistas por Nunes (2015) apresentaram

diversas traços em comum, muito embora não se conhecessem foi possível identificar que aspectos

da infância, da adolescência, do campo dos afetos, em relação ao abandono, sobre a entrada e

permanência na prostituição se reproduziam nos relatos dessas mulheres. Um ponto central nas falas

das entrevistadas se refere à dimensão da sexualidade como fator relevante no contexto da

prostituição. Enquanto mulheres negras a existência da necessidade pela disputa dos espaços e dos

clientes para conseguir se manter na prostituição compõe uma das dificuldades que elas enfrentam.

Ao alegarem a preferência, por parte dos clientes, pelas mulheres jovens e brancas revelam

um dos entraves enfrentados no que se refere a possibilidade de maiores ganhos.

Apesar de reconhecerem o preterimento, as mulheres negras na condição de prostituta

evocam a relação entre o desejo e a cor como forma de destacarem o diferencial que possuem frente

as prostitutas brancas. Todas foram assertivas quanto a confirmação do desejo diferenciado que as

15 Foram entrevistas cinco mulheres negras como faixa etária que varia dos 20 aos 47 anos. O recorte geográfico das

zonas de prostituição em Recife permitiu identificar algumas diferenças que garantem a manutenção de algumas

hierarquias entre os bairros, tais como perfil das prostitutas, valores cobrados e o perfil dos clientes. Foram escolhidos

os bairros de Boa Viagem (zona sul), Imbiribeira (zona sul) e o bairro de São José (centro). No bairro de Boa Viagem,

zona conhecida pela alta concentração de turistas, o perfil físico das mulheres atendem a uma demanda mercadológica

de um padrão estético de beleza. Esse público é jovem, composto por mulheres brancas, majoritariamente, que cobram

em média de 100 a 200 reais por programa. Nos outros dois bairros os perfis se assemelham; são mulheres em sua

grande maioria negras, com faixa etária a partir dos 30 anos os corpos estão fora dos padrões estéticos e os valores

cobrados pelo programa variam de 30 a 70 reais.

8

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

mulheres negras possuem, Luiza16 destaca “Na minha opinião, a mulher negra, ela é mais

avoroçada, entendeu? Ela é mais quente sabe e eu acho mesmo, entendeu? Ela é mais avoroçada,

mais quente, ela é mais mulher.”. Seguindo o mesmo raciocínio Patrícia comenta “Muitos já

falaram pra mim que num é pelo meu corpo e sim pela minha cor que saem comigo, porque me

acham muito bonita. Não só pela minha cor e sim porque tenho a pele muito limpa. Já escutei

muito isso. Muito limpa, muito macia, lisa, eu já escutei muito isso e eles assim dizem que é muito

quente.”. Segundo Carolina “A mulher negra...porque a mulher bronzeada quando quer tirar onda

ela pode, ela endoida. Ela sabe como tirar onda, porque até, porque quando quer, se você cismar,

se você quiser chamar a atenção, chama.”. E Gê ao se definir defende “Eu me acho uma mulher

quente! Porque tem tudo, eu acho assim, que tem tudo, visse.”.

É perceptível na fala das entrevistadas que o reforço dos estereótipos raciais,

principalmente no que tange a hipersexualidade, passa por uma estratégia de valorização do que

elas conseguem oferecer aos clientes. Muito embora se considere que as relações cotidianas são

construídas a partir de negociações que podem provocar tensões na ordem, defender que existe a

possibilidade das mulheres negras “positivarem” os estereótipos raciais, visando garantir e aumentar

seu lucro para se estabelecerem na prostituição, é considerável, no entanto a possibilidade de

relativizar as insígnias produzidas sobre os corpos das mulheres negras é praticamente inexistente.

Os corpos das mulheres negras estão racialmente marcados pela dimensão da hipersexualidade, ao

serem destituídos de humanidade as chances de negociação é praticamente inexistente.

Dito isso se torna urgente tencionar o debate acerca da invisibilidade das questões raciais na

prostituição feminina no Brasil. Considerando o processo de formação nacional e os espaços

ocupados, historicamente, pelas mulheres negras, é necessário trazer a reflexão, tanto teórica, como

empírica, através de uma análise crítica que busca a superação dos debates de gênero e de classe

como as únicas estruturas/hierarquias que contribuem para compreensão do universo do mercado do

sexo e seus variados fenômenos.

O posicionamento em escolher não utilizar a categoria racial para apreender o fenômeno da

prostituição, principalmente no Brasil, permite a manutenção das violências que atingem as

mulheres negras. São essas mulheres que, independente dos espaços que ocupa ou da função que

exerça, são designadas como “sexualmente selvagens, e em termos sexuais uma selvagem sexual,

uma não-humana” (hooks, 2014, p.39). Existe uma construção discursiva que é reforçada

cotidianamente em que as mulheres negras são naturalmente predispostas, acessíveis e depravadas.

16 A pedido das entrevistadas foram utilizados nomes fictícios.

9

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

Percebemos que os materiais, citados no decorrer do texto, privilegiam em suas as perspectivas as

categorias de gênero e/ou de classe, o que nos direciona a repensar a questão17 da invisibilidade das

mulheres negras, sob um discurso que reforça a naturalização das suas representações e,

consequentemente, dos espaços ocupados.

Referências

AGUIAR, M.M. A construção das hierarquias sociais: classe, raça, gênero e etnicidade. Cad.

Pesq. CDHIS, ano 20, n 36/37, p.83-88, 2007. Disponível em:<

http://files.ufgd.edu.br/arquivos/arquivos/78/NEAB/AGUIAR-

%20MARCIO.%20A%20construcao%20das%20hierarquias%20sociais%20classe-%20raca-

%20genero%20e%20etnicidade.pdf > Acesso em: 20 de maio de 2017.

ARAÚJO, JOEL ZITO. Identidade racial e estereótipos sobre o negro na TV brasileira. In:

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo; HUNTLEY, Lynn. Tirando a máscara.: Ensaios sobre o

racismo no Brasil.. São Paulo: Paz e Terra, 2000. p. 77-96.

CARMO, Paulo Sérgio do. Entre a luxúria e o pudor: A história do sexo no Brasil. São Paulo:

Octavo, 2011.

CARNEIRO, Sueli. Gênero, raça e ascensão social. Estudos Feministas, Florianópolis, v.2, nº 3,

p.544-552, jul.1995. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16472 >

Acesso em: 09 de abril de 2013

_______________. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir

de uma perspectiva de gênero. Revista Lola, nº 16, Espanha, 2001.

_______________. Racismo, Sexismo e Desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CECARELLI, P. R. Prostituição: Corpo como mercadoria. In: Mente & Cérebro Sexo, v. 4 (edição

especial), 2008. P. 1-10.

CORRÊA, Mariza. Sobre a invenção da mulata. Cadernos Pagu, Campinas, v. 7, n. 6, p.35-50,

jun.1996. Disponível em: <

https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1860 > Acessado em: 12 de

fevereiro de 2014.

DAVIS, ANGELA. Mulher, raça e classe. Tradução: Heci Regina Candini. 1ª edição. São Paulo,

Editora Boitempo, 2016.

DIAS, Lucimar Rosa; BARRETO, Maria Aparecida Silva. Educação infantil e relações raciais:

conquistas e desafios. UFMT, 2013 Disponível em: <

http://www.diversidadeducainfantil.org.br/PDF/EDUCA%C3%87%C3%83O%20INFANTIL%20E

%20RELA%C3%87%C3%95ES%20RACIAIS%20-

17 Ver Gonzales, 1984; Gilliam e Gilliam, 1995; Carneiro, 1995, 2001; Corrêa, 1996; Araújo, 2000; Nascimento, 2003; Munanga, 2008.

10

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

%20Maria%20Aparecida%20Bento%20e%20Lucimar%20Dias.pdf > Acesso em: 29 de março de

2015

DIEESE. Mapa do negro por mercado de trabalho no Brasil – Regiões Metropolitanas de São

Paulo, Salvador, Recife, Belo Horizonte e Porto Alegre e no Distrito Federal. São Paulo, junho,

2013.

DINIZ, Débora; MEDEIROS, Marcelo. Itinerários e métodos do aborto ilegal em cinco capitais

brasileiras. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 7, p.1671-1681, jul.2012.

Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-

81232012000700002 > Acesso em: 26 de maio de 2014.

DINIZ, Maria Ilidiana; QUEIROZ, Fernanda Marques de. Relação entre gênero, sexualidade e

prostituição. Divers@ Rev. Eletrônica Interdisc, Curitiba, v. 1, n. 0, p.2-16, jun. 2008. Disponível

em: < http://revistas.ufpr.br/diver/article/view/34006 > Acesso em 24 de novembro de 2014.

FONSECA, Claudia. A dupla carreira da mulher prostituta. Estudos Feministas, Florianópolis, v.

4, n. 1, p.7-33, ago. 1996. Disponível em: <

https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16650 > Acesso em 02 de março de 2014.

GILLIAM, Angela; GILLIAM, Onik'a. Negociando a subjetividade da mulata. Estudos

Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p.525-543, nov. 1995. Disponível em: <

https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/viewFile/16471/15041 > Acesso em 17 de junho de

2014.

GOMES, Nilma Lino. Trajetória escolares, corpo negro e cabelo crespo. Revista Brasileira de

Educação, Rio de Janeiro, v. 1, n. 21, p.40-51, set. 2002. Disponível em: <

http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n21/n21a03 > Acesso em: 15 de julho de 2013

___________________. Corpo e Cabelo como símbolo de identidade negra. p. 01-14, 2012

Disponível em: < http://www.acaoeducativa.org.br/ > Acesso em: 08 de maior de 2014.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, São

Paulo, v. 4, n. 4, p.223-244, jun. 1984.

GUIMARÃES, Katia; MERCHÁN-HAMANN, Edgar. Comercializado fantasias: a representação

social da prostituição, dilemas da profissão e a construção da cidadania. Estudos

Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 13, p.525-544, dez. 2005. Disponível em: <

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-026X2005000300004&script=sci_abstract&tlng=pt >

Acesso 05 de março de 2013.

hooks, bell. Intelectuais Negras. Estudos Feministas. Florianópolis, v. 3, n. 2, p.464-478, jul.1995.

Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16465 > Acesso em: 19 de

janeiro de 2013.

___________. Vivendo de amor. In: WERNECK, Jurema et all. (Orgs.) O livro da saúde das

mulheres: nossos passos vêm de longe. Trad. Maísa Mendonça, Marilena Agostina e Maria Cecilia

MacDowell dos Santos. 2ª Edição, Rio de Janeiro, Pallas, 1995, p. 188-198.

___________. Black Women: Shaping Feminist Theory. In: JAMES, Joy; SHARPLY, T.

Denean. The Black Feminist Reader.Ny: Publishers, 2000. p. 131-145.

11

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

___________. Não sou eu uma mulher. Mulheres negras e feminismo. Tradução livre para a

Plataforma Gueto. 1ª Edição, 2014.

IPEA. Retratos das desigualdades de gênero e raça. 4ª Ed. Brasília, 39p., 2011.

KEMPADOO, Kamala. Women of color and global sex trade. In.: Transnational feminist

perspectives, v. 1, nº 2, Spring, 2001, pp. 28-51. Indiana University Press.

LEWIS, Liana; NASCIMENTO; Emanuele Cristina Santos do. Crianças e negociações raciais a partir da

telenovela Fina Estampa. Estudos de Sociologia, Recife, PE, v. 02, n. 19. 2013. Disponível em: <

http://www.revista.ufpe.br/revsocio/index.php/revista/article/view/409/335 > Acesso em: 29 jul. 2014.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGRO, 2008. CBO (Classificação Brasileira de Ocupações)

Profissionais do sexo. Disponível em: < http://www.ocupacoes.com.br/cbo-mte/519805-profissional-do-sexo

> Acesso em 09 de novembro de 2014.

MUNANGA, KABENGUELE. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: Identidade nacional versus

identidade negra. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. O sortilégio da cor: identidade, raça e gênero no Brasil. São Paulo:

Selo Negro, 2003.

NUNES, Alyne I. F. Prostituição feminina negra: uma análise da violência racial e de gênero na

trajetória de vida das prostitutas negras do Recife. 104 f. Dissertação (mestrado). Curso de

sociologia, PPGS, UFPE, Recife, 2015.

RODRIGUES, Cristiano. Atualidade do conceito de interseccionalidade para a pesquisa e prática

feminista no Brasil. X Fazendo Gênero. Florianópolis, 2013. Anais eletrônicos. Disponível em: <

http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1373303618_ARQUIVO_cri

stianorodriguesFG2013.pdf > Acesso em: 22 de março de 2017.

PACHECO, Ana Claudia Lemos. Mulher negra: Afetividade e solidão. Salvador: Edufba, 2013.

PASINI, Elisiane. Limites simbólicos corporais na prostituição feminina. Cadernos

Pagu, Campinas, v. 1, n. 14, p.181-200, out. 2000. Disponível em: <

https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635351 > Acesso em: 15 de

setembro de 2013.

PISCITELLI, Adriana. Apresentação do Gênero no mercado do sexo. Cadernos Pagu, Campinas,

v.25, p 7-23, dez.2005. Disponível em: <

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332005000200001 > Acesso em:

29 de outubro de 2014.

ROSEMBERG, Fúlvia. Expansão da Educação Infantil e Processo de Exclusão. IN Cadernos de

Pesquisa. Fundação Carlos Chagas / Autores Associados: São Paulo, Nº 107, Julho de 1999.

Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/cp/n107/n107a01.pdf > Acesso em 30 de agosto de

2014.

SAFFIOTI, Heleieth I. B.. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SILVA, Ana Paula da; BLANCHETTE, Thaddeus. "Nossa Senhora do Help": Sexo, turismo e deslocamento

transnacional em Copacana. Cadernos Pagu, Campinas, v. 25, n. 1, p.249-280, dez. 2005.

12

Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos),

Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X

STUART, HALL. ‘The Spectacle of the Other’. In: HALL, Stuart (Org.). Representation – Cultural

Representations and Signifying Practices. London: Sage/The Open University, 2003.

Racial violence and prostitution: a debate beyond gender

Astract: Abstract: The debate on prostitution has contemplated several approaches and rethought

numerous problems. Among the approaches, the most recurrent aspect is the discussion of gender,

either through a confrontation with the multiple violence suffered by these women or through an

understanding of the other aspects of prostitution, for example, prostitution and the unfolding of this

type of market. It is possible to perceive in these productions that although a concern is identified in

dealing with the reality of prostitution the racial question is not contemplated, being this discussion

invisibilizada in what concerns the analysis of this market. This invisibility is the fruit of our

particular type of racism that insists on thinking the same as non-structuring of existing oppressions.

To understand historically the place of prostitution in Brazil is to accept that it was the black

women who have been occupying this space from colonial times to the present day. Black women

are exposed to the structuring oppressions of society in an intersectional way, such as class, race,

and gender, which often force them into less privileged choices of survival, and prostitution turns

out to be one of them. Analyzing prostitution by ignoring the racial question as one of the

determining factors of entry and permanence of these black women is to guarantee the maintenance

of a discourse that subsumed or excludes racism as a central element of the oppressions that

structure our society.

Keywords: Violência racial. Prostituição. Invisibilidade. Interseccionalidade.